o insólito em murilo rubião: uma análise estilístico-comparativa d'o

  • View
    214

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of o insólito em murilo rubião: uma análise estilístico-comparativa d'o

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE LINGUAGENS

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM ESTUDOS DE LINGUAGEM

    MARCELA DE CASTRO VILA AGUIAR

    O INSLITO EM MURILO RUBIO: UMA ANLISE

    ESTILSTICO-COMPARATIVA DO EX-MGICO DA

    TABERNA MINHOTA

    CUIAB/MT

    2014

  • MARCELA DE CASTRO VILA AGUIAR

    O INSLITO EM MURILO RUBIO: UMA ANLISE

    ESTILSTICO-COMPARATIVA DO EX-MGICO DA

    TABERNA MINHOTA

    Dissertao apresentada ao Programa de Mestrado em Estudos de Linguagem da Universidade Federal de Mato Grosso, como requisito parcial para obteno do ttulo de Mestre, sob a orientao da Prof

    a.

    Dra. Clia Maria Domingues da Rocha Reis.

    CUIAB/MT

    2014

  • Para as minhas avs, Aurnia e Maria Aparecida.

  • AGRADECIMENTOS

    Professora Clia, pela confiana em minha capacidade de realizar esta pesquisa, pela

    orientao cuidadosa e pelo carinho.

    Professora Franceli, por todo o ensinamento recebido em suas disciplinas na graduao e no

    mestrado sempre gentil e atenciosa e, especialmente, pelas valiosas contribuies no Exame

    de Qualificao.

    Ao Professor Audemaro, pela disciplina ministrada neste Programa de Ps-Graduao, e pela

    gentileza ao fazer suas consideraes sobre este trabalho.

    Ao Acervo de Escritores Mineiros da Universidade Federal de Minas Gerais, pela

    disponibilizao do material utilizado nesta pesquisa.

    Aos professores do Programa de Ps-Graduao em Estudos de Linguagem, da Universidade

    Federal de Mato Grosso.

    s queridas Professoras Soraia e Patatas, pelo carinho e incentivo desde a graduao.

    s colegas do mestrado, que se tornaram amigas queridas, Izabel e Mirian.

    Aos amigos que (quase) se acostumaram s minhas ausncias nesses anos de estudo e pesquisa.

    Aos meus pais, pelo apoio em todos os meus projetos.

    E ao Hugo, meu melhor amigo, pela pacincia... Sempre.

  • Todos os anos, pelo ms de maro, uma

    famlia de ciganos esfarrapados plantava a

    sua tenda perto da aldeia e, com um grande

    alvoroo de apitos e tambores, dava a

    conhecer os novos inventos. Primeiro

    trouxeram um m. Um cigano corpulento,

    de barba rude e mos de pardal, que se

    apresentou com o nome de Melquades, fez

    uma demonstrao pblica daquilo que ele

    mesmo chamava a oitava maravilha dos

    sbios alquimistas da Macednia. Foi de

    casa em casa arrastando dois lingotes

    metlicos, e todo o mundo se espantou ao

    ver que os caldeires, os tachos, as tenazes

    e os fogareiros caam do lugar (...). As

    coisas tm vida prpria, apregoava o

    cigano com spero sotaque, tudo questo

    de despertar a sua alma.

    Gabriel Garca Mrquez, Cem anos de

    solido (1967)

  • RESUMO

    Nesta pesquisa investigamos o estilo literrio de Murilo Rubio, considerado pela

    crtica como pertencente literatura fantstica. Aps leitura dos contos do autor,

    pesquisa da sua fortuna crtica e de leituras crtico-tericas acerca da literatura

    fantstica, dos primrdios ao contemporneo, conclumos que as narrativas de Murilo

    Rubio correspondem ao inslito banalizado. Tendo em perspectiva esse conceito,

    centramos a pesquisa na anlise comparativa extrnseca e intrnseca de trs verses do

    conto O ex-mgico da Taberna Minhota, respectivamente, com base na teoria da

    modernidade lquida, de Zygmunt Bauman, e da estilstica literria, de Dmaso Alonso,

    e da lngua portuguesa, de Nilce SantAna Martins. As obras do linguista Jos Lemos

    Monteiro e dos gramticos, Jos Carlos de Azevedo e Napoleo Mendes de Almeida,

    tambm constituram fontes bibliogrficas importantes para esta anlise estilstica.

    Desse modo, foi-nos possvel afirmar que o autor antecipou caractersticas da sociedade

    contempornea como a diluio da identidade do sujeito e tambm refletiu sobre a

    funo da literatura.

    Palavras-chave: Conto fantstico brasileiro. Murilo Rubio. Inslito banalizado.

  • ABSTRACT

    The present study investigates the literary style of Murilo Rubio, whose work is

    considered by the critic as fantastic literature. After reading all the authors short stories,

    having a deep look into his critical fortune and having critical-theoretical reading of

    fantastic literature, from its beginnings up to contemporary times, we concluded that his

    narratives correspond with the trivialized uncommon. Keeping this concept in

    perspective, we focused our research on the comparative analysis both extrinsic and

    intrinsic of three versions of the short story The ex-magician of Minhota Tavern,

    basing, respectively, on the theory of liquid modernity from Zigmunt Bauman, on the

    literary stylistic from Damaso Alonso and on portuguese language stylistic from Nilce

    SantAna Martins. Other important bibliography sources to such stylistic analysis are

    the work of linguist Jos Lemos Monteiro and grammarians Jos Carlos de Azeredo e

    Napoleo Mendes de Almeida. Hence, we concluded that the writer Murilo Rubio not

    only anticipated characteristics of contemporary society in his work such as the

    dilution of the subject identity but also reflected about the very role of literature.

    Keywords: Brazilian fantastic short story. Murilo Rubio. Trivialized uncommon.

  • SUMRIO

    INTRODUO...............................................................................................................11

    Captulo 1 O fantstico literrio: da tradio ao modo discursivo..................................14

    1.1. Um percurso terico......................................................................................14

    1.2. Murilo Rubio e o inslito ficcional.............................................................26

    Captulo 2 O ex-mgico da Taberna Minhota: um projeto literrio................................37

    2.1. A criao literria, o inslito banalizado e a modernidade lquida..............42

    2.2. A reescrita muriliana: aspectos estilsticos...................................................56

    CONSIDERAES FINAIS..........................................................................................69

    BIBLIOGRAFIA.............................................................................................................72

    ANEXOS.........................................................................................................................78

    A- Verso no publicada do conto O ex-mgico da Taberna Minhota

    B- Verso publicada no livro O ex-mgico (1947)

    C- Reedio do conto para o livro O pirotcnico Zacarias (1974)

    D- Carta de Marques Rebelo a Murilo Rubio

    E- Carta de Caio Csar Pinheiro a Murilo Rubio

  • 11

    INTRODUO

    O universo fantstico foi um assunto que sempre me interessou. Gabriel Garca

    Marquez foi o primeiro autor com o qual tive contato primeiro com a leitura de Doze

    contos peregrinos (1992), depois, Cem anos de solido (1967) e, durante a graduao

    em Letras, pesquisando sobre o assunto e selecionando um conto para analisar em

    minha monografia, deparei-me com os contos de Murilo Rubio. A partir da, o

    fantstico se tornou um objeto, e a identificao de elementos do fantstico nos contos

    murilianos, um objetivo, estudos aos quais dei continuidade no projeto de pesquisa

    elaborada para ser desenvolvido no curso de ps-graduao, na UFMT.

    O primeiro procedimento da pesquisa sobre o autor mineiro foi a consulta

    biblioteca digital da FALE Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas

    Gerais , com a leitura de alguns artigos publicados no Suplemento Literrio do Minas

    Gerais semanrio criado e dirigido por ele, em 1966, quando diretor de redao do

    jornal mineiro (RUBIO, 2010, p.225).

    Em seguida, j no primeiro ano da ps-graduao, visitamos o Acervo dos

    Escritores Mineiros, na Biblioteca da Universidade Federal de Minas Gerais. O contato

    com textos originais e algumas correspondncias entre o autor dO ex-mgico (1947) e

    colegas escritores e editores, constituram um grande estmulo ao nosso trabalho.

    Concomitantemente, realizamos uma reviso bibliogrfica das teorias acerca do

    fantstico, o que, em primeiro lugar, indicou a necessidade de um posicionamento a

    respeito do fantstico como gnero ou modo literrio. Os estudos tradicionais como os

    de Furtado (1980), Ceserani (2006) e Todorov (2007) , lidam com o fantstico como

    um gnero. Mesmo nas dcadas de 80 e 90, encontramos, nos livros de Jorge Schwartz

    (1980) e Audemaro Goulart (1995), essa denominao.

    J os trabalhos produzidos por grupos de pesquisa mais recentes como o Ns

    do Inslito: vertentes da fico, da teoria e da crtica, sob a coordenao do Prof.

    Flvio Garca / UERJ, e Vertentes do fantstico na literatura, coordenado por Karin

    Volobuef / UNESP observam a necessidade de uma historiografia sobre o fantstico

    literrio. Esses estudos tm em comum o alinhamento com as idias da estudiosa

    francesa Irene Bessire, Le rcit fantastique: forme mixte du cas et de la devinette

  • 12

    (1974), que usou a denominao relato fantstico. Inclumos, tambm, em nosso

    texto, a questo do inslito banalizado terminologia que, em nosso entendimento, traduz

    com preciso o modo discursivo praticado por Murilo Rubio.

    Tais so os contedos apresentados e discutidos no Captulo 1 desta dissertao,

    dividido em dois subitens: Um percurso terico e Murilo Rubio e a narrativa do

    inslito. A compreenso das variveis que fizeram de Rubio um escritor que lanou

    m