Uma benção de ano novo (charles haddon spurgeon)

  • View
    98

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Uma benção de ano novo (charles haddon spurgeon)

1. www.projetospurgeon.com.br 1 2. www.projetospurgeon.com.br 2 Uma Beno de Ano Novo N 292 Sermo pregado na manh de Domingo, 1 de Janeiro de 1860, por Charles Haddon Spurgeon. Em Exeter Hall, Strand, Londres. Mas o Deus de toda a graa, que nos chamou sua glria eterna em Jesus Cristo, depois que tenhais padecido um pouco de tempo, ele mesmo os aperfeioe, confirme, fortalea e estabelea. 1 Pedro 5:10. O apstolo Pedro passa da exortao para a orao. Ele sabia que a orao marca o fim da pregao no ouvinte, mas que a pregao do ministro deve ir sempre acompanhada de orao. Havendo exortado os crentes a caminhar com firmeza, dobra os seus joelhos e os encomenda a vigilncia zelosa do cu, implorando sobre eles uma das maiores bnos que o corao mais afetuoso alguma vez haja suplicado. O ministro de Cristo deve exercer dois ofcios ao povo que est ao seu cargo. Deve lhes falar por Deus e falar a Deus por eles. O pastor no ter cumprido todavia com toda a sua sagrada comisso quando houver declarado todo o conselho de Deus. Somente haver cumprido uma metade. A outra parte dever desempenhar em segredo, quando carregar em seu peito, como o sacerdote nos tempos antigos fazia, as necessidades, os pecados, as provaes e as splicas de seu povo diante de Deus. O dever dirio do pastor cristo consiste por um lado em orar por seu povo, e por outro em exortar, instruir e consolar a esse povo. H, contudo, situaes especiais quando o ministro de Cristo se v constrangido a pronunciar uma bno incomum sobre seu povo. Quando um ano de tribulao passa e outro ano de misericrdia comea, podemos expressar nossos sinceros agradecimentos por Deus ter nos preservado, e nossas fervorosas splicas por milhares de bnos sobre as cabeas daqueles a quem Deus encomendou debaixo do nosso cuidado pastoral. Esta manh tomei este texto como uma bno de ano novo. Vocs sabem que um ministro da Igreja da Inglaterra sempre me proporciona o tema para o novo ano. Ele ora muito antes de seleccionar o texto, e eu sei que hoje, est oferecendo esta precisa orao por todos vocs. Ele constantemente me favorece com um tema, e sempre considero meu dever pregar sobre ele, e desejar que meu povo o recorde ao longo de todo o ano para que sirva de 3. www.projetospurgeon.com.br 3 apoio no tempo de sua tribulao, como um delicioso manjar, como uma bolacha com mel, como o pedao do alimento de um anjo, que possa pr sobre a sua lngua e lev-lo at que finalize o ano, para logo recomear com outro doce texto. Que bno maior poderia ter escolhido meu amigo ancio, de p hoje em seu plpito, levantando mos santas para pregar ao povo em uma pacfica igreja camponesa? Que bno maior poderia implorar ele para os milhares de Israel, que esta bno que em seu nome pronuncio sobre vocs neste dia: Mas o Deus de toda a graa, que nos chamou sua glria eterna em Jesus Cristo, depois que tenhais padecido um pouco de tempo, ele mesmo os aperfeioe, confirme, fortalea e estabelea. Ao pregar sobre este texto, terei que explicar: primeiro o que o apstolo pede ao cu; e logo, em segundo lugar por qu espera receb-lo. A razo de sua esperana, de receber o que pede, est contida no ttulo que utiliza para dirigir-se ao Senhor seu Deus: MAS O DEUS DE TODA A GRAA, que nos chamou sua glria eterna em Jesus Cristo. I. Ento, em primeiro lugar, O QUE O APSTOLO PEDE PARA TODOS AQUELES A QUEM ESCREVEU ESTA EPSTOLA. Ele pede para eles quatro jias resplandecentes colocadas sobre um negro pano de realce. As quatro jias so estas: Perfeio, Confirmao, Fortalecimento e Estabelecimento. O negro pano de realce sobre o qual esto colocadas este: Depois que tenhais padecido um pouco de tempo. As lisonjas do mundo valem pouco, pois como observa Chesterfield: No custam nada exceto tinta e papel. Devo confessar que creio que inclusive este pequeno gasto um grande desperdcio. As lisonjas mundanas geralmente omitem toda a ideia de aflio. Um feliz Natal! Um prspero Ano Novo! No h nenhuma suposio de algo que se parea ao padecimento. Mas as bnos crists apontam a verdade dos assuntos. Sabemos que os homens devem padecer. Cremos que os homens nascem para serem acumulados de dores da mesma maneira que a fasca nasce para voar ao alto; e por isso em nossa bno inclumos o padecimento. E mais, vamos mais alm, cremos que nossa tristeza nos ajudar a alcanar a bno que invocamos sobre nossas cabeas. Ns, no vocabulrio de Pedro, dizemos: Depois que tenhais padecido um pouco de tempo, ele mesmo os aperfeioe, confirme, fortalea e estabelea. Entendam ento que, conforme eu mostre cada uma destas quatro jias, devem observ-las e considerar que so desejadas para vocs, depois que tenhais padecido um pouco de tempo. 1. Agora a primeira jia resplandecente neste diadema a Perfeio. O apstolo ora para que Deus nos aperfeioe. Certamente, ainda que esta seja uma orao para um longo perodo de tempo, e a jia seja um diamante de 4. www.projetospurgeon.com.br 4 belas guas e de tamanho excepcional, absolutamente necessrio que um cristo em ltima instncia chegue perfeio. Acaso nunca tiveram um sonho em suas camas, quando seus pensamentos vagueiam livremente e a boca de sua imaginao corre sem freio, e sua alma abre suas asas e flutua por todo o infinito, agrupando coisas estranhas e maravilhosas, de tal maneira que o sonho se desenvolvia em algo como um esplendor sobrenatural? Mas, subitamente foram despertados, e vocs lamentaram durante horas que o sonho no tivesse chegado a uma concluso. E o que um cristo, que no chega a perfeio, seno um sonho no concludo? Um sonho majestoso de todas as maneiras, e certamente, cheio das coisas que a terra no teria conhecido antes, se no fosse porque so reveladas pelo Esprito carne e ao sangue. Mas suponhamos que a voz do pecado nos espantasse antes que o sonho se conclusse, e como cada um se desperta, perdssemos a imagem que comeou a se formar em nossas mentes, o que seria de ns ento? Remorsos eternos e uma multiplicao do tormento eterno seriam o resultado de haver comeado a ser cristos, se no alcanssemos a perfeio. Se pudesse existir tal coisa como um homem em quem se comeou a obra da santificao, mas em quem Deus no Esprito cessou de operar; se pudesse existir um ser to infeliz como para ser chamado pela graa para ser abandonado antes de ser aperfeioado, no haveria entre os condenados no inferno desventurado mais infeliz. No seria uma bno que Deus comeasse a abenoar se no levasse perfeio. Seria a maior maldio que a ira Onipotente poderia pronunciar: dar para um homem a graa, mas que essa graa no o conduzisse at o fim e no o pusesse com segurana no cu. Eu devo confessar que preferiria suportar os tormentos desse terrvel arcanjo, Satans, por toda a eternidade do que ter que sofrer como algum a quem Deus uma vez amou, mas a quem depois reprovou. Mas isso no acontecer jamais. A quem uma vez escolheu, Ele no o rejeitar. Sabemos que onde Ele comeou uma boa obra, a aperfeioar at o dia de Jesus Cristo. Grandiosa a orao, ento, na qual o apstolo pede que sejamos aperfeioados. O que seria de um cristo se no fosse aperfeioado? Nunca viram um painel sobre o qual a mo do pintor tenha esboado com atrevido pincel alguma cena maravilhosa de grandeza? Vem onde a viva cor tenha sido pintada com uma habilidade quase sobre-humana. Mas o artista caiu morto repentinamente e a mo que desenhou milagres de arte ficou paralisada e o pincel caiu. Acaso no fonte de lamentos no mundo que alguma vez se tenha comeado uma pintura que no pde jamais ser terminada? No viram o humano semblante divino em um relevo talhado em mrmore? Viram a elegante habilidade do escultor e disseram a vocs 5. www.projetospurgeon.com.br 5 mesmos: Isto ser algo maravilhoso! Que demonstrao sem par de habilidade humana! Mas, Ah! Nunca foi completada, no se pde terminar. E poderiam imaginar, qualquer um de vocs, que Deus comeara a esculpir um ser perfeito e que no o terminara? Pensam que a mo da sabedoria divina esboaria ao cristo sem completar seus detalhes? Acaso Deus nos tomou da pedreira como uma pedra sem lavrar, e comeou a esculpir em ns, e a mostrar Sua arte divina, Sua maravilhosa sabedoria e graa, para logo nos lanar fora? Acaso Deus falhar? Deixar, por acaso, que Suas obras sejam imperfeitas? Leitores, mostrem se podem, algum mundo que Deus haja abandonado sem poder terminar. H alguma partcula em Sua criao na qual Deus tenha comeado a construir algo, mas que tenha sido incapaz de concluir? Acaso deixou incompleto algum anjo? H, por acaso, uma s criatura da qual no se possa dizer: muito boa? E se dir da criatura formada duas vezes: do eleito de Deus, do comprado com sangue, acaso se dir: O Esprito comeou a operar no corao deste homem, mas o homem foi mais poderoso que o Esprito, e o pecado venceu a graa; Deus teve que fugir e Satans triunfou, e o homem nunca foi aperfeioado? Oh, meus queridos irmos, a orao ser ouvida. Depois que tenhais padecido um pouco de tempo, Deus os aperfeioar, se Ele comeou a boa obra em vocs. Mas, amados, deve ser depois que tenham padecido um pouco de tempo. No podero ser aperfeioados, exceto pelo fogo. No h outra forma de lhes tirar a sua escria e suas impurezas seno por meio das chamas da fornalha da aflio. Filhos de Deus, vossa insensatez est to ligada a seus coraes, que nada seno a vara pode extirp-la. atravs das marcas de seus ferimentos que seu corao melhorado. Devem passar pela tribulao para que, por meio do Esprito, possa funcionar como fogo purificador para vocs; para que uma vez purificados, santos, acrisolados, e lavados, compaream diante da face de Deus, isentos de toda imperfeio, e livres de toda corrupo interna. 2. Prossigamos agora para a segunda jia de bno: Confirmao. No suficiente que o cristo tenha recebido um aperfeioamento proporcional, se no confirmado. Vocs j viram um arco-iris no cu quando se faz visvel pela plancie: suas cores so gloriosas, e suas nuances so excepcionais. Ainda que o tenhamos visto muitssimas vezes, nunca deixa de ser algo belssimo e um gozo constante. Mas que lstima do arco-ris, no est confirmado. Se desvane