Os maias trabalho individual

  • Published on
    01-Jul-2015

  • View
    121

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Este trabalho faz o resumo do captulo XIII da obra Os Maias. aconselho a fazerem download do trabalho para poderem ver melhor pois existem imagens sobrepostas ao texto!!!

Transcript

<ul><li> 1. Resumo do captulo VIII Trabalho realizado por: Maria Ins Teixeira 11P N8 </li></ul> <p> 2. Carlos da Maia Cruges Joo da Ega Eusbiozinho Palma Toms de Alencar Encanacin e Lolita 3. Carlos era um belo e magnfico rapaz. Era alto, bem constitudo, de ombros largos, olhos negros, pele branca, cabelos negros e ondulados. Tinha barba fina, castanha escura, pequena e aguada no queixo. O bigode era arqueado aos cantos da boca. "belo cavaleiro da Renascena". Carlos era culto, bem educado, de gostos requintados. Amigo do seu amigo e generoso. Destaca-se na sua personalidade o cosmopolitismo. Todavia, apesar da educao, Carlos fracassou. 4. "De grenha crespa que lhe ondulava at gola do jaqueto", "olhinhos piscos" e nariz espetado. Maestro e pianista pattico, era amigo de Carlos e ntimo do Ramalhete. Era demasiado chegado sua velha me. desmotivado devido ao meio lisboeta - "Se eu fizesse uma boa pera, quem que ma representava". 5. Ega usava "um vidro entalado no olho", tinha nariz curvo, pescoo esganiado, punhos magricelas, pernas de cegonha. Era o autntico retrato de Ea. Amigo ntimo de Carlos desde os tempos de Coimbra, onde se formara em Direito. A me era uma rica viva e beata que vivia ao p de Celorico de Bastos, com a filha. Bomio, excntrico, exagerado, caricatural, anarquista sem Deus e sem moral. leal com os amigos. 6. Eusebiozinho representa a educao retrgrada portuguesa. Tambm conhecido por Silveirinha, era o primognito de uma das Silveiras - senhoras ricas e beatas (D.Ana). Cresceu magricela, molengo, tristonho e corrupto. Casou-se, mas enviuvou cedo. Procurava, para se distrair, bordis ou aventureiras de ocasio pagas hora, isto devido educao que teve (Educao portuguesa) 7. Toms de Alencar era "muito alto, com uma face encaveirada, olhos encovados, e sob o nariz aquilino, longos, espessos, romnticos bigodes grisalhos". Era calvo, em toda a sua pessoa "havia alguma coisa de antiquado, de artificial e de lgubre. O paladino da moral. Era tambm o companheiro e amigo de Pedro da Maia. 8. Sintra A maior parte da ao deste captulo passa-se em Sintra Lisboa- No final do captulo Carlos, Alencar e Cruges regressam a Lisboa Hotel Lawrence - fica em Sintra- Inicialmente neste Hotel que Carlos se pretende instalar mas depois muda-se para o Nunes. Nunes- uma penso onde Carlos se instala e encontra Eusebiozinho. 9. Esta viagem tem o propsito escondido por Carlos, de procurar um encontro fortuito com a Sra. Castro Gomes, que ele julgava em Sintra. Carlos, no entanto, pensava no motivo que o trazia a Sintra. E realmente no sabia bem porque vinha: mas havia duas semanas que ele no avistava certa figura que tinha um passo de deusa- pg. 227 10. Carlos vai a Sintra com a ideia de voltar a ver Maria Eduarda e que o seu amigo Dmaso a apresente. Cruges no sabe do motivo. Carlos pensava seriamente que Maria se encontrava em Sintra e queria ve-la. 11. Carlos inicialmente ia para o Hotel Lawrence. Decidiu ltima da hora ir para a penso Nunes. Essa deciso veio devido ao facto de ele no querer encontrar-se com Maria Eduarda de repente sem que ela suspeitasse. 12. No Nunes eles encontram Eusbiozinho que se encontrava com um amigo e estavam acompanhados por duas espanholas. O amigo chamava-se Palma e as duas espanholas se que acompanhava eram: Lolita e a Concha. Pedro conhecia Lola pois tinham uma amiga em comum, a Encarnacin. Concha e Eusbiozinho discutem 13. Pedro e Cruges decidem ir a Seteais e pelo caminho encontram Alencar. Os trs encaminham-se para Seteais Carlos sabe por meio de um criado do Lawrence que os Castro Gomes haviam j partido para Mafra e que depois iriam para Lisboa. Regresso de Carlos a Lisboa com Cruges e </p>