Portifólio milena

Embed Size (px)

Text of Portifólio milena

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIACAMPUS II - ALAGOINHAS-BACOLEGIADO DE CINCIAS BIOLGICASDEPARTAMENTO DE CINCIAS EXATAS E DA TERRADOCENTE: CLUDIA REGINA TEIXEIRA DE SOUZAPortflio Milena de Brito Improta21/2/2011

2. IntroduoEste portflio um relato dasexperincias vivenciadas durante o perodode Estgio Supervisionado II do curso deLicenciatura em Cincias Biolgicas daUniversidade do Estado da Bahia, e temcomo objetivo sociabilizar as experincias emsala de aula, a fim de produzir uma reflexocrtica e vislumbrar as futuras aespedaggicas, e assim construir um novoolhar sobre o ensino, a aprendizagem e afuno do educador.No no silncio que os homens se fazem, mas napalavra, no trabalho, na ao-reflexo.Paulo Freire 3. O Estgio O estgiopossibilitaque sejamtrabalhadosaspectos indispensveisconstruo da identidade, dos saberes e dasposturas especficas ao exerccio profissionaldocente (PIMENTA, 2009), por meio dele oestudante pode perceber as diferenas domundo organizacionaleexercitar suaadaptao ao meio docente (FACULDADEBATISTA BRASILEIRA, sd).O estgio funciona como umajanela do futuro atravs do qual oaluno antev seu prximo modo deviver. Deve ser uma passagemnatural do saber sobre para osaber como; um momento devalidao do aprendizado terico e 4. prtico em confronto com a realidade (FACULDADEBATISTA BRASILEIRA, sd). Neste momento de aprendizagem eupude perceber quais so os meus potenciais eminhas falhas no meio docente, este processome possibilitou amadurecer as ideias queantes era apenas especulaes do quepoderia fazer na sala de aula para ser umbom profissional e transmitir o contedocom clareza, para queo estudanteconseguisse desenvolver o seu conhecimento. Apesar de j ter vivido a experincia dadocncia no Ensino Fundamental, no EnsinoMdio foi algo totalmente novo, acabeipercebendo que a didtica teria que serdiferente, e que o controle da turma era mais 5. difcil, pois o pessoal era mais velho e no seimpunham a minha autoridade. Entre os meus grandes desafios estava odomnio de classe, e ele me mostrou que uma das principais ferramentas para setornar um bom professor, porm na minhaconvico eu no consegui desenvolv-lo damelhor forma possvel. Durante esse perodo pude apender quepara ser um bom professor necessriomanter uma boa relao com os estudantes,ser flexvel, mais ao mesmo tempo exigente emanter sempre a palavra, preciso motivarcontinuamente os alunos para que elestenham vontade de apreender, os exercciosfazem parte da construo do conhecimentoe por isso devem ser bem trabalhos, pois elestambm so ferramentas que o professor 6. pode utilizar para verificar se houveaprendizado. O estgio possibilitou que eu vivesse umpouco da minha futura realidade e assimcomeasse a construir a minha identidadeprofissional.Desenvolvendo a docncia O estgio foi realizado no ColgioEstadual Luis Eduardo Magalhes, nomunicpio de Alagoinhas, durante o perodode 09 de setembro a 08 de dezembro. Foidesenvolvido em duas etapas o perodo deobservao e adaptao da turma e o perodode regncia. O perodo de observao eadaptao consistiu em assistir as aulas daprofessora regente para que se pudesse 7. conhecer a turma e a forma de ensinar daprofessora. Neste momento eu me senti deslocada,todos os alunos me observando, comentandosobre mim, tive um pouco de inveja daprofessora, pois esta mantinha um bomrelacionamento com a turma e conseguia terdomnio de classe apesar dos alunos serembem agitados. E ai me vinha pergunta serque eu iria conseguir fazer um bomtrabalho? Apesar da insegurana o perodode observao me ajudou a refletir sobrecomo eu iria desenvolver o perodo deregncia. Aobservao uma parteimportantssima do estgio, pois nestemomento que voc tem a oportunidade de 8. fazer uma diagnose do espao que voc estpreste a assumir (COSTA, 2010).Para a realizao do perodo de regnciafoi utilizada a tcnica de ensino de aulaexpositiva e mtodos de avaliao comoestudo dirigido, quadro comparativo, aulasprticas e testes de verificao. A propostade estgio foi desenvolvida a partir daelaborao de planos de aula contendosequnciasdidticasque buscarampotencializar as relaes interativas na salade aula e acompanhadas de proposta deavaliao que fosse vivel a realidade dosestudantes. Durante a regnciasenti muitadificuldade, pois a turma era muito agitada.Era muito triste ver o que eu tinha planejadono dar certo, devido falta de disciplina e 9. interesse dos alunos, esse foi um perodoonde eu pude aprender que preciso pensarem tudo que poder acontecer antes deplanejar. O planejamento serve comoumaferramenta importantssima para organizare subsidiar o trabalho do professor, destaforma ele deve ser uma organizao dasideiase informaes(CASTRO;TUCUNDUVA; ARNS, 2008).A EscolaO colgio Luis Eduardo Magalhes umcolgio modelo presente nas principaiscidades do estado da Bahia, a sua estrutura bem ampla e as salas so bem arejadas, todaspossuem um bom sistema de ventilao com 10. janelas e ventiladores, quadro branco e tvpendrive,porm aacsticaacabaatrapalhando o andamento das aulas. Ocolgio possui uma biblioteca, um auditrio,quadra esportiva, uma cantina, duas salas deprofessores, uma secretaria, coordenao,direo e bastante espao para que osestudantes possam circular.Oambiente instrumento dodesenvolvimento humano, em que o serhumano busca recursos para suas aes,desta forma a organizao do espao escolarpode favorecer ou no a aprendizagem dosalunos (FREITAS, sd).Desta forma eu me senti tranquila aosaber que o colgio apresentava umaestrutura que dava para desenvolver umtrabalho de qualidade com os discentes. 11. A professoraA professora regente formada pelaUniversidade do Estado da Bahia e tem umbom perodo de experincia de sala de aula, oseu relacionamento com os alunos derespeito e cordialidade, ela vista como umaprofessora exigente por grande parte dosalunos. Ela me passou segurana com relao aatuao do professor, porm no seu discursocomigo era perceptvel a falta de satisfaocom a profisso, pois ela me aconselhou ano seguir essa carreira j como eracansativa e rdua. O problema da satisfao do professor sesitua no preenchimento de necessidades dealta ordem em uma profisso onde ospadres de carreira podem ser limitados(TELEFER; SWAN, 1986 apud MOREIRA,sd). 12. A turmaA turma 91 m3, era composta por 47alunos, porem nem todos freqentavam, poisalguns eram alunos de dependncia. Erauma turma muito agitada, os alunosgostavam de conversar, poucos tinhaminteresse e motivao para com as aulas,para ter um bom rendimento era necessrioo professo ter criatividade e sempre trazernovidades.A minha falta de experincia foi um dosgrandes desafios para com a turma que eramuito indisciplinada, eu me senti incapazalgumas vezes, j como o pessoal era maisvelho e nem todos estavam dispostos arealizar as atividades propostas. A indisciplina um fenmeno relacional e interactivo que se concretiza no incumprimento das regras que presidem, orientam e 13. estabelecem as condies das tarefas na aula e, ainda, no desrespeito de normas e valores que fundamentam o so convvio entre pares e a relao com o professor, enquanto pessoa e autoridade (JOO AMADO, 1998 apud DEBATE). A indisciplina est muito relacionadacom a relao que se estabelece no interiorda aula e esta relao depende sobretudo damotivao dos alunos para os contedos daaprendizagem e do clima relacional(DEBATE, sd). ObservandoO perodo de observao ocorreu emuma semana e foram observadas duas aulas,pode-se perceber que a professora conseguiater um domnio de classe apesar da agitaodos alunos, transmitia segurana e domniode contedo, porm pela sua didtica dava 14. para perceber a falta de motivao para oensino.A didtica da professora foi a aulaexpositiva isso me fez ter a ideia de inovarquando eu iniciasse a regncia, pormquando eu fui viver a realidade de serprofessor percebi quanto difcil no seacomodar com as tcnicas de ensinotradicional. A didtica o conjunto de tcnicas esaberes metodolgicos indispensveis artede ensinar algo a algum e cabe a elaconverterobjetivossociopolticosepedaggicos em objetivos de ensino,consequentemente,em objetivoseducacionais, acrescentando-lhe a tarefa dedarsentidoaoprocessoensino-aprendizagem (SANTOS, 2003). 15. RegnciaPrimeira semana Estava ansiosa para que comeasse... meprogramei para dar continuidade ao assuntosobre os integrantes do reino Plantae.Planejei fazer uma breve reviso para que osdiscentes pudessem compreender como sedeu a evoluo no reino plantae, trabalhar adiferena entreangiospermas egimnospermas e a estrutura da flor atravsda dissecao de uma flor de hibisco. Na prtica eu fiquei um pouco nervosaao fazer o primeiro contado. O tempo foi omeu grande inimigo, pois eu no conseguir 16. concluir tudo o que havia planejado.Conseguir motivar os alunos quando falei daaula prtica sobre as partes da flor, todosficaram empolgados. O tempo destinado a cada parte da aula uma deciso importante que os professorestm que tomar durante o planejamento e aexecuo da mesma (COSTA, sd).O planejamento do tempo durante as atividades propostas particularmente mais difcil para professores em incio de carreira, os quais, geralmente, no esto muito acostumados a preverem o tempo a ser despendido (WAJNRYB, 1996 apud COSTA, sd). 17. Segunda semana Nessa semana planejei trabalhar com osdiscentesaestruturadasemente,asdiferenas entre monocotiledneas edicotiledneas e a absoro de gua e saisminerais pelos vegetais. Essasemanafoimarcada pelaindisciplina dos alunos, estes estavam muitoagitados e eu acabei perdendo o controle dasituao, a professora regente teve queintervir para que eles se acalmassem. Esseacontecimento me fez sentir muito mal, eincapaz em relao docncia. Aindisciplina integra todososcomportamentos que os alunos apresentamna sala de aula que perturbam o trabalho 18. que o professor pretende realizar (JESUS,2008). o principal fator de mal-estar docentepara muitos professores, de acordo com osresultados obtidos em diversas investigaes(JESUS, 1996 apud JESUS, 2008).Terceira semana Para no confundir os discentes es