 GOVERNANÇA CORPORATIVA  COMITÊ DE AUDITORIA  METODOLOGIA  GERENCIADOR DO TRABALHO DE AUDITORIA  PLANEJAMENTO DE AUDITORIA  RISCOS DE AUDITORIA

  • Published on
    07-Apr-2016

  • View
    242

  • Download
    24

Embed Size (px)

Transcript

  • GOVERNANA CORPORATIVA

    COMIT DE AUDITORIA

    METODOLOGIA

    GERENCIADOR DO TRABALHO DE AUDITORIA

    PLANEJAMENTO DE AUDITORIA

    RISCOS DE AUDITORIA

    PROGRAMA DE AUDITORIA

    PLANO DE AUDITORIA

    FLUXOGRAMA DO PROCESSO

    AMOSTRAGEM

    RELEVNCIA

    PAPIS DE TRABALHO

    PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA

    CONTEDO PROGRAMTICO

    PARECER

    NOTAS EXPLICATIVAS

    RELATRIO DA ADMINISTRAO

    RELATRIO DE CONTROLES INTERNOS

  • GOVERNANA CORPORATIVA O QUE GOVERNANA CORPORATIVA?

    Governana Corporativa o conjunto de prticas que tem por finalidade otimizar o desempenho de uma companhia ao proteger todas as partes interessadas, tais como investidores, empregados e credores, facilitando o acesso ao capital (Cartilha da CVM/2002).

    A Governana Corporativa so as prticas e os relacionamentos entre os acionistas/cotistas, conselho de administrao, diretoria, auditoria independente e conselho fiscal, com a finalidade de otimizar o desempenho da empresa e facilitar o seu acesso ao capital (IBGC).

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoCRESCIMENTO DA IMPORTNCIA DA GOVERNANA CORPORATIVAASPECTOS MACROECONMICOS

    A acelerao da desestatizao em vrias economias mundiais, com nfase na Amrica Latina, afastou o Estado da produo e colocou a gesto de empresas e atividades de prestao e gerao de servios pblicos sob controle da iniciativa privada.

    Fortalecimento da presena de investidores institucionais, em particular de fundos de penso e suas influncias nos processos de gesto e os problemas de agncia eventualmente gerados (GC dos prprios investidores x GC dos veculos investidos x interesses gerais).

    * Baseado em Fuller e Jensen, apud Zylberstajn (2003)

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoCRESCIMENTO DA IMPORTNCIA DA GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoASPECTOS MACROECONMICOS -- Continuao

    Onda de fuses e aquisies iniciada nos anos 90, criando corporaes maiores, mais complexas e com problemas de controle ampliados.

    Processo de desregulamentao legal e integrao de mercados muito acelerada, sem um modelo de proteo ou salvaguardas para acionistas no controladores.

    Crises localizadas (Rssia, Mxico, Brasil, Argentina etc) que ganharam propores e efeitos de crises globais demandando estruturas de controle empresarial internacionalizadas, no disponvel em grande parte das empresas.

    Onda de escndalos em organizaes, at ento consideradas modelos em GC.

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoCRESCIMENTO DA IMPORTNCIA DA GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoASPECTOS GERAIS

    Inicialmente muitos viam a GC como uma satisfao aos acionistas dentro de uma prtica de cristalizao de uma boa imagem, mas o discurso era diferente da realidade.

    De uma forma geral, todos dizem que adotam a GC, mas poucos a praticam na plenitude do seu conceito, funcionando como se fosse um departamento de SAC (Servio de Atendimento ao Consumidor) de acionistas.

    Fraudes contbeis, problemas com a postura de auditores independentes e recomendaes de consultores esto no epicentro de grandes e recentes escndalos financeiros empresariais.

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoCRESCIMENTO DA IMPORTNCIA DA GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoASPECTOS GERAIS -- Continuao

    Prejuzos de investidores e falncia de empresas determinam clamor social por melhores prticas empresariais e maior rigor fiscalizatrio.

    Adoo efetiva de prticas de Governana Corporativa ganha destaque e se torna um dos diferenciais de postura empresarial mais respeitados e valorizados pelo mercado.

    Legislao americana foi modificada pela aprovao da Lei SOX de autoria dos polticos Sarbanes e Oxley (2002).

    Muito se vem avanando em termos de GC, mas ainda h um longo caminho a percorrer sobre a ampliao e difuso dos conceitos sobre o tema.

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoALGUNS MARCOS IMPORTANTES DA GOVERNANA CORPORATIVA

    Resoluo BACEN 3.081, de 29/05/2003, que determinou que as instituies financeiras criassem Comits de Auditoria at 31/12/2003 (prorrogado para 31/03/2004 pela Resoluo 3.143, de 27/11/2003).

    Efeitos indiretos da legislao americana (Sarbanes & Oxley, de 2002) sobre empresas brasileiras emissoras de ADRs e subsidirias no Brasil de empresas estrangeiras, fizeram com que a discusso sobre a Governana Corporativa se desenvolvesse na prtica, no tocante ao cumprimento e adequao s novas normas legais que lhes foram impostas.

  • ELEMENTOS DA GOVERNANA CORPORATIVA:

    IGUALDADETRANSPARNCIAPRESTAODE CONTASGOVERNANA CORPORATIVA -- Continuao

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoTRANSPARNCIA:

    Assegura que as informaes materiais, precisas e comparveis de natureza financeira, operacional, desempenho, patrimonial e de governana da companhia sero disponibilizadas no momento adequado.

    Lei das S/A art. 157 e Instruo CVM 358/01.

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoTRANSPARNCIA -INFORMAR ADEQUADAMENTE:CONSELHOFISCALCONSELHO DEADMINISTRAOPROPRIETRIOSSOCIEDADE EM GERALSTAKEHOLDERSAUDITORESINDEPENDENTESTRANSPARNCIA -- Continuao

  • Mais do que a obrigao de informar, a Administrao deve cultivar o desejo de informar, sabendo que a comunicao interna e externa, particularmente quando espontnea, franca e rpida, resulta um clima de confiana, tanto internamente, quanto nas relaes da empresa com terceiros. A comunicao no deve restringir-se ao desempenho econmico-financeiro, mas deve contemplar tambm os demais fatores (inclusive intangveis) que norteiam a ao empresarial e que conduzem criao de valor. (Cdigo das Melhores Prticas de GC, IBGC, 2004).GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoTRANSPARNCIA -- Continuao

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoPRESTAO DE CONTAS:

    Assegura que a orientao estratgica da companhia, a efetiva superviso da gerncia pelo conselho de administrao e que o controle dos atos da companhia esto sendo monitorados e avaliados.

    Lei das S/A art. 153 e 155.

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoPREST. DE CONTASEXECUTIVOPRINCIPAL EDIRETORIACONSELHO FISCALCONSELHO DEADMINISTRAOAUDITORESINDEPENDENTESPRESTAO DE CONTAS -- Continuao

  • IGUALDADE:IMPARCIALIDADETRATAR OS ACIONISTAS:JUSTIAGOVERNANA CORPORATIVA -- Continuao

  • AGENTES FIDUCIRIOSPROPRIETRIOSDIRETORIA EXECUTIVAComunicaoDivulgaoComit de AuditoriaOutrosConselhos ou ComitsConselho deAdministraoAcionistasAdministrao das Linhas de NegciosAdministrao das Unidades de NegciosControlesInternosCdigo deCondutae ticaPolticaseProcedimentosGerenciamentode RiscoGoverno e rgos NormativosComunidade de InvestimentoAmbiente de NegciosComunidade FinanceiraAuditores ExternosAuditores InternosGOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoVISO GERAL

  • GOVERNANA CORPORATIVA -- ContinuaoAS PRTICAS MAIS USADAS PELAS EMPRESAS PARA INFLAR LUCROS E PARECER MAIS ATRAENTES AOS INVESTIDORES (Baseado em material original do Prof. Rohan Lima):QUEM FEZ: WorldComO TRUQUE: Trocando as bolas

    COMO: uma maneira extremamente simples de manipular resultados. O que a WorldCom fez foi colocar no balano 3,8 bilhes de dlares como investimentos - quando, na verdade, eram despesas. Especialistas dizem que os auditores da Andersen (os mesmos da Enron) deveriam ter descoberto a falcatrua.QUEM FEZ: EnronO TRUQUE: Esconde - esconde

    COMO: Com participaes em pequenas empresas que no constavam no balano, a Enron escondeu bilhes em dvidas. No ltimo balano publicado, a empresa superestimou os lucros em quase 600 milhes de dlares e fez desaparecer dvidas de quase 650 milhes de dlares. A mgica contbil no parou por a. Alm de esconder os passivos, a Enron tambm vendeu bens a essas empresas por preos supervalorizados, a fim de criar falsas receitas.

  • O objetivo da Governana em TI o de afianar que as estruturas e processos internos garantam que a tecnologia da informao suporte e maximize a misso e as estratgias da organizao de uma entidade. Para tanto, busca-se controlar, auditar e avaliar a operacionalizao e a qualidade dos servios e equilibrar os riscos do retorno sobre os investimentos, ou seja, garantir o equilbrio entre os riscos e os retornos sobre as atividades e processos.GOVERNANA EM TI

  • Vantagens na Governana de TI

    As vantagens da Governana de TI podem ser listadas como as seguintes:

    alinhar as estratgias de TI com as do negcio;

    mais capacidade e agilidade para novos modelos de negcios ou ajustes nos modelos atuais;

    explicita a relao entre aumento nos custos de TI e aumento no valor da informao;

    mantm os riscos de negcio sob controle;

    explicita a importncia da TI na continuidade dos negcios;

    mede e melhora continuamente a performance de TI.GOVERNANA EM TI -- Continuao

  • COMIT DE AUDITORIAO funcionamento do comit de auditoria deve ser semelhante ao de um comit do conselho de administrao. Sua difuso bastante grande nos Estados Unidos, onde o mercado de capitais desenvolvido. Principalmente neste pas, o comit de auditoria dedica-se:

    averiguao dos controles internos; Ao gerenciamento da implantao e observncia dos padres ticos e legais; reviso peridica de todo o seu sistema contbil; e Ao acompanhamento dos trabalhos de auditoria interna e externa.

  • Principais Processos do Desenvolvimento de Expectativas2Avaliao de Riscos3Elaborao do Plano de Auditoria4Execuo dos testes de auditoria15Comunicao dos ResultadosDesenvolvimento de ExpectativasAlgumas questes discutidas durante o desenvolvimento de expectativas Aspectos tpicos do processo de auditoria: - Identificao dos processos - escopo - Fatores a serem considerados no Plano de Auditoria - Critrios para avaliao do risco Entendimento dos objetivos do negcio Foco da Auditoria Interna Definio do Comit de Auditoria Definio do facilitador Identificao dos processos da organiz

Recommended

View more >