A( ) O processo de inscrição cadastral de um aeródromo ...· 4rt. 27. Aeródromo é toda área

Embed Size (px)

Text of A( ) O processo de inscrição cadastral de um aeródromo ...· 4rt. 27. Aeródromo é toda área

  • Ministrio da FazendaEscola de Administrao Fazendria - EsafDireLoria de Educao - DiredCurso de Formao Especialista em Regulao de Aviao Civil AN'AC 2015/2017

    FORMULRIO PARA EMISSO DE PARECER SOBRE RECURSO

    iig;I AnR1 . Assinale a alternativa INCORRETA

    A( ) O processo de inscrio cadastral de um aerdromo privado denominado registro, sendo regulamentado na ANAC pela Resoluo n'1 58/201 0 .

    l A vigncia da portaria de inscrio de um aerdromo pblico de lOanos, conforme resoluo n' 1 58/2010.

    C (X)A explorao comercial de um aerdromo, vedada para. um aerdromoprivado, est vinculada cobrana de tarifas aeroporturias.

    ) Todo aeroporto um aerdromo, mas nem todo aerdromo umaeroporto.

    ) Todo heliporto um aerdromo, mas nem todo aerdromo umheliporto .

    B(

    D(

    E(

    GABARITO OFICIAL: C

    ALEGAOES:Alegam, em sntese, que os itens apresentam impropriedades materiais ou formais, o que enseJanam aeventual anulao da questo.Desta forma, cumpre esclarecer pontualmente cada um dos itens da questo.

    PARECER

    A respeito do item A, constata-se que h uma referncia ao processo de inscrio cadastral de aerdromoprivado denominado registro.De acordo com o Cdigo Brasileiro de Aeronutica (Lei n: 7.565, de 1 9 de dezembro de 1 986), observa-.

    Art. 30. Nenhum uerdl'otno civil poder sel tltilizado sem estar de'idattlente cadastrado$ 1' Os aerdrotnos pttbLicos e privados sero abertos ao trfego atravs de processo. respectivamente,de holllotogclo e registroAssim, carreta a vinculao da inscrio cadastral de um aerdromo privado com o processo deregistro.Sabe-se tambm que a Resoluo .4NAC n' '158/2010 dispe soba-e a autorizao prvia para aconstruo de aerdromos e seu cadastramenLO junto ANAC.Face ao exposto, conclui-se que o ilm..A correio

    uese

    Sobre o item B, a Resoluo ANAC n' 1 58/2010 aponta em seu artigo 1 5 que:4rt. 15. A illscrio do detdromo no cadastro teta validade de lO (de=) anos aps o atoadttlinislrativo de insct'io, podendo ser renovado por igual perodo, e no exittle o operador daobrigao de pedir as atualizaes no caso de alterao das caractersticas do aerdromoAssitn, cristalina a concluso de que a validade da inscrio de um aerdromo, seja pblico ou sejaprivado, de lO (dez) anos aps o alo de administrativo de inscrio, que a portaria de inscrio.Tambm neste caso, conclui-se que o

    Em relao aos itens D e E, utiliza-se neste momento as definies constantes do Cdigo Brasileiro deAeronutica (Le n' 7

  • 4rt. 27. Aerdromo toda rea destinada cl potlso, decotagettt e tuovimenrao de aerorlwes.Art. 31. Consideram-se:

    1 - Aeroportos os aerdrotnos pblicos, dotados de instalaes e .facilidades para apoio de operaes:le aeronaves. e de elnbat que e desetnbarque de pessoas e cal'gas,11 - Helipotltos os aerclrot7tos destinados exclttsivattlellte a helicpteros;

    111 : HeLiportos os helipopltos pblicos. dotados de instalaes e .facilidades para apoio de operaes dektelicpteros e de ellibarque e desembarque de pessocts e cctrgasConsiderando tais definies, infere-se corretamente que aeroportos so aerdromos do tipo pblicocom certas especificidades. Entretanto, o raciocnio inverso no verdadeiro, visto que existemaerdromos do tipo privado, por exemplo, que no aeropo!'tos.Outrossim, constata-se que heliportos so helipontos do tif)o pblico, sendo que heliponto umaerdromo destinado exclusivamente a helicpteros. Assim, por lgica, todo heliporto umaerdromo. Entretanto, o raciocnio inverso i6o verdadeiro, visto que existem aerdromos do tipoprivado, por exemplo, que no heliportos.Face ao exposto, conclui-se que os itens D e E so corrlg$:

    Fechando a questo, observa-se que o ponto crucial do item C refere-se sobre a definio deexplorao comercial de um aerdromo, que estaria vinculada a cobrana de tarifas aeroporturias.No Cdigo Brasileiro de Aeronutica (Lei n' 7.565, de 19 de dezembro de ] 986), observa-se en] seuartigo 30 que:$ 2' Os aerdromos privados s podero ser tllilizados com permisso de seu proprietrio, vedada aexplorao coluerciat

    Como afirmado reiteradamente em sala de aula, no h nenhum normltivo vigente que vincula adefinio de explorao comercial com a cobrana de tarifas aeroporturias, sendo que tal cobrana uma das possibilidades debatidas peia Agncia e pela Secretaria Nacional de Aviao Civil.Assim, conclui-se que o item C incoi; lQ:

    CONCLUSO

    ( x ) INDEFERIR( ) ANULAR ( ) ALTERAR GABARITO PARA A LETRA

    IDENTIFICAO/ASSINATURA ;'#Q

    /d

  • Ministrio da Fazenda

    Escola de Administrao Fazendria - [sittDrctojia de Educao - Dired

    Curso de Formao Especialista em Regulao de .Aviao Civil Ande 201 $/2Q}

    FOR&lULAR]O PARA EN'llSS.40 DE P/l.REGER SOBRE RE(.:URSO

    QUESTO: AGA ' "'' "" " ]3. Considerando os aspectos das fases do Processo de Certificao Operacional

    do Aeroporto, assinale a opo CORRETA:

    A ( ) Dentre as atividades desenvolvidas pelo inspetor da ANAC na InspeoInicial de Certificao, encontram-se: entrevistas, visitas aos locais'detrabalho. acompanhamento dos procedimentos operacionais, verificaodas condies fsicas e operacionais de equipamentos e infraestrutura.participao em simulaes e coletas de evidncias

    B (X)Na avaliao do MOPS considera-se a estrutura organizacional queadministra e opera o aerdromo, bem como o gerenciamento dos riscos.com sistemas e servios dotados de infraestrutura e processos quedesempenhem determinada funo para que o processamento deaeronaves e passageiros ocorra em determinado nvel de segurana eeficincia.

    ) A finalizao do processo de ceRificao o parecer favorvel da reatcnica, o qual indica que um operador de aerdromo constitudolegalmente e com seus sistemas, servios e condicionantes acordadospode operar o aeroporto com determinado nvel de segurana.

    ) As no-conformdades listadas no Relatrio da Inspeo Inicial deCertificao so classificadas em dois grandes grupos, as quenecessariamente devem ser sanadas para a emisso do certificado e asque podem adotar medidas mitlgadoras.

    ) E a partir da avaliao da compatibilidade entre a operao da maioraeronave de HOTRAN e as caractersticas fsicas e operacionais doaerdromo que so definidas as isenes de requisitos, NveisEquivalentes de Segurana Operacional (NESO) e Compromissos deCorreo de Infraestrutura(PAC).

    C

    D

    E(

    GAB.4R}TO O}'C}.A{..: B

    A l .EG A DOES

    Em sntese, as alegaes pediam para:

    1. Anular a questo por no haver alternati\a corneta ou mais de uma cnirela

    PARECER

    l Quanto ao enunciado:O enunciado informa que o assun o da questo sopre os tTS/?ec/o. (7.i.!./air.s do /,/occ's.tode ('erra'/fc'cao. ou se.ja, engloba as consideraes que o item 5 do captulo ( 'e,/'r//;c a'oOpen'acion l de .4eropol'ros ab)rda.

    Assim. todas as consideraes do PARE(. ER roam baseadas no texto da apostila.

  • 1{ - Alternativa A

    A primeira alternativa est !!ada, pois nas simulaes o inspetor.apenas acompanhaas simulaes fazendo as aferies necessrias e verificando se est tudo correndo daforma certa. 4' pargrafo do item 5.2, subirem 5Nesta alternativa a questo era 2..!!pa.l..alixida!! do inspetor, pois nas simulaes esteno deve tomar parte efetiva do ensaio uma vez que no membro da equipe doaeroporto.

    111 Alternativa BA alternativa B est toda correta, pois exatamente o texto da apostila, 7' pargrafo doitem 5.1.

    IV - Alternativa C

    A alternativa C est !!ada, pois a finalizao do processo de certificao . a aprovaodo MOPS com toda a documentao e correes finais inseridas. ll' pargrafo do item

    Nesta alternativa a questo eia que o que e omanual assinado pelo Operador de Aerdromo. e no o parecer da rea tcnica, pois comeste ainda seria necessria a publicao da Portaria de Certificao.

    $.1

    ],r . Alternativa DA alternativa D est 113da, pois a diviso corrcta entre as no-conformidades sanadasantes e aps a emisso do certificado. 3' pargrafo do item 5.3.Nesta alternativa a questo era o , uma vezque a adio de medidas mitigadoras podem ocorrer em qualquer um dos grupos

    VI - Alternativa E

    A alternativa E est g!!:gela, pois na avaliao da compatibilidade considerada aaeronave crtica. 5' pargrafo do item 5.1 .Nesta alternativa a questo era o , uma vez que amaior aeronave de HOTRAN (em operao) no necessariamente a maior aeronave

    pretendida para constar no Certificado.

    CONCLUSO

    ( X )INDEFERIR ( )ANULAR ( )ALTERARGABARITOPARAALETRA

    inEnTiricAAii7iSln ATURA

    R!@ SI'87086

  • Ministrio da Fazenda

    Escola de Administrao Fazendria - EsafDiretoria de Educao - Dired

    Curso de Formao Especialista em Regulao de Aviao Civil -- ANAC 2015/2017

    FORMULRIO PARA EMISSO DE PARECER SOBRE RECURSO

    QUESTO: AGA4. Em relao definio de Incurso em Pista, marque a afirmativa CORRETA

    A

    B

    C

    D

    E

    IX)Toda ocorrncia em aerdromo envolvendo a presena incorreta deaeronave, veculo ou pessoa na rea protegida de uma superfciedesignada para pouso e decolagem de aeronaves.

    l Toda ocorrncia em aerdromo envolvendo a presena incorreta deaeronave, veculo, pessoa ou animal na rea protegida de uma superfciedesignada para pouso e decolagem de aeronaves.

    ) Toda invaso de pessoas ou animais em pista de txi ou pista de pousoe decolagem.

    ) Toda ocorrncia em aerdromo envolvendo a presena no autorizadade aeronave, veculo ou pessoa na rea protegida de uma superfciedesignada para pouso e decolagem de aeronaves.

    l Toda ocorrncia em aerdromo envolvendo a presena no autorizadade aeronave, veculo ou pessoa na faixa de pista de uma superfciedesignada para pouso e decolagem de aeronaves.

    GABARITO OFICIAL: A

    'ii'F7iF'F;Os candidatos alegam que eu afirmei em sala de aula que o captulo "10. Entendendo a incurso empista" no cairia na prova, assunto cobrado pela questo 4.

    PARECER:A alegao dos candidatos verdadeira

    CONCLUSO

    (