Click here to load reader

MONOGRAFIA DE FINAL DE · PDF file MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO "Declaro que o presente trabalho é de minha autoria e que não recorri para realizá- lo, a ... Durante o período

  • View
    0

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of MONOGRAFIA DE FINAL DE · PDF file MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO "Declaro que o presente...

  • 2018.2

    PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO

    DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

    MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO

    REVISITANDO AS FINAÇAS PÚBLICAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E

    INVESTIMENTOS DO BNDES

    Pedro C. B. Chrysostomo de Oliveira

    No. de matrícula: 1510763

    Orientador: Márcio G. P. Garcia

    Dezembro de 2018

  • 2

    2018.2

    "Declaro que o presente trabalho é de minha autoria e que não recorri para realizá- lo, a

    nenhuma forma de ajuda externa, exceto quando autorizado pelo professor tutor".

    PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO

    DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

    MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO

    REVISITANDO AS FINAÇAS PÚBLICAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E

    INVESTIMENTOS DO BNDES

    Pedro C. B. Chrysostomo de Oliveira

    No. de matrícula: 1510763

    Orientador: Márcio G. P. Garcia

    Dezembro de 2018

  • 3

    “As opiniões expressas neste trabalho são de responsabilidade única e exclusiva do autor"

  • 4

    Agradecimentos:

    Agradeço ao professor Márcio Garcia, meu orientador, sempre disponível e solícito,

    fornecendo todo o apoio possível.

    Aos professores Rogério Werneck, coordenador do PET e Gustavo Gonzaga, sempre

    presente para dar orientação e ajudar.

    A Fabio Giambiagi e Daniel Grimaldi, que forneceram argumentos e ideias valiosas

    para o desenvolvimento da monografia.

    A meus pais e meu irmão, que tanto me apoiaram durante todos os momentos.

    Agradeço também a Ana, e toda sua família, que assim como todos meus amigos

    foram extremamente pacientes durante todo o período de produção do trabalho aqui

    apresentado.

  • 5

    Sumário:

    1. Introdução......................................................................................................................6

    2. Avaliação de Programas e Investimentos do Governo..................................................9

    2.1 O Custo de Oportunidade do Governo..........................................................10

    2.2 Alternativas para avaliar atividades financeiras do governo..........................15

    3. Panorama dos Bancos de Desenvolvimento.................................................................19

    3.1 Avaliação dos custos reais dos bancos de desenvolvimento...........................24

    4. Mapeamento das operações do BNDES.......................................................................27

    4.1 Participação do BNDES na economia brasileira............................................28

    4.2 Fontes de financiamento do BNDES..............................................................32

    4.2 Fontes de financiamento do BNDES..............................................................35

    4.4 Alternativa a estimativa oficial.......................................................................38

    4.5 Utilização da teoria de apreçamento de derivativos........................................41

    4.6 Metodologia e alternativa...............................................................................47

    5. Conclusão.....................................................................................................................50

    6. Referências...................................................................................................................52

    7. Anexo...........................................................................................................................55

  • 6

    1. Introdução

    Nos últimos anos, o Tesouro Nacional realizou uma série de repasses ao Banco Nacional

    de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES – que totalizaram RS 440 bilhões no

    período 2008 – 2014. Estes repasses colocaram o BNDES entre uma das cinco maiores

    instituições financeiras do país. As transações entre o Tesouro e o BNDES representaram

    um elevado peso fiscal, que intensificaram o aumento da dívida pública, principalmente

    a partir de 2009, quando foi decretado o início do programa de sustentação do

    investimento (BNDES PSI) e de outros programas equalizáveis. Esses programas tinham

    como objetivo aumentar o volume de investimentos no período pós crise, mas foram

    renovados continuamente até o final de 2015. Durante o período de vigência, o BNDES

    PSI, junto com outros programas equalizáveis, totalizaram R$ 375 bilhões (Barboza et al,

    2017).

    De maneira geral, políticas federais de crédito são empregadas com o objetivo de atenuar

    efeitos de assimetria de informação e melhorar a alocação de recursos na economia. Os

    subsídios atrelados às operações de crédito governamentais representam a transferência

    de recursos dos pagadores de impostos a beneficiários dos programas. O volume dessas

    transferências tem crescido substancialmente ao redor do mundo e pode ser visto como o

    efeito direto da política creditícia sobre a política fiscal (Lucas 2011; Gale, 1991).

    Contudo, normalmente, os custos dos subsídios tendem a ser maiores do que aqueles

    reportados oficialmente, fazendo com que o custo fiscal não seja devidamente

    contabilizado.

    Esse mesmo fenômeno acontece no Brasil. Enquanto uma firma privada analisaria os

    custos de realizar um empréstimo com base na adoção de uma taxa de desconto que

    refletisse os riscos associados a atividade empreendida, o governo, em suas estimativas,

    considera como o custo dos empréstimos do BNDES, um simples diferencial entre taxas

    de juros, isso é: a diferença entre o custo do governo de tomar emprestado e a taxa que o

    BNDES cobra para financiar seus investimentos. Esse valor é projetado para cada ano

    futuro e trazido a valor presente pela taxa livre de risco dos títulos públicos com

    maturidades equivalentes ao prazo de vencimento do empréstimo. Essa distinção entre as

    maneiras de avaliar projetos ocorre, pois, o governo considera, equivocadamente, que o

    custo de capital de seus investimentos é igual a seu custo de tomar emprestado. Ao

    assumir isso, o que efetivamente ocorre, é que o governo não considera o risco de mercado

  • 7

    – todo o risco não diversificável – como sendo um custo para ele. Como resultado, a

    subestimação dos custos fiscais de suas operações de crédito tende a ocorrer

    constantemente.

    Para alterar ou criar uma política de crédito, o governo deve levar em consideração uma

    série de fatores econômicos. Debates realizados para decidir se a implementação de

    determinado programa é, ou não, justificável, baseiam-se em análises de custos e

    benefícios. Políticas de crédito governamentais representam elevado grau de

    intervencionismo, que quando mal implementados levam ao aumento da ineficiência e

    consequentemente, a queda da atividade econômica. Assim, estimar precisamente os

    custos é indispensável para a alocação eficiente de recursos e o sucesso de programas

    federais (Schreiner & Yaron, 2001; Yaron, 2004).

    O governo implementa políticas creditícias por diferentes canais, essa monografia tem

    como objetivo analisar as transferências federais relacionadas aos bancos de

    desenvolvimento, em especial para o caso brasileiro. Estas instituições públicas,

    presentes tanto em economias centrais como em países em desenvolvimento, podem

    apresentar diferenças relevantes em seus modelos operacionais, embora mantenham

    sempre o objetivo de promover o desenvolvimento econômico e social das regiões em

    que atuam (Luna-Martinez & Vicente, 2012). Historicamente, os bancos de

    desenvolvimento foram importantes no processo de industrialização de diversos países

    emergentes. Atualmente, exercem influência significante nos mercados de capitais ao

    redor do mundo. Ao financiar obras de infraestrutura e outros projetos de investimento,

    grande volume de recursos públicos são utilizados, tornando a implementação desses

    projetos extremamente custoso à sociedade. Para verificar quando um banco de

    desenvolvimento está agregando valor à economia, ou a nível individual, a estimativa

    precisa dos custos e a mensuração da exposição a diferentes fontes de risco são cruciais.

    Lucas & Lee (2016) propõem uma metodologia alternativa que, ao utilizar a teoria de

    opções, se demonstra capaz de mensurar corretamente o custo fiscal das operações dos

    bancos de desenvolvimento. O pressuposto básico é que estas instituições financeiras não

    resolvem um problema de otimização explícito. Em vez disso, buscam manter uma

    estrutura de capital estacionária, rebalanceando, sempre que necessário, seus ativos e

    obrigações de acordo com as regras de ajuste determinadas pelo governo e pela gerência

    do banco. A peculiaridade da atuação dessas instituições reside no comprometimento do

    governo em injetar capital quando o banco passa por estresses financeiros, possibilitando

  • 8

    que suas obrigações sejam honra