Nossa capa / A - Grupo Cultivar ... / Nossa capa / v l.20 l l l l Mar£§o 2005 lA produ£§££o pecu£Œria
Nossa capa / A - Grupo Cultivar ... / Nossa capa / v l.20 l l l l Mar£§o 2005 lA produ£§££o pecu£Œria
Nossa capa / A - Grupo Cultivar ... / Nossa capa / v l.20 l l l l Mar£§o 2005 lA produ£§££o pecu£Œria
Nossa capa / A - Grupo Cultivar ... / Nossa capa / v l.20 l l l l Mar£§o 2005 lA produ£§££o pecu£Œria

Nossa capa / A - Grupo Cultivar ... / Nossa capa / v l.20 l l l l Mar£§o 2005 lA produ£§££o pecu£Œria

  • View
    2

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Nossa capa / A - Grupo Cultivar ... / Nossa capa / v l.20 l l l l Mar£§o 2005 lA...

  • / Nossa capa /

    l Março 2005 ll .20 l l www.cultivar.inf.br lv

    A produção pecuária no Brasil, em função da extensão territorial e viabilidade econômi- ca, está fortemente

    embasada em pastagens. Embora a mai- oria das áreas com pastagens cultiva- das, quando bem manejadas, sejam con- sideradas áreas com cultura perene, o que se verifica na prática é que grande parte destas pastagens (60 a 80%) apre- sentam algum grau de degradação, ne- cessitando de ações de recuperação ou renovação destas áreas para atingir/ manter os índices de produção deseja- das pelo produtor.

    Neste sentido, a degradação de pas- tagens pode ser vista como o processo evolutivo de perda de vigor, de produ- tividade e de capacidade de recupera- ção natural das pastagens para susten- tar, economicamente, os níveis de pro-

    dução e de qualidade exigida pelos ani- mais, assim como o de superar os efei- tos nocivos de pragas, doenças e plan- tas daninhas, culminando com a de- gradação avançada dos recursos natu- rais, em razão de manejos inadequados. De uma maneira mais simples, a de- gradação da pastagem, dependendo do grau em que ela esteja, pode provocar a redução na produção de forragem, o aparecimento de invasoras, a diminui- ção da área de solo coberta pela vegeta- ção e a erosão do solo provocada pela chuva.

    O processo de degradação das pas- tagens pode ser comparado a uma es- cada, onde, no topo, estariam as con- dições que garantiriam maiores produ- tividades de forragem (Figura 1). No entanto, à medida em que se desce os degraus, avança-se no processo de de- gradação. Até um determinado ponto,

    ou um certo degrau, haveria condições de se conter a queda na produção de forragem e manter a produtividade do

    Além da redução na produção de forragem, a degradação provoca ainda o aparecimento de invasoras e a erosão

    Miguel compara o processo de degradação das pastagens a uma escada; no topo estariam as condições ideais do pasto

    Wa lte

    r N ey

    R ibe

    iro

    Embora a maioria das áreas com pastagens cultivadas, quando bem manejadas, sejam consideradas áreas com cultura perene, o que se verifica na prática é que grande parte destas pastagens (60 a 80%) apresentam algum grau de degradação

  • l Março 2005 l l www.cultivar.inf.br l l .21 l v

    pasto por meio de ações de manejo mais simples, diretas e com menores custos operacionais. A partir desse ponto, estabelece-se o processo de de- gradação propriamente dito, em que apenas ações de recuperação ou reno- vação, muitas vezes mais drásticas e dis- pendiosas, apresentariam respostas ade- quadas. O final do processo culmina- ria com a ruptura dos recursos natu- rais, representada pela degradação do solo com alterações em sua estrutura, evidenciadas pela compactação e a con- seqüente diminuição das taxas de in- filtração e capacidade de retenção de água, causando erosão e assoreamento de nascentes, lagos e rios.

    As principais causas da degradação das pastagens são apresentadas no Qua- dro 1 (página 22).

    É importante destacar que quanto

    maior o grau de degradação da pasta- gem (mais baixo o degrau da escada), maiores serão os custos financeiros e a necessidade de máquinas e equipamen- tos para a recuperação/renovação des- ta área, valendo a máxima que é sem- pre melhor prevenir do que remediar, estando o produtor atento às boas prá- ticas de manejo da pastagem, evitando ações que ocasionem a degradação das pastagens (Quadro 1) e, conseqüente- mente, comprometa a sustentabilidade do sistema de produção.

    Assim, na Fase de Manutenção (Fi- gura 1), ações simples e diretas, com baixos custos operacionais, como ajus- tes nas taxas de lotação, a vedação da área e a realização de correções e adu- bações sem o revolvimento do solo são capazes de restaurar a produtividade da área. Na Fase de Degradação da Pasta-

    gem, normalmente são necessárias ações mais drásticas e dispendiosas: necessidade de revolvimento do solo (arações e gradeações); correções e adu- bações mais pesadas com necessidade de incorporação; controle de pragas (cupins, formigas etc.); e controle quí- mico ou mecânico de plantas invaso- ras. Finalmente, na Fase de Degrada- ção do Solo serão necessárias práticas de conservação do solo (terraceamen- tos, diques de contenção, aterros etc.) bastante onerosas.

    Conceitualmente, a recuperação de pastagem seria o restabelecimento da produção de forragem, de acordo com o interesse econômico, mantendo-se a mesma espécie ou cultivar, enquanto que a renovação da pastagem seria o restabelecimento da produção de for- ragem, com a introdução de uma nova

    Recuperar ou renovar? A partir do início do processo de degradação, apenas ações de renovação ou recuperação, muitas vezes drásticas e caras, podem devolver à pastagem condições de manter a produção de forragem

    Recuperar ou renovar? A partir do início do processo de degradação, apenas ações de renovação ou recuperação, muitas vezes drásticas e caras, podem devolver à pastagem condições de manter a produção de forragem

    8

    Quanto maior o grau de degradação da pastagem (mais baixo o degrau da escada), maiores serão os custos financeiros e a necessidade de máquinas e equipamentos para a recuperação/ renovação desta área

    Josimar Lima

    Di vu

    lga çã

    o

  • Quadro 1- Principais causas da degradação das pastagens

    l Março 2005 ll .22 l l www.cultivar.inf.br lv

    espécie ou cultivar em substituição àquela em degradação. A recuperação ou renovação da pastagem pode ser fei- ta de maneira direta: sem a utilização de culturas anuais/agricultura; ou indi- reta: com o auxilio de culturas anuais/ agricultura (por exemplo: milheto, sor- go forrageiro, milho, arroz, soja etc.), o objetivo desta prática é o de aproveitar a adubação residual empregada no pas- to anual ou lavoura para recuperar a espécie da pastagem existente ou intro- duzida com menores custos.

    Uma vez instaurado o processo de degradação da pastagem, e tomada a decisão, por parte do produtor, de de- ter o processo de degradação e restau- rar a capacidade de produção de forra- gem da área, a pergunta a ser respondi- da será: como recuperar ou renovar a pastagem? Quanto da área de pastagem, quando recuperar ou renovar e quais as técnicas e insumos a serem utiliza- dos na recuperação/renovação é fun- ção de diversos fatores, sendo aconse- lhável o produtor utilizar assistência técnica especializada, uma vez que deve- se levar em consideração aspectos como o grau de degradação da pastagem (di- agnóstico da área: stand da espécie for- rageira, presença de banco de semen- tes, fertilidade do solo, presença de invasoras etc.), qual a utilização futu- ra da área recuperada/renovada (esco- lha da espécie forrageira, utilização mais ou menos intensiva, exigência nutricional dos animais que utilizarão a pastagem etc.), disponibilidade de máquinas, conhecimento das técnicas a serem empregadas e capital disponí- vel. Somente após uma análise criteri- osa destes fatores é que o produtor de- verá definir como recuperar ou reno- var sua área de pastagem.

    Lavoura-pecuária

    O sistema de integração lavoura- pecuária tem se mostrado uma alter- nativa bastante interessante e eficiente de manutenção da produtividade de pastagens e de recuperação/renovação indireta de pastagens nos Cerrados do Brasil. Este sistema permite um uso mais racional de insumos, máquinas e mão-de-obra na propriedade agrícola, além de diversificar a produção e o flu-

    8

    Figura 1 - Representação esquemática dor processo de degradação de pastagens em suas diferentes etapas no tempo (Macedo, 2001)

    • Germoplasma (espécie / cultivar) inadequado ao local

    • Implantação inadequada da pastagem

    •utilização de sementes de baixa qualidade •ausência de práticas de conservação do solo (terraceamento) •preparo inadequado do solo •ausência de correção da acidez (calagem) e/ou adubação •plantio inadequado (época, distribuição, profundidade, incorporação etc. das sementes) •manejo animal inadequado na fase de formação da pastagem

    • Manejo e práticas culturais

    •uso de fogo como rotina •métodos, épocas e excesso de roçagem •ausência ou uso inadequado de adubação de manutenção

    • Ocorrência de pragas, doenças e plantas invasoras

    • Manejo animal

    •excesso de lotação (superpastejo, principalmente na época seca) •método inadequado de pastejo

    O sistema de integração lavoura-pecuária tem se mostrado uma alternativa bastante interessante e eficiente de manutenção da produtividade de pastagens e de recuperação/ renovação indireta de pastagens nos Cerrados do Brasil

    Custo (@/ha) (R$/ha)

    Receita(@/ha) (R$/ha)

    Lucro (@/ha) (R$/ha)

    Lucro de 2ha (R$)

    Past. sem recup/renov

    - -

    1,5 82,50

    1,5 82,50

    165,00 1.270,00 @ de boi: R$55,00 • sc de soja: R$25,00

    Integração

    Tabela 1- Simulação de custos, receitas e despesas para renovação/ recuperação de pastagens e integração lavoura-pecuária

    Pastagem recup/renov

    14,5 800,00

    20,0 1.100,00

    5,5 302,50

    605,00

    Pastagem(1ha)

    7,0 385,00

    20,0 1.100,00

    14,0 770,00

    Soja(1ha)

    35 sc 875,00

    55 sc 1.375,00

    20 sc 500,00

  • l Março