Proj 525 -_dep_gilberto_ribeiro.pdf

  • Published on
    28-Jul-2015

  • View
    72

  • Download
    3

Embed Size (px)

Transcript

1. PODER LEGTSLTIVO : ZseLn1zgUkmzCJ(Ofx9c:7y%Lnf_ _| PROJETO DE LEI N 525/11 AUTOR:DEPUTADO GILBERTO RIBEIROSMULA: DiSPE SOBRE A INSTALAO DE CMERAS DESEGURANA NOS NIBUS COLETIVOS INTERMUNICIPAIS DO ESTADO DO PARANA. PROTOCOLO N9: 4742/11 DAP 2. mo N EXP r DIENTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARAN Centro Legislativo Presidente Anbal Khury 17 Legislatura - 1 Sesso LegislativaPROJETO DE LEl N 5,1 S / SMULA:Dispe sobre a instalao de cmeras de segurana nos nibuscoletivos intermunicipais do Estado do Paran. Artigo 1 - As empresas responsveis pelo transporte coletivo de passageiros ficam obrigadas a instalar cmeras de segurana nas dependncias dos nibus coletivos intermunicipais do Estado do Paran. Artigo 2 - O disposto nesta Ie apiica-se s empresas de nibus que operam com transporte coletivo intermunicipal de passageiros,cujas concesses foram concedidas pelo Poder Pblico Estadual. Artigo 3 - O Poder Executivo regulamentar apresente Lei no prazo de 120 (cento e vinte) dias contados da data de sua publicao. Artigo 4 - Esta lei entra em vigor na data de sua publicao.Justificativa em anexo 14:33 MMS/ EBM 534742 Di?FSSEEEIH LLilSLFfilUFi D0 ilt-'i 3. *JUSTIFICATIVA: ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARAN Centro Legislativo Presidente Anbal Khury 173 Legislatura - 1a Sesso LegislativaO presente projeto de lei visa a instalao de cmeras de segurana nos nibus coletivos intermunicipais no Estado do Paran.Tal proposta visa coibir assaltos nas linhas em que a empresa de transporte coletivo opera,proporcionando maior segurana aos passageiros. evidente o aumento da criminalidade em nosso pas,principalmente no que diz respeito ao nmero de assaltos no interior dos nibus coletivos.Tal prtica tem se tornado rotineira,fato que pode ser evitado atravs de investimento em dispositivos de segurana pelas empresas transportadoras de passageiros. Vale ressaltar que,a aquisio do equipamento de segurana no gerar grandes nus s empresas,pelo contrrio,garantir maior segurana aos seus funcionrios e passageiros,evitando a ocorrncia de atos de vandalismo,depredao,mortes,roubos e furtos atualmente ocorridos no interior dos nibus coletivos. Deve-se Observar que no "capuf do artigo 4,do Cdigo do Consumidor,a Politica Nacional das Relaes de Consumo tem por objetivo o atendimento das necessidades dos consumidores,o respeito sua dignidade,sade,segurana,a proteo de seus interesses econmicos,a melhoria da sua qualidade de vida,bem como a transparncia e harmonia das relaes de consumo,zelando assim,pela dignidade humana. Ainda, importante mencionar que o artigo 5,da Carta Magna Federal garante aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no pais a inviolabilidade do direito vida, liberdade, igualdade e segurana e,em seu artigo 144 menciona que a segurana pblica dever do Estado,direito e responsabilidade de todos,sendo assim,cabe empresa concessionria a responsabilidade pela segurana,ou seja,a responsabilidade para conceder o minimo de proteo e segurana aos seus passageiros. Com base no acima exposto que solicito o apoio dos nobres pares com assento neste Parlamento,para a devida aprovao da matria proposta. 4. sta-Assembleia Legislativa do Estado do Paran Diretoria LegislativaCertifico que o presente expediente,protocolado sob n 4742/11 - DAP de 21/06/11, foi autuado nesta data,como Projeto de Lei n 525/11.DL,22 de junho de 2011.Mirian Dolores Matricula 40028Sr.DiretorInformamos que revendo nossos registros constatamos que o presente projeto: ( ) guarda similitude com (tg) no possui similar nesta c . a. 1-Ciente;2-Encaminhe-se Comisso de constituio e Justia - CCJDL,22 de junho de 2011.4-Mao Ribeir gesiretor Legisl tiv 5. Assembleia Legislativa do Estado do Para t. 17 Legislatura - 1 Sesso LegislativaOf.ng 2495l2011-DL- 17a Legislatura Curitiba,22 de Junnn de 2011.Senhor Deputado, Com o presente,comunico a Vossa Excelncia,que o Projeto de Lei,de sua autoria,que dispe sobre a instalao de cmeras de segurana nos nibus coletivos intermunicipais do Estado do Paran,apresentado na Sesso Plenria do dia 21/06/11, foi autuado nesta Diretoria,recebendo o n 525/11 e esta sendo encaminhado Comisso de Constituio e Justia - CCJ. Esperando estar contribuindo com sua atividade e. representatividade parlamentar,renovamos os protestos de considerao e apreo. Mauro Ri eiro Borges Diretor LgslativoExcelentssimo Senhor Deputado GILBERTO RIBEIROEdifcio Tancredo Neves - Centro' Legislativo Presidente Anibal Khury NestaMRB/ mrp 6. Assembleia Legislativa do Estado do Paran D,E_Centro Legislativo Presidente Anbal Khury Comisso de Constituio e Justia PARECER AO PROJETO DE LEI 52512011Projeto de Lei n 525/2011 Autor:Deputado Estadual Gilberto Ribeirosegurana/ e, .aos . : I EMENTA:SEGURANA PBLICA.OBRIGA AS EMPRESAS DE NIBUS DO ESTADO DO PARANA A INSTALAREM CMERAS DE SEGURANA Nos NIBUS coLETIvos INTERMUNICIPAIS.IMPOSSIBILIDADE.vcio DE INICIATIVA.INICIATIVA PRIVATIVA DO GOVERNADOR ATRAVS DA SECRETARIA DE SEGURANA PBLICA.ART.se,IV,DA CE.INCONSTITUCIONAL.NO APROVAO.ANLISE CONTRRIA. PREMBULOO presente projeto de lei,de autoria do Exmo.Deputado Estadual Gilberto Ribeiro,tem por finalidade obrigar as empresas de nibus do Estado do Paran que fazem transporte intermunicipal a instalarem cmeras desegurana nessas linhas,visando coibir assaltos no interior dos nibus coletivos.Praa Nossa Senhora da Salete s/ n - Centro Cvico - Curitiba - Paran 7. Assembleia Legislativa do Estado do Paran g,Centro Legislativo Presidente Anbal Khury Comisso de Constituio e JustiaFUNDAMENTAODe incio,compete Comisso de Constituio e Justia,em consonncia ao disposto no artigo 33, 2,l do REGIMENTO INTERNO DA ASSEMBLIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARAN,Verificar a constitucionalidade,legalidade,legitimidade do proponente,bem como a tcnica legislativa ora utilizada: Art.33 - cabe s comisses permanentes,observada a competncia especfica:S,2 Comisso de Constituio e Justia compete:l - emitir parecer sobre as proposies quanto a sua constitucionalidade,legalidade,juridicidade,adequao regimental e carter estrutural,em face do que dispe aLei Complementar 95, de 26 de fevereiro de 1998 e alteraes posteriores. Com relao ao terna em questo,a instalao de cmeras de segurana nas dependncias dos nibus coletivos intermunicipais do Estado do Paran,existe plena relao com a questo da Segurana Pblica. A CONSTITUIO FEDERAL da Repblica Federativa do Brasil em seu artigo 6 determina a segurana como um direito de todos e em seuartigo 144 apresenta o rol dos rgos encarregados pela segurana pblica,vejamos:Art.6 So direitos sociais a educao,a sade,a alimentao,o trabalho,a moradia,o lazer,a segurana,a previdncia social,a proteo maternidade e infncia,a assistncia aos desamparados,na formadesta Constituio.jRedao dada pela Emenda Constitucional n 64, de 2010) Praa Nossa Senhora da Salete s/ n - Centro Cvico - Curitiba - Parana' 8. Assembleia Legislativa do Estado do ParanCentro Legislativo Presidente Anbal Khury Comisso de Constituio e JustiaArt.144. A segurana pblica,dever do Estado,direito e responsabilidade de todos, exercida para apreservao da ordem pblica e da incolumidade das pessoas e do patrimnio,atravs dos seguintes rgos:l - polcia federal; Il - polcia rodoviria federal; lll - polcia ferroviria federal; IV - polcias civis; V - polcias militares e corpos de bombeiros militares. A CONSTITUIO ESTADUAL DO PARAN em perfeita consonncia com a Constituio Federal do Brasil vem,em seu artigo 46, estabelecer que: Art.46. A Segurana Pblica,dever do Estado,direito e responsabilidade de todos, exercida,para apreservao da ordem pblica e incolumidade das pessoas e do patrimnio,pelos seguintes rgos: l - Polcia Civil; Il - Polcia Militar; Ill - Polcia Cientfica.(Inciso acrescentado pela Emenda Constitucional n 10/2001.)Desse modo,abordando o tema da Segurana Pblica.mereceL destaque os artigos,descritos abaixo,do DECRETO N. 5.887 de 12 dedezembro de 2005, que aprovou o regulamento da Secretaria de Estado da Segurana Pblica - SESP: Art.1 A Secretaria de Estado da Segurana Pblica - SESP,nos termos da Lei n 8.485, de O3 de iunho de1987, rgo de primeiro nvel hierrguico de natureza substantiva e constitui a organizao base daPraa Nossa Senhora da Salete s/ n ~ Centro Cvico - Curitiba - Paran 9. Assembleia Legislativa do Estado do ParanCentro Legislativo Presidente Anbal Khury Comisso de Constituio e Justiaadministrao estadual para orientao,planeiamento,direo,execuo,coordenao,fiscalizao e controle das atividades do setor de segurana pblica. Art.2 O campo de atuao da Secretaria de Estado da Segurana Pblica compreende a manuteno da ordem,da segurana e da tranqilidade pblica,pela preveno,apurao e represso das infraes penais e dos atos anti-sociais;a identificao humana,civil e criminal,nos termos da lei;o registro e controle das informaes criminais,garantindo os direitos individuais,o cumprimento da lei e o exerccio dos poderes constitudos;a realizao de exames de corpo de delito;a preveno e a extino de incndios e a realizao de buscas e salvamentos. Art.3 Constituem objetivos da Secretaria de Estado da Segurana Pblica: I - a garantia dos direitos concernentes vida, liberdade e propriedade e o provimento da segurana pblica em geral,atravs da utilizao de pessoal tcnico profissionalizado e equipamentosespecializados; II a preveno,a investigao e a represso dos ilcitos penais e atos anti-sociais isoladamente ou em articulao com o Governo Federal;lll - o auxlio e a complementao da aoi' das autoridades iudiciais,administrativas e da p.segurana nacional; IV - a integrao com os rgos da justia penal na consecuo plena da atividade repressiva criminal,enfatizando o apoio poltica de recuperao e reconduo do detento ao convvio social; V - a adoo da filosofia de respeitar e bem servir ao pblico,como setor responsvel pela prestao de servios a nivel de indivduo e decomunidade;Praa Nossa Senhora da Salete s/ n - Centro Cvico - Curitiba - Paran 10. Assembleia Legislativa do Estado do Paran Centro Legislativo Presidente Anbal Khury Comisso de