Alguns Artigos Sobre Metais Pesados 08

  • Published on
    23-Jun-2015

  • View
    760

  • Download
    0

Transcript

ALGUNS ARTIGOS SOBRE METAIS PESADOS

Metais pesados

Contaminando a vida Minamata, Japo,1956. No dia 21 de abril, uma criana com disfunes do sistema nervoso d entrada no Hospital Shin Nihon Chisso. Logo em seguida, no dia 1o de maio, quatro outros pacientes com sintomas similares aparecem no Centro de Sade Pblica de Kumamoto. Esta ltima acabou sendo a data oficial da descoberta do Mal de Minamata, doena cerebral causada pela ingesto de mercrio. Naquele ano, um comit especialmente designado para investigar a doena (de causas at ento desconhecidas) reconheceu o mal em 56 pessoas. A investigao apontou pacientes das vizinhanas da Baa de Minamata, cujas dietas eram centradas em peixes e frutos do mar. Foram encontrados cristais de mercrio orgnico nos dejetos da indstria qumica Chisso. O mercrio era despejado em um rio que desaguava no mar, o principal fornecedor de alimentos s comunidades da regio. A fauna marinha foi intoxicada e, atravs da comida, o metal altamente txico chegou aos organismos humanos. As mortes e doenas conseqentes da contaminao por mercrio em Minamata so exemplos da fora txica do grupo de elementos qumicos conhecidos como metais pesados. Os despejos de resduos industriais so as principais fontes de contaminao das guas dos rios com metais pesados. Indstrias metalrgicas, de tintas, de cloro e de plstico PVC (vinil), entre outras, utilizam mercrio e diversos metais em suas linhas de produo e acabam lanando parte deles nos cursos de gua. Outra fonte importante de

contaminao do ambiente por metais pesados so os incineradores de lixo urbano e industrial, que provocam a sua volatizao e formam cinzas ricas em metais, principalmente mercrio, chumbo e cdmio. Os metais pesados no podem ser destrudos e so altamente reativos do ponto de vista qumico, o que explica a dificuldade de encontr-los em estado puro na natureza. Normalmente apresentam-se em concentraes muito pequenas, associados a outros elementos qumicos, formando minerais em rochas. Quando lanados na gua como resduos industriais, podem ser absorvido pelos tecidos animais e vegetais. Uma vez que os rios desguam no mar, estes poluentes podem alcanar as guas salgadas e, em parte, depositarse no leito ocenico. Alm disso, os metais contidos nos tecidos dos organismos vivos que habitam os mares acabam tambm se depositando, cedo ou tarde, nos sedimentos, representando um estoque permanente de contaminao para a fauna e a flora aquticas. Estas substncias txicas tambm depositam-se no solo ou em corpos d'gua de regies mais distantes, graas movimentao das massas de ar. Assim, os metais pesados podem se acumular em todos os organismos que constituem a cadeia alimentar do homem. claro que populaes residentes em locais prximos a indstrias ou incineradores correm maiores riscos de contaminao.

Efeitos na Sade A maioria dos organismos vivos s precisa de alguns poucos metais e em doses muito pequenas. To pequenas que costumamos cham-los de micronutrientes, como o caso do zinco, do magnsio, do cobalto e do ferro (constituinte da hemoglobina).

J o chumbo, o mercrio, o cdmio, o cromo e o arsnio so metais que no existem naturalmente em nenhum organismo. Tampouco desempenham funes - nutricionais ou bioqumicas - em microorganismos, plantas ou animais. Ou seja: a presena destes metais em organismos vivos prejudicial em qualquer concentrao. Um estudo realizado por pesquisadores brasileiros avaliou a concentrao de metais pesados em verduras cujo plantio utilizou adubo proveniente da compostagem de lixo orgnico. Os resultados demostraram que o solo e as hortalias tinham Cdmio em nveis perigosos para o consumo humano. Folhas de alface, couve e brcolis continham, respectivamente, 2,3, 11,8 e 8 miligramas de Cdmio por quilograma de alimento (mg/kg). Como a Organizao Mundial de Sade (OMS) recomenda o mximo dirio de 1 micrograma de Cdmio por quilograma de massa corprea, algum que se alimente destas verduras acabar por ingerir dez vezes mais que as quantidades aceitveis. Os mesmos pesquisadores afirmam que os alimentos fornecem 40% do cdmio absorvido pelo homem e que a vida mdia biolgica deste elemento qumico (19-38 anos) acarreta sua acumulao no corpo humano, especialmente nos rins e no fgado. Altos teores podem trazer disfunes em pessoas com mais de 50 anos de idade.

OS METAIS SO CLASSIFICADOS EM:

1. elementos essenciais: sdio, potssio, clcio, ferro, zinco, cobre, nquel e magnsio; 2. micro-contaminantes ambientais: arsnico, chumbo, cdmio, mercrio, alumnio, titnio, estanho e tungstnio; 3. elementos essenciais e simultaneamente microcontaminantes: cromo, zinco, ferro, cobalto, mangans e nquel. Os efeitos txicos dos metais sempre foram considerados como eventos de curto prazo, agudos e evidentes, como anria e diarria sanguinolenta, decorrentes da ingesto de mercrio. Atualmente, ocorrncias a mdio e longo prazo so observadas, e as relaes causa-efeito so pouco evidentes e quase sempre subclnicas. Geralmente esses efeitos so difceis de serem distinguidos e perdem em especificidade, pois podem ser provocados por outras substncias txicas ou por interaes entre esses agentes qumicos. A manifestao dos efeitos txicos est associada dose e pode distribuir-se por todo o organismo, afetando vrios rgos, alterando os processos bioqumicos, organelas e membranas celulares. Acredita-se que pessoas idosas e crianas sejam mais susceptveis s substncias txicas. As principais fontes de exposio aos metais txicos so os alimentos, observando-se um elevado ndice de absoro gastro-intestinal. Em adio aos critrios de preveno usados em sade ocupacional e de monitorizao ambiental, a biomonitorizao tem sido utilizada como indicador biolgico de exposio, e toda substncia ou seu produto de biotransformao, ou qualquer alterao bioqumica observada nos fludos biolgicos, tecidos ou ar exalado, mostra a intensidade da exposio e/ou a intensidade dos seus efeitos. Recentemente, tem sido noticiado na mdia escrita e falada a contaminao de adultos, crianas, lotes e vivendas

residenciais, com metais pesados, principalmente por chumbo e mercrio. Contudo, a maioria da populao no tem informaes precisas sobre os riscos e as conseqncias da contaminao por esses metais para a sade humana.

Em Bauru, SP, um dos exemplos dessa contaminao. A Indstria de Acumuladores Ajax, uma das maiores fbricas de baterias automotivas do pas localizada no km 112 da Rodovia Bauru-Ja, contaminou com chumbo expelido pelas suas chamins 113 crianas, sendo encontrados ndices superiores a 10 miligramas/decilitro (ACEITUNO, 18-04-2002). Foram constatados ainda a contaminao de animais, leite, ovos e outros produtos agrcolas, resultando em um enorme prejuzo para os proprietrios. Um dos casos mais interessantes foi o de uma criana de 10 anos, moradora de um Ncleo Habitacional localizado prximo fonte poluidora. Desde os 7 meses de idade sofria de diarria e de deficincia mental. Somente aps suspeitas dessa contaminao, em 1999, quando amostras do seu sangue foram enviadas a dois centros toxicolgicos nos Estados Unidos, que foi constatada a intoxicao por chumbo, urnio, alumnio e cdmio (ACEITUNO, 18-04-2002). A cidade de Paulnia, em SP, e o bairro Vila Carioca tambm foram contaminados pela Shell Qumica do Brasil. Em Paulnia, dos 166 moradores submetidos a exames, 53% apresentaram contaminao crnica e 56% das crianas revelaram altos ndices de cobre, zinco, alumnio, cdmio, arsnico e mangans. Em adio observou-se tambm, a incidncia de tumores hepticos e de tiride, alteraes neurolgicas, dermatoses, rinites alrgicas, disfunes gastro-intestinais, pulmonares e hepticas (GUAIUME, 23-08-2001). Dos 2,9 milhes de toneladas de resduos industriais perigosos gerados anualmente no Brasil, somente 600 mil toneladas recebem tratamento adequado, conforme estimativa da Associao Brasileira de Empresas de Tratamento, Recuperao e Disposio de Resduos Especiais (ABETRE). Os 78% restantes so depositados indevidamente em lixes, sem qualquer tipo de tratamento (CAMPANILI, 02-05-2002). Recentemente a companhia Ing, indstria de zinco, situada a 85 km do Rio de Janeiro, na ilha da Madeira, que atualmente est desativada,

transformou-se na maior rea de contaminao de lixo txico no Brasil. Metais pesados como zinco, cdmio, mercrio e chumbo continuam poluindo o solo, a gua e atingem o mangue, afetando a vida da populao. Isso ocorreu porque os diques construdos para conter a gua contaminada no tm recebido manuteno h 5 anos, e dessa forma os terrenos prximos foram inundados, contaminando a vegetao do mangue.

Bibliografia 1. ACEITUNO, J. Mais 22 crianas esto contaminadas com chumbo em Bauru. O ESTADO DE SO PAULO. 12-04-2002. 2. ACEITUNO, J. J so 76 crianas contaminadas por chumbo em Bauru. O ESTADO DE SO PAULO. 18-04-2002. 3. ACEITUNO, J. Ministrio inspeciona atendimento aos contaminados por chumbo. O ESTADO DE SO PAULO. 07-05-2002.

2.

4. CAMPANILI, M. Apenas 22% dos resduos industriais tm tratamento adequado. O ESTADO DE SO PAULO. 02-05-2002. 5. Descoberta a maior rea de contaminao de lixo qumico do Brasil. JORNAL NACIONAL. 09-04-2002. 6. GUAIME, S. Laudo comprova contaminao dos moradores de Paulnia. O ESTADO DE SO PAULO. 23-08-01. 7. MUNG, M. CPI vai pedir interdio de terminal da Shell em SP. O ESTADO DE SO PAULO. 03-05-2002. 8. SALGADO, P. E. T. Toxicologia dos metais. In: OGA, S. Fundamentos de toxicologia. So Paulo, 1996. cap. 3.2, p. 154-172. 9. SALGADO, P. E. T. Metais em alimentos. In: OGA, S. Fundamentos de toxicologia. So Paulo, 1996. cap. 5.2, p. 443-460. 10. TREVORS, J. T.; STRATDON, G. W. & GADD, G. M. Cadmium transport, resistance, and toxicity in bacteria, algae, and fungi. Can. J. Microbiol., 32: 447-460, 1986. 11. ZIMBRES, E. www.meioambiente.pro.br