Resumo de Cinesiologia

  • Published on
    25-Jul-2015

  • View
    169

  • Download
    5

Embed Size (px)

Transcript

  • MSCULOS

    Os msculos superficiais do dorso (trapzio e grande dorsal) conectam os membros superiores ao tronco e esto relacionados com os movimentos desses membros. A tabela a seguir mostra suas funes principais.

    O Msculo Trapzio Origem: Tero medial da linha nucal. Tber occipital e processos espinhosos de C7 a T12. Insero: Tero lateral da clavcula, acrmio e espinha da escpula. Funo: Eleva, retrai e roda a escpula. As fibras superiores elevam, as mdias retraem e as inferiores deprimem a escpula. Roda a escpula.

    Msculo Grande Dorsal Origem: Processo espinhosos de T6 a T12, crista ilaca e 3 a 4 costelas inferiores. Insero: Assoalho do sulco intertubercular do mero. Funo: Estende, aduz e roda medialmente o mero; levanta o corpo durante a escalada.

    Msculo Levantador da Escpula Origem: Tubrculos post. dos processos transversos das vrtebras C1 a C4 Insero: Parte superior da borda medial da escpula Funo: Eleva a escpula e inclina sua cavidade glenide para baixo atravs da rotao da escpula

    Msculos Rombides Maior e Menor Origem: Menor: ligamento da nuca e processos espinhosos de C7 e T1 - superior ao maior;

    Maior: processos espinhosos de T2 a T5 Insero: Borda medial da escpula a partir do nvel da espinha at o ngulo inferior. Funo: Retrai a escpula e roda para abaixar a cavidade glenide; fixa a escpula parede torcica.

    Os msculos extrnsecos so compostos pelos msculos superficiais e intermedirios do dorso. Os msculos intermedirios do dorso (serrtil posterior e levantadores das costelas) so os msculos respiratrios superficiais.

    Existem dois msculos serrteis posteriores. Um superior que elevas as quatro costelas superiores e um inferior que abaixa as costelas inferiores evitando que sejam puxadas pelo diafragma.

    Os msculos levantadores das costelas tm forma de leque e so em nmero de doze. Elevam as costelas.

    Os msculos intrnsecos so os msculos profundos do dorso. So divididos em trs camadas: superficial, intermdia e profunda.

    Msculo Esplnio do Pescoo e da Cabea Origem: Metade inferior do ligamento da nuca e processos espinhosos de T1 a T6 Insero: Esplnio da cabea: face lateral do processo mastide.

    Esplnio do pescoo: tubrculos posteriores dos proc. transversos de C1 a C4. Funo: Isoladamente: fletem e rodam a cabea para o mesmo lado. Em conjunto: estendem a cabea e o pescoo.

  • Msculo Iliocostal (Poro lateral do m. eretor da espinha) Divises: parte lombar; parte torcica; parte cervical Origem: Origem comum - parte posterior da crista ilaca. Insero: ngulos das costelas Funo: Unilateral: Flete lateralmente a cabea ou a coluna. Bilateral: estendem a cabea e parte ou toda a coluna.

    Msculo Longussimo (Poro intermdia do m. eretor da espinha) Divises: torcico; do pescoo; da cabea Origem: Origem comum Insero: Processos transversos das vrtebras torcicas e cervicais alm do processo mastide Funo: Unilateral: Flete lateralmente a cabea ou a coluna. Bilateral: estendem a cabea e parte ou toda a coluna.

    Msculo Espinhal (Poro medial do m. eretor da espinha) Divises: do trax; do pescoo; da cabea Origem: Origem comum Insero: Processos espinhosos da regio lombar superior e torcica inferior Funo: Unilateral: Flete lateralmente a cabea ou a coluna. Bilateral: estendem a cabea e parte ou toda a coluna.

    Msculo Semi-Espinhal Divises: do trax; do pescoo; da cabea Origem: Processos trans-versos de T1 a T6 Insero: Metade medial da rea entre as linhas nucais superior e inferior do osso occipital Funo: Bilateralmente: estendem as regies cervical e torcica da coluna. Unilateralmente rodam essas regies para o lado oposto

    Msculo Multfido Origem: Arcos vertebrais Insero: Processos transversos Funo: Bilateralmente: estendem o tronco e estabilizam a coluna Unilateralmente: flete o tronco lateralmente rodando-o para o lado oposto. Anatomia de Superfcie

    Os processos espinhosos das vrtebras mveis so facilmente palpveis. Atrs de C1 h uma concavidade discreta. Os processos espinhosos de C3 a C5 no so facilmente palpveis por serem curtos e profundos. C6 facilmente palpavel. C7 denominada vrtebra proeminente. Com o pescoo fletido facilmente observvel. Os processos espinhosos torcicos so palpados com facilidade no sulco mediano entre as salincias formadas pelos mm. eretores da espinha.

    O sulco mediano mais profundo na regio toracolombar desaparecendo onde o

    sacro forma uma massa triangular rgida. Os ngulos superiores desse trgono sacral esto localizados acima das espinhas

    ilacas postero-superiores. O ngulo inferior est sobre o proc. espinhoso de S3. Abaixo da crista sacral mediana

    est o sulco interglteo. A apalpa-se facilmente o hiato sacral. De T4 a T12 os processos espinhosos situam-se sobre o corpo da vrtebra inferior. Sua

    base adjacente costela referente prxima vrtebra e sua extremidade situa-se em nvel da segunda vrtebra abaixo.

  • Regio Lateral do Pescoo

    Esternocleidomastideo: Insero Superior: Processo mastide e linha nucal superior Insero Inferior: Face anterior do manbrio do esterno, junto a borda superior e anterior do 1/3 medial da clavcula Inervao: Nervo Acessrio (11 par craniano) e 2 e 3 nervos cervicais (plexo cervical) Ao: Fixo Superior - Ao inspiratria Fixo Inferior Contrao Unilateral: Inclinao lateral e rotao com a face virada para o lado oposto Contrao Bilateral: Flexo da cabea Escaleno Anterior: Insero Superior: Tubrculos anteriores dos processos transversos da C3 a C6 Insero Inferior: Face superior da 1 costela (tubrculo escaleno anterior) Inervao: Ramos anteriores de 3 a 6 nervos cervicais Escaleno Mdio: Insero Superior: Tubrculos anteriores dos processos transversos da C1 a C7 Insero Inferior: Face superior da 1 costela (podendo ser na 2 costela) Inervao: Ramos anteriores de 3 a 4 nervos cervicais e o nervo do rombide

  • Escaleno Posterior: Insero Superior: Tubrculos posteriores dos processos transversos da C4 a C6 Insero Inferior: Borda superior da 2 costela Inervao: Ramos anteriores de 3 a 4 nervos cervicais e o nervo do rombide Ao dos Escalenos: Fixo no Trax Contrao Unilateral: Inclinao lateral da coluna Contrao Bilateral: Rigidez no pescoo Fixo na Coluna - Eleva as costelas (ao inspiratria)

    Reto Anterior Maior da Cabea (Longo da Cabea): Insero Superior: Processo basilar (occipital) Insero Inferior: Tubrculos anteriores dos processos transversos da C3 a C6 Inervao: Plexo Cervical Ao: Contrao Unilateral: Rotao da cabea com a face virada para o lado oposto Contrao Bilateral: Flexo da cabea e da coluna cervical Reto Anterior Menor da Cabea (Reto Anterior da Cabea): Insero Superior: Processo basilar (occipital) Insero Inferior: Massas laterais e processo transverso de atlas Inervao: 1 nervo cervical Ao: Aproxima a cabea do atlas Longo do Pescoo: * Poro Oblquo Superior (Descendente) Insero Superior: Tubrculo anterior do atlas Insero Inferior: Tubrculo anterior dos processos transversos da C3 e C5 * Poro Oblquo Inferior (Ascendente) Insero Superior: Tubrculo anterior dos processos transversos da C5 e C6 Insero Inferior: Corpos vertebrais da T1 e T3 * Poro Vertical (Longitudinal) Insero Superior: Corpos vertebrais de C2 a C4 Insero Inferior: Corpos vertebrais de C5 at T3 Inervao: Ramos anteriores dos 4 primeiros nervos cervicais Ao: Contrao Unilateral: Flexiona a coluna cervical Contrao Bilateral: Inclinao lateral Reto Lateral da Cabea: Insero Superior: Processo jugular (occipital) Insero Inferior: Processo transverso do atlas Inervao: 1 ramo cervical Ao: Contrao Unilateral: Inclinao Lateral Contrao Bilateral: Rigidez da Coluna

    Esplnio da Cabea: Origem: Ligamento nucal (ligamento cervical) e processos espinhosos da 7 vrtebra cervical e das trs primeiras torcicas Insero: Linha nucal superior e processo mastide do osso temporal Inervao: Ramos cervicais posteriores dos nervos espinhais (nervos raqudios cervicais) Ao: Extenso, inclinao lateral e rotao da cabea para o lado oposto

  • Esplnio do Pescoo: Origem: Processos espinhosos da 3 a 5 vrtebras toracicas Insero: Processos transversos das 3 primeiras vrtebras cervicais Inervao: Ramos cervicais posteriores dos nervos espinhais (nervos raqudios cervicais) Ao: Extenso, inclinao lateral e rotao da cabea para o lado oposto Semi-Espinhal da Cabea (Extensor da Cabea): Origem: Processos transversos da 1 vrtebra cervical at a 7 torcica Insero: Superfcie ssea entre as linhas nucais superior e inferior Inervao: Ramos dos nervos espinhais cervicais Ao: Extenso da Cabea e rotao para o lado oposto (contrao unilateral) Semi-Espinhal do Pescoo (Extensor do Pescoo): Origem: Processos transversos da 2 a 7 vrtebras torcicas Insero: Processos espinhosos da 2 a 5 vrtebras cervicais Inervao: Ramos dos nervos espinhais cervicais Ao: Extenso do pescoo

    Reto Posterior Maior da Cabea: Origem: Processo espinhoso do xis Insero: Linha nucal inferior Inervao: Ramos posteriores dos nervos espinhais (raqudios) cervicais Ao: Extenso da cabea Reto Posterior Menor da Cabea: Origem: Tuberosidade posterior do atlas Insero: Linha nucal inferior Inervao: Ramos posteriores dos nervos espinhais (raqudios) cervicais Ao: Extenso da cabea Oblquo Superior da Cabea: Origem: Massa lateral e processo transverso do atlas Insero: Linha nucal inferior Inervao: Ramos posteriores dos nervos espinhais (raqudios) cervicais Ao: Contrao Unilateral - Rotao da cabea Contrao Bilateral - Extenso da cabea Oblquo Inferior da Cabea: Origem: Processo espinhoso do xis Insero: Massa lateral e processo transverso do atlas Inervao: Ramos posteriores dos nervos espinhais (raqudios) cervicais Ao: Contrao Unilateral - Rotao da cabea Contrao