conteúdo programático

  • View
    101

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of conteúdo programático

1

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO FUNDAMENTOS DE MATEMTICA CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS / ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

1 SEM 38 HS 02 H/A MAT/NOT

JUSTIFICATIVA A disciplina visa suprir possveis falhas que o aluno recm ingresso do ensino mdio possa vir a ter na sua formao em Matemtica. Assim, procura-se adequar os conhecimentos deste aluno para um melhor aproveitamento nas disciplinas no curso de Engenharia, embora evitando o aspecto de simples reviso, fazendo com que o aluno tenha um novo panorama de cada tpico abordado, panorama este mais adequado a um curso superior de Engenharia. EMENTA Estudo das noes fundamentais de matemtica tais como conjuntos, funes, trigonometria e geometria atravs de suas aplicaes, em particular, as aplicaes essenciais para os estudantes de engenharia. OBJETIVOS GERAIS Rever conceitos matemticos do ensino mdio e fundamental para que o aluno tenha um melhor aproveitamento das diversas disciplinas do curso de Engenharia que direta ou indiretamente se utilizam destes conceitos, sob o ponto de vista terico ou na resoluo de problemas. Tal reviso procura desenvolver no aluno um senso crtico dos conceitos abordados e de suas aplicaes, fugindo das tradicionais abordagens meramente decorativas e mecnicas que geralmente so dispensadas ao assunto.

UNIDADES TEMTICAS Operaes com Conjuntos: unio, interseco, complementao, conjuntos numricos. Operaes com Ns Reais: operaes com fraes, propriedades axiomticas dos reais, exponenciao e radiciao. Operaes com Expresses Algbricas: fatorao, simplificao, fraes algbricas. Equaes: as equaes de 1 e de 2 grau; as equaes fracionrias. Funes: generalidades, domnio e imagem, funo de 1 e de 2 grau, funes exponenciais e logartmicas, grficos e aplicaes. Trigonometria: a trigonometria do tringulo retngulo, seno, cosseno, tangente, lei dos senos e cossenos, teorema de Pitgoras, introduo trigonometria do crculo. Tpicos de Geometria: introduo Geometria Analtica, sees cnicas Tpicos de lgebra : matrizes, combinatrias, nmeros complexos. METODOLOGIA Aulas expositivas, com exerccios em sala de aula e listas de exerccio extra-sala. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

2 BIBLIOGRAFIA BSICA BOULOS, P.;Pr-Clculo 1999- So Paulo, Ed. Makron EZZI, G.; MURAKAMI, C. Fundamentos de Matemtica Elementar Volumes 1 10. So Paulo, Ed. Atual, 1992. MACHADO, A. S. e outros, Matemtica temas e metas, Volumes 1 a 5, Editora Atual, 1998 2001. TROTTA, F. e outros, Matemtica por assunto, Volumes 1 a 9, So Paulo, Editora Scipione, 1988. V4(3ed), v5(3ed), v6(1ed), v7(3ed), v8(3ed), v9(3ed), v1(4ed), v2(3ed), v6(1ed), v3(1ed), v6(1ed) COMPLEMENTAR CASTRUCCI B. e outros, Matemtica, volume 1, FTD, 1975.

3

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO COMUNICAO E EXPRESSO CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS / ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

1 SEM. 38 HS 02 H/A MAT/NOT

JUSTIFICATIVA O domnio da norma culta da lngua portuguesa, tanto na modalidade oral quanto na escrita, pr-requisito bsico para o exerccio das profisses, sobretudo as consideradas de nvel superior. Na rea da informtica, que envolve o conhecimento especfico de linguagens naturais e artificiais (formais e no-formais), bem como a traduo de enunciados lingsticos em algoritmos e programas, formulados em linguagens de programao, indispensvel ao profissional no s a leitura reflexiva, a capacidade interpretativa dos fatos do mundo traduzidos em diferentes e variados textos em circulao no espao social, como o exerccio da produo de textos, considerados os diferentes usos da linguagem em contextos e situaes pluridimensionais da comunicao humana. EMENTA A disciplina enfoca, de forma gradual, aspectos fundamentais da comunicao humana - da teoria da informao competncia modal e semntica dos sujeitos da comunicao (o fazer emissivo e o fazer interpretativo) - e conceitos, mecanismos e procedimentos lingsticos e discursivos integrantes da significao e estruturao textual (in) tertextualidade, conectividade seqencial e conectividade conceptual presentes nas atividades de leitura, compreenso e produo de textos, sobretudo de carter informativoreferencial e informativo-argumentativo, considerados os empregos do portugus lngua padro, nos mais variados contextos relacionados vida acadmica e profissional. OBJETIVOS GERAIS -desenvolver a competncia comunicativa, a textual e a lingstica do aluno, indispensvel ao exerccio da cidadania, da tica e da criticidade, objetivos tambm pretendidos pelas demais disciplinas do currculo; OBJETIVOS ESPECFICOS - fornecer ao aluno as noes bsicas de comunicao e de linguagem, em seus vrios nveis, a fim de tornlo apto a codificar e decodificar textos verbais e no-verbais, bem como a compreender a lgica e a estrutura subjacentes aos enunciados lingsticos, do nvel vocabular ao nvel frstico e transfrstico. - ampliar a capacidade de leitura, interpretao e produo de textos e anlise da realidade, com vistas formao no apenas tcnica, mas sobretudo humanstica.

4 UNIDADES TEMTICAS A comunicao humana: a teoria da informao e as funes da linguagem a interao verbal e a competncia modal e semntica dos sujeitos da comunicao o fazer emissivo e o fazer interpretativo A linguagem em uso Lngua escrita e lngua falada nveis de linguagem e marcas de estilo fatos de enunciao, inferncia e instruo operaes de transcrio (retextualizao) e transcodificao Recepo, leitura, interpretao e produo de textos Texto, pretexto, contexto e intertexto Tipologia textual (narrao, descrio, dissertao) e gneros textuais o discurso tcnico-cientfico Instrumentos de avaliao de leitura Resumo; esquema; resenha Estruturao do texto: Organizao estrutural operadores lgicos e marcadores discursivos relaes lgicas e de redundncia dixis, anfora, elipse e parfrase elementos de transio, repetio e pronominalizao de actantes processos de coordenao (equivalncia) e subordinao (hierarquizao) Organizao temtica tpico frasal, desenvolvimento e concluso frase principal, frase(s) secundria(s) e acessria(s) de explanao Aspectos de semntica e pragmtica textual implcitos, pressupostos, subentendidos, argumentao Estrutura, organizao e produo de texto referencial-informativo o dissertativo expositivo e o dissertativo-argumentativo o relatrio: conceito, superestrutura e tipologia (tcnico, administrativo e cientfico) Dificuldades da Lngua Portuguesa

METODOLOGIA A metodologia de ensino consistir em: Aulas expositivas em ambiente de sala de aula. Exerccios de aplicao dos conceitos tericos aprendidos, realizados, individualmente ou em grupo, em ambiente de sala de aula e/ou extra-classe. Leituras crticas de textos (especializados, tcnicos e cientficos) para exerccios de anlise reflexiva, em ambiente de sala de aula e extra-classe. Atividades de (re)textualizao, tambm mediante o uso de aplicativos processadores de texto, a serem realizados, individualmente, em sala de aula e em ambiente escolhido pelo aluno. Produo de trabalho escrito, em grupo ou individual, orientado e supervisionado, realizado em ambiente de sala de aula e extra-classe. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

5 BIBLIOGRAFIA BSICA ANDRADE, M.M. ; MEDEIROS,J.B Comunicao em Lngua Portuguesa. So Paulo: Atlas, 2004. PLATO & FIORIN Lies de texto : leitura e redao. SP:tica Ed., 2001. COMPLEMENTAR CUNHA, C&CINTRA,L .-Nova gramtica do portugus contemporneo.RJ:Nova Fronteira,1985 FIORIN, J. L. (org.) In.: Introduo Lingstica I objetos tericos, SP: Contexto, 2002, FIORIN, L. C. Elementos de anlise do discurso. SP:Contexto,2002. GARCIA, O. M. Comunicao em prosa moderna. FGV. 1985. KLEIMAN, A Texto e leitor. Aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes, 2002. KOCH, I. ; TRAVAGLIA, L.C. - A coerncia textual. SP: Contexto,2004. KOCH,I. - A coeso textual. SP: Contexto, 2004. MARCUSCHI, L. A Da fala para a escrita: atividades de retextualizao. SP:Cortez, 2000.

6

UNIFIEO Curso: Disciplina Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO CLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

/

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

1 SEM 76 H 4 H/A MAT/NOT

JUSTIFICATIVA A disciplina de Clculo Diferencial e Integral I a primeira de uma seqncia de quatro cursos semestrais de Clculo Diferencial e Integral para o curso de Engenharia de Computao. Tais disciplinas se justificam naturalmente em um curso de Engenharia por fornecerem aos estudantes destes cursos um desenvolvimento apropriado do raciocnio matemtico e conhecimento de conceitos, ferramentas e mtodos analticos para o entendimento, modelagem e resoluo (ou a melhor aproximao da soluo) dos diversos problemas concernentes ao seu curso, seu futuro dia-a-dia profissional e/ou nas eventuais atividades de pesquisa, extenso ou ps-graduao que este estudante venha a desenvolver. EMENTA A disciplina Clculo Diferencial e Integral I aborda as idias fundamentais do Clculo, introduzindo as noes de limite, derivada e taxas de variao, com aplicaes nos problemas de otimizao. OBJETIVOS GERAIS A disciplina de Clculo Diferencial e Integral I fornece subsdios e ferramentas para o entendimento e resoluo da maior parte das disciplinas de graduao dos cursos de Engenharia (incluindo os trs cursos de Clculo Diferencial e Integral subseqentes). Em particular, os conceitos de derivada e de limite constituem o alicerce dos modelos usados na Mecnica e no Clculo Numrico, que so fundamentais para a formao do Engenheiro de Computao. UNIDADES TEMTICAS Os Nmeros Reais. Funes de uma varivel real. Representao grfica de uma funo. Estudo da reta. Inclinao da reta. O estudo das funes aplicado a construo de alguns modelos matemticos. O problema da tangente e a noo de limite. Limite e suas propriedades. Noes de continuidade. Derivadas e suas propriedades. Regras de derivao. A derivada como taxa de variao. Significado do sinal das derivadas primeira e segunda. Mximos, mnimos e ponto de inflexo. Aplicaes das derivadas no problemas de otimizao. METODOLOGIA Aulas expositivas, tericas e prticas, com atividades em sala de aula e extra-sala; eventual uso de softwares numricos de simulao AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

7 BIBLIOGRAFIA BSICA a GUIDORIZZI, H. L. Um Curso de Clculo, vol 1, 4 ed., Ed. LTC, So Paulo , 2000 BOULOS, P. Clculo Diferencial e Integral, vol 1, ed. Makron Books, So Paulo, 1999. HOFFMANN L. D. & BRADLEY G. L. Clculo: Um curso moderno e suas aplicaes. 7 ed., Ed. LTC, Rio de Janeiro, 2002. COMPLEMENTAR a .THOMAS, G. B. Clculo, vol 1, 10 ed., Ed Pearson, So Paulo, 2003. a STEWART, J.; Clculo, vols. 1 e2; 4 - edio, Ed. Thomson , So Paulo, 2001.

8

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO CLCULO VETORIAL CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS / ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

1 SEM 38 HS 2 H/A MAT/NOT

JUSTIFICATIVA O Curso de Clculo Vetorial muito importante como auxiliar das disciplinas da engenharia na resoluo e interpretao dos problemas geomtricos como tambm em problemas algbricos. EMENTA Operaes com vetores nos problemas de mecnica, de computao. Aplicao das operaes vetoriais e suas interpretaes. OBJETIVOS GERAIS Ler e construir grficos de funes, estudar os comportamentos das funes. Ter uma poderosa ferramenta na resoluo de problemas de geometria analtica, na fsica e no clculo. UNIDADES TEMTICAS Distncia entre dois pontos Condio de Alinhamento Equao Geral e Reduzida da Reta Retas Paralelas Retas Perpendiculares ngulo entre duas retas Distncia de um ponto a uma reta Vetor como segmento orientado. Segmentos Equipolentes Vetor no Plano e no Espao Projeo de um vetor no plano e no espao Expresso analtica de um vetor Adico e Mulitiplicao com vetores Condio de paralelismo de dois vetores Produto Escalar. ngulos diretores e co-senos diretores de um vetor. Produto Vetorial Produto Misto Duplo Produto Vetorial METODOLOGIA Aulas Expositivas Provas escritas Exerccios em sala de aula AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

9

BIBLIOGRAFIA BSICA STEINBRUCH, Alfredo; WINTERLE, Paulo: Geometria Analtica, 2 Edio, So Paulo, Ed McGraw-Hill, 1987. BOULOS, Paulo, CAMARGO, Ivan: Geometria Analtica: Um Tratamento Vetorial, So Paulo, Ed. McGraw Hill, 1986. COMPLEMENTAR FEITOSA, M.: Clculo Vetorial e Geometria Analtica, 4 Edio, So Paulo, Ed. Atlas, 1977. DACORSO, N.Csar - Elementos de Anlise Vetorial - So Paulo, Companhia Editora Nacional, 1976. MURRAY R. SPIEGEL: Anlise Vetorial So Paulo, Ed. McGRAW-HILL do Brasil Ltda., 1972.

10

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DA COMPUTAO FSICA GERAL E EXPERIMENTAL I CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

/

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

1 SEM 76 H/S 04 H/A NOT

JUSTIFICATIVA O conhecimento bsico de Fsica necessrio para a compreenso de certos conceitos da Engenharia da Computao, em particular, os relativos engenharia da automao e controle. Esta disciplina revisa os conceitos bsicos de mecnica, com nfase em dinmica, tpicos que serviro como subsdios para a disciplina Mecnica. EMENTA A disciplina estuda a cinemtica, a dinmica e a esttica do ponto material, resgatando os conceitos bsicos da fsica, em particular o de energia e sua conservao. A abordagem terica e prtica. OBJETIVOS GERAIS Aprender os conceitos bsicos de mecnica e saber aplic-los na resoluo de problemas UNIDADES TEMTICAS Parte Terica: Sistemas de medidas Unidades Dimenses das grandezas fsicas Algarismos significativos e ordem de grandeza Movimento em uma e duas dimenses Equaes do movimento Movimento dos projteis As leis de Newton Teoria Aplicaes Equilbrio esttico Trabalho e energia Energia potencial e energia cintica Conservao da energia Potncia Parte Experimental : 1. Teoria dos erros. 2. Medidas fsicas. 3. Densidade de slidos. 4. Movimento Uniforme 5. Movimento de queda livre e plano inclinado. 6. Lanamento balstico. 7. Fora elstica. 8. Conservao de energia

ATIVIDADES ACADMICAS CIENTFICAS E CULTURAIS Participao em Palestras do programa Fsica para todos 2009, ministradas por docentes do IFUSP Utilizao do portal e-fisica, http://cepa.if.usp.br Visita Estao Cincia USP Visita ao laboratrio didtico do IFUSP METODOLOGIA Aulas expositivas, demonstraes, vdeos, exerccios em sala e listas de exerccios extras classe. Aulas prticas em ambiente de laboratrio. Aulas de acompanhamento para uso de equipamentos e elaborao de relatrios

11

AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA a TIPLER,Paul. Fsica, Vol. 1 Mecnica. 4 ed, Rio de Janeiro: LTC - Livros Tcnicos e Cientficos Editora Ltda; 2000. a HALLIDAY, David, RESNICK, Robert e WALKER,Jearl; Mecnica, Vol. 1. 4 ed, Rio de Janeiro; Livros Tcnicos e Cientficos Editora Ltda; 2002. COMPLEMENTAR a SERWAY, Raymond, Fsica, vol. 1, 3 ed, Rio de Janeiro: Livros Tcnicos e Cientficos Editora Ltda, 1992. a HELENE, Otaviano, A.M. e VANIN, Vito R.; Tratamento Estatstico de Dados em Fsica Experimental, 2 ed, So Paulo; Edgard Blucher, 1991. NUSSENZVEIG, Moyss. Curso de Fsica Bsica, Vol. 1 - Mecnica. So Paulo: Editora Edgard Blcher Ltda; 2002. VUOLO, Jos H., Fundamentos da Teoria de Erros, So Paulo: Editora Edgard Blcher Ltda; 2002.

12

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO DESENHO TCNICO CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS / ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

1 SEM 38 H 2 H/A MAT / NOT

JUSTIFICATIVA O desenho tcnico imprescindvel para a formao do Engenheiro, pois atravs do desenho que podem apresentar-se todo o projeto desenvolvido e calculado para que finalmente possam ser executados. EMENTA A disciplina estuda os principais conceitos bsicos do Desenho Geomtrico e do Desenho Tcnico, com especial nfase no cumprimento das Normas ABNT. OBJETIVOS GERAIS Fornecer ao aluno conhecimentos com o objetivo de tratar a representao dos slidos atravs de suas projees, assim como, a obedincia ao cumprimento das normas Brasileiras do Desenho Tcnico, visando desenvolver no futuro engenheiro a capacidade de: Utilizao correta dos instrumentos de desenho; Raciocinar com os fundamentos bsicos de desenho geomtrico; Elaborar e interpretar as representaes grficas tridimensionais; Desenvolver raciocnio espacial atravs da representao de objetos em projeo ortogrficos segundo a ABNT e normas internacionais; Tcnicas para uma boa apresentao de um trabalho. UNIDADES TEMTICAS Desenho Geomtrico. Tpicos Fundamentais. Introduo Aparelhagem Tpica. Caractersticas Gerais; Tipos de Espessuras das linhas de Desenho. Normas Tcnicas segundo ABNT-NB-8; Escritas, Cotagem; Folhas de Desenho. Formatos estabelecidos Segundo NB-8. Construes Geomtricas Eixos de Simetria; Escalas de proporo; Traado de Linhas Perpendiculares e Paralelas, Diviso de segmentos em partes iguais ; Construes de Polgonos; Tangentes e Concordncias; Projees Projees Ortogonais; Projees Ortogonais de Figuras Planas e Slidos Geomtricos; Normas de Execuo e Aplicao das Projees Ortogonais, Problemas de Leitura; Seces Seces de Slidos geomtricos: Prismas e Pirmides, Slidos de Rotao, Cone; Slidos obtidos mediante Planos de Seco; Rotaes e Rebatimentos METODOLOGIA Aulas tericas expositivas, com utilizao de recursos udio visuais e exemplos reais, exerccios resolvidos e propostos. Aulas prticas para realizao de trabalhos individuais ou em grupo para serem iniciados em classe e concludos em casa. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do

13 regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA MANF, G.; POZZA, R.; SCARATO, G. Desenho Tcnico Mecnico. V.1. Hemus, So Paulo, 2004 OLIVEIRA, E.; ALBIERO, E. Desenho Tcnico Fundamental. Editora EPU, So Paulo, 1977. COMPLEMENTAR BACHMANN, A.; BERLITZ, V. I. Desenho Tcnico. 2a edio Porto Alegre- Editora Globo, 1976. GIESECKE, F.E. Modern Graphics Communication. Prentice Hall, 1998.

14

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO ALGORITMOS E PROGRAMAO I CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS / ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

1 SEM 76 HS 04 H/A MAT / NOT

JUSTIFICATIVA Algoritmos e estruturas de dados so elementos essenciais para o desenvolvimento de programas computacionais, e o seu estudo utilizando linguagens de programao e laboratrios muito favorece o aprendizado, preparando melhor o aluno para os desafios da profisso. Portanto, a disciplina indispensvel para a formao de um engenheiro de computao.

EMENTA A disciplina introduz os elementos bsicos de algoritmos, estruturas de dados e programao, buscando levar o aluno a compreender os princpios da lgica computacional e sua aplicabilidade em problemas concretos. Ainda, atravs do uso das linguagens de programao, a disciplina trabalha os aspectos prticos necessrios formao do aluno. OBJETIVOS GERAIS Apresentar e discutir os conceitos bsicos de programao, que incluem algoritmos, estruturas de dados e linguagens de programao. Resolver problemas lgicos, construir algoritmos e desenvolver solues computacionais completas para alguns problemas clssicos de programao. UNIDADES TEMTICAS Introduo computao Breve histria da computao Noes de processamento de dados Noes de lgica computacional Introduo ao desenvolvimento de algoritmos Conceito de algoritmo Representaes de algoritmos atravs de fluxogramas, diagramas Nassi-Shneiderman e pseudocdigo (portugus estruturado) Definies e uso de constantes e variveis Tipos de dados Nmeros inteiros e reais Cadeias de caracteres Estruturas de fluxos seqenciais Estruturas de controle de seleo Se..ento (if..else) Caso..faa (switch..case) Estrutura de controle de repetio Para (for) Enquanto (while) Faa/enquanto (do..while) Linguagem de programao Estudo dos comandos da linguagem Resoluo de problemas Aulas prticas METODOLOGIA Aulas expositivas e tericas. Aulas prticas em laboratrio. Exerccios para resoluo em sala e extra-classe

15 AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA ASCNCIO,F.G.; CAMPOS, E.A.V. Fundamentos da Programao de Computaes: algoritmos, pascal e C++. Prentice Hall, 2003. ZIVIANI, N. Projeto de algoritmos com implementaes em Pascal e C. Editora Pioneira - Thomson Learning, 2000-2002. COMPLEMENTAR CORMEN, T.H.; LEISERSON, R.L.; RIVEST, C.S. Algoritmos: teoria e prtica. Editora Campus, 2002. GUIMARES, A. M.; LAGES, N.A.C. Algoritmos e Estrutura de Dados. Editora Pioneira , 1985-1994. KERNIGHAM, B.W. C: a linguagem de programao (padro ANSI), Editora Campus, 1990. KNUTH, D.E. The Art of Computer Programming. Editora Addison-Wesley, 2000. MIZRAHI, V. V. Treinamento em Linguagem C mdulos 1 e 2. Editora Makron Books Pearson Education, So Paulo, 1990. WIRTH, N. Algoritmos e Estruturas de Dados. Ed. Prentice - Hall do Brasil, 1989

16

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO INTRODUO LGICA CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS / ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

1 SEM 38 H/S 02 H MAT/NOT

JUSTIFICATIVA Alm de ser a base terica fundamental da rea de Computao, o contedo da disciplina serve como base para o entendimento dos sistemas digitais utilizados na construo dos computadores atuais. O uso dos operadores lgicos tambm muito importante na construo de algoritmos computacionais, principalmente na especificao de estruturas condicionais. Assim, a Lgica constitui uma disciplina fundamental neste curso pois fornece subsdios tericos e aplicaes importantes em Engenharia de Computao. EMENTA A disciplina apresenta a histria da lgica, a forma simblica e formal das proposies, habilita o aluno a construir tabelas verdade, ferramenta til no teste de validade de argumentos, alem de apresentar tcnicas dedutivas e uma introduo lgica dos predicados. OBJETIVOS GERAIS Deduzir o valor lgico de proposies simples e compostas; Traduzir sentenas da linguagem usual para a linguagem lgica e vice-versa. Construir tabelas-verdade; Verificar a validade de argumentos; Usar corretamente os conectivos lgicos na construo de algoritmos computacionais; UNIDADES TEMTICAS Introduo histria da Lgica Noo Intuitiva do conceito de Lgica Proposies Conectivos Lgicos: negao, conjuno, disjuno, condicional e bi-condicional O uso dos conectivos lgicos na construo de algoritmos computacionais Construo de Tabelas-verdade Tautologia, contradio e indeterminao; Equivalncia e implicao lgica; Argumentos: teste de validade; Regras de inferncia; Introduo lgica dos predicados; Quantificadores; Dedues. METODOLOGIA Aulas Expositivas; Trabalhos de aprendizagem em equipe realizados em sala; Lista de exerccios para acompanhamento. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

17 BIBLIOGRAFIA BSICA a DAGHIAN, J. Lgica e lgebra de Boole. 4 ed. So Paulo: Atlas 1995. ALENCAR FILHO, E. Iniciao Lgica Matemtica. 18 ed. So Paulo: Nobel, 2000. COMPLEMENTAR a ABE, J. M.; SCALZITTI, A.; SILVA FILHO, J. I. Introduo Lgica para a Cincia da Computao. 2 . ed. Arte & Cincia, 2002. a SOUZA, J. N. Lgica para a Cincia da Computao. 1 ed. Campus, 2002. a KLEENE, S. C. Mathematical Logic. 1 ed. Dover publications, 2002. a HEGENBERG, L. Lgica, o clculo de predicados. 1 ed. So Paulo: Edusp, 2001. a MENDELSON, E. Introduction to Mathematical Logic. 4 ed. CRC Press, 1997.

18

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO FSICA GERAL E EXPERIMENTAL II CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

/

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

2 SEM 76H/S 4H/A INT/NOT

JUSTIFICATIVA Os conceitos e aplicaes da fsica so fundamentais para a formao bsica de um engenheiro, em particular, para os alunos deste curso de engenharia da computao. A disciplina visa contribuir para que o aluno desenvolva as diversas formas de raciocnio, lgico, matemtico, abstrato e, tambm, dialtico, to necessrio para os profissionais da rea de exatas e, com isso, dar algumas condies iniciais para o aluno vir a entender o desenvolvimento tecnolgico da computao, alm de introduzir elementos necessrios para as disciplinas de Circuitos Eltricos e Materiais Eltricos. EMENTA A disciplina visa o estudo dos conceitos bsicos da eletricidade, com especial nfase em eletrodinmica, e a fazer aplicaes desses conceitos em problemas tericos e prticos relativos rea de engenharia. OBJETIVOS GERAIS Que o aluno aprenda os conceitos bsicos de eletricidade, adquira noes de campo eltrico, e saiba aplic-los na resoluo de problemas. UNIDADES TEMTICAS Eletrosttica Estrutura da matria: modelos atmicos Cargas eltricas: atrao e repulso Lei de Coulomb Condutores, semicondutores e isolantes Campo eltrico e potencial eltrico Corrente eltrica Corrente eltrica Resistncia e resistividade 1 e 2 Leis de Ohm Potncia Circuitos simples Resistncias em srie e em paralelo Ampermetros e voltmetros Geradores e receptores Capacitores Capacitncia Associao de capacitores: srie e paralelo Parte Experimental 1) Lei de Ohm 2) Medidas de resistncia eltrica 3) Associao de resistores em srie e em paralelo 4) Resistividade ATIVIDADES ACADMICAS CIENTFICAS E CULTURAIS Participao em Palestras do programa Fsica para todos 2009, ministradas por docentes do IFUSP e/ou do programa Fsica ao Entardecer do IFT/UNESP Utilizao do portal e-fisica, http://cepa.if.usp.br Visita Estao Cincia USP Visita ao laboratrio didtico do IFUSP AVALIAO

19 As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA TIPLER, P.A. Fsica: Eletricidade e magnetismo, tica. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC - Livros Tcnicos e Cientficos Editora Ltda, 2000. HALLIDAY, D., RESNICK, R. e WALKER, J. Fundamentos de Fsica: Eletromagnetismo, 6. ed. Rio de Janeiro: Livros Tcnicos e Cientficos Editora Ltda, 2003. COMPLEMENTAR SERWAY, Raymond, Fsica, vol. 2, 3a ed, Rio de Janeiro: Livros Tcnicos e Cientficos Editora Ltda,1992. NUSSENZVEIG, Moyss. Curso de Fsica Bsica, Vol. 2 - Mecnica. So Paulo:Editora Edgard Blcher Ltda; 2002. GUSSOW, M. Eletricidade Bsica, So Paulo: McGraw-Hill, 1985. MALVINO, A. P. Eletrnica, 4.ed. So Paulo: Pearson Education do Brasil, 1997. v.1. OSTERMANN, Fernanda e PUREUR, Paulo, Supercondutividade, 1 edio So Paulo: Editora Livraria da Fsica, 2005. VALADARES, Eduardo de Campos, CHAVES, Alaor e ALVES, Esdras Garcia, Aplicaes da Fsica quntica: do transistor nanotecnologia, 1 edio So Paulo: Editora Livraria da Fsica, 2005.

20

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO CINCIA DA COMPUTAO ENGENHARIA DE COMPUTAO CLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

2 SEM 76 HS 04 H/AMAT / NOT

/

JUSTIFICATIVA A disciplina de Clculo Diferencial e Integral II a segunda de uma seqncia de quatro cursos semestrais de Clculo Diferencial e Integral para o curso de Engenharia de Computao. Tais disciplinas se justificam naturalmente em um curso de Engenharia por fornecerem aos estudantes destes cursos um desenvolvimento apropriado do raciocnio matemtico e conhecimento de conceitos, ferramentas e mtodos analticos para o entendimento, modelagem e resoluo (ou a melhor aproximao da soluo) dos diversos problemas concernentes ao seu curso, seu futuro dia-a-dia profissional e/ou nas eventuais atividades de pesquisa, extenso ou ps-graduao que este estudante venha a desenvolver. EMENTA A disciplina de Clculo II se inicia com o estudo das primitivas e dos problemas de valor inicial. Em seguida, o estudo da integral definida e o clculo de reas com aproximaes por somas de Riemann. Depois, atravs do teorema fundamental do clculo, obtm-se uma ferramenta poderosa para o clculo exato de reas. Na seqncia so estudados os principais mtodos de integrao. Por ltimo so introduzidas as noes bsicas de convergncia de seqncias e sries numricas. OBJETIVOS GERAIS O clculo integral e o estudo das seqncias e sries fornecem conceitos e ferramentas para o entendimento e resoluo de grande parte das disciplinas do curso de Engenharia da Computao. No clculo integral destacam-se os problemas de valor inicial e o clculo de reas com o conceito da aproximao por somas de Riemann. No estudo srie de Taylor introduz-se um mtodo numrico para a aproximao de funes transcendentes tais como as trigonomtricas, as logartmicas e as exponenciais. UNIDADES TEMTICAS Primitivas (ou integrais indefinidas) e suas propriedades; problemas com valores iniciais. A integral definida: somas de Riemann, o problema da rea, propriedades bsicas da integral definida. O Teorema Fundamental do Clculo. Clculo de reas. Aplicaes da integral definida no clculo de reas e volumes. Aplicaes na Fsica, na Engenharia e na Biologia Mtodos de integrao: substituio, integrao por partes, integrao de funes trigonomtricas, substituio trigonomtrica e integrao de funes racionais. Introduo s seqncias e sries numricas. Critrios de convergncia de sries numricas. A srie e a frmula de Taylor e aplicaes a clculos numricos METODOLOGIA Aulas expositivas, tericas e prticas, com atividades em sala de aula e extra-sala; eventual uso de softwares numricos de simulao. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA

21 GUIDORIZZI, H. L. Um Curso de Clculo, vol 1, 4 ed., Ed. LTC, So Paulo , 2000 a SWOKOWWSKI E. W. Clculo com Geometria Analtica, vol 2, 2 ed., Ed. Makron Books, So Paulo, 1994 COMPLEMENTAR a THOMAS, G. B. Clculo, vol 1, 10 ed., Ed Pearson, So Paulo, 2003 BOULOS, P. Clculo Diferencial e Integral, vol 1, ed. Makron Books, So Paulo, 1999 BOULOS, P. e ABUD, Z. I. Clculo Diferencial e Integral, vol 2, ed. Makron Books, So Paulo, 2000a

22

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO ALGORITMOS E PROGRAMAO II CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS / ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

2 SEM 76 H 4 H/A MAT/NOT

JUSTIFICATIVA Sendo propsito da Engenharia da Computao o desenvolvimento de sistemas de computao, o conhecimento de programao uma das suas partes essenciais. A programao definida com base nos algoritmos, sendo este o motivo da disciplina. EMENTA A disciplina introduz aspectos bsicos dos algoritmos e da programao, desenvolvendo conceitos fundamentais para que o aluno possa compreender o papel desta questo e utiliz-la na soluo de problemas. OBJETIVOS GERAIS O principal objetivo da disciplina levar ao conhecimento do aluno algoritmos elementares tais como busca e ordenao de dados. O professor deve introduzir respectivas tcnicas e estruturas de dados envolvidos no projeto, desenvolvimento e implementaes que sirvam a problemas aos quais estes algoritmos se aplicam. UNIDADES TEMTICAS Vetores e matrizes ndices e contedo Resoluo de problemas Tratamento de cadeias de caracteres Modularizao de programas Funes Variveis locais e globais, escopo de variveis Reutilizao de cdigo Passagem de parmetros por valor e por referncia Operaes com Arquivos Arquivo em modo texto Arquivo em modo binrio Recurso Algoritmos recursivos METODOLOGIA A metodologia ser baseada na apresentao e implementao dos algoritmos e tcnicas associados s estruturas de dados e aos mtodos estudados. Ser feito uso da linguagem de programao C (e alguns recursos do C++) como ferramenta de implementao dos algoritmos. Sero desenvolvidos exerccios prticos, onde alguns sero casos prticos nos quais as situaes apresentadas permitiro identificao de situaes onde as tcnicas em ensino possam ser aplicadas. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

23 BIBLIOGRAFIA BSICA ASCNCIO, F.G.; CAMPOS, E.A.V. Fundamentos da Programao de Computaes: algoritmos, pascal e C++. Prentice Hall, 2003. ZIVIANI, N. Projeto de algoritmos com implementaes em Pascal e C. Editora Pioneira - Thomson Learning, 2000-2002. COMPLEMENTAR CORMEN, T.H.; LEISERSON, R.L.; RIVEST, C.S. Algoritmos: teoria e prtica. Editora Campus, 2002. GUIMARES, A. M.; LAGES, N.A.C. Algoritmos e Estrutura de Dados. Editora Pioneira , 1985-1994. KERNIGHAM, B.W. C: a linguagem de programao (padro ANSI), Editora Campus, 1990. KNUTH, D.E. The Art of Computer Programming. Editora Addison-Wesley, 2000. MIZRAHI, V. V. Treinamento em Linguagem C mdulos 1 e 2. Editora Makron Books Pearson Education, So Paulo, 1990. WIRTH, N. Algoritmos e Estruturas de Dados. Ed. Prentice - Hall do Brasil, 1989

24

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO GEOMETRIA ANALTICA E LGEBRA LINEAR CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS / ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

2 SEM 76 HS 4 H/A MAT/NOT

JUSTIFICATIVA Desenvolver a abstrao matemtica, o raciocnio lgico e espacial, essenciais na soluo de problemas utilizando recursos computacionais. EMENTA A disciplina introduz o conceito de espaos vetoriais de dimenso finita, possibilitando a simplificao da soluo de problemas algbricos e de geometria linear. Utiliza ainda transformaes lineares, conceitos de dependncia linear e diagonalizao para soluo de sistemas lineares. OBJETIVOS GERAIS Desenvolver no aluno os conceitos de geometria espacial, lgebra e lgebra linear, com o intuito de aperfeioar sua capacidade de anlise e abstrao, bem como de promover o desenvolvimento de seu raciocnio lgico. UNIDADES TEMTICAS Matrizes: o Operaes o Determinantes Geometria Analtica: o Sistemas de coordenadas em duas e trs dimenses. o Retas e propriedades o Planos e propriedades o Posies relativas entre retas, entre planos e entre retas e planos o Distncias e ngulos lgebra Linear: o Sistemas lineares o Espaos e sub-espaos vetoriais o Espaos com produto interno o Transformaes lineares o Operaes Lineares o Ncleo, autovalores e autovetores METODOLOGIA Aulas expositivas, exerccios em classe e exerccios extra-classe. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

25 BIBLIOGRAFIA BSICA KOLMAN, B. Introduo a lgebra linear: com aplicaes, Rio de Janeiro: LTC, 1999. a BOULOS, P.; CAMARGO, I. Geometria analtica: um tratamento vetorial, 2 ed., So Paulo: Makron Books, 1996. COMPLEMENTAR CALLIOLI, C. A. lgebra Linear e aplicaes, So Paulo: Atual, 1983. a STEINBRUCH, A. Introduo lgebra Linear, 1 ed., So Paulo: Makron Books, 1990. LEITHOLD, L. O. Clculo com geometria analtica, v. 1 e 2, So Paulo: Harbra, 1995. STEINBRUCH, Alfredo; WINTERLE, P. Geometria Analitica. 2a. ed. So Paulo: Makron Books, 1987.

26

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO PORTUGUS INSTRUMENTAL CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS /

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

2 SEM 38/HS 02/H/A MAT / NOT

JUSTIFICATIVA O domnio da norma culta da lngua portuguesa, tanto na modalidade oral quanto na escrita, pr-requisito bsico para o exerccio das profisses, sobretudo as consideradas de nvel superior. Na rea da informtica, que envolve o conhecimento especfico de linguagens naturais e artificiais (formais e no-formais), bem como a traduo de enunciados lingsticos em algoritmos e programas, formulados em linguagens de programao, indispensvel ao profissional a leitura reflexiva, a capacidade interpretativa dos fatos do mundo traduzidos em diferentes e variados textos em circulao no espao social, como o exerccio da produo de textos, considerados os diferentes usos da linguagem em contextos e situaes pluridimensionais da comunicao humana. EMENTA A disciplina enfoca, de forma continuada e aprofundada, conhecimentos instrumentais do sistema lingstico do portugus, para operar com conceitos, mecanismos e procedimentos integrantes dos processos de organizao da significao e estruturao textual (inter)textualidade, conectividade seqencial, conectividade conceptual com nfase para a leitura, anlise e construo de textos de carter informativo-referencial e informativo-argumentativo, considerados aspectos contextuais e situacionais do emprego do portugus - lngua padro, relacionados vida acadmica e profissional, OBJETIVOS GERAIS - levar o aluno compreenso de que o conhecimento da lngua o instrumental indispensvel ao exerccio da cidadania, da tica e da criticidade, objetivos igualmente pretendidos pelas demais disciplinas do currculo. - fornecer ao aluno as noes bsicas de comunicao e de linguagem, em seus vrios nveis, a fim de torn-lo apto a codificar e decodificar textos verbais e no-verbais, bem como a compreender a lgica e a estrutura subjacentes aos enunciados lingsticos, do nvel vocabular ao nvel frstico e transfrstico. - aprofundar a capacidade de leitura, interpretao e produo de textos informativo-referenciais e informativo-argumentativos, com vistas formao no apenas tcnica, mas, sobretudo humanstica. UNIDADES TEMTICAS Recepo, leitura, interpretao e produo de textos Texto, pretexto, contexto e intertexto. Tipologia textual (narrao, descrio, dissertao) e gneros textuais: o informativo referencial e o informativo-argumentativo o dissertativo-expositivo e o dissertativo-argumentativo Nveis de linguagem e marcas de estilo Organizao temtica e estrutural do texto temtica: relaes intertextuais operaes metalingsticas de construo e relao temtica intertextualidade crtica e crtico-criativa meta-regras de coerncia (repetio, progresso, no-contradio e relao) estrutural: estruturao do pargrafo tpico frasal, desenvolvimento e concluso frase principal e secundria de explanao processo de transio e de construo (frstica e transfrstica): repetio e pronominalizao dos actantes uso de conectores (operadores lgicos e encadeadores discursivos) uso de modalizadores discursivos

27 uso de construes paralelas coordenao (equivalncia) e subordinao (hierarquizao) ordem tensa e ordem frouxa Aspectos de semntica textual e pragmtica implcitos, pressupostos, subentendidos, argumentao Atividades de (re)textualizao (produo de textos): instrumentos de avaliao de leitura: resumo, resenha e fichamento; o texto informativo-referencial o texto informativo-argumentativo METODOLOGIA A metodologia de ensino consistir em: Aulas expositivas em ambiente de sala de aula. Exerccios de aplicao dos conceitos tericos aprendidos, realizados, individualmente ou em grupo, em ambiente de sala de aula e/ou extra-classe. Leituras crticas de textos (especializados, tcnicos e cientficos) para exerccios de anlise reflexiva, em ambiente de sala de aula e extra-classe. Atividades de (re)textualizao, tambm mediante o uso de aplicativos processadores de texto, a serem realizados, individualmente, em sala de aula e em ambiente escolhido pelo aluno. Produo de trabalho dissertativo escrito, em grupo ou individual, orientado e supervisionado, realizado tanto em ambiente de sala de aula como em ambiente extra-classe. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA ANDRADE, M. M.; MEDEIROS, J.B. Comunicao em Lngua Portuguesa. So Paulo: Atlas, 2004. FARACCO, C. A .; TEZZA, C. Prtica de Texto para estudantes universitrios. Petrpolis Vozes Ed., 2003. COMPLEMENTAR CUNHA,C;CINTRA, L. Nova gramtica do portugus contemporneo.RJ:Nova Fronteira, 1985 FIORIN, J.L. Elementos de anlise do discurso, SP: Contexto, 2000. ILARI, R. Introduo Semntica: brincando com a gramtica. SP: Contexto, 2003. KOCH, I. ; TRAVAGLIA,L.C.- A coerncia textual. So Paulo: Contexto, 2004. KOCH, I. A coeso textual. So Paulo: Contexto, 2004. MARTINS,D.S.;ZILBERKNOP,L.S.-Portugus Instrumental, Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2002 PLATO & FIORIN _ Para entender o texto: leitura e redao. SP: tica, 2001.

28

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO QUMICA TECNOLGICA (TEORIA E LABORATRIO) CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: / C/H sem: Perodo:

2 SEM 38 HS 2 H/A MAT / NOT

JUSTIFICATIVA O contedo da disciplina de Qumica Geral apresenta os conceitos bsicos e essenciais a uma compreenso racional da Qumica. A compreenso dos princpios da Qumica de fundamental importncia para o estudo dos diversos fenmenos fsico-qumicos que ocorrem na natureza tornando-se indispensvel o conhecimento dos elementos qumicos que compem a estrutura da matria e as propriedades que governam os processos naturais, bem como suas aplicaes. EMENTA Compreenso da natureza e constituio da matria. Conhecimento do tomo por meio da Teoria Atmica e dos elementos qumicos; sua ocorrncia e classificao por grupos na Tabela Peridica. Aborda suas propriedades e aplicaes na formao dos compostos qumicos, das ligaes qumicas como meio para o entendimento do comportamento da matria. Enfoca as generalidades da matria, energia e transformaes de substncias qumicas, bem como algumas condies e ocorrncias de reaes qumicas. Abordagens sobre substncias puras e misturas, mtodos de separao fsica e transformaes qumicas. Noes de aparelhagem e tcnicas de manuseio em laboratrio. Natureza qumica dos condutores e semicondutores, alm de novos materiais e fenmenos atuais da matria tais como nanotecnologia e supercondutividade. Aplicaes em computao quntica. OBJETIVOS GERAIS O aluno dever ser capaz de distinguir e classificar os diferentes tipos de matria, bem como identificar misturas e suas composies, a teoria atmica e as principais caractersticas dos tomos, compreendendo a constituio da matria. Correlacionar o tipo de interao qumica formada por um tomo com a sua estrutura eletrnica. Alm disso, ser capaz de compreender a relao entre as ligaes qumicas e as propriedades fsicas e qumicas das substncias. Compreender quimicamente a natureza dos novos materiais com aqueles de cunho tecnolgico utilizados nas Engenharia de Computao e de Telecomunicaes

29 UNIDADES TEMTICAS Estrutura atmica tomo Nmero atmico e nmero de massa Peso atmico Configurao eletrnica Grupos de elementos e sua classificao na tabela peridica Propriedades atmicas na tabela peridica Volume atmico Energia de ionizao Afinidade eletrnica Eletronegatividade Ligaes Qumicas Regra do octeto Eltrons de valncia Ligaes inicas Ligaes covalentes Ligaes metlicas Ligaes qumicas e estrutura molecular Molculas polares e apolares Propriedades fsicas da matria Substncias puras e misturas Elementos, compostos, misturas homogneas e heterogneas Os trs estados da matria Qumica Tecnolgica Noes da qumica dos semicondutores. Princpios de nanotecnologia Supercondutividade Princpios de Computao Quntica Novos materiais em Engenharia de Computao e Telecomunicaes Atividades experimentais Estudos relacionados a solues, misturas e tcnicas de separao Transformaes fsicas: pontos de fuso, ebulio, destilao e sublimao. Propriedades fsicas: densidade e viscosidade. Teoria dos gases Noes de estatstica: preciso, exatido e distribuio normal. ons e molculas. Eletrlitos fracos e fortes Propriedades dos metais alcalinos Condutividade eltrica em solues Interao da matria com a energia radiante Estudos de novos materiais em tecnologia METODOLOGIA Aulas tericas expositivas, com utilizao de recursos audiovisuais. Resoluo de exerccios e questionrios. Elaborao de trabalhos individuais e em grupo. Aulas expositivas e prticas em laboratrio. Discusses e orientaes na realizao de experimentos, com base no guia de laboratrio. Elaborao de relatrios. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

30 BIBLIOGRAFIA BSICA RUSSEL, J.B.; Qumica Geral, Makron Books, So Paulo, 1994. EBBING, D.D.; Qumica Geral, Livros Tcnicos e Cientficos editora S.A, Rio de Janeiro, 1998. COMPLEMENTAR a KOTZ, J.C.; PURCELL, K.F.; Chemistry & Chemical Reactivity. , 4 ed., Fort Worh: Sanders College Publishing, 1999. a BRADY, J.E., HAMISTON, G.E.; Qumica Geral; 2 edio, Livros Tcnicos e Cientficos editora S.A, Rio de Janeiro, 1986. MAHAN, B.H.; MYERS, R.J.; Qumica, um curso universitrio., Ed. Edgard Blcher, So Paulo, 1993.

31

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO ENGENHARIA DE TELECOMUNICAES CLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL III CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS /

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

3 SEM 76 HS 04 H/A INT / NOT

JUSTIFICATIVA A disciplina de Clculo III o terceiro de uma seqncia de quatro cursos semestrais de Clculo Diferencial e Integral para o curso de Engenharia de Computao. Tais disciplinas se justificam naturalmente em um curso de Engenharia por fornecerem aos estudantes destes cursos um desenvolvimento apropriado do raciocnio matemtico e conhecimento de conceitos, ferramentas e mtodos analticos para o entendimento, modelagem e resoluo (ou a melhor aproximao da soluo) dos diversos problemas concernentes ao seu curso, seu futuro dia-a-dia profissional e/ou nas eventuais atividades de pesquisa, extenso ou psgraduao que este estudante venha a desenvolver. EMENTA A disciplina aborda o Clculo Diferencial e Integral de funes de vrias variveis, com o enfoque em funes de duas e trs variveis. So dados os rudimentos bsicos para o estudo destas funes, com nfase nos seus conjuntos de nvel. A partir da desenvolvemos o Clculo Diferencial (derivadas parciais) para estas funes e suas aplicaes. O Clculo Integral das funes de vrias variveis centrado nas integrais duplas e triplas e nas mudanas de coordenadas tradicionais para a integrao, como a mudana para coordenadas polares (integral dupla), cilndricas e esfricas (integral tripla). A disciplina tambm fornece uma breve introduo ao Clculo Diferencial e Integral para funes vetoriais. feito um estudo dos campos vetoriais (divergente, rotacional, laplaciano e gradiente), integrais de linha, independncia do caminho (conservao da energia) e os teoremas clssicos de Gauss, Green e Stokes. OBJETIVOS GERAIS O Clculo Diferencial de vrias variveis fornece conceitos e ferramentas bsicas para a compreenso, equacionamento e resoluo de diversos problemas da Engenharia e mesmo da Economia. como os de fenmenos de transporte e de conduo de calor, otimizao em problemas de produo industrial e de administrao de estoques. Fornece ainda ferramentas essenciais na anlise numrica de resoluo de problemas relacionados Engenharia. O Clculo Integral de vrias variveis fornece instrumentos matemticos importantes no estudo da mecnica e resistncia dos materiais em geral e dos problemas de eletricidade tradicionalmente estudados no curso de Engenharia. O Clculo Diferencial e Integral de funes a valores vetoriais (clculo vetorial) tem por objetivo fornecer conceitos e ferramentas essenciais no estudo do eletromagnetismo, da mecnica dos fludos, e de vrios outros ramos da Engenharia. UNIDADES TEMTICAS Introduo s funes de diversas variveis: conceitos bsicos e conjuntos de nvel Derivadas parciais, tcnicas de derivao e aplicaes. Mximos e mnimos para funes de vrias variveis. A integral dupla e tripla. Mudana de coordenadas em integrais duplas e triplas: coordenadas polares no plano e coordenadas esfricas e cilndricas no espao. Campos vetoriais: o divergente, o gradiente, o rotacional e o laplaciano. Integrais de linha e independncia do caminho; o teorema de Green. Integrais de superfcie: os teoremas de Gauss e Stokes. METODOLOGIA Aulas expositivas tericas e prticas, com atividades em sala de aula e extra-sala; eventual uso de softwares numricos de simulao. AVALIAO

32 As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da Coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA a STEWART, J.; Clculo, vol II; 4 - edio, Ed. Thomson , So Paulo-2001. a SWOKOWSKI, E.W.; Clculo com Geometria Analtica,vol II; 2 - Edio, Ed. Makron, So Paulo-1995. COMPLEMENTAR a GUIDORIZZI, H.L., Um Curso de Clculo, Vols 2 e3 5 - edio ; Ed.LTC, Rio de Janeiro, 2003. MARSDEN, J.E.; TROMBA,A.J.; Vector Cauculus- 4- edio 1996, Ed. W.H. Freeman, New York. a THOMAS, G. B. Clculo, vol 2, 10 ed., Ed Pearson, So Paulo, 2003.

33

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO CLCULO NUMRICO COMPUTACIONAL CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

/

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

3 SEM 38 HS 2 H/A NOT

JUSTIFICATIVA A disciplina se insere no curso visando mesclar as abordagens terica e prtica dos principais mtodos numricos utilizados na resoluo de problemas de engenharia, apresentando procedimentos numricos e fazendo uma abordagem sobre os problemas de implementao dos mesmos, sob o ponto de vista do software e do hardware. A disciplina tambm introduz ao aluno problemas de modelagem computacional de problemas de pequeno e mdio porte, e se complementa com o curso de Modelagem e Simulao, reas em que o futuro engenheiro ser cada vez mais exigido. EMENTA A disciplina introduz os mtodos utilizados pela computao cientfica na resoluo de problemas atravs da utilizao do computador e calculadoras. A obteno de zeros de funes no-lineares, a resoluo de sistemas lineares determinados, a interpolao e aproximaes de funes e a integrao e diferenciao numrica so apresentados em conexo com problemas prticos oriundos da Fsica, Engenharia, Biologia, Economia, etc. O aluno deve compreender os problemas envolvidos nestes mtodos e perceber os problemas envolvidos na interpretao dos resultados obtidos. OBJETIVOS GERAIS Ensinar os mtodos bsicos do clculo numrico, procurando abord-los de uma forma aplicada a problemas diversos da engenharia. Abordar tanto de forma terica como ressaltar os aspectos computacionais envolvidos na implementao destes mtodos em sistemas computacionais. UNIDADES TEMTICAS Erros em processos numricos Zero de funes reais Mtodo da bisseco Mtodo de Newton-Raphson Integrao Numrica Mtodo dos Trapzios Mtodo de Simpson Resoluo de Sistemas Lineares Eliminao de Gauss Mtodo Iterativo de Gauss-Seidel Obteno da matriz inversa Interpolao Polinomial Mtodo das Diferenas Divididas Mtodo de Newton Ajuste de Curvas : Mtodo dos Mnimos Quadrados Ajuste de Curvas : Caso Linear/polinomial Ajuste de Curvas : Casos no lineares

METODOLOGIA A disciplina ser ministrada atravs da exposio dos temas em sala de aula, acompanhada de trabalhos prticos realizados em laboratrio para implementao e fixao dos mtodos apresentados para resoluo de problemas tpicos da engenharia e fsica. AVALIAO

34 As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA Burden,Richard L. e Faires,J. Douglas, Anlise Numrica, Thomson,2003 Ruggiero,M.A.G, Lopes, Clculo Numrico: Aspectos Tericos e Computacionais, 2 Edio, Makron Books,1997 COMPLEMENTAR Humes,A.F.C, etc, Noes de Clculo Numrico, McGraw Hill,1984

35

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO FSICA GERAL E EXPERIMENTAL III CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: / C/H sem: Perodo:

3 SEM 76 HS 4 H/A INT / NOT

JUSTIFICATIVA O estudo da natureza da luz, bem como os seus efeitos ticos, decorrentes da sua natureza ondulatria, so fundamentais para que o aluno de engenharia tenha base necessria para o acompanhamento de outras disciplinas e de tpicos relacionados com tecnologias modernas e de ponta. preciso dedicar a ateno tambm para os fenmenos, que envolvem o calor, e para as grandezas, que descrevem os estados termodinmicos, suas medidas, propriedades e suas relaes, e os processos de transferncia da energia trmica. Esses fenmenos devem ser considerados em problemas e projetos que envolvem consumo e transformao de energia. EMENTA A disciplina focalizar dois temas bsicos: dar-se- ateno aos tpicos relacionados aos efeitos sofridos pela luz ao incidir sobre um obstculo, tais como a reflexo, refrao, difrao e interferncias, discutindo temas sobre a natureza da luz visvel; visar tambm o estudo de conceitos bsicos da termodinmica, enfatizando as medies, descrio do movimento de gases, as mudanas de fases, a lei relacionada transformao da energia mecnica em energia trmica e as mquinas trmicas. Em algumas ocasies, sero efetuados experimentos em laboratrio, associados aos temas tericos desenvolvidos. OBJETIVOS GERAIS Que o aluno aprenda os conceitos bsicos dos fenmenos da luz, e entenda as duas interpretaes tericas acerca da sua natureza e suas conseqncias prticas, e os conceitos bsicos dos fenmenos termodinmicos, entendendo as questes sobre as transformaes da energia e suas aplicaes.

36 UNIDADES TEMTICAS 1 Parte ptica geomtrica o Reflexo: Espelhos o Refrao: Lentes Difrao e Interferncia da luz o Comportamento ondulatrio da luz, Experincia de Young Experimentos o A reflexo e suas leis o A refrao e suas leis Medida do comprimento de onda da luz branca e de um laser pela tcnica de interferncia de Young 2 Parte Temperatura e Teoria Cintica dos Gases o Equilbrio trmico e temperatura, As escalas de temperatura Celsius e Fahrenheit o Termmetros a gs e escala absoluta o A lei dos gases ideais, A teoria cintica dos gases Calor e 1 lei da Termodinmica o Capacidade calorfica e calor especfico, Mudana de fase e calor latente o A experincia de Joule e a 1 lei da Termodinmica, A energia interna de um gs ideal o Trabalho e diagrama PV de um gs, Capacidades calorficas dos gases 2 lei da Termodinmica o As mquinas trmicas e a 2 lei da Termodinmica, A mquina de Carnot o A bomba de calor, Irreversibilidade e desordem, Entropia Propriedades e processos trmicos o Expanso trmica, A equao de van der Waals e as isotermas lquido-vapor o Diagramas de fase, A transferncia de energia trmica Experimentos o Capacidade trmica do calormetro, Calor especfico o Transformao isobrica e Transformao isomtrica o Equivalente mecnico METODOLOGIA Aula expositiva, aulas em laboratrio, transparncias, vdeos e exerccios. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA a TIPLER,P. Fsica, Vol. 1 Fsica. 4 ed, Rio de Janeiro: LTC - Livros Tcnicos e Cientficos Editora Ltda; 2000. a HALLIDAY, D., RESNICK, R. e WALKER,J.; Fundamentos de Fsica, Vol. 1 e 2. 4 ed, Rio de Janeiro: Livros Tcnicos e Cientficos Editora Ltda; 1996. VUOLO, J H : Fundamentos da Teoria de Erros, Editora Edgard Blcher Ltda, So Paulo - 1992. COMPLEMENTAR NUSSENZVEIG, Moyss. Curso de Fsica Bsica, Vol. 1 - Mecnica. So Paulo:Editora Edgard Blcher Ltda; 1987. SERWAY, R: Fsica para cientistas e engenheiros, v1, 3ed, Livros Tcnicos e Cientficos Editora Ltda, Rio de Janeiro - 1992 YOUNG, H D; FREEDMAN, R A : Fsica I, v1, 10ed, Editora Addison Wesley SA, So Paulo - 2003.

37

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO ESTRUTURA DE DADOS I CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

/

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

3 SEM 76 H 04 H/A INT / NOT

JUSTIFICATIVA Sendo propsito da Engenharia da Computao o desenvolvimento de sistemas de computao, o conhecimento de programao uma das suas partes constituintes. So componentes da programao os algoritmos e as estruturas de dados, de onde origina a necessidade desta disciplina. EMENTA A disciplina tem como objetivo estudar a modularizao de programas e a estruturao de dados, desenvolvendo conceitos fundamentais que permitam ao aluno compreender seu papel e sua aplicao na construo de algoritmos e na soluo de diversos problemas computacionais. OBJETIVOS GERAIS O principal objetivo da disciplina levar ao conhecimento do aluno as principais estruturas de dados com alocao seqencial e alocao dinmica, alm de introduzir mtodos e algoritmos de busca de dados (memria principal). O professor deve introduzir novas tcnicas e estruturas de dados (mais complexas) envolvidos no projeto, desenvolvimento e implementaes que sirvam a problemas aos quais tais novos elementos se aplicam. UNIDADES TEMTICAS Tipos de dados - Estruturas - Ponteiros Estruturas de dados bsicas (conceito e implementao) - Alocao seqencial: listas lineares, filas e pilhas - Alocao dinmica: listas lineares, filas e pilhas - rvores binrias e de busca binrias METODOLOGIA A metodologia ser baseada na apresentao e implementao dos algoritmos e tcnicas associados s estruturas de dados e aos mtodos estudados. Ser feito uso da linguagem de programao C como ferramenta de implementao dos algoritmos. Sero desenvolvidos exerccios prticos, onde alguns sero casos prticos nos quais as situaes apresentadas permitiro identificao de situaes onde as tcnicas em ensino possam ser aplicadas. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA GUIMARES, A. M.; LAGES, N.A.C. Algoritmos e Estrutura de Dados. Editora Pioneira , 1975-2004. ZIVIANI, N. Projeto de algoritmos. Editora Pioneira, 2000. COMPLEMENTAR CORMEN, T.H.; LEISERSON, R.L.; RIVEST, C.S. Algoritmos: teoria e prtica. Editora Campus, 2002. KNUTH, D.E. The Art of Computer Programming. Editora Addison-Wesley, 1998. MIZRAHI, V. V. Treinamento em Linguagem C mdulos 1 e 2. Editora Makron Books, So Paulo, 1995. WIRTH, N. Algoritmos e Estruturas de Dados. Ed. Prentice - Hall do Brasil, 1989. DEITEL, H. M. Como programar em C. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

38

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO CIRCUITOS ELTRICOS I CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS /

Semestre: C/Horria total: C/Horria sem.: Perodo:

3 SEM. 76 4H/A INT/NOT

O

JUSTIFICATIVA Para a compreenso dos projetos envolvidos em hardware necessria uma base slida em eletricidade e circuitos eltricos. Assim, imprescindvel o estudo de diferentes componentes eltricos e de suas funes dentro de circuitos mais complexos. EMENTA A partir das bases da eletricidade, abre-se caminho para as diversas tcnicas de anlise de circuitos submetidos corrente contnua. Estudo dos transitrios RC e RL. Estudo de circuitos simples submetidos corrente alternada. OBJETIVOS GERAIS Fornecer os fundamentos tericos de circuitos eltricos necessrios para o entendimento de projetos eletrnicos. UNIDADES TEMTICAS Tcnicas de anlise de circuitos de corrente contnua: leis de Kirchhoff, mtodo geral de Kirchhoff, anlise de malhas, anlise nodal, teorema de Thvenin, teorema de Norton. Capacitores e indutores: capacitncia, associao de capacitores, correntes transitrias no circuito RC, indutncia, associao de indutores e correntes transitrias no circuito RL. Princpios de corrente alternada: formas de onda, freqncia, valor mdio, valor eficaz, resistores, capacitores e indutores submetidos corrente alternada, fasores. Circuitos Monofsicos: circuitos RLC srie, impedncia, circuitos em paralelo, admitncia, associaes de impedncia, potncia em regime permanente senoidal. METODOLOGIA Aulas expositivas Atividades experimentais no laboratrio Listas de exerccios ATIVIDADES ACADMICAS, CULTURAIS E CIENTFICAS Relatrios das atividades experimentais realizadas em laboratrio e listas de exerccios para acompanhamento. Tempo estimado para realizao das atividades: 12 horas AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da Coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA Johnson, D. E., Hilburn, J. L. e Johnson, J. R. Fundamentos de anlise de circuitos eltricos. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2000 (4a edio). Boylestad, R. L. Introduo anlise de circuitos. So Paulo: Pearson Education do Brasil, 2000 (10 edio).

39 COMPLEMENTAR Irwin, J. D. Anlise de Circuitos em Engenharia. So Paulo: Pearson Education do Brasil, 2000. Orsini, L. Q. Curso de Circuitos Eltricos (vol I). So Paulo: Editora Edgard Blcher, 1998. OMalley, J. Anlise de Circuitos. So Paulo: Makron Books do Brasil, 1994 (2a edio). EDMINISTER, J. A. Circuitos Eltricos. So Paulo: Makron Books do Brasil, 1985. BARTKOWIAK, R. A. Circuitos Eltricos. So Paulo: Makron Books do Brasil, 1999.

40

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO MATERIAIS ELTRICOS CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS /

Semestre: C/Horria total: C/Horria sem: Perodo:

3 SEM 38 HS 2 H/A INT/ NOT

JUSTIFICATIVA O estudo de materiais eltricos de extrema importncia para o desenvolvimento do estudante de engenharia de telecomunicaes pelo contato com materiais condutores, dieltricos e semicondutores. Atualmente, os materiais semicondutores so a base da transmisso de informaes por Lasers e fibras pticas, trazendo vantagens em relao a utilizao de cabos coaxias de cobre. EMENTA Estudo qualitativo e quantitativo dos fenmenos eltricos e magnticos. Apresentao das caractersticas pticas, magnticas e da conduo eltrica em slidos. Estudo de dispositivos semicondutores simples. OBJETIVOS GERAIS Familiarizar o estudante de engenharia com materiais eltricos e magnticos com relao a armazenamento e transmisso de informao. Dar uma viso dos materiais eltricos usuais mais empregados para a finalidade descrita acima. Colocar o estudante em contato com a mais recente tecnologia de transmisso por fibras pticas. UNIDADES TEMTICAS 1. Ondas Mecnicas. 2. Efeito fotoeltrico 3. Dualidade Onda-Partcula: Efeito Compton. 4. Modelo Atmico de Bohr 5. Funes de Onda e Slidos Cristalinos 6. Bandas de Energia: Metais, Isolantes e Semicondutores 9. Juno PN e Transistor. 10. Materiais dieltricos 11. Materiais magnticos. 12. Fotodetetores: 13. Materiais pto-Eletrnicos: Fibra ptica e LED e Lasers. METODOLOGIA Aulas expositivas em sala de aula avaliadas por provas semestrais PS e finais EF. Listas de exerccios como reforo. Apresentao de seminrios avaliadas por argies PO. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

41 BIBLIOGRAFIA BSICA REZENDE, Srgio M: Materiais e Dispositivos Eletrnicos, Editora Livraria da Fsica, So Paulo, 2ed - 2004. SERWAY, A Raymond: Fsica para Cientistas e Engenheiros: Fsica Moderna, Rio de Janeiro, Editora RTC, v4 -1992. COMPLEMENTAR BEISER, Arthur: Conceitos de Fsica Moderna, Editora Polgono, So Paulo - SP 1969. SCHMIDT, W: Materiais Eltricos, v1 e v2, 2ed, Ed Edgard Blcher Ltda, So Paulo, 1979. TIPLER, P A: Fsica para cientistas e engenheiros, 4 ed LTC Editora SA, v3 , 2000. NUSSENZVEIG, H M: Curso de Fsica Bsica: Eletromagnetismo.

42

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO ELETRNICA CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS /

Semestre: C/H total: C/H sem: Perodo:

4 SEM 76 HS 4 H/A INT / NOT

JUSTIFICATIVA Conhecer o princpio de funcionamento de alguns componentes semicondutores de grande importncia na formao do Engenheiro da Computao tanto para a compreenso do funcionamento dos principais mdulos computacionais quanto para o uso em projetos de circuitos eletrnicos diversos, inclusive os controlados por software. EMENTA Esta disciplina estabelece conceitos e projetos de circuitos com diodos e transistores (TBJ e FET) preparando o aluno para eletrnica digital. OBJETIVOS GERAIS Estudar e entender os principais componentes semicondutores tais como os diodos e transistores, bem como conhecer exemplos de suas aplicaes em circuitos eletrnicos analgicos e digitais. UNIDADES TEMTICAS Diodos O diodo ideal x diodo real Anlise de circuitos com diodos Diodo Zener Circuitos retificadores Transistor Bipolar de Juno Introduo Estrutura fsica e modo de operao Operao do transistor no modo ativo O transistor como amplificador Anlise grfica Polarizao Configuraes bsicas O transistor como chave Transistor de efeito de campo Tipos de Transistores O FET de Juno O FET Tipo Depleo O FET tipo Enriquecimento e Polarizao do FET METODOLOGIA Aulas Expositivas Aulas prticas Trabalhos de aprendizagem em equipe realizados em laboratrio ATIVIDADES ACADMICAS, CULTURAIS E CIENTFICAS Relatrios das atividades experimentais realizadas em laboratrio e listas de exerccios para acompanhamento. Tempo estimado para realizao das atividades: 12 horas. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da Coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

43 BIBLIOGRAFIA BSICA BOYLESTAD, Robert; NASHELSKY, Louis. Dispositivos eletrnicos e teoria de circuitos. 8 Edio. So Paulo: Pearson Prentice-Hall do Brasil, 2004. CIPELLI, Antonio M. V.; MARKUS, Otvio, SANDRINI, Waldir. Teoria e Desenvolvimento de Projetos de Circuitos Eletrnicos. 18 Edio. So Paulo: rica, 2001. COMPLEMENTAR MALVINO A. P. Eletrnica V.1. 4 Edio. So Paulo: Makron Books, 1997. MALVINO A. P. Eletrnica V.2. 4 Edio. So Paulo: Makron Books, 1995. SEDRA, Adel S; SMITH, Kenneth C. Microeletrnica. 4 Edio. So Paulo: Makron Books, 2000. 1270 p. MARQUES, ngelo E. B., CRUZ, Eduardo C. A., CHOUERI, Salomo Jr. Dispositivos Semicondutores: Diodos e Transistores. So Paulo: rica, 1996.

44

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO PROBABILIDADE E ESTATSTICA CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS / ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

4 SEM 38 HS 02/H/A NOT.

JUSTIFICATIVA A disciplina Estatstica, alm de uma disciplina de apoio s diversas reas profissionais, ela tem como finalidade orientar o profissional em suas decises. Muitas decises so tomadas com base em informaes numricas; no entanto, preciso considerar, os nmeros no falam por si mesmos. Precisam ser organizados, discutidos e interpretados. Ento, a Estatstica pode ser vista como um conjunto de mtodos e processos quantitativos que serve para estudar fenmenos coletivos, que ajudam na tomada de decises quando fornecem condies de incerteza. Por esta razo, todo profissional deve adquirir algum conhecimento de Estatstica para tomar uma deciso consciente e dentro de uma certa preciso, quando tiver sua disposio informaes numricas, ou seja, dados estatsticos. , tambm, importante adquirir noes da teoria de probabilidades para auxiliar no desenvolvimento do conceito da incerteza presente em toda a pesquisa que envolva um resultado casual. EMENTA Estudo de mtodos estatsticos para anlise descritiva de diferentes tipos de dados, unidimensional e bidimensional, ressaltando a apresentao e interpretao dos resultados e noes da teoria de probabilidades destinadas ao entendimento da incerteza oriunda de fenmenos aleatrios. OBJETIVOS GERAIS Preparar o aluno no sentido de utilizar os conhecimentos obtidos no processo de aprendizagem, a raciocinar, a analisar, a utilizar estes conhecimentos bsicos de Estatstica no campo profissional, e nas disciplinas que daro segmento ao curso. Procurar desenvolver no aluno a capacidade de realizar pesquisas utilizando os recursos de Estatstica e proporcionar a ele condies de continuar seus estudos em nvel de ps-graduao.

45 UNIDADES TEMTICAS ESTATSTICA 1) FASES DO MTODO ESTATSTICO Coleta de dados Dados brutos Rol Crtica dos dados Apurao dos dados Apresentao dos dados Populao e amostra Tipos de amostragem Tipos de Variveis Dados agrupados e no agrupados 2) DISTRIBUIO DE FREQNCIA Amplitude total Nmero de classes Intervalo e amplitude de classe Ponto mdio da classe Freqncia absoluta, relativa simples, percentual e acumulada 3) MEDIDA DE POSIO, DE TENDNCIA CENTRAL E SEPARATRIZES Mdia Mdia Ponderada Mediana Quartil Decil Percentil

4) MEDIDAS DE DISPERSO Varincia Desvio padro amostral e populacional Coeficiente de variao 5) ANLISE BIDIMENSIONAL Noes de anlise bidimensional

6) PROBABILIDADE Noes de probabilidade METODOLOGIA O curso desenvolver-se- basicamente atravs de aulas expositivas e de exerccios para introduzir, sintetizar e integrar os assuntos pertinentes ao programa. So discutidos, tambm, vrios pontos dentro da rea de Engenharia de Computao a aplicabilidade da Estatstica. Os alunos no decorrer do curso elaboram projetos de pesquisa, muitas vezes utilizando dados da prpria empresa onde j trabalham, onde so aplicados os conceitos bsicos da Estatstica Aplicada. AVALIAO Conforme Regimento da Instituio e do Colegiado. BIBLIOGRAFIA BSICA a CRESPO, A. A. Estatstica Fcil. 17 ed. So Paulo: Ed. Saraiva, 2001. a BUSSAB, W. O. e MORETTIN, P. A. Estatstica Bsica. 5 ed., So Paulo: Ed. Saraiva, 2003 - 2005. SILVA, ERMES M., SILVA, ELIO M., GONALVES V., MUROLO, A. C. Estatstica para os cursos de: a Economia, Administrao e Cincias Contbeis. 3 ed. V.1, So Paulo: Ed. Atlas S.A., 1999. COMPLEMENTAR COSTA, S. F. Introduo ilustrada Estatstica. So Paulo: Ed. Harbra, 1998.

46 TRIOLA, M. F. Introduo Estatstica. 7 ed., Rio de Janeiro: Ed. LTC, 1999. a FREUND, J. E., SIMON, G. A. Estatstica Aplicada Economia, Administrao e Contabilidade. 9 ed., Porto Alegre: Ed. Bookman, 2004. LEVINE, D. M., BERENSON, M. L., STEPHAN, D. Estatstica: Teoria e Aplicaes usando Microsoft Excel em Portugus. Rio de Janeiro: Ed. LTC, 2000. a SPIEGEL, M. R. Estatstica. 3 ed., So Paulo: Ed. Makron, 1994. SILVER, M. Estatstica para Administrao. So Paulo: Ed. Atlas S.A., 2000. a OLIVEIRA, P. L. COSTA NETO. Estatstica. 2 ed. So Paulo: Ed. Edgard Blcher LTDA, 2002. a FONSECA, J. S., MARTINS, G. A. Curso de Estatstica. 4 ed., So Paulo: Ed. Atlas S.A., 1996. 6 Ed a MORETTIN, L. G. Estatstica bsica: Probabilidade. 6 ed., So Paulo: Ed. McGraw Hill, 1999.V. 1 2004 V.2 7 ed a LEVIN, J. Estatstica Aplicada a Cincias Humanas. 2 ed., So Paulo: Ed. Harbra, 1987. STEVESON, W. J. Estatstica Aplicada Administrao. So Paulo: Ed. Harbra, 1986. LOPES, P. A. Probabilidades e Estatstica. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2001. MAGALHES, M. N. Noes de Probabilidade e Estatstica. 4.ed. So Paulo: EDUSP, 2002. 5 MONTGOMERY,D.C.; RUNGER,G.C. Estatstica aplicada e Probabilidade para Engenheiros, Rio de Janeiro: Livros Tcnicos e Cientficos Editora S. A., 2003. BARBETTA, P.A.; REIS, M. M.; BORNIA, A. C. Estatstica para cursos de Engenharia e Informtica. So Paulo: Atlas, 2004.a

47

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO MECNICA GERAL CIENCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

/

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

4 SEM 76 H 04 H/A MAT / NOT

o

JUSTIFICATIVA A Mecnica Geral fundamental na formao bsica de um engenheiro, seja qual for sua especialidade, pois ela fornece os conceitos e ferramentas fundamentais para a soluo de problemas, projetos e implementao de alguns sistemas em Engenharia, notadamente na Engenharia de Computao. EMENTA A disciplina visa o estudo dos principais conceitos bsicos da mecnica, com especial nfase no equilbrio esttico e dinmico dos slidos rgidos no plano, casos particulares de equilbrio em trs dimenses e fazer aplicaes desses conceitos em problemas relativos rea de engenharia. OBJETIVOS GERAIS Que o aluno aprenda os conceitos bsicos da mecnica aplicando os conceitos de equilbrio esttico e dinmico na resoluo de problemas vinculados engenharia, permitindo o clculo analtico total ou parcial das diferentes componentes de um projeto nesta rea do conhecimento. UNIDADES TEMTICAS Princpios e conceitos fundamentais Grandezas e sistemas de unidades Adio, produto escalar e vetorial de dois vetores, lei dos senos, lei dos cosenos Esttica dos Pontos Materiais Fora como uma grandeza vetorial Foras no plano, resultante de duas foras Equilbrio de um ponto material Equilbrio de Corpos Rgidos Definio de Momento de uma Fora Momento de uma fora em relao a um ponto e a um eixo Diagrama de corpo livre Tipos de vnculos Classificao de estruturas Cinemtica de Corpos Rgidos Movimento Curvilneo de um ponto material Vetor de posio, velocidade e acelerao Rotao em torno de um eixo fixo Equaes que definem a rotao de um corpo rgido em torno de um eixo fixo Movimento Plano Geral Velocidade Absoluta e Relativa no Movimento Plano Acelerao Absoluta e Relativa no Movimento Plano Centro Instantneo de Rotao Dinmica dos Corpos Rgidos no Plano Mtodo da 2 Lei de Newton Equilbrio dinmico de corpos rgidos no plano Diagrama de corpo livre no equilbrio de corpos rgidos ligados Mtodo do Trabalho e Energia Mtodo do Impulso e a Quantidade de Movimento

48 METODOLOGIA Aulas tericas expositivas, com utilizao de recursos udio visuais e exemplos reais, exerccios resolvidos e propostos. Aulas prticas para realizao de trabalhos individuais ou em grupo para serem iniciados em classe e concludos em casa. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao. BIBLIOGRAFIA BSICA BEER, F. P.; JOHNSTON, E. R. JR., Mecnica Vetorial para Engenheiros, Esttica (vol. I), Cinemtica e a Dinmica (Vol. II), McGraw-Hill, 5 edio, So Paulo, 1994.V.1 /V.2 1973 V.2 1984 COMPLEMENTAR a KAMINSKI, P. C., Mecnica Geral para Engenheiros, Editora Edgard Blcher Ltda., 1 Edio, So Paulo, 2000.

49

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO ESTRUTURAS DE DADOS II CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

/

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

4 SEM 76 HS 04 H/A INT / NOT

JUSTIFICATIVA Com o desenvolvimento das tcnicas de programao de computadores, a programao orientada a objetos passou a ser um dos elementos essenciais para o desenvolvimento de programas computacionais, portanto a disciplina indispensvel para a formao de um engenheiro de computao. EMENTA A disciplina estuda os elementos da programao orientada a objetos, revendo os conceitos bsicos e evoluindo at os aspectos mais avanados, buscando levar o aluno a compreend-la em profundidade, bem como sua aplicabilidade em problemas concretos. Ainda, atravs do uso intensivo de exerccios e laboratrios, a disciplina trabalha os aspectos prticos necessrios formao do aluno. OBJETIVOS GERAIS Apresentar e discutir os conceitos da programao orientada a objetos e suas aplicaes. Resolver problemas concretos, atravs da implementao de sistemas que trabalhem todos os aspectos discutidos. UNIDADES TEMTICAS 1. Introduo a Objetos e Classes Usando e construindo objetos Variveis de objeto Campos de instncia Construtores Interface pblica de uma Classe 2. Herana (Generalizao) Hierarquia de herana Construo de Subclasse Controle de Acesso 3. Interfaces e Polimorfismo Sobrecarga Polimorfismo Reutilizao 4. Tpicos avanados Classes abstratas Tratamento de excees METODOLOGIA Aulas expositivas e tericas. Aulas prticas em laboratrio. Exerccios para resoluo em sala e extra-classe. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

50

BIBLIOGRAFIA BSICA DEITEL, H. M.; DEITEL, P. J. Java: como programar. Pearson Education do Brasil, 2005. COMPLEMENTAR PREISS, B. R. Estruturas de dados e algoritmos: padres de projetos orientados a objetos em Java. Rio de Janeiro, Ed. Campus, 2000. Horstmann, C. S.; Cornell, G. Core Java 2 Volume 1 - Fundamentos. Ed. Makron Books, 2001. Winblad, A. L. Software orientado a objeto. Makron Books, 1993. Meyer, Bertrand, Object-oriented Software Construction, Prentice-Hall International Series in Computer Gamma, Erich, Helm, Richard, Johnson, Ralph, Vlissides, John, Design Patterns, 1995. Ambler, Scott W., Anlise e Projeto Orientados a Objeto, Volume 2, IBPI Press, Livraria e Editora Infobook S.A., 1998.

51

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO CLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL IV CINCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

/

Srie: C/H total: C/H sem.: Perodo:

4 SEM 76 HS 04 H/A INT / NOT

JUSTIFICATIVA A disciplina de Clculo IV o ltimo de uma seqncia de quatro cursos semestrais de Clculo Diferencial e Integral para o curso de Engenharia de Computao. Tais disciplinas se justificam naturalmente em um curso de Engenharia por fornecerem aos estudantes destes cursos um desenvolvimento apropriado do raciocnio matemtico e conhecimento de conceitos, ferramentas e mtodos analticos para o entendimento, modelagem e resoluo (ou a melhor aproximao da soluo) dos diversos problemas concernentes ao seu curso, seu futuro dia-a-dia profissional e/ou nas eventuais atividades de pesquisa, extenso ou psgraduao que este estudante venha a desenvolver. EMENTA a A disciplina aborda as equaes diferenciais ordinrias (EDO), estudando com maior detalhe as EDO de 1 a ordem em geral e as de 2 -ordem lineares. Tais equaes servem de base para a modelagem e resoluo analticas dos principais problemas clssicos da Engenharia e da Fsica e, mais geralmente, de fenmenos que evoluem no tempo, geralmente encontrados na economia, biologia, ecologia, etc. A partir deste estudo bsico, o estudante est preparado para o eventual estudo de EDOs de ordem mais alta. Entre os mtodos analticos para a resoluo destas equaes, deve se destacar o estudo das Transformadas de Laplace, muito importantes para a resoluo das EDOs e tambm para outras disciplinas do curso, como sistemas de controle. Como tpico opcional, a disciplina pode tambm abordar os sistemas de equaes lineares e o problema de estabilidade da soluo. OBJETIVOS GERAIS A disciplina tem como objetivo principal fornecer ao estudante do curso tcnicas e ferramentas especficas para a modelagem e resoluo analticas dos vrios problemas relativos sua rea. Estes problemas so principalmente aqueles que abordam fenmenos que exijam um modelo matemtico que envolva variveis reais (ou contnuas), como, por exemplo, quantidades que variam com o tempo.Para tal, utiliza os tipos de raciocnio e conceitos fundamentais desenvolvidos nas disciplinas anteriores de Clculo e de Fsica. UNIDADES TEMTICAS Consideraes gerais sobre EDOs; conceito de soluo de uma EDO. a EDOs de 1 -ordem: EDOs a variveis separveis, homogneas e lineares e suas aplicaes. a EDOs de 2 - ordem lineares, a coeficientes constantes e homogneas e suas aplicaes. A Transformada de Laplace: definies, propriedades bsicas, a integral de convoluo, as funes degrau unitrio e impulso. Aplicaes da transformada de Laplace no estudo das EDOs lineares homogneas e no homogneas. METODOLOGIA Aulas expositivas. Dinmica de grupos. Exerccios em sala de aula e extra classe. Aulas de Reforo e de Reviso. AVALIAO As avaliaes ocorrero atravs de provas parciais e provas semestrais, sendo que as provas parciais podero ser atravs de provas escritas e orais (trabalhos, seminrios, etc). Estas avaliaes ocorrero de acordo com as datas e orientaes definidas pela instituio, nos termos do regimento geral do Centro Universitrio FIEO (pargrafo nico do artigo 63 e artigo 52) e portaria 01/2005 da coordenao do Curso de Engenharia da Computao.

52 BIBLIOGRAFIA BSICA a ZILL,D.G.; CULLEN,M.R. Equaes Diferenciais, vols I e II. 3 - Edio; Ed. Makron, So Paulo 2001. a BOYCE, W.E.;DIPRIMA,R.C.; Equaes Diferenciais Elementares e Problemas de Valores de Contorno; 7 edio Ed. LTC,Rio de Janeiro 2003. COMPLEMENTAR a STEWART, J.; Clculo, vol II; 4 - edio, Ed. Thomson , So Paulo 2001. a SWOKOWSKI,E.W. Clculo com Geometria Analtica. vol II 2 Edio, Ed. Makron, So Paulo 1995.

53

UNIFIEO Curso: Disciplina: Departamento:

PR-REITORIA ACADMICA PLANEJAMENTO ACADMICO ENGENHARIA DE COMPUTAO INGLS TCNICO CIENCIAS EXATAS E TECNOLGICAS ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

/

Srie: C/H total: C/H sem: Perodo:

4 SEM 38 H/S 02 H/A MAT / NOT

JUSTIFICATIVA A disciplina Ingls Tcnico, como um todo, procura levar o aluno a desenvolver meios de ler e consultar os diversos tipos de textos relacionado rea em que dever atuar. Por se tratar de uma lngua universal, na qual qualquer rea de cincia e de tecnologia est baseada, torna-se importante o domnio desta por alunos e profissionais de reas tcnicas, quaisquer que sejam. No entanto, para alunos e profissionais da rea de Computao, o domnio da lngua inglesa torna-se imprescindvel, pois, do mais simples comando do computador, at os mais sofisticados programas, est a presena inevitvel desta lngua. Portanto, a disciplina Ingls Tcnico para a rea de Computao dever propiciar condies favorveis para os futuros profissionais adquirirem e ampliarem seus conhecimentos em cada um de seu campo de atuao. EMENTA Apresentar aspectos lingusticos da lngua inglesa tais como : estruturas gramaticais, lexicais, morfolgicas e discursivas direcionadas rea de computao para o desenvolvimento do pensamento e da linguagem tendo como ferramenta auxiliar o conhecimento, j desenvolvido e sedimentado pelo aprendiz, de aspectos socioculturais adquiridos atravs da sua vivncia e principalmente, tendo como suporte , seus conhecimentos em lngua materna. OBJETIVOS GERAIS O objetivo do curso desenvolver a capacidade de leitura de textos tcnicos, escritos em lngua inglesa, para a rea da computao. Ser desenvolvida a habilidade de abordar e interpretar os textos como um todo e/ou detalhes relevantes dos mesmos. UNIDADES TEMTICAS Contextos lingusticos Nveis de leitura Compreenso geral, de partes especficas e detalhadas de textos Estudo do lxico Palavras relevantes para a compreenso de textos Estudo Morfolgico Os identificadores de funes e de formao de significados Relaes Sintagmticas Sintagmas nominais e verbais Aspectos verbais com funes verbais e adjetivais Aspectos Semnticos Coeso e coerncia Estudo da estrutura do texto Lay out ttulo, subttulo, diviso do pargrafo Idia central do pargrafo Marcadores de discurso Contextos no linguisticos Aspectos tipogr