Gilbert Cardoso Bouyer Embodiment

  • View
    1.227

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Pequena sintese da contribuicao do Embodiment na Ergonomia http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3136/tde-26092008-095830/pt-br.php

Text of Gilbert Cardoso Bouyer Embodiment

  • 1. Universidade de So Paulo Escola Politcnica da USPDepartamento de Engenharia de ProduoEMBODIMENT: COGNIO INCORPORADA ECOMUNICAO NA ATIVIDADE DE TRABALHO:Contribuies da noo de mente incorporada naErgonomiaUm debate entre construtivismo (Dewey; Schn) XObjetivismo (cogitivismo, realismo representativo) Prof. Dr. Gilbert Cardoso Bouyer UFOP

2. Objetivismo: pautado na racionalidade tcnica, soluo deproblemas e comunicao consistem em aplicaes de planos e frmulas predefinidas XConstrutivismo: base do EMBODIMENT - soluo de problemase comunicao se constroem na ao): Epistemologia construtivista (incorporada) da prtica (Dewey e Schn): pragmatismo norte-americano 3. CONTRIBUIO AO PROJETO DA TAREFA Mudar a forma de gesto da empresa e de Organizao doTrabalhoPROJETO TRADICIONAL DA TAREFAPROJETO PROPOSTO TAREFA Eu transmito informao,Eu crio espao, voc atua voc processa e faz e reflete-na-ao; dialogacom a situao e contribuina construo da soluo -Objetivismo-Construtivismo -Realismo representativoX -Pragmatismo (DEWEY) - Cognitivismo - Embodied-enactiveapproach -Representao,-Cognio situada, mente transmisso de informao, incorporada, reflexo-na- racionalidade tcnicaao 4. INTRODUO PROBLEMTICA FUNDAMENTALA noo de mundo comum no trabalho: construo da objetividade; Socialmente partilhado; interface entre percepo e cognio (PASTR) Linguagem eIntercompreensoAtuao na PercepoAtividade deInterao intersubjetiva eTrabalho comunicacionalSUJEITO CAPAZUmwelt (Uexkll, 1992;M-Ponty, 2005)M.C.: articula AO PERCEPO CONCEITUALIZAO (Pastr)M.CLe monde commun; sujet avec son vcu, son histoire... 5. PROBLEMTICA FUNDAMENTALLACUNA ONTOLGICALinguagem LinguagemOperacionalProjeto-ConcSUJEITO CAPAZ PCxPCy SUJEITO CAPAZ Umwelt-x DoDc Umwelt-yP. exemplo: mundo dos instrutores x mundo dos condutores (Pastr,2005,pg. 106); [caso da usina nuclear] Problemas de intercompreenso Noes de falha, erro ... Fator humano (DEJOURS, 1997) Problemas de consenso, compreenso, legitimidade na linguagem 6. Do: domnio de distines OPERACIONALDoXDc: domnio de distines de CONCEPODcAs dificuldades de entendimento mtuo ocorrem quando omundo da vida Le monde commun Do Domnio deatuao dos operadores (dotado de cdigos de linguagemprpriosnoformalizadosenolegitimadosepistemologicamente) SE DEPARA COM:XOmundo racionalizado:Dc (instrumentalizado,formalizado e explicitamente normativo) ou domnio deatuao da atividade projetiva e do trabalho prescrito conceptores e/ou projetistas que acabam por projetar otrabalho e as tarefas. Estruturas modernas de conscincianormativa profunda (HABERMAS) 7. A LACUNA NA LINGUAGEM A pergunta seria se dois profissionais poderiam sair desses pontos de partida divergentes e atingir uma compreensoconvergente (Schn, 2000).A vantagem do ponto de vista construtivista que ele adequado nossa experincia de desentendimento mtuo... quanto mais trabalhamos na tentativa de entender uns aosoutros, mais profundamente experimentamos as diferenas entrenossas maneiras de ver as coisas (Schn, 2000)ENTENDIMENTO MTUO: Um entrar no universo do outro atravs da reflexo-na-ao e assim passar do desentendimento ao entendimento mtuo (Schn, 2000) 8. SOLUO DA LACUNA ONTOLGICAReflexo na Ao ou Dilogo com a Situao (SCHN, 2000)Dilogo com a situaoReflexo na ao(SCHN, 2000) DoDcReflexo-na-ao: 1 + 2 + 3 em consonncia entre operador e conceptor1 Ao exploratria: para ver o que dela deriva2 Experimentos para teste de aes: produo de mudana desejada3 Teste de hipteses: diferenciao de hipteses conflitantes 9. A ao incorporada condio necessria para oestabelecimento do entendimento mtuo nalinguagem percepo comum A HISTRIA DE INCORPORAO e a ao incorporadaso condies suficientes para explicar a maior eficincia no controle de processo contnuo de produo O Agir comunicativo de Habermas no consegue comunicativoexplicar as situaes de intercompreenso e nem assituaes de fratura (Winograd & Flores): Tese: Inverso do eixo habermasiano:[comunicao-ao] x [ao incorporada-comunicao] incorporada 10. carne (corpo)-abstrao: o paradigma doembodiment: incorporao; mente incorporada O manuseio dos cdigos de linguagem na dimensosemntica da ao no trabalho, bem como as chamadasatividades cognitivas superiores, so sustentadas porao incorporada no contexto das situaes de trabalhoEMBODIED-SCHEMATA IMAGE-SCHEMATASujeito capaz (Rabardel & Pastr, 2005) Instrumentalizado pela histria de incorporao geradorados esquemas incorporados de ao (embodied-schemata) 11. Ao, Linguagem e Trabalho A AO INCORPORADA gera ontologicamente os instrumentos incorporados que criam um mundocomum, uma linguagem operatria prpria e ascondies para o entendimento mtuo entre os agentes situados num mesmo domnio de atuao(Do Do; Dc Dc). DcPERCEPO COMUM;AO PERCEPTIVAMENTE ORIENTADA (Merleau-Ponty)INTERCOMPREENSO(Do Do; Dc Dc). Dc 12. Linguagem Intercompreenso Umwelt mundo comum campo de atuaoAquisio de esquemas, instrumentos Sujeito CapazAtuao Mente incorporada Embodiment: cognio ao 13. QUEDA DA NOO DE REPRESENTAO MENTALO mundo de percepes no o mesmo paraoperadores dotados de esquemas distintos No hestmulos universais O estmulo reformulado pelaestrutura interna do agente, conforme as noes de agenteforma e organizao de Merleau-Ponty Nunca uma representao igual a outra No hinputs nem outputs porque o operador no umprocessador de informaes.informaesH, de fato, mundos distintos de atuao-incorporao: embodiment H, na cognio, uma representao que semrepresentao (PESCHL, 2000). 14. como se o corpo do operador, seus msculos,seus nervos e estruturas aferentes e sensoriais seestendessem por toda a planta, por meio derecursos diferenciados de comunicao extra-salade controle, os quais, de fato, tornam o operadorcomo um corpo estendido e situado sobre a situado refinaria, sobre a fbrica de cimento, sobre ausina: corpo que reconstri e reorganiza os sinais do processo a todo momento, e os reformulanuma funo de re-enquadramento segundo sua estrutura e sua organizao interna (corpofenomenal) formada por esquemas incorporadospara a ao e image-schemata adquiridosimage-schemataem sua histria de AO INCORPORADA narea, histria carnal na planta (BOUYER, 2008). 15. AGRADECIMENTO:AO PROFESSOR DR. LAERTE IDAL SZNELWAR: confiana no meu trabalho apoio incondicional nos momentos de crise existencial coerncia, presteza e disponibilidade nas diversasfases de orientao pela solidariedade e amizade