Portaria008 600 14_anexos_arquivo_unico

  • View
    70

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Portaria008 600 14_anexos_arquivo_unico

  • SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGCIOS DA SEGURANA PBLICA

    POLCIA MILITAR DO ESTADO DE SO PAULO

    CORPO DE BOMBEIROS

    Portaria n CCB-008/600/14

    Considerando que, nos termos do 5 do artigo 144 da Constituio

    Federal, incumbe aos Corpos de Bombeiros Militares, alm das atribuies

    definidas em lei, a execuo de atividades de defesa civil;

    Considerando que a Lei Estadual n 616, de 17 de dezembro de 1974,

    com fundamento no Decreto Lei Federal 667/69, de 02 de julho de 1969, ao

    descrever as atribuies do Corpo de Bombeiros, em seu artigo 39 determina

    que o Comando do Corpo de Bombeiros da Polcia Militar o rgo

    responsvel pelo comando, execuo, coordenao, fiscalizao e controle de

    todas as atividades de preveno, extino de incndios e de buscas e

    salvamentos, bem como das atividades tcnicas a elas relacionadas no

    territrio estadual;

    Considerando, que o 2 do artigo 44 do Decreto-Lei Federal 88.777, de

    30 de setembro de 1983 determina que compete ao Estado, estabelecer

    normas reguladoras de organizaes civis do ramo de segurana contra

    incndio, cabendo aos Corpo de Bombeiros a orientao tcnica e o interesse

    pela eficincia operacional de seus congneres municipais ou particulares;

    Considerando que conforme a legislao pertinente o Corpo de

    Bombeiros reconhecido como rgo Gestor de Segurana Contra Incndio

    com atribuies legais de regulao de atividades pblicas e privadas, atuando

    por meio da fixao de doutrina, padres e tcnicas, apresentando-se como

    unidade de referncia no mbito do territrio do Estado;

  • Considerando que a Lei Estadual n 15.180, de 23 de outubro de 2013,

    passou a exigir que os estabelecimentos destinados formao de bombeiros

    civis, para seu regular funcionamento, sejam previamente credenciados pelo

    Corpo de Bombeiros, atribuindo a este rgo competncia normativa para

    regulamentao das condies de credenciamento, perodo de validade e os

    casos de cassao;

    Considerando que nos termos da lei supracitada, a atividade de

    credenciamento abranger os aspectos relativos ao atendimento das normas

    tcnicas quanto aos respectivos currculos, estruturas fsicas e condies de

    segurana;

    Considerando que a finalidade e a importncia de se credenciar os

    estabelecimentos destinados formao de bombeiros civis prendem-se

    necessidade de propiciar que as funes que estes profissionais iro exercer

    atendam a um padro mnimo de segurana e qualidade, uma vez que se

    constituem em atividades de interesse pblico; e,

    Considerando, finalmente que o Bombeiro Civil, ao desenvolver sua

    atividade profissional identificado com uniformes e smbolos, deve observar a

    restries contidas no 3 do artigo 142 da Constituio Federal, bem como, o

    disposto no artigo 124 da Lei n 9.279, de 14 de maio de 1966 e o artigo 2 do

    Decreto Estadual n 28.057 de 29 de dezembro de 1987, no que tange ao uso

    de braso, armas, medalha, bandeira, emblema, distintivos, ttulos, insgnias e

    uniformes privativos dos rgos pblicos e das Organizaes Militares do

    Estado e da Unio, no uso das suas atribuies legais;

    O Comandante do Corpo de Bombeiros da Polcia Militar do Estado de

    So Paulo, no uso de suas atribuies, conforme o Decreto Estadual n 56.819,

    de 10 de maro de 2011, considerando a constante necessidade de melhoria

    do Servio de Segurana contra Incndio, bem como a atualizao da

    legislao em vigor, de forma a atender ao disposto na Lei Estadual n. 15.180,

    de 23 de outubro de 2013, que obriga os estabelecimentos destinados

    formao de bombeiro civil obter prvia habilitao pelo Corpo de Bombeiros

    da Polcia Militar do Estado de So Paulo, resolve:

  • Artigo 1 Publicar a presente norma conforme texto anexo.

    Artigo 2 Esta Portaria entrar em vigor em 30 (trinta) dias aps a data

    de sua publicao.

    So Paulo, 10 de abril de 2014.

    ERIK HOELZ COLLA

    Cel PM Comandante

  • SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGCIOS DA SEGURANA PBLICA

    POLCIA MILITAR DO ESTADO DE SO PAULO

    Corpo de Bombeiros

    Portaria n CCB-008/600/14

    Regras para o credenciamento de Centros de Formao de Bombeiros

    Civis (CFBC) e seus instrutores

    Das definies

    Artigo 1 Consideram-se para efeito desta Portaria as seguintes definies:

    I Centro de Formao de Bombeiros Civis (CFBC): estabelecimentos civis

    destinados formao de bombeiro civil, devidamente credenciados pelo

    Servio de Segurana Contra Incndios (SvSCI) do Corpo de Bombeiros da

    Polcia Militar do Estado de So Paulo (CBPMESP), que exeram a formao e

    a reciclagem peridica do bombeiro civil no territrio do Estado de So Paulo;

    II Bombeiro Civil: profissional habilitado nos termos desta Portaria, que

    exera, em carter habitual, funo remunerada e exclusiva de preveno e

    combate a incndio, na condio de empregado;

    III Instrutor: profissional responsvel direto pela formao do aluno,

    regularmente habilitado nos termos do anexo A, desta Portaria, e credenciado

    junto ao CBPMESP;

    IV Coordenador de Curso: profissional com formao na rea de Segurana

    do Trabalho, com registro profissional, ou o militar da reserva possuidor de

    Curso de Especializao de Bombeiro, com carga horria mnima de 800

    (oitocentas) horas-aula.

  • V Reciclagem peridica: a atualizao profissional peridica a que deve

    ser submetido o Bombeiro Civil de acordo com o currculo previsto no anexo C.

    Do credenciamento

    Artigo 2 O credenciamento aplica-se:

    I Aos CFBC;

    II Aos instrutores.

    Artigo 3 O credenciamento dos CFBC especfico para cada endereo,

    intransfervel e renovvel, sendo atribudo exclusivamente para pessoa jurdica,

    devendo cada unidade atender integralmente aos requisitos estabelecidos

    nesta Portaria.

    Do procedimento para o credenciamento dos CFBC e instrutores

    Artigo 4 O SvSCI credenciar os CFBC que possurem estrutura fsica e de

    ensino adequadas e comprovarem capacitao tcnica conforme previsto nesta

    Portaria.

    Pargrafo nico. O credenciamento dos CFBC ter validade de 2 (dois) anos,

    podendo ser renovado, sucessivamente, por igual perodo, desde que

    atendidos os requisitos necessrios previstos nesta Portaria.

    Artigo 5 O credenciamento dos CFBC se dar aps prvia comprovao dos

    seguintes requisitos tcnicos:

    I infraestrutura fsica adequada para o ensino terico e para a formao

    pedaggica do corpo discente e docente e que atenda, minimamente, s

    seguintes especificaes:

    a. sala de aula equipada com mobilirio adequado ao processo de ensino-

    aprendizagem, consistente, no mnimo, de carteiras individuais adequadas para

  • pessoas destras e sinistras, alm de cadeira e mesa para instrutor, respeitada

    a lotao mxima de 30 alunos;

    b. quadro para exposio escrita, material didtico ilustrativo, recursos

    audiovisuais necessrios ao atendimento dos requisitos mnimos de cada um

    dos cursos, acervo bibliogrfico, manuais e apostilas para cada um dos alunos.

    II existncia de instrutores e um coordenador de curso conforme definies

    do Art. 1, incisos III e IV;

    III materiais didticos especficos e meios auxiliares de ensino suficientes

    para atender ao currculo mnimo de formao e reciclagem peridica de

    bombeiros civis, conforme anexo B e C;

    IV Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) vlido.

    Artigo 6 O pedido de credenciamento do CFBC ser dirigido ao SvSCI, e

    instrudo, obrigatoriamente, com os seguintes documentos:

    I requerimento assinado pelo representante legal da empresa, acompanhado

    de cpia de documento de identidade, conforme modelo do anexo D;

    II cpia ou certido dos atos constitutivos devidamente registrados;

    III comprovante de inscrio federal, estadual e municipal do CFBC.

    Artigo 7 O pedido de credenciamento dos instrutores ser dirigido ao SvSCI

    mediante apresentao de documentos comprobatrios dos cursos descritos

    no anexo A, utilizando o modelo do anexo D.

    Artigo 8 O pedido de credenciamento ou de sua renovao sero analisados

    pelo SvSCI, ao qual competir:

    I verificar a regularidade da documentao apresentada;

    II deliberar sobre questes e pedidos incidentais;

    III determinar a complementao dos documentos exigidos nesta Portaria, se

    necessrio;

  • IV realizar vistoria tcnica nos CFBC, a fim de verificar o atendimento dos

    requisitos tcnicos, de ensino e de segurana para o funcionamento das

    atividades; e,

    V fornecer o Atestado de Credenciamento ou de sua renovao quando

    preenchidos os requisitos desta Portaria conforme o anexo G.

    1 A no apresentao do pedido de renovao implicar na impossibilidade

    imediata do CFBC iniciar novos cursos de formao e de reciclagem peridica,

    sem prejuzo daqueles que se encontrem em andamento.

    2 Na constatao de irregularidades quando da anlise dos pedidos de

    credenciamento ou renovao, o CFBC ou o instrutor sero cientificados para

    que adotem as providncias necessrias no prazo de 30 (trinta) dias, sob pena

    de arquivamento do pedido.

    Artigo 9 Os atestados de credenciamento e de renovao sero expedidos

    pelo SvSCI, contemplando:

    I - a identificao completa do CFBC ou do instrutor, com as respectivas

    disciplinas para as quais se encontra habilitado;

    II - o prazo de validade do credenciamento;

    III - o nmero de registro do credenciamento.

    Pargrafo nico. O credenciamen