Chama de luz 95

  • Published on
    07-Nov-2014

  • View
    1.044

  • Download
    5

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Informativo da Unio Distrital Esprita Passo D'Areia - Porto Alegre/RS

Transcript

<ul><li> 1. CHAMA DE LUZ Boletim Informativo da Unio Distrital Esprita Passo D Areia - Porto Alegre Federao Esprita do Rio Grande do Sul N 95 Maro/2012 RESISTINDO A MUDANAS "E no vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos renovando a vossa mente, a fim de poderdes discernir qual a vontade de Deus, o que bom, agradvel e perfeito." (Romanos, captulo 12, versculo 2) Por que se resiste a mudanas? Qual o princpio que asfixia os germes derenovao que nascem em quase todos os instantes na alma dos discpulos doEvangelho? Obviamente que no uma condio natural da vida transforma-es constantes e sbitas. As cincias que estudam as funes do corpo fsicodefinem homeostase como a tendncia estabilidade do meio interno do orga-nismo. Portanto, a resistncia mudana um instinto perfeitamente natural e, por isso, compreensvel. No podemos esquecer que os costumes so instrumentos importantes e determinantes na evoluo, porm s quandoinspirados do fluxo da Vida Superior. Existe o lado til das convenes, mas preciso identific-lo. hbito comum de asociedade aderir muito mais ao rigor do convencionalismo do que se ligar s novidades elaboradas pelas revolues sociaise morais. Os seres humanos tm medo inato do desconhecido. Os grandes gnios da civilizao ofereceram criaturahumana contribuies importantssimas em todas as reas do pensamento. Investigaram as leis naturais e cooperaramefetivamente com o avano da humanidade. Abandonaram o "sbado" da passagem evanglica, que representa a tradiorigorosa, e adotaram a independncia interior para perceber "o que bom, agradvel e perfeito", conforme assevera Pauloaos romanos. Quando o apstolo dos gentios escreveu essa exortao, desejava dizer que a "vontade de Deus" regula o aperfeioamen-to da humanidade, mas preciso que suas criaturas fiquem receptivas marcha do progresso inspirada por Ele. contrassensovaler-nos do nome do Cristo para ficarmos estagnados no interior do "edifcio carcomido do passado, que no est mais emharmonia com as necessidades novas e com as novas aspiraes". A resistncia a mudana e a renovao que impera na famlia crist em seus diversos setores (nas assemblias protestan-tes, nos templos catlicos ou nas casas espritas) tm razes: (a) Na falta de amadurecimento - esquecendo que "a natureza no d saltos", atribumos tudo o que no conseguimoscompreender influenciao de espritos malficos, e procuramos o inimigo na vida exterior, quando devamos reconhecernossa imaturidade; (b) Na privao de instruo generalizada - requer-se da equipe esprita, e de cada um de ns pessoalmente, um conheci-mento mais global; no apenas de um setor, o espiritual por exemplo; preciso integrarmos os conhecimentos e sua devidacorrespondncia com todas as reas da cultura vigente; (c) No egosmo - as mudanas podem ser boas para os outros, oumesmo para todo o grupo de ao, mas, se no forem particularmente boas para ns, refutamos a elas; (d) Na ausncia deautoconfiana - inovaes exigem capacidade e novas habilidades a ser adquiridas; porm se no temos auto-estimasuficiente para enfrentar desafios, ns as condenamos; (e) Em preconceitos - difcil nos libertarmos das correntes depreconceitos que muitos de ns reverenciamos. necessrio esperar e compreender o aperfeioamento natural e espaadoda marcha humana. O Senhor da Vida concede-nos no presente mudana e renovao, para que possamos libertar-nos da ignorncia dopassado e adquirir conhecimentos para o futuro, rumo ascenso espiritual. Reflitamos com sabedoria sobre a pergunta"Porque resistimos a mudanas?". (Texto extraido e adapatado do livro "Conviver e Melhorar") </li> <li> 2. EDITORIAL DESVIO DE ROTA A mensagem de Francisco Spinelli, re- vidores, exige pacincia e perseveranacebida no 6 Congresso Esprita em Gra- para que os resultados apaream. Nomado, e posteriormente publicada no Jor- cabe o atalho na capacitao de novosnal Dialogo Esprita, traz um alerta quan- servidores, sob pena de uma colheita des-to aos desvios de rota dos servidores es- favorvel para a causa.pritas. Cito: "Mas quero vos falar com pre- Na continuao desta mensagem ve-ocupao a respeito dos trabalhadores es- mos a repetio das lies evanglicaspritas que se desviam. So os aventurei- que solicitam o sacrifcio dos prazeres,ros do Espiritismo que, no sabendo en- da vaidade e do egosmo. Quando as lu-tender a grande mensagem da Doutrina, zes do evangelho iluminam o corao daacabam escolhendo os caminhos mais f- alma, ento, faltar espao para abrigarceis, os atalhos da estrada." os valores passageiros deste mundo ilu- As tentaes e os desvios, na atualida- srio, o ter deixar de ocupar nossasde, se multiplicam sob muitas faces dife- mentes e o ser passar a ser um idealrentes. Estudos extras, promoes no levando em conta a tarefa na casa esp- perseguido com afinco.emprego, viagens de lazer, aquisies ma- rita. Abandonando ao tempo a promes- Nesta poca de transio no nos teriais facilitadas pelo crdito de longo pra- sa de mais ateno Seara Esprita, solicitado o sacrifcio dos desbravadores,zo, e muitas outras metas materiais que quem sabe aps a aposentadoria! sem passar por estradas de terra, semafastam o servidor da seara do Mestre Je- Outro engano comum a pressa na necessidade de usar montaria, sem pre-sus. obteno de resultados, na casa espri- cisar esconder-se nas catacumbas, mas Raramente encontramos um irmo, que ta e no movimento esprita em geral, o sim sacrificar nossos desejos e doar nos-organize sua vida pessoal e profissional estudo e a preparao de tarefas e ser- so tempo.DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS DA FAMLIA Passado o Carnaval parece que o ano vai comear... Pois bem, que seja com muita paz e harmonia. Mas em vez de desejarpassivamente, por que no investir na educao de nosso esprito para atingir esse objetivo to desejado? Uma boa forma de fazer isso atravs dos encontros dos diversos grupos oferecidos pelo DAFA nas casas espritas. Abaixosegue uma breve lista das casas que j definiram os horrios de seus grupos de estudo. Mas de uma forma geral todas iniciamsuas atividades em maro. Procure uma casa esprita perto de voc e informe-se sobre os trabalhos do Departamento deAssuntos da Famlia. SOCIEDADE ESPRITA PAULO DE TARSO Grupo de Pais: Incio: Sbado, 17 de Maro - Das 10h00min s 11h30min. Mesmo dia e horrio da evangelizao infantil. ASSOCIAO ESPRITA TEREZA DAVILA Grupo de Idosos: Quinta-feira 15 de Maro s 14h20min. Grupo de Pais e Evangelizao da Infncia e Juventude: Sbado 17 de Maro s 13h20min. ESDE - Estudos Sistematizados da Doutrina Esprita:Tera-feira 13 de Maro s 20h00min. SOCIEDADE ESPRITA NATANAEL Grupo de Pais: Incio: Quarta-feira, 07 de Maro. Grupo da Terceira Idade: Segunda-feira, 19 de Maro. Grupo de Pais Gestantes: Quarta-feira, 04 de Abril s 20h. SOCIEDADE ESPRITA DOM THOM As atividades sero retomadas a partir do dia 10 de Maro. Grupo Terceira Idade - Quartas-feiras s 14h00min Mos Fraternas - Sextas-feiras s 14h30min. Grupo de Pais Sbados s 14h00min. Grupo de Pais Gestantes: Sbados s 14h30min Evangelho no Lar: Sbados s 14h30min Visitas aos doentes: Quartas-feiras e Sbados s 14h30min 2 </li> <li> 3. DEPARTAMENTO DE COMUNICAO SOCIAL ESPRITA EFEITOS DO ESTUDO DA DOUTRINA ESPRITA O estudo da Doutrina Esprita nos traz o conhecimento tas partes da sua importncia, o homem no se afligedas verdades do Cristo, que nos libertar do orgulho do ego- tanto com as tribulaes que a acompanham. Da, maissmo porque entendendo que somos seres imortais em cons- coragem nas aflies, mais moderao nos desejos. Da,tante evoluo, na busca da perfeio relativa, precisamos tambm, o banimento da idia de abreviar os dias da exis-fazer nossa reforma moral, ou seja, mudar nosso comporta- tncia, por isso que a cincia esprita ensina que, pelomento. suicdio, sempre se perde o que se queria ganhar. A certe- O melhor caminho , sem dvida, o do za de um futuro, que temos a faculdadeestudo, do conhecimento de ns mesmos de tornar feliz, a possibilidade de esta-para a criao de novos hbitos que nos Reforma Moral belecermos relaes com os entes quelevaro destruio do homem velho, e o nos so caros, oferecem ao esprita su-surgimento do homem novo. prema consolao. O horizonte se lhe Allan Kardec em O Livro dos Espritos na CONHE C I- MUDAN A dilata ao infinito, graas ao espetculo, ME NTOConcluso Item VII, nos d os trs princi- a que assiste incessantemente, da vidapais efeitos que o estudo da Doutrina Es- RE PE TI O de alm-tmulo, cujas misteriosasprita nos traz: profundezas lhe facultado sondar. O primeiro e mais geral consiste em de- NOVO NOVOS HBITO O terceiro efeito o de estimular no HOME Msenvolver o sentimento religioso at naque- S homem a indulgncia para com os defei-le que, sem ser materialista, olha com ab- tos alheios. Todavia, cumpre diz-lo, osoluta indiferena para as questes espiri- princpio egosta e tudo que dele decorretuais. Da lhe advm o desprezo pela morte. No dizemos o so o que h de mais tenaz no homem e, por conseguin-desejo de morrer; longe disso, porquanto o esprita defende- te, de mais difcil de desarraigar. Toda gente faz voluntari-r sua vida como qualquer outro, mas uma indiferena que o amente sacrifcios, contanto que nada custem e de nadaleva a aceitar, sem queixa, nem pesar, uma morte inevitvel, privem. Para a maioria dos homens, o dinheiro tem aindacomo coisa mais de alegrar do que de temer, pela certeza irresistvel atrativo e bem poucos compreendem a palavraque tem do estado que se lhe segue. suprfluo, quando de suas pessoas se trata. Por isso O segundo efeito, quase to geral quanto o primeiro, a mesmo, a abnegao da personalidade constitui sinal deresignao nas vicissitudes da vida. O Espiritismo d a ver grandssimo progresso.as coisas de to alto, que, perdendo a vida terrena trs quar- "A maior caridade que podemos fazer em relao Doutrina Esprita a sua divulgao" Emmanuel DEPARTAMENTO DE ASSISTNCIA E PROMOO SOCIAL ESPRITA A ARTE DE DOAR Quando ofertarmos, possumos. Quando recebemos, tornamo-nos devedores. A felicidade em poder repartir sempre maior do que aquela que convida a acumular quando o prximo tem carncia. A semente que se nega a sucumbir na terra, para desdobrar-se na vida, morre na inutilidade. Todavia, a que perece, esmagada no solo, revive com exuberncia. Toda doao uma sementeira para o futuro, que a vida se encarrega de multiplicar. H moedas esquecidas que se podem tornar ddivas de importncia, tais como a hospitalidade fraternal, a expresso de cortesia, o gesto de amizade, a participao no sofrimento alheio, o sorriso gentil, que no custam dinheiro e, em certos momentos, so mais valiosos do que ele. A caridade que se converte em triunfo pessoal naquele que a recebe, sempre luz inapagvel na vida de quem a pratica. Vive com otimismo na confiana integral em Deus e distribui alegria por onde passes. No deixes ningum afastar-se de ti, sem que leve um trao de bondade ou um sinal de paz da tua vida. Quem se aproximou de Jesus, nunca mais foi o mesmo, jamais O esqueceu. (JOANNA DE NGELIS) 3 </li> <li> 4. DEPARTAMENTO DE INFNCIA E JUVENTUDE DEPOIMENTO DE UMA ME "Procurei o Espiritismo depois de vrios tratamentos mdicos sem...</li></ul>