Click here to load reader

Power Point Comunicação

  • View
    4.126

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Power Point Comunicação

COMUNICAOProf Luciane de Alvarenga Santa Brbara Colgio So Lus Fevereiro de 2012

Glasur: Ror aeggehvide og flormelis sammen til em stiv masse. Fyld den i em lille pose at plast. Klip et fint hul i et hjorne og dekorr kagerne med nvne eller monster.

ALADDINS DRMKAKA3 dl vetemjl 2 msk strsocker 125 g smr 1 ggula Fyllning: 2 gg 500 g Kesella 1 dl strsocker 1 dl crme fraiche 1/2 dl vetemjl 1 tsk vaniljsocker rivet skal och pressad saft av 1 citron Hacka ihop mjl, socker och smr till en grynig massa. Tillstt ggulan och arbeta ihop till en deg. Tryck ut i en form med lstagbar kant, ca 24 cm i diameter. Lt vila i kylen ca 30 min. Stt ugnen p 200. Vispa ihop ggen och rr i resten av ingredienserna till fyllningen. Hll i pajformen. Grdda i mitten av ugnen 30 35 min. Lt kakan kallna och servera den i bitar eller rutor.

PROBLEMA DE LINGUAGEM (vdeo)

COMUNICAO: - ocorre quando, ao emitirmos uma mensagem, nos fazemos entender por uma pessoa e modificamos seu comportamento; - a transmisso de ideias com a menor ambiguidade possvel, de forma que o interlocutor ou os interlocutores possam compreender a mensagem com a maior exatido.

-

Conhece isto? Hum, hum! Mas o meu assim, . Menor ainda? sim. Comprei ali. No?! Me empresta? Claro. C vai usar mesmo? Ah! Ficou timo, . Vou j comprar um pra mim! Brigado pela dica, amigo. (BRAIT, NEGRINI E LOURENO Aulas de redao, pg. 11.)

-

Conhece este aparelho para melhorar a audio? Conheo, mas o meu ainda menor do que esse. Veja s. mesmo! Menor ainda. . Comprei-o na loja Ao Surdo Feliz! No?! Me empresta? Claro. C vai usar mesmo? Ah! Ficou timo. Vou j comprar um pra mim. Brigado pela dica, amigo. (BRAIT, NEGRINI E LOURENO Aulas de redao, pg. 12)

LNGUA ORAL1)

2)

3)

O contexto situacional o mesmo para emissor e receptor, por isso podem ser omitidos (elipses) muitos pormenores. Acompanhamento de elementos suprasegmentais: entonao de voz, gestos, silncio, a rapidez ou lentido do discurso, os acentos de intensidade, a quantidade de slabas. Presencial, isto , emissor e receptor esto se comunicando ao mesmo tempo. A troca de mensagem imediata.

4) Emprego frequente de exclamaes, grias, onomatopeias, chaves e redundncias. 5) Ausncia de certos tempos verbais (pretrito mais-que-perfeito) e de muitos pronomes de tratamento. 6) Truncamentos vocabulares numerosos: t, c, n.

LNGUA ESCRITA1)

2)

3)

O contexto situacional diverso, visto o emissor e receptor estarem em tempo e lugar diferentes. O escritor tenta substituir os elementos suprasegmentais por meio de pontuao e recursos grficos. A comunicao diferida, isto , emissor e receptor esto em tempo e lugar diferentes, exigindo, s vezes, um intervalo de tempo longo entre o envio, recepo e resposta. Depende, alm do mais, dos meios tecnolgicos de comunicao: eficincia ou no dos servios postais, jornais, etc.

4) Emprego possvel, mas com bom senso, de fatores lingusticos como grias, emprego frequente de exclamao, onomatopeias, chaves e redundncias. 5) Formalidade do contexto exige o emprego de certos tempos verbais. 6) Truncamentos evitados: est, voc, no , etc.

Maria: devo ir ao Rio amanh sem falta. Quero que voc me rezerve, um lugar, noite, no trem das 8 para o Rio.

- O senhor...ainda por aqui? - Ento, o que que voc acha? Onde que eu deveria estar? resmungou maquinalmente o gerente, enquanto, sem levantar a cabea, continuava assinando papis e cachimbando. - Mas...mas...o senhor no ia para o Rio hoje? - Ia, no...eu vou para o Rio hoje. Hoje noite, no mesmo? No lhe pedi, ontem, para comprar uma passagem no trem das 8 de hoje noite? Pois ento... continuou o gerente, falando entre os dentes, mordendo o cachimbo, com a cabea enfiada nos papis.

Maria: por favor, providencie, para mim, uma passagem em cabina com leito, no trem das 20 h de amanh (4 feira), para o Rio de Janeiro. Muito obrigado.

BLIKSTEIN, Izidoro. Tcnicas de comunicao escrita. 13 ed. So Paulo: tica, 1995.

Na tradio brasileira, literatura infantil e escola mantiveram sempre relao de dependncia mtua. A escola conta com a literatura infantil para difundir ataviados pelo envolvimento da narrativa, ou pela fora encantatria dos versos sentimentos, conceitos, atitudes e comportamentos que lhe compete inculcar em sua clientela.(LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 6 ed. So Paulo: Editora tica,1994)

COMUNICAOA COMUNICAO: - Possui carter social, depende da interao entre as pessoas e entre os grupos sociais, os quais constroem seu valores.

- movimento contnuo de ir e vir de mensagens, sendo que os interlocutores (emissor e receptor) alternam constantemente seus papis, o que prova que a comunicao processual.

POR QUE ASSIMILAMOS ALGUMAS MENSAGENS E IGNORAMOS OUTRAS?

PEA PUBLICITRIA: - Detalhes na produo da mensagem; - Escolha do veculo de comunicao; - Horrio de transmisso; - Quantidade de insero; - Durao da veiculao.

PLANEJAMENTO

TIPOS DE COMUNICAO1)

Comunicao direta ou interpessoal: quando os envolvidos esto em contato no momento em que a mensagem transmitida. contnua, ou seja, interativa e permite a verificao instantnea. Comunicao indireta ou de massa: quando os envolvidos no processo de comunicao no esto em contato. A transmisso da mensagem mediada pelos veculos de comunicao, e os receptores no interagem com os emissores no momento de sua recepo. unilateral.

2)

PROBLEMAS DE COMUNICAO1) Ambiguidade. - Ana, vi Mariana com seu namorado no cinema.

2) Rudos: interferncias de ordem fsica, cultural e psicolgica. Podem ser controlados e minimizados, porm no eliminados de uma mensagens. Os rudos podem ser:

a) Fsicos: interferncias sobre o canal, por exemplo, a falta de iluminao em um estdio de futebol.

b) Culturais: interferncias no nvel do cdigo e do repertrio, por exemplo:

LISBOA: AVENTURAStomei um expresso cheguei de foguete subi num bonde desci de um eltrico pedi um cafezinho serviram-me uma bica quis comprar meias s vendiam pegas fui dar descarga disparei um autoclisma gritei cara! responderam-me p! positivamente as aves que aqui gorjeiam no gorjeiam como l(PAES, Jos Paulo. A poesia est morta, mas juro que no fui eu. So Paulo: Duas Cidades, 1988)

c) Psicolgicos: interferncias de carter emocional. Por exemplo, um poltico com alto ndice de rejeio.

IMPORTANTE:Segundo Hoff e Gabrielli (2004), acreditar que basta construir uma mensagem e transmiti-la para que ela seja decodificada, por todos os receptores, da mesma forma e conforme a inteno daquele ou daqueles que a produziu, o maior problema da comunicao. METFORA DO CANAL (Reddy) A metfora do canal de Reddy (1979) revela a crena de que a comunicao humana acontece com o sentido sendo transmitido do emissor para o receptor sem qualquer alterao.

LINGUAGEMLinguagem uma atividade humana que, nas representaes de mundo que constri, revela aspectos histricos, sociais e culturais. a representao do pensamento por meio de um sistema organizado de sinais que serve como meio de comunicao entre os indivduos. Tudo linguagem: dana, palavras, gestos, desenho, escrita e atravs dela que transmitimos a cultura fazer humano que se transmite de gerao a gerao. Os elementos da linguagem so os signos, que se classificam em:

LINGUAGEM VERBAL (SIGNO VERBAL)

LINGUAGEM NO VERBAL (SIGNO NO VERBAL)

PLURISSGNICAS (MISTA)

LNGUALngua um tipo de linguagem. a nica modalidade de linguagem que utiliza palavras. Uma comunidade constituda pela linguagem verbal utilizada por um grupo de indivduos. um sistema de representao socialmente construdo, constitudo por signos lingusticos.

SIGNOS: A MATRIA-PRIMA DA LINGUAGEME DA COMUNICAO Signo lingustico a unidade de significao que possui dupla face: significante e significado.

Significante o suporte para uma ideia, isto , a sequncia de sons que se combinam para formar a palavra. Significado a prpria ideia ou contedo intelectual. Ou seja,

SIGNIFICANTE Co (portugus) Dog (ingls) Chien (francs) Cane (italiano)

SIGNIFICADO

REFERNCIA BIBLIOGRFICA:HOFF, Tania, GABRIELLI, Lourdes. Redao Publicitria. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. REDDY, M. The conduit metaphor. IN: ORTONY, A. (Ed.) Metaphor and thought. Cambridge University Press.