Edição 28 - Jornal Na Hora Certa - 04 de setembro de 2015

  • View
    214

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Edição 28 - Jornal Na Hora Certa - 04 de setembro de 2015

  • 04 DE SETEMBRO DE 2015 ANO I - EDIO 28 WWW.JORNALNAHORACERTA.COM.BR R$ 1,00

    Marco Antonio Cabral

    Pg. 7

    EXCLUSIVO

    Pgina 3

    Pgina 4Pgina 6Pgina 4

    Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude

    Pgina 2Pgina 7Pgina 5

    Mais veculos sucateados na PMPS so denunciados por leitores do jornal

    Programa Bolsa de Permanncia Universitria aprovada pela Comisso de Educao do Senado

    Campeonato dos ncleos de futsal de Paraba adia-do

    Mais uma vergonha desse governo!

    A caravana passa, os problemas

    voltam

    O Direto ao Ponto voltou!

    Esse o Governo frio, insensvel e desumano do prefeito Marcinho

    Sul-paraibana denuncia grave episdio com o transporte de pacientes de hemodilise

    Comisso francesa visita o Complexo Esportivo da Rocinha

  • 2 04 DE SETEMBRODE 2015ATUALIDADES

    A caravana passa, os problemas voltam

    Fale com a redao: (24) 99285-1551 ou envie e-mail: redacao@jornalnahoracerta.com.br

    Diretoria

    Jornalistas

    PresidenteMagal Rivello

    Diretor AdministrativoGuilherme Nabeth

    Editor-chefe e Jornalista ResponsvelGustavo Leal MTB 0032228/RJ

    Impresso Tiragem

    DesignerFlvia Souza

    EstagirioMatheus Leal

    EstagiriaLaura Thurm

    Tribuna de Petrpolis 6.000 mil rexemplares

    ColunistasEsporte TotalMatheus Leal

    CulinriaAndrea Cunha

    Ronda PolicialLuciano Alves

    As colunas de opinio so de responsabilidade exclu-siva de seus autores. Os colunistas no possuem vnculo empregatcio com o jornal.As fotos enviadas para o jornal passam a integrar o arquivo do mesmo, poden-do ser utilizadas sem prvia autorizao.

    Quibe Assado

    Ingredientes:250g de trigo para Quibe300g de carne moda magra2 colheres de sopa de margarina2 cebolas mdias picadas2 tomates picados1 molho de hortel1 ovoSal a gostoPimenta do reino a gosto

    Recheio:400g de mussarela ralada grossa 300g de presunto ralado grosso400g de requeijo cremoso

    Modo de preparo:Deixe o trigo de molho durante 25 minutos em 1 litro de gua morna, esprema o trigo retirando toda gua. Doure a cebola com a margarina e reserve. Numa ti-gela misture a carne, os tomates, os temperos, o trigo, a cebola refogada e o ovo. Unte uma assadeira com leo e coloque metade dessa massa do Quibe tempe-rada, amassando bem com as mos. Espalhe sobre ela a mussarela, o presunto e o requeijo. Cubra com o restante da massa. Regue com um pouco de leo por cima e leve para assar, durante uns 20 minutos.

    Amigo Presidente, Antes de tudo quero agradecer a opor-tunidade de ter usufrudo de sua companhia nesta semana, passando momen-tos agradveis. sempre muito bom verificar a bem querncia que a populao demonstra sua pessoa e a resposta afvel e alegre que lhe peculiar, sem dis-tino. Vamos ao assun-to. Estava eu ouvindo, no dia 27/10, o Programa A Hora da Verdade pela Su-per Rdio Clube, neste dia comandado pelo jornalis-ta e aclamado radialista Vagner Bambam, A Voz de Paraba do Sul, O In-questionvel , tendo ao seu lado o Editorialista Guerreiro Gustavo Leal. A certa altura do Progra-ma, um ouvinte, cujo nome infelizmente no guardei, entrou em contato telefni-co no ar e fez uma brilhan-te observao: dizia que havia pesquisado no site oficial de Paraba do Sul, buscando no Calendrio de Eventos referncia grande festa que se avizi-nhava no fim de semana prximo, a Festa de Bom Jesus de Matozinhos, afir-mou que nada encontrou,

    complementando que no se tratava somente deste grande evento, mas tam-bm de outros como a Festa de So Pedro e So Paulo e de Santo Antnio, a seu ver, e com razo, de grande potencial turstico. Concluiu sua participao no programa com uma in-teligente afirmao: Di-zem que a nossa vocao o turismo, mas a vocao somente no basta. Uma pessoa pode ter vocao para ser mdico ou enge-nheiro, mas se no passar no vestibular, a vocao de nada adianta. Muito bom. Ento, peo licena a este ouvinte para mim desco-nhecido, de aprofundar o tema e pedindo desculpas caso no tenha a descrio coberto suficientemente suas observaes. Ento, vamos ao dicionrio buscar a defi-nio de vocao. Segun-do o Aurlio, vocao a inclinao que se sente para alguma coisa. Como sinnimos podemos desta-car aptido, predisposio, propenso, tendncia entre outras. Assim, a vocao o incio de tudo. Estando definida, o passo seguinte trabalhar para atingir a realizao da mesma. Re-

    quer vontade, planejamen-to, disciplina e ao con-creta. A vocao pode ter duas faces, por exemplo, o sujeito pode ter vocao para religioso e vocao para cantor. Conhecemos vrios casos de religiosos cantores. Da mesma forma uma cidade pode ter vo-caes combinadas, pode ser turstica e industrial, neste caso, uma indstria que d suporte ao turismo, e o conjunto em harmo-nia gere emprego, renda e qualidade de vida. Mas o ponto importante definir a vocao e tomar as me-didas de forma planejada e perene em sua direo. No possvel seguir uma vocao dando cabea-da, cada hora em uma direo, sem coordenao, mudando a inclinao toda hora. Acredito fir-memente na nossa voca-o turstica. No passado houve investimento nesta vocao, abandonados por governos seguintes, hoje resumida atuao isolada de empresrios locais, sem o apoio necessrio, verda-deiros heris. Vrios so os as-pectos que chamam aten-o para a nossa vocao turstica: nossa histria,

    nossa geografia, a proxi-midade com grandes cen-tros. H algum tempo no vejo aes neste sentido. Vejo cabeadas. Um bom exemplo a Estrada Real, bastante desenvol-vida em Minas Gerais, a ponto de em Paraba do Sul as placas referentes Estrada Real pertencerem propaganda do governo de Minas. Quem por aqui passa ou chega, pensa que est em Minas, basta ver as placas no Jardim Velho ou na rodoviria. Uma ver-gonha. A nossa identidade jogada fora. No conheo divulgao e muito menos ao na nossa cidade. A definio da nossa vocao a ferra-menta para impulsionar o nosso futuro. Hoje s po-demos falar do futuro, pois o presente est indo embo-ra, nada foi feito.Agradeo ao amigo Pre-sidente a mais essa opor-tunidade e ao ouvinte que no conheo pelo tema, esperando ter fica-do altura de sua parti-cipao no Programa A Hora da Verdade.

    Cordiais saudaes,Floriano Peixoto

    Carta ao PresidenteA vocao impulsionando o futuro

    Confesso que ando bem cansado. Todos os dias reclamaes de falta de limpeza, capi-na, asfalto e outras coisas mais simples. Toda semana uma denncia grave, principalmente na rea de sade. A incompetncia generali-zada do governo Marcinho conhecida. Mas, a falta de capacidade em resolver os proble-mas que no param de surgir, incomoda muito mais. Completaremos sete meses de Jornal Na Hora Certa no prximo dia 13. So, con-tando com esta, 28 edies recheadas de de-nncias da populao, uma mdia de 15 no whatsapp por edio; matrias mostrando o descaso em todas as reas; e o governo no resolveu praticamente 10%; o que prova a in-capacidade administrativa. Em nossa primeira edio, de 13 de fe-vereiro, denunciamos a falta de fitas de glice-mia para os pacientes da cidade portadores de diabetes. Resolveram o problema na semana seguinte, mas logo depois o desdm se repe-

    tiu. Em maro mostramos a frota municipal totalmente sucateada; nesta edio, seis me-ses depois, a mesma coisa. Evidenciamos o abandono de diversos bairros, como Amap, Liberdade e Eldorado e mais uma vez, NADA! J teve verba bloqueada, dvida em 2014 ul-trapassando R$ 10 milhes; obras inacaba-das e muitas promessas que saram da boca do prefeito e se perderam no tempo, nenhuma parede levantada. A sade o grande problema da cidade, demonstrado em duas pesquisas encomenda-das pelo jornal. E o que mudou? Nem a secre-tria. E pe a culpa na crise. Fala que o pas est ruim, que isso respinga na prefeitura e quer justificar o que s tem uma explicao: incompetncia administrativa. O prefeito Marcinho agora usa a estra-tgia de desvincular seu nome ao governo. Se-ria como dizer assim: O governo ruim, mas o Marcinho legal. No ! A caneta sua! As decises so suas! A equipe sua e foi voc quem escolheu! A culpa sua!

    Inventou a tal da Caravana da Mudan-a. Vai de bairro em bairro, monta tenda, finge que vai resolver, marca um monte de coisas, faz mais promessas, promete at casa prpria, tira bastante foto e posta nas redes sociais. A caravana passa, os problemas voltam. No bairro Liberdade foi assim; no Parque Ni-gara, nem a tal praa terminou; e em Santo Antnio levou embora at o tonel de lixo que colocou durante a visita. Eu espero que essa mesma populao que o senhor, prefeito Marcinho, faz sangrar hoje por conta da sua incapacidade adminis-trativa, te d uma bela de uma resposta nas ur-nas no prximo pleito, te proporcionando uma votao to baixa que o sepulte politicamente. Toro por isso para no corrermos o risco de sofrermos mais uma vez.

    Gustavo LealEditor Chefe

  • 304 DE SETEMBRODE 2015 EXCLUSIVO

    POR GUSTAVO LEAL

    Esse o Governo frio, insensvel e desumano do prefeito MarcinhoSul-paraibana denuncia grave episdio com o transporte de pacientes de hemodilise

    Uma grave denncia foi re-alizada pela sul-paraibana Ana Cludia Cardoso em seu Face-book na ltima semana. Todos os dias, pacientes da cidade so transportados para uma clnica, em Trs Rios, para fazer hemodi-lise. O trajeto de apenas oito qui-lmetros deveria ser tranquilo, j que o municpio vizinho e a via-gem dura em mdia 25 minutos. Porm, o que deveria ser calmo se tornou um pesadelo di-rio. Isso porque a ambulncia que transporta os pacientes est em pssimas condies de con-servao. Nas fotos divulgadas por Ana Cludia possvel visu-alizar que o pneu que estourou se encontrava to desgastado que os arames estavam mostra. De acordo com a denunciante, a van constantemente tem que parar em postos de gasolina para calibrar os mesmos. Na ltima sexta-fei-ra (28) um dos pneus explodiu. Confira a denncia