GESTO DE RISCOS E SEGURANA DE VP.pdfEsta modalidade de apreciao do risco mais subjectiva que os critrios de risco individual e societal utilizadas no mbito

Embed Size (px)

Text of GESTO DE RISCOS E SEGURANA DE VP.pdfEsta modalidade de apreciao do risco mais subjectiva que os...

  • GESTO DE RISCOS E SEGURANA

    DE BARRAGENS

    A. Veiga Pinto

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

  • 2

    > GESTO DE RISCOS

    > APLICAO DA LEGISLAO PORTUGUESA SOBRE SEGURANA DE BARRAGENS

    > ANLISE ESTATSTICA DE DETERIORAOES

    > FACTOR HUMANO NO CONTROLO DE SEGURANA

    GESTO DE RISCOS E SEGURANA DE BARRAGENS (SUMRIO)

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

  • 3

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    VISEU, T. (2006) Segurana dos vales a jusante de barragens. Metodologias de apoio gesto do risco, Tese de doutoramento, IST, Lisboa, 1- 377

    PIMENTA, L. (2008) Abordagens de riscos em barragens de aterro, Tese de doutoramento, IST, Lisboa, 1- 534

    ALMEIDA, A. B. (2006) Emergncias e gesto do risco,Curso de Segurana e Explorao de Barragens, INAG ed., Lisboa, 7.1-7.110

    CALDEIRA, L. (2005) Anlise de riscos em Geotecnia. Aplicao a barragens de aterro, Programa de Investigao para Obteno de Habilitao para Funes de Coordenao Cientfica, LNEC, Lisboa, 1- 248

    A. Silva GomesA. Betmio Almeida

    A. Tavares de CastroJos Paixo

    Laura CaldeiraLurdes Pimenta

    Teresa Viseu

    CNPGB (2005) Grupo de trabalho de anlise de riscos em barragens.1 Relatrio de Progresso, INAG ed., Lisboa, 1-13

    CNPGB (2006) Grupo de trabalho de anlise de riscos em barragens.2 Relatrio de Progresso, INAG ed., Lisboa, 1-27

    BIBLIOGRAFRIA FUNDAMENTAL EM PORTUGUES

  • 4

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    PRINCIPAIS ASPECTOS QUESTIONADOS NESTE ESTUDO SOBRE GESTO DE RISCOS

    1) Objectivos e desenvolvimento histrico?

    2) Quais os conceitos fundamentais e mtodos utilizados?

    3) Casos de aplicao?

    4) Quais as perspectivas futuras?

    O QUE SE PRETENDEU SABER

  • 5

    Risco o valor obtido a partir da considerao de

    consequncias possveis (designadamente, perdas de vidas e custos) de acontecimentos indesejveis, conjugada com a probabilidade de ocorrncia de factores (exgenos e endgenos) intervenientes no

    processo

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    RISCO

    Como em qualquer outro acidente, tambm neste caso o melhor remdio a preveno,

    que passa pela gesto do risco do sistema albufeira-barragem-vale a jusante

  • 6

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    Identificao do perigo e respectivos efeitos

    Identificao das consequncias

    Estimativa do valor das consequncias

    Estimativa da probabilidade das consequncias

    Admissibilidade de riscos

    Estimativa de riscos

    Percepo de riscos

    Tomada de Decises/Recomendaes

    Controlo de riscos

    Observao de riscos

    Anlise deriscos

    Avaliao deriscos

    Gesto deriscos

    Tomada dedecises econtrolo

    Apreciao de riscos

    PRINCIPAIS ACTIVIDADES DAGESTO DO RISCO Descrio do mbito

  • 7

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    Descrio do mbito

    Identificao do perigo e respectivos efeitos

    Identificao das consequncias

    Estimativa do valor das consequncias

    Estimativa da probabilidade das consequncias

    Admissibilidade de riscos

    Estimativa de riscos

    Percepo de riscos

    Tomada de Decises/Recomendaes

    Controlo de riscos

    Observao de riscos

    Anlise deriscos

    Avaliao deriscos

    Gesto deriscos

    Tomada dedecises econtrolo

    Apreciao de riscos

    Anlise deriscos

  • 8

    Por anlise de riscosentende-se o conjunto de procedimentos referentes identificao dos

    acontecimentos indesejveis, que conduzem materializao dos riscos, anlise dos mecanismos que desencadeiam esses

    acontecimentos e determinao das respostas das estruturas e das respectivas consequncias (estimativa da extenso, da amplitude

    e da probabilidade da ocorrncia de perdas)

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    ANLISE DE RISCOS

    > Numa anlise de riscos h 3 componentes:

    Um acontecimento (mecanismo de deteriorao)Uma probabilidade associada ocorrncia desse acontecimentoUm dano potencial associado a esse acontecimento

    O RISCO DE UM DADO ACONTECIMENTO O PRODUTO DA PROBABILIDADE PELO DANO POTENCIAL

  • 9

    O mtodo LCI implementa-se em duas etapas. Numa primeira etapa procede-se identificao e avaliao das potenciais consequenciais e sua apreciao e, numa

    segunda etapa (condicionada aos resultados da primeira), identificao e avaliao dos modos de ruptura com

    capacidade para induzir uma onda de cheia no vale a jusante (Pimenta, 2008)

    Dos mtodos qualitativos ou semi-quantitativos que melhor parece se adequarem anlise de riscos de barragens so

    os diagramas do tipo arborescente que se referem Localizao, Causa e Indicadores de falhas (LCI)

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    A identificao das consequncias conduz estimativa do caudal de ponta na seco da barragem, o tempo de

    chegada aps a ruptura e a altura atingida pela onda de cheia em seces do vale previamente definidas

    MTODO LCI

  • 10

    A aplicao dos diagramas LCI implica, para alm da anlise integrada de todos os elementos disponveis (das fases de

    projecto, construo e explorao), a realizao de uma visita de inspeco obra. Na realidade, estes diagramas valorizam

    muito a deteco visual de indcios e evidncias de comportamentos anmalos que possam conduzir ruptura

    Com base no conhecimento do vale a jusante e dos nveis de gua atingidos pela onda de cheia, calculado o ndice

    global de impacto (IGI), atravs da combinao ponderada da perda potencial de vidas humanas (PPV) e das perdas

    econmicas (PE), no vale prximo (primeiros 5 km) e no vale afastado (restante desenvolvimento)

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    Um diagrama do tipo LCI, adaptado a barragens de aterro, foi desenvolvido no Reino Unido (Hughes et al., 2000). Em

    seguida apresenta-se uma parte deste diagrama

    MTODO LCI

  • 11

    As causas e os indicadores das falhas so classificados de (1 a 5) por intermdio de trs atributos que se discriminam subsequentemente (Pimenta et al., 2005).

    > Efeito (Ef.) relaciona o indicador induzido pela causaem anlise numa determinada localizao com a ruptura parcial ou total (1 para baixo, 5 para elevado)

    >Verosimilhana ( Veros.) da ruptura da componente no caso da causa em anlise e indicador em estudo (1 para baixa, 5 para elevada)

    > Grau de confiana (Conf.) do analista nas suas estimativas do efeito e da verosimilhana, face, designadamente, s incertezas no conhecimento da componente em anlise (5 para baixo ou duvidoso, 1 para elevado)

  • 12

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    1) ndice de ordenao, determinado pelo produto das classificaes do atributo efeito pelo atributo verosimilhana

    2) ndice de confiana, igual ao grau de confiana

    3) ndice de criticalidade, determinado pelo produto das classificaes atribudas ao efeito, verosimilhana e ao grau de confiana

    4) ndice de risco, determinado pelo produto do ndice de criticalidade pelo ndice global de impacto (relativo s consequncias)

    Concluda a atribuio dos atributos, so calculados quatro ndices para cada conjunto localizao/causa/indicador:

    Os vrios conjuntos localizao/causa/indicador em estudo so hierarquizados atravs dos valores dos respectivos ndices, tendo em conta o que se pretende com a realizao da anlise. Assim, por exemplo, para definir prioridades de medidas de reabilitao utilizado o ndice de ordenao e, para definir trabalhos de investigao complementar, o

    ndice de criticalidade

    APLICAO DO MTODO LCI(Pimenta, 2008)

  • 13

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    Por definio (Berthin e Vach, 2000), a anlise por rvore de eventos no mais do que um esquema

    lgico arborescente, que permite ligar, por um mtodo indutivo, os acontecimentos iniciadores s

    consequncias que podem provocar (diagramas causa-efeito), e se requerido calcular as

    probabilidades associadas. Permite ilustrar os efeitos e/ou estados, intermdios e finais, susceptveis de ocorrer aps o surgimento de um acontecimento

    inicialmente seleccionado

    QUANTIFICAO DO RISCONALISE QUANTITATIVA

    ANLISE POR RVORE DE EVENTOS

  • 14

    EXEMPLO DE UMA ANLISE POR RVORE DE EVENTOS

    Sistema constitudoPor duas barragens emcascata, pretendendo-seavaliar a possibilidade de rupturapor galgamento da barragem a jusante

    (Caldeira, 2005)

  • 15

    3 Simpsio de Segurana de Barragens e Riscos Associados Nov. 2008

    Descrio do mbito

    Identificao do perigo e respectivos efeitos

    Identificao das consequncias

    Estimativa do valor das consequncias

    Estimativa da probabilidade das consequncias

    Admissibilidade de riscos

    Estimativa de riscos

    Percepo de riscos

    Tomada de Decises/Recomendaes

    Controlo de riscos

    Observao de riscos

    Anlise deriscos

    Avaliao deriscos

    Gesto deriscos

    Tomada dedecises econtrolo

    Apreciao de riscosApreciao de riscos

  • 16

    Aps a realizao de uma anlise de riscos, hque efectuar a apreciao do risco. Designa-se

    por apreciao do risco o processo de ponderao e de julgamento do significado do

    risco obtido na anlise dos riscos

    um campo em que se entra no domnio da aceitabilidade e tolerabilidade do risco e

    portanto um dos aspectos mais controversos da gesto dos riscos

Recommended

View more >