Gestão ambiental de terras indígenas, um pouco do acre e os retrocessos das políticas indígena e ambiental brasileiras

  • Published on
    18-Dec-2014

  • View
    37

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Texto-base da fala na Mesa-Redonda da 66. SBPC, em Rio Branco, na UFAC, dia 24/07/2014: Polticas pblicas, comunidades tradicionais e a questo da sustentabilidade (ABA) (Revisto e finalizado em 22 de agosto de 2014)

Transcript

<ul><li> 1. 1 Gesto ambiental de terras indgenas, um pouco do Acre e os retrocessos das polticas indgena e ambiental brasileiras Roberta Graf Texto-base da fala na Mesa-Redonda da 66. SBPC, em Rio Branco, na UFAC, dia 24/07/2014: Polticas pblicas, comunidades tradicionais e a questo da sustentabilidade (ABA) (Revisto e finalizado em 22 de agosto de 2014) Prefcio Este apenas um breve artigo nada cientfico, sem reviso bibliogrfica e, por vezes, coloquial, relatando um pouco da minha experincia em gesto ambiental de terras indgenas no Acre, suas potencialidades, mas em confronto com os desmontes atuais, em curso e propostos, s polticas indgena e ambiental, que tenho acompanhado de perto, com muita preocupao. Deixo claro, de incio, uma vez que citarei partidos ao longo do texto, que eu no possuo filiao partidria e nem tenho nada contra partido algum, especificamente. Apenas aponto, como outros analistas, que o curso das polticas (ou a falta delas) ambiental e indgena vai mal, como no vamos desde a ditadura militar em alguns pontos vemos retrocessos at em relao a esta poca! E o retrocesso suprapartidrio, ou seja, composto de vrios partidos, especialmente composto pelo setor ruralista (aliado ao de agrotxicos e transgnicos) e das empreiteiras, entre outros. Mas esta no uma dura realidade s brasileira. O mundo todo em seu capitalismo selvagem expansionista tem sido, em sua maioria de governos e nos rgos mundiais, cego-surdo-mudo pra estas questes. H pases melhores e piores, e o Brasil infelizmente encontra-se no segundo grupo, h muito o que melhorar e que cuidar para no desabar ainda mais. Agradeo imensamente o convite da Profa. Dra. Andreia Martini e o endosso da ABA por esta fala na reunio da SBPC, que por sinal foi de tima qualidade em todos os aspectos, contando inclusive com uma sesso especial intitulada SBPC Indgena, por esforo do Prof. Jac Cesar Piccoli da UFAC, e outra SBPC Extrativista, por esforo do PZ / UFAC (e colaboradores). A SBPC indgena particularmente foi extremamente exitosa, com indgenas de todo o Brasil e Amrica Latina, grandes personalidades, palestras, feiras de artesanato indgena, apresentaes culturais e sesses espirituais (xamnicas, ou de pajelana, como eles preferem chamar). Os indgenas puderam, na ocasio, fazer intercmbios e assembleias do seu movimento social, bem como apresentaram uns aos outros os 2 candidatos indgenas do Acre, um a deputado estadual e um a federal,1 o que de grande importncia j que o Acre no teve, at hoje, um deputado indgena, e possui pouqussimos vereadores indgenas. Embora meu nome, na programao, tenha vindo como Ibama, instituio em que trabalhei at o ms passado,2 eu no estou apresentei em nome do Instituto, mas sim como pesquisadora independente, embora descreva, brevemente, um programa do Ibama deveras exitoso junto aos indgenas que liderei no Acre, com muito prazer, at que ele foi extinto, um dos muitos, no contexto de enxugamento do Ibama. Minha formao de gesto e poltica ambiental, tendo doutorado pela Unicamp. Em minha trajetria passei por temas como epistemologia cientfica e tecnolgica, um pouco de antropologia, gesto ambiental de resduos slidos, educao ambiental e tica ambiental. No Ibama tive a oportunidade de coordenar o Programa de Agentes Ambientais Voluntrios (PAAV), com sucesso de 2006 a 2010 (e desacelerando em 2011 e 2012, por corte de recursos a zero), no qual formava e apoiava populaes tradicionais e afins3 na gesto ambiental de seus territrios, incluindo os indgenas. Com estes o Programa foi mais exitoso, pois eles tiveram bastante seriedade e apreo por ele, sem dvida por j praticarem, historicamente, a defesa e gesto de seus territrios com afinco. E ento iniciou-se uma fortuita cooperao profissional. Mesmo findo o Programa, eu segui me interessando pela temtica de gesto ambiental de terras indgenas (GATI) e poltica indgena, um tanto por gosto particular (ensaio at um ps-doutorado no tema), e outro tanto para prestar apoio s associaes indgenas em seu movimento social. Assim, esse artigo uma panormica do cenrio atual preocupante das questes indgenas e ambientais no Brasil. Eu, como servidora pblica de um rgo (Ibama) e setor que, hoje, no pratica quase nenhuma educao ambiental ou agenda positiva junto sociedade (mas sim comando e controle), me vejo totalmente sem tempo para atuar nesses campos, escravizada pela burocracia, como j dizia Max Weber. Mas assim mesmo, creio que vale a pena public-lo, podendo ser til aos indgenas e seus parceiros, at porque consta um apanhado de importantes citaes, ao longo do texto e no item 6, que recomendo. 1 Manoel Gomes, da TI Colnia 27, etnia Huni Kuin (Kaxinaw), e Sab Manchineri, da TI Mamoadate, etnia Manchineri, respectivamente. 2 Obtive a redistribuio ao ICMBio, o rgo irmo gmeo do Ibama (de quando este foi divido ao meio na gesto Lula), onde estou desde 30 de julho ltimo. 3 Trabalhamos com indgenas, extrativistas, pescadores, ribeirinhos, pequenos colonos e at, em menor quantidade, comunidades urbanas voltadas a gesto ambiental de algum territrio, em geral uma unidade de conservao. </li> <li> 2. 2 1. Gesto ambiental de terras indgenas, e um pouco dela no Acre Desde junho de 2012 temos promulgado o Dec. n. 7.747, que regulamenta a Poltica Nacional de Gesto Territorial e Ambiental de Terras Indgenas (Pngati), fruto de um amplo processo de consulta pblica anterior, aos indgenas e aos envolvidos com o tema. At hoje, porm, pouco dela foi implementado de fato enquanto poltica nacional, ou seja, com recursos, planejamentos e envolvimento das instituies. No ano de 2013 foi lanado um edital do PDPI para execut-la, com poucos recursos e apenas 16 terras (projetos) contemplados no pas. Ou seja, ainda falta muito, sendo uma poltica ainda quase que s terica. Diz Mrcio Santilli que a Pngati da mais alta importncia, afinal 13% do territrio do Brasil j est demarcado em TIs oficiais, mas no h recursos ou vontade poltica nessa direo.4 Haveria muito o que se dizer sobre a GATI, e h diversos autores e instituies se debruando na teoria e prtica do tema, mas, rapidamente, eu gostaria de destacar dois aspectos. Um que os indgenas, historicamente acostumados abundncia territorial sem limites, e vidas nmades ou seminmades, hoje so obrigados a mudar o foco e se acostumar a terras limitadas e demarcadas, para sempre confinados (sendo algumas terras, inclusive bem pequenas, sobretudo fora da Amaznia). Portanto, eles precisam se preocupar cada vez mais com o bom manejo de recursos naturais e gesto do territrio, pois precisam deles preservados para as futuras geraes, que inclusive esto crescendo em nmero. Outro aspecto o de que, sabidamente, em diversos levantamentos produzidos por instituies ambientais, as TIs so reconhecidas como reas altamente preservadas, at mais do que as unidades de conservao de proteo integral. Bem como, numa viso mais ousada, o modo de vida indgena aponta elementos que podem servir de modelo de escape ao prprio colapso ecolgico da humanidade, com o agravar dos problemas (segundo o antroplogo Eduardo Viveiros de Castro, citado por Moyss P. Neto,5 e autores do campo da tica Ambiental). Sem dvida pode em muito nos ensinar, sobre o convvio sustentvel com a floresta (e outros ecossistemas) e o etnoconhecimento vegetal e animal, por exemplo. A despeito da falta de vontade poltica do governo na PNGATI, j h algum avano concreto no tema, em boa parte por iniciativa dos prprio indgenas que procuram o MMA e instituies ambientalistas, em outra parte por iniciativa deste Ministrio, da Funai, dos OEMAs e do terceiro setor, como o caso da CPI (Comisso Pr-ndio), no Acre, que h anos vem implementando projetos continuados de formao de agentes agroflorestais indgenas (AAFIs) e apoio GATI, na prtica.6 A experincia do PAAV / Ibama tambm foi relevante, Brasil afora. Me recordo agora de pelo menos 6 estados em que houve trabalho assduo junto a indgenas: Acre, Amazonas, Par, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Maranho. No Acre ele foi ativo de 2003 a 2012, mas foi mais produtivo, com recursos financeiros prprios (embora parcos - fazamos milagre com eles) por 5 anos (de 2006 a 2010). Formamos no Acre e sudoeste do Amazonas um total de 506 agentes, representantes de outros tantos agentes informais de suas comunidades, pois eles eram multiplicadores de toda uma prxis de gesto. Destes, na ativa (sem contar com as desistncias), permanecemos ao final com 172 indgenas, de 19 etnias (as 15 do Acre e mais 4 do Amazonas), de todas as terras povoadas no estado e algumas no Amazonas (perfazendo 44 terras / reas indgenas). O Programa no Acre funcionava a partir de cursos densos de 45 horas, envolvendo o principal da legislao ambiental pertinente em cada caso, noes de ecologia e da questo ambiental, prticas de gesto e educao ambiental, bem como de vigilncia e fiscalizao dos territrios. Os 15 cursos que ministramos geralmente possuam pblicos mistos, entre indgenas, extrativistas e pequenos colonos, por exemplo, embora alguns foram somente com indgenas. A integrao e troca de experincias destes membros de populaes tradicionais de diversas origens, reas e municpios diferentes era riqussima para eles. Tambm procurvamos usar linguagem didtica a partir de fotos, figuras e vdeos, pois parte do pblico era analfabeto ou semianalfabeto, e tcnicas participativas durante todo o curso, com dinmicas e artes. O Programa caiu como uma luva aos indgenas, que em muito se satisfaziam com o andamento, nos procuravam bastante, e sempre tentvamos apoi-los como podamos. O motivo central da cooperao exitosa entre os indgenas e o Ibama, ao meu ver, o fato da identificao profunda do indgena com sua terra, com a defesa constante de seu territrio e recursos naturais. Por exemplo, quanto vigilncia e fiscalizao ambiental contra invasores (que roubam caa, pesca e madeira e podem cometer outras infraes como desmate, queima, biopirataria e captura de animais silvestres para trfico), os indgenas sempre praticam, independente de apoio externo ou no, e j esto acostumados a encaminhar os invasores polcia e/ou ao Ministrio Pblico mais prximo. Isso possvel devido forte coeso e organizao comunitria7 dos indgenas em cada aldeia e TI, bem como sua forte identificao com a prpria terra, a natureza. Estas so questes centrais indgenas, e por isso que antroplogos tanto insistem no fato de 4 Disponvel em http://racismoambiental.net.br, de 19/07/2013. 5 Disponvel em http://racismoambiental.net.br, de 07/07/2014. 6 H diversas iniciativas exitosas resultantes, como implementao de agrofloresta, produo de frutas, criao de peixes e pequenos animais domsticos, educao ambiental, gesto de resduos, saneamento, e vigilncia e fiscalizao de territrios. 7 A comunidade para os indgenas bem coesa. As prprias relaes de parentesco entre eles so ampliadas para alm das relaes sanguneas, tecendo redes sociais fortes, intra e intercomunitrias, de trocas e ajuda mtua contnuas. </li> <li> 3. 3 que se pode at mesmo exterminar uma etnia indgena se uma hidreltrica os expulsa de seu territrio natal, por exemplo.8 Voltando ao assunto, portanto, por meio do PAAV / Ibama, procurvamos apoi-los com algum recurso prprio para gasolina e alimentao (para os mutires de vigilncia, da Resoluo Conama n. 03 de 1988), redigindo projetos para editais ambientais, indo s comunidades e dando palestras ao conjunto delas, observando e orientando atividades prticas de gesto ambiental dos agentes e seus colegas. Bem como, prestvamos apoio ajudando-os a se integrar a redes de governana ambiental local e global (fazendo a ponte entre eles e rgos pblicos, ONGs e outras instituies). Algumas TIs foram bastante beneficiadas com o Programa, o caso, por exemplo, da TI Colnia 27, a qual, com dezenas de famlias, possui somente 300 hectares, encostada cidade de Tarauac, e quando receberam a terra estava quase toda degradada com pastagem. A partir do primeiro curso do PAAV / Ibama em 2002 (na poca, ministrado por servidores de Braslia), os indgenas de l vestiram a camisa ambiental e agroecolgica, tiraram todo o gado e foram recuperando pouco a pouco toda a rea de pasto em lindos pomares e SAFs, e hoje so professores e referncias para indgenas de vrias TIs, sediando cursos e encontros. Concluindo, no caso do Acre, nosso Programa veio enriquecer o trabalho j efetuado h mais de duas dcadas pela CPI, por meio dos AAFIs, aprimorando a formao deles e envolvendo outros colegas seus como agentes ambientais voluntrios. Fomos at aonde a instituio e os recursos financeiros permitiram, com alta produtividade, at que o Programa foi oficialmente extinto pelo Ibama em maio de 2013. No Acre as etnias indgenas costumam ser vistas como preservadoras, ecolgicas, bem como, felizmente, aqui h uma situao de relativa ausncia de conflitos de terra (exceto algumas pendncias pequenas em comparao com o restante do Brasil, como as demarcaes das TIs Seringal Curralinho, Nawa e Kuntanawa). No geral, tambm, pode-se dizer que as grandes degradaes e conflitos socioambientais que vm ocorrendo amide no Brasil ainda no chegaram, com fora, no Acre, ou, o capital ainda no solapou a maior parte dos modos de vida das nossas populaes tradicionais. claro que existem problemas, como a aprovao do milho transgnico pelo governo atual de Sebastio Viana (PT) que desrespeitou a prpria lei estadual,9 algum desmate e queima ilegal, retirada de madeira ilegal e planos de manejo madeireiro permissivos e no fiscalizados,10 etc. O problema de venda de carne de caa aqui no Acre serssimo, com fortes quadrilhas, entranhado na m prtica cultural de cidados urbanos, entre eles servidores pblicos, polticos e membros do poder judicirio, at de alto escalo (!!!). Bem como ser muito problemtica a explorao de petrleo e/ou gs natural que se vislumbra na regio do Juru (de alta relevncia ecolgica e permeada de UCs e TIs), e a passagem de rodovia e/ou ferrovia de Cruzeiro do Sul (AC) a Pucallpa (Peru), que sangrar o Parque Nacional Serra do Divisor. As experincias exitosas de indgenas no Acre so diversas e presentes em praticamente todas as TIs e reas. H iniciativas de SAFs, pomares, enriquecimento de capoeiras com madeireiras e frutferas, criao de peixes e pequenos animais, manejo de recursos naturais, artesanato com beneficiamento de produtos no-madeireiros (de sementes, palha, algodo tecelagem, seringa com destaque aos produtos encauchados da TI Nova Olinda, frutas como o batom de urucum da TI Rio Gregrio), etc. Os indgenas costumam ser muito produtivos em produo de mudas plantio, por exemplo, o caso dos Kuntanawa, que, no interior da Resex Alto Juru, doam milhares de mudas, anualmente, aos extrativistas vizinhos.11 Os indgenas acrianos tambm tm se destacado por seus festivais culturais, alguns bastante abertos a...</li></ul>