Aracaju - Manguezal - Ambiental

  • View
    244

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Em Aracaju, os remanescentes de manguezal no estuário do Rio Poxim, submetidos aos efeitos da expansão urbana desordenada, são ameaçados pelo soterramento de suas raízes aéreas e pelo lançamento, através de canais da macrodrenagem convergente, de esgotos sanitários brutos ou insuficientemente tratados.

Text of Aracaju - Manguezal - Ambiental

  • PARECER TCNICO N: 01-FCF-QAA

    A Questo do Manguezal da Praia 13 de Julho -- Esgotamento Sanitrio e Macrodrenagem Pluvial --

    TRECHO FECHADO DE CANAL

    CANAL ABERTO - NO REVESTIDO

    CANAL ABERTO - REVESTIDO

    Bacia Hidrogrfica - CIRURGIA - SO JOS -

    -SALGADO FILHO -

    (~ 390 ha)

    Bacia Hidrogrfica - JARDINS - GRAGER -

    (~ 260 ha)

    MANGUEZAL DA PRAIA 13 DE JULHO

    (detalhe na pgina seguinte)

    Estdio

    Lourival Baptista

    Setor pouco

    edificado Shopping

    Center

    Parque da Sementeira

    Canal da

    Av .Slvio Teixeira

    Parque

    Tramanda

    Canal da

    Av .Gonalo Prado

    Banco

    de Areia

    Rio Sergipe

    Mar do

    Rio Poxim

    I - Introduo e Objetivo

    Exuberante em demasia, por conta da excessiva carga de nutrientes dos esgotos sanitrios convergentes, e

    agora, h pouco mais de um ano, em parte sendo asfixiado pelo soterramento circunstancial de suas razes areas,

    o relativamente jovem e surpreendente manguezal da Praia 13 de Julho enfrenta um processo lamentvel de

    deteriorao e mortandade que, em se afirmando como progressivo, poder at extingui-lo por completo.

    Praia 13 de Julho ou Praia Formosa corresponde a um vasto banco de areia (alm de outros sedimentos)

    parcialmente vegetado e com conformao fisiogrfica indefinida (varivel ao longo do tempo) que, acoplado ao

    contorno urbano consolidado da cidade de Aracaju, compe a barra do Rio Poxim no esturio do Rio Sergipe.

    Em termos gerais, de modo distinto das faixas costeiras abertas, a dinmica da conformao espacial das

    praias estuarinas ainda no suficientemente conhecida; bastante complexa, depende da conjugao de fatores

    especficos locais tais como: a amplitude das mars, a frequncia, direo e intensidade dos ventos, a variao de

    energia das correntes fluviais (em correlao s correntes marinhas) e as eventuais alteraes na linha da costa,

    estas, via de regra, decorrentes da ao do Homem.

    No contexto da evoluo geomorfolgica do esturio do Rio Sergipe, a feio atual da Praia Formosa traduz

    uma condio ambiental deveras preocupante; uma situao que, sem dvida, est intimamente associada a uma

    srie de intervenes antrpicas (algumas um pouco mais antigas e outras relativamente recentes), iniciativas ora

    classificadas como deletrias e que correspondem etapas do intrincado processo de expanso urbana da cidade.

    O presente Parecer Tcnico objetiva alertar a sociedade civil aracajuana quanto realidade da questo do

    manguezal da Praia 13 de Julho e reclama a necessidade da implementao de intervenes competentes, a partir

    de uma anlise multidisciplinar dos fatores contribuintes ao fenmeno e da justa correlao entre os mesmos, a

    prevenir quanto s interpretaes reducionistas e formulao de proposies desconexas e ineficazes.

    O infogrfico abaixo indica a disposio do manguezal, as bacias hidrogrficas urbanas contribuintes e os

    canais da macrodrenagem correspondente, estruturas estas tipicamente destinadas conduo exclusiva de guas

    pluviais mas que, de forma inconsequente, simultnea e cotidianamente recepcionam contribuies sanitrias

    geradas nos setores convergentes e as descarregam no esturio do Rio Sergipe, impactando o ecossistema, tanto

    ao condicionar a existncia e a exuberncia do bosque do manguezal quanto ao contribuir para a sua mortandade.

    Eng Francisco Chagas Filho

    Dezembro de 2012 chagasfilhofrancisco@gmail.com

    Pg. 01/05

    Imag

    em d

    o G

    oo

    gle

    Eart

    h

    Ed

    itad

    a p

    or

    Fran

    cisc

    o C

    hag

    as F

    ilho

    em

    Dez

    /20

    12

    *

  • II - Histrico e Caracterizao

    A partir do final dos anos 1960, visando acomodar expressivos contingentes populacionais ento afluentes

    cidade, a reproduzir um padro histrico e equivocado de expanso sobre territrios ambientalmente frgeis, a

    mancha urbana de Aracaju avanou ao sul, alm do bairro So Jos, e sudeste, na direo da praia 13 de Julho,

    sem adequado planejamento, aterrando indiscriminadamente vrzeas de apicuns e remanescentes de manguezal.

    Durante a dcada de 1980, a conflituosa urbanizao se intensifica com a consolidao das avenidas Anzio

    Azevedo e Francisco Porto, com destaque na verticalizao de determinado setor entre as mesmas situado; em

    um segundo movimento, a ocupar a banda leste da mar do rio Poxim - restinga naturalmente instvel -, instala-

    se o bairro Coroa do Meio demandando onerosos e significativos movimentos de terra, uma ponte de acesso e

    diques de conteno, custa da supresso do manguezal existente e da reconfigurao da linha costeira interna.

    Em meados do anos 1990, em iniciativa conjunta da administrao pblica e da esfera privada, obsequiando

    os interesses da especulao imobiliria na implantao do elegante bairro Jardins, a superfcie integral da calha

    encharcada do indefinido riacho Tramanda, rea situada entre a Sementeira e o bairro Grager, sumariamente

    aterrada; desta forma, o apicum foi totalmente recoberto e, apenas graas a interveno judicial, o manguezal do

    Tramanda foi precariamente mantido, ficando reduzido um parque ecolgico com cerca de quatro hectares.

    Com os vastos aterros e a consequente impermeabilizao do solo, em eliminadas as vrzeas de acumulao

    hdrica, visando o acondicionamento hidrolgico aos novos requerimentos fisiogrficos, vultuosos canais foram

    implantados promoo da macrodrenagem pluvial e vias de circulao foram estabelecidas em suas margens.

    Submetidos variao diria das mars, desprovidos de comportas ou qualquer dispositivo de controle de

    fluxo, nas condies atuais, os canais exercem continuamente a funo clandestina de receptores de esgotos

    sanitrios, armazenando-os simplesmente (nos perodos de mar em elevao) ou conduzindo-os imediatamente

    ao esturio (nos perodos de mar baixa), exalando, ativamente neste ltimo caso, inconvenientes odores ftidos.

    Em qualquer situao, fato que carga orgnica e nutrientes qumicos presentes em contribuies sanitrias

    de duas relevantes bacias de escoamento da cidade atingem tanto o manguezal quanto o banco de sedimentos

    no vegetado da praia. Observando-se no infogrfico seguinte a disposio da mancha do manguezal ativo em

    relao ao ponto de descarga do canal do bairro Jardins, sugere-se claramente a contribuio desta ltima

    gnese da primeira. Analogamente, porm com consequncia distinta, possvel estabelecer relao causa-efeito

    entre a descarga do canal da avenida Anzio Azevedo e a rea comprometida do bosque. Mais abaixo, a imagem

    esquerda ilustra a exuberncia atpica do manguezal, observando-se que no ano 2011, sintomaticamente, o

    fenmeno era bem mais acentuado na rea hoje degradada. A imagem direita destaca o crtico panorama atual.

    Pg. 02/05

    CANAL DA AVENIDA

    ANZIO AZEVEDO

    MANGUEZAL

    DETERIORADO

    (~ 4,5 ha)

    MANGUEZAL ATIVO

    - Bioma Resiliente -

    (~ 22 ha)

    Fluxos de

    Descarga

    Fluxos de

    Descarga

    CANAL ABERTO

    - No Revestido -

    PARQUE TRAMANDA

    - Manguezal Estressado -

    (~ 4 ha)

    CANAL DO

    BAIRRO

    JARDINS

    PONTO DE

    DESCARGA PONTO DE

    DESCARGA

    Ponte para a

    Coroa do Meio BANCO DE SEDIMENTOS

    - No Vegetado -

    (~ 35 ha)

    Esturio do

    Rio Poxim

    MANGUEZAL

    DETERIORADO

    Final de 2012 Foto

    : Fra

    nci

    sco

    Ch

    agas

    Filh

    o

    Set

    /20

    12

    MANGUEZAL

    SUPERNUTRIDO

    Incio de 2011 Foto

    : Sky

    Scra

    per

    city

    .co

    m

    20

    11

    Imag

    em G

    oo

    gle

    Eart

    h

    Ed

    itad

    a p

    or

    Fran

    cisc

    o C

    hag

    as F

    ilho

    em

    Dez

    /20

    12

  • III - Consideraes e Recomendaes

    O fenmeno recente e continuado da elevao do nvel da camada de sedimentos no entorno da borda leste

    do manguezal da praia 13 de Julho, justamente o flanco mais susceptvel aos efeitos do diferencial entre as

    correntes fluviais e o movimento variado das mars no esturio, resulta, cada vez mais, no soterramento das

    razes areas (os pneumatforos) do bosque e dos respectivos poros (as lenticelas) - responsveis pela absoro

    de oxignio atmosfrico nos perodos de mar baixa -, a condicionar a progressiva deteriorao do sistema.

    No obstante, foroso reconhecer uma intrnseca relao entre o setor comprometido e a descarga do canal

    de macrodrenagem da avenida Anzio Azevedo, estrutura esta, receptora diuturna de significativas contribuies

    de efluentes sanitrios brutos ou insuficientemente tratados. Devido justamente ao aporte excessivo de nutrientes

    qumicos e de carga orgnica suplementar - provenientes dos esgotos - a vegetao do manguezal se estabeleceu

    e evoluiu de forma extraordinria, a interferir diretamente na condio trfica do sistema estuarino, feio que se

    reproduz na extenso sul, ao longo do brao da mar do apicum, sob influncia direta da descarga do Rio Poxim.

    Todavia, independentemente da forma e da proporo com que se associam os aspectos ento abordados -

    condio que reclama ser avaliada com objetiva propriedade -, importa assimilar que a matriz da questo, como

    seja a insuficincia e inadequao tcnica flagrantes dos servios de esgotamento sanitrio e de macrodrenagem

    pluvial em Aracaju (tanto sob o enfoque especfico de cada discip