DA IMAGEM FIXA € IMAGEM EM .DA IMAGEM FIXA € IMAGEM EM MOVIMENTO ... de forma§£o continuada de

  • View
    222

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of DA IMAGEM FIXA € IMAGEM EM .DA IMAGEM FIXA € IMAGEM EM MOVIMENTO ... de...

  • DA IMAGEM FIXA IMAGEM EM MOVIMENTO

    Denise Maria Ramos Lugli1- deniselugli@hotmail.com

    Carla Juliana Galvo Alves2 - carlagalvaow@yahoo.com.br

    RESUMO

    Este trabalho apresenta uma pesquisa-ao realizada com estudantes da 8 srie de

    uma escola pblica da cidade de Rolndia-PR, e faz parte de um projeto de

    formao continuada do governo do Estado do Paran. O principal objetivo

    trabalhar com a leitura crtica das imagens veiculadas pelos meios de comunicao

    em massa, aliada ao fazer artstico. O trabalho teve incio com a reflexo sobre o

    que a fotografia, a anlise de animaes, de propagandas e videoclipes, mediada

    pelo professor, e culminou na produo artstica dos alunos utilizando as mais

    variadas formas de mdias tecnolgicas e digitais.

    PALAVRAS-CHAVE: Leitura de imagens; meios de comunicao em massa; mdia e tecnologias.

    ABSTRATC

    The present work is a research-action project accomplished with students of the 8th

    series of a public school of the city of Rolndia-PR, and it is part of a project of the

    government's of the State of Paran continuous formation. The objective principal is

    to work with the critical reading of the images transmitted by the communication

    means in mass, allied when doing artistic. The work, that it is in phase of placing in

    action, he/she has beginning with the reflection on what it is the picture, the analysis

    of animations, of propagandas and video clips, mediated by the teacher, and it

    culminates in the students' artistic production using the most varied technological

    media forms and your type.1 Denise Maria ramos Lugli professora de Arte da rede pblica de ensino do Paran, atuando no Colgio

    Estadual Presidente Kennedy de Rolndia,e participa do Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE) da SEED-PR.

    2 Carla Juliana Galvo Alves Mestre em Educao pela Universidade Estadual de Maring, docente do Departamento de Arte Visual da Universidade Estadual de Londrina, e orientadora no Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE) da SEED-PR. .

    mailto:deniselugli@hotmail.com

  • KEYWORDS: image reading, mass media, media and tecnology

    Enquanto a cincia e a tecnologia transformaram radicalmente a sociedade

    na qual os alunos esto inseridos, a sala de aula pouco mudou. Hoje a tecnologia

    est ao redor das pessoas cotidianamente, com celulares, caixas eletrnicos, vdeo

    games, DVDs, entre outros. Os alunos esto cada vez mais inteirados desta

    linguagem.

    No entanto, muitos professores sentem-se hesitantes em modificar sua

    prtica. comum a aula se desenrolar a partir do falar-ditar do mestre, como difusor

    do conhecimento, sem a participao do aluno.

    A tecnologia e a mdia convocam os educadores a repensar a atitude

    pedaggica tradicional e abrem possibilidades para uma nova abordagem do ensino

    na sala de aula, capaz de favorecer atitudes de utilizao e interpretao crtica dos

    seus produtos.

    Na atualidade as imagens se proliferam, nos contaminam e nos invadem. A

    leitura consciente destas imagens se faz necessria dentro da escola, e como

    professores temos possibilidade de mediar uma reflexo e a construo de um leitor

    crtico de imagens, vinculando esta leitura a uma produo dinmica e estimulante

    diante da realidade tecnolgica existente na sociedade ps-moderna.

    Nesse sentido, h muito potencial nas imagens que esto inseridas na mdia

    e nas propagandas atuais como instrumentos de reflexo. A cultura de massa, a

    mdia e a tecnologia poderiam ser grandes aliadas no processo educacional

    aproveitando o conhecimento que eles propiciam na realidade juvenil. Esta leitura de

    mundo deve ser aprimorada contribuindo na construo do olhar crtico e dialtico

    com os multimeios.

  • Fora dos limites da escola a visualizao como a percepo vo cada vez

    mais sendo ampliadas atravs da propagao visual contempornea. As imagens

    com as quais estamos constantemente em contato e so um referencial importante

    que dever ser cada vez mais explorado nas aulas, no s de artes, mas como as

    demais dentro da escola, como propem Hrnandez (2000), Freedman (1998) e

    Efland (1998). Problematizando os modos de ver, dizer, agir e fazer, formando

    indivduos mais questionadores e capazes de por si prprios compreender a cultura

    visual existente na atualidade e em consonncia com ela.

    A tecnologia hoje meio para todos os estudos. Para fazer pesquisas, recuperar elementos [...] ou seja, isso tem a ver com o suporte do projeto artstico que voc desenvolve. Este suporte permite construir, por exemplo, uma memria maior [...] Portanto, um meio que te permite manipular imagens, reformar, colocar, recolocar. um meio muito poderoso para isso (HERNANDEZ:2006).

    As imagens, sejam elas de qualquer natureza como filmes, computao

    grfica, pinturas, propagandas e outros, tem nelas um significado. Elas so criadas

    com os mais variados objetivos.

    As representaes da mdia so apenas mais um contexto em que esto

    inseridas no cotidiano de todos ns, sendo construdas para facilitar a comunicao.

    No intuito de conhecer mais profundamente o repertrio cultural dos alunos,

    devemos traz-lo para dentro das escolas a fim de que seja discutido e anlisado

    criticamente, como defende Efland.

    As crianas de hoje esto aprendendo novos cdigos visuais, mas, ao mesmo tempo, esto cercadas de imagens do cotidiano que criam vises de uma vida boa, baseada no consumo, Eles vo precisar aprender como determinar se esta mdia representa ou no a realidade, e se lhe esto dizendo a verdade. (EFLAND:1998)

  • Freedmam aborda o relacionamento entre imagem e pblico na histria

    recente, enfoca o condicionamento que elas causam dando-lhes outros significados,

    criando relaes novas tentando educar o pblico para que ajam como

    consumidores. As pessoas influenciam-se facilmente atravs da sensao prazerosa

    dos seus produtos atravs das imagens os alunos no vem as imagens criticamente

    a no ser que sejam ensinados a faz-lo

    de extrema importncia que a escola desenvolva uma educao esttica de

    qualidade, que seja capaz de educar o olhar, e de possibilitar a emancipao do

    aluno. Apenas a conscientizao, atravs de um olhar crtico e reflexivo sobre o que

    v, ouve e assiste, liberta o indivduo da alienao e anestesiamento dos sentidos.

    fundamental oferecer subsdios aos alunos para aprenderem a ler e interpretar

    corretamente estas imagens, ou seja, perceber os significados implcitos em cada

    uma delas, para que no sejam fantoches do capitalismo, fazendo associaes

    ingnuas de significados impostos pelo cotidiano miditico. neste sentido que

    Hernandez (2003.43) prope uma educao para compreenso da cultura visual

    diante da mdia e para os indivduos indefesos diante dela

    Todo o projeto desenvolvido originou-se a partir deste contexto, com o

    objetivo de tirar os alunos, que tem um envolvimento intenso com as imagens de

    nosso tempo, dessa condio passiva. importante que eles tenham um

    conhecimento cultural amplo da cultura e das artes eruditas, mas isto basta? Deve-

    se prepar-los para a vivncia constante com outras imagens de maneira mais

    crtica.

    O professor tem o dever de levantar tais questes, chamando a ateno

    sobre a representao e o conceito, criao e interpretao das imagens, sejam elas

    artsticas ou no.

  • Se as escolas em uma democracia esto educando cidados esclarecidos que tomam parte em decises polticas e trabalham juntos para a melhoria de condies culturais, ento as associaes e os conflitos de significados de uma srie de imagens tm que ser levados em considerao em sala de aula... ...o ensino no pode mais estar limitado a discutir aspectos seletos da cultura (como literatura que valha a pena, por exemplo), mas devem abordar a experincia cultural das crianas como um todo (FREEDMAN:1998).

    O ensino da arte no pode deixar de interagir com o mundo e com outras

    reas de conhecimento, configurar-se numa nova concepo de prticas artsticas

    pretendendo-se assim a descoberta de novos signos que esto intrinsecamente

    inseridos na nossa cultura e sociedade. Desvelar os signos do mundo real presente

    compreendendo-o, decodificando sua gramtica visual, julgando a qualidade daquilo

    que v, tornando o aluno hbil a ver o que no percebe. Dessa maneira, avalia

    Hernndez (2000, 56), o ensino de arte pode favorecer as atitudes de interpretao,

    relao, crtica e transferncia em relao ao mundo que o rodeia.

    Como ponto de partida para iniciar o projeto foi necessrio selecionar o

    material imagtico para trabalhar com os alunos. Tendo como referncia algumas

    das caractersticas que Hernandez mencionou como relevantes para estudar a

    cultura visual, destaquei as mais consonantes com os meus objetivos como: ser

    inquietante, estar abertas a mltiplas interpretaes, referentes vida das pessoas,

    expressar valores estticos, fazer com que o espectador pense e olhe para o futuro.

    Como observa Hernandez:

    A educao escolar poderia contribuir, [] para a reconstruo de sua prpria identidade em relao s diferentes contribuies da realidade que lhe cercam e que necessita aprender a interpretar.

  • Estas inquietaes relacionadas leitura crtica de imagens, especialment