Click here to load reader

Fazenda Pública em Juízo

  • View
    119

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

FAZENDA PUBLICA EM JUIZO

Text of Fazenda Pública em Juízo

  • A FAZENDA PBLICA EM JUZO Leonardo Cunha, 2012. 10 Ed.

    1. A FAZENDA PBLICA 1.1. Conceito de Fazenda Pblica

    Unio, Estados, DF, Municpios, e suas respectivas autarquias e fundaes pblicas. Consrcios tambm. EP/SEM no integram o conceito de Fazenda Pblica.

    1.2. A capacidade postulatria e a Fazenda Pblica

    Em regra feita pelos seus procuradores judiciais, que no precisam de procurao e no podem substabelecer. Nos processos objetivos de controle de constitucionalidade os Governadores de Estado tem capacidade postulatria.

    1.3. Unio e sua representao judicial

    Feita pela AGU. Dentro da AGU temos a PFN, a PGF e a AGU stricto senso. Nos tribunais superiores quem atua o Procurador Geral da Unio, ao passo que no STF o prprio Advogado Geral da Unio.

    Cabe AGU e no PFN a execuo de decises de tribunais de contas. Isto porque tais decises no so inscritas em dvida ativa, j que so ttulos executivos extrajudiciais.

    1.4. Estados e sua representao judicial

    So representados pelos seus Procuradores. A Fazenda Estadual dispe de legitimidade para requerer a abertura de inventrios, devendo ser ouvida sobre a declarao e avaliao de

    bens nesses processos.

    1.5. Municpios e sua representao judicial

    So representados por Procuradores ou por seu Prefeito. Assim, se em um municpio no existir procuradoria, os advogados que a defendero precisaro de procurao do Prefeito.

    1.6. DF e sua representao judicial

    Cabe Procuradoria Geral do Distrito Federal.

    1.7. Autarquias, fundaes pblicas e sua representao Judicial

    Em regra, so representados pela Procuradoria que defende a administrao direta. Contudo, em algumas unidades existe a procuradoria autrquica e fundacional, que rgo especfico para tal desiderato.

    2. PRERROGATIVAS PROCESSUAIS DA FAZENDA PBLICA

    2.1. O princpio da isonomia no processo

    O juiz tem o dever de assegurar s partes um tratamento isonmico. No caso da Fazenda Pblica, o tratamento diferenciado decorre da prpria Lei e do princpio da isonomia.

    2.2. A fazenda pblica e o interesse pblico

    O interesse pblico identifica-se com a ideia de bem comum e reveste-se de aspectos axiolgicos, na medida em que se preocupa com a dignidade do ser humano. A administrao pblica no titular do interesse pblico, mas apenas a sua guardi; ela tem que zelar pela sua proteo. Da a indisponibilidade do interesse pblico.

    2.3. A necessidade de se conferirem prerrogativas processuais Fazenda Pblica

    Quando a Fazenda Pblica est em juzo, ela est defendendo o errio. O volume de trabalho que cerca os advogados pblicos impede, de igual modo, o desempenho de suas atividades nos prazos fixados

    para os particulares. Ademais, enquanto um advogado particular pode selecionar suas causas, recusando aquelas que no lhe convm, o advogado pblico no pode declinar de sua funo, deixando de proceder defesa da Fazenda Pblica.

    3. DOS PRAZOS DA FAZENDA PBLICA 3.1. Classificao dos Prazos

    Prazo o lapso temporal dentro do qual devem os figurantes do processo desenvolverem determinada atividade ou absterem-se de agir.

    3.1.1 Prazos Prprios e imprprios

    Prprios so os prazos fixados para as partes, eis que de sua desobedincia decorrem consequncias de ordem processual, tal como a precluso. Precluso significa perda, extino ou consumao de uma faculdade processual. Pode ser temporal, consumativa ou lgica, a depender do que lhe deu causa.

    J os imprprios so aqueles fixados em lei como mero parmetro a ser seguido.

  • 3.1.2 Prazos Legais

    A Lei prev

    3.1.3 Prazos judiciais

    O juiz determina, por a lei ser omissa, por a lei manda o juiz expressamente determinar ou por a lei estabelecer os parmetros (Misto).

    A fixao do prazo pelo juiz encerra uma deciso interlocutria, podendo dar ensejo a interposio de agravo se causar prejuzo parte. Sendo a lei e o juiz omisso, o prazo de 5 dias.

    3.1.4 Prazos convencionais

    As partes estabelecem, como no caso do pedido de suspenso do processo por at 6 meses.

    3.2. Aplicao do 188 do CPC

    A Fazenda Pblica tem prazo em qudruplo pra contestar e em dobro pra recorrer. Tal regra aplica-se em qualquer procedimento, seja ordinrio, sumrio (apenas para recorrer), especial, cautelar e de execuo. Somente no se aplica o 188, CPC quando h regra especfica fixando prazo prprio. Tal regra s se aplica aos prazos legais, no se aplicando aos prazos judiciais.

    A Fazenda Pblica detm tal prerrogativa tambm quando atua no processo como assistente ou nos outros tipos de interveno.

    3.3. Alguns casos em que no se aplica o art. 188 do CPC

    3.3.1 Peties por meio eletrnico ou por fac-smile (entrega dos originais)

    A apresentao de peties, recursos ou documentos por via fac-smile somente contm eficcia, caso a transmisso seja de boa qualidade e desde que os originais cheguem ao juzo ou tribunal em at 5 dias depois do vencimento do prazo. Prazo de 5 dias simples pra Fazenda.

    3.3.2 Depsito do rol de testemunhas

    Em procedimento ordinrio o juiz determinar o prazo para o depsito do rol de testemunhas. Tal prazo singelo pra FP. J no procedimento sumrio o autor deve apresentar o rol na inicial enquanto o ru deve apresenta-la na contestao.

    3.3.3 Prazo para indicao de assistente tcnico e formulao de quesitos na percia

    Cabe s partes indicar assistente tcnico e formular quesitos no prazo de 5 dias, contado da intimao do despacho de nomeao do perito. Prazo simples pra FP.

    3.3.4 O prazo do art. 526 do CPC

    o prazo para a juntada da cpia do agravo no processo em primeira instncia. simples de 3 dias.

    3.3.5 O prazo para embargos do devedor pela Fazenda Pblica

    O prazo par a FP embargar uma execuo simples, j que os embargos tem a natureza de ao. O prazo de 30 dias.

    3.3.6 Os prazos na ao direta de inconstitucionalidade e na ao declaratria de constitucionalidade

    No se aplica

    3.3.7 Os prazos para o Estado estrangeiro

    Tambm no se aplica

    3.3.8 Os prazos na suspenso de liminar, de segurana ou de tutela antecipada

    O STF no aplica, mas o STJ entende que aplica.

    3.4. Prazo em qudruplo

    3.4.1 Prazo para a Fazenda Pblica apresentar resposta no procedimento ordinrio

    O prazo em qudruplo vale pra contestao, pra reconveno, para a apresentao de excees processuais e para o ajuizamento de ao declaratria incidental.

    3.4.2 Prazo para resposta da Fazenda Pblica no procedimento sumrio

    simples, no se aplica o 188. Todavia, quando for r, os prazos do 277 (antecedncia mnima da citao e prazo para realizao de audincia) devem ser contados em dobro.

    3.4.3 Prazo para a Fazenda Pblica contestar a oposio

    Aplica-se o 188. Prazo em qudruplo.

    3.4.4 Prazo para a Fazenda pblica responder ao rescisria

    No entendimento do STJ e do STF entende-se que aplica. Notar que o prazo para resposta da rescisria um prazo misto, pois deve ser fixado entre 15 e 30 dias. De toda forma, este o entendimento dos Tribunais Superiores.

    3.4.5 Prazo para a Fazenda Pblica responder ao cautelar

  • Aplica-se, tendo portanto um prazo de 20 dias.

    3.5. Inviabilidade da cumulao do Art. 188 com o art. 191, ambos do CPC

    Mesmo que haja litisconsortes com procuradores diferentes, no se aplicar o 191 do CPC. Pelo menos no cumulativamente com o 188.

    3.6. Prazo em dobro

    3.6.1 Prazo para recorrer

    Vale s para os recursos, no valendo para os sucedneos recursais. No possui prazo dobrado para a propositura da rescisria.

    Para interposio de agravo regimental tem prazo em dobro. (Smula 116 do STJ)

    3.6.2 Prazo para responder ou apresentar contrarrazes ao recurso

    Simples.

    3.6.3 Prazo para a Fazenda Pblica interpor recurso adesivo

    uma forma de interposio de 4 espcies recursais, a saber: Apelao, Recurso Especial, Recurso Extraordinrio e embargos infringentes.

    STJ e STF tem o seguinte entendimento: A Fazenda Pblica pode recorrer de forma adesiva com prazo em dobro, mas tem que apresentar as contrarrazes no prazo simples.

    3.6.4 Prazo para a Fazenda Pblica apresentar contrarrazes apelao prevista no art. 285-A do CPC

    Simples, apesar de ser a primeira oportunidade da Fazenda Pblica falar.

    3.7. Aplicao do art. 188 do CPC ao processo do mandado de segurana

    O prazo para a impetrada apresentar informaes, que de 10 dias, simples. Os recursos interpostos pela fazenda, por sua vez, so dobrados. Observe-se que quando o recurso for interposto pela autoridade, esta no gozar do prazo dobrado, mas se impetrado pela pessoa jurdica a que ela pertena sim, temos o prazo especial.

    3.8. Prazo para ajuizamento de ao rescisria

    No se aplica. Todavia, vale ressaltar que existe um prazo especial de 8 anos para ajuizamento de rescisria quando se tratar de sentena que verse sobre a transferncia de terras pblicas rurais.

    4. A PRESCRIO E AS PRETENSES FORMULADAS EM FACE DA FAZENDA PBLICA

    4.1 A prescrio como perda da pretenso

    A prescrio no alcana o direito, nem a ao, mas a pretenso. A pretenso advm da leso de um direito uma prestao. A prescrio constitui matria de interesse pblico.

    4.2 A prescrio em favor da Fazenda Pblica

    Qualquer pretenso que seja formulada em face da Fazenda Pblica est sujeita a um prazo prescricional de 5 anos. Caso se trate de ao anulatria este prazo ser decadencial.

    4.2.1 Aplicao apenas aos entes que integram o conceito de Fazenda Pblica: Smula 39 STJ.

    No esto contempladas as EP/SEM

    4.2.2 Prestaes de trato sucessivo: Smula 85 do STJ

    A prescrio atingir progressivamente as prestaes, medida que completarem os prazos estabelecidos pelo decreto 20.910/32. Esta a regra. A smula 85 do STJ, por sua vez, vai alm, e estabelece que esta regra s se aplica quando a Administrao Pblica no tiver formalmente negado o direito s prestaes sucessivas ao administrado. Nestes casos, conta-se o prazo da negativa.

    4.2.3 Prescrio do fundo do direito: casos em que no se aplica a smula 85 do STJ

    No se aplica nos casos de lei de efeitos concretos, pois aqui o dies a quo ser o dia da publicao da lei. A existncia de leis de efeitos concretos afasta a incidncia da smula 85 do STJ.

    4.3 Interrupo da prescrio em favor da Fazenda Pblica: Inteligncia da Smula 383 do STF

    A prescrio decorre do despacho que ordena citao, mas retroage data da interposio da ao.

    Interrompida a prescrio, recomea a correr, pela metade do prazo, da data do ato que a interrompeu ou do ltimo ato ou termo do respectivo processo, desde que o total no fique aqum de 5 anos.

    4.4 Distino entre prescrio e decadncia: Noes gerais

    Ver material de direito civil

  • 4.5 Anlise, pelo juiz, da prescrio e da decadncia em favor da Fazenda Pblica

    O juiz pode pronunciar de ofcio a prescrio e a decadncia legal. No pode a convencional. OBS.: Nem a decadncia nem a prescrio se sujeitam precluso.

    4.6 Prescrio em aes de indenizao propostas em face da Fazenda Pblica

    A regra do Dec. 20.910/32 : A prescrio quinquenal, ressalvados os casos em que a lei estabelea prazos menores. O cdigo civil estabeleceu prazo menor, qual seja de 03 anos para reparao civil. Assim, a pretenso de reparao civil contra a Fazenda Pblica submete-se ao prazo prescricional de 03 anos e no prescrio quinquenal. VER ISSO AQUI. ACHO QUE 5 anos pelo STJ.

    4.7 Prescrio em execuo proposta em face da Fazenda Pblica

    de 05 anos, contados do transito em julgado da sentena condenatria, o prazo prescricional para a propositura e execuo contra a FP, j que a execuo prescreve no mesmo prazo que a ao. OBS.: No interrompe a prescrio a simples requisio junto repartio pblica de elementos necessrios elaborao da memria do clculo necessrio propositura da execuo.

    5. A FAZENDA PBLICA COMO R 5.1. A citao da Fazenda Pblica

    A regra a do 221: correio, oj, edital, por meio eletrnico. Contudo, quando a fazenda pblica for R, sua citao deve ser feita por oficial de justia. Nos processos eletrnicos, as citaes sero feitas por meio eletrnico.

    5.2. A teoria da aparncia e a citao da Fazenda Pblica

    A teoria da aparncia permite que se tenha por sanada a citao feita em pessoa que aparentemente pudesse ter poderes para t-la recebido. Ex.: Na sede da pessoa jurdica, algum que aparenta ter poderes para receber citao, a recebe.

    No se aplica s citaes feitas a pessoas jurdicas de direito pblico. 5.3. As possveis atitudes do ru

    Uma vez citado, o ru pode: a) reconhecer a procedncia do pedido; b) apresentar resposta; ou c) quedar-se inerte, passando a ser revel. No se tem admitido a fazenda reconhecer a procedncia do pedido.

    5.4. A Revelia da Fazenda Pblica

    A revelia produz 2 efeitos: uma material (presuno relativa de veracidade dos fatos alegados pelo autor, e outro processual (dispensa de intimao do ru para os demais atos do processo). Contra a FP o efeito material no se realiza, por ser o direito indisponvel. Ademais, os atos administrativos gozam de presuno de veracidade, devendo o autor efetivamente provar sua ilegalidade.

    5.5. A contestao apresentada pela Fazenda Pblica

    No se sujeita ao nus da impugnao especificada dos fatos.

    5.6. Desistncia da Ao proposta face a Fazenda Pblica

    O nico ato das partes que no produz efeitos imediatos a desistncia da ao, a qual deve ser requerida por advogado que detenha poderes especiais para tanto. Sua eficcia somente se opera depois de homologada por sentena, que ir extinguir o processo sem resoluo do mrito. A discordncia do ru quanto desistncia da ao deve ser fundamentada. A Lei manda que a FP s concorde com a desistncia se o autor renunciar ao direito

    5.7. O art. 285-A do CPC e sua aplicao nas demandas propostas em face da Fazenda Pblica

    Pelo 285-A, o juiz j profere, desde logo, uma sentena de improcedncia, antes mesmo de ser citado o ru. No h, ento, controvrsia nem matria controvertida. Cabe apelao da sentena, onde o ru ser CITADO para contra-arrazoar. O tribunal pode aplicar a teoria da causa madura.

    Quando houver sentena fundada em smula de tribunal superior, o juiz pode dispensar o reexame necessrio. Tambm tem o poder de no receber apelao nestes mesmo casos.

    6. DESPESAS, HONORRIOS SUCUMBENCIAIS, DEPSITOS JUDICIAIS, CUSTAS, MULTAS E A FAZENDA PBLICA 6.1. Pagamento de despesas no processo

    Despesas = Custas (judicial), emolumentos (no judicial) e despesas e sentido estrito. As custas e emolumentos judiciais apresentam natureza tributria (STF), constituindo uma taxa destinada a remunerar um servio

    pblico posto disposio dos jurisdicionados. Por esta razo a Fazenda Pblica no deve pagar custas e emolumento. A fazenda s arcar com as despesas em sentido estrito. As custas e emolumentos s sero pagos pela FP ao final, se vencida.

    OBS.: A Fazenda Federal, ressalvada a existncia de convnio com o Estado, est sujeita ao pagamento de custas e emolumentos no mbito da justia estadual e de sua atividade cartorria.

    S. 190, STJ: Na execuo fiscal processada perante a justia estadual, cumpre FP antecipar o numerrio destinado ao custeio das despesas com o transporte dos oficiais de justia.

    S 232 STJ: A Fazenda Pblica, quando parte no processo, fica sujeita exigncia do depsito prvio dos honorrios do perito.

    6.2. Honorrios advocatcios

  • A condenao nos nus da sucumbncia ocorre, apenas, quando se julga a causa. A resoluo de um incidente no gera a condenao nos honorrios de sucumbncia (CPC, art. 20, p. 1).

    STJ: Esta corte vem se manifestando, em iterativos julgados, no sentido de que o 4 do art. 20 do CPC expresso ao estabelecer que, nas causas em que for vencida a Fazenda Pblica, o magistrado arbitrar a verba honorria advocatcia conforme sua apreciao equitativa, no devendo se restringir aos limites percentuais inscritos no p. 3 do referido dispositivo legal.

    S. 111, STJ: Os honorrios advocatcios, nas aes previdencirias, no incidem sobre prestaes vencidas aps a sentena.

    6.2.1. Dispensa de honorrios quando no embargada a execuo

    De acordo com o art. 20, 4, o juiz deve fixar honorrios, consoante apreciao equitativa, nas execues, embargadas ou no. Vale dizer que devem ser fixados honorrios na execuo. Havendo embargos do executado, haver fixao de outros honorrios, cujo valor soma-se ao dos honorrios da execuo. O juiz, na execuo, j fixa os honorrios no despacho inicial. Se houver embargos, na sentena fixam-se outros, que somados no podem ultrapassar 20% do valor da condenao/causa.

    O Art. 1-D da Lei 0494/97. No sero devidos honorrios pela FP nas execues no embargadas. (Execues contra a FP em que esta no embargue).

    O STF ao apreciar tal artigo fixou o seguinte posicionamento:

    a) Execuo em que se procede mediante precatrio = aplica o art. 1-D, ou seja, s sero devidos honorrios se a Fazenda Embargar;

    b) Execuo em que se dispensa o precatrio, mas no se aplica a Lei dos Juizados especiais Federais = aqui, haver fixao de honorrios na execuo, embargada ou no;

    c) Execuo em que se dispensa o precatrio, aplicando-se a Lei dos Juizados Especiais Federais = No h fixao dos honorrios, por no haver, sequer, execuo.

    S 345, STJ: So devidos os honorrios advocatcios pela Fazenda Pblica nas liquidaes individuais de sentena proferida em aes coletivas, ainda que no embargadas.

    6.2.2. Honorrios na execuo fundada em ttulo extrajudicial contra a Fazenda Pblica

    No se aplica o art. 1-D nas execues de ttulos extrajudicial contra a FP, cabendo honorrios, embargando ou no.

    6.2.3. A transao celebrada pela Fazenda Pblica e os honorrios sucumbenciais

    Ao celebrarem a transao, devem as partes estabelecer a responsabilidade pelas despesas processuais e honorrios advocatcios. No havendo previso na transao quanto a despesas e honorrios, dispe o art. 26, 2 do CPC, que nesse caso, tais gastos sero divididos igualmente entre os litigantes.

    6.3. O preparo nos recursos

    A desero somente se caracteriza com a ausncia de preparo. Sua insuficincia no rende ensejo ao imediato reconhecimento da desero.

    Esto dispensados de preparo os recursos interpostos pelo MP, U, E, DF, M. Alm de dispensadas de preparo, a FP encontra-se igualmente liberada de depsitos prvio para mesma finalidade.

    6.4. O depsito de 5% previsto no art. 488, II, do CPC para ajuizamento de ao rescisria

    No se deve exigir depsito prvio da Unio, Estados, DF e Municpios, pela letra da lei. As autarquias e fundaes hoje no vem recolhendo tambm, mas por fora judicial, em uma interpretao extensiva da S. 175 do STJ, que libera s o INSS.

    6.5. As astreintes e outras multas. Sua aplicao contra a Fazenda Pblica

    Multas: Infrao de deveres processuais= at 20% sobre o valor da causa (art. 18, 2) com natureza de perdas e danos + 1% do valor da causa como natureza de multa. Tem tambm a astreintes.

    STJ: A cominao de astreintes pode ser direcionada no apenas ao ente estatal, mas tambm pessoalmente s autoridades ou aos agente responsveis pelo cumprimento de determinaes judiciais. uma previso da LACP.

    O STF julgou procedente ADIn para dar interpretao conforme ao Art. 14, p. nico do CPC, estendendo a imunidade dos advogados dos quadros da OAB aos Advogados Pblicos.

    6.6. As multas previstas no pargrafo nico do art. 538 e no pargrafo2 do art. 557, ambos do CPC

    Art. 538. Os embargos de declarao interrompem o prazo para a interposio de outros recursos, por qualquer das partes.

    Pargrafo nico. Quando manifestamente protelatrios os embargos, o juiz ou o tribunal, declarando que o so, condenar o embargante a pagar ao embargado multa no excedente de 1% (um por cento) sobre o valor da causa. Na reiterao de embargos protelatrios, a multa elevada a at 10% (dez por cento), ficando condicionada a interposio de qualquer outro recurso ao depsito do valor respectivo.

  • Art. 557. O relator negar seguimento a recurso manifestamente inadmissvel, improcedente, prejudicado ou em confronto com smula ou com jurisprudncia dominante do respectivo tribunal, do Supremo Tribunal Federal, ou de Tribunal Superior.

    1o-A Se a deciso recorrida estiver em manifesto confronto com smula ou com jurisprudncia dominante do Supremo Tribunal Federal, ou de Tribunal Superior, o relator poder dar provimento ao recurso.

    1o Da deciso caber agravo, no prazo de cinco dias, ao rgo competente para o julgamento do recurso, e, se no houver retratao, o relator apresentar o processo em mesa, proferindo voto; provido o agravo, o recurso ter seguimento.

    2o Quando manifestamente inadmissvel ou infundado o agravo, o tribunal condenar o agravante a pagar ao agravado multa entre um e dez por cento do valor corrigido da causa, ficando a interposio de qualquer outro recurso condicionada ao depsito do respectivo valor.

    O que se questiona se a Fazenda Pblica deve submeter-se a essa exigncia de, tendo sido condenada ao pagamento da multa de 10% na reiterao de embargos de declarao protelatrios ou da multa prevista no 557, 2 do CPC, depositar o valor para que possa interpor qualquer outro recurso.

    O STJ e o STF j enfrentaram o tema entendendo que a FP no se submete a esse depsito prvio para que seja admitido seu recurso em tais hipteses.

    7. DA INTERVENO ANMALA 7.1. Previso legal

    Art. 5, Lei n 9469/97. Art. 5 A Unio poder intervir nas causas em que figurarem, como autoras ou rs, autarquias, fundaes pblicas, sociedades de economia mista e empresas pblicas federais.

    Pargrafo nico. As pessoas jurdicas de direito pblico podero, nas causas cuja deciso possa ter reflexos, ainda que indiretos, de natureza econmica, intervir, independentemente da demonstrao de interesse jurdico, para esclarecer questes de fato e de direito, podendo juntar documentos e memoriais reputados teis ao exame da matria e, se for o caso, recorrer, hiptese em que, para fins de deslocamento de competncia, sero consideradas partes.

    Diferentemente das outras formas de interveno de terceiros, neste tipo de interveno no necessria a demonstrao de interesse jurdico. Bata interesse econmico, mesmo que reflexos. Mesmo que seja causa entre particulares.

    7.2. A interveno anmala (pargrafo nico do art. 5 da Lei n 9.469/1997) 7.2.1. Requisitos

    Deve haver intimao das partes para que se manifestem sobre a interveno. Como j dito, no necessria a demonstrao de interesse jurdico.

    7.2.2. Poderes do interveniente

    Tem sua atuao limitada ao esclarecimento de questes de fato e de direito, podendo juntar memoriais teis ao exame da matria. No tem poderes pra contestar, mas tem para recorrer, afim de garantir o seu interesse econmico. Quando houver recurso, se tornar parte para fins de deslocamento de competncia.

    7.2.3. Aquisio da condio de parte: interposio de recurso

    Depende da mera interposio de recurso.

    7.2.4. Modificao da competncia.

    Na interveno anmala a FP no adquire a condio de parte, apenas ocorrendo quando e se recorrer, hiptese em que modificar-se- a competncia. Caso ela intervenha normalmente, como assistente, opoente, etc., da sim, haver deslocamento de competncia. O prazo tem o mesmo termo inicial do prazo para recurso das partes.

    Surgiu um impasse: Quem deveria julgar o recurso? O STJ entendeu que cabe ao TRF julgar o recurso da sentena proferida pela justia estadual nas hipteses dessa interveno anmala de ente Federal. Quem dever executar a deciso a JF.

    7.2.5. Possibilidade de o terceiro interveniente ajuizar pedido de suspenso de liminar

    possvel. Apesar do pedido de suspenso no ser um recurso, o STF e o STJ entenderam que existe um poder inerente ao de julgar que o de acautelar, apta a garantir o resultado til do processo principal. So, portanto, indissociveis.

    7.2.6. Submisso coisa julgada

    Se recorrer e, consequentemente, se tornar parte, ficar sujeita coisa julgada.

    7.2.7. Legitimidade do terceiro interveniente para ajuizamento de ao rescisria

  • Poder ajuizar rescisria, eis que ter legitimidade ativa para tanto. Claro que tal poder s ocorrer se tiver se tornado parte recorrendo, se no, no ter legitimidade para ajuizar rescisria alegando mero interesse econmico, ainda que a sentena tenha sido prejudicial a uma de suas autarquias.

    7.2.8. Procedimento em que admissvel

    Cabe no ordinrio, sumrio e especial, no cabendo em execuo nem nos JECs (sumarssimo).

    7.2.9. Cabimento no mandado de segurana

    O STJ vem entendendo que no possvel tal interveno. Cassio Scarpinella entende ser possvel caso no haja necessidade de dilao probatria.

    8. DA DENUNCIACO DA LIDE PELA FAZENDA PBLICA

    8.1. A denunciao da lide e suas hipteses de cabimento

    Evico, casos em que o possuidor direto ter ao de regresso contra o indireto e casos de ao regressiva genrica.

    8.2. Obrigatoriedade da denunciao apenas na hiptese do inciso I do art. 70 do CPC?

    No primeiro caso, o da evico, doutrina e jurisprudncia mais modernas, numa virada de entendimento, entendem que o no oferecimento de denunciao no pode levar perda do direito material em tese, no sendo portanto, obrigatria.

    8.3. A economia processual como justificativa da denunciao da lide

    O fundamento resolver duas demandas em um s processo. O indeferimento da denunciao enseja interposio de agravo de instrumento, e no retido.

    8.4. A denunciao da lide prevista no inciso III do art. 70 do CPC: no cabimento quando h agregao de elemento novo,

    contrariando a economia processual

    No caso de denunciao da lide do inciso III, este no deve ser admitido caso necessite da realizao de outras provas alm daquelas que sero produzidas em razo da prpria necessidade instrutria do feito principal, em face da introduo de elemento novo.

    8.5. Possibilidade de denunciao da lide pela Fazenda Pblica

    Como a responsabilidade da FP em regra objetiva, e a do servidor que cause dano subjetiva, a FP no poderia denunciar a lide o servidor, pois estar-se-ia agregando elemento novo no processo. Contudo, h casos em que a responsabilidade da FP subjetiva (notadamente os casos de omisso, onde se aplica a faute du service). Nestes casos pode-se admitir a denunciao, haja vista que a averiguao de culpa h de ser demonstrada de qualquer forma pelo autor. No estaria ferido o pressuposto da economia processual. Ademais, no geraria o retardamento do processo.

    9. DO REEXAME NECESSRIO 9.1. Noes histricas

    Surgiu como recurso de ofcio. O CPC/73, tirou sua feio recursal e modificou o nome para reexame necessrio. Originalmente cabia contra sentena que anulasse o casamento, que fosse proferida conta UEDFM e respectivas autarquias e fundaes de direito pblico (no cabe para EP/SEM), ou que julgasse procedentes os embargos execuo opostos contra a FP.

    9.2. Natureza jurdica

    Tem vrias correntes, a que predomina, no entanto, a de condio de eficcia da sentena.

    9.3. Hipteses de cabimento 9.3.1. Sentenas proferidas contra a Fazenda Pblica

    Cabe apenas no caso de sentenas, no atingindo decises interlocutrias. Em caso de reconveno ou declaratria incidental tambm cabe. Sentenas proferidas contra a FP, ainda que seja apenas relativa a honorrios de sucumbncia.

    9.3.2. O sentido da expresso sentena proferida contra alcana as sentenas terminativas?

    A jurisprudncia do STJ no admite o reexame necessrio relativamente s sentenas terminativas. Todavia, Candido Rangel Dinamarco entende cabvel, pois basta que seja desfavorvel, no cabendo averiguar se de mrito ou no.

    9.3.3. Sentenas no processo de conhecimento que formem ttulo executivo contra a Fazenda Pblica: no sujeio ao reexame da sentena que julgar os embargos execuo no fiscal

    Entendimento do STJ e acompanhado pela maioria da doutrina de que incabvel reexame contra sentena que julga improcedentes embargos execuo opostos pela FP, porque o 475, II se aplica execuo de dvida ativa. Contudo at 99/00 o STJ ainda entendia que era cabvel independente do processo.

    9.3.4. Sentena eu acolhe, no todo ou em parte, os embargos execuo fiscal

    Mesmo que acolha somente parte dos embargos deve-se submeter ao reexame.

    9.3.5. Sentena proferida em processo no qual a Fazenda Pblica figura como assistente simples do ru

  • Alguns autores consideram assistente como parte, no entanto a maioria insere a assistncia no rol das intervenes de terceiro, pois o assistente no figura como parte, mas como terceiro. No caso da FP ser assistente simples, no haver sentena contra ela proferida, no sendo hiptese, portanto, de reexame necessrio.

    9.4. Procedimento

    O juiz deve determinar expressamente, na sentena, que sejam os autos enviados ao tribunal para que reste reapreciada pelo rgo colegiado, haja ou no apelao. Em vista da provocao de qualquer das partes, ou at mesmo de ofcio, poder o Presidente do Tribunal avocar os autos. No h precluso. Como no recurso, no est sujeito a preparo nem admite contrarrazes. Tambm incabvel recurso adesivo.

    Aplica-se o 552 do CPC, devendo seu julgamento ser includo em pauta, com a publicao antecipada de pelo menos 48 horas, sob pena de nulidade. OBS.: Historicamente sempre se admitiu Embargos Infringentes de acrdo que julgasse reexame necessrio, contudo o STJ firmou seu entendimento no sentido oposto, redigindo inclusive smula nesse sentido (390). OBS2.: No possvel o reformatio in pejus.

    9.5. Hipteses em que pode ser dispensado o reexame

    Dispensada nos casos em que a condenao, ou o direito controvertido, for de valor certo no superior a 60 SM (inclusive), em qualquer das duas hipteses de cabimento. Caso haja reunio de vrias execues, deve ser considerado o valor de cada dvida individualmente.

    Essa expresso valor certo gerou divergncia: Uns entendiam que em caso de sentena ilquida, deveria se observar o valor da causa atualizado at a data da sentena pra saber se seria ou no caso de reexame. Hoje o entendimento do STJ firme no sentido de que deve haver o reexame necessrio de sentenas ilquidas.

    O relator, por deciso monocrtica, pode negar seguimento ao reexame ou recurso caso haja smula ou Jurisprudncia dominante do prprio tribunal que ele faz parte, ou de Tribunal Superior. O relator tambm pode dar provimento, em deciso singular, ao recurso ou reexame necessrio caso haja smula ou jurisprudncia dominante de tribunal superior, somente. J para que o juiz de primeira instncia dispense o reexame, preciso que haja smula de Tribunal Superior ou Jurisprudncia do Pleno do STF.

    OBS.: Para Unio, pode haver dispensa de reexame caso o AGU ou outro rgo haja editado sumula ou instruo normativa determinando a no interposio de recurso voluntrio.

    9.6. A necessidade de determinao do reexame pelo juiz; meios de impugnao contra a dispensa da determinao

    O juiz poder, ento, dispensar reexame necessrio, em deciso fundamentada inerida na prpria sentena. Caber FP, nesse caso, interpor apelao, requerendo nas prprias razes recursais, caso no concorde com a dispensa, que o tribunal proceda ao reexame necessrio, demonstrando a inaplicabilidade do pargrafo 2 ou do pargrafo 3 do art. 475 do CPC, conforme o caso.

    9.7. Recurso especial em reexame necessrio

    O STJ entende ser cabvel o recurso especial em reexame necessrio. No h, portanto, qualquer tipo de precluso na ausncia de apelao.

    Observe que no e sustenta o argumento de que como a FP no apelou, haveria precludo seu direito de recorrer. Ora, a revelia tambm se caracteriza por ser um ato-fato, de sorte que irrelevante a vontade da parte; no se investiga sua vontade. No h, portanto, precluso lgica no ato de o revel recorrer, pois no h vontade manifestada que possa contrariar ou ser logicamente impeditiva de um recurso posterior. No h condutas contraditrias. No h vontade manifestada.

    10. A FAZENDA PBLICA E AS CAUTELARES E LIMINARES

    10.1. O conceito de medida liminar

    Qualquer medida, enfim, que seja deferida, inicialmente, preliminarmente, liminarmente, no incio do processo, sem que haja prvio contraditrio, constitui uma medida liminar.

    10.2. Distino entre medida cautelar e ao cautelar

    Se for ao, ir formar um processo, com citao e desenvolvimento prprio, encerrando-se por meio de uma sentena. Em se tratando de uma medida, consistir numa providncia contida no mbito de qualquer processo, inclusive numa ao cautelar. A medida cautelar sempre far referencia a um resultado principal da demanda. J a tutela antecipada traz o que seria o momento final do processo para um momento anterior. A depender da referibilidade ou da satisfatividade do provimento, teremos uma cautelar ou uma tutela antecipada.

    10.3. Medidas e aes cautelares contra a Fazenda Pblica

    O STF entende que a jurisdio contem o chamado poder de acautelar, motivo pelo qual se confere ao magistrado instrumentos para garantir a efetividade de seu mister de julgar.

    O sistema brasileiro adota, assim como o ingls, uma jurisdio una. Em tais sistemas, h algumas restries quanto efetividade de comandos judiciais dirigidos contra a Administrao Pblica, em razo do princpio da separao dos poderes, de vez que o Judicirio no poderia coarctar a atividade dos demais Poderes constitudos.

    10.4. Restries quanto concesso de liminares ou cautelares contra a Fazenda Pblica

    possvel liminar em mandado de segurana. Contudo sua concesso sofre restries previstas na LMS.

    Art. 7 2o No ser concedida medida liminar que tenha por objeto a compensao de crditos tributrios, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificao ou equiparao de servidores pblicos e a concesso de aumento ou a extenso de vantagens ou pagamento de qualquer natureza.

  • Nesses casos, alm de no ser possvel a concesso da medida liminar, no se possibilita a execuo provisria do julgado, devendo-se aguardar o transito em julgado da sentena, tendo efeito suspensivo a apelao contra esta interposta, tal como determina o p. 3 do art. 14 da LMS.

    Art. 14 3o A sentena que conceder o mandado de segurana pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concesso da medida liminar.

    Observar que caso haja supresso de uma vantagem , caber a liminar, pois no se trata de concesso, mas de restaurao ou recomposio de vantagem. Quanto liberao de mercadorias, a mens legis de proteger o meio ambiente, a sade pblica, etc. Se a apreenso constituir meio coercitivo de cobrana de tributo, caber a liminar. expressamente vedada, pela Lei n 8437/92, a concesso de liminares em aes cautelares quando impugnado ato de autoridade sujeita, na via de MS, competncia originria de tribunal. Ex.: MS contra ato de Presidente da Repblica deve ser impetrado do STF. Uma cautelar proposta em primeira instncia face a Unio em razo de ato praticado pelo Presidente da Repblica desrespeita a regra de competncia, devendo ser proposta no STF. Isto porque a liminar eventualmente concedida, constrangeria o PR a cumprir deciso de Juiz de primeira instncia. 1 No ser cabvel, no juzo de primeiro grau, medida cautelar inominada ou a sua liminar, quando impugnado ato de autoridade sujeita, na via de mandado de segurana, competncia originria de tribunal. OBS.: Esta restrio no se aplica aos casos em que o mandado de segurana for incabvel, podendo a parte fazer uso normalmente da cautelar, e nesta ser concedido um provimento liminar. Por fim, na vedao das liminares para compensar crditos tributrios, o STJ entende que a vedao de liminar para compensar crditos tributrios e previdencirios alcana, inclusive, aqueles constitudos em razo de lanamento por homologao, sendo recomendvel, a propsito, reportar-se aos seguintes julgados.

    10.5. Prerrogativas da Fazenda Pblica quanto a liminares em aes possessrias e em arresto cautelar

    A cautelar de arresto tem como requisitos: prova literal da dvida lquida e certa e prova documental ou justificao de algum dos casos do 813 do CPC. O Juiz conceder arresto independente de justificao prvia se o credor prestar cauo. Caso o credor seja, porm a FP no se exige a cauo para que se possa conceder o arresto independente de justificao prvia. E as possessrias sero concedidas sem ouvir no ru se tudo estiver nos conformes.

    Sendo r a FP na ao possessria, no ser concedido sem o contraditrio prvio. Se concedida, ser nula.

    10.6. Consequncias da revogao da cautelar

    O requerente responde pelos prejuzos da cautelar. Tal responsabilidade objetiva, ou seja, independe de culpa.

    10.7. Da medida (rectius, ao) cautelar fiscal: noes gerais

    Cabe nos casos de dvida ativa tributria, no tributria e previdenciria. Para propositura no necessria a constituio definitiva do crdito tributrio. A cautelar fiscal no necessariamente prvia execuo. Deve haver prova literal da dvida e documental de que o cara esteja querendo fraudar. Se o requerido for pessoa jurdica, a concesso gera indisponibilidade somente sobre os bens do ativo permanente.

    Pode excepcionalmente ser estendida aos bens do acionista controlador e aos dos que, em razo do contato social ou estatuto, tenham poderes para fazer a empresa cumprir suas obrigaes. Depende contudo, da comprovao do excesso de mandato, infrao lei ou ao regulamento, seguindo-se a mesma sistemtica da execuo fiscal.

    Se concedida em procedimento preparatrio a FP deve propor a execuo fiscal em 60 dias contados da data em que a exigncia se tornar definitiva na esfera administrativa (e no da efetivao da cautelar). Caso a sentena decrete a cautelar fiscal, caber apelao sem efeito suspensivo. Cabem honorrios advocatcios.

    11. DA ANTECIPAO DE TUTELA CONTRA A FAZENDA PBLICA 11.1. O princpio da adequao do procedimento e a tutela de urgncia como tutela diferenciada

    A tutela jurisdicional pleiteada pela parte autora h de ser proferida em procedimento adequado satisfao do interesse material ou do direito subjetivo a que se visa proteger. Justia tardia no justia. Quando o texto constitucional assegura o livre acesso justia, est a garantir uma prestaoo jurisdicional efetiva e tempestiva, sem desgaste resultante das mazelas de uma insuportvel demora na entrega da tutela.

    11.2. A tutela antecipada genrica (CPC, art. 273) e a tutela antecipada especfica (art. 461 e 461-A): seu cabimento contra a Fazenda Pblica

    Para eliminar o uso anmalo das cautelares, e atender ao interesse de urgncia, criou-se tutela antecipada prevista no 273 do CPC, com requisitos um pouco mais exigentes que os da cautelar. Ao invs do fumus, passou-se a exigir a verossimilhana da alegao fundada em prova inequvoca, devendo haver um risco de leso ou, alternativamente, um manifesto propsito protelatrio do ru. A esses requisitos acresce um pressuposto negativo: a ausncia de irreversibilidade do provimento antecipatrio.

    Criou-se tambm a tutela antecipada especfica, nos arts. 461 e 461-A.

    No se sujeitam ao reexame necessrio as decises interlocutrias proferidas contra a Fazenda pblica.

    Se vedada a antecipao de tutela contra o poder pblico nos casos previstos na 9.494/97 e 12.016, significa que, nas hipteses no alcanadas pela vedao, resulta plenamente possvel deferir a tutela antecipada face a Fazenda Pblica.

    11.3. A tutela antecipada pela incontrovrsia da demanda (CPC, art. 273, pargrafo 6): possibilidade contra a Fazenda Pblica?

  • Art. 273 pargrafo 6: A tutela antecipada tambm poder ser concedida quando um ou mais dos pedidos cumulados, ou parcela deles, mostrar-se incontroverso.. Na hiptese desse pargrafo no necessrio o requerimento expresso da parte interessada.

    A constatao da incontrovrsia no permite, com efeito, a resoluo parcial do mrito ( a natureza desse pargrafo, para doutrina) contra a Fazenda Pblica. Havendo a simples incontrovrsia, dever o demandante, ainda assim, comprovar suas alegaes, eis que a revelia no produz efeitos contra a Fazenda, a qual no est sujeita igualmente ao nus da impugnao especfica dos fatos. preciso que, alm da incontrovrsia, a matria de mrito seja unicamente de direito ou que os fatos alegados estejam todos eles, suficientemente comprovados por documentos.

    Toda vez que se veda a tutela antecipada, o que se est vedando, em verdade, a execuo provisria do julgado, somente se admitindo a execuo definitiva.

    11.4. A unificao do sistema de tutelas de urgncia: aplicao tutela antecipada das mesmas restries relativas a liminares e cautelares contra a Fazenda Pblica

    Ao 273 se aplicam as mesmas vedaes da LMS, da 9494/97 e da 8437/92.

    Deste modo, no se afigura cabvel a tutela antecipada contra a Fazenda Pblica nos seguintes casos:

    a) Quando tiver por objetivo a reclassificao ou equiparao de servidores, ou a concesso de aumento ou extenso de vantagens. A sentena que verse sobre essas matrias s se executa de modo definitivo. OBS.: A vedao aqui deve ser interpretada restritivamente, no alcanando as causas de natureza previdenciria, nem se aplicando para restaurao de vantagens suprimidas.

    b) Quando providncia semelhante for vedada por vedao legal. c) Quando impugnado, na primeira instncia, ato de autoridade sujeita, na via de MS, competncia originria de tribunal. Contudo, esse

    bice s existe se for cabvel MS. Se no for, no tem problema a concesso da tutela antecipada. d) Quando a medida esgotar, no todo ou em parte, o objeto da ao. Aqui se est a falar do risco de irreversibilidade. e) Para compensar crditos tributrios ou previdencirios f) Para entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior.

    11.5. Meios de impugnao contra a deciso que concede antecipao de tutela contra a Fazenda Pblica nos casos em que vedada

    pela Lei n 9.494/1997

    Caber Agravo de instrumento e pedido de suspenso. Cabem inclusive cumulativamente. Ainda poder ser concedida a tutela antecipada em uma das hipteses vedadas pela 9494/97. No viola o princpio da unirrecorribilidade pois o pedido de suspenso no recurso e a reclamao tbm no.

    11.6. Consequncias da revogao da tutela antecipada: restituio ao estado anterior

    cedio, no STJ, que a teoria do fato consumado no se aplica aos casos em que o candidato participou do concurso por fora de liminar. Caso seja concedida antecipao para o pagamento de benefcio previdencirio ou impor acrscimo de vantagem, caso cassada a liminar, o requerente dever restituir os valores recebidos. Observe que a partir do julgamento do REsp 991.030/RS, o STJ passou a entender que a necessidade de retorno ao status quo ante no se aplicaria s demandas previdencirias. Em resumo, revogada a tutela antecipada, deve haver o retorno ao estado anterior, salvo se a questo for previdenciria. Segundo Leonardo Cunha, no se deve, contudo, generalizar o entendimento, sendo que se no caso concreto no houver as peculiaridades verificadas no referido REsp, no havendo segurana jurdica proibir a retroao dos efeitos da revogao da deciso antecipatria, deve, ento, ser promovida a repetio do indbito.

    11.7. Tutela antecipada contra a Fazenda Pblica em causas repetitivas

    Deciso concessiva de tutela antecipada que se apoie em entendimento j consolidade no STF no sofre a incidncia do disposto no at. 1 da 9494, podendo haver detemriniao ao pagamento imediato de vantagens.

    Se o STF firmou um entendimento a respeito de determinado tema, cabe ao poder pblico respeitar a orientao da Corte Suprema, estendendo a todos os demais que se encaixem na mesma situao. A tutela s no ser concedida, se a situaoo do servidor ou interessado no se ajustar ratio decidendi do precedente firmado, cabendo FP demonstrar um distinguishing, overruling overriding.

    12. A FAZENDA PBLICA NA AO DE EXECUO

    12.1. Execuo em face da Fazenda Pblica

    No caso de execuada FP no sero aplicadas as regras de cumprimento de sentena, no havendo adoo de medidas exproprieatrias para satisfao do crdito.

    12.1.1. Execuo por quantia certa fundada em ttulo judicial em face da Fazenda Pblica

    Continua sendo uma execuo autnoma, cabendo embargos do devedor, cuja natureza de ao est mantida. Se ilquida, aplica-se as regras de liquidao do cumprimento de sentena, terminando com deciso interlocutria atacada por agravo de instrumento. E s. OBS.: Demanda relativa a acidente em via terrestre com carro da FP, o procedimento sumrio e a sentena tem, obrigatoriamente, ser lquida (Art. 475-A, pargrafo 3). Ainda que a apelao interposta tenha duplo efeito, poder ser iniciada a liquidao da sentena. A expedio do precatrio depende de T em J. Este necessrio somente para expedir, mas a execuo pode ir andando sem o T em J.

    Executada a FP, esta citada para opor embargos em 30 dias, os quais somente podero versar sobre as matrias previstas no 741 do CPC. Os embargos devem ser recebidos no efeito suspensivo. O exequente ser ouvido em 15 dias. Julgados os embargos opostos pela Fazenda Pblica, a sentena no est sujeita a reexame necessrio, vez que o reexame j foi procedido em relao sentena do anterior processo de conhecimento, alm de o art. 475, II do CPC aludir, apenas, a embargos opostos execuo fiscal, excluindo-se os opostos execuo no fiscal, ou seja, fundada em sentena condenatria.

    Se o juiz rejeitar liminarmente os embargos, tem-se sentena terminativa. caso anlogo ao indeferimento de inicial. Com isto quer dizer que a apelao interposta o ser nos moldes do 296, ou seja, no ensejando contrarrazes e permitindo o juzo de retratao. Acolhidos os embargos, no mrito, a apelao tem duplo efeito. Tambm ter duplo efeito a apelao contra a sentena que rejeite os embargos, no mrito.

  • 12.1.2. A defesa da Fazenda Pblica na execuo contra ela movida: os embargos execuo

    Executada a FP, esta citada para opor embargos em 30 dias, os quais somente podero versar sobre as matrias previstas no 741 do CPC. Os embargos devem ser recebidos no efeito suspensivo. O exequente ser ouvido em 15 dias. Julgados os embargos opostos pela Fazenda Pblica, a sentena no est sujeita a reexame necessrio, vez que o reexame j foi procedido em relao sentena do anterior processo de conhecimento, alm de o art. 475, II do CPC aludir, apenas, a embargos opostos execuo fiscal, excluindo-se os opostos execuo no fiscal, ou seja, fundada em sentena condenatria.

    Se o juiz rejeitar liminarmente os embargos, tem-se sentena terminativa. caso anlogo ao indeferimento de inicial. Com isto quer dizer que a apelao interposta o ser nos moldes do 296, ou seja, no ensejando contrarrazes e permitindo o juzo de retratao. Acolhidos os embargos, no mrito, a apelao tem duplo efeito. Tambm ter duplo efeito a apelao contra a sentena que rejeite os embargos, no mrito.

    12.1.2.1. Contedo dos embargos execuo opostos pela Fazenda Pblica

    12.1.2.1.1. Observao inicial

    A restrio de matrias a que se fez referencia, (741) no se aplica nos casos de execuo contra a FP de ttulo extrajudicial.

    12.1.2.1.2. Falta ou nulidade da citao, se o processo correu revelia

    Cabe tambm a querela nullitatis.

    12.1.2.1.3. Inexigibilidade do ttulo

    Inexequibilidade do ttulo, por faltar os atributos da obrigao, qual seja, certeza e liquidez.

    12.1.2.1.4 Ilegitimidade das partes

    No pode alegar ilegitimidade para a demanda cognitiva.

    12.1.2.1.5 Cumulao indevida de execues

    Para que se cumule preciso que o juzo seja absolutamente competente para process-las, devendo todas se sujeitar ao mesmo procedimento. O exequente poder desistir de uma das execues, prosseguindo quanto s demais.

    12.1.2.1.6 Excesso de execuo (743)

    Se usar este argumento h obrigatoriedade de declarar o valor que entende correto. Esse o entendimento do STJ. O Leonardo entende que a FP no teria esse dever, pois na verdade estar-se-ia a tratar de sentena ilquida, devendo ser promovida a liquidao.

    As hipteses do II e III do 743 so de obrigao especfica. Para obrigao especfica, quando o ttulo for judicial, mesmo contra a FP caber o cumprimento de sentena.

    12.1.2.1.7. Qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigao, como pagamento, novao, compensao, transao ou prescrio, desde que superveniente sentena.

    Qualquer fato superveniente que impea, modifique ou extinga a obrigao pode ser alegado pela Fazenda Pblica em seus embargos execuo. Pode ser uma transao superveniente. Se a transao se der aps o trnsito em julgado dos embargos, ser homologada pelo juiz de piso, que prosseguiria com a execuo.

    12.1.2.1.8 Incompetncia do juzo da execuo, bem como suspeio ou impedimento do juiz

    Ao juzo prolator da sentena no cabe mais investigar sua competncia. que, proferida a sentena, o juiz no pode mais alter-la (CPC, ART. 463), NEM MESMO PARA RECONHECER SUA INCOMPETNCIA ABSOLUTA. Ainda que a sentena tenha sido proferida por juzo absolutamente incompetente, no se permite mais que tal incompetncia possa ser discutida aps o trnsito em julgado, salvo em rescisria, mas no na execuo ou nos embargos opostos pelo executado. (OBS... Acho que houve algum erro com o autor, porque o 741, VII e o 742, parecem admitir essa discusso nos embargos)( ver se a distino no algo do tipo: incompetncia na formao do ttulo a ser executado (no poderia) mas se ttulo perfeito proposta a execuo em lugar incompetente, poderia)

    A exceo de incompetncia deve ser apresentada junto com os embargos. Se apresentada antes, no suspender o curso da execuo.

    12.1.2.1.9. Sentena fundada em lei ou ato normativo reputado inconstitucional pelo STF

    um caso de desconstituio da coisa julgada intraprocessual. Quem tem essa competncia o juiz que proferiu a deciso dita inconstitucional.

    Na lio de Zavascki so apenas 3 os vcios de inconstitucionalidade que permitem a utilizao desse mecanismo: a) Aplicao de lei inconstitucional; b) Aplicao de lei a situao considerada inconstitucional; ou c) Aplicao da lei com um sentido (= uma interpretao) tido por inconstitucional.

    A deciso do STF pode ter sido resultado de controle difuso ou concentrado, desde que proferido pelo Pleno. A deciso do STF tem que ser anterior formao do ttulo judicial e a lei essencial para a procedncia do Pedido.

    12.1.2.2. Valor da causa nos embargos execuo opostos pela Fazenda Pblica

    a totalidade do proveito econmico. Se contra toda a execuo, ser o valor da execuo. Se alegado excesso, versar s sobre a parte contestada.

    12.1.2.3. Embargos de segunda fase

    Na execuo contra a FP no cabem embargos de segunda fase, sendo, entretanto, perfeitamente cabveis no mbito da execuo fiscal.

  • 12.1.3. Os crditos de natureza alimentcia

    Com a CF/88 passou a haver 2 ordens cronolgicas: uma para os crditos de natureza alimentcia e outro pros demais. Depois da EC 62/09 passou a existir 3 ordens, sendo uma dentro da natureza alimentcia, qual seja os alimentcios titularizados por idosos ou portadores de doena grave, at o valor de 3x o RPV, admitindo-se o fracionamento para essa finalidade. Os honorrios, sejam eles sucumbenciais ou contratuais so verbas alimentares.

    12.1.4. Natureza jurdica da atividade do presidente do tribunal no precatrio

    Reveste-se de natureza administrativa. Tanto STF quanto STJ assim entendem. No cabe RE contra deciso proferida no processamento de precatrios.

    12.1.5. Atualizao monetria e juros no pagamento do precatrio

    Atualmente no mais possvel a expedio de precatrio complementar para a obteno de diferenas de correo monetria. Art. 100 5 manda atualizar monetariamente os valores no ato do pagamento. Observar que se pago at o final do exerccio seguinte ao que foi inscrito (se antes de 1 JUL) a FP ainda no est em mora, no incidindo juros moratrios na atualizao. STJ entende que se a sentena determinar a aplicao de juros moratrios neste caso especfico, a FP deve impugnar em tempo, pois se assim transitar em julgado, assim dever ser cumprida. Cabe RCL pro STF, pois ele cristalizou esse entendimento em Sumula Vinculante.

    12.1.6. Sequestro: natureza e objeto

    possvel sequestro da verba no caso de preterio da ordem de inscrio. Na verdade um arresto. No cautelar, satisfativo. Doutrina entende que pode ser sequestrada a verba tanto da FP quanto do patrimnio do credor furo, havendo a um litisconsrcio. Este sequestro no pode ser determinado de ofcio, devendo haver requerimento do credor.

    12.1.7. Interveno federal e estadual

    S se no pagou por que quis.

    12.1.8. Casos de dispensa de precatrios

    Aos E/DF/M cabe fixar o limite considerado pequeno valor pra RPV. Pelo ADCT ser 40 sm pra E/DF e 30 pra M. Tanto precatrio quanto RPV devem ser processadas via Presidente do Tribunal. Em caso de litisconsrcio, dever ser considerado o valor devido a cada um deles.

    12.1.9. Parcelamento e financiamento de precatrios

    Ver como ficou essa questo aps a deciso do STF de 2013.

    12.1.10. Os precatrios e a prioridade de tramitao de processos para idosos e para portadores de doena grave

    So as doenas que levam iseno do IR. Lembre-se, at o limite de 3x o valor do precatrio.

    12.1.11. Execuo provisria contra a Fazenda Pblica: Possibilidade?

    possvel, mas apenas para o processamento da demanda executiva, no sendo possvel a expedio do precatrio.

    12.1.12. Execuo por quantia certa fundada em ttulo extrajudicial contra a Fazenda Pblica

    Observar que execuo extrajudicial possvel sempre definitiva. STJ.

    12.1.13. Certido negativa de tributos como requisito para o pagamento de precatrio judicial

    Inconstitucional. ADI 3.453/DF.

    12.1.14. Abatimento, a ttulo de compensao, no valor do precatrio de dbitos para com a correspondente Fazenda Pblica

    O juiz da execuo, antes de expedir o precatrio deve determinar a intimao da FP para que esta informe se h dbito para compensar. Dessa deciso caber agravo de instrumento com efeito suspensivo que impedir a requisio do precatrio at o T em J. O procedimento de compensao no se aplica s RPVs, segundo CJF. O STF j reconheceu repercusso geral da causa e ainda no decidiu. RE 657.686/DF.

    12.1.15. Utilizao de crditos de precatrios para a compra de imveis pblicos

    Pode.

    12.1.16. Cesso de crdito inscrito em precatrio

    Pode, pode ser parcial, no gera direito RPV. S ter efeitos aps comunicado ao ente.

    12.1.17. Regime especial para pagamento de crdito de precatrio de Estados, Distrito Federal e Municpios

    A seu critrio exclusivo, a Unio poder assumir dbitos oriundos de precatrios dos Es e Ms, refinanciando-os diretamente. O DF e os estados do N/NE e CO cujo estoque de precatrios pendentes das suas administraes direta e indireta corresponder at 35% da RCL, podero quit-los, por opo do Executivo, depositando em conta o equivalente a 1,5% da RCL pros estados e 1% pros municpios. Pode tambm depositar anualmente ao longo de 15 anos, o saldo total dos precatrios, divididos pelo nmero de anos restantes. Podem os Estados, DF e Municpios darem fim nos precatrios via leilo, negociao direta com credor, etc... Checar se isso foi afetado pela Deciso do STF.

  • 12.1.18. Execuo de obrigao de fazer, no fazer e entregar coisa contra a Fazenda Pblica

    desnecessria, segundo STJ a citao da FP, devendo ir pelo cumprimento de sentena do 461. No se configura crime de desobedincia se o agente pblico no cumprir determinaes judiciais.

    12.1.19. Exceo de pr-executividade apresentada pela Fazenda Pblica (enfoque sobre a reviso do valor do precatrio: art. 1 E da Lei n 9.494/1997)

    H uma hiptese da FP apresentar precatrios: quando perdido o prazo para embargos, houver uma questo de Ordem Pblica que cause a nulidade da execuo ou que enseje sua extino. Tal reviso pode, inclusive, ser feita de ofcio.

    12.2. Execuo proposta pela Fazenda Pblica 12.2.1. Execuo fiscal

    12.2.1.1. A dvida ativa da fazenda pblica e a certido de dvida ativa

    A dvida ativa da FP qualquer valor devido de natureza tributria ou no tributria, compreendendo, alm do principal, a atualizao os juros, a multa, etc. Aps a inscrio da divida ser emitida uma CDA, que ttulo executivo extra. A extino das execues de pequeno valor Faculdade da Administrao, vedada atuao judicial de ofcio.

    S. 392 do STJ. A FP pode substituir a CDA at a sentena de embargos, quando se tratar de correo de erro formal ou material, vedada a modificao do sujeito passivo. Assim, quando da inscrio da dvida, se o devedor j estava falecido, no possvel alterar a CDA pra incluir o esplio.

    Segundo o STJ, quando a FP cancela a CDA diante dos embargos, haver condenao da FP nos honorrios do advogado.

    12.2.1.2. As legitimidades ativa e passiva na execuo fiscal

    A EF privativa da FP, contudo possvel a celebrao de convnio entre um ente e EM/SEM para que esta proponha execuo fiscal. Por exemplo, a CEF tem legitimidade para intentar execuo de FGTS. Se ao reverso, instituio privada cede crditos FP, ela poder intentar EF, no importando a natureza privada ou pblica dos crditos.

    Conselhos profissionais so autarquias especiais, podendo intentar execuo fiscal. OAB, contudo, no possvel execuo fiscal de anuidade, mas sim execuo por quantia certa.

    O polo passivo da EF deve ser preenchido pelo devedor constante da CDA ou pelos seus sucessores a qualquer ttulo. Pode ainda ser promovida contra o garantidos da dvida ou contra a pessoa obrigada a satisfazer a obrigao, tais como fiador, esplio, a massa falida ou o responsvel, mesmo que no conste seu nome na CDA. Podem inclusive ser chamados supletivamente. Dever nesse caso o responsvel valer-se dos embargos de devedor (ou EPE, se houver prova pr-constituda).

    Redirecionamento: Estando o nome do responsvel na CDA, a execuo pode contra ele ser redirecionada automaticamente. No constando, dever o exequente para poder redirecionar, comprovar, desde logo a responsabilidade do redirecionado pela dvida.

    Se for scio-gerente e o nome no estiver na CDA dever ser demonstrado que o no-recolhimento do tributo resultou de atuao dolosa ou culposa do scio-gerente ou diretor. subjetiva. Deve comprovar algum dos requisitos do 135 do CTN. No caso de dvida no tributria, a situao a mesma, diferindo s o fundamento legal, que ser o do 50 do CC. A deciso que defere redirecionamento atacvel por agravo.

    12.2.1.3. Competncia

    Juzo do foro do domiclio do devedor. Compete JF processar execues fiscais para cobrana do FGTS, e da Justia Eleitoral para processar EF de multa eleitoral.

    A competncia para processar e julgar EF exclui a de qualquer outro juzo, inclusive o de falncias. A FP no precisa habilitar o seu crdito no concurso falimentar.

    12.2.1.4. Procedimento 12.2.1.4.1. Fase Inicial

    A produo de provas pela FP independe de requerimento na inicial. Aplica-se o 615-A em EF, para se ter uma presuno absoluta de fraude, no se podendo alegar que o 3 estava de boa-f.

    12.2.1.4.2. Citao do executado

    Em execuo fiscal possvel citao por edital. A citao por edital no precisa de prvio arresto, bastando apenas que haja o esgotamento dos meios citatrios. J no processo civil precisa do arresto.

    12.2.1.4.3. Nomeao de bens a penhora

    O executado ser citado para em 5 dias pagar a dvida ou garantir a execuo mediante depsito em dinheiro.

    12.2.1.4.4. Penhora

    Ato de apreenso e depsito de bens para emprega-los direta ou indiretamente, na satisfao do crdito executado, podendo recair sobre o patrimnio do devedor e do patrimnio de terceiros responsveis. Os direitos do devedor contra terceiros so penhorveis, desde que tenham carter patrimonial e possam ser transferidos ou cedidos independentemente do consentimento de terceiro. O precatrio insere-se nessa hiptese, pois se trata de uma ordem de pagamento (mesmo que seja precatrio da prpria exequente).

    Dinheiro pode ser substitudo por seguro-garantia judicial do valor +30%. Recentemente o STj mudou entendimento, passando a entender que fiana e dinheiro no so a mesma coisa, inexistindo direito subjetivo substituio sem a anuncia da FP. O prazo de 30 dias para embargar EF inicia-se da intimao da penhora, por publicao no DO.

  • 12.2.1.4.5. Suspenso do processo pela falta de bens penhorveis e reconhecimento da prescrio pelo juiz

    A execuo s ser suspensa se alm de no encontrado o executado, tambm no forem encontrados bens penhorveis. Suspende-se por um ano, findo do qual se inicia prescrio intercorrente. O Juiz pode reconhecer a PI de ofcio, desde que ouvida a FP. Se dispensa a oitiva da FP em pequenos valores estabelecidos pelo Ministro da Fazenda. Apesar de falar em MF entende-se que extensvel aos Estados e Municpios caso exista ato equivalente.

    12.2.1.4.6. A indisponibilidade de bens prevista no art. 185-A do CTN

    Citado o devedor tributrio, se este no pagar nem nomear bens penhora, o juiz, de acordo com o 185-A do CTN, determinar a indisponibilidade de seus bens e direitos, comunicando a deciso, preferencialmente por meio eletrnico. A nomeao de bens a penhora um nus do executado.

    Proporcionalidade na execuo faz-la no interesse do exequente, mas de forma menos gravosa ao executado.

    12.2.1.4.7. Contagem de prazo para ajuizamento dos embargos do executado

    Feito o depsito, procedida a juntada da prova da fiana bancaria ou havendo a intimao da penhora, a partir de qualquer um desses momentos se inicia o prazo de 30 dias pra embargar. STJ - > Realizado o depsito em dinheiro, como garantia EF, haver de ser formalizado para, somente depois, haver intimao do executado, e ento, ter incio o prazo para opor os embargos.

    12.2.1.4.8. Pedido de parcelamento (CPC, art. 745-A)

    O pedido de parcelamento DO 745-A (que deposita 30% mais custas e honorrios e o restante em at 6 parcelas), impede que o executado possa opor embargos. aplicvel EF.

    12.2.1.4.9. Intimaes e desnecessidade de interveno do Ministrio Pblico

    Nas EF, as intimaes pessoais da FP so feitas pessoalmente, mediante vista dos autos. Segundo STJ, onde no h sede das procuradorias, a intimao pode ser feita via postal.

    No processo de EF no deve haver interveno do MP.

    12.2.1.5. A defesa do executado

    Mesmo havendo vedao expressa para alegar compensao, o STJ entende que pode! Deve ser garantido o Juzo para embargar!!! RESP 1272827/PE. A FP tem 30 dias para impugnar. J seguindo de sentena ou audincia, se precisar. Se manifestamente protelatrio o juiz deve arbitrar uma multa de 20%. Em princpio os embargos no tem efeito suspensivo.

    EPE inicialmente era s pra matria de ordem pblica. Contudo, hoje j se admite para matria que no seja de ordem pblica nem cognoscvel de ofcio, mas que s dependa de prova documental pr- constituda. Se exigir dilao, s com embargos. Qualquer ao autnoma no impede a penhora. Nessa hiptese de autnoma, fica vedada a interposio de embargos, caso se verifique litispendncia. S poder suspender execuo se a ao autnoma for anterior execuo e tenha havido penhora.

    Existe a possibilidade de serem opostos embargos de segunda fase em 5 dias contados da adjudicao (assinatura do auto), alienao ou arrematao, fundados em nulidades da execuo ou causa extintiva da obrigao superveniente penhora.

    12.2.1.6. Execuo fiscal definitiva e execuo fiscal provisria

    Nova redao do 587, CPC: definitiva a execuo fundada em ttulo extrajudicial; provisria enquanto pendente apelao da sentena de improcedncia dos embargos do Executado, quando recebidos com efeito suspensivo (Art. 739).

    12.2.1.7. Da expropriao na execuo fiscal

    As regras que permitem alienao por iniciativa particular no incide na EF, pois aqui deve haver alienao em hasta pblica.

    Arrematado o bem e assinado o respectivo auto, o superveniente acolhimento dos embargos no desfaz a venda judicial do bem, ocasionando, aps o trnsito em julgado, a entrega do valor ao executado, e no ao exequente. J a adjudicao por ascendentes e descendentes aplica-se

    12.2.1.8. Da sentena e da coisa julgada na execuo fiscal

    Forma-se a coisa julgada material, no podendo ser rediscutida a insuficincia do montante arrecadado posteriormente.

    12.2.1.9. Dos recursos na execuo fiscal

    Da sentena que rejeitar os embargos cabe apelao sem efeito suspensivo. Das sentenas de primeira instncia proferidas em execues fiscais de valor igual ou inferior a 50 ORTN s se admitiro embargos infringentes e de declarao. Os infringentes em 10 dias e de declarao em 5. possvel, se houver prequestionamento, RExt.

    12.2.2. Execuo de multas e condenaes impostas pelo Tribunal de Contas

    A FP, diante de uma condenao imposta pelo Tribunal de Contas, dispe de duas opes: a) executar a prpria deciso do tribunal, valendo-se para tanto, das regras da execuo por quantia certa contra devedor solvente, contidas no CPC; ou b) inscrever o dbito em Dvida Ativa e, com lastro na CDA, intentar a execuo fiscal, que ir processar-se pelas regras da LEF. VER SOBRE A LEGITIMIDADE PARA EXECUTAR! QUAL ENTE E TAL...

    12.2.3. Execuo de multa penal

    Trata-se de dvida de valor a ser cobrada, no juzo fazendrio, pela FP, mediante execuo fiscal e seu procedimento. Deve ser executada, contudo, pelo MP.

  • 12.2.4. Execuo de multas e condenaes impostas pelo CADE

    Se processa via execuo fiscal. Execuo fiscal no tributria.

    13. A FAZENDA PBLICA E O PROCEDIMENTO MONITRIO 13.1. Procedimento monitrio: noes gerais

    Igualmente denominado procedimento por injuno, tem por finalidade permitir a rpida formao de ttulo executivo judicial. admissvel contra cheque prescrito, contrato de abertura de crdito acompanhado de extrato da conta corrente. Estando em termos a inicial, o juzo ir exercer uma cognio sumaria, a fim de verificar a idoneidade do documento e a plausibilidade da existncia da dvida. Ao demandado cumpre entregar a coisa ou efetuar pagamento em 15 dias. Cabe citao por edital. No sendo embargada, o mandado de pagamento ou de entrega de coisa convola-se automaticamente sem necessidade de qualquer deciso ou sentena, em ttulo executivo judicial, prosseguindo-se pelo rito prprio do cumprimento de sentena. Uma vez ofertados os embargos, ser adotado o procedimento ordinrio, vindo, ao final, confirmar ou no o mandado.

    preciso ter em mente que a essncia do procedimento monitrio encurtar o caminho para obteno de um ttulo judicial, de quem tem um quase-ttulo extrajudicial. Quase ttulo por lhe faltarem algum dos elementos essenciais do ttulo.

    13.2. Procedimento monitrio instaurado em face da Fazenda Pblica

    O STJ pacificou o entendimento, segundo o qual se revela cabvel o procedimento monitrio instaurado face a FP. Mas obviamente obedecer o procedimento dos precatrios. Para segunda fase destrinchar melhor o posicionamento contrrio, que favorvel FP, E PARECE TER ECO NA DOUTRINA!

    13.3. Procedimento monitrio instaurado pela Fazenda Pblica

    Pode-se perguntar de que serviria monitria pela fazenda, j que ela tem o poder de constituir unilateralmente a dvida. Ela no pode inscrever em DA os dbitos de entregar e fazer. Ademais tambm no pode os dbitos de natureza privada. So as dividas fiscais (resultantes do poder de imprio da ADM).

    13.4. Prazo para a Fazenda Pblica apresentar embargos no procedimento monitrio

    Prazo em qudruplo, de 60 dias, no obstante a natureza autnoma dos embargos. REsp 845.545/RS.

    cabvel reconveno em monitoria apos a converso do procedimento em monitrio.

    No precisa garantir o juzo para opor embargos monitrios.

    14. MANDADO DE SEGURANA

    14.1. Tratamento constitucional do mandado de segurana 14.1.1. Direito lquido e certo

    O que se deve ter como lquido e certo o fato, ou melhor, a afirmao do fato feita pelo autor. Fatos desde j comprovado. Caber sempre que a ilegalidade ou abusividade forem passveis de demonstrao documental, independentemente de sua complexidade ou densidade. STF= Controvrsia sobre a matria de direito no impede a concesso de mandado de segurana.

    S vivel se houver prova documental e no documentada. Aqui o direito lquido e certo compe o interesse de agir, integrando as condies da ao.

    14.1.2. Ato ilegal ou abusivo de autoridade pblica ou agente de pessoa jurdica no exerccio de atribuies pblicas

    Considera-se coatora a autoridade que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para sua prtica. No cabe contra lei em tese. Tambm cabe contra omisses, coibindo a inrcia. Parlamentar dispe do direito lquido e certo ao DPLegislativo.

    CABVEL CONTRA REPRESENTANTES OU RGOS DE PARTIDOS POLTICOS E ADMINISTRADORES DE ENTIDADE AUTARQUICA. UM ATO DE GESTO, MERCANTIL OU QUE DIGA RESPEITO S ATIVIDADES ROTINEIRAS DA PESSOA JURDICA DE DIREITO PRIVADO, NO PODE SER questionado pela via DO MS. Cabe nas licitaes e CP de SEM, por exemplo.

    Nos atos complexos, identificados como aqueles que dependem da conjugao de vrias manifestaes de vontade, o MS deve ser impetrado em face da autoridade que praticou o ltimo ato.

    14.2. Natureza jurdica do Mandado de Segurana

    ao. STJ= A desistncia do MS pode ser requerida a qualquer tempo, desde que efetuada em momento anterior prolao da sentena.

    14.3. Espcies de Mandado de Segurana: Destaque para o mandado de segurana coletivo

    Ser coletivo quando tiver por finalidade a proteo de um direito transindividual, sendo postulado por partido poltico, ou por organizao sindical, por entidade de classe ou associao legalmente constituda e em funcionamento h pelo menos 1 ano, em defesa de direitos lquidos e certos da totalidade, ou de parte, da classe ou do grupo, na forma dos seus estatutos e desde que pertinentes s suas finalidades.

    O MS coletivo se destina a tutelar os direitos difusos, coletivos e individuais homogneos. A LMS no se refere aos difusos. O autor defende que o MP tem legitimidade para impetrar o MS coletivo.

    A sentena coletiva faz coisa julgada pro et contra, atingindo os legitimados coletivos, que no podero propor a mesma demanda coletiva. secundum eventos probationis, ou seja, no se produz quando a improcedncia se deu por falta de provas. J a extenso subjetiva da coisa julgada pode ser erga omnes ou ultra partes, alcanando todos os indivduos titulares de direitos difusos ou coletivos, secundum eventum litis, a dizer, somente quando julgado procedente o pedido. Havendo improcedncia, os titulares de direitos individuais podero intentar suas demandas.

  • O MS coletivo no induz litispendncia para as aes individuais, mas os efeitos da coisa julgada no beneficiaro o impetrante a ttulo individual se no requerer a desistncia de seu mandado de segurana no prazo de 30 dias a contar da cincia comprovada da impetrao da segurana coletiva. Em MS coletivo, a liminar s poder ser concedida aps a audincia do representante judicial da PJ de direito pblico, que dever se pronunciar no prazo de 72 horas.

    14.4. Partes no Mandado de Segurana 14.4.1. Legitimidade ativa

    H entes que no tem capacidade de ir a juzo nas vias ordinrias mas tem pra impetrar MS desde que objetivem garantir ou resguardar uma prerrogativa institucional, ostentando, legitimidade ad causam. Ex.: Cmara de vereadores, Secretarias, Tribunal de Contas, rgos Pblicos, etc.

    14.4.2. Falecimento do impetrante: sucesso mortis causa ou extino do processo?

    Extingue. Mas o sucessor pode ir pela via ordinria.

    14.4.3. Legitimidade passiva

    da PJ cujos quadros pertence a autoridade coatora, que quem suportar as consequncias financeiras. Ademais, a coisa julgada que se formar no MS alcanar a pessoa jurdica e no a autoridade. A identificao da autoridade coatora serve para definir a competncia. A autoridade apresenta-se no processo apenas para prestar informaes.

    Deve-se dar cincia ao rgo de representao judicial da PJ para que, querendo ingresse no feito.

    14.4.4. Litisconsrcio no Mandado de Segurana. Enfoque problemtica da falta de citao do litisconsorte passivo necessrio

    Quanto ao litisconsrcio necessrio, tambm ser possvel quando alguma lei assim o determinar ou quando da deciso final puder advir alterao na posio jurdica do beneficirio. Da porque, sendo caso de litisconsrcio necessrio, a eficcia da sentena depende da citao de todos os litisconsortes no processo. indispensvel aguardar o requerimento do impetrante para que possa ser determinada a citao do litisconsorte necessrio, no devendo o juiz faz-lo de ofcio. Extingue-se o processo, segundo o STF. Se o litisconsrcio alm de necessrio for unitrio, a ausncia de sua citao gerar a completa ineficcia da sentena.

    14.4.5. Litisconsrcio entre a autoridade impetrada e a pessoa jurdica da qual ela faz parte

    STJ no admite litisconsrcio entre autoridade impetrada e pessoa de direito publico a qual pertena.

    14.4.6. Indicao errnea da autoridade impetrada

    Indicada erroneamente, o juiz no poder substitu-la por outra, alterando os sujeitos que compem a relao processual. Deve, portanto, extinguir o processo. entendimento consolidado. Segundo o autor, o STJ vem dando mostras de que deve alterar o entendimento em breve, para admitir o redirecionamento.

    14.5. O MP no mandado de segurana

    obrigatria. STJ= No MS no basta a intimao do MP; necessria o seu efetivo pronunciamento. STF= Basta a intimao, sendo prescindvel o seu efetivo pronunciamento. Lei do MS, encampa o entendimento do STF. Prazo de 10 dias para ele se manifestar.

    14.6. Interveno de terceiros no mandado de segurana

    O STJ no admite assistncia por ausncia de previso legal. A litisconsorcial cabe, obviamente. Vale reiterar que a interveno anmala no cabe.

    14.7. Competncia para processar e julgar o mandado de segurana

    Contra o PR no STF. Contra Ministro no STJ. Contra governador, no TJ. uma competncia funcional, absoluta, portanto. O cdigo eleitoral estabelece uma competncia em razo da matria. Cabe para juzes do trabalho, se versar sobre matrias submetidas sua jurisdio. O critrio funcional se sobrepe ao material. No caso de autoridades federais, contudo, no ser a justia federal, mas sim a do trabalho. No caso de multas de rgos trabalhistas, na JT.

    14.8. Casos em que no se admite o mandado de segurana 14.8.1. A revogao do inciso II do art. 5 da Lei n 1533/1951 14.8.2. Casos em que no se admite o mandado de segurana

    14.8.2.1. Contra ato de que cabia recurso administrativo com efeito suspensivo independente de cauo

    O ato ainda no est apto a produzir efeitos nem causar qualquer dano ao cidado. Falta interesse de agir.

    14.8.2.2. Contra ato judicial passvel de recurso com efeito suspensivo

    O recurso contem aptido para combater, com eficincia a deciso recorrida, porquanto h possibilidade de se obter efeito suspensivo. Falta-lhe interesse de agir. Hoje em dia No se admite mais a manobra de usar mandado de segurana pra conferir efeito suspensivo a recurso que no o tenha.

    Em se tratando de despacho ou ato judicial do qual no caiba recurso, admite-se a impetrao do mandado de segurana. possvel de igual modo que terceiro prejudicado que no disponha mais de prazo para interpor recurso, possa interpor MS.

    14.8.2.3. Contra ato judicial transitado em julgado

    Sumula 268 do STF nesse sentido. No pode. Hoje esse entendimento est incorporado na legislao.

    14.8.2.4. Litisconsrcio necessrio no mandado de segurana contra ato judicial

  • Nesse caso dever haver um litisconsrcio passivo necessrio entre o juiz e a parte que se beneficiou do ato impugnado. S 631 STF manda extinguir o processo se no promover a citao.

    14.8.2.5. Desnecessidade de notificao da pessoa jurdica no mandado de segurana contra ato judicial

    No h interesse jurdico do Estado.

    14.9. Prazo para impetrao

    O prazo de 120 dias decadencial, no se submetendo a interrupes ou prescries.

    O prazo tem incio a partir de quando se torne operante ou exequvel o ato impugnado, ou seja a partir de quando possa gerar leso ao direito do impetrante. Havendo publicao do ato na imprensa oficial, dai que comea. Posterior intimao no reabre o prazo. No caso de trato sucessivo o prazo se renova a cada ms, salvo se a administrao negou o pedido.

    No caso de juzo absolutamente incompetente, remetem-se os autos para o juzo competente, no se extinguindo.

    14.10. Procedimento

    Em caso de urgncia, admite-se a impetrao por telegrama, fax, etc. Deve juntar, contudo, em 5 dias. nula a deciso que indefere a petio inicial do mandado de segurana, por razes de mrito. Tal entendimento no se aplica nos casos do 285-A. A deciso que no recebe o MS apelvel, mas o tribunal se limitar a admitir ou no, sem adentrar no mrito.

    No se admite o ingresso de litisconsorte simples ativo aps o despacho da inicial.

    No apresentada as informaes, no so presumidos verdadeiros os fatos alegados. Como ja dito, cabe ao impetrante eliminar a presuno de legitimidade do ato questionado.

    14.11. Liminar

    Concedida a liminar, dever o impetrante, ao final, ser responsabilizado objetivamente pelos danos suportados pelo demandado, se a segurana vier a ser denegada.

    H casos em que no se permite a concesso de liminar de mandado de segurana. Nos casos em que pode, o juiz pode exigir cauo.

    14.12. Sentena, sua execuo e cumprimento

    Tem natureza mandamental. Tal sentena deve ser executada imediatamente, ainda que desafiada por recurso, salvo se hiptese em que se vede a concesso de liminar e se exija o prvio trnsito em julgado para o cumprimento.

    No MS a sentena poder ainda ser constitutiva negativa. Nesse caso ser autossuficiente, j satisfazendo o direito do autor.

    A sentena tambm poder ser condenatria, quando acolhe pleito de servidor, visando a obtenoo de vantagem ou diferena de vencimentos. No cabe liminar. Acontece que o MS no substitutivo de ao de cobrana, ou seja, s podero ser pagas as verbas a partir da interposio do MS, e no retroativos. Quanto ao retroativo deve-se buscar as vias ordinrias. No cabe condenao de honorrios.

    14.13. Reexame necessrio

    Est sujeita a transito em julgado. No MS, haver reexame no porque a sentena foi proferida contra a FP, mas por se tratar de sentena concessiva de segurana. Eventual PJ que no se sujeite ao reexame, se for SP em MS se sujeitar.

    No 475 tem duas hipteses de dispensa de reexame, e segundo o STJ, elas no se aplicam ao MS.

    14.14. Recursos

    No MS cabem EDcl, Apel, REsp e RExt. Admite-se tambm o Agravo de instrumento. No caso de MS impetrado originariamente em tribunal, tambm se revela possvel o Agravo Interno.

    Denegada ou concedida a segurana a apelao deve ser recebida apenas no devolutivo, salvo nas hipteses em que vedada a concesso de liminar.

    Impetrado o MS, originariamente em Tribunal Superior e vindo a ser denegada a ordem, cabe ROC para o STF. Se for impetrado, originariamente, em TJ ou TRF, denegada a ordem, cabe o ROC para o STJ.

    No cabem embargos infringentes.

    O recurso deve ser interposto no pela autoridade coatora, mas pela PJ. possvel, contudo que interponha recurso, quando pretenda prevenir sua responsabilidade decorrente do ato coator. Deve se verificar o interesse de agir ao apreciar recurso da autoridade coatora.

    14.15. Coisa Julgada

    Concedida a segurana, haver coisa julgada material. Denegada a segurana por falta de direito lquido e certo, ou seja, por ser necessria a dilao probatria, extingue-se sem resoluo do mrito. Apesar do termo denegao, no se apreciou o mrito, sendo apenas inadequada a via do MS. Caso, todavia, haja denegao de segurana pelo mrito, a sentena far coisa julgada material.

    15. DA SUSPENSO DE LIMINAR, DE SEGURANA E DE TUTELA ANTECIPADA

    15.1. O pedido de suspenso: ambiente legal

  • Permite-se o ajuizamento de requerimento dirigido ao presidente do tribunal, a fim de que seja suspensa a execuo ou o cumprimento da liminar. Se a liminar foi concedida em MS ter base legal na prpria LMS. Legitimidade em MS a da pessoa jurdica ou MP. pedido de contracautela. No cabe em ADI.

    15.2. Natureza jurdica do pedido de suspenso

    O STJ entende ser um juzo poltico, a respeito da lesividade. Alguns autores conferem natureza de sucedneo recursal, outros de incidente processual.

    Apesar de no analisar o mrito, o Presidente do Tribunal deve levar em conta um mnimo de plausibilidade do direito da FP.

    15.3. Legitimidade para o ajuizamento do pedido de suspenso

    FP e rgos despersonalizados para garantir prerrogativas.

    Mesmo sem serem FP, as concessionrias de SP podem fazer esse pedido, se no exerccio de atividade pblica. Do mesmo modo, prefeito municipal, alijado do exerccio do mandato por efeito de liminar, poder requerer.

    15.4. Competncia para o pedido de suspenso

    Presidente do Tribunal que teria competncia para julgar o recurso contra a deciso concessiva do provimento liminar, antecipatrio ou final de mrito. Assim, se a Unio pedir suspenso em processo de juiz estadual, dever ser direcionada ao PR do TJ!! Pedido de suspenso com matria constitucional envolvida do STF, mesmo que haja matria infraconstitucional.

    O pedido de suspenso deve ser ajuizado perante o presidente do tribunal local, caso o agravo de instrumento eventualmente interposto ainda no tenha sido conhecido. Uma vez conhecido, caso venha a ser provido, no h que se falar em pedido de suspenso, pois o provimento reformar a deciso liminar ou antecipatria.

    No h impedimento para o ajuizamento conjunto de agravo de instrumento e de pedido de suspenso.

    15.5. Concomitncia do pedido de suspenso com o agravo de instrumento e eventual conflito entre as decises neles proferidas

    O agravo tem prazo, o pedido de suspenso no. A interposio do agravo no interfere no pedido de suspenso.

    15.6. Procedimento do pedido de suspenso

    Apresentada a petio do pedido de suspenso, o presidente do tribunal poder adotar uma das seguintes medidas: a) determinar a emenda ou complementao da petio; b) indeferir o pedido de suspenso; c) determinar a intimao do autor e do MP para que se pronunciem em 24 horas; d) Conceder, liminarmente, o pedido, sobrestando o cumprimento da deciso inaudita.

    Para que se aplique o postulado da proporcionalidade, preciso que haja adequao; necessidade; e proporcionalidade em sentido estrito.

    15.7. Durao da suspenso concedida

    Vigorar at o transito em julgado da deciso de mrito na ao principal. A legislao optou por conferir ultratividade ao provimento. No atingida pela supervenincia de sentena ou de outra deciso que confirme a liminar ou o provimento de urgncia anteriormente concedido. Apesar de algumas posies em contrrio, essa ultratividade tambm aplicvel quando a suspenso de segurana for em processo de mandado de segurana. Caso queira manter suspensa a ordem concedida, a FP deve manter a litispendncia do processo, atravs de recursos cabveis, evitando, com isso, o trnsito em julgado.

    A smula 626 do STF somente tem aplicao quando a suspenso de segurana for, originariamente, deferida pelo prprio Tribunal Superior, no se aplicando na hiptese de a suspenso ter sido concedida por tribunal de segunda instncia.

    Determinada a suspenso de liminar pelo presidente do tribunal de segunda instncia, a suspenso vigora mesmo com a supervenincia da sentena. Sobrevindo, contudo, acrdo que substitua a sentena, a j no se mantem mais a suspenso deferida pelo presidente do tribunal de segunda instncia, devendo a questo ser eregida ao crivo do Presidente do STF ou do STJ. Concedida a suspenso por um destes, ir, ento, vigorar at o transito em julgado.

    15.8. Do agravo interno contra deciso do pedido de suspenso

    Da deciso do presidente do tribunal que defere ou indefere o pedido de suspenso cabe agravo interno para o plenrio ou Corte especial. Agravo em 5 dias, no havendo necessidade de incluso em pauta. O agravo interno cabvel, no caso de MS, tanto para a deciso do presidente do tribunal que defere quanto indefere o pedido de suspenso. ( A LMS prev s para o caso de DEFERIMENTO. O STF que entende que para ambos os casos).

    O Agravo Interno em 5 dias, no se aplicando o prazo em dobro, segundo o STF, e em dobro, para o STJ.

    15.9. Da renovao do pedido de suspenso para o Tribunal Superior

    No caso de, deferida a suspenso, o agravo interno do autor vier a ser provido, sero restaurados os efeitos da liminar ou do provimento de urgncia. Nestes casos, permite-se que a FP renove o pedido de suspenso, desta vez pro Presidente do STF ou STJ, caso o fundamento seja, constitucional ou infraconstitucional.

    A renovao s aps a apreciao do agravo interno. Ainda que rejeitado o pedido de suspenso, a FP no poder desde logo, renov-lo ao Tribunal Superior.

    15.10. Da suspenso para vrias decises similares e do pedido de aditamento

    As liminares cujo objeto seja idntico podero ser suspensas em uma nica deciso, podendo o presidente do tribunal estender os efeitos da suspenso a liminares supervenientes, mediante simples aditamento ao pedido original. Aplica-se tambm ao MS.

  • 16. CONTROLE JUDICIAL DA ATIVIDADE ADMINISTRATIVA 16.1. Observncia da administrao ao princpio da legalidade 16.2. Atividade administrativa e necessidade de atendimento finalidade pblica

    Atender necessidade pblica um dever imposto pela Lei. Os poderes surgem exatamente como decorrncia da busca desses deveres. So necessrios.

    16.3. Vinculao e discricionariedade

    Vinculada quando a lei estabelece a nica soluo possvel diante de determinada situaoo de fato. Fixa todos os requisitos, cuja existncia a Administrao deve limitar-se a constatar, sem qualquer margem de apreciao subjetiva.

    No caso do discricionrio h juzo de valor. S o administrador, em contato com a realidade, est em condies de bem apreciar os motivos ocorrentes de oportunidade e convenincia da pratica de certos atos.

    16.4. Conceito de poder discricionrio

    um dever-poder de fazer uma apreciao subjetiva para estabelecer qual , no caso concreto, a deciso que melhor atende vontade da lei.

    16.5. Poder discricionrio e conceitos jurdicos indeterminados

    No se deve confundir a presena de vrias medidas possveis, cuja escolha incumbe Adm proceder, com a existncia de equivocidade, indeterminao, fluidez ou at mesmo polissemia dos conhecimentos estampados na norma que se interpreta.

    Conforme anotado em precedente do STJ, vivel o controle do Poder Judicirio acerca de conceitos jurdicos indeterminados e do motivo do ato administrativo. Enfim, se a lei emprega conceitos de experincia, h mera interpretao; se utiliza de conceitos de valor, h discricionariedade.

    16.6. Exerccio e limites do poder discricionrio

    1 - A prpria Lei; 2 A conformao ao interesse pblico No particular, pe-se em relevo a teoria dos motivos determinantes. Quando o motivo no vem expresso em lei, ficando ao nuto da Administrao indica-lo, o ato que praticar somente ser vlido se forem verdadeiros os motivos invocados. De tal modo, fica a autoridade administrativa vinculada aos motivos que indicou. 3 No princpio da razoabilidade e no postulado da proporcionalidade.

    Ao conceituar o princpio da razoabilidade, justifica-o CABM: Pretende-se colocar em claro que no sero apenas inconvenientes, mas tambm ilegtimas e portanto jurisdicionalmente invlidas as condutas desarrazoadas, bizarras, incoerentes ou praticadas em desconsiderao s situaes e circunstncias que seriam atendidas por quem tivesse atributos normais de prudncia, sensatez e disposio de acatamento s finalidades da lei atributiva da discrio manejada.

    Quanto proporcionalidade, decorre da exigncia da adequada medida entre a providncia adotada pela Administrao e o resultado legitimamente perseguido no uso da competncia que lhe imposta ex vi legis.

    16.7. Controle judicial da atividade administrativa

    A discricionariedade to s conferida Administrao, no cabendo ao Judicirio substituir o critrio valorativo da autoridade administrativa para modificar a providncia por este tomada em vista da sua convenincia e oportunidade.

    Quando a Adm indica os motivos que levaram a praticar o ato, este somente ser vlido se os motivos forem verdadeiros. Para apreciar este aspecto, o Judicirio ter que examinar os motivos, ou seja, os pressupostos de fato e as provas de sua ocorrncia. Por exemplo, quando a lei pune um funcionrio pela prtica de uma infrao, o Judicirio pode examinar as provas constates do processo administrativo, para verificar se o motivo (a infrao) realmente existiu. Se no existiu ou no for verdadeiro, anular o ato.

    STF: Os atos que envolvem aplicao de conceitos indeterminados esto sujeitos ao exame e controle do Judicirio. O controle jurisdicional pode e deve incidir sobre os elementos do ato, luz dos princpios que regem a atuao administrativa.

    STJ: O PJ no mais se limita a e