Adpf 390 e 391 parecer

  • View
    239

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Adpf 390 e 391 parecer

  • No 60.818/2016-AsJConst/SAJ/PGR

    Arguies de descumprimento de preceito fundamental390/DF e 391/DFRelator: Ministro Teori ZavasckiRequerentes: Partido Socialista Brasileiro

    Partido da Social Democracia BrasileiraInteressada: Presidente da Repblica

    CONSTITUCIONAL. ARGUIES DE DESCUMPRI-MENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL. NOMEAODE PESSOA INVESTIGADA CRIMINALMENTE PARACARGO DE MINISTRO DE ESTADO. EXAMEPROBATRIO LIMITADO EM ADPF. POSSIBILIDADE.PRINCPIO DA SUBSIDIARIEDADE. ATENDIMENTO.ATO POLTICO-ADMINISTRATIVO. LIMITAO DOCONTROLE. INDCIOS DE DESVIO DE FINALIDADE.DESLOCAMENTO DE COMPETNCIA. EFEITOSECUNDRIO. DANOS OBJETIVOS PERSECUOPENAL. MANUTENO DA NOMEAO, COMPERMANNCIA DO FORO DE PRIMEIRO GRAU.1. Cabe conhecer arguies de descumprimento de preceito fun-damental (ADPF) por estar atendida a regra da subsidiariedade, isto, por no existir meio alternativo apto a sanar, de forma ampla,geral e imediata, as alegadas leses a preceitos fundamentais. 2. possvel ajuizar ADPF cuja alegao de leso a preceito funda-mental dependa de exame limitado de provas. Descabe, contudo,transformar ADPF em sucedneo de meios de impugnao pr-prios do processo penal.3. Devem ser suspensos processos decorrentes de aes ajuiza-das na Justia Federal cujo objeto coincida com o de arguiode descumprimento de preceito fundamental, a fim de conferirsegurana jurdica e uniformidade ao tratamento da matria.4. Nomeao de ministro de estado consubstancia ato adminis-trativo de natureza poltica, passvel de controle judicial paraaferir ocorrncia de desvio de finalidade, sem embargo da

    Documento assinado digitalmente por RODRIGO JANOT MONTEIRO DE BARROS, em 28/03/2016 17:48. Para verificar a assinatura acesse

    http://www.transparencia.mpf.mp.br/atuacao-funcional/consulta-judicial-e-extrajudicial informando o cdigo 9464312E.B222E567.0AB3A591.A2323E6C

  • PGR Arguies de descumprimento de preceito fundamental 390/DF e 391/DF

    competncia constitucional da Presidente da Repblica paradesignar seus auxiliares.5. Ocorre desvio de finalidade quando agente pblico exercecompetncia determinada por lei para atingir propsito diversodo atribudo pelo ordenamento jurdico. 6. O acervo probatrio e elementos que se tornaram notriosdesde a nomeao e posse do ex-Presidente permitem concluirque a nomeao foi praticada com inteno de afetar compe-tncia de juzo de primeiro grau. H danos objetivos persecu-o penal, pela necessidade de interromper investigaes emcurso, pelo tempo para remessa das peas de informao e paraanlise delas por parte dos novos sujeitos processuais e pelos ri-tos mais demorados de investigaes e aes relativas a pessoascom foro por prerrogativa de funo.7. Parecer pelo (a) conhecimento das ADPFs; (b) deferimento demedida cautelar para suspender a tramitao de quaisquer proces-sos, em instncias inferiores, com o mesmo objeto destas argui-es; (c) deferimento parcial de medida liminar, para o fim demanter, nestes processos, a validade da nomeao atacada semprejuzo da possibilidade de o ato ser objeto de nova anlise nofuturo, em outros processos e diante de acervo probatrio dis-tinto , mas para determinar que investigaes criminais e poss-veis aes penais referentes a atos imputveis ao Senhor LUIZINCIO LULA DA SILVA praticados at a data de sua posse no cargode Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidncia da Re-pblica permaneam no primeiro grau de jurisdio, ressalvadaspossveis causas de modificao de competncia previstas na legis-lao processual penal.

    I RELATRIO

    Trata-se de arguies de descumprimento de preceito funda-

    mental, com pedido de medida cautelar, propostas pelo Partido

    Socialista Brasileiro (PSB) e pelo Partido da Social Democracia

    Brasileira (PSDB) em face do decreto de 16 de maro de 2016, da

    Excelentssima Senhora Presidente da Repblica,1 que nomeou o

    1 Edio extraordinria do Dirio Oficial da Unio, seo 2, de 16 de marode 2016.

    2

    Documento assinado digitalmente por RODRIGO JANOT MONTEIRO DE BARROS, em 28/03/2016 17:48. Para verificar a assinatura acesse

    http://www.transparencia.mpf.mp.br/atuacao-funcional/consulta-judicial-e-extrajudicial informando o cdigo 9464312E.B222E567.0AB3A591.A2323E6C

  • PGR Arguies de descumprimento de preceito fundamental 390/DF e 391/DF

    Senhor LUIZ INCIO LULA DA SILVA, ex-Presidente da Repblica,

    para o cargo de Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presi-

    dncia da Repblica.

    Alega o PSB violao ao princpio do juiz natural, direito

    fundamental consignado no art. 5o, incisos XXXVII e LIII, da

    Constituio da Repblica, o qual se fundamenta nos pilares de

    imparcialidade, competncia e aleatoriedade. Assevera que o ato

    presidencial padece de desvio de finalidade, porquanto objetivou

    conferir ao nomeado prerrogativa de foro inerente ao cargo p-

    blico, para manipular circunstncia particular e pessoal do indiv-

    duo que o exercer. Aponta que comprovariam a nulidade do

    decreto: (a) interceptaes telefnicas autorizadas pela 13a Vara da

    Seo Judiciria do Paran, em Curitiba; (b) o adiantamento da

    posse do nomeado, de 22 de maro para 17 de maro de 2016;

    (c) a citao do nome do Sr. LUIZ INCIO LULA DA SILVA por 186 ve-

    zes na colaborao premiada do Senador DELCDIO AMARAL, que,

    como notrio, chegou a ser preso por ordem do Supremo Tri-

    bunal Federal, a requerimento do Procurador-Geral da Repblica,

    no curso das investigaes conhecidas como Lava Jato.

    Formula, cautelarmente, pedidos de suspenso da vigncia e

    eficcia do decreto presidencial, de impedimento da posse pre-

    vista para 17 de maro de 2016 e de no produo de efeito que

    altere o juzo natural da 13a Vara Federal de Curitiba, quanto a in-

    vestigaes referentes ao ex-presidente. No mrito, requer decla-

    rao de inconstitucionalidade do ato presidencial e a fixao de

    tese pelo Supremo Tribunal Federal de que nomeao de pessoa

    investigada ou processada criminalmente para cargo com prerro-

    gativa de foro no ter o efeito de alterar o juiz natural, quando

    3

    Documento assinado digitalmente por RODRIGO JANOT MONTEIRO DE BARROS, em 28/03/2016 17:48. Para verificar a assinatura acesse

    http://www.transparencia.mpf.mp.br/atuacao-funcional/consulta-judicial-e-extrajudicial informando o cdigo 9464312E.B222E567.0AB3A591.A2323E6C

  • PGR Arguies de descumprimento de preceito fundamental 390/DF e 391/DF

    tal nomeao tiver o objetivo de modificar a instncia compe-

    tente. Pleiteia tambm, no caso de no declarao de nulidade do

    ato impugnado, manuteno da competncia da Justia Federal

    para investigar e processar o nomeado.

    O PSDB sustenta que a nomeao configuraria fraude

    Constituio, por desvio de finalidade do ato administrativo, por-

    quanto teria sido praticada com o objetivo de frustrar a persecu-

    o penal do nomeado, como investigado no chamado caso Lava

    Jato e denunciado pelo Ministrio Pblico do Estado de So

    Paulo. Indicou ofensa aos princpios republicano, da diviso fun-

    cional de poder, do juiz natural, do devido processo legal, da mo-

    ralidade, da impessoalidade e da legalidade dos atos

    administrativos.

    Solicitaram ingresso como amici curi o Partido Popular So-

    cialista (pea 16 da ADPF 390) e o Partido Novo Nacional (pea

    26 da ADPF 391).

    O relator, Ministro TEORI ZAVASCKI, adotou o rito do art. 5o ,

    2o , da Lei 9.882, de 3 de dezembro de 1999, solicitou informa-

    es da Presidncia da Repblica e manifestao da Advoca-

    cia-Geral da Unio e da Procuradoria-Geral da Repblica

    (ADPF 390, pea 19; ADPF 391, pea 11).

    A Unio postulou suspenso cautelar dos processos sobre o

    tema que tramitam em varas federais de Goinia, Belo Horizonte,

    Campo Grande, Ribeiro Preto, Porto Alegre, Angra dos Reis,

    Curitiba, Londrina, Recife e Distrito Federal, a fim de conferir

    segurana jurdica at deliberao definitiva do STF (ADPF 390,

    pea 20; ADPF 391, pea 14). O Advogado-Geral da Unio pos-

    4

    Documento assinado digitalmente por RODRIGO JANOT MONTEIRO DE BARROS, em 28/03/2016 17:48. Para verificar a assinatura acesse

    http://www.transparencia.mpf.mp.br/atuacao-funcional/consulta-judicial-e-extrajudicial informando o cdigo 9464312E.B222E567.0AB3A591.A2323E6C

  • PGR Arguies de descumprimento de preceito fundamental 390/DF e 391/DF

    tulou retificao das peties, a fim de que conste em seu

    prembulo a Presidenta da Repblica e renovou o pedido de

    medida cautelar (ADPF 390, peas 22-23; ADPF 391, pea 16).

    Posteriormente, a Presidente da Repblica reiterou o pleito

    de suspenso cautelar de processos em curso e decises sobre a

    matria (ADPF 390, peas 28 e 30, e ADPF 391, peas 22 e 24)

    A Advocacia-Geral da Unio manifestou-se pelo indeferi-

    mento de medida cautelar. Destacou ser inquestionvel que o no-

    meado possui reconhecidos atributos em coordenao, dilogo e

    articulao poltica, a partir da experincia acumulada ao longo

    de dois mandatos presidenciais, somados vida parlamentar, in-

    clusive no processo constituinte (ADPF 390, pea 35; ADPF 391,

    pea 41).

    o relatrio.

    II PRELIMINARES

    II.1 JULGAMENTO CONJUNTO

    O artigo 77-B do Regimento Interno do Supremo Tribunal

    Federal estabelece aplicao da regra de distribuio por preveno

    a aes de controle concentrado de constitucionalidade quando

    haja coincidncia total ou parcial de objetos. A identidade total

    ou parcial de objetos a que alude o dispositivo regimental diz res-

    peito, unicamente, s aes daquela forma de controle. No se

    aplica, portanto, quando