Click here to load reader

GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ... · PDF fileRESUMO A indústria da construção civil (ICC) ... Outras construtoras que possuem o PGRCC, o fazem devido a obrigações

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ... ·...

  • GESTO DOS RESDUOS DE CONSTRUO E DEMOLIO: ANLISE DA PERCEPO DOS PROFISSIONAIS DA CONSTRUO CIVIL EM CANTEIROS DE OBRAS DO MUNICPIO DE VITRIA (ES)

    Fabrcia D.Rembiski (1); Joo L. Calmon (2); Miriam de M. Pinto (3); Mariana D. Araujo (4)

    (1) Programa de Ps-Graduao em Engenharia Civil - Universidade Federal do Esprito Santo, Brasil- e-mail: [email protected]

    (2) Programa de Ps-Graduao em Engenharia Civil - Universidade Federal do Esprito Santo, Brasil- e-mail: [email protected]

    (3) Programa de Ps-Graduao em Economia - Universidade Federal do Esprito Santo, Brasil - e-mail: [email protected]

    (4) Departamento de Engenharia Civil - Universidade Federal do Esprito Santo, Brasil - e-mail: [email protected]

    RESUMO A indstria da construo civil (ICC) gera grande parte dos resduos slidos dos centros urbanos, e ao mesmo tempo, consome uma quantidade significativa de recursos naturais finitos, como gua, areia, rochas ornamentais, calcrio, argila, ferro, dentre outros. Esta situao tem se transformado lentamente, a partir da adoo de processos construtivos racionalizados, que reduzem o desperdcio de materiais de construo, e consequentemente, a gerao de resduos de construo e demolio (RCD). Inserida neste contexto, a implantao do Programa de Gerenciamento de Resduos da Construo Civil (PGRCC) pelas empresas de construo contribui para o gerenciamento sustentvel e adequado destes resduos nos canteiros de obra. Este artigo objetiva analisar a percepo de trs categorias de profissionais da construo civil (engenheiros, tcnicos em edificaes e mestres), diante do modelo de gerenciamento integrado dos RCD proposto pela Resoluo n. 307 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), em nove canteiros de obra do municpio de Vitria (Esprito Santo). A metodologia utilizada compreendeu reviso de literatura, registro fotogrfico, visitas tcnicas aos canteiros de obras, entrevista semi-estruturada com os referidos profissionais e anlise dos resultados. O roteiro utilizado na entrevista possua trinta e cinco perguntas pr-estabelecidas que estavam distribudas nos seguintes agrupamentos: 1)Gesto dos resduos de construo e demolio; 2) Resduos de Construo e Demolio; 3) Legislao; 4)Agregados Reciclados; 5)Mercado; 6)Identificao da empresa e 7)Identificao do entrevistado. As caractersticas observadas nos canteiros de obras possibilitaram a realizao de uma comparao qualitativa entre as construtoras, e foram descritas por meio do instrumento para coleta de dados denominado dirio de visita. Verificou-se que a maioria das empresas de construo no realiza o gerenciamento dos RCD conforme proposto pela Resoluo CONAMA n.307.

    Palavras-chave: resduos de construo e demolio, gerenciamento, percepo,construtoras.

  • 1 INTRODUO A cadeia produtiva da indstria da construo civil estrutura-se entorno de um modo de produo linear, que consiste na extrao de recursos naturais tendo em vista sua transformao para gerao de bens de uso, sendo que grande parte dos resduos oriundos destes processos (RCD) no reaproveitada, conforme Souza et al. (2004). Os RCD produzidos nesta indstria originam-se a partir de diferentes processos construtivos e materiais, o que contribui para torn-los um material heterogneo de alta variabilidade e de difcil classificao. A Resoluo CONAMA n. 307 (BRASIL, 2002) classifica os RCD como aqueles provenientes de construes, reformas, reparos e demolies de obras de construo civil, e ainda os resultantes de preparao e da escavao de terrenos.

    Sternieri; Pimentel; Lintz (2008) relatam que a reduo na gerao dos RCD no canteiro de obras est associada a vrias aes para sua minimizao, como a organizao dos materiais de construo e a localizao do almoxarifado e/ou estoque, em relao aos principais fluxos de materiais, operrios e equipamentos.

    Miranda; Angulo; Careli (2009) constataram que durante os vinte e dois meses da construo de um edifcio residencial multipiso com rea construda de 11.984m, com relao ao volume total de resduos, cerca de 50,8% em volume e 79,6% em massa, era constitudo por materiais cermicos, sobras de argamassa e concreto, passveis de reciclagem para produo de agregados.

    Enquanto isso, Katz; Baurn (2010) desenvolveram uma metodologia para estimar a evoluo da gerao dos RCD durante as distintas etapas da obra, a partir da anlise de dez canteiros de obras em Israel, cuja rea construda variava entre 7.000 e 32.000 m. Estes autores afirmam que o fluxo de resduos varia de forma exponencial, sendo menor nas etapas inicias da obra, enquanto aumenta nas etapas finais, totalizando cerca de 0,2 m de resduo por metro quadrado construdo. Enquanto isso, Pinto (1999) considera, no contexto brasileiro, uma gerao de RCD de 150kg/m de rea construda.

    Pinto (1999) estima que a massa dos RCD gerados em atividades de construo, reformas e demolio, em cidades brasileiras de mdio e grande porte, varie entre 41 a 70% da massa total de resduos slidos urbanos. No entanto, constata-se que grande parte destes resduos depositada em locais inadequados como encostas de morros, canais, valas de drenagem, leitos de rios, parques, reas particulares e de interesse ambiental, entre outros, o que colabora para a proliferao de vetores, para a obstruo de vias e crregos. Esta deposio irregular e os impactos ambientais negativos advindos desta circunstncia constituem um problema de saneamento bsico para muitas cidades.

    Diante disso, o CONAMA elaborou a Resoluo n.307 (BRASIL, 2002), que estabelece diretrizes, critrios, definindo as responsabilidades dos atores envolvidos no gerenciamento dos RCD, disciplinando suas aes, de forma a minimizar os impactos ambientais originados por estes resduos. A referida resoluo estimula os geradores a terem como objetivo prioritrio a no-gerao de resduos, possibilitando o exerccio de responsabilidade ambiental. Esta medida enfatizada por Araujo;Cardoso (2007, p.8): Garantir canteiros de obras sustentveis no tarefa simples, mas, tendo em vista as conseqncias que causam ao meio e s demais partes interessadas, isso deve se transformar numa tarefa a ser cada vez mais perseguida pelos agentes do setor.

    Em vigor desde janeiro de 2003, a referida resoluo estabelece que o construtor responsvel pela implantao do PGRCC em seu empreendimento, sendo que este processo envolve a qualificao e a documentao de procedimentos de triagem, acondicionamento e disposio final de todos os resduos gerados nos canteiros de obra. Miranda; Angulo; Careli (2009, p.61) citam que dentre as aes necessrias para implantao do PGRCC faz necessria a (...) conscientizao dos funcionrios quanto ao desperdcio, associada certificao de qualidade ISO 9000 (...), a qual contribui para minimizao da gerao dos RCD no canteiro.

    Com o intuito de possibilitar a elaborao do sistema de gerenciamento dos RCD, a resoluo determina, inclusive, que haja criao por parte dos municpios e do Distrito Federal um Plano Integrado de Gerenciamento de Resduos de Construo e Demolio, que contempla o Programa Municipal de Gerenciamento de Resduos de Construo e Demolio e Projetos de Gerenciamento de Resduos da Construo Civil.

  • Entretanto, constata-se que, atualmente, muitas construtoras e municpios ainda no realizam a gesto sustentvel dos RCD, como descrito por Lordsleem Jnior et al. (2006, p.1872): Embora em estgio inicial, as construtoras e o setor pblico comeam a implementar aes com o intuito de reduzir o impacto ambiental gerado durante as construes, reformas e demolies. Miranda; Angulo; Careli (2009) relatam que aproximadamente 1% das empresas construtoras no Brasil, dentre as quais se destacam as de mdio e grande porte, possuem o PGRCC conforme descrito no quadro 01.

    Estado Nmero de empresas assistidas

    Suporte tcnico

    AL 12 Projeto Competir NE (SENAI, SEBRAE, GTZ)

    BA 20 Projeto Competir NE (SENAI, SEBRAE, GTZ) DF 25 Universidade de Braslia

    MA 09 Projeto Competir NE (SENAI, SEBRAE, GTZ) MG 07 SENAI

    PE 28 SENAI e Poli-UPE

    PI 04 Projeto Competir NE (SENAI, SEBRAE, GTZ)

    RN 06 Projeto Competir NE (SENAI, SEBRAE, GTZ) SE 20 MC Engenharia SP 60 Obra Limpa

    Total 191 - Quadro 01: Construtoras assistidas por empresas de consultoria ou outras instituies para a implantao do

    gerenciamento de RCD em canteiros Fonte: Careli (2008, p.52)

    Outras construtoras que possuem o PGRCC, o fazem devido a obrigaes contratuais e em funo dos requisitos da legislao municipal para aprovao de empreendimentos, contudo estes projetos no so implantados durante a construo da edificao. Deste modo, o planejamento de aes integradas entre os atores envolvidos no gerenciamento dos RCD para Miranda; Angulo; Careli (2009, p.59) imprescindvel, tendo em vista a (...) legislao especfica, de ao coercitiva (fiscalizao) e socioeducativa (...).

    As regionais do Sindicato da Indstria da Construo Civil (SINDUSCON) tm promovido aes que buscam o treinamento dos profissionais, por meio da organizao, publicao e distribuio gratuita de manuais, que auxiliam na elaborao do PGRCC pelas construtoras (Quadro 02).

    Publicao Unidade federativa Instituies envolvidas Ano

    Gesto ambiental dos resduos da construo civil A experincia do Sinduscon-SP SP

    Sinduscon-SP, Informaes e Tcnicas e Obra Limpa 2005

    Programa Entulho Limpo (1 Etapa) Coleta Seletiva DF

    Sinduscon-DF, Ecoatitude e Universidade de Braslia 2000

    Cartilha de gerenciamento de resduos slidos para a construo civil MG

    Sinduscon-MG, Senai-MG e Sebrae- MG 2005

    Gesto de resduos na construo civil SE Sinduscon-SE, Senai-SE e Sebrae-SE 2005

    Programa Entulho Limpo Resduos da construo e demolio PE

    Sinduscon-PE, Sebrae-PE e Ademi-PE 2004

    Quadro 02: Publicaes sobre gerenciamento de RCD em canteiros Fonte: Careli (2008, p.52)

  • Dentro desse contexto, esta investigao procura contribuir com o meio cientf

Search related