Pesqueiro Planador

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Esse é um projeto de engenharia naval da ufrj de 2011-1 ministrado pelo professor Doutor Fernando Amorim.

Text of Pesqueiro Planador

Pesqueiro Planador

Professor: Fernando Antnio Sampaio de Amorim Dupla: Aurora Melo Avelino dos Santos Luiz Felipe Silva Moreira Disciplina: Introduo Teoria de Projeto

1. IntroduoEste relatrio tem como objetivo descrever os passos do projeto de uma embarcao pesqueira do tipo Long-Line/Espinhel, o mtodo utilizado na sua definio e os principais elementos que definem o navio.

2. MotivaoA frota pesqueira brasileira possui mais de 30.000 embarcaes, sendo somente 10% destas de mdio e grande porte. Segundo o relatrio da FAO Food and Agriculture Organization of the United Nations de 2008, existe uma grande presso sobre os estoques na costa brasileira, enquanto o estoque ocenico ainda se encontra em nveis favorveis para pesca. Com isso, existe a grande necessidade de substituir a explorao de algumas espcies costeiras como a sardinha, alm de melhor aproveitar a capacidade dos cardumes de carnes nobres, como o atum e o peixe-sapo. Desde 2004 o governo brasileiro vem incentivando o consumo de pescado atravs de campanhas como a Semana do Peixe, alm de criar o programa Profrota pesqueira para financiar a construo, modernizao, converso ou adaptao de embarcaes pesqueiras. O objetivo aumentar a produo nacional, utilizando de maneira sustentvel e eficiente os recursos da Zona Econmica Exclusiva Brasileira e em guas internacionais, consolidando a frota pesqueira brasileira e melhorando a qualidade do pescado produzido.

3. Embarcao 3.1. Tipo de EmbarcaoO Navio a ser projetado um pesqueiro do tipo Long-Line. As espcies exploradas so de peixes pelgicos (superfcie) e demersais (de fundo). Este tipo de embarcao possui sistema de refrigerao, alm de equipamentos de convs. Esse tipo de pesca utilizada em todos os oceanos do mundo tanto em pescas de pequena escala, bem como em operaes mecanizadas. O mtodo de captura est baseado em um projeto que consiste em trs partes: a linha principal (main line), branch line (ramo "individual", linhas anexadas linha principal, linhas secundrias), e os anzis. O pescador define uma linha principal apoiada por flutuadores (bias) que pode se estender por quilmetros abaixo da superfcie do oceano. A possibilidade de sucesso baseada na demanda das espcies-alvo para o alimento, ou seja, as espcies de peixe so capturadas de acordo com a isca utilizada. Logo, os peixes so capturados nos espinhis, porque eles so atrados para seus anzis.

Figura 1 Figura esquemtica da pesca Long-Line

3.2. Tipos de PeixeAs caractersticas dessa embarcao dependem muito do tipo de peixe a ser capturado. O processo que foi utilizado nesse relatrio foi paralelo. Primeiro foi feita uma pesquisa sobre as espcies presentes no litoral brasileiro e que estivessem dentro do programa Profrota pesqueira. Com isso as espcies escolhidas foram Albacora, Peixe-Sapo e Cao. As principais caractersticas de cada um desses peixes sero dadas logo a seguir. Em cada operao, segundo o perodo do ano, o navio parte com um tipo de rede segundo a captura. A flexibilidade do projeto quanto carga um grande incentivo para a sua viabilizao.

Alcobara (THUNNUS ALALUNGA)Os atuns so um dos grupos de espcies de peixes mais importantes do ponto de vista pesqueiro. Em 2002 foram capturadas, em todo o mundo, mais de seis milhes de toneladas de atuns. So peixes que vivem nas regies tropicais e subtropicais de todos os oceanos. Existem no mundo apenas oito espcies de atum. Normalmente formam cardumes s de peixes da mesma idade. um elemento muito importante na pesca, uma vez que faz parte da alimentao do Homem em muitas formas: fresco, em lata ou mesmo congelado. Um atum pode viver mais de 20 anos, e quando chega a estas idades, atinge grandes dimenses, que podem ir at aos 4 metros de comprimento e mais de 300 quilos de peso.

No Brasil, possvel encontr-lo em toda a costa, porm sua maior incidncia ocorre no nordeste e em parte do sudeste e do sul. No entanto se aproximar na costa no algo costumeiro nesta espcie, sendo mais comuns em mar aberto, salvo reas de grande profundidade. Lulas e peixes como o parati e o peixe-voador so as melhores iscas para a pesca, todavia tanto o anzol quanto a rede so iguais em eficcia na pesca do atum.

Peixe Sapo O peixe-sapo uma espcie demersal (de fundo), de carne nobre podendo ser uma alternativa na explorao de espcies de atum, albacoras, merluza e espadarte. Grande parte dos desembarques na costa brasileira feita por embarcaes espanholas arrendadas, sendo os maiores estoques presentes na regio de Santa Catarina at o sul do Rio de Janeiro [7]. Esta espcie ocorre em profundidades entre 40 e 700 metros, sendo a maior frequncia entre 130 e 645 metros. O tamanho mximo da espcie de 60 cm.Regio de captura do peixe- sapo

Cao-anjo (Squatina guggenheim) Tubaro ou Cao o nome dado vulgarmente aos peixes de esqueleto cartilaginoso pertencentes superordem Selachimorpha. Peixe pelgico, aproxima-se da costa nos meses quentes para reproduzir. Extremamente carnvoro, prefere iscas de bonito, atum e sardinha. O cao mais encontrado em Alto mar, Praia grande, Bertioga e So Sebastio.

4. RotaComo a rota desse tipo de embarcao depende diretamente dos peixes a serem capturados e do local onde os mesmos se encontram, foi mapeada as regies onde o pesqueiro em questo ir operar. Como podemos observar, a regio de captura das trs espcies diferentes de peixe se estende pelo Litoral sul do Pas. Regio que apesar de no ser a de maior incidncia de todas as espcies mencionadas a principal regio de pesca de atum, aonde foi estimada uma produo de 22.109 toneladas/ano, alm de representar uma regio importante para operaes de importao e exportao com os pases vizinhos, Chile, Argentina e Uruguai.

Figura 2 Rota de Navegao

5. MtodoA definio de um mtodo de projeto permite aos projetistas uma maior organizao do trabalho, para que fiquem claras as etapas que sero seguidas. A estratgia adotada consiste na caracterizao da embarcao quanto aos seus principais elementos funcionais, avaliando os critrios adotados no projeto e as regras vigentes. Assim com o objetivo de obtermos o melhor trabalho possvel ser apresentado abaixo a sequncia que ser seguida.

5.1. Elementos de SnteseO objetivo dessa seo definir o grau de influncia dos elementos durante o protejo da embarcao Elementos funcionais Os elementos funcionais ou de sntese, definem o conceito do projetista sobre o objeto. A seguir, so colocadas as principais motivaes nas suas escolhas. Forma a base do projeto. A partir da forma sero definidos todos os outros elementos de sntese da embarcao. Deve ser dimensionada de tal modo a obter a menor resistncia ao avano, garantindo o espao dos equipamentos de pesca necessrios, a capacidade carga e autonomia estimada, a estabilidade nos diversos tipos de carregamento, bem como um bom comportamento de mar. Superestrutura/Arranjo dos equipamentos de pesca Seleo e posicionamento dos equipamentos de pesca necessrios para captura, movimentao das redes e carregamento do pescado. Para este, o arranjo do convs j ser definido externamente superestrutura a partir de semelhantes, para a tripulao requerida.

Sistema propulsivo Deve ser o conjunto que atenda da maneira mais eficiente a velocidade de servio e com menor consumo e dimenses. Arranjo/Compartimentao Arranjo da praa de mquinas, e demais espaos necessrios garantindo a autonomia e capacidade de carga requerida, atendendo aos critrios de habitabilidade para a tripulao e o espao dos diferentes equipamentos. Tambm deve garantir a estabilidade e o equilbrio nas diversas condies de carregamento e avaria.

Sistema RSW/Eltrico A escolha desses sistemas como um nico elemento funcional se deve ao fato de que o sistema de refrigerao que possui maior peso na

determinao dos geradores de energia, sendo o compromisso deste por ser o de menor porte e mais eficiente. Topologia Estrutural Este elemento funcional deve ser dimensionado segundo a regra da classificadora adotada no projeto, a fim de suportar aos esforos e momentos requeridos.

5.2. Elementos de qualidadeOs elementos de qualidade so tambm conhecidos como elementos de anlise. Atravs destes possvel avaliar os elementos funcionais. Sero definidos a seguir: Viabilidade econmica Podemos considerar como sendo um dos fatores de baixo consumo de peixe no Brasil, como sendo o preo com que eles chegam ao mercado. Por isso a embarcao deve ser tal que seu custo estimado seja mnimo, minimizando tambm o preo do pescado. Resistncia ao Avano a anlise principal sobre a forma. Deve ser a menor possvel, garantindo a velocidade de servio requerida. Estabilidade inicial Para pesqueiros de comprimento menor que 70 metros, o valor de GM deve ser maior que 0,35 m [11]. Sendo assim, esta anlise foi antecipada a fim de verificar que a forma adotada atende a este critrio utilizando uma estimativa da posio do centro de carena e do peso leve da embarcao. Operacionalidade Todos os equipamentos necessrios para a operao de pesca devem estar dimensionados e devidamente arranjados segundo semelhantes. Eficincia propulsiva Deve ser capaz de fornecer a potncia requerida para a velocidade de servio, o motor de menor porte e consumo possveis. Eficincia do sistema eltrico O sistema eltrico deve ser capaz de atender s demandas dos diversos equipamentos de pesca, e do sistema de refrigerao. Devemse buscar os geradores de menor porte e que possuam a disponibilidade de energia necessria com minimizando qualquer reserva sobressalente. Capacidade de carga/Autonomia A partir da anlise de viabilidade encontrada a capacidade de carga da embarcao. Dada a velocidade de servio e o motor selecionado, temos o consumo de combustvel. A compartimentao e o arranjo do maquinrio devem garantir que tais capacidades de carga e combustvel necessrias sejam atendidas, alm de atender aos critrios de habitabilidade e regras das classificadoras. Tambm deve ser levado em conta a praa de equipamentos d