Click here to load reader

8 poetas blogueiros hoje

  • View
    221

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Esta obra é fruto da pesquisa A (À) margem da edição: a poesia, dos mimeográfos aos blogs, realizada pelo programa de Iniciação Científica do CEFET-MG, fomentado pela FAPEMIG. Nela o leitor encontrará os poemas dos seguintes poetas-blogueiros: Fernanda Bião, Taynara Irias, Vitor Hugo Morales, Matheus Alexandre, P.C. Ventura, Guilherme Fernandes, Luiz Carlos Vieira, Sabine Ribeiro.

Text of 8 poetas blogueiros hoje

  • | 1 |

  • | 5 |

  • 8 poetas-blogueiros hoje foi produzido durante a pesquisa A () margem da edio: a poesia, dos mimegrafos aos blogs, realizada pelo programa de Iniciao Cientfica do CEFET-MG, fomentado pela FAPEMIG, no perodo de 2012 a 2014, por alunos e professores do curso de Bacharelado em Letras-Tecnologias da Edio, Departamento de Linguagem e Tecnologia.

    Coordenao editorial: Prof. Andrea Soares SantosConsultoria editorial: Prof. Pablo GuimaresOrganizao: Izabel Maria Fonseca Vieira SReviso: Prof. Andrea Soares Santos e Izabel Maria Fonseca Vieira SCapa e diagramao: Ana Sofia Alencar Castro

    AgradecimentosAgradecemos aos poetas-blogueiros, por participarem at o final da nossa pesquisa, e ao prof. Pablo Guimares, por sua consultoria ao projeto editorial.

  • SUMRIO

    Introduo09

    Fernanda Bio Construes da Alma

    15

    Taynara IriasA incoerncia da alma

    27

    Vitor Hugo MoralesPoesia, filosofia, pouca e pequena

    43

    Matheus Alexandre O eu escrito

    61

    P. C. VenturaPoesias para beber

    73

    Guilherme FernandesO globo ocular

    87

    Luiz Carlos Vieiras arvores do caminho

    101

    Sabine RibeiroUma biografia

    113

  • | 9 |

    Introduo

    Entre os 26 poetas hoje, antologizados por Helosa Buarque de Holanda, na dcada de 70 do sculo passado, e esses nossos 8 poetas-blogueiros hoje, h um lapso temporal profundamente marcado pelo advento das novas tecnologias de informao e comunicao.

    E, dentre outros objetivos, era justamente o impacto dessas tecnologias no fazer potico e nos modos de fazer circular a produo da decorrente que pretendamos investigar ao propor, em 2012, o projeto de pesquisa A () margem da edio: a poesia, dos mimegrafos aos blogs, pelo programa de Iniciao Cientfica do CEFET-MG, fomentado pela FAPEMIG.

    , pois, no mnimo curioso que o resultado desse esforo investigativo se nos apresente na forma do bom e velho livro impresso, com a antologia de agora mimetizando, ainda que guardadas as propores, aquela anterior, de 1975. Para entender isso necessrio reconstituir, ainda que de modo breve, o percurso percorrido at aqui.

    Realizada no perodo de 2012 a 2014, esta pesquisa pretendeu contrastar as atitudes, nos mbito da criao e da edio, dos chamados poetas marginais da dcada de 70 e de autores que contemporaneamente veiculam suas produes por meio de blogs. Numa manobra algo espelhada na da prpria Helosa Buarque de Hollanda que, no prefcio de 26 poetas hoje, afirma ter escolhido para compor a sua antologia os trabalhos que estavam mais ao alcance de seu conhecimento, optamos por tomar como objeto de anlise um corpus de blogs de poesias produzidos por membros da comunidade do CEFET-MG.

    Divulgamos nossos propsitos, convocamos alunos, professores e servidores cefetianos e eis que nos vimos, numa ponta, diante desses oito poetas-blogueiros e, noutra, diante de autores que, conforme nos ensina Glauco Mattoso em O que poesia marginal (1981), queriam divulgar o seu trabalho em uma poca em que o mercado editorial era fechado para novas concepes.

    Mas a questo, em essncia, permanece a mesma. Entre supor-se autor e ser consagrado autor ou autor consagrado (o que d na mesma) , o passo passar ao livro. Mas no nos referimos apenas ao fazer o livro. Esse no problema. As tecnologias do nosso hoje facilitam a publicao e a circulao de um modo

  • | 10 |

    que certamente empolgaria os poetas da gerao-mimegrafo. Por isso, podemos apresentar aqui a vocs, leitores, nosso 8 poetas-blogueiros hoje, seja em formato e-pub ou impresso, visualizvel ou palpvel.

    A questo , ento, como se passa histria. Os poetas da gerao mimegrafo lograram a notoriedade que hoje lhe atribumos porque foram antologizados por ningum menos que Heloisa Buarque de Hollanda, inseridos por ela na linha valorativa de nossa histria literria, publicados por editora reconhecida, consagrados pela crtica, e, hoje, frequentam (pelo menos no caso de alguns) catlogos de grandes editoras comerciais. Os oito poetas que aqui apresentamos, tm, ao contrrio, diante de si uma longa estrada, que poder ser ou no percorrida.

    Realmente h, entre os margem da edio dos anos 70 e esses nossos cefetianos blogueiros do sculo XXI, muitas diferenas. De contexto, de propsitos, de concepes de poesia, de viso de mundo, de temticas, de habilidade de manejo lingustico, etc. o que o conhecimento prvio do leitor sobre a gerao-mimegrafo, em confronto com critrios de escolha dos poemas aqui reunidos, sobre os quais falaremos a seguir, os prprios poemas e as entrevistas com os autores certamente apontaro.

    Acreditamos, porm, que o primeiro passo foi/ , para todos os poetas, sempre o mesmo: escrever, considerar o que se escreve como sendo poesia e desejar ser lido. em celebrao a essa atitude, coragem desse primeiro passo, que fizemos este livro.

    A escolha dos poemas

    Justificar a seleo de textos para uma antologia literria nunca fcil. Em uma escolha como essa, definir critrios torna-se uma tarefa melindrosa, uma vez que esto latentes questes como o que pode ser considerado uma boa literatura, seja quando se consideram valores pessoais, mercadolgicos ou aqueles ditados pelos padres estticos da crtica especializada acadmica. Apesar de o nosso corpus de autores no ser grande, apenas 8 poetas1, deparamo-nos com uma quantidade enorme de poemas, na casa de centenas. Como o nosso objetivo na

    1 Recebemos um total de 18 inscries, porm apenas 8 blogueiros formalizaram o compromisso de participar de todas as etapas da pesquisa.

  • | 11 |

    pesquisa nunca contemplou um julgamento de valor esttico, no poderamos utilizar como critrios os padres acadmicos. claro que, na nossa escolha, ficam implicadas as nossas formaes como profissional da Linguagem e estudante de Letras. Um gosto, queira ou no, j conformado ou influenciado pelos valores estticos do cnone literrio.

    No momento de escolher os poemas, decidimos que o objetivo principal seria apresentar ao leitor as variedades que essa poesia feita nos blogs poderia apresentar, deixando, assim, o julgamento esttico para a recepo. Escolhemos poemas com diversas formas e temas. Em alguns, h maior trabalho com a linguagem, em outros, maior preocupao com a expresso. Entretanto, o leitor poder verificar que h muitas semelhanas entre as produes. Enquanto realizvamos a pesquisa, ao longo da anlise dos blogs, notamos, por exemplo, que h a predominncia da primeira pessoa nos poemas; h tambm boa quantidade de temas relacionados a questes existenciais, nas quais o tempo ganha destaque. Essa perplexidade diante da realidade poderia ser explicada pelo fato de a maioria dos poetas-blogueiros serem muito jovens, mas nos textos dos autores mais maduros, os questionamentos existenciais tambm aparecem.

    Como mencionado, durante a pesquisa, realizamos um questionrio com os poetas-blogueiros, que tambm serviu de base para a escolha dos poemas. Quando perguntados sobre o que consideravam o que era poesia, a maior parte dos poetas manifestou uma viso de poesia prxima concepo de poesia dos autores do Romantismo , ou seja, de uma poesia, primeiramente, como forma de expresso. Notamos que nos casos em que esse aspecto era mais valorizado, os poemas correspondiam a essa viso. J nos poemas dos autores que salientaram os aspectos lingusticos da construo potica, podemos notar maior trabalho com a linguagem. Como dissemos, no h julgamento de valor esttico aqui. No pretendemos dizer que uma obra seja melhor do que a outra, mas que se direcionam a propsitos diferentes, e na escolha dos poemas de cada poeta-blogueiro, tentamos selecionar aqueles que, ao nosso olhar, correspondem melhor concepo de poesia do prprio autor.

    Alm da escolha dos poemas, outra deciso, inicialmente, tornou-se um desafio: o projeto grfico da edio. Como a

  • | 12 |

    proposta inicial da pesquisa era produzir uma antologia digital, preocupava-nos optar por um suporte que justificasse a retirada dos textos de seu suporte original, oferecendo recursos iguais ou superiores aos dos blogs. Por isso mesmo, a pura e simples transposio para um e-pub sempre nos pareceu insuficiente, j que o blog, alm de se configurar como suporte para os textos, tambm uma ferramenta de distribuio. Entretanto, qualquer outro formato digital, requereria profissionais da rea de programao, o que no poderamos custear. Sendo portanto, o e-pub a nossa nica opo vivel, decidimos, juntamente com ele, fazer uma verso impressa; porm surgiu outro obstculo: os custos com uma impresso que contivesse imagens. Se, por um lado, a verso digital nos permitiria explorar recursos grficos, a verso impressa nos solicitava conteno.

    A soluo para o nosso dilema nos foi apresentada pelos prprios resultados da pesquisa. Incialmente, como hiptese, espervamos encontrar uma produo potica intimamente relacionada com os recursos multissemiticos que as plataformas dos blogs oferecem. Entretanto, percebemos que os recursos de imagens, sons e vdeos foram pouco utilizados pelos poetas-blogueiros cefetianos. No caso desses escritores, a partir da anlise dos poemas, dos prprios blogs e das entrevistas, ficou claro que o foco da criao na palavra escrita. E, por essa razo, priorizamos o texto verbal e exclumos de alguns poemas as eventuais imagens a eles relacionadas. Percebemos que elas so, na maioria quase absoluta dos casos, ilustrativas e no fazem parte do processo de criao potica, como at espervamos encontrar no incio da pesquisa. E o mais importante: que o valor dado ao livro impresso, pelos poetas-blogueiros, como forma de divulgao de suas obras, era superior ao valor dado ao blog. Assim, o livro impresso tornou-se o nosso produto principal, e o digital, um meio alternativo.

    Ao refletirmos sobre a valorizao do livro impresso, vale ressaltar a perspectiva