Click here to load reader

Apresentação SMED Single Minute Exchange of Die

  • View
    3.016

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Apresentação SMED Single Minute Exchange of Die

  • SMEDSMEDSingle Minute Exchange of Die

    Engenharia de Produo Industrialhttp://engenhariadeproducaoindustrial.blogspot.com/Eng. Eder Benevides de Freitas

  • SMED O SMED (Single Minute Exchange of Die), uma metodologia desenvolvida por Shigeo Shingo no Japo entre os anos de 1950 e 1960 e tem como principal objetivo o de reduo do tempo de setup de mquinas ou das linhas de produo. A metodologia que pode ser traduzida por troca rpida de ferramenta em um digito de minuto, prope que os setups sejam realizados em at 10 minutos, tempo possvel de ser atingido a partir da racionalizao das tarefas realizadas pelo operador da mquina.

    Shigeo ShingoIntroduo

  • SMEDHistrico O desenvolvimento do conceito SMED Single Minute Exchange Die levou 19 anos para ser concludo, sendo descrito por Shingo a partir de trs experincias: em 1950 na planta Mazda da Toyo Kogyo em Hiroshima, em 1957 no estaleiro da Mitsubishi Heavy Industries tambm em Hiroshima e em 1969 na planta principal da Toyota Motor Company. Segundo Shingo, os aspectos finais da metodologia foram estimulados a pedido da Toyota, quando de sua experincia de 1969 nos trabalhos para reduo de tempo de Setup de quatro horas para noventa minutos em uma prensa de 1000 toneladas. Prensas de 1000 toneladas

  • SMEDHistrico Shigeo Shingo (1909 - 1990), nascido em Saga City, Japo, foi um engenheiro industrial japons que se distinguiu como um dos maiores especialistas do mundo em prticas de fabricao e no Sistema Toyota de Produo.

    Shingo muito mais conhecido no Ocidente do que no Japo, como resultado de seuencontro com Norman Bodek, um empresrio americano e fundador da Productivity Inc nos EUA. Em 1981, Bodek viajou ao Japo para aprender sobre o Sistema Toyota de Produo e se deparou com os livros de Shingo, que estava dando cursos de Engenharia Industrial na Toyota desde 1955 como consultor externo.

  • SMEDHistrico Em 1980.Norman Bodek traduziu os livros de Shingo para o ingls, trouxe Shingo para ministrar palestras nos EUA e desenvolveu uma das primeiras prticas de consultoria de lean manufacturing ocidentais com o apoio de Shingo.

    Em 1988, Utah State University, reconheceu Dr. Shingo pelas realizaes de sua vida e criou o Prmio Shingo, que reconhece organizaes lean e de excelncia operacional em nvel mundial. A influncia de Shingo se estendeu em campos fora da rea industrial.

    Norman Bodek- Professor, consultore fundador da ProductivityPress,

  • SMEDPublicaes Shigeo Shingo - A Revolution in Manufacturing : The Smed System, Productivity Press Shigeo Shingo - A Study of the Toyota Production System, Productivity Press, Shigeo Shingo - Modern Approaches to Manufacturing Improvement : The Shingo System Shigeo Shingo - Quick Changeover for Operators : The SMED System Shigeo Shingo - The Sayings of Shigeo Shingo : Key Strategies for Plant Improvement Shigeo Shingo - Zero Quality Control : Source Inspection and the Poka-Yoke System Shigeo Shingo - Non-Stock Production : The Shingo System for Continuous Improvement Shigeo Shingo - Mistake-Proofing for Operators : The ZQC System Shigeo Shingo - The Shingo Production Management System: Improving Process Functions (Manufacturing & Production)

  • Seis grandes perdas:

    1- Por quebra devido a falhas do equipamento;

    2- Durante setup e ajustes de linha;

    3- Por pequenas paradas e operao em vazio;

    4- Por reduo da velocidade de operao;

    5- Por defeitos de qualidade e retrabalhos;

    6- Perdas de rendimento.

  • SMEDDefinies

    Tempo de Troca

    definido como o tempo necessrio para a preparao de uma mquina na troca de modelos, contado desde a ltima pea do produto x at a primeira pea com qualidade do produto y.

    Troca Rpida

    definido como reduo do tempo de trocas para menos de 10 minutos, atravs da aplicao de anlise e otimizao das atividades internas e externas.

  • SMED Viso Ultrapassada do Setup Mentalidade voltada para produo em massa e no flexibilidade; Preocupao era apenas com a velocidade da mquina, quanto mais veloz e maior o lote compensava o longo tempo de setup; O setup era realizado em separado da rotina de trabalho e apenas por tcnicos especializados; As operaes de setup so confusas e desorganizadas; No existe um mtodo definido para preparao e execuo do setup; Ajustes e verificaes inadequadas;

  • SMED SETUP TRADICIONAL IMPLANTAO SMED

  • SMEDObjetivos do SMED Maior flexibilidade, menor tempo de parada e aumento da disponibilidade para realizao de manuteno dos equipamentosDesenvolvimento de trabalho em equipe;Verificao e garantia da qualidade;Eliminao das atividades que no agregam valor;Eliminar operaes insegurasProduzir atendendo a demanda do cliente com lotes menores e uma maior variedade de produtos e reduzindo o inventrio.

  • SMEDReduzir o tempo total de perda de eficincia devido a setup

  • SMEDResultados do SMEDVantagem competitiva Pouca utilizao do espao fsico; Produo de diversos modelos na mesma linha de produo; Maior movimentao de capital; Reduo na perda de produto por depreciao; Pouco Estoque; Entregas no prazo; Maior Flexibilidade; Melhor Qualidade;

  • SMEDFonte: Troca Rpida de Ferramentas ou SMED: Resultados

  • SMEDResultados

  • Estratgia de Implantao

  • SMED O mesmo significadoTRF- Troca Rpida de Ferramenta SMED Single Minute Exchange of Die Estratgia de Implantao

  • SMEDEstratgia de Implantao

  • SMEDEstratgia de ImplantaoPrograma 8S

  • Dinmica do Pitstop

  • SMED

    Ao contrrio de antigamente, quando havia reabastecimento de combustvel, que se sabia quando estava para acabar, o piloto no sabe em que volta vai parar. A parada definida pelo desgaste do pneu.Geralmente, depois de cinco voltas e de muita conversa com o engenheiro sobre o equilbrio do carro e o desgaste do pneu, definida a volta de parada. A ordem de pit stop deve ser dada em um ponto da pista que d tempo suficiente para a equipe se preparar. Se passar dali, fica tudo muito corrido e pode complicar a operao..

    Dinmica do Pitstop

  • SMED Ao ver a linha branca da entrada da pit lane, o piloto aciona a 2 marcha e procura frear forte, no ltimo momento, para perder menos tempo possvel. Quando o piloto entra rpido demais e freia, o carro pode sair de lado. Quando o carro desce abaixo de 100 km/h (em Mnaco a 90), o piloto pressiona o limitador de velocidade e acelera tudo e velocidade trava nos 100 km/h.

    http://www.enciclopediaf1.com.br/por_dentro_da_f1/pit-stopDinmica do Pitstop

  • SMED

    Antes da parada, o engenheiro faz vrias observaes, lembrando para manter a trajetria certa na parada; prestar ateno na freada; manter freada forte durante a troca do pneu.

    Na parada no box, o piloto d a segunda freada, que deve ser forte e dentro das linhas demarcadas. Se parara um metro frente ou meio metro atrs, os mecnicos vo estar em posies erradas, tm de se mexer e isso pode provocar a perda de segundos preciosos.

    Dinmica do Pitstop

  • SMEDEvoluo do Tempo de SETUP no Automobilismo

    1950 Indianpolis 500 2013 Melbourne F1

    Evoluo do Pitstop

  • Implantao do SMED

  • SMED

  • SMED

  • SMED1. Fase Definir um EquipamentoDesenvolver o Mapeamento do Fluxo do Processo (VSM),

    para obter todas as informaes necessrias para definiro equipamento no qual ser implantado o SMED;

    importante realizar questionamentos e anlises para

    comprovar que realmente o setup esteja interfirindo nos resultados de atendimento s demandas.

    Atuar com um time composto de diversos departamentos:

    Produo, manuteno, qualidade, engenharia, processos, logstica e outros.Mapeamento do Fluxo do Valor (VSM)

  • SMED2. Fase Levantamento das InformaesAps ter definido um equipamento necessrio a formao

    de um time espedfico para atuar no levantamento dasInformaes do setup atual e que estar atuando diretamentena Implantao do SMED;

    Documentar o setup atual

    Observa a troca e analise todas as etapas;Anote os tempos de cada etapa;Anote o percurso percorrido pelo operador;Determinar os processos prioritrios;Estabelecer os objetivos da melhoriaUtilizar a filmagem de todas as etapas

  • SMED2. Fase Levantamento das InformaesAtravs do Diagrama de Spaghetti temos as condies de

    avaliarmos os deslocamentos do operador ou tcnico na realizao de suas atividades utilizando as variveis tempoe distncia Acesse o artigo no Blog Engenharia de Produo

  • SMED2. Fase Levantamento das Informaes- Setup sendo realizado por 01 operador;- Numerao das etapas em sequncia;- Utilizao do diagrama de sphageti;- Obteno das distncias percorridas;- Obteno dos tempos das etapas;- Obteno de outras informaes pertinentes.Obtenha o Diagrama no Blog Engenharia de Produo

  • SMED2. Fase Levantamento das InformaesLista de verificao contendo:

    Analisadas e separadas as atividades de cada operador;Podemos observar que o operador 02 fica ocioso durante o setup

  • SMED3. Fase Separando Setup Externo do InternoDefinies:

    Setup Interno: So atividades que para serem realizadas

    necessita que o equipamento esteja parado.

    Exemplos: Ajustes, testes, instalaes e etc

    Setup Externo: So atividades realizadas com

Search related