gA expans£o urbana

  • View
    10

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of gA expans£o urbana

  1. 1. A EXPANSO URBANA
  2. 2. Fig. Cidade do Porto (ponte D. Lus). Fig. Cidade de Lisboa (vista de Alfama). EXPANSO DAS CIDADES E REAS URBANASEXPANSO DAS CIDADES E REAS URBANAS A expanso urbana tem-se feito custa das reas perifricas das cidades. Suburbanizao A expanso urbana tem-se feito custa das reas perifricas das cidades. Suburbanizao As reas metropolitanas de Lisboa e do Porto so aglomeraes urbanas de grande dinamismo e polarizadoras do desenvolvimento regional e nacional. As reas metropolitanas de Lisboa e do Porto so aglomeraes urbanas de grande dinamismo e polarizadoras do desenvolvimento regional e nacional. Pg. 96
  3. 3. Fig. Comrcio numa rua da baixa Pombalina, Lisboa. Fig. Ponte 25 de Abril, Lisboa. Fig. Prdios em construo Fig. Gare do Oriente, Lisboa. Fig. Ponte da Arrbida, Porto. SUBURBANIZAOSUBURBANIZAO A suburbanizao resulta:A suburbanizao resulta: dinmica da construo civil; desenvolvimento das atividades econmicas; desenvolvimento dos transportes e das infraestruturas virias; aumento da taxa de motorizao das famlias. A suburbanizao resulta:A suburbanizao resulta: dinmica da construo civil; desenvolvimento das atividades econmicas; desenvolvimento dos transportes e das infraestruturas virias; aumento da taxa de motorizao das famlias. Pg. 98
  4. 4. PERIURBANIZAO E RURBANIZAOPERIURBANIZAO E RURBANIZAO Fig. rea periurbana no concelho de Vila do Conde. Aumento da acessibilidade Aumento da acessibilidade Aumento dos movimentos pendulares Aumento dos movimentos pendulares Localizao difusa da funo residencial e das atividades econmicas Localizao difusa da funo residencial e das atividades econmicas D origem:D origem: Facilitadas pelo: Do origem:Do origem: reas periurbanas Rurbanizao reas periurbanas Rurbanizao D origem:D origem: Beneficia do:Beneficia do: Pg. 99 Expanso urbana Migrao de populao e emprego das cidades para pequenas povoaes e/ou pequenas cidades e vilas situadas a maior distncia. Migrao de populao e emprego das cidades para pequenas povoaes e/ou pequenas cidades e vilas situadas a maior distncia. reas para l da coroa suburbana onde o espao rural ocupado, de forma descontnua, por funes urbanas (periurbanizao). reas para l da coroa suburbana onde o espao rural ocupado, de forma descontnua, por funes urbanas (periurbanizao).
  5. 5. Fig. Pessoas espera do metro, Lisboa.Fig. Trfego em hora de ponta.Fig. Rede de eletricidade. Fig. Habitaes degradadas, Bairro Alto, Lisboa. IMPACTES NEGATIVOS DA EXPANSO URBANAIMPACTES NEGATIVOS DA EXPANSO URBANA Pg. 99 Intensificao dos movimentos pendulares. Presso sobre os transportes urbanos e suburbanos. Aumento dos custos e tempos das deslocaes dirias. Falta de planeamento da ocupao do espao e habitao precria. Custo elevado das redes de distribuio de gua e energia e de saneamento. Intensificao dos movimentos pendulares. Presso sobre os transportes urbanos e suburbanos. Aumento dos custos e tempos das deslocaes dirias. Falta de planeamento da ocupao do espao e habitao precria. Custo elevado das redes de distribuio de gua e energia e de saneamento.
  6. 6. Fig. Sintra. Fig. Esquadra da Polcia, Lisboa. IMPACTES NEGATIVOS DA EXPANSO URBANAIMPACTES NEGATIVOS DA EXPANSO URBANA Ocupao de solos agrcolas e florestais. Oferta de servios e equipamentos coletivos insuficientes. Ocupao de solos agrcolas e florestais. Oferta de servios e equipamentos coletivos insuficientes. Pg. 99
  7. 7. REAS METROPOLITANASREAS METROPOLITANAS Pg. 97 Atividade:: 1- Defina expanso urbana. Atividade:: 1- Defina expanso urbana. Fig. Cidade Lisboa. Verificar respostaVerificar resposta
  8. 8. REAS METROPOLITANAS DE LISBOA E PORTOREAS METROPOLITANAS DE LISBOA E PORTO Em Portugal, o processo de suburbanizao ocorreu, sobretudo, no litoral, em particular volta de Lisboa e Porto. Em Portugal, o processo de suburbanizao ocorreu, sobretudo, no litoral, em particular volta de Lisboa e Porto. Fig. Concelhos e cidades das reas metropolitanas de Lisboa e Porto (2013). Em 1991, foram institudas as reas metropolitanas de Lisboa e Porto.Em 1991, foram institudas as reas metropolitanas de Lisboa e Porto. Pg. 100
  9. 9. Fig. Cidade de Lisboa (vista de Alfama). REAS METROPOLITANAS DE LISBOA E PORTOREAS METROPOLITANAS DE LISBOA E PORTO Em 2003 Lei n 10 de 13 de Maio Definido o regime jurdico das reas metropolitanas. Revogado - Lei n 45/2008 Criao das comunidades intermunicipais. Em 2003 Lei n 10 de 13 de Maio Definido o regime jurdico das reas metropolitanas. Revogado - Lei n 45/2008 Criao das comunidades intermunicipais. Fig. Comunidades Intermunicipais. Pg. 100
  10. 10. Fig. Cidade do Porto (ponte D. Lus). REAS METROPOLITANAS DE LISBOA E PORTOREAS METROPOLITANAS DE LISBOA E PORTO Lei n75/2013 Define as atribuies, os rgos e as competncias das reas metropolitanas de Lisboa e Porto. Nas duas reas metropolitanas passou-se de uma estrutura funcional monocntrica para uma estrutura policntrica. Lei n75/2013 Define as atribuies, os rgos e as competncias das reas metropolitanas de Lisboa e Porto. Nas duas reas metropolitanas passou-se de uma estrutura funcional monocntrica para uma estrutura policntrica. Pg. 100
  11. 11. Fig. Almada, Setbal. DINAMISMO DEMOGRFICODINAMISMO DEMOGRFICO O dinamismo demogrfico nas reas metropolitanas de Lisboa e Porto evidencia-se pela concentrao populacional O dinamismo demogrfico nas reas metropolitanas de Lisboa e Porto evidencia-se pela concentrao populacional Fig. Evoluo da populao das reas metropolitanas. Fig. Proporo da populao das reas metropolitanas no total do pas, 2011. e pelo aumento da populao. Pg. 102
  12. 12. DINAMISMO DEMOGRFICODINAMISMO DEMOGRFICO A variao demogrfica nos concelhos das duas reas metropolitanas foi maior no perodo entre 1991 e 2001. Perda demogrfica nos municpios centrais. Maior crescimento nos concelhos da periferia. A variao demogrfica nos concelhos das duas reas metropolitanas foi maior no perodo entre 1991 e 2001. Perda demogrfica nos municpios centrais. Maior crescimento nos concelhos da periferia. Fig. Evoluo da populao das reas metropolitanas. Pg. 102
  13. 13. A densidade populacional apresenta-se em menor disparidade interconcelhia na rea metropolitana do Porto. A densidade populacional apresenta-se em menor disparidade interconcelhia na rea metropolitana do Porto. Os dois concelhos mais densamente povoados pertencem rea metropolitana de Lisboa. Os dois concelhos mais densamente povoados pertencem rea metropolitana de Lisboa. As reas metropolitanas de Lisboa e Porto caracterizam-se por uma populao: mais jovem; mais instruda; mais qualificada. As reas metropolitanas de Lisboa e Porto caracterizam-se por uma populao: mais jovem; mais instruda; mais qualificada. Fig. Densidade populacional por municpios das duas reas metropolitanas (2011). DINAMISMO DEMOGRFICODINAMISMO DEMOGRFICO Amadora + de 7000 hab./Km 2 Lisboa + de 6000 hab./Km2 Pg. 103 Fig. Grupo de estudantes universitrios.
  14. 14. Fig. Vista sobre o rio Douro. Fig. Sintra.Fig. Lisboa. DINAMISMO ECONMICODINAMISMO ECONMICO As duas reas metropolitanas apresentam vantagens: localizao litoral; acessibilidade natural; amenidade do clima; relevo pouco acidentado AML. As duas reas metropolitanas apresentam vantagens: localizao litoral; acessibilidade natural; amenidade do clima; relevo pouco acidentado AML. Plos dinamizadores da economia nacional. Plos dinamizadores da economia nacional. Oferecem cerca de 43% do emprego e produzem quase 52% do PIB nacional. Oferecem cerca de 43% do emprego e produzem quase 52% do PIB nacional. Pg. 104
  15. 15. Fig. Linha ferroviria e porto, Lisboa.Fig. Estao de So Bento, PortoFig. Porto de Lisboa. A INDSTRIA NAS REAS METROPOLITANAS DE LISBOA E PORTOA INDSTRIA NAS REAS METROPOLITANAS DE LISBOA E PORTO O dinamismo econmico destas reas deve-se, sobretudo, atividade industrial que beneficia de algumas vantagens: complementaridade entre diferentes ramos industriais; existncia de infraestruturas e servios diversos; disponibilidade de mo de obra; acessibilidade aos mercados nacional e internacional. O dinamismo econmico destas reas deve-se, sobretudo, atividade industrial que beneficia de algumas vantagens: complementaridade entre diferentes ramos industriais; existncia de infraestruturas e servios diversos; disponibilidade de mo de obra; acessibilidade aos mercados nacional e internacional. Pg. 106
  16. 16. Fig. Vista sobre Lisboa. A INDSTRIA NAS REAS METROPOLITANA DE LISBOAA INDSTRIA NAS REAS METROPOLITANA DE LISBOA Localiza-se, principalmente, nos concelhos perifricos ao de Lisboa. Verifica-se a tendncia para a associao da indstria aos servios de armazenagem e distribuio e ao comrcio por grosso. O tecido industrial muito diverso. A dimenso das empresas maior que na AMP e os nveis de produtividade so mais elevados. Localiza-se, principalmente, nos concelhos perifricos ao de Lisboa. Verifica-se a tendncia para a associao da indstria aos servios de armazenagem e distribuio e ao comrcio por grosso. O tecido industrial muito diverso. A dimenso das empresas maior que na AMP e os nveis de produtividade so mais elevados. Pg. 106
  17. 17. A INDSTRIA NAS REAS METROPOLITANA DO PORTOA INDSTRIA NAS REAS METROPOLITANA DO PORTO Alguma concentrao volta do concelho do Porto e uma localizao dispersa no restante territrio. Predomnio da indstria de bens de consumo tradicionais. Indstria de vesturio e calado, com alguma especializao. Tendncia para a diversificao industrial. Crescente aposta na inovao cientfica e tecnolgica. Alguma concentrao volta do concelho do Porto e uma localizao dispersa no restante territrio. Predomnio da indstria de bens de consumo tradicionais. Indstria de vesturio e calado, com alguma especializao. Tendncia para a diversificao industrial. Crescente aposta na inovao cientfica e tecnolgica. Pg. 106 Fig. Ribeira do Porto.
  18. 18. No valor acrescentado bruto evidenc