Fonética do Inglês - · PDF filedeve ser evitado, por ser prejudicial para as práticas de ELT (English Lan- ... inglês, o que pode ser observado com a pronúncia do fonema /b/,

  • Upload
    lamnhu

  • View
    221

  • Download
    2

Embed Size (px)

Citation preview

  • Fontica do Ingls

    So Cristvo/SE2015

    Elaine Maria SantosCamila Andrade Chagas Vieira

  • Elaborao de ContedoElaine Maria Santos

    Camila Andrade Chagas Vieira

    Copyright 2012, Universidade Federal de Sergipe / CESAD.Nenhuma parte deste material poder ser reproduzida, transmitida e gravada por qualquer meio eletrnico, mecnico, por fotocpia e outros, sem a prvia autorizao por escrito da UFS.

    Ficha catalogrFica produzida pela BiBlioteca centraluniversidade Federal de sergipe

    Fontica do Ingls

    Projeto Grfico Neverton Correia da Silva

    Nycolas Menezes Melo

    CapaHermeson Alves de Menezes

    DiagramaoNeverton Correia da Silva

    Copy deskFlvia Ferreira da Silva Rocha

    Santos, Lenalda Andrade. S237h Histria Medieval II/ Lenalda Andrade Santos, Bruno Gonalves Alvaro -- So Cristvo: Universidade Federal de Sergipe, CESAD, 2012.

    1. Feudalismo. 2. Cruzadas. 3. Monarquia. 4. Cincia poltica. I. Alvaro. Bruno Gonalves. II Ttulo.

    CDU 94(4)" 0375/1492"

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPECidade Universitria Prof. Jos Alosio de Campos

    Av. Marechal Rondon, s/n - Jardim Rosa ElzeCEP 49100-000 - So Cristvo - SE

    Fone(79) 2105 - 6600 - Fax(79) 2105- 6474

    NCLEO DE MATERIAL DIDTICO

    Fbio Alves dos Santos (Coordenador)Marcio Roberto de Oliveira Mendona

    Neverton Correia da SilvaNycolas Menezes Melo

    Diretoria PedaggicaClotildes Farias de Sousa (Diretora)

    Diretoria Administrativa e Financeira Edlzio Alves Costa Jnior (Diretor)Sylvia Helena de Almeida SoaresValter Siqueira Alves

    Coordenao de CursosDjalma Andrade (Coordenadora)

    Ncleo de Formao ContinuadaRosemeire Marcedo Costa (Coordenadora)

    Ncleo de AvaliaoHrica dos Santos Matos (Coordenadora)

    Ncleo de Tecnologia da InformaoJoo Eduardo Batista de Deus AnselmoMarcel da Conceio SouzaRaimundo Araujo de Almeida Jnior

    Assessoria de ComunicaoGuilherme Borba Gouy

    Coordenadores de CursoDenis Menezes (Letras Portugus)Eduardo Farias (Administrao)Haroldo Dorea (Qumica)Paulo Souza Rabelo (Matemtica)Hlio Mario Arajo (Geografia)Lourival Santana (Histria)Marcelo Macedo (Fsica)Silmara Pantaleo (Cincias Biolgicas)

    Coordenadores de TutoriaEdvan dos Santos Sousa (Fsica)Geraldo Ferreira Souza Jnior (Matemtica)Ayslan Jorge Santos de Araujo (Administrao)Carolina Nunes Goes (Histria)Rafael de Jesus Santana (Qumica)Gleise Campos Pinto Santana (Geografia)Trcia C. P. de Santana (Cincias Biolgicas)Laura Camila Braz de Almeida (Letras Portugus)Lvia Carvalho Santos (Presencial)

    Presidente da RepblicaDilma Vana Rousseff

    Ministro da EducaoAloizio Mercadante Oliva

    Diretor de Educao a DistnciaJoo Carlos Teatini Souza Clmaco

    ReitorAngelo Roberto Antoniolli

    Vice-ReitorAndr Maurcio Conceio de Souza

    Chefe de GabineteMarcionilo de Melo Lopes Neto

    Coordenador Geral da UAB/UFSDiretor do CESAD

    Antnio Ponciano Bezerra

    Coordenadora-adjunta da UAB/UFSVice-diretora do CESAD

    Djalma Andrade

  • SumrioAULA 1Initial Considerations ......................................................................... 07

    AULA 2The organs of speech ....................................................................... 25

    AULA 3The consonantal sounds Part 1 ...................................................... 37

    AULA 4The consonantal sounds Part 2 ...................................................... 57

    AULA 5The vowel Sounds ............................................................................. 75

    AULA 6The diphthongs. ................................................................................. 97

    AULA 7Word Stress ......................................................................................119

    AULA 8Sentence Stress .............................................................................. 133

    AULA 9Intonation...........................................................................................151

    AULA 10Connected speech .......................................................................... 167

  • Aula 1

    Elaine Maria SantosCamila Andrade Chagas Vieira

    INITIAL CONSIDERATIONS

    METAEntender os conceitos basilares da fontica e fonologia

    OBJETIVOSAo final desta aula, o aluno dever:

    Compreender os aspectos segmentais e suprassegmentais da lngua inglesa;Analisar o papel do sotaque para o aprendizado de uma lngua estrangeira, dentro da

    perspectiva de world English;Estudor os fatores que podem influenciar na aprendizagem de uma lngua estrangeira, mais

    especificamente a fontica e fonologia;Analisar a importncia da variao do tom da voz para a fontica.

    PR-REQUISITOSTer conhecimento bsico sobre o processo de ensino-aprendizagem de uma lngua

    estrangeira.

  • 8

    Fontica do Ingls

    INTRODUO

    A primeira aula do curso de fontica da lngua inglesa se prope a levar algumas discusses iniciais sobre os aspectos segmentais e suprassegmentais da lngua inglesa, e de que forma a fontica e a fonologia se propem a analisar os sons, o ritmo e a entonao da lngua inglesa. Antes do estudo dos rgos responsveis pela fonao, importante nos determos nos fatores que podem influenciar na pronncia da lngua inglesa, como, por exemplo, os fatores biolgicos, a motivao, o estabelecimento de filtros afetivos e os aspectos scio-culturais da lngua.

    Neste captulo, vamos entender o porqu da preocupao em perceber a diferena na constituio da lngua inglesa e do portugus, j que esta baseada na formao das slabas, enquanto que, para a primeira, a entona-o da voz responsvel pelas caractersticas da lngua, que influenciam no estudo da fontica e da fonologia.

    importante destacar que, desde a primeira Aula, iremos apresentar alguns termos em lngua inglesa, sempre explicando o seu significado, porm, por questes didticas, nos referiremos muitas vezes ao termo em ingls, uma vez que a forma comumente encontrada nos livros de fontica e fonologia.

    Bons estudos e um excelente trabalho a todos!!

  • 9

    Initial considerations Aula 1

    Esto todos prontos?Vamos dar incio aos nossos estudos referentes a esta primeira aula?

    Caro aluno, no curso de Fontica e Fonologia da Lngua Inglesa voc entrar em contato com os aspectos segmentais e suprassegmentais do Ingls, de modo que esses conhecimentos possam ajud-lo a compreender bem a lngua inglesa e, como consequncia, melhorar a pronncia, no s das palavras, individualmente, como tambm, das frases, impondo o ritmo correto e se preparando para prosseguir seus estudos com autonomia e confiana. Ao nos referirmos aos aspectos segmentais, destacamos os sons das letras, slabas e palavras, estudadas a partir dos smbolos fonticos presentes no IPA International Phonetic Alphabet. Durante os estudos dos aspectos suprassegmentais da lngua, daremos destaque ao estudo do stress, ritmo e entonao.

    Os compndios produzidos para o ensino de lngua inglesa do sculo XVIII j mostravam uma preocupao com a parte fontica, uma vez que os estudos geralmente eram iniciados com uma tentativa em se trabalhar o som das letras e, a seguir, das slabas e palavras do ingls. A sistematizao da representao desses sons e a consequente representao por smbo-los fonticos, no entanto, foi percebida no final do sculo XIX, com o movimento de reforma dos estudos da lngua inglesa. Entre os princpios da reforma, destacam-se a reconhecida primazia da fala, a centralidade do texto contextualizado no processo de ensino-aprendizagem e a prioridade absoluta de uma metodologia que focasse nas prticas orais em sala de aula (HOWATT, WIDDOWSON, 2009).

    GODOY et al., 2006, p.33

  • 10

    Fontica do Ingls

    Ao estudarmos fontica, alguns questionamentos sempre ocorrem, em torno, por exemplo, da dicotomia entre o ingls britnico e o ingls americano e a busca constante pela pronncia perfeita e pelo sotaque nativo. Algumas explicaes, no entanto, so necessrias. No atual mundo ps-moderno e globalizado, no se pode mais reduzir a lngua inglesa aos sotaques e particularidades de apenas dois pases, quando entramos constantemente em contato com tantos outros falantes de ingls dos mais diversos pases, e a comunicao estabelecida assegurada, independente da pronncia empregada, desde que esta seja correta. Voc alguma vez j fez esse questionamento? Sobre o sotaque do ingls que voc deseja obter? Ou sobre a primazia do sotaque de um pas em relao ao encontrado nos demais pases falantes desse idioma?

    http://www.shootingatbubbles.com/archives/were-handing-the-keys-to-the-web-over-to-facebook/

    As pesquisas de Rajagopalan (2004) sobre WE World English refor-am essa necessidade em respeitar a pronncia de outros pases falantes da lngua inglesa, uma vez que, segundo o autor, o imperialismo de um pas sobre os padres desejados entre os aprendizes desse idioma faz com que vivamos um verdadeiro colonialismo lingustico. Dessa forma, importante reconhecer e colocar no mesmo pedestal os sotaques de outros falantes nativos do idioma. O autor tambm destaca que a aprendizagem do ingls no pode estar centrada na busca pela pronncia nativa, j que um brasileiro, por exemplo, nunca ter um sotaque britnico, americano, ou

  • 11

    Initial considerations Aula 1canadense, por exemplo, e sim um sotaque brasileiro. Cada pessoa deve ter orgulho do sotaque que traz, por estar carregado de sua histria e origens, do jeito de falar do seu povo e das caractersticas lingusticas inerentes da sua lngua materna. Colocar o sotaque nativo como um totem a ser obtido deve ser evitado, por ser prejudicial para as prticas de ELT (English Lan-guage Teaching), e carregar uma