Mediunidade com Jesus

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Estudo da Mediunidade, retirado do sitehttp://www.uemmg.org.br/list.noticia.php/origem/1/noticia/664/titulo/Seminario__Mediunidade_com_Jesus

Text of Mediunidade com Jesus

  • 1. Seminrio Mediunidade com Jesus Porque, para que, quando , onde e como estudar 13/9/2009 Unio Esprita Mineira
  • 2. Unio Esprita Mineira Departamento de Orientao Medinica MEDIUNIDADE COM JESUS SUMRIO 1. INTRODUO ..................................................................................................... 3 2. A NECESSIDADE DO ESTUDO NAS DIVERSAS ATIVIDADES ESPRITAS. (POR QUE ESTUDAR ) ............................................................................................... 4 3. FINALIDADE E IMPORTNCIA DO ESTUDO PARA O EXERCCIO DA MEDIUNIDADE. (PARA QUE ESTUDAR) ................................................................ 6 4. CAPACITAO DO MDIUM (PARA QUE E QUANDO ESTUDAR) ........... 14 5. ONDE ESTUDAR A MEDIUNIDADE? ............................................................. 18 6. ESTUDO E PERSEVERANA (COMO ESTUDAR) ......................................... 20 7. CONCLUSO ..................................................................................................... 22 MENSAGEM FINAL ................................................................................................. 23 2
  • 3. Unio Esprita Mineira Departamento de Orientao Medinica MEDIUNIDADE COM JESUS Porque, para que, quando , onde e como estudar E, chamando a si os seus doze discpulos, deu-lhes autoridade sobre os Espritos imundos, para expulsarem, e para curarem toda sorte de doenas e enfermidades. Mateus 10: 1 Andr Luiz, ao obter do instrutor Alexandre autorizao para acompanh-lo em suas tarefas medinicas, exclamou: (...) a questo medinica fascinante. Em resposta, o benfeitor espiritual disse: - De fato, para quem lhe examine os ascendentes morais. (Missionrios da Luz, cap. 1). Nesse sentido, nossos esforos em relao ao estudo e prtica da mediunidade devem sempre concorrer para os efeitos morais que eles possam trazer s nossas vidas. 1. INTRODUO A mediunidade est presente em todos os povos desde os primeiros vagidos do pensamento humano. Sob a gide de Jesus, mensageiros diversos trouxeram ao longo dos tempos os ensinamentos para que este dom fosse adequadamente exercido, o que pode ser observado nas proibies de Moiss quanto ao abuso da prtica medinica, nas instrues de Paulo de Tarso no cristianismo nascente e tantos outros que os precederam. O prprio Senhor, ao reunir seus primeiros colaboradores, deu-lhes as instrues necessrias ao uso da mediunidade, conforme podemos ver no captulo 10 do evangelho segundo So Mateus. Mais tarde, a Doutrina Esprita, como Cristianismo Redivivo, ampliou todas as instrues necessrias para a prtica segura e correta da mediunidade. Neste trabalho, pretendemos enfatizar a necessidade do estudo da mediunidade, nas obras da codificao kardequiana e em obras subsidirias, de modo a conscientizar aos espritas para o exerccio da mediunidade com Jesus sob a orientao de Kardec. Para esse trabalho que ora apresentamos, h de se supor que todos os que esto nos acompanhando j conhecem sobre a mediunidade e seus aspectos, 3
  • 4. assim como sobre as reunies medinicas, para que o foco do trabalho seja sobre o porqu, para que, quando , onde e como estudar a mediunidade. 2. A NECESSIDADE DO ESTUDO NAS DIVERSAS ATIVIDADES ESPRITAS. (POR QUE ESTUDAR ) Ora, a respeito dos dons espirituais, no quero, irmos, que sejais ignorantes. Paulo - I Corntios 12:1 O estudo da Doutrina Esprita, em particular sobre a mediunidade, e a aplicao das lies de Jesus em nossa vida nos propiciam a educao de nossos sentimentos e de nossas ondas mentais, auxiliando-nos na prtica da mediunidade de forma segura, para que possamos manter os objetivos das reunies medinicas espritas dentro do preconizado pela obra kardequiana. Vejamos as recomendaes dos instrutores espirituais sobre a necessidade do estudo nas diversas atividades espritas. ESTUDO E ATIVIDADES DOUTRINRIAS Digerir primeiramente as obras fundamentais do Espiritismo, para entrar em seguida nos setores prticos, em particular no que diga respeito mediunidade. Teoria meditada, ao segura. (Conduta Esprita cap 41) ESTUDO E SERVIO EFICIENTE Os benfeitores desencarnados e os Espritos familiares estudam sempre a fim de se tornarem mais teis na obra da educao e do consolo junto da Humanidade Terrestre. imprescindvel que os lidadores encarnados estudem tambm. (Desobsesso cap 66) ESTUDO E EVANGELHO E, chegando a Nazar, onde fora criado, entrou num dia de sbado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. (Lc 4:16) [...]Uma leitura edificante, que retempere ou enobrea a mente, pensamentos altrusticos e beneficentes em favor do prximo ou de si mesmo podero repercutir nos fluidos csmicos, encaminhando-se para os altos crculos do Bem, e da carrear para o corao que assim procede, como para aqueles que lhe ficam ao p, considerveis estmulos para o melhor, tal como o faria a prece propriamente dita. (Yvonne do Amaral Pereira/ Bezerra de Menezes - Dramas da obsesso, cap. 4. ) 4
  • 5. [...] A compreenso do Evangelho e da exemplificao do Mestre renovaria as noes da dor e do sofrimento. O necessitado encontraria recursos no prprio esforo, o doente sentiria, na enfermidade mais longa, um ancoradouro das imperfeies; ningum seria mendigo, porque todos teriam luz crist para o auxlio mtuo, e por fim, os obstculos da vida seriam amados como corrigendas benditas do Pai amoroso a filhos inquietos. (Paulo e Estvo - cap 4 - segunda parte) ESTUDO E REFLEXO [...] Temos notado sempre que os que crem, antes de haver visto, apenas porque leram e compreenderam, longe de se conservarem superficiais, so, ao contrrio, os que mais refletem. (Livro dos Mdiuns 1 parte - cap III) ESTUDO E F [...] Falsssima idia formaria do Espiritismo quem julgasse que a sua fora lhe vem da prtica das manifestaes materiais [...]. Sua fora est na filosofia, no apelo que dirige razo e ao bom senso [...]. No reclama crena cega; quer que o homem saiba por que cr. (Livro dos Espritos - Concluso - VI) [...] A f necessita de uma base, base que a inteligncia perfeita daquilo em que se deve crer. E, para crer, no basta ver, preciso, sobretudo, compreender. A f cega j no deste sculo. (Evangelho Segundo o Espiritismo cap XIX) ESTUDO E LIBERTAO Se vs permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discpulos, e conhecereis a verdade e a verdade vos libertar. ( Jesus - Joo 8:31 e 32) ESTUDO E AMOR Espritas! Amai-vos, este o primeiro ensinamento; instru-vos, este o segundo. (Evangelho Segundo o Espiritismo cap VI) ESTUDO E MEDIUNIDADE [...] As reunies de estudo so, alm disso, de imensa utilidade para os mdiuns de manifestaes inteligentes, para aqueles sobretudo, que seriamente desejam aperfeioar-se e que a elas no comparecem dominados pela tola presuno de infalibilidade. (Livro dos Mdiuns 2a parte cap XXIX) 5
  • 6. [...] Todos os dias a experincia nos traz a confirmao de que as dificuldades e os desenganos, com que muitos topam na prtica do Espiritismo, se originam da ignorncia dos princpios desta cincia e feliz nos sentimos de haver podido comprovar que o nosso trabalho, feito com o objetivo de precaver os adeptos contra os escolhos de um noviciado, produziu frutos e que leitura desta obra devem muitos o terem logrado evit-los. ( Introduo de O Livro dos Mdiuns) No cap.II Do maravilhoso e sobrenatural, item 14 pargrafo 7, parte 1 de O Livro dos Mdiuns, acrescenta o Codificador: [...] A explicao dos fatos que o Espiritismo admite, de suas causas e conseqncias morais, forma toda uma cincia e toda uma filosofia, que reclamam estudo srio, perseverante e aprofundado. Mais adiante, no cap. III Do mtodo extramos: [...] Ainda a o que h o resultado de incompleto estudo do Espiritismo e de falta de experincia. Aquele a quem os Espritos mistificam, geralmente mistificado por