Portifolio Produção Textual Individual 2o Semestre 2011

Embed Size (px)

Text of Portifolio Produção Textual Individual 2o Semestre 2011

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO CINCIAS CONTBEIS CARLOS HENRIQUE DE OLIVEIRA COSTA

PRODUO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUALROTINAS TRABALHISTAS E CONTABILIZAO 2 SEMESTRE

Ituiutaba 2011

CARLOS HENRIQUE DE OLIVEIRA COSTA

PRODUO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUALROTINAS TRABALHISTAS E CONTABILIZAO 2 SEMESTRE

Trabalho apresentado ao Curso de Cincias Contbeis da UNOPAR - Universidade Norte do Paran, Produo Textual Individual do 2 Semestre. Orientador: Equipe de Professores do 2 Semestre.

Ituiutaba 2011

SUMRIO

1 INTRODUO....................................................................................................... 03 2 DESENVOLVIMENTO........................................................................................... 04 2.1 ROTINAS TRABALHISTAS................................................................................ 04 2.1.1 Contribuio Sindical....................................................................................... 00 2.1.2 Desconto de INSS e IRRF dos Empregados................................................... 00 2.1.3 Faltas............................................................................................................... 00 2.1.4 Horas Extras.................................................................................................... 00 2.1.5 Pagamento e Desconto do RSR...................................................................... 00 2.1.6 Encargos Sociais INSS Parte da Empresa e FGTS..................................... 00 2.2 DIFERENAS INDIVIDUAIS E A LIDERANA.................................................. 00 2.2.1 Diferenas Individuais...................................................................................... 00 2.2.2 Diferena entre Grupo e Equipe...................................................................... 00 2.2.3 Estilos de Liderana......................................................................................... 00 2.3 PROCESSO CONTBIL..................................................................................... 00 2.3.1 Lanamentos Contbeis no Livro Dirio.......................................................... 00 2.3.2 Lanamentos Contbeis no Livro Razo......................................................... 00 2.3.3 Balancete de Verificao................................................................................. 00 2.4JUROS COMPOSTOS........................................................................................ 00 2.4.1 Taxas de Juros Nominais................................................................................ 00 2.4.2 Taxas de Juros Efetivas.................................................................................. 00 2.4.3 Taxas de Juros Proporcionais......................................................................... 00 2.4.4 Taxas de Juros Equivalentes.......................................................................... 00 2.5 ANLISE MERCADOLGICA REGIONAL........................................................ 00 2.5.1 Anlise de Mercado......................................................................................... 00 2.5.2 Demanda, Oferta e Equilbrio de Mercado...................................................... 00 2.5.3 Estruturas de Mercado.................................................................................... 00 3 CONCLUSO....................................................................................................... 00 4 REFERNCIAS...................................................................................................... 00

3 1 INTRODUO

Na Introduo voc deve expor ao leitor quais assuntos sero abordados no decorrer da atividade, dizendo a importncia e relevncia dos temas a serem discutidos.

4 2 DESENVOLVIMENTO

2.1 ROTINAS TRABALHISTAS

A utilizao da folha de pagamento obrigatria para o empregador prevista na Lei n. 8.212/1, da Constituio Previdenciria CLP assim como instituda na Consolidaes da Leis do Trabalho CLT pela Lei n. 5.452/43. Alguns empregadores efetuam os pagamentos aos funcionrios no ltimo dia do ms, sendo que neste caso a folha de pagamento deve ser fechada alguns dias antes, ganhando-se assim tempo anlise mensal e para clculo dos proventos e descontos. Outros empregadores preferem realizar os pagamentos no limite mximo preconizado por lei no quinto dia til do ms subsequente ao vencido, de acordo com o Art. 459, 1. da CLT. 1. - Quando o pagamento houver sido estipulado por ms, dever ser efetuado, o mais tardar, at o quinto dia til do ms subsequente ao vencido. De acordo com Oliveira (2001, p.65), os principais proventos existentes na folha de pagamento so:Salrio, hora extras, adicional de insalubridade, adicional de periculosidade, adicional noturno, salrio-famlia, dirias para viagem e ajuda de custos; e os principais descontos so: quota de previdncia, imposto de renda, contribuio sindical, seguros, adiantamentos, faltas e atrasos, valetransporte.

Vale ressaltar que h uma grande diferena entre os Servidores Pblicos e os Funcionrios do Setor Privado, pois cada um tem as suas caractersticas e legislaes regidas pelo Estatuto dos Servidores Pblicos ou CLT respectivamente. O salrio integrado remunerao pelo valor fixo estipulado pelo seu empregador, alm deste valor, as comisses, percentagens, gratificaes ajustadas, dirias e abonos pagos pelo empregador. importante atender-se ao 2. do Art. 457 da CLT: 2. - No se incluem nos salrios as ajudas de custo nos salrios as ajudas de custo, assim como as dirias para viagem que no excedem de 50% (cinquenta por cento) do salrio percebido pelo empregado. Conceituando melhor, o salrio a importncia fixa estipulada, dada como contraprestao mnima, devida e paga pelo empregador, no podendo este

5 fazer diferena de salrio no que se refere-se o exerccio de funes, bem como, de critrios de admisso por motivo de sexo, idade, cor, estado civil e ou deficincia. A folha de pagamento da empresa WD Mdia Comunicao Digital Ltda, um documento de emisso obrigatria para efeito de fiscalizao trabalhista e previdenciria. A empresa obrigada a preparar a folha de pagamento da remunerao paga, devido ou creditada a todos os empregados a seu servio. Para a elaborao no existe modelo oficial, sou seja, podem ser abortados critrios que melhor atendam as necessidades de cada empresa. Uma folha de pagamento, por mais simples que seja, apresenta pelo menos os seguintes elementos: . Discriminao do nome dos empregados (segurados), indicando o cargo, funo ou servio prestados; . Valor bruto dos salrios; . Valor da contribuio de Previdncia, descontado dos salrios; . Valor liquido que os empregados recebero. Da folha de pagamento origina-se o recibo de pagamento, que indica os dados que constaram da folha relativamente a cada um dos empregados e a estes entregue.

2.1.1 Contribuio Sindical Os empregadores fica obrigados a descontar na folha de

pagamento dos seus empregados a contribuio devida ao sindicato ( art. 545 CLT), refere-se a empregados e trabalhadores avulsos, onde obedecer os sistemas de guias de acordo coma instrues expedidas pelo Ministrio do Trabalho.Art. 545 Os empregadores ficam obrigados a descontar na folha de pagamento do seus empregados, desde por que ele devidamente autorizados, as contribuies devidas ao Sindicato, quando por este notificados, salvo contribuio sindical, cujo desconto independe dessas formalidades. Pargrafo nico O recolhimento entidade sindical beneficiria do importe descontado dever ser feito at o dcimo dia subsequente ao do desconto, sob pena de juros de mora no valor de 10% ( dez por cento) sobre o montante retido, sem prejuzo da multa prevista no Art. 553 e das comunicaes penais relativas apropriao indbita.

6 O desconto ao empregado deve ocorrer no ms de maro na folha de pagamento e ser repassado ao sindicato da categoria no ms subsequente. O valor recebido pelo sindicato refere-se a um dia de trabalho do empregado. No caso de ser contratado aps o ms de maro e no ter pago a devida contribuio sindical no ano corrente ser descontado do empregado no primeiro salrio que receber. O valor da contribuio sindical corresponde remunerao de um dia de trabalho qualquer que seja a forma de pagamento. Considera-se um dia de trabalho equivalente a: a) uma jornada de trabalho, no caso de pagamento por hora, dia, semana, quinzena ou ms; b) 1/30 (um tero) da quantia percebida no ms anterior caso de remunerao paga por tarefa empreitada, comisso e modalidade semelhantes; c) quando o salrio for pago em utilidades, ou nos casos em que o

empregado habitualmente receba gorjetas, o valor da contribuio sindical corresponde 1/30 (um tero) da importncia que serviu a base, no ms de janeiro, para contribuio do empregado Previdncia Social.

2.1.2 Desconto de INSS e IRRF dos Empregados A contribuio de cada segurado, filiado ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), de 8% (oito por cento), 9% (nove por cento) e 11% (onze por cento), de acordo com o salrio de contribuio determinado pela previdncia social. um imposto comum a todos os trabalhadores com carteira assinada. Vale ressaltar que o INSS incide sobre o salrio bruto, hora extras, adicional de periculosidade, adicional noturno, adicional de insalubridade, dirias para viagem desde que excedem 50 % (cinquenta por cento) do salrio percebido, 13. (dcimo terceiro) salrio e outros valores admitidos em lei pela previdncia social, o valor do INSS outros valores admitidos em lei pela previdncia social, o valor de INSS descontado na folha de pagamento todos os meses do devido funcionrio. Base de clculo do INSS Salrio base + adicionais + Horas extras faltas/atrasos = base de clculo o INSS x 8, 9, 11% = INSS a recolher. Tabela de contribuio

7 Segurados empregados, inclusive domsticos e trabalhadores avulsos TABELA VIGENTE Tabela de contribu