of 28 /28
A IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO NO SUS SUAS COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES NAS AÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA Versão Digital

Import. Farma.sus

Embed Size (px)

Text of Import. Farma.sus

A IMPORTNCIA DO FARMACUTICO NO SUSSUAS COMPETNCIAS E ATRIBUIES NAS AES DE SADE PBLICA

Verso Digital

FICHA CATALOGRFICAConselho Regional de Farmcia de Minas Gerais; A IMPORTNCIA DO FARMACUTICO NO SUS - Suas Competncias e Atribuies nas aes de Sade Pblica / Organizador CASP-CRF/MG 1 Ed. Belo Horizonte: CRF/MG, 2011. 28p. 1.Apresentao 2.Atribuies do farmacutico na Ateno Primria a Sade (APS) 3.Estrutura das Farmcias no SUS 4. Atribuies do farmacutico na Vigilancia a Sade

Redao: Comisso Assessora de Sade Pblica Edio: Katharina Lacerda (JP 09515) Hllen Cota Mateus Pegoraro (estagirio)

Projeto Grfico:

Ilustraes: Mateus Pegoraro

1 Edio

Dedicado aos colegas que contribuem para o fortalecimento da assistncia farmacutica na Sade Pblica.

SUMRIO05 06 12 14 22 24Apresentao

Atribuies do farmacutico no mbito municipal na Ateno Primria a Sade (APS)

Estrutura das Farmcias no SUS

Atribuies do farmacutico no mbito municipal da Vigilncia a Sade

Viso, Misso e Valores do CRF/MG

Bibliografia

APRESENTAOO Conselho Regional de Farmcia de Minas Gerais (CRF/MG) tem atuado nos ltimos anos de forma a atender a diversos interesses e necessidades da categoria farmacutica. Especificamente na rea de Sade Pblica e mais precisamente na Poltica Nacional de Assistncia Farmacutica e de Medicamentos diversas aes esto sendo desenvolvidas. Seja participando ativamente nas discusses sobre os rumos desta poltica junto aos gestores do Sistema nico de Sade SUS, a compreendendo Ministrio da Sade, Secretaria de Estado da Sade e Secretarias Municipais de Sade de Minas Gerais, como tambm proporcionando categoria farmacutica a capacitao nesta rea por intermdio de parcerias com Curso de Especializao e Fruns Regionais em todo o Estado de Minas Gerais. No ano de 2010, visando fortalecer ainda mais sua atuao, o CRF/MG instituiu a Comisso Assessora de Sade Pblica (CASP) que tem por objetivo discutir as necessidades da categoria sobre o tema e formas de propiciar aos profissionais farmacuticos um maior intercmbio sobre suas experincias na Gesto da Assistncia Farmacutica e das demais atribuies privativas e afins do farmacutico no SUS. Esta cartilha elaborada pela Comisso Assessora de Sade Pblica-CASP visa disponibilizar aos Gestores do Sistema nico de Sade, principalmente Secretrios Municipais de Sade e tambm aos colegas farmacuticos, o conhecimento do conjunto de atividades exercidas pelo farmacutico no mbito do SUS. Compreender estas atividades propicia aos Gestores do SUS ter a dimenso da necessidade de manter o farmacutico em seu quadro de profissional de sade. Profissional, este, indispensvel no cumprimento da integralidade das aes de sade na gesto das polticas de Assistncia Farmacutica e de Medicamentos e, tambm de fundamental importncia na consolidao da Estratgia de Sade da Famlia e das aes da Vigilncia Sade dos municpios. Fortalecer o Sistema nico de Sade a misso de Gestores e Profissionais de Sade.

Por uma Assistncia Farmacutica Integral e de Qualidade!Comisso Assessora de Sade Pblica- CRF/MG

05.

Atribuies do farmacutico no mbito municipal na Ateno Primria SadeAs funes do farmacutico na Sade Pblica na Ateno Primria Sade se dividem entre aes tcnico-gerenciais e aes tcnico-assistenciais. As ates tcnico-gerenciais se constituem em atividades meio e so aes de suporte ao processo gerencial da assistncia farmacutica (AF) voltadas principalmente para a logstica do medicamento. Estas tambm do suporte prescrio e dispensao. As aes tcnico-assistenciais visam o cuidado ao usurio, considerando o uso do medicamento, contribuindo para a efetividade do tratamento, seja no mbito individual ou coletivo por meio de aes voltadas ao paciente e no ao medicamento. Se baseiam na gesto clnica do medicamento e se caracterizam por servios centrados no usurio de forma a garantir a utilizao correta de medicamentos e a obteno de resultados teraputicos positivos.

Aes tcnico-gerencias: Participar do planejamento, estruturao e organizao da assistncia farmacutica no mbito municipal; Coordenar e elaborar o planejamento anual de compras para o municpio de forma a manter a regularidade no abastecimento de medicamentos; Executar, acompanhar e assegurar a aquisio dos medicamentos; Receber e armazenar adequadamente os medicamentos; Promover a correta distribuio de medicamentos para os servios de sade, permitindo sua rastreabilidade; Elaborar, junto a outros profissionais, a Relao Municipal de Medicamentos utilizando critrios preconizados pelo Ministrio da Sade e OPAS/OMS, promovendo sua divulgao para os diversos profissionais de sade; Definir os medicamentos a serem fracionados e manipulados e acompanhar sua produo; Elaborar, em conjunto com outros profissionais, informes tcnicos, protocolos teraputicos e materiais informativos sobre Assistncia Farmacutica e medicamentos, bem como promover sua divulgao; Elaborar e acompanhar a implementao de normas e Procedimentos Operacionais Padro (POP) das aes da Assistncia Farmacutica para organizao dos servios, bem como divulg-los e revis-los periodicamente;

06.

Acompanhar o processo de utilizao de medicamentos no municpio, realizando Estudos de Utilizao de Medicamentos, elaborando propostas para melhor utilizao; Elaborar, junto equipe multiprofissional, protocolos e regulaes relativas ao fornecimento de medicamentos aos usurios e dispensao de medicamentos; Viabilizar e acompanhar a utilizao de protocolos teraputicos; Planejar e promover capacitaes e treinamento de farmacuticos e auxiliares da farmcia; Promover a captao e acompanhamento de estagirios e acadmicos de Farmcia; Elaborar e implementar, em conjunto com outros profissionais, plano de ao para a farmcia, com acompanhamento e avaliaes peridicas; Promover discusses com gestor e equipe de sade sobre a assistncia farmacutica; Promover e intermediar, junto aos profissionais de sade, aes que disciplinem a prescrio e a dispensao; Fazer a interlocuo entre as unidades e servios de sade de diferentes nveis de complexidade, mantendo o fluxo de informaes sobre medicamentos no municpio; Participar da elaborao de propostas de aes que visem a gesto do risco em sade; Acompanhar e monitorar as aes de Assistncia Farmacutica no municpio, definindo indicadores para sua avaliao; Realizar avaliaes peridicas das aes de assistncia farmacutica com sugestes de mudanas para sua melhoria.

07.

08.

Aes tcnico-assistenciais: Identificar as necessidades da populao em relao informao em sade segundo a Estratgia Sade da Famlia (ESF) e em conjunto com a equipe de sade. Realizar aes de educao em sade voltadas para a comunidade; Realizar contato com os prescritores com a finalidade de evitar aviamento de receitas que possam prejudicar a sade do usurio; Junto ao Ncleo de Apoio Sade da Famlia (NASF), implementar Grupos Operativos e Educativos com objetivo de prevenir e promover sade, estimulando a adoo de hbitos saudveis de vida; Realizar visitas domiciliares em pacientes nos quais se identifica a necessidade, preferencialmente acompanhados de Agente Comunitrio de Sade (ACS); Realizar, quando necessrio, atendimento individual focando a necessidade real de cada paciente em relao aos seus problemas de sade; Participar da elaborao de planos teraputicos para o usurio, buscando a co-responsabilizao do paciente com o seu tratamento e com a sua condio de sade; Realizar dispensao especializada, orientao e acompanhamento farmacoteraputico na unidade de sade visando a promoo da sade e preveno de Problemas Relacionados Medicamentos (PRM), conforme necessidade e condies de execuo; Realizar conciliao de medicamentos visando seu uso racional; Realizar gesto de caso junto a outros profissionais visando adeso ao tratamento; Orientar os funcionrios da farmcia quanto dispensao de medicamentos; Orientar usurios quanto obteno de medicamentos de responsabilidade das trs esferas governamentais; Desenvolver aes e intervenes para reduo de erros de medicao; Participar das aes de sade includas na gesto clnica do medicamento, abrangendo toda a rede de ateno sade; Promover aes de educao permanente para funcionrios das farmcias locais, prescritores, equipe multiprofissional e ACS; Participar da elaborao, implantao e acompanhamento de aes em sade voltadas para o manejo das condies crnicas;

Participar da elaborao, implantao e acompanhamento de aes em sade voltadas para programas estratgicos como combate a tuberculose, hansenase, DST/AIDS e endemias focais como Leishmaniose, Dengue, Doena de Chagas, Esquistossomose, dentre outras; Participar de campanhas e eventos relacionados sade na comunidade, com orientaes em Sade; Participar dos Fruns de discusso de ciclos de vida; Reunir e interagir com a Comisso Local de Sade e/ou Conselho Municipal de Sade; Promover aes que disciplinem a prescrio, dispensao e consumo visando o Uso Racional de Medicamentos (URM); Implantar o programa de farmcias notificadoras no municpio e orientar profissionais de sade a notificarem Reaes Adversas a Medicamentos (RAM); Promover, em conjunto com equipe multiprofissional e gestor, aes de melhorias da ambincia e humanizao na unidade de sade; Participar das aes de acupuntura integrando-a com as polticas afins; Promover a incorporao da homeopatia nos diversos nveis de complexidade do sistema, principalmente na ateno bsica, buscando a preveno de doenas e a promoo da sade; Participar da insero das prticas medicinais e fitoterapia no SUS; Participar do desenvolvimento de experincias em Termalismo Social/Crenoterapia e Medicina Antroposfica no mbito do SUS; Participar do processo de deciso em sade junto aos gestores e demais profissionais de sade. Participar da elaborao e implantao do Programa de Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade (PGRSS) no municpio; Planejar e conduzir, junto a outros profissionais de sade, grupos de controle do tabagismo; Promover aes de assistncia farmacutica voltadas para o atendimento a grupos especiais como populao carcerria, indgena e de profissionais do sexo; So muitas as atribuies do farmacutico na APS, o responsvel pela gesto do medicamento e insumos, promove o acesso medicamentos de qualidade, orienta a prtica clnica em relao utilizao do medicamento. contribuindo para seu uso racional, e trabalha em conjunto com a equipe multiprofissional de forma a melhorar as condies de sade e a qualidade de vida da populao.

10.

realizao participao orientao implementao

11.

Estrutura das Farmcias no SUSOs parmetros do nmero de farmacuticos e farmcias recomendados so: a) Que as farmcias sejam instaladas em Centros de Sade regionalizados prevendo-se o melhor acesso pela populao no atendimento entre os postos de sade e a farmcia de referncia. b) O nmero de farmacuticos necessrios deve ser previsto em funo dos seguintes critrios: Nmero de habitantes Complexidade do servio Nmero de prescries/dia atendidas Nmero de postos de sade com medicamentos Complexidade dos medicamentos dispensados Programas Especiais existentes Programa Sade da Famlia ndice de Desenvolvimento Humano Os municpios devero envidar esforos para estruturar a Assistncia Farmacutica, assegurando um atendimento adequado populao, o uso correto de medicamentos, e observando a racionalizao na aplicao dos recursos financeiros destinados aquisio de medicamentos aos municpios, em consonncia com a Poltica Nacional de Assistncia Farmacutica. O processo de reorientao da Assistncia Farmacutica proposto pela Poltica Nacional de Medicamentos, que vem sendo implementado no SUS, est fundamentado: Na descentralizao da gesto; Na promoo do uso racional de medicamentos; Na otimizao e na eficcia das atividades envolvidas na AF; No desenvolvimento de iniciativas que possibilitem a reduo de preos de produtos, viabilizando o acesso da populao inclusive no mbito privado.

12.

A necessidade de construir uma nova gesto da assistncia farmacutica no SUS fundamentase na implementao desta nova prtica nos estados e municpios, sendo necessrio, para isto, o desenvolvimento de aes estruturantes, com aplicao de novos conhecimentos, habilidades, ferramentas e tcnicas, indispensveis qualificao e melhoria das atividades desenvolvidas sob sua guarda. Portanto, o papel dos gestores municipais fundamental para que a assistncia farmacutica, como parte fundamental da ateno sade, seja implementada no SUS.

13.

de se nv ol o an m ia hu nc to ci va en efi iati vim o e inic e ot efi im c iza a ci

Atribuies do farmacutico no mbito municipal da Vigilncia SadeConforme a Lei 8080/90, um dos objetivos do SUS a assistncia s pessoas por intermdio de aes de promoo, proteo e recuperao da sade, com a realizao integrada das aes assistenciais e das atividades preventivas. Esto includas ainda no seu campo de atuao a execuo de aes de vigilncia sade, compreendendo aes de vigilncia sanitria (Visa), de vigilncia epidemiolgica, de sade do trabalhador, com a realizao de atividades voltadas, dentre outras, para o controle e a fiscalizao de servios, produtos e substncias de interesse para a sade; a fiscalizao e a inspeo de alimentos, gua e bebidas para consumo humano e a participao no controle e na fiscalizao da produo, transporte, guarda e utilizao de substncias e produtos psicoativos, txicos e radioativos. De acordo com o anexo II da Portaria 399 de 22 de fevereiro de 2006, que divulga o pacto pela sade 2006 consolidao do SUS e aprova as diretrizes operacionais do referido pacto, todo municpio responsvel pela integralidade da ateno sade da sua populao, devendo assumir a gesto e execuo das aes de vigilncia em sade realizadas no mbito local, compreendendo as aes de vigilncia epidemiolgica, sanitria e ambiental, de acordo com as normas vigentes e pactuaes estabelecidas. Conforme a Resoluo do Conselho Federal de Farmcia n 539 de 22 de outubro de 2010, desenvolvimento das atividades do farmacutico em Visa encerrar aes de promoo, proteo e recuperao da sade, as quais devero estar integradas aos processos de trabalho voltados ao controle de riscos relacionados aos produtos, servios, vigilncia ambiental e sade do trabalhador. Fica definido no seu art 2 que a fiscalizao profissional sanitria e tcnica de empresas, estabelecimentos, setores, frmulas, produtos, processos e mtodos farmacuticos ou de natureza farmacutica de responsabilidade privativa do farmacutico, devendo-se manter superviso direta, no se permitindo delegao. Conforme o Art. 3 da referida resoluo, privativa do farmacutico a fiscalizao profissional, tcnica e sanitria, no tocante a: dispensao, fracionamento e manipulao de medicamentos magistrais, frmulas magistrais e farmacopeicas; estabelecimentos industriais farmacuticos em que se fabriquem produtos que tenham indicaes e/ou aes teraputicas, anestsicos ou auxiliares de diagnstico, ou capazes de criar dependncia fsica ou psquica;

14.

manipulao e o fabrico dos medicamentos galnicos e das especialidades farmacuticas; rgos, laboratrios, setores ou estabelecimentos farmacuticos em que se executem controle e/ou inspeo de qualidade, anlise prvia, anlise de controle e anlise fiscal de produtos que tenham destinao teraputica, anestsica ou auxiliar de diagnsticos ou capazes de determinar dependncia fsica ou psquica; rgos, laboratrios, setores ou estabelecimentos farmacuticos em que se pratiquem extrao, purificao, controle de qualidade, inspeo de qualidade, anlise prvia, anlise de controle e anlise fiscal de insumos farmacuticos de origem vegetal, animal e mineral; depsitos de produtos farmacuticos de qualquer natureza; de empresas, estabelecimentos, setores, frmulas, produtos, processos e mtodos farmacuticos ou de natureza farmacutica; elaborao de laudos tcnicos e realizao de percias tcnico-legais relacionad\s com atividades, produtos, frmulas, processos e mtodos farmacuticos ou de natureza farmacutica. fiscalizao profissional, tcnica e sanitria nos estabelecimentos que distribuem e/ou transportem medicamentos e demais produtos farmacuticos, incluindo empresas de transportes terrestres, areos, ferrovirios ou fluviais (embarcaes, avies, portos e aeroportos). O anexo I da resoluo 539/2010/CFF estabelece que compete ao farmacutico o desenvolvimento das seguintes aes, atividades e servios em Vigilncia Sanitria:

Em informao, educao e comunicao em sade: desenvolver estratgias de comunicao e informao permanente com a sociedade, com abrangncia inter e intrassetorial, incluindo usurios, setor regulado, gestores, profissionais de sade e trabalhadores; criar canais de comunicao com a sociedade, para disseminao de informaes junto aos diversos segmentos da populao; capacitar conselheiros, gestores, profissionais de sade e a populao em geral, com vistas criao de uma conscincia sanitria;

desenvolver uma poltica de comunicao na perspectiva de ampliar e fortalecer o controle social e os movimentos populares, para divulgar instrumentos de defesa do cidado, tais como, legislao sanitria, Cdigo de Defesa do Consumidor, informativos, alertas, palestras, cartilhas, dentre outros; promover campanhas educativas relacionadas Visa nos meios de comunicao e canais alternativos; articular-se com as reas da sade e desenvolver estratgias de comunicao junto aos gestores, Secretarias de Governo, instituies de ensino, Conselhos, Comisses Tcnicas e Instncias Colegiadas do SUS, Poderes Legislativo, Executivo e Judicirio, para discutir a importncia das aes de Visa; elaborar materiais educativos e informativos, estudos e pesquisas que promovam o conhecimento cientfico e tecnolgico no mbito da Visa, organizar e compartilhar tais informaes; promover a produo, o acesso e o intercmbio permanente de conhecimentos e prticas em Visa; coordenar e gerir sistemas de informao e bancos de dados de informaes tcnicas, cientficas, regulatrias, legislativas e jurdicas para dar suporte s prticas do servio e compartilhamento de informaes relacionadas ao conhecimento tcnico e cientfico em Visa; participar de aes e estratgias que promovam o uso racional de medicamentos e outras tecnologias em servios de sade;

Em gesto e gerenciamento em vigilncia sanitria: planejar, coordenar, monitorar, acompanhar e avaliar as aes, projetos e atividades; articular e apoiar tecnicamente as aes de fortalecimento institucional, com a estruturao e organizao dos servios; coordenar e acompanhar a elaborao e execuo do Plano de Ao em Vigilncia Sanitria e a execuo oramentria e financeira; manter atualizados os instrumentos de gesto; promover a integrao institucional com demais rgos pblicos e entidades, para o fortalecimento da gesto e participao social;

estabelecer e verificar o cumprimento de padres, indicadores e metas no gerenciamento dos recursos, projetos e aes; desenvolver, controlar e manter uma base de dados de aes histricas e gerao de relatrios; manter atualizado o sistema de informaes para subsidiar o planejamento e tomada de decises; adequar os processos de trabalho para ampliar a capacidade de resoluo das aes e atividades, segundo critrios de eficincia e efetividade; harmonizar procedimentos de rotinas e identificao de ferramentas visando o melhor desempenho das aes; estabelecer normas, propor, acompanhar e executar as polticas, e diretrizes; elaborar e divulgar relatrios peridicos sobre as atividades executadas; promover as aes necessrias apurao da veracidade das reclamaes, denncias, queixas e sugestes dos usurios; estabelecer prioridades, aes programticas, metas, estratgias de implantao ou de implementao das aes, cronograma e indicadores de avaliao, baseando-se nos instrumentos de gesto; avaliar o cumprimento da legislao vigente pelos estabelecimentos farmacuticos, de servios de sade e de interesse sade, de produtos para sade/correlatos, de cosmticos, de produtos de higiene pessoal, perfumes e saneantes, e outros de interesse sade, condies ambientais e de trabalho, dentro dos padres tcnicos estabelecidos na legislao sanitria; investigar eventos como surtos de doenas causadas por tintoxicaes, reaes adversas e queixas tcnicas, acidentes de trabalho, infeces hospitalares, desvios de qualidade envolvendo toda a cadeia de produtos sujeitos a Visa; proceder ao acompanhamento, avaliao e controle, bem como, dimensionar os riscos, resultados e impactos, em relao a produtos e quaisquer situaes de risco, de interesse da Visa, dentro dos padres tcnicos estabelecidos na legislao sanitria.

Em vigilncia de produtos e servios de sade: verificar o cumprimento das Boas Prticas pelos estabelecimentos sujeitos a Visa; coordenar, supervisionar, controlar e avaliar as atividades relativas ao registro, informaes, inspeo, controle de riscos, estabelecimento de normas e padres, organizao de procedimentos tcnicos e administrativos a fim de garantir as aes de Vigilncia Sanitria de produtos e servios de sade;

17.

propor a concesso de registro, alterao, revalidao, retificao, dispensa ou cancelamento para os produtos previstos na legislao sanitria; coordenar, fiscalizar, controlar e supervisionar o cumprimento das normas legais e regulamentares pertinentes Vigilncia Sanitria de produtos. analisar e emitir parecer tcnico no mbito da Visa; fiscalizar e monitorar o cumprimento das normas legais e regulamentares ou de risco sade pertinentes Visa; propor concesso, alterao e cancelamento de Licena, Autorizao de Funcionamento e a Autorizao Especial de Funcionamento de empresas de importao, fabricao, exportao, transporte, distribuio, armazenagem, embalagem, reembalagem, fracionamento e comercializao de insumos farmacuticos, medicamentos e de produtos para sade, cosmticos, produtos de higiene pessoal, perfumes e saneantes; manter atualizado cadastro de empresas fabricantes, importadoras, exportadoras, distribuidoras e fracionadoras de insumos, medicamentos, produtos para a sade, cosmticos, produtos de higiene pessoal, perfumes e saneantes; propor a realizao de eventos e intercmbio tcnico-cientfico na sua rea de competncia; propor a instaurao de processo administrativo para apurao de infraes legislao sanitria federal, acompanhar sua tramitao, promover anlise tcnica e propor ou executar as penalidades previstas na legislao vigente; receber, acompanhar e avaliar as notificaes de insumos, medicamentos, produtos para a sade, cosmticos, produtos de higiene pessoal, perfumes e saneantes; elaborar normas e padres relativos sua rea de competncia; estabelecer e propor normas e procedimentos que visem identificar e avaliar riscos referentes ao manuseio, preparao, industrializao e uso de matria-prima em produtos; estabelecer critrios que garantam o controle e avaliao de riscos e seus pontos crticos e adotar medidas corretivas; coordenar, no mbito da farmacovigilncia, cosmetovigilncia, hemovigilncia e tecnovigilncia, o acompanhamento, o controle, a avaliao e a validao de controle de eventos e reaes adversas; controlar, monitorar e avaliar os relatrios e demais documentos referentes utilizao de medicamentos sujeitos a controle especial; elaborar normas de procedimentos para o funcionamento dos servios de sade; estabelecer mecanismos de controle e avaliao de riscos e eventos adversos pertinentes s tecnologias em servios de sade;

18.

fiscalizar, monitorar, analisar e investigar as notificaes visando aes com a finalidade de impedir ou minimizar o dano; coordenar as aes de inspeo na rea de sangue, outros tecidos, clulas e rgos; avaliar tecnologias para a segurana dos produtos e o uso racional dos mesmos; planejar, coordenar, elaborar, padronizar indicadores, monitorar e implantar a vigilncia dos eventos adversos e queixas tcnicas de notificao em produtos e em servios de sade; monitorar, analisar e investigar as notificaes de queixas tcnicas e ocorrncia de eventos adversos com suspeita de envolvimento de equipamentos, produtos de diagnsticos de uso in vitro e materiais de uso de sade; monitorar o comrcio e utilizao de produtos, equipamentos, produtos de diagnsticos de uso in vitro e materiais de uso para sade em desacordo com a legislao sanitria vigente; incentivar a notificao em Vigilncia Sanitria no desvio da qualidade de produtos para sade e gerenciar as informaes sobre notificao em Vigilncia Sanitria de produtos para sade; analisar e deferir ou indeferir pedido de aprovao do Plano de Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade (PGRSS).

Em vigilncia ambiental: identificar, cadastrar, fiscalizar e monitorar o sistema de abastecimento de gua, anlise e controle da qualidade da gua para consumo humano, qualidade do ar e do solo; identificar os efeitos agudos e crnicos decorrentes da contaminao do ar e avaliar os seus efeitos sobre a sade das populaes expostas;

19.

comunicar populao sobre os riscos sade associados contaminao atmosfrica; fornecer elementos para orientar as polticas nacionais e locais de proteo da sade da populao frente aos riscos decorrentes da poluio atmosfrica e ambiental; executar a vigilncia da qualidade da gua para consumo humano, vigilncia e controle de fatores biolgicos, contaminantes ambientais e as questes de sade relacionadas aos desastres e acidentes com produtos perigosos, informao de fatores biolgicos (vetores, hospedeiros, reservatrios, animais peonhentos), qualidade da gua para consumo humano, poluentes ambientais fsicos e qumicos que possam interferir na qualidade da gua, ar e solo e os riscos decorrentes de desastres naturais e acidentes com produtos perigosos; elaborar laudos tcnicos e realizar percias tcnico-legais relacionados ao tratamento da gua, em todos os seus aspectos fsicos, qumicos, fsico-qumicos e microbiolgicos.

Em vigilncia da sade do trabalhador: elaborar e atuar nas polticas de segurana no trabalho e sade ocupacional; identificar processos, elaborar levantamentos e mapeamento de riscos, impactos referentes s atividades de segurana no trabalho, sade ocupacional e avaliao de riscos sade do trabalhador; identificar, estabelecer, implementar, operacionalizar e avaliar procedimentos e operaes associadas segurana no trabalho e sade ocupacional; gerenciar projetos, coordenar equipes e participar de auditorias; realizar anlises crticas para assegurar contnua pertinncia, adequao e eficcia das aes de segurana no trabalho e sade ocupacional; promover programas destinados capacitao da comunidade e dos trabalhadores, visando a melhoria e ot controle efetivo sobre segurana no trabalho e sade ocupacional; participar na normatizao, fiscalizao e controle dos servios de sade do trabalhador nas instituies e empresas pblicas e privadas.

20.

Viso, Misso e Valores do CRFMG

M

IS S

OZELAR pela tica, qualificar, defender e servir a profisso farmacutica, a fim de promover a sua valorizao perante a sociedade, garantindo benefcios sade pblica.

VI

S OSERVIR de mediador na integrao entre o profissional farmacutico e a sociedade, promovendo o seu reconhecimento como agente acessvel de sade pblica.

22.

VA LO R

ES

TICA - Legalidade

IMPARCIALIDADE - Impessoalidade JUSTIA - Moralidade TRANSPARNCIA - Publicidade INOVAO - Eficincia

23.

BibliografiaCORRER, C.J., SOLER, O., OTUKI, M.F. Assistncia Farmacutica integrada ao processo de cuidado em sade: da gesto tcnica gesto clnica do medicamento. Disponvel em Acesso em 15.05.11. Rede Interfederativa de Sade para o SUS-SE: Poltica da Assistncia Farmacutica - Secretaria de Estado da Sade. Diretorias de Ateno e Vigilncia Sade Sergipe: SES, 2010. 71 fl. Conselho Federal de Farmcia. A assistncia farmacutica no SUS / Conselho Federal de Farmcia, Conselho Regional de Farmcia do Paran ; organizao Comisso de Sade Pblica do Conselho Federal de Farmcia , Comisso de Assistncia Farmacutica do Servio Pblico do CRF-PR. Braslia: Conselho Federal de Farmcia, 2010. 60 p. Conselho Regional de Farmcia do Estado de So Paulo. Assistncia Farmacutica Municipal: Diretrizes para Estruturao e Processos de Organizao, Comisses Assessoras de Sade Pblica do CRF-SP So Paulo, 2. Ed, 2010. BRASIL. Lei n. 8080, d e 19 de setembro de 1990. Dispe sobre as condies para a promoo, proteo e recuperao da sade, a organizao e o funcionamento dos servios correspondentes e d outras providncias. Disponvel em: portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/lei/8080.pdf BRASIL. Ministrio da Sade. Portaria n. 399, d e 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Sade 2006 Consolidao do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Dirio Oficial da Unio, 22 fev. 2006 CONSELHO FEDERAL DE FARMCIA. Resoluo 539 de 22 de outubro de 2010. Dispe sobre o exerccio profissional e as atribuies privativas e afins do farmacutico nos rgos de Vigilncia Sanitria, e d outras providncias. Dirio Oficial da Unio, 9 nov 2010

Presidente: Bencio Machado de Faria

Vice-Presidente: Luciano Martins Rena Silva Secretaria Geral: Rigleia Maria Moreira Lucena Tesoureira: Jnia Clia de Medeiros

re Di to ri a do CR FM G20 na ld e M in a Re gi o 11 ser ai

r P gan bl iza ic a do o Co ns el ho

Secretria: Farm Denise Guilherme de Castro

Farm Patrcia de Magalhes Abrantes

O

de

Sa d

Farm Luiz Antnio Marinho Pereira

e

Co m

iss

o

Farm Cnthia Caldas Rios

Farm Jnia Clia de Medeiros

sGPresidente: Farm Marcos Luiz Carvalho

Conselho Regional de Farmcia de Minas Gerais Rua Sergipe 28, Funcionrios - Belo Horizonte/MG - CEP 30130-170 (31) 3218-1000 | www.crfmg.org.br