of 303 /303
PV01 – Laboratório de FactoryTalk View SE FAVOR DEIXAR ESTA APOSTILA NA SALA AO TERMINAR O LABORATÓRIO. VOCÊ RECEBERÁ UMA CÓPIA ELETRÔNICA DA MESMA! AJUDE-NOS A ECONOMIZAR PAPEL. A NATUREZA AGRADECE

Apostila FactoryTalk View 1

Embed Size (px)

Citation preview

Page 1: Apostila FactoryTalk View 1

PV01 – Laboratório de FactoryTalk View SE

FAVOR DEIXAR ESTA APOSTILA NA SALA AO TERMINAR O LABORATÓRIO.

VOCÊ RECEBERÁ UMA CÓPIA ELETRÔNICA DA MESMA!

AJUDE-NOS A ECONOMIZAR PAPEL.

A NATUREZA AGRADECE

Page 2: Apostila FactoryTalk View 1
Page 3: Apostila FactoryTalk View 1

2 de 304

PV01 – Configurando uma aplicação de FactoryTalk View

SE

Sumário Sobre este laboratório................................................................................................................................... 6

O que será realizado neste laboratório......................................................................................................... 7

Quem deve participar deste laboratório........................................................................................................ 7

Ferramentas e pré-requisitos ........................................................................................................................ 8

Hardware....................................................................................................................................................... 8

Software ........................................................................................................................................................ 8

Arquivos do laboratório ................................................................................................................................. 8

Características gerais............................................................................................................................... 11

FactoryTalk View SE Components ............................................................................................................. 11

FactoryTalk View SE - Network e Local...................................................................................................... 16

Boas práticas .............................................................................................................................................. 16

FactoryTalk View SE – Servidores ............................................................................................................. 21

Antes de começar : Instruções Gerais e Recomendações................................................................... 23

Sessão 1: Criar e executar uma aplicação simples (necessário) ........................................................ 25

Criar um projeto de IHM em rede no FactoryTalk View Studio .................................................................. 26

Adicionar uma área a uma aplicação.......................................................................................................... 29

Adicionar um servidor de IHM à aplicação ................................................................................................. 31

Adicionar Faceplates de processo ao servidor de IHM .............................................................................. 33

Adicionar um servidor de dados ................................................................................................................. 35

Configurar a comunicação .......................................................................................................................... 39

Criar uma tela e adicionar um objeto “entrada de dados” (Numeric Input) à tela....................................... 46

Page 4: Apostila FactoryTalk View 1

3 de 304

Sessão 2: Importar componentes da aplicação (necessário) .............................................................. 51

Sessão 3: Tags (necessário).................................................................................................................... 54

Leia sobre tags de IHM e tags de referência direta .................................................................................... 55

Criar um tag de IHM.................................................................................................................................... 58

Assistente de importação/exportação de tags usando MS Excel............................................................... 62

Adicionar um objeto que faz referência a um tag de IHM........................................................................... 69

Sessão 4: Telas gráficas, objetos e animações (necessário) .............................................................. 76

Informação sobre as Telas gráficas............................................................................................................ 76

Modificação de um arquivo XML................................................................................................................. 78

Tooltips........................................................................................................................................................ 87

Docked Displays ......................................................................................................................................... 94

Comandos ................................................................................................................................................. 100

Animações e expressões .......................................................................................................................... 107

O Object Explorer...................................................................................................................................... 108

Mensagens locais ..................................................................................................................................... 112

Sessão 5: Alarmes e Eventos (opcional).............................................................................................. 119

Sobre os tipos de alarme .......................................................................................................................... 120

Adicionar conexão de banco de dados..................................................................................................... 121

Habilitar alarmes e eventos baseados em dispositivo.............................................................................. 124

Usando os objetos do FactoryTalk Alarm and Event................................................................................ 128

Criar alarmes baseados em tag ................................................................................................................ 153

Sessão 6: Objetos globais (necessário) ............................................................................................... 160

Criar objetos de referência........................................................................................................................ 160

Fazer referência às propriedades do objeto ............................................................................................. 168

Vamos ver os Padrões de objeto global ................................................................................................... 170

Modificar um objeto global ........................................................................................................................ 172

Sessão 7: Segurança (opcional)............................................................................................................ 176

Sobre Segurança ...................................................................................................................................... 176

Criar um usuário e um grupo de usuário .................................................................................................. 177

Page 5: Apostila FactoryTalk View 1

4 de 304

Configurar segurança de ação.................................................................................................................. 180

Configurar segurança em runtime ............................................................................................................ 184

Atribuir códigos de segurança aos comandos .......................................................................................... 187

Atribuir códigos de segurança às telas ..................................................................................................... 189

Atribuir códigos de segurança aos tags.................................................................................................... 190

Verificar as configurações de segurança.................................................................................................. 192

Sessão 8: Registro de dados e tendência (opcional).......................................................................... 198

Exploração em runtime ............................................................................................................................. 198

Exploração em Configuração.................................................................................................................... 199

Configurando tendências .......................................................................................................................... 203

Visualizar a tendência em runtime............................................................................................................ 210

Sessão 9: Utilizando o FactoryTalk Diagnostics (opcional)............................................................... 218

Sobre o FactoryTalk Diagnostics .............................................................................................................. 218

Configuração de Diagnosticos (Diagnostics Setup) ................................................................................. 223

Banco de dados ODBC como uma fonte de mensagem.......................................................................... 226

Visualizar o registro ODBC ....................................................................................................................... 229

Sessão 10: Alternar idioma (opcional).................................................................................................. 231

Informação sobre a alteração do idioma................................................................................................... 231

Configurar idiomas compatíveis................................................................................................................ 233

Comando para troca de idioma................................................................................................................. 239

Alternância de idioma de alarmes baseado em dispositivo (Device-based) ............................................ 239

Alternância de idioma de alarme baseado em tag ................................................................................... 239

Sessão 11: Teste da aplicação (necessário) ........................................................................................ 239

Testar a tela .............................................................................................................................................. 239

Configurar um arquivo Cliente .................................................................................................................. 239

Executar o cliente...................................................................................................................................... 239

Verificar edições online ............................................................................................................................. 239

Testar comandos em runtime ................................................................................................................... 239

Page 6: Apostila FactoryTalk View 1

5 de 304

Sessão 12: Avançado (opcional) ........................................................................................................... 239

Importar telas do RSView32 ..................................................................................................................... 239

Ferramenta de migração de alarme.......................................................................................................... 239

Sessão 13: FactoryTalk ViewPoint (opcional)...................................................................................... 239

Ferramentas e pré-requisitos .................................................................................................................... 239

Abrindo o FactoryTalk ViewPoint .............................................................................................................. 239

Configurando Segurança no FactoryTalk ViewPoint ................................................................................ 239

Publicando as telas de uma aplicação FactoryTalk View SE. .................................................................. 239

Rodando uma aplicação View SE com o browser. ................................................................................... 239

Algumas funções avançadas com o FactoryTalk ViewPoint .................................................................... 239

Usando as funções do Browser com o FactoryTalk ViewPoint ............................................................... 239

Observações............................................................................................................................................ 239

.

Page 7: Apostila FactoryTalk View 1

6 de 304

Antes de começar

Este laboratório tem como objetivo ser uma compilação de diversos exercícios menores elaborados para ensinar ao usuário os princípios do FactoryTalk View Site Edition. Embora este possa ser feito linearmente, em que todos os exercícios são cumulativos, os únicos exercícios obrigatórios são todos da Sessão 1:Criar sua aplicação e da Sessão 2: Importar/exportar componentes da aplicação.Depois, o usuário pode selecionar quais exercícios interessam mais sem precisar se preocupar com a sequência numérica.

As etapas a seguir devem ser concluídas antes de iniciar os exercícios do laboratório:

1. Se a caixa de diálogo Log On To Windows estiver ativa, insira ‘administrator’ como nome do usuário e ‘rockwell’ como senha.

2. Use as mesmas informações do Login se solicitado para fazer o logon no FactoryTalk Directory ou ao criar um banco de dados de histórico do FactoryTalk Alarms and Events.

Sobre este laboratório

Bem-vindo à série de laboratórios práticos do FactoryTalk View SE. Esta sessão oferece a oportunidade de explorar os fundamentos básicos do FactoryTalk View Site Edition (FactoryTalk View SE). As seções a seguir explicam o que você fará nesta sessão do laboratório e o que você precisará fazer para concluir os exercícios práticos.

Observação: Na versão 5.00 (CPR 9), foram feitas mudanças no nome do produto para refletir melhor a arquitetura integrada e o software orientado ao sistema da Rockwell Automation.

Nome do RSView (CPR 7 e anterior)

Nome do FactoryTalk View

(CPR 9 e posterior)

Nome do RSView (CPR 7 e anterior)

Nome do FactoryTalk View

(CPR 9 e posterior)

RSView Supervisory Edition (SE)

FactoryTalk View Site Edition (SE)

RSView Enterprise FactoryTalk View

RSView SE Stand-alone

FactoryTalk View SE (Local)

RSView SE Distributed FactoryTalk View SE (Rede)

RSView SE Client™ FactoryTalk View SE Client

RSView Studio FactoryTalk View Studio

RSView SE Administration Console™

FactoryTalk View SE Administration Console

RSView SE Server™ FactoryTalk View SE Server

RSView ME Station™ FactoryTalk View Machine Edition Station

RSView Machine Edition™ (ME)

FactoryTalk View Machine Edition (ME)

Page 8: Apostila FactoryTalk View 1

7 de 304

Este laboratório usa o FactoryTalk View SE 5.00 (CPR 9). O View SE é um pacote integrado para desenvolvimento e operação de aplicação de interface homem-máquina (IHM) em rede e de múltiplos usuários. O View SE foi desenvolvido para processos automatizados ou monitoração da máquina e controle supervisório.

Neste laboratório, você trabalhará com uma aplicação em rede que contém um servidor de IHM, um servidor de dados e um único cliente de IHM.Para este laboratório, esses servidores e clientes estarão todos localizados no mesmo computador. O View Studio, o ambiente de desenvolvimento, também estarão neste computador. Porém, no sistema distribuído, esses componentes podem estar realmente em computadores separados e clientes de IHM adicionais podem ser usados, pois o View SE se expande facilmente de sistemas pequenos a grandes.Este procedimento de laboratório contém explicações e exercícios para usuários novos e avançados. Após executar as primeiras seções do laboratório, você poderá escolher outras seções.

Recomendamos que os usuários concluam os procedimentos restantes do laboratório na ordem em que são apresentados, conforme o tempo permitir.

O que será realizado neste laboratório

À medida que você conclui os exercícios desta sessão prática, você compreenderá a funcionalidade e os recursos do FactoryTalk View Site Edition

� criando uma aplicação

� configurando um servidor de IHM

� configurando um servidor de dados RSLinx Enterprise e habilitando-o para suportar alarmes e eventos

� utilizando gráficos e animações

� executando teste de telas

� configurando e executando um arquivo cliente da IHM

� configurando e monitorando alarmes (baseado em tag e FactoryTalk A&E)

� implementando segurança

� trabalhando com modelos e tendências de armazenamento de dados

� usando o visualizador FactoryTalk Diagnostics

� trabalhando com objetos globais

� configurando sua aplicação para troca de idiomas

Quem deve participar deste laboratório

Este laboratório prático destina-se a indivíduos que:

� Tenham um conhecimento básico do software de IHM e estão envolvidos no projeto e implementação de projetos de IHM no nível supervisório.

Page 9: Apostila FactoryTalk View 1

8 de 304

Ferramentas e pré-requisitos

Hardware

Este laboratório prático não requer nenhum hardware. Um controlador Logix5000 pode ser usado no lugar do SoftLogix 5800.

Observação: Os alarmes baseados no serviço “FactoryTalk Alarms and Events” requerem um firmware com versão 16.20 ou superior para ControlLogix, CompactLogix L3x e L4x e DriveLogix.

Software

Este laboratório usa os seguintes softwares:

� FactoryTalk Services Platform v2.10.00.0117

� FactoryTalk View SE v5.00.00.55

� RSLinx Enterprise v5.00.00.99

� FactoryTalk Alarms and Events v2.10.00.0117 (incluído com FactoryTalk View Site Edition e RSLinx Enterprise)

� RSLinx Classic (usado para programação do Logix) v2.52.00.17

� RSLogix5000 v16.03.00

� SoftLogix 16.03.00 (Bld 42)

� Microsoft SQL Server 2005 Express

� Microsoft SQL Server Management Studio Express

Microsoft SQL Server 2005 Express Edition é uma versão grátis, do Microsoft SQL Server. O FactoryTalk Alarms and Events usa o Microsoft SQL Server como mecanismo de banco de dados para armazenamento de informações de alarme e eventos.Você pode conectar a um banco de dados SQL Server ou instalar o Microsoft SQL Server 2005 Express, Service Pack 2, que está na pasta Redist nos CDs FactoryTalk View SE e RSLinx Enterprise.

Microsoft SQL Server Management Studio Express (SSMSE) é uma ferramenta de gestão de gráficos grátis e fácil de usar para gerenciar o SQL Server 2005 Express. Ele está na pasta Redist nos CDs FactoryTalk View SE e RSLinx Enterprise.

Arquivos do laboratório

Este laboratório usa os seguintes arquivos localizados em C:\InstantFizz - Lab Files\ subdiretório:

� Language Switching – contém 3 arquivos que serão usados na sessão de troca de idiomas do laboratório

� InstantFizz_Translated.xls – Arquivo convertido para o FactoryTalk View SE

� InstantFizz_Controller-Tags_translated.TXT - Arquivo convertido para as mensagens de alarme baseadas no serviço FactoryTalk Alarms and Events no RSLogix 5000

Page 10: Apostila FactoryTalk View 1

9 de 304

� InstantFizz_FTAETagServer_Alarm Export_translated.xls - Arquivo convertido para mensagens de alarme baseadas em tags FactoryTalk Alarms and Events no FactoryTalk Tag Alarm and Event Server

� RSLogix 5000 – contém 1 arquivo que pode ser usado com RSLogix 5000.

� InstantFizz_Controller.ACD – programa de controle que será usado neste laboratório

� Graphics displays – contém 19 arquivos que foram pré-configurados

� alarm banner.gfx

� alarmlogviewer.gfx

� Alarms.gfx

� alarmstatusexplorer.gfx

� Blending.gfx

� cip - process steps.gfx

� CIP - Sensor Trend.gfx

� CIP - Valves.gfx

� CIP Overview.gfx

� filling.gfx

� labeling.gfx

� Languages.gfx

� Navigation.gfx

� packaging.gfx

� Plant Overview.gfx

� Rapid Mix - Overview.gfx

� Rapid Mix - Process Steps.gfx

� Security.gfx

� Images – contém 56 imagens pré-configuradas

� Client – contém um arquivo FactoryTalk View SE Client pré-configurado

� ClientFile_DockedDisplays.cli

� Client Keys - ClientKeys.key

� ODBC database - ODBC_InstantFizz.mdb

� Arquivo XML gráfico - CIP - Process Steps.xml

� Exported Tag database - Additional_Tags.CSV

� Local Messages – 2 arquivos pré-configurados

� CIPProcessSteps.loc

� RapidMix.loc

� Trend Templates – 9 modelos de tendências pré-configurados

Page 11: Apostila FactoryTalk View 1

10 de 304

� Datalog – CIP.mdf

� Arquivos de migração do RSView32

� Global Objects - CIPComponents.ggfx

Page 12: Apostila FactoryTalk View 1

11 de 304

Características gerais

Sobre este laboratório

Este laboratório resumirá os principais componentes e os princípios fundamentais do FactoryTalk View Site Edition. Especificamente, ele irá:

� Discutir os componentes do FactoryTalk View SE

� Discutir as diferenças entre as aplicações FactoryTalk View SE local e em rede

� Discutir os servidores de IHM, de dados e de tags de eventos e alarmes

� Discutir o FactoryTalk Alarms and Events Services para alarmes baseados em tags e dispositivos

FactoryTalk View SE Components

FactoryTalk View Site Edition

O FactoryTalk® View Site Edition é um pacote de software integrado para desenvolvimento e operação das aplicações de interface homem-máquina (IHM) que envolve diversos servidores e usuários distribuídos em uma rede.

Um membro da família de produtos FactoryTalk, o FactoryTalk View Site Edition (também chamado de FactoryTalk View SE) fornece todas as ferramentas que você precisa para criar aplicações de controle supervisório e monitoração do processo poderosas e confiáveis.

O software FactoryTalk View SE foi desenvolvido para ser usado com os sistemas operacionais Microsoft® Windows® Server 2003, Windows XP, e Windows 2000.

O FactoryTalk View Site Edition consiste em várias partes de um software que você pode usar para construir aplicações de automação. Dependendo dos pacotes de software particulares instalados, você terá uma ou mais das seguintes partes do software:FactoryTalk View Studio, FactoryTalk View SE Client, FactoryTalk View SE Server, FactoryTalk Alarms and Events, FactoryTalk Services Platform, FactoryTalk Administrator Console, FactoryTalk™ Directory e FactoryTalk Activation.

FactoryTalk View Studio

Start > All Programs > Rockwell Software > FactoryTalk View > FactoryTalk View Studio

O FactoryTalk View Studio é o software de configuração para desenvolver e testar aplicações do FactoryTalk View SE.O FactoryTalk View Studio contém editores para criar aplicações completas e inclui

Page 13: Apostila FactoryTalk View 1

12 de 304

software cliente e servidor para testar as aplicações criadas por você. Use os editores para criar aplicações que tenham a simplicidade ou a complexidade que você precisa.Você pode usar o FactoryTalk View Studio para desenvolver aplicações do FactoryTalk View Site Edition e do FactoryTalk View Machine Edition (ME).

O FactoryTalk View vem com bibliotecas gráficas e frontais de processos que podem ser usados em suas aplicações.Os frontais de processo são pré-configurados para trabalhar com várias instruções do Logix5000 (por exemplo, PIDE, D2SD e as novas instruções ALMD e ALMA). Muitos dos objetos da biblioteca gráfica são pré-configurados com animação. Use os objetos como eles estão ou altere-os para adequá-los às suas necessidades.

Quando acabar de desenvolver uma aplicação, use o FactoryTalk View SE Client para visualizar e interagir com a aplicação.

FactoryTalk View SE Client

Start > All Programs > Rockwell Software > FactoryTalk View > FactoryTalk View Client

O FactoryTalk View SE Client é um ambiente de operação completo para visualizar e interagir com as aplicações do FactoryTalk View SE locais e em rede. Para configurar um FactoryTalk View SE Client, você precisa criar um arquivo de configuração usando o assistente do FactoryTalk View SE Client. O servidor de IHM não precisa estar executando quando você configurar um FactoryTalk View SE Client. Com o FactoryTalk View SE Client, você pode:

� Carregar, visualizar e interagir com diversas telas gráficas ao mesmo tempo a partir de múltiplos servidores

� Executar a gestão dos alarmes

� Visualizar as tendências históricas e em tempo real

� Ajustar valores de referência

� Ligar e parar componentes em qualquer servidor

� Fornecer um ambiente seguro ao operador

� E muito mais!

FactoryTalk View Administration Console

Start > All Programs > Rockwell Software > FactoryTalk View > Tools > SE Administration Console

O FactoryTalk View Administration Console administra as aplicações do FactoryTalk View depois que elas forem distribuídas.O FactoryTalk View Administration Console contém um subconjunto dos editores do FactoryTalk View Studio para que você possa fazer pequenas alterações em uma aplicação sem precisar instalar o FactoryTalk View Studio. O FactoryTalk View Administration Console tem runtime com

Page 14: Apostila FactoryTalk View 1

13 de 304

limite de duas horas.Uma mensagem de advertência é exibida cinco minutos antes do tempo expirar.Para continuar usando-o, basta desligá-lo e reiniciá-lo.

O FactoryTalk View Administration Console permite que você:

� Altere as propriedades de um servidor de IHM.

� Altere as propriedades de um servidor de dados.

� Adicione usuários do FactoryTalk a uma aplicação, usando o editor Runtime Security.

� Configure a segurança dos comandos e das macros, usando o editor Runtime Secured Commands.

� Execute os comandos do FactoryTalk View a partir da linha de comando.

� Altere a maneira como os alarmes de tags da IHM são armazenados e anunciados usando o editor Alarm Setup.

� Altere o caminho dos modelos de armazenamento de dados.

� Modifique quais atividades do sistema são armazenadas e com qual frequência, usando o editor Diagnostics Setup (no menu Tools).

� Altere o local em que os alarmes são armazenados e gerencie arquivos de registro, usando o editor Alarm Log Setup (no menu Tools).

� Importe e exporte os tags de IHM usando o Tag Import and Export Wizard (no menu Tools).

FactoryTalk View SE Server

O FactoryTalk View SE Server, também chamado de servidor de IHM, armazena os componentes do projeto de IHM (por exemplo, telas gráficas, objetos globais e macros) e disponibiliza-os para os clientes.O servidor também contém um banco de dados de tags, realiza o registro de dados e a monitoração de alarmes da IHM. O FactoryTalk Alarms and Events pode ser usado no lugar da monitoração de alarmes da IHM FactoryTalk View SE. Para manter a compatibilidade com as aplicações existentes, o FactoryTalk View ainda suporta a monitoração de alarmes da IHM tradicional.

O FactoryTalk View SE Server não tem interface do usuário.Uma vez instalado, ele operar como um conjunto de serviços do Windows "sem chefe" que fornece informações aos clientes quando solicitam.

FactoryTalk Alarms and Events

Antes do FactoryTalk® Alarms and Events (introduzido na versão 5.00), o FactoryTalk View SE suportava somente a monitoração de alarme de tags da IHM. Para manter a compatibilidade com as aplicações existentes, o FactoryTalk View ainda suporta este tipo de monitoração de alarmes.

Porém, agora o FactoryTalk Alarms and Events permite que vários produtos FactoryTalk participem de uma visualização de alarmes e eventos consistente e comum por todo o sistema FactoryTalk. O FactoryTalk Alarms and Events suporta dois tipos de monitoração de alarmes:

� Monitoração de alarme baseada em dispositivo. As instruções de alarme pré-incorporadas, disponíveis no RSLogix 5000 v. 16 ou posterior, são programadas e descarregadas em um controlador Logix5000. O controlador detecta as condições de alarme e divulga as informações que são roteadas através do sistema para exibição e armazenamento.

Page 15: Apostila FactoryTalk View 1

14 de 304

� Monitoração de alarme baseada em tag. Se você não estiver usando os controladores Logix5000 ou se você não quer usar as instruções de alarme pré-incorporadas disponíveis com o RSLogix 5000, a monitoração de alarme baseada em tag oferece o equivalente à monitoração de alarmes de tags da IHM, mas com um conjunto maior de recursos. O servidor de alarmes e eventos baseados em tags monitoram os controladores para as condições de alarme através de servidores de dados e divulgam as informações de evento para exibição e armazenamento. A monitoração de alarmes baseada em tags é suportada pelos controladores Logix5000, CLP-5 e SLC 500 que se comunicam através dos servidores de dispositivos da Rockwell Automation (RSLinx Enterprise) ou por controladores de terceiros que se comunicam através dos servidores de dados OPC.

FactoryTalk Services Platform

O FactoryTalk Services Platform fornece serviços comuns (como mensagens de diagnósticos, serviços de monitoração de condições e acesso a dados em tempo real) aos produtos e aplicações em um sistema FactoryTalk.

FactoryTalk Directory

O FactoryTalk Directory centraliza o acesso aos recursos do sistema (por exemplo, FactoryTalk View SE Servers ou servidores OPC) e nomes (por exemplo, tags de dados, telas gráficas e modelos de armazenamento), para todos os produtos e componentes FactoryTalk que participam de um sistema de controle automatizado.

O software FactoryTalk Directory funciona como um diretório de telefones,ou agenda eletrônica, fornecendo um serviço de busca que permite que as partes de uma aplicação se encontrem em um único computador ou através de uma rede. Por meio desse serviço de busca, os componentes da aplicação como tags e telas gráficas, por exemplo, podem ser armazenados em seus ambientes originais e ainda ficarem disponíveis para todos os clientes que participam de uma aplicação. Nenhuma duplicação é necessária. As aplicações do FactoryTalk View Site Edition usam dois tipos de FactoryTalk Directory:

• O FactoryTalk Local Directory (também chamado de Local Directory) gerencia as aplicações locais.Todos os componentes da aplicação local, exceto servidores de dados OPC, devem estar localizados no mesmo computador.

• O FactoryTalk Network Directory (também chamado de Network Directory) gerencia as aplicações de rede.As aplicações em rede podem consistir em múltiplos clientes e servidores, distribuídos em vários computadores conectados em uma rede.Um Network Directory gerencia todos os produtos FactoryTalk que formam uma única aplicação de rede.

Tanto o Local Directory quanto o Network Directory são configurados no computador quando você instala o FactoryTalk Services Platform.

Page 16: Apostila FactoryTalk View 1

15 de 304

FactoryTalk Administration Console

Start > All Programs > Rockwell Software > FactoryTalk Administration Console

Parte do FactoryTalk Services Platform, o FactoryTalk Administration Console é uma ferramenta opcional independente para desenvolver aplicações e gerenciar um sistema FactoryTalk. Você pode usar o FactoryTalk Administration Console ou o FactoryTalk View Studio para desenvolver aplicações e gerenciar um sistema FactoryTalk. Somente o FactoryTalk View Studio pode ser usado para criar os servidores e os projetos da IHM.

FactoryTalk Administration Console permite que você:

� Crie e configure elementos da aplicação, área e servidor de dados em um FactoryTalk Directory.

� Crie e configure servidores de alarmes e eventos, incluindo tanto servidores baseados em tags quanto em dispositivos

� Configure condições de alarme para detecção de alarmes baseados em tags.

� Organize ações confiáveis em grupos.

� Crie definições de banco de dados para armazenamento de mensagens de alarmes e eventos históricos.

� Configure as opções para roteamento, armazenamento e visualização de mensagens de diagnósticos.

� Faz back-up e recupera um diretório inteiro, uma aplicação individual ou configurações do sistema.

� Configure a redundância para os servidores de dados OPC e servidores de alarmes e eventos.

� Configure computadores clientes para que reconheçam o local de um computador com Network Directory Server.

� Configure os parâmetros de política de todo o sistema.

� Proteja um sistema FactoryTalk com serviços de segurança.

FactoryTalk Activation

Start > All Programs > Rockwell Software > FactoryTalk Activation > FactoryTalk Activation Tool

O FactoryTalk Activation fornece um sistema baseado em software seguro para ativar os produtos Rockwell Software e gerenciar os arquivos de ativação do software.Com o FactoryTalk Activation, não há necessidade de um "disco mestre" físico nem de uma mídia física;os arquivos de ativação são gerados e distribuídos eletronicamente.

O FactoryTalk Activation fornece esses tipos de ativação:

� As ativações tipo “node-locked” locais são direcionadas a um único computador.

Page 17: Apostila FactoryTalk View 1

16 de 304

� As ativações tipo “node-locked” móveis são direcionadas a um hardware (dongle).

� As ativações simultâneas compartilhadas (concurrent) são descarregadas a um servidor de ativação e compartilhadas por computadores clientes na rede.

Há dois tipos de ativação simultânea compartilhada (concurrent): flutuante e emprestada. A ativação simultânea flutuante precisa de uma conexão contínua com a rede, enquanto que a ativação simultânea emprestada não.

FactoryTalk View SE - Network e Local

Aplicações em rede

Uma aplicação em rede pode conter vários servidores, executando em diversos computadores em uma rede com diversos usuários clientes que se se conectam à aplicação simultaneamente de qualquer ponto da rede. Por exemplo, você pode usar servidores separados para diferentes áreas funcionais dentro da empresa e permitir que os clientes façam a interface a qualquer um dos servidores. As aplicações em rede têm uma ou mais áreas (veja a definição de áreas abaixo), um servidor de IHM por área e um ou mais servidores de dados. Uma área pode conter outra área dentro dela.

Uma vez que você criou as aplicações e um servidor de IHM, você pode usar os editores do FactoryTalk View Studio no projeto do servidor de IHM para criar os componentes da aplicação como telas gráficas, objetos globais e modelos de armazenamento de dados.

Áreas: Uma parte importante do sistema de arquitetura de rede é a área. Uma área é uma divisão lógica dentro de sua aplicação.Você pode pensar em áreas como partições de seu disco rígido.As partições estão todas no mesmo disco principal (ou aplicação, nesta analogia), mas elas se dividem logicamente e mantêm as informações independentemente umas das outras.Uma área também pode ser usada para organizar a aplicação de maneira que faça sentido para o processo que ela está controlando.

Por exemplo, uma área pode representar uma parte de um processo ou uma região dentro da instalação do processo.Uma fábrica automotiva pode ser dividida em áreas chamadas Prensa e fabricação, Armação, Pintura, Motor e Transmissão;uma confeitaria pode ser dividida em áreas chamadas Ingredientes, Mistura, Cozimento e Empacotamento.Alternativamente, uma fábrica com linhas de produção idênticas pode ser dividida em áreas chamadas Linha 1, Linha 2, Linha 3 e assim por diante.Isso permitiria que você adicionasse novas linhas de produção idênticas à aplicação copiando os projetos do servidor de IHM nas áreas novas.

Área raiz: Todas as aplicações do FactoryTalk View têm uma área definida pelo sistema chamada de área raiz que tem o mesmo nome da aplicação.A área raiz da aplicação pode conter um servidor de IHM e um ou mais servidores de dados.

Boas práticas

Como uma área nada mais é do que um método lógico de organizar a aplicação e não uma entidade física, não há uma quantidade limitada de áreas que pode conter em uma aplicação.Porém, há um limite de 1 servidor de IHM por área e de 10 servidores de IHM por aplicação*.

Page 18: Apostila FactoryTalk View 1

17 de 304

O limite recomendado de servidores de dados dentro de uma aplicação é 10*. Não há um limite para o número de servidores de dados que podem coexistir na mesma área.Entretanto, faz sentido organizar logicamente os servidores de dados que estão servindo de alarmes para que o resumo filtre os alarmes corretamente em operação. Por exemplo, uma única área pode conter um servidor de IHM para um local físico de uma instalação, um servidor de dados RSLinx Enterprise (configurado como um servidor FactoryTalk de alarme baseado em dispositivo) e um servidor OPC de terceiros (configurado com o servidor de alarmes baseado em tag). Esta configuração permite que o resumo filtre os alarmes com base no nome da área, independente de qual servidor emitiu o alarme.

O que você quer evitar é que uma instalação física de um servidor de dados seja consultada diversas vezes por diferentes áreas da aplicação. Isso não é necessário porque o FactoryTalk permite que qualquer cliente veja todos os pontos de dados dentro da aplicação, independentemente da área que o originou.

*Observação: A versão inicial do FactoryTalk Alarms and Events tem limites diferentes do FactoryTalk View SE 5.0. Consulte o guia de início rápido do FactoryTalk Alarms and Events ou a resposta de ID 44177 na base de conhecimento da Rockwell Automation para mais informações.

Page 19: Apostila FactoryTalk View 1

18 de 304

Este é um exemplo de uma aplicação em rede do FactoryTalk View SE.

A aplicação Insta Corp consiste em quatro diferentes áreas definidas:ie_packaging, ie_production, is_packaging e is_production. As áreas são identificadas pelas pastas que estão diretamente na raiz que é a aplicação Insta Corp. Tente analisar uma dessas áreas – ie_packaging, a área mais acima.Observe que o servidor de IHM chamado IE_CasePack está localizado dentro da área. As pastas no servidor de IHM ie_packaging ,chamadas System, HMI Tags, Graphics, Alarms, Logic and Control e Data Log, são componentes diferentes que você pode configurar em cada servidor de IHM – elas são áreas dentro da área, mas, na verdade, são componentes de um servidor de IHM.

Há um servidor de dados chamado RSLinx Enterprise localizado na área raiz (Insta Corp).

Área raiz

Diretório da rede

Área

Servidor de dados

Servidor de IHM

Área Área Áreas

Servidor de IHM Servidor de IHM

Servidores de IHM

Page 20: Apostila FactoryTalk View 1

19 de 304

O diagrama abaixo mostra um exemplo de arquitetura de sistema que usa uma aplicação em rede como parte de um sistema FactoryTalk distribuído.

Page 21: Apostila FactoryTalk View 1

20 de 304

Aplicações locais

Uma aplicação local é semelhante a um projeto RSView32;todos os componentes da aplicação e o FactoryTalk View SE client estão localizados em um único computador.Há somente um servidor de IHM que é criado por você na área raiz quando a aplicação for criada.Você pode usar as aplicações locais para as partes da fábrica ou do processo que sejam autônomas e não relacionadas a outras partes do processo.

O diagrama abaixo mostra um exemplo de arquitetura de sistema que usa uma aplicação local como parte de um sistema FactoryTalk Stand Alone.

Page 22: Apostila FactoryTalk View 1

21 de 304

Criar uma nova aplicação FactoryTalk View SE

Estas são as etapas gerais para criar uma aplicação:

1) Crie uma aplicação local ou em rede

2) Se for uma aplicação em rede, adicione uma ou mais áreas

3) Caso seja uma aplicação em rede, pode ser adicionado um servidor de IHM por área (a local cria um automaticamente).Opte por adicionar qualquer tela frontal no servidor de IHM.

4) Configure a comunicação do servidor de dados.Adicione um ou mais dos seguintes servidores de dados

a. Servidor de dispositivos Rockwell Automation

b. Servidor de dados OPC

5) Configure o servidor de alarmes e eventos por tag

6) Crie telas gráficas, objetos globais e outros componentes em seu servidor de IHM

7) Configure o armazenamento de alarmes e eventos históricos do FactoryTalk

8) Configure a segurança

9) Configure um projeto runtime com o FactoryTalk View SE Client

FactoryTalk View SE – Servidores

Servidores de IHM

Os servidores de IHM são programas de aplicação que fornecem informações aos clientes sempre que solicitam.Um servidor de IHM armazena os componentes do projeto de IHM (como telas gráficas) e disponibiliza esses componentes aos clientes.Um servidor de IHM também administra um banco de dados de tags, detecta os alarmes de tags da IHM e armazena dados históricos.

Servidores de dados

Um servidor de dados fornece uma rota para os dispositivos físicos na rede, permitindo que as aplicações monitorem e controlem os valores nesses dispositivos.Por exemplo, os servidores de dados podem conectar os clientes da aplicação ao controlador programável, aos tags OPC® (valores ou informações de status), ou as tags em um controlador Logix5000.

Um servidor de dados pode ser um servidor de dispositivos Rockwell Automation (RSLinx Enterprise) ou um servidor de dados OPC que fornecem os valores dos tags.Uma vez que um servidor de dados está configurado, você pode ajustá-lo para apontar para um controlador específico como, por exemplo, um controlador ControlLogix.A configuração correta de um servidor de dados permite que você acesse diretamente um tag.

Page 23: Apostila FactoryTalk View 1

22 de 304

Os seguintes tipos de servidores de dados são compatíveis:

� Servidores de dispositivos Rockwell Automation (RSLinx Enterprise): fornecem melhor desempenho ao se comunicar com os controladores Logix5000 ou com muitos clientes. Você também pode usar o servidor RSLinx Enterprise para publicar os alarmes e eventos baseados em dispositivos.

� Os servidores de dados OPC (incluindo RSLinx Classic) suportam todos os servidores de dados que estejam em conformidade com a norma OPC-DA 2.0.OPC, significa “OLE for Process Control”, um protocolo que permite que o FactoryTalk View recupere os valores dos tags de:

� Controladores programáveis e dispositivos Rockwell Automation usando o RSLinx Classic ou o RSLinx Gateway como um servidor OPC.

� Dispositivos de controladores de terceiros, como Siemens ou Modicon®, que usem servidores OPC de terceiros.

Servidores de alarmes e eventos

O FactoryTalk Alarms and Events permite que vários produtos FactoryTalk compartilhem uma visualização comum e consistente de alarmes e eventos por todo o sistema FactoryTalk. O FactoryTalk Alarms and Events suporta dois tipos de monitoração de alarmes:

� Monitoração de alarme baseada em dispositivo.

� Monitoração de alarme baseada em tag.

Um servidor de alarmes e eventos pode ser um servidor de dispositivos Rockwell Automation (RSLinx Enterprise) que seja habilitado para monitorar os alarmes baseados em dispositivos ou um servidor de alarmes e eventos para monitorar os alarmes baseados em tags.

Page 24: Apostila FactoryTalk View 1

23 de 304

Antes de começar : Instruções Gerais e Recomendações

Este laboratório possui duas opções de início para sua realização :

Opção 1

Destinado a pessoas com pouca ou nenhuma experiência com o FactoryTalk View SE.

Inicio a partir da Sessão 1. Cobre as etapas de criação inicial de uma aplicação, criação e configuração do servidor de telas e servidor de dados, tags de referencia direta e tags de IHM, habilitando “tooltips’ para entradas numéricas, usando telas “ancoradas” (docked displays), comandos básicos, objeto de mensagens locais, testando uma tela recém criada e pareando uma aplicação.

Seqüência de trabalho :

Sessão 1 → Sessão 2 → Sessão 3 → Sessão 4 → Sessão 5 (opcional) → Sessão 6

(necessária)

Após a execução da Sessão 6, caso haja tempo disponível, você poderá fazer qualquer uma das seções opcionais ( sessão 7 a sessão 13) e em qualquer ordem, dependendo de seu interesse particular.

Snapshot da Imagem a ser usada : RSTechED2010_Inicio

Opção 2

Destinado a pessoas com alguma experiência com o FactoryTalk View SE e que queiram deixar mais tempo disponível para execução do maior número possível de seções opcionais

Inicio a partir da Sessão 5. As seções iniciais (1 a 4) já estão feitas. Você poderá se concentrar em praticar em alguns dos recursos avançados do FactoryTalk View SE, como Alarmes e Eventos, objetos globais, segurança e usuários, tendência, alternancia de idiomas em tempo de execução, diagnósticos, migração de uma aplicação RSView32 para o FactoryTalk View SE e ferramenta WEB (FactoryTalk ViewPoint)

Seqüência de trabalho :

Sessão 5 (recomendada) → Sessão 6 (necessária) → Qualquer outra sessão opcional

Após a execução da Sessão 6, você poderá fazer qualquer uma das seções opcionais ( sessão 7 a sessão 13) e em qualquer ordem, dependendo de seu interesse particular.

Sugestão após a sessão 6 : Sessão 8 (tendência) → Sessão 10 (Troca Idioma) → Sessão 11 (teste

aplicação) → Sessão 13 (FT ViewPoint – web)

Page 25: Apostila FactoryTalk View 1

24 de 304

Snapshot da Imagem a ser usada : RSTechED2010_Sessão5

.

Page 26: Apostila FactoryTalk View 1

25 de 304

Sessão 1: Criar e executar uma aplicação simples (necessário)

O FactoryTalk View Site Edition (SE) pode ser usado para desenvolver e executar aplicações que envolvam um ou vários usuários e servidores e pode ser distribuído em uma rede ou estar em um único computador ou em vários. Os dois tipos de aplicação SE estão explicadas abaixo:

1. FactoryTalk View SE Local (Stand Alone) - Uma aplicação local é semelhante a um projeto do RSView32;todos os componentes da aplicação e o FactoryTalk View SE client estão localizados em um único computador.Há somente um servidor de IHM que é criado por você na área raiz quando a aplicação for criada.Você pode usar as aplicações locais para as partes da fábrica ou do processo que sejam autônomas e não relacionadas a outras partes do processo.

2. FactoryTalk View SE Network (distribuído) - Uma aplicação em rede pode conter vários servidores, executando em diversos computadores em uma rede com múltiplos usuários de clientes que se conectam à aplicação simultaneamente de qualquer ponto da rede. Por exemplo, você pode usar servidores separados para diferentes áreas funcionais dentro da empresa e permitir que os clientes façam a interface a qualquer um dos servidores.As aplicações em rede têm uma ou mais áreas, um servidor de IHM por área e um ou mais servidores de dados. Uma área pode conter outra área dentro dela. Você pode usar o FactoryTalk View Studio para criar componentes da aplicação como telas gráficas, objetos globais, alarmes e modelos de armazenamento de dados.

Neste laboratório, criaremos e operaremos uma aplicação em rede (distribuído) do FactoryTalk View SE.

Sobre esta sessão

Nesta sessão do laboratório, você irá:

� Criar uma aplicação em rede chamada InstantFizz

� Adicionar uma área chamada Area1

� Adicionar um servidor de IHM dentro de Area1 chamado InstantFizz_HMIServer

� Adicionar Faceplates de processo ao seu projeto de IHM

� Adicionar um servidor de dados chamado RSLinx Enterprise

� Configurar um caminho de comunicação chamado shortcut que levará ao controlador SoftLogix

� Verificar as comunicações

� Criar uma tela, adicionar um objeto à tela numérica

� Testar a tela

Toda esta sessão deve ser concluída antes de qualquer outra sessão deste laboratório.

Page 27: Apostila FactoryTalk View 1

26 de 304

Criar um projeto de IHM em rede no FactoryTalk View Studio

Vamos criar uma aplicação em rede que suporte múltiplas IHM, servidores de dados e clientes distribuídos em uma rede. Conforme explicado em detalhes na sessão “Características gerais”, uma aplicação em rede requer um FactoryTalk Directory em rede para ser configurado. A configuração do FactoryTalk Directory geralmente é feita durante a instalação, mas ele pode ser configurado depois usando o FactoryTalk Directory Configuration Wizard em Start > All Programs > Rockwell Software > FactoryTalk Tools > FactoryTalk Directory Configuration Wizard.

Uma vez que o FactoryTalk Directory foi configurado, você pode especificar qual computador será o host do Directory. O local padrão do FactoryTalk Directory é o computador local, mas ele pode ser qualquer computador em sua rede.Observação: Para uma aplicação FactoryTalk View Local, deve ser usado o FactoryTalk Directory local.

Especificar o local do FactoryTalk Directory

1. Especifique o local do FactoryTalk Directory.

Vá em Start > All Programs > Rockwell Software > FactoryTalk Tools > Specify FactoryTalk Directory Location.

Um prompt abrirá para fazer o login

Observação: Para especificar o local do FactoryTalk Directory, você deve ter direitos de administrador .

Durante a instalação do FactoryTalk Services Platform os grupos “Windows Administrator” e “Administrator” são automaticamente adicionados ao FactoryTalk Directory em rede. Daqui para frente, você pode fazer o login com qualquer usuário que pertença a um desses grupos.

2. O Specify FactoryTalk Directory Server Location Utility abrirá. Neste laboratório, definiremos o local do FactoryTalk Directory como um computador local (localhost). Em uma aplicação FactoryTalk View SE Network, o FactoryTalk Directory pode estar localizado em qualquer computador na rede que tem o FactoryTalk Services Platform instalado. Use este utilitário para modificar o local de seu FactoryTalk Directory. Siga as etapas a até b para especificar o local do FactoryTalk Directory.

Faça o login. User name: Administrator. Password: rockwell

Page 28: Apostila FactoryTalk View 1

27 de 304

a. Certifique-se de que o local do FactoryTalk Directory Server esteja definido com localhost.

b. Clique em OK para fechar.

Page 29: Apostila FactoryTalk View 1

28 de 304

Criar uma nova aplicação FactoryTalk View SE (em rede)

1. Abra o FactoryTalk View Studio. Selecione o item de menu Start > All Programs > Rockwell Software > FactoryTalk View > FactoryTalk View Studio.

2. Crie uma aplicação em rede chamada InstantFizz seguindo as etapas a até f. A seguinte caixa de diálogo abrirá:

Selecione FactoryTalk View Studio

Page 30: Apostila FactoryTalk View 1

29 de 304

Aguarde alguns segundos para permitir que o FactoryTalk View Studio crie a aplicação.

Adicionar uma área a uma aplicação

1. Siga as etapas de a até c para adicionar uma área chamada Area1.

a. Selecione Site Edition (Network)

b. Selecione Continue

c. Selecione a guia New

d. Digite ‘InstantFizz’

f. Selecione Create

e. Certifique-se de que English é o idioma selecionado.

Page 31: Apostila FactoryTalk View 1

30 de 304

Observação: a primeira linha na janela Explorer: Network (LOCALHOST) indica que criamos uma aplicação em rede (distribuída) e que o FactoryTalk Directory está localizado no computador local (LOCALHOST).

a. Clique com o botão direito do mouse em InstantFizz e selecione “New Area”.

b. Insira o nome da área: Area1.

c. Pressione OK para terminar.

Page 32: Apostila FactoryTalk View 1

31 de 304

Adicionar um servidor de IHM à aplicação

1. Siga as etapas de a até g para adicionar um servidor de IHM à aplicação.

Page 33: Apostila FactoryTalk View 1

32 de 304

Observação: O servidor de IHM levará algum tempo para carregar.

b.Clique com o botão direito do mouse em Area1, vá em “Add New Server” e selecione “HMI Server”.

a. Aumente “InstantFizz” para ver o ícone Area1.

c. Selecione “Create a new HMI Server”.

d. Selecione Next.

e.insira o nome do servidor de IHM:InstantFizz_HMIServer.

g. Clique em Finish para concluir.

f. Escolha qual computador será o host do servidor de IHM.Pode ser qualquer computador da rede. Para este laboratório, deixe o computador local (configuração padrão).

Page 34: Apostila FactoryTalk View 1

33 de 304

Adicionar Faceplates de processo ao servidor de IHM

Quando adicionar um servidor de IHM a uma aplicação em rede ou quando criar uma aplicação local, você tem a opção de adicionar os faceplates de processo que são instaladas com o FactoryTalk View SE. A caixa de diálogo Process Faceplates abrirá se ela estiver configurada para aparecer quando você criar um novo servidor de IHM.

1. Selecione o botão Clear All.

2. Marque as caixas desses tipos de tela:

• Discrete 2-State Device – D2SD

• Help – Help Browser

Sua caixa de diálogo deve parecer-se com esta:

3. Clique no botão OK.

4. Observe que uma aplicação em rede, InstantFizz foi criada. O servidor de IHM chamado InstantFizz_HMIServer foi criado na área Area1.

Page 35: Apostila FactoryTalk View 1

34 de 304

5. Maximize ou redimensione a janela do seu FactoryTalk View Studio para o tamanho desejado para trabalhar com sua aplicação.

Page 36: Apostila FactoryTalk View 1

35 de 304

A caixa de diálogo Add Process Faceplates

Quando adicionar um servidor de IHM a uma aplicação em rede ou quando criar uma aplicação local, você tem a opção de adicionar Faceplates de processo que são instaladas com o FactoryTalk View SE. A caixa de diálogo Process Faceplates abrirá se ela estiver configurada para aparecer quando você criar um novo servidor de IHM.Se você não quiser adicionar os faceplates, clique em Cancel para fechar a caixa de diálogo sem afetar a criação do servidor de IHM. Se você não quiser que seja perguntado toda vez que criar um servidor de IHM, desmarque a opção “Display this dialog when creating a new application”.

Após criar a aplicação ou o servidor de IHM, você ainda pode adicionar os Faceplates de processo clicando com o botão direito do mouse no servidor de IHM e selecionando o item de menu Add Process Faceplates. Se você adicionou uma tela anteriormente, você pode substituí-la ou removê-la da lista de telas.

Observação: Adicionar Faceplates a uma aplicação afeta a contagem da licença. Cada Faceplate adicionado (arquivo .gfx) conta como uma tela para fins de ativação.

Novos Faceplates

Os Faceplates Alarm Analog – ALMA and Alarm Digital – ALMD são pré-configurados para trabalhar com as novas instruções do RSLogix 5000 que estão disponíveis na versão 16 ou posterior. Esses Faceplates juntamente com os Faceplates existentes podem ser usados como estão ou podem ser modificados para adequar às suas necessidades.

Adicionar um servidor de dados

Para permitir que nossa aplicação monitore e controle os valores no controlador SoftLogix que está executando o programa de controle para este laboratório, você precisa adicionar um servidor de dados.Você adicionará os servidores de dispositivos Rockwell Automation (RSLinx Enterprise). Ele propicia o melhor desempenho quando se comunicar com os controladores Logix5000.

Para monitorar os alarmes em um controlador Logix5000, um servidor de dispositivo Rockwell Automation (RSLinx Enterprise) precisa ser adicionado a uma aplicação FactoryTalk.

1. Clique com o botão direito do mouse na área Area1, crie uma nova pasta chamda DataServer1,

e seguida, Selecione a pasta DataServer1, clique com o botao direito, selecione o item de menu de contexto Add New Server > Rockwell Automation Device Server (RSLinx Enterprise)…

Page 37: Apostila FactoryTalk View 1

36 de 304

Observação: Em aplicações do FTViewSE distribuido, deve-se sempre criar pastas separadas para os servidores de dados, seja RSLinxEnterprise, seja outro servidor (OPC ou conector especifico). Leia o parágrafo Área no ítem Boas Práticas na sessão Características gerais para outras alternativas em uma aplicação distribuída.

Page 38: Apostila FactoryTalk View 1

37 de 304

2. A caixa de diálogo RSLinx Enterprise Server Properties aparecerá. Deixe os padrões na guiaGeneral.

Observação: A janela RSLinx Enterprise Server Properties também é usada para configurar redundância do servidor de dados e o FactoryTalk Alarms and Events.

a. Identifque o computador que será o host do servidor de dados RSLinx Enterprise. Para este laboratório, RSLinx Enterprise terá o computador local (configuração padrão) como host.

Page 39: Apostila FactoryTalk View 1

38 de 304

3. Habilite os alarmes e eventos seguindo as etapas a-c. O FactoryTalk Alarms and Events será discutido detalhadamente durante a sessão Alarmes e Eventos.

.

b. Marque a opção Enable alarm and event support

c. Desmarque o botão Enable history

a. Selecione a guia Alarms and Events

7. Clique no botão OK

Page 40: Apostila FactoryTalk View 1

39 de 304

4. Verifique se o servidor de dispositivo RSLinx Enterprise foi adicionado com sucesso à sua aplicação.

Configurar a comunicação

Agora, vamos configurar um atalho do dispositivo.

Atalhos de dispositivos: Um atalho de dispositivo permite que você crie um "indicador" para um dispositivo que você pode consultar através da aplicação enquanto desenvolve as telas. Isto permite que o usuário mude o local de um controlador ou outro dispositivo em um lugar, que se propaga para todo o resto do projeto sem precisar alterar todas as referências de tags para aquele controlador. Um atalho de dispositivo é semelhante a um atalho do Windows na área de trabalho de seu computador que fornece acesso fácil a uma aplicação.

Melhorias no editor Communications Setup

A navegação off-line das tags não precisa mais que você associe o atalho do dispositivo a um controlador real. Nas versões anteriores, era solicitado que você associasse um atalho a um controlador e um arquivo de tag off-line para poder navegar pelos tags no arquivo. Agora, você pode criar um atalho que esteja associado somente ao arquivo de tag off-line.

O editor Communication Setup foi melhorado para evitar a criação de atalhos que apontam para dispositivos que não fornecem dados (como módulos de comunicação e backplanes).

Agora, o editor Communication Setup fornece mensagens de status sobre atalhos à medida que são criados, bem como um resumo de todas as mensagens através de um relatório de verificação de atalhos.

O editor Communication Setup tem uma nova opção para habilitar o suporte a alarmes e eventos no nível do dispositivo.

As advertências foram adicionadas ao FactoryTalk para informar aos usuários que uma edição no ambiente de desenvolvimento afetará adversamente o runtime do sistema. Se a alteração

Page 41: Apostila FactoryTalk View 1

40 de 304

for feita através de um caixa de diálogo, este ícone de advertência aparecerá próximo ao componente editado.

1. Abra o Communication Setup. Expanda o servidor de dispositivos RSLinx Enterprise. Clique duas vezes em Communication Setup.

A caixa de diálogo Communication Setup aparecerá à direita da árvore do Explorer.

Page 42: Apostila FactoryTalk View 1

41 de 304

2. Adicione um atalho de dispositivo seguindo as etapas a-b.

a. Clique no botão Add

b. Insira “Shortcut” como nome do atalho.

Page 43: Apostila FactoryTalk View 1

42 de 304

3. Navegue até o controlador. Clique com o botão direito do mouse em 1789-A17, Backplane e selecione Start Browsing

4. Selecione 2, 1789-L60/A, SoftLogix5800 Controller. Observação: É possível que você veja 2, 1789-L60/A, InstantFizz_Controller.

Observação: 2 é o número do slot do módulo SoftLogix que está no rack, que é onde o programa de controle deste laboratório está operando.

5. Adicione um arquivo de tag off-line. Clique no botão Browse… próximo ao campo de entrada Offline Tag File. Navegue até a pasta C:\InstantFizz-Lab Files\RSLogix 5000\ . Selecione o arquivo InstantFizz_Controller.ACD. Clique no botão Open

Page 44: Apostila FactoryTalk View 1

43 de 304

Navegação de tag off-line

O arquivo de tag off-line permitirá que você navegue pelos tags do controlador ControlLogix quando ele não estiver on-line. O arquivo deve estar localizado no PC local e não em um local da rede.

Melhorias na navegação de tags off-line

A navegação off-line das tags não precisa mais que você associe o atalho do dispositivo a um controlador. Nas versões anteriores, era solicitado que você associasse um atalho a um controlador e um arquivo de tag off-line para poder navegar pelos tags no arquivo de tags off-line.Agora, você pode criar um atalho que esteja associado somente ao arquivo de tag off-.

Como é possível ter muitos atalhos configurados para diferentes controladores, você também deve habilitar os alarmes e eventos em seu atalho da aplicação para ativar o controlador do qual você gostaria de receber informações de alarme.

6. Habilite alarmes e eventos selecionando Yes no menu.

Vá até a pasta C:\InstantFizz-Lab Files\RSLogix 5000\ e selecione o arquivo InstantFizz_Controller.ACD .

Page 45: Apostila FactoryTalk View 1

44 de 304

7. Aplique as configurações ao atalho do dispositivo “Shortcut” seguindo as etapas a-c,

8. O prompt RSLinx Enterprise aparecerá. Ele lista todas as alterações feitas no atalho.Certifique-se de que seu atalho está definido como Shortcut, pois usaremos telas pré-configuradas que fazem referência ao nome do atalho. Compare seu prompt com o mostrado abaixo.Se estiver igual, selecione Yes para aplicar as alterações.

a. Certifique-se de que Shortcut está destacado.

b. Certifique-se de que 2, 1789-L60/A, SoftLogix5800 Controller está selecionado.

c. Clique no botão Apply para aplicar as configurações do atalho.

Selecione o campo Enable Alarms & Events para Yes.

Page 46: Apostila FactoryTalk View 1

45 de 304

9. Para verificar a comunicação a qualquer momento, selecione o botão Verify na parte inferior da janela Communications Setup.

A caixa de diálogo Verify aparecerá. Revise suas alterações. Clique no botão Close

10. Clique em OK na caixa de diálogo Communications Setup para fechar.

Seu atalho de dispositivo foi criado.

Selecione Yes para concluir.

Page 47: Apostila FactoryTalk View 1

46 de 304

Criar uma tela e adicionar um objeto “entrada de dados” (Numeric Input) à

tela

Vamos verificar se a comunicação está configurada corretamente. Adicione um objeto “numeric input” a uma tela e teste-a no FactoryTalk View Studio. Verifique que você pode acessar os tags no controlador SoftLogix e o arquivo de tags off-line navegando pelas tags. No Explorer, clique com o botão direito do

mouse na pasta Display, selecione o item do menu suspenso New

Aparecerá uma tela sem título.

1. Clique uma vez para selecionar o objeto Numeric Input em Objects > Numeric and String > Numeric Input no menu.

2. Na tela vazia, clique uma vez e segure o botão do mouse, arraste o cursor para desenhar a entrada numérica e solte o botão do mouse.Conforme arrasta o mouse, você verá um retângulo para mostrar o tamanho do objeto que será criado.

Page 48: Apostila FactoryTalk View 1

47 de 304

Page 49: Apostila FactoryTalk View 1

48 de 304

3. Quando soltar, a caixa de diálogo Numeric Input Properties aparecerá.

Melhorias na entrada numérica

O objeto Numeric input permite que os valores mínimo e máximo atribuídos pelo usuário sejam validados antes do download.

4. Clique na guia Connections .

5. Clique no botão Tags… próximo ao campo Value.

6. O Tag Browser abrirá. Se você não visualizar uma pasta para Shortcut, clique com o botão direito do mouse em InstantFizz, selecione o item do menu suspenso Refresh All Folders.

Page 50: Apostila FactoryTalk View 1

49 de 304

7. Abra a pasta Shortcut e observe as duas sub-pastas Online e Offline. A pasta Online faz referência aos tags do controlador on-line para o qual o atalho está apontando (como nosso controlador SoftLogix). A pasta Offline faz referência aos tags no arquivo do controlador ControlLogix (.ACD). Use a navegação do tag off-line e o arquivo de tag off-line em RSLinx Enterprise Communications Setup quando o controlador on-line não estiver disponível para o arquivo do controlador (.ACD). Siga as etapas a e b para selecionar o tag MixSteps.

a. Selecione a pasta “Online”.

b. Selecione o tag MixSteps e clique em OK.

Page 51: Apostila FactoryTalk View 1

50 de 304

11. O tag aparecerá no campo Tag/Expression próximo a Value. Seu tag selecionado deve parecer-se com este:

11. Clique no botão OK na caixa de diálogo Numeric Input Properties.

12. Depois de adicionar um objeto a nossa tela, podemos verificar a comunicação com nosso controlador e testar a tela.

13. Um valor (ex. 7) deve aparecer na tela. Isto realmente confirma que você conseguiu acessar o tag do arquivo on-line e que está on-line com o controlador. Se não estiver on-line com o controlador, a caixa ficará em branco, porque os dados não estão disponíveis no momento. Semelhante ao desenho abaixo:

14. Clique no botão Edit Display para voltar ao modo de edição.

Clique uma vez no botão Test Display na barra de ferramentas.

Page 52: Apostila FactoryTalk View 1

51 de 304

15. Feche a tela e quando solicitado para salvar suas alterações, selecione No.

A sessão 1 está concluída. Você criou uma aplicação de rede simples. Você tem os elementos fundamentais no lugar e está pronto para começar a criar suas telas gráficas.

Sessão 2: Importar componentes da aplicação (necessário)

Sobre esta sessão

Nesta sessão do laboratório, você irá:

� Importar componentes da aplicação pré-configurados

O FactoryTalk View SE permite que você importe e exporte um ou todos componentes do servidor de IHM, incluindo as telas, individual ou os alarmes, mensagens locais, imagens, arquivos de parâmetros, registros de dados, etc. As telas gráficas são armazenadas em arquivos gfx que só podem ser modificados (neste formato) quando importados para o FactoryTalk View Studio. Você pode importar uma tela de uma aplicação para outra adicionando os arquivos .gfx.

Esta é a janela “Application Explorer” usada durante todo o laboratório. O Explorer permite que você selecione diferentes objetos, telas e outros componentes da aplicação FactoryTalk View SE.

Page 53: Apostila FactoryTalk View 1

52 de 304

Adicionar componentes da IHM pré-configurados:

Há componentes de IHM pré-configurados (ex.: telas e macros) que serão usados neste laboratório. Faça o seguinte para adicioná-los ao servidor de IHM.

1. Clique com o botão direito do mouse em Displays e selecione “Add Component Into Application…”

2. Vá até C:\InstantFizz – Lab Files\Graphic Displays e adicione as telas seguindo as etapas a-

Diretório da rede

Aplicação

Servidor de IHM

Telas

Objetos globais

Área dentro da aplicação.

Servidor de dados RSLinx Enterprise

Comandos

Imagens

Diretorio do Servidor de dados

Servidor de dados

Page 54: Apostila FactoryTalk View 1

53 de 304

b.

Agora, você adicionou as telas gráficas pré-configuradas. Algumas das telas referem-se a imagens externas (JPG, bmp etc). As próximas etapas mostrarão como importar essas imagens em sua aplicação.

3. Clique com o botão direito do mouse em Images e selecione “Add Component Into Application…”

4. Navegue até C:\InstantFizz – Lab Files\Images para adicionar as imagens

a. Selecione todos os arquivos GFX nesta pasta e clique em Open.

b. As telas gráficas serão migradas.Isso pode levar alguns segundos.

Page 55: Apostila FactoryTalk View 1

54 de 304

Você adicionou as telas gráficas pré-configuradas e as imagens correspondentes. As próximas duas etapas mostrarão como adicionar a macro de partida pré-configurada à sua aplicação. Você pode saber mais sobre macros na Sessão 4.

5. Clique com o botão direito do mouse em Macro e selecione “Add Component Into

Application…”

6. Vá em C:\InstantFizz – Lab Files\ e selecione startup.mcr para adicionar a macro pré-configurada

Sessão 3: Tags (necessário)

Sobre esta sessão

Nesta sessão do laboratório, você irá:

5. Selecione todos os arquivos .bmp nesta pasta e clique em Open.

Page 56: Apostila FactoryTalk View 1

55 de 304

� Aprender a diferença entre os tags de IHM e os tags de referência direta

� Criar um tag de IHM

� Importar e exportar tags

� Adicionar um objeto e uma referência a um tag de IHM

� Aprender sobre etiquetas de tags

Leia sobre tags de IHM e tags de referência direta

Um tag é um nome lógico que representa uma variável na memória de um dispositivo de rede ou local. O FactoryTalk View SE dois tipos de tags:

- Tags do servidor de dados (também chamados de tags de referência direta) fornecem acesso direto aos tags do controlador através dos servidores de dados que você adiciona a uma aplicação.

- Tags de IHM fornece propriedades adicionais para a segurança do runtime e manipulação de dados. Os tags de IHM são criados no editor Tags e armazenados em um banco de dados de tags do servidor de IHM.

Page 57: Apostila FactoryTalk View 1

56 de 304

Para alguns fins em uma aplicação, usar os tags de referência direta oferece vantagens em relação ao uso dos tags de IHM e vice-versa.A tabela a seguir contém uma lista de vantagens tanto para os tags de IHM quando para os tags de referência direta. Dependendo da aplicação, você pode escolher apenas um deles ou combinar os dois.

Tags de IHM Tags de referência direta Uso de recursos estendidos de tags de IHM

Para aproveitar as vantagens dos recursos estendidos, como segurança no runtime, conversão de escala ou offseting dos valores de tags, ou endereçamento mais flexível, crie tags de IHM no FactoryTalk View Studio, no editor Tags.

Uso de referenciamento direto para eliminar duplicações

Usar um referenciamento direto minimiza erros, pois é necessário criar o banco de dados de tags somente uma vez (no controlador) e não terá que duplicá-lo novamente na IHM. Isto se aplica a todos os objetos incluindo o FactoryTalk Alarms and Events baseado em dispositivos. Além disso, não é necessário criar um banco de dados de tags enquanto desenvolve a IHM, o que economiza tempo.Use também os tags do servidor de dados para adicionar, modificar ou excluir tags em um dispositivo sem ter que duplicar as alterações no banco de dados de tags do servidor de IHM.

Organização de tags em pastas

Os tags podem ser organizados em pastas e subpastas lógicas. Por exemplo, crie uma pasta para o processo CIP de uma fábrica de soda. Em uma aplicação grande, você pode encontrar tags facilmente se organizá-las em pastas.

Permissão de acesso a tipos de dados complexos

Alguns dispositivos (controladores Logix5000, por exemplo) suportam tipos de dados como vetores e estruturas (UDT) que podem conter centenas de elementos como membros. Use os tags do servidor de dados para referenciar diretamente os valores dos tags e eliminar a necessidade de criar um tag

Page 58: Apostila FactoryTalk View 1

57 de 304

de IHM para cada elemento membro.Você pode maximizar a otimização colocando os dados em vetores e estruturas.

Armazenamento de valores na memória

Crie tags de memória da IHM para armazenar valores sem precisar de um dispositivo conectado ou acessível. Por exemplo, você pode usar os tags de memória para:

- armazenar o resultado de um cálculo.

- agir como um contador ou índice temporário.

- manter informações sobre o estado atual do sistema, por exemplo, qual foi a última tela gráfica exibida.

Reutilização de telas e outros componentes entre as aplicações

Por exemplo, exporte telas de uma aplicação para outra que use os mesmos tags do controlador. Não há necessidade de mover o banco de dados de tags de IHM. Todos os tags de referência direta são transferidos com a tela.

Reutilização dos nomes do tag Os tags de IHM não precisam de endereços físicos codificados nem de nomes de variáveis específicas do dispositivo.Isto significa que você pode reutilizar uma aplicação com outros dispositivos alterando os endereços físicos para os quais os nomes dos tags de IHM estão mapeados.

Velocidade As referências diretas são um link direto com o servidor de dados e o controlador que ajuda a acelerar a taxa de atualização da aplicação.

Importação e exportação de tags de IHM - Use o Tag Export/Import Wizard

para importar/exportar tags no formato .CSV (pode ser aberto em Excel).

- O banco de dados de tags exportados podem ser usados em outros projetos do FactoryTalk View.

- Você pode modificar e criar todos os tags em Excel e economizar tempo de engenharia.

- Você pode importar arquivos de endereços do RSLogix no banco de dados de tags do FactoryTalk View

Nomes descritivos Alguns controladores e servidores OPC não

permitem nomes de tags descritivos, por exemplo, SLC. Criar um tag de IHM permite que você atribua nomes significativos aos tags ao invés de locais de memória como N7:0.

Page 59: Apostila FactoryTalk View 1

58 de 304

Criar um tag de IHM

Permite criar um tag no banco de dados de tags.

1. Abra o banco de dados Tag no servidor de IHM, InstantFizz_HMIServer. Siga as etapas a-i para adicionar um tag de IHM em uma pasta.

Qunado o banco de dados de tags for aberto, selecione o item de menu Edit para criar uma nova pasta.

Observação: Este item de menu pode ser usado para adicionar, excluir, duplicar e renomear as pastas do banco de dados de tags. Outro item menu importante é o Other Databases que permite importar tags de outros bancos de dados como os arquivos do controlador RSLogix 5/500 (.rss, .rsp).

a. Clique duas vezes em Tags na pasta HMI Tags para abrir o banco de dados de tags.

b. Clique no item de menu Edit e selecione New Folder.

c. Insira o nome da nova pasta “CIP” e clique em OK.

Page 60: Apostila FactoryTalk View 1

59 de 304

Page 61: Apostila FactoryTalk View 1

60 de 304

Configure as novas propriedades dos tags conforme mostrado abaixo:

d. Certifique-se de que a pasta CIP está selecionada. Queremos criar um tag nesta pasta.

e. Insira o nome do novo tag WaterAmount.

f. Selecione Analog como tipo de tag. Os tags podem ser do tipo Analog, Digital ou String.

g. Insira a descrição do tag.

h. Preencha os campos Min, Max, Scale, Offset e Units conforme mostrado.

i. Clique no botão com reticências para abrir o navegador de tags. Selecione o tag SodaCIPTanks.Water.Value (vide caminho na tela baixo)

Page 62: Apostila FactoryTalk View 1

61 de 304

10. Clique em Accept para concluir.

11. O banco de dados de tags também permite que você procure por tags. Siga as etapas a-b para procurar por um tag.

Page 63: Apostila FactoryTalk View 1

62 de 304

Assistente de importação/exportação de tags usando MS Excel

Vamos importar tags que foram pré-criados usando o Tag Import/Export Wizard. Use o Tag Import and Export Wizard para converter bancos de dados para e a partir de um formato CSV (Comma Separated Variable) compatível com o Excel. Você também pode unir um banco de dados de tags do FactoryTalk View a outro banco de dados de tags e importar um banco de dados de texto Logic 5 ou A.I. Series.

Para importar tags corretamente, a aplicação para a qual você está importando os tags deve estar aberta no FactoryTalk View Studio.

Opções de importação e exportação:

Há várias opções de importação/exportação conforme mostrado no Tag Import/Export Wizard.

b. Clique em Close para sair do banco de dados de tags.

a. Você pode procurar por qualquer tag no banco de dados usando o campo Search For. Destaque a pasta raiz, insira System\Second para procurar por um tag de memória pré-definido e pressione Enter.

Page 64: Apostila FactoryTalk View 1

63 de 304

- Export a FactoryTalk View tag database to CSV files

Exporta um banco de dados de tags FactoryTalk View para arquivo CSV

- Import FactoryTalk View tag CSV files

Importa as informações do tag a partir de arquivos CSV em um banco de dados do FactoryTalk View. Você pode criar seus tags em Excel e importá-los para o projeto usando esta opção no Tag Import/Export Wizard

- Merge FactoryTalk View tag database

Une informações de tags de um projeto do FactoryTalk View a outro banco de dados do FactoryTalk View.

- Import A.I. Series or Logic 5 database files

Importa símbolos do formato CSV do A.I. Series ou Logic 5 da Rockwell Software em um banco de dados do FactoryTalk View.

- Import RSLogix5/500 Address & Symbol ASCII files

Importa símbolos de arquivos de exportação ASCII do RSLogix5 ou RSLogix 500 em um banco de dados do FactoryTalk View.

1. Abra e revise o arquivo CSV, já criado para este exercício, Additional_Tags.csv em C:\InstantFizz – Lab Files\

Page 65: Apostila FactoryTalk View 1

64 de 304

2. Feche o Excel sem salvar.

3. Volte para o FactoryTalk View Studio e abra o Tag Import/Export Wizard no menu Tools.

Abra o arquivo CSV pré-criado com os tags de IHM pré-criados. Vá em C:\InstantFizz – Lab Files\ e clique duas vezes em Additional_Tags.csv. Revise o arquivo e observe o formato de linha/coluna do Excel. Você pode adicionar e modificar tags e pastas no Excel e importá-los para sua aplicação.

Page 66: Apostila FactoryTalk View 1

65 de 304

4. Selecione a opção “Import FactoryTalk View tag CSV files” no menu drop-down e clique em Next.

Page 67: Apostila FactoryTalk View 1

66 de 304

5. Selecione Site Edition como Project Type.

6. Navegue até nosso projeto de IHM em C: Documents and Settings\All Users\Shared Documents\RSView Enterprise\SE\HMI Projects\InstantFizz_HMIServer\. Selecione o arquivo InstantFizz_HMIServer.sed.

7. Selecione Next para continuar.

8. Certifique-se de que Tags está marcado.Selecione o arquivo CSV pré-criado em C:\InstantFizz – Lab Files\Additional_Tags.CSV

9. Selecione Next para continuar.

10. Você pode ignorar ou atualizar os tags existentes.Deixe padrão para nosso laboratório.

11. Selecione Next para continuar.

Page 68: Apostila FactoryTalk View 1

67 de 304

Agora nós importamos os tags pré-criados em nossa aplicação.

14. Abra o editor do banco de dados de tags clicando duas vezes em Tags para visualizar os tags importados.

12. Selecione Finish para concluir.

13. Visualize os resultados da importação do banco de dados e clique em X para fechar.

Page 69: Apostila FactoryTalk View 1

68 de 304

Page 70: Apostila FactoryTalk View 1

69 de 304

16. Feche o banco de dados de tags.

Adicionar um objeto que faz referência a um tag de IHM

1. Abra uma nova tela

Aparecerá uma tela sem título.

2. Clique uma vez para selecionar o objeto Numeric Display em Objects > Numeric and String > Numeric Display no menu.

15. Observe que novas pastas e tags foram adicionadas a nosso banco de dados de tags através do Tag Import/Export

Page 71: Apostila FactoryTalk View 1

70 de 304

3. Na tela vazia, clique uma vez e segure o botão do mouse, arraste o cursor para desenhar a tela numérica e solte o botão do mouse.Conforme arrasta o mouse, você verá um retângulo para mostrar o tamanho do objeto que será criado.

4. A janela Numeric Display Properties abrirá

Page 72: Apostila FactoryTalk View 1

71 de 304

5. A mesma janela Tag Browser é usada para navegar até os tags de IHM e tags de referência direta associados a um controlador on-line ou off-line, bem como até os itens de diagnósticos e Tags do sistema pré-definidos.

Vamos revisar o Tag Browser.

4. Selecione Tags para abrir o navegador de tags e encontre um tag para fazer referência.

Page 73: Apostila FactoryTalk View 1

72 de 304

Suporte a tags estruturados no Tag Browser do FactoryTalk

O novo navegador de tags foi aprimorado para permitir que você selecione um tag de estrutura na tela à esquerda do navegador de objetos e retorne um identificador parcial de tag para o editor que abrir o navegador. Este tag de estrutura pode ser atribuído a um objeto frontal para fornecer valores a diversos objetos.

8. Vá até o tag de HMI RapidMix\WaterAmount

6. CIP e RapidMix são pastas criadas no banco de dados de IHM.

5. “Shortcut” é o atalho de um dispositivo associado ao controlador SoftLogix. Ele contém todos os tags de referência direta para o controlador. - Itens de diagnóstico: Tags de diagnósticos pré-definidos para os controladores Logix, como @Mode que indica o modo atual do controlador (Run, Program, Remote) - Offline: Tags de referência direta para o arquivo de tags offline que foi associado a “Shortcut” - Online: Tags de referência direta para o controlador.

7. System contém os tags de memória pré-definidos e armazenados no servidor de IHM. Por exemplo, System\Second.

Page 74: Apostila FactoryTalk View 1

73 de 304

10. Adicione um objeto Tag Label na mesma tela à direita do objeto Numeric Display.

8. Abra a pasta RapidMix , selecione WaterAmount e clique em OK.

9. O tag foi adicionado ao objeto. Clique em Apply e OK para sair.

Page 75: Apostila FactoryTalk View 1

74 de 304

Use os objetos de etiqueta para exibir as informações sobre as propriedades de um tag no runtime.Você pode exibir o valor de uma propriedade por tag. As propriedades incluem:Low EU (valor mínimo do tag), High EU (valor máximo do tag), Contact Value (status do tag), Engineering Units (EU) (unidades do tag), nome do tag, descrição do tag, tag Off Label (identificação de contato aberto), tag On Label (identificação de contato fechado).

11. A janela Tag Label Properties abrirá. Defina as propriedades conforme mostrado abaixo. Navegue até o mesmo tag RapidMix\WaterAmount e selecione Engineering Units (EU) para o campo Property.

Page 76: Apostila FactoryTalk View 1

75 de 304

12. Clique em OK para fechar.

13. Testar a tela

14. Revise a tela.

Observação: O objeto Tag Label funciona apenas com tags de IHM porque definimos as propriedades (como as unidades) deste tag no banco de dados de tags de IHM. Ele não funciona com referências diretas. Para exibir as unidades de engenharia de uma referência direta, você pode adicionar um objeto de texto e inserir as unidades aplicáveis.

13. Clique uma vez no botão Test Display na barra de ferramentas.

14. O objeto Numeric Display exibirá o valor atual do tag de IHM RapidMix\WaterAmount e Tag Label exibirá as unidades de engenharia do tag de IHM.

Page 77: Apostila FactoryTalk View 1

76 de 304

15. Clique no botão Edit Display para voltar ao modo de edição.

16. Feche a tela sem salvar.

Sessão 4: Telas gráficas, objetos e animações (necessário)

Sobre esta sessão

Nesta sessão do laboratório, você irá:

� Ler sobre as Telas gráficas

� Usar o arquivo XML para editar as telas

� Usar Faceplates

� Configurar e usar Dicas de ferramenta

� Configurar e usar Mensagens locais

� Configurar e usar Docked displays

� Usar o Object Explorer

� Configurar e usar animações e expressões

� Usar comandos

Para ajudar na navegação no FactoryTalk View Studio dos componentes usados nesta sessão, é possível consultar novamente a imagem “Application Explorer” da Sessão 2 – pag.41.

Informação sobre as Telas gráficas

Tipos de Telas gráficas

Telas Padrão - armazenadas na pasta Displays. São as telas que o operador vê em runtime. As visualizações atuais da atividade ou processo da fábrica automatizada. Elas podem exibir os dados de sistema ou de processo e permitir aos operadores gravar os valores em um banco de dados em tempo real ou em dispositivos de rede como um controlador.

Telas de objeto global - armazenadas na pasta Global Objects. As telas de objeto global permitem que você faça o link da aparência e do comportamento de um objeto gráfico em uma

Page 78: Apostila FactoryTalk View 1

77 de 304

tela de objeto gráfico para gerar várias cópias deste objeto em telas padrões. Ao fazer alterações no objeto original, elas são automaticamente aplicadas às cópias.

Telas de biblioteca - armazenadas na pasta Displays. Uma tela de biblioteca contém objetos gráficos prontos que podem ser usados em outras telas.

Uma tela gráfica representa a visualização do operador da atividade de fábrica. Ela pode exibir os dados de sistema ou de processo e permitir aos operadores gravar os valores em dispositivos externos como controladores programáveis. Os elementos que compõem uma tela gráfica são chamados de objetos gráficos. O menu Objects no editor Graphic Displays (Figura 1) fornece elementos de desenho simples, como linha, retângulo e elipse, assim como objetos prontos como botão pulsador, campos de entrada e de saída e resumos de alarme. Use estes elementos para criar representações visuais dos processos e atividades e depois anime a tela fazendo o link dos objetos aos tags, de forma que a aparência dos objetos mudarão a medida que os valores de tags mudam.

O editor gráfico permite facilmente duplicar objetos, reformatá-los ou redimensioná-los e distribuí-los de diversos modos como empilhá-los, alinhá-los, espaçá-los horizontal ou verticalmente, invertê-los horizontal ou verticalmente, girá-los e agrupá-los de forma que se comportem como um único objeto. Os objetos gráficos podem ser

� Criados usando o editor de tela gráfica.

� Copiados e colados das Bibliotecas gráficas.

� Copiados para a área de transferência de outro aplicativo Windows e, então, colados nas telas gráficas.

� Criados por outro aplicativo Windows e inseridos na tela gráfica usando link e incorporação de objeto.

� Arrastados e soltos de outra tela gráfica ou biblioteca ou outro aplicativo Windows.

Figura 1: Menu Objects

Bibliotecas

A Biblioteca gráfica vem com uma variedade de telas gráficas prontas contendo objetos que podem ser usados em outras telas

Page 79: Apostila FactoryTalk View 1

78 de 304

Há muitos objetos diferentes na biblioteca que podem ser usados em sua aplicação.

Observação: qualquer animação que foi atribuída a um objeto será incluída a ele quando for copiado em uma tela.

Modificação de um arquivo XML

No FactoryTalk View Studio, é possível também usar o Assistente de Importação e exportação de gráficos para exportar informações de telas gráficas para um arquivo XML ou para importar um arquivo XML de tela gráfica para uma aplicação. O XML possui formato e estrutura padronizados. É possível modificar os elementos e atributos de uma tela gráfica alterando-os ou adicionando novos no arquivo XML.

É possível editar os arquivos XML antes de importá-los de volta para uma aplicação, para modificar os objetos gráficos existentes ou para adicionar novos objetos à tela.

É possível criar ou editar telas gráficas independente do FactoryTalk View Studio, incluindo a configuração de telas, objetos, propriedades de objetos, conexões, animações, agrupamentos, atribuições chaves, etc.

Na sessão anterior, importamos algumas telas gráficas pré-configuradas. A seguir, modificaremos uma destas telas alterando o arquivo XML exportado.

1. Expanda Displays e clique duas vezes na tela “CIP – Process Steps” para abrir.

Page 80: Apostila FactoryTalk View 1

79 de 304

2. Feche a tela “CIP – Process Steps” sem salvar.

3. Vá para C:\InstantFizz – Lab Files\ e clique duas vezes para abrir o arquivo XML exportado “CIP – Process Steps.xml”

O arquivo xml abrirá no Internet Explorer.

1. Modificaremos o texto “Step 1” desta tela no arquivo XML. Neste momento, o texto exibe “Step 1: Adding H2O”

Page 81: Apostila FactoryTalk View 1

80 de 304

4. Para modificar o arquivo, devemos abrí-lo no Bloco de notas. Feche o arquivo Internet Explorer .

5. Clique com o botão direito do mouse no arquivo exportado XML “CIP – Process Steps.xml” de C:\InstantFizz – Lab Files\, selecione Open With e selecione o Bloco de notas (Notepad).

O arquivo será aberto no Bloco de notas.

Examine o arquivo XML. O arquivo contém todos os objetos e atributos de objetos contidos na tela “CIP – Process Steps”.

Page 82: Apostila FactoryTalk View 1

81 de 304

6. Alteraremos o texto “Step 1: Adding H2O” para “Step 1: Adding Water”

7. Preencha a janela Replace como indicado a seguir e clique no botão Replace All.

No arquivo Bloco de notas, selecione o item menu Edit e clique em Replace.

Page 83: Apostila FactoryTalk View 1

82 de 304

8. Salve o arquivo a partir de File>Save e saia.

9. Vamos importar a tela modificada.

Clique com o botão direito em Displays e selecione “Import and Export….”

Digite o texto como indicado, pressione o botão Replace All e clique em Cancel para sair. O texto no campo Find What é a letra H, o número 2 e a letra O.

Page 84: Apostila FactoryTalk View 1

83 de 304

10. Selecione “Import graphic information into displays” e selecione Next.

11. Selecione No e clique em Next.

12. Selecione Single Display Import File e clique em Next.

Page 85: Apostila FactoryTalk View 1

84 de 304

13. Configure a janela como exibido abaixo. O arquivo XML a ser importado pode ser

encontrado em C:\InstantFizz – Lab Files\CIP – Process Steps.xml. Este é o arquivo que acabamos de modificar.

14. Clique em Finish para concluir a importação.

15. O Assistente de Importação e exportação de gráficos fornece um arquivo de status sobre o sucesso da importação/exportação.

Page 86: Apostila FactoryTalk View 1

85 de 304

Page 87: Apostila FactoryTalk View 1

86 de 304

16. Vamos revisar a tela modificada. Agora, abra a tela CIP – Process Steps clicando duas

vezes sobre ela a partir do item Displays no FactoryTalk View Studio.

15. Feche o arquivo DisplaysImport.txt antes de continuar.

Page 88: Apostila FactoryTalk View 1

87 de 304

Observação: Neste exemplo, teria sido mais fácil simplesmente alterar o texto na tela do FactoryTalk View Studio. Há aplicações, no entanto, nas quais pode ser necessário criar automaticamente muitos objetos e/ou telas. Criá-las em um arquivo XML pode economizar muito tempo de engenharia.

Tooltips

Para fornecer informações sobre um objeto gráfico para um operador, é possível adicionar um Tooltip aos objetos:

- As Tooltips podem ser adicionadas a objetos gráficos - As Tooltips suportam variáveis embutidas - A alteração de Idioma é compatível com o texto da Tooltip.

Por padrão, um objeto não possui um texto tooltip. Se você adicionar uma tooltip, ela será exibida em runtime, quando o operador posicionar o ponteiro do mouse sobre um objeto por alguns segundos.

16. Examine a tela. O texto foi alterado de H2O para Water.

Page 89: Apostila FactoryTalk View 1

88 de 304

Aperfeiçoamento de parâmetro

O aperfeiçoamento de parâmetro fornece suporte às variáveis embutidas nas Tooltips e nas barras de títulos; números e grupos literais na sintaxe da variável embutida; e à exibição de caracteres mais à direita nas variáveis de grupo embutidas.

Neste laboratório adicionaremos um objeto de Entrada numérica para exibir um exemplo de Tooltip.

1. Abra a tela “CIP – Process Steps” (Ela já deve estar aberta.)

2. Adicionaremos um objeto Numeric Input à tela “CIP – Process Steps” .

3. Adicione o objeto Numeric Input ao local da tela exibido abaixo.

A partir do item de menu Objects , selecione Numeric and String e clique em Numeric Input.

Page 90: Apostila FactoryTalk View 1

89 de 304

4. Configure Numeric Input Properties como exibido abaixo seguindo as etapas a-d.

Melhorias na entrada numérica

O objeto Numeric input permite que os valores mínimo e máximo atribuídos pelo usuário sejam validados antes do download.

a. Selecione a guia Connections .

b. Clique no botão com reticências para navegar e adicionar Value tag: {[shortcut]SodaCIPTanks.RecoveredWater.Value

c. Clique no botão com reticências para navegar e adicionar Minimum tag: {[shortcut]SodaCIPTanks.RecoveredWater.Minimum d. Clique no botão com

reticências para navegar e adicionar Maximum tag: {[shortcut]SodaCIPTanks.RecoveredWater.Maximum

Page 91: Apostila FactoryTalk View 1

90 de 304

Utilize o Tag Browser para selecionar os tags Value, Minimum e Maximum:

5. Clique em OK para fechar.

6. Salve a tela.

Page 92: Apostila FactoryTalk View 1

91 de 304

7. Teste a tela.

8. Especificamos os valores Mínimo e Máximo do Objeto de entrada numérica. Vamos inserir um valor “22000” em nosso objeto. Este valor tem que ser maior do que Mínimo e menor do que o Máximo.

O fundo do objeto ficará vermelho indicando que o valor inserido está fora dos limites de número mínimo e máximo

Como o operador saberá quais são os limites válidos? Adicione uma Tooltip!

9. Clique no botão Edit Display para voltar ao modo de edição.

10. Clique duas vezes no objeto de Entrada numérica para abrir suas propriedades. Ou clique com o botão direito e selecione “Properties”.

11. Adicione uma Tooltip seguindo as etapas a-e.

Clique uma vez no botão Test Display na barra de ferramentas.

Digite “22000” e pressione Enter.

Page 93: Apostila FactoryTalk View 1

92 de 304

12. Repitas as etapas a-e para adicionar a informação “Maximum” também. O tag Maximum para

navegar é {[shortcut]SodaCIPTanks.RecoveredWater.Maximum}. O texto final do assistente de configuração deverá estar parecido com o texto a seguir:

b. Digite “Minimum: ” na área “ToolTip Text” .

a.Selecione a guia Common.

c. Clique em Insert Variable e selecione Numeric para adicionar uma variável.

d. Navegue até o tag {[shortcut]SodaCIPTanks. RecoveredWater.Minimum}.

e. Clique em OK e Tecle ENTER

Page 94: Apostila FactoryTalk View 1

93 de 304

13. Salve a tela.

14. Teste a tela.

Clique em OK.

Clique uma vez no botão Test Display na barra de ferramentas.

Page 95: Apostila FactoryTalk View 1

94 de 304

15. Vamos tentar mais uma vez. Vamos gravar o valor “22000” em nosso objeto.

Novamente, o fundo do objeto ficará vermelho indicando que o valor inserido está fora dos limites mínimo e máximo. .

16. Passe o mouse sobre o objeto e você verá nosso texto de dica de tela indicando os limites corretos do valor

17. Clique no botão Edit Display para voltar ao modo de edição.

18. Feche a tela “CIP – Process Steps”

Docked Displays

Docked Displays

Em runtime, as telas gráficas podem ser fixadas na borda da janela FactoryTalk View SE Client, permitindo que o operador tenha acesso a determinadas telas sempre. As Docked displays não podem ser fechadas acidentalmente pelo operador e não permitem que outros gráficos as sobreponham. Portanto, elas continuarão sempre visíveis para o operador.

Por exemplo, você pode fixar:

� Os menus de navegação, que permitem ao operador mover-se pelas telas em uma aplicação.

Digite “22000” e pressione Enter.

Passe o mouse sobre o objeto Entrada numérica e observe o texto da tooltip!

Page 96: Apostila FactoryTalk View 1

95 de 304

� Cabeçalhos e notificações que fornecem informações específicas para o operador, como o nome e área do usuário atual ou informações sobre alarmes.

� Os painéis de controle com botões padrões para fins especiais, como alteração de usuário, fechamento de janelas abertas ou envio de informações para a equipe de manutenção.

Neste laboratório usaremos Docked displays para os menus de navegação e como notificação de alarme. A tela fixada estará visível para o operador durante todo o tempo.

1. Abra a tela “Navigation”. Ela será a primeira Docked display.

2. Abra a tela Alarm Banner. Ela será nossa segunda Docked display.

3. Para fixar uma tela no canto da janela SE Client, após a inicialização pelo cliente, usaremos uma macro de inicialização que usa um comando de tela.

Page 97: Apostila FactoryTalk View 1

96 de 304

Uma macro é uma lista de comandos ou símbolos de comandos armazenados em um arquivo de texto. Para executar uma macro, você usa o nome dela, assim como faria com um comando. Os comandos na macro serão executados na ordem na qual eles foram listados.

Uma macro pode ser especificada na inicialização ou encerramento de um cliente ou tela. Ela pode ser chamada a partir de uma linha de comando no FactoryTalk View Studio, a partir de um botão ou do Factory Talk View Administration Console para administração de sistema.

O FactoryTalk View possui recursos multitarefas que podem ser aproveitados ao criar macros.

Alguns comandos (como Print) acabam rapidamente e o próximo comando pode ser iniciado. Outros, como Set, demoram mais. No caso do Set, ele não termina até que a mensagem seja enviada ao controlador. Nesses casos, é possível configurar a macro de forma que o próximo comando possa ser executado antes que o comando anterior termine. Use o caractere (&) para isto.

Você já adicionou a macro de inicialização na Sessão 2 deste laboratório.

4. Expanda o item de menu Macros e clique duas vezes em ‘startup’ parar abrir

5. Revise os comandos da tela no arquivo de macro de inicialização.

Display Navigation /DB

Display Alarm Banner /DT

Clique duas vezes em startup para abrir.

Page 98: Apostila FactoryTalk View 1

97 de 304

Em geral, para fixar uma tela, use a instrução exibida abaixo:

Para ancorar uma tela nesta posição Use este parâmetro Canto superior da janela cliente Display /DT Canto inferior da janela cliente Display /DB Canto esquerdo da janela cliente Display /DL Canto direito da janela cliente Display /DR

Estes comandos serão executados quando a macro for chamada na inicialização do FactoryTalk View SE Client.

6. Feche a macro de inicialização sem salvar.

Exploração de Docked displays em runtime

Vamos explorar a funcionalidade das Docked displays em runtime. Um arquivo de cliente SE já foi criado para você executar nesta aplicação. Nossa macro StartUp será executada quando o arquivo cliente SE for aberto.

2. Navegue até C:\InstantFizz – Lab Files\ClientFile_DockedDisplays.cli e clique em OK.

Observação: Aguarde alguns minutos para carregar totalmente.

3. Revise o layout de cliente. A macro de inicialização fixou telas em 2 áreas. A tela de cabeçalho contém uma notificação de alarme e está localizada na parte superior da janela cliente; a tela de rodapé contém os botões de navegação e está localizada na parte inferior da janela cliente.

1. Clique no ícone Launch SE Client.

Page 99: Apostila FactoryTalk View 1

98 de 304

5. Minimize a tela Plant Overview .

6. Arraste a barra de título minimizada até chegar nas bordas da tela:

Borda superior: Borda inferior:

7. Clique no botão restore na tela Plant Overview .

8. Observe que ela não sobreporá às áreas fixadas.

“Alarm Banner” está fixada no canto superior

“Navigation” está fixada no canto inferior

Page 100: Apostila FactoryTalk View 1

99 de 304

9. Arraste a tela Plant Overview até a borda inferior ou o canto inferior direito do cliente.

10. Observe que ela não se sobreporá às áreas ancoradas e as barras de rolagem aparecerão de forma que a tela ainda fique visível.

11. Mova a tela Plant Overview de forma que o botão close esteja visível e feche a tela.

12. Selecione o botão Plant Overview na tela de rodapé para abrir a tela Plant Overview. Observe como ela é dimensionada para se encaixar na principal área visível das telas ancoradas.

Page 101: Apostila FactoryTalk View 1

100 de 304

Comandos

Os comandos do FactoryTalk View permitem interagir e controlar os componentes da aplicação. A maioria dos comandos aceita parâmetros para maior precisão e controle.

- É possível configurar teclas e objetos gráficos para executar comandos em runtime. Por exemplo: as ações pressionar, liberar ou repetir quando você atribui uma animação ao tocar em um objeto em uma tela gráfica ou uma ação para um botão.

- É possível executar comandos a partir da linha de comando do servidor IHM - É possível criar uma lista de comandos em uma macro e executar a macro sempre que

necessário. - É possível executar comandos em um evento em particular, usando o arquivo Event

Há cerca de 80 comandos diferentes. Use o Assistente de Comando para ajudá-lo a selecionar e construir comandos.

Criaremos um objeto Botão com um comando de tela.

1. No FactoryTalk View Studio, feche todas as telas abertas neste momento, sem salvá-las.

2. Abra a tela Rapid Mix - Overview

Selecione o item de menu Button.

Page 102: Apostila FactoryTalk View 1

101 de 304

3. Arraste o objeto Button para a tela Rapid Mix – Overview como exibido abaixo

Arraste o objeto Button para esta área.

Page 103: Apostila FactoryTalk View 1

102 de 304

4. Configure as Propriedades do Botão seguindo as etapas a-b.

a. Selecione a guia Action.

b. Clique no botão com reticências para abrir o Assistente de Comandos.

Page 104: Apostila FactoryTalk View 1

103 de 304

5. Selecione o comando Display seguindo as etapas a-b. É possível selecionar All Commands and Macros e encontrar o comando Display alfabeticamente ou selecionar Graphics > Graphic Displays > Navigation > Display

6. Preencha as informações do comando como exibido nas etapas abaixo a-b. Se nossa aplicação tivesse mais do que uma área, poderíamos escolher abrir uma tela de uma área diferente.

a. Selecione o comando Display.

b. Clique em Next para continuar.

Page 105: Apostila FactoryTalk View 1

104 de 304

7. Adicione uma Legenda de botão seguindo as etapas a–b.

a. Preencha como exibido. O comando Display possui muitas propriedades adicionais, deixe-as desmarcadas para este exemplo.

b. Clique em Finish para concluir.

Page 106: Apostila FactoryTalk View 1

105 de 304

8. Salve a tela e e feche.

a. Selecione a guia Up Appearance. No campo Caption digite “Rapid Mix- Process Steps”

O novo botão adicionado deverá ter a aparência exibida aqui. Redimensione o botão, se necessário.

b. Clique em OK para concluir.

Page 107: Apostila FactoryTalk View 1

106 de 304

9. Retorne à janela client em execução e selecione o botão Rapid Mix na tela de navegação.

10. Abra a tela Rapid Mix – Process Steps.

Clique no botão Rapid Mix.

No canto superior direito da tela Rapid Mix, clique no botão Rapid Mix – Process Steps que acabamos de adicionar.

Page 108: Apostila FactoryTalk View 1

107 de 304

Usando o Assistente de Comando criamos um botão que, quando pressionado, abre outra tela.

O Assistente de comando contém muitos outros comandos relacionados ao fechamento/abertura de telas, alarmes, impressão, idiomas, aplicações externas e muitos outros.

Animações e expressões

A animação é a capacidade de adicionar lógica a um objeto gráfico de forma que algumas características do objeto mudem quando um valor de tag é alterado. Por exemplo, um objeto pode ser feito para ser preenchido (acima, abaixo, à esquerda, à direita) ou para mudar de cor dependendo do valor de tag.

Expressão: Uma expressão é uma equação matemática ou lógica que retorna um valor. Ela pode conter nomes de tag, operadores constantes e matemáticos, relacionais, lógicos e/ou bitwise. Um único nome de tag é geralmente usado para expressões simples.

Na Figura 1, a caixa de diálogo de animação mostra que expressões são usadas para animar objetos. Há uma guia para cada tipo de animação. Se houver um marcador de seleção em frente ao tipo de animação, isto significa que o objeto selecionado está usando tal animação. Se um tipo de animação não estiver disponível para um objeto selecionado, os campos naquela guia de animação ficarão cinza. No exemplo abaixo, as animações Fill e Color estão sendo usadas no objeto selecionado. A seleção de um novo objeto enquanto a caixa de diálogo Animation está aberta atualizará a caixa de diálogo Animation para o objeto que acaba de ser selecionado.

A tela Rapid Mix – Process Steps abrirá.

Page 109: Apostila FactoryTalk View 1

108 de 304

Figura 1: Caixa de diálogo Animation

O Object Explorer

O Object Explorer fornece uma lista de todos os objetos na tela gráfica atual, incluindo aqueles ocultos por outros objetos. Um grupo de objetos possui um sinal de mais em frente ao seu nome. Clique no sinal para expandir a lista de objetos que compõem o grupo. É possível expandir e recolher toda a lista usando os botões Expand e Collapse.

Ao clicar em um objeto na tela para selecioná-lo, sua entrada correspondente no Object Explorer é destacada em cinza.

Ao clicar em um item no Object Explorer, o objeto para o qual ele corresponde é selecionado. Se um objeto estiver oculto por outro ou se for parte de um grupo, quando você o seleciona no Object Explorer as alças que contornam o objeto selecionado ficam visíveis.

Vamos abrir uma das telas e dar uma olhada na animação.

Para abrir o Object Explorer

1. A partir do FTView Studio que já deve estar aberto, abra a tela Rapid Mix – Overview. Para abrir a tela Rapid Mix - Overview, expanda a pasta Displays, clique duas vezes na tela Rapid Mix – Overview.

2. A tela Rapid Mix-Overview será aberta

Page 110: Apostila FactoryTalk View 1

109 de 304

3. Selecione o item de menu View > Object Explorer Ou Selecione o botão Show/Hide Object Explorer na barra de menu para exibir ou ocultá-lo.

Quando selecionado (indicado por um sinal de seleção próximo ao nome do item de menu), o Object Explorer é exibido. O Object Explorer pode ser redimensionado e movido. É possível clicar em qualquer um dos objetos listados e você observará que os objetos ficarão destacados na tela.

Page 111: Apostila FactoryTalk View 1

110 de 304

O Object Explorer é realmente útil para agrupar itens e fazer a referência de elementos individuais naquele grupo.

O Agrupamento é útil quando há objetos comuns que você deseja mover ou aplicar comportamentos, por exemplo, como uma animação.

Vamos observar grupos e animação usando o Object explorer

1. Expanda e Selecione o grupo TankMixture no Object Explorer.

2. Clique com o botão direito no elemento Water no grupo TankMixture e selecione o item de menu de contexto Animation > Fill

Grupo TankMixture destacado

Page 112: Apostila FactoryTalk View 1

111 de 304

.

3. A caixa de diálogo Animation aparecerá e abrirá na guia Fill .

Page 113: Apostila FactoryTalk View 1

112 de 304

A expressão de animação Fill já foi previamente inserida. É possível revisar e familiarizar-se com as propriedades Fill e outras, como Color. 4. Feche a janela Animation 5. Retorne ao client que está executando e pressione o botão START na parte inferior da tela Rapid

Mix – Process Steps para visualizar as animações em ação

Mensagens locais Use as telas de mensagem local para fornecer ao operador informações sobre um processo ou sobre o que fazer em seguida, durante a operação. Por exemplo, a tela Rapid Mix – Process Steps contém um objeto de Mensagem Local que dá instruções aos operadores sobre qual é a etapa atual no tanque de mistura.

5. Pressione o botão START para iniciar o processo Rapid Mix.

6. Veja o tanque de água encher.

Page 114: Apostila FactoryTalk View 1

113 de 304

1. Na janela Cliente, feche a tela Rapid Mix-Process Steps

2. Retorne ao Factory View Studio. Importaremos um arquivo de Mensagem local pré-configurado.

3. Adicione todos os arquivos de mensagem local de C:\InstantFizz - Lab Files\Local Messages na aplicação

4. Revise o arquivo de Mensagem local RapidMix.

Os editores de Mensagem local são formados pelas colunas “Trigger Value” e “Message” Quando o valor do tag de Mensagem local corresponde ao Valor de disparo, a mensagem correspondente será exibida. Por exemplo, se o valor do tag for igual a 6, a mensagem “STEP 6: Initiate CIP Clean” será exibida.

No cliente em execução, feche a tela Rapid-Mix Process Steps pressionando o botão x

Na Janela do Explorer, clique com o botão direito em Local Messages e selecione Add Component Into Application.

Selecione os dois arquivos de Local Message e clique em Open para adicionar à aplicação.

Clique duas vezes em RapidMix sob Local Messages para abrir.

Page 115: Apostila FactoryTalk View 1

114 de 304

5. Clique em Fechar

6. Criamos o arquivo de mensagem local. A fim de visualizar as mensagens na tela em operação, um objeto de Mensagem local precisa ser adicionado.

7. Abra a tela Rapid Mix – Process Steps .

8. Adicione a tela de Mensagem local na tela Rapid Mix – Process Steps seguindo as etapas a-b.

Page 116: Apostila FactoryTalk View 1

115 de 304

9. Modificaremos algumas propriedades do texto da mensagem, como fonte e cor. Clique duas vezes no objeto Local Message Display para visualizar as propriedades do objeto. Siga as etapas

a. Clique duas vezes no objeto Local Message Display para visualizar as propriedades do objeto.

a. Selecione a tela Local Message Display a ser adicionada.

b. Desenhe o objeto Local Message Display como exibido.

Page 117: Apostila FactoryTalk View 1

116 de 304

10. Gostaríamos que esta Tela de mensagem local exibisse mensagens do arquivo de Mensagem local RapidMix, que importamos para a aplicação. As mensagens serão disparadas pelo tag /Area1/DataServer1::[shortcut]MixSteps. Siga as etapas a-d para configurar a Tela de mensagem local

b. Selecione a guia General.

d. Altere o tamanho da fonte para 16.

c. Altere Back Color e Fore Color como exibido. Ou mantenha a seleção padrão.

Page 118: Apostila FactoryTalk View 1

117 de 304

18. A tela Local Message Display deverá ser parecida com a exibida abaixo:

a. Clique no botão de reticências para navegar até o Arquivo de mensagem local.

b. Selecione

RapidMix e clique em OK para fechar.

c. Selecione a guia Connections e navegue até o tag /Area1/DataServer1::[shortcut]MixSteps. No navegador de tag, expanda Shortcut, selecione Online e, então, no lado direito selecione o tag MixStps. O valor deste tag determinará qual mensagem será exibida.

d. Clique em OK para fechar.

Page 119: Apostila FactoryTalk View 1

118 de 304

19. Salve a tela e feche.

20. Visualize as Mensagens locais em ação! Volte ao cliente em execução e abra a tela Rapid

Mix – Process Steps através da tela Rapid Mix – Overview. Siga as etapas a-c.

a. Clique no botão Rapid Mix – Process Steps para abrir a tela.

b. Clique no botão START na parte inferior da tela Rapid Mix – Process Steps para iniciar o processo. Ele já pode ter iniciado.

Page 120: Apostila FactoryTalk View 1

119 de 304

23. Clique no botão exit para fechar o cliente

Sessão 5: Alarmes e Eventos (opcional)

Sobre esta sessão Nesta sessão, você:

� conhecerá os tipos de Sistemas de alarme

o alarmes e eventos do FactoryTalk

o configuração de alarmes e eventos do FactoryTalk

o habilitará os alarmes e eventos do FactoryTalk

� Usará os Objetos de alarme e evento do FactoryTalk

o resumo de alarme – projetará e executará um comportamento

c. Siga as etapas/instruções

da Mensagem local e veja a animação na tela Rapid Mix – Overview.

Page 121: Apostila FactoryTalk View 1

120 de 304

o notificação de alarme – projetará e executará um comportamento

o visualizador de registro de alarme – projetará e executará um comportamento

o navegador de status de alarme – projetará e executará um comportamento

� Observará e criará alarmes baseados em dispositivo

� Observará e criará alarmes baseados em tag

Sobre os tipos de alarme

Os alarmes são uma parte importante das aplicações de controle de fábrica porque eles alertam os operadores quando algo está errado. Geralmente, também é importante ter um registro dos alarmes, o horário em que ocorreram, se foram reconhecidos e quem os reconheceu.

O FactoryTalk View SE é compatível com o sistema de alarme de tag IHM tradicional e o sistema FactoryTalk Alarms and Events. As escolhas que você fizer dependerão de fatores como o projeto de sua aplicação, os processos de que precisa para monitorar os alarmes, os tipos de dispositivos usados na aplicação e se deseja construir uma detecção de alarmes nesses dispositivos.

Sistema de alarme de tag IHM tradicional

No FactoryTalk View Studio, é possível configurar todo um sistema de alarme. Em operação, a monitoração de alarme ocorre no servidor IHM. Se os alarmes são detectados (valores de tag fora dos limites configurados), uma notificação é enviada aos clientes FactoryTalk View SE conectados, nos quais os operadores podem visualizar e reconhecer os alarmes. Este é um sistema de alarme de tag IHM tradicional

Um sistema de alarme de tag IHM detecta apenas alarmes configurados para tags no banco de dados de tag do servidor IHM. A detecção de alarme de tag IHM não inclui os alarmes FactoryTalk. Use um sistema de alarme de tag IHM tradicional se sua aplicação usa os tags IHM para outros objetivos e você deseja monitorar os tags quanto a alarmes. Os Clientes FactoryTalk View SE recebem informações de alarme de tag IHM por meio dos FactoryTalk View SE Servers (também chamados de servidores IHM) que contêm tags IHM.

Os dados de alarme de tag IHM não são gerenciados pelos serviços do FactoryTalk Alarms and Events. Para monitorar e responder aos alarmes de tag IHM, você deve usar as telas de alarme de tag IHM e os registros disponíveis no FactoryTalk View SE.

FactoryTalk Alarms and Events

Os serviços do FactoryTalk Alarms and Events centralizam a distribuição dos dados de alarme baseados em dispositivo e em tag para os clientes em runtime, através dos servidores de alarme FactoryTalk que você adiciona a uma aplicação FactoryTalk View SE.

� alarmes baseados em dispositivo, definidos pelas instruções de detecção de alarme de programação diretamente nos controladores Logix5000. O FactoryTalk View SE Clients recebe os alarmes baseados em dispositivo por meio do Rockwell Automation Device Servers (RSLinx Enterprise) que você cria em uma aplicação FactoryTalk View SE

� alarmes baseados em tag, ajustados para especificar condições de alarme para tags em controladores programáveis mais antigos (CLP-5 ou SLC 500), em dispositivos de terceiros que se

Page 122: Apostila FactoryTalk View 1

121 de 304

comunicam através dos servidores de dados OPC ou em um banco de dados de tag do servidor IHM). FactoryTalk View SE Clients recebem os alarmes baseados em dispositivo por meio do Rockwell Automation Device Servers (RSLinx Enterprise) que você cria em uma aplicação FactoryTalk View SE

FactoryTalk Alarms and Events

� Fornece um único conjunto integrado de informações de alarme. Todos os produtos que participam do FactoryTalk trabalham juntos para fornecer um modo consistente para definir, gerenciar, armazenar e visualizar as informações de alarme e de eventos em uma aplicação FactoryTalk completa.

� Agiliza a programação de alarmes e elimina o polling com a monitoração de alarme baseada em dispositivo. Se seu sistema de automação inclui controladores Logix5000, é possível usar as instruções de alarme pré-elaboradas, disponíveis no RSLogix 5000 v. 16 ou mais recente, para simplificar a codificação e então descarregar no controlador. A monitoração de alarme baseada em dispositivo elimina a necessidade de duplicar os tags de alarme em um servidor IHM e requer poucos recursos de comunicação com o controlador, eliminando o polling.

� Permite que outros controladores participem do sistema integrado com a monitoração de alarme baseada em tag. Se seu sistema de automação incluir controladores antigos, como CLP-5 ou SLC 500s ou se você preferir não usar as novas instruções de alarme com os controladores Logix5000, os servidores de tag baseados em software monitoram os controladores quanto às condições de alarme e publicam informações de evento.

� Permite a monitoração de alarmes e eventos de controladores de terceiros. A monitoração de alarme baseada em tag também torna possível monitorar as condições de alarme de controladores de terceiros, que se comunicam através de servidores OPC-DA.

� Fornece registros de data e hora precisos sobre as condições de alarme que são geradas a partir dos controladores Logix5000 usando a monitoração de alarme baseada no dispositivo. Com a monitoração de alarme baseada em dispositivo, os registros de data e hora são imediatamente aplicados ao controlador e não são atrasados até que os alarmes cheguem a um servidor IHM. Para garantir os registros de data e hora precisos nos alarmes baseados em dispositivo, sincronize os relógios de todos os controladores que produzem alarmes. A hora do evento é propagada por todo o sistema FactoryTalk Alarms and Events, de forma que os registros de data e hora podem afetar onde os alarmes são exibidos no Resumo de alarme e evento ou na notificação de alarme e evento, assim como nos relatórios sobre o histórico de alarme e evento. A Ferramenta de Atualização de relógio Logix5000 inclusa no RSLogix 5000 pode ser usada para fazer a sincronização.

� Envia os dados de processo com eventos e mensagens. É possível associar até quatro tags a cada alarme para incluir dados de processo com informações de eventos e mensagens de alarme.

� Protege o acesso às operações de alarme e de evento através da integração com o FactoryTalk Security.

� Gera mensagens para armazenamento, incluindo mensagem de auditoria que rastreia as ações do operador, mensagens de diagnóstico relacionadas ao sistema e mensagens de histórico de alarme e de evento.

� Exibe mensagens de alarme e informações de status durante runtime, a partir das telas gráficas FactoryTalk View.

Adicionar conexão de banco de dados

Na próxima sessão, você configurará o suporte de histórico de alarme e evento. O servidor RSlinx Enterprise foi adicionado na Sessão 1.

Page 123: Apostila FactoryTalk View 1

122 de 304

FactoryTalk Alarm and Event Historian

Há um FactoryTalk Alarm and Event Historian que realiza o registro de histórico dos dados de alarme e evento do FactoryTalk (gerados por um ou mais Rockwell Automation Device Servers (RSLinx Enterprise) ou FactoryTalk Tag Alarm and Event Servers) em um banco de dados. Este componente também define e gerencia as definições de banco de dados entre os destinos de servidores e de registro de alarme e evento. É possível registrar o histórico de alarme e evento em um banco de dados Microsoft SQL Server 2005 Express Edition (SP2) (o qual pode, opcionalmente, ser instalado a partir dos CDs do FactoryTalk View SE ou do RSLinx Enterprise) ou em seus próprios bancos de dados Microsoft SQL Server.

Antes de criar e configurar o Rockwell Automation Device Server, vamos criar um banco de dados de forma que seja possível também habilitar o registro do FactoryTalk Alarm and Event History na próxima sessão. Os alarmes serão discutidos com mais detalhes posteriormente neste laboratório.

1. Expanda a pasta Connections na janela do Explorer

2. Clique com o botão direito na pasta Databases, selecione o item de menu de contexto New Database…

3. Quando Alarm and Event Historian Database Properties abrir, insira:

Definition name: FTAEHistory

Database user name: Administrator.

Database password: rockwell

Database name: FTAE

Mantenha as informações padrões nos outros campos.

Sua caixa de diálogo deve parecer-se com esta:

Page 124: Apostila FactoryTalk View 1

123 de 304

4. Clique em Ok.

5. Quando surgir a caixa de mensagem Database does not exist “The database will be created. The database user will also be created. If the user already exists, the user will be assigned access to the database. Do you want to create the database?” Clique no botão Yes

6. Após o banco de dados de dados ser criado a caixa de diálogo fechará. Expanda a pasta Databases para confirmar a criação.

Page 125: Apostila FactoryTalk View 1

124 de 304

Habilitar alarmes e eventos baseados em dispositivo

Para monitorar alarmes em um controlador Logix5000, o suporte para Alarme e evento deve estar habilitado no Rockwell Automation Device Server (RSLinx Enterprise). O servidor de dispositivos aprova os alarmes no controlador e então publica as informações sobre o alarme nos serviços do FactoryTalk Alarms and Events. Já habilitamos os alarmes na Sessão 1, porém não habilitamos o Histórico de alarme e evento.

1. Clique com o botão direito no nó do servidor RSLinx Enterprise, selecione o item Properties…

2. A caixa de diálogo RSLinx Enterprise Server Properties aparecerá. Mantenha os padrões na guia General. Siga as etapas a-e para habilitar a opção Alarms and Events

c. Marque a opção Enable history

e. Clique no botão OK

Page 126: Apostila FactoryTalk View 1

125 de 304

b. Marque a opção Enable alarm and event support. Se já estiver marcada, apenas mantenha.

d. Selecione a definição de banco de dados FTAEHistory

a. Selecione a guia Alarms and Events

Page 127: Apostila FactoryTalk View 1

126 de 304

Certifique-se de que Shortcut esteja habilitado para receber os Alarmes de nosso controlador.

8. No Studio Explorer, clique duas vezes em Communication Setup em RSLinx Enterprise.

9. Na janela Communication Setup que aparece, selecione o atalho chamado shortcut e certifique-se de que Enable Alarm and Events esteja configurado como Yes.

10. Abaixo da linha Enable, você observará uma propriedade Buffer Timeout (min.). Mantenha a configuração padrão de 20 minutos.

É possível especificar a quantidade de tempo que você deseja que o controlador Logix5000 armazene os alarmes em buffer, caso ele perca a comunicação com o RSLinx Enterprise. É possível inserir o tempo desejado no campo Buffer Timeout no editor Communications Setup.

Tenha em mente ao especificar o tempo de buffer do alarme

• O valor padrão é de 20 minutos.

• Para desabilitar o buffer de alarme, insira um valor 0 (zero). Selecione OK e uma janela de confirmação aparecerá. Selecione Yes para continuar e feche.

• Os alarmes são armazenados em buffer até que o tempo-limite do buffer expire ou até que o buffer no controlador esteja cheio.

• O tempo-limite começa a contar no momento em que o RSLinx Enterprise e o controlador param de se comunicar.

• As mensagens em buffer aparecem apenas no banco de dados de registro do FactoryTalk Alarms and Events uma vez que a conexão seja restabelecida.

• No caso de um evento de “buffer overflowed”, a mensagem de diagnóstico a seguir é armazenada:

Page 128: Apostila FactoryTalk View 1

127 de 304

The Logix controller buffer indicated that the alarm buffer overflowed, possible loss of alarm data occurred while disconnected.

11. Clique em OK em Communication Setup e selecione Yes para confirmar a solicitação se ela for aberta.

Na próxima sessão, você testará sua conexão com o servidor do FactoryTalk Alarm and Events quanto aos alarmes baseados em dispositivos.

Page 129: Apostila FactoryTalk View 1

128 de 304

Usando os objetos do FactoryTalk Alarm and Event

Nesta sessão, você observará todos os objetos do FactoryTalk Alarm and Event tanto em runtime através do SE client quanto em projeto através do FactoryTalk View Studio. O FactoryTalk View Studio e o Client deverão estar abertos.

Resumo de alarme e evento (tela: Alarms)

Use o objeto Resumo de alarme e evento, embutido na tela gráfica do FactoryTalk View, para reconhecer, desabilitar, suprimir, filtrar e classificar os alarmes durante o runtime. É necessário usar o Alarm Status Explorer para remover a supressão de um alarme que foi suprimido.

Runtime: Objeto Resumo de alarme

1. A partir do SE client, clique no botão na tela de navegação.

2. A tela Alarm Summary é aberta.

3. Provavelmente você não verá nenhum alarme exibido, portanto, clique no botão

para gerar.

Seu resumo deve se parecer com o seguinte:

4. Selecione uma linha na lista de resumo para visualizar detalhes sobre o alarme no painel de detalhes.

Page 130: Apostila FactoryTalk View 1

129 de 304

5. Passe o mouse sobre a barra de ferramentas no Resumo para visualizar o que os botões configurados fazem (leia as Tooltips).

Observe também a Barra de status na parte inferior do Resumo. Passe o mouse sobre esses ícones para visualizar que informações eles trazem (leia as Tooltips).

6. Selecione um dos filtros pré-definidos a partir da lista drop-down de filtros

7. Observe que a lista e as contagens são atualizadas no Resumo, exibindo apenas os alarmes filtrados. Observe também que a Barra de status atualiza sua contagem de acordo com o que está sendo exibido.

8. Limpe qualquer filtro selecionado escolhendo (No filter).

9. Selecione uma linha no Resumo e clique no botão de comando executar alarme ou clique duas vezes na linha no Resumo. O Comando FactoryTalk View definido no controlador é executado.

Page 131: Apostila FactoryTalk View 1

130 de 304

Observação: Se o botão estiver cinza, não há comando FactoryTalk View associado ao alarme ou a linha não está selecionada. Selecione uma linha e tente novamente.

Por exemplo, se você clicar duas vezes no alarme CIPValve1, a janela CIP – Valve é exibida.

Sinta-se à vontade para experimentar, clicando em mais botões na barra de ferramenta para ver o que eles fazem. A seguir, usaremos o objeto Resumo em tempo de projeto.

Tempo de projeto: Objeto Resumo de alarme

No FactoryTalk View Studio...

10. A partir do Explorer, clique duas vezes na tela Alarms para abrí-la.

11. Clique duas vezes' no objeto Alarm and Event Summary Design View na tela e Alarm and Event Summary Properties abrirá.

Page 132: Apostila FactoryTalk View 1

131 de 304

Clique duas vezes

Page 133: Apostila FactoryTalk View 1

132 de 304

12. Clique em cada guia para ver todas as propriedades

Alguns pontos importantes:

Aparência � O comando Run Alarm será chamado quando o operador clicar duas vezes em um alarme na

notificação � Os tamanhos e fontes de texto do botão podem ser configurados Colunas � Oculte e exiba colunas � Redimensione as colunas � Reorganize as colunas Barra de ferramentas e Barra de status � Oculte e exibe os botões/painéis � Reorganize os botões/painéis Aprovação de evento � Este objeto Resumo aprovará todos os eventos com qualquer prioridade Exibir filtros � Este objeto de resumo possui filtros pré-configurados. Estes filtros foram pré-configurados

usando o campo Alarm Name configurado para o alarme. Classificação � Configure a ordem de classificação. Estados � Configure as cores de texto e de fundo para os estados do alarme e as prioridades Comportamento � O comando Run Alarm será chamado quando o operador clicar duas vezes em um alarme no

Resumo

13. Sinta-se à vontade para fazer mudanças na configuração na tela AlarmSummary e fazer um Test

Display no Studio. Uma opção é salvar suas alterações e usar o botão na tela de navegação do Cliente para abrir a tela novamente para visualizar suas alterações.

7. Feche a tela Alarms no FactoryTalk View Studio quando terminar.

Resumo de alarme e evento (tela: Alarm Banner)

Use o objeto notificação de alarme e evento, embutido na tela gráfica do FactoryTalk View, para monitorar e responder aos alarmes mais recentes que requeiram atenção imediata.

Page 134: Apostila FactoryTalk View 1

133 de 304

Runtime: Objeto Notificação de alarme

Nesta sessão, vamos usar o objeto Resumo de alarme descrito na sessão anterior para demonstrar as funções do objeto notificação de alarme. Portanto, assim como na sessão anterior…

1. A partir do SE client, clique no botão na tela do rodapé.

2. A tela Alarm Summary é aberta.

3. Clique no botão para gerar alguns alarmes. Pode ser que já haja alguns alarmes.

4. Observe que os alarmes aparecem na Notificação de alarme localizada no cabeçalho de seu cliente, assim como no Resumo de alarme.

5. Agora clique no botão para usar o programa para limpar o status do alarme.

Observe como os alarmes são apagados da Notificação de alarme, mas permanecem ativos no Resumo de alarme até que sejam reconhecidos pelo operador.

Notificação de Alarme

Resumo de Alarme

Page 135: Apostila FactoryTalk View 1

134 de 304

6. A partir da próxima etapa, clique no botão para habilitar os alarmes novamente.

Depois, feche a tela Alarm Summary no Client clicando no botão .

7. Selecione uma linha na Notificação de alarme na tela de cabeçalho e clique duas vezes.

8. Observe que a tela Alarm Summary é inicializada automaticamente. Observe que este comportamento é configurável e será discutido na próxima sessão.

Tempo de projeto: Objeto Notificação de alarme

No FactoryTalk View Studio...

9. A partir do Explorer, clique duas vezes na tela Alarm Banner para abrí-la.

Clique Clique

Page 136: Apostila FactoryTalk View 1

135 de 304

10. Clique duas vezes no objeto Alarm and Event Banner Design View na tela e Alarm and Event Banner Properties abrirá.

11. Clique em cada guia para ver todas as propriedades

Alguns pontos importantes:

General � O comando Alarm and Event Summary será chamado quando o operador clicar duas vezes em

um alarme na Notificação. Por isto o Resumo de alarme apareceu quando você clicou duas vezes na linha de notificação de alarme.

� Os tamanhos e as fontes de texto do botão podem ser configurados Colunas � Oculte e exiba colunas � Redimensione as colunas � Reorganize as colunas Barra de Status � Oculte e exiba painéis � Reorganize os painéis Aprovação de evento � Este objeto de Notificação aprovará todos os eventos com qualquer prioridade Estados � Configure as cores de texto e de fundo para os estados do alarme e as prioridades � Alarmes normais e não reconhecidos não aparecerão na notificação.

Page 137: Apostila FactoryTalk View 1

136 de 304

12. Sinta-se à vontade para fazer mudanças na configuração na tela Alarm Banner e fazer um Test

Display no Studio.

13. Feche a tela Alarm Banner no FactoryTalk View Studio quando terminar.

Log Viewer de alarme e evento (tela: AlarmLogViewer)

Use o objeto Log Viewer de alarme e evento, embutido na tela gráfica do FactoryTalk View, para visualizar e filtrar informações históricas de alarme armazenadas nos bancos de dados Microsoft SQL Server.

Runtime: Objeto Visualizador de registro de alarme

1. A partir do SE client, clique no botão na tela navegação e clique no botão Log Viewer na tela Alarm Summary.

2. A tela AlarmLogViewer abre.

3. Selecione uma linha na lista para visualizar os detalhes sobre o alarme.

4. Passe o mouse sobre a barra de ferramentas no Log Viewer para ver o que os botões configurados fazem.

Tempo de projeto: Objeto Visualizador de registro de alarme

5. A partir do Explorer, clique duas vezes na tela AlarmLogViewer para abrí-la.

6. Clique duas vezes no objeto Alarm and Event Log Viewer na tela e Alarm and Event Log Viewer Properties abrirá.

Page 138: Apostila FactoryTalk View 1

137 de 304

7. Clique em cada guia para ver todas as propriedades

Alguns pontos importantes:

General � O registro deve estar selecionado � As fontes de texto podem ser configuradas Colunas � Oculte e exiba colunas � Redimensione as colunas � Reorganize as colunas Barra de ferramentas � Oculte e exiba botões � Reorganize os botões Exibir filtros � Este objeto Log Viewer pode ter filtros pré-configurados.

Observe que não há uma guia Event Subscription. Esta é uma visualização de histórico do que está no registro (banco de dados).

8. Sinta-se à vontade para fazer mudanças na configuração na tela AlarmLogViewer e fazer um Test

Display no Studio. Uma opção é salvar suas alterações e usar o botão da tela Alarm Summary para visualizar suas alterações.

9. Feche a tela AlarmLogViewer no FactoryTalk View Studio quando terminar.

Clique duas vezes

Page 139: Apostila FactoryTalk View 1

138 de 304

Navegador de status do alarme (tela: AlarmStatusExplorer)

Use o objeto Alarm Status Explorer, embutido em uma tela gráfica FactoryTalk View, para habilitar ou desabilitar alarmes e suprimir ou remover a supressão dos alarmes.

Runtime: Alarm Status Explorer

1. A partir do SE client, clique no botão na tela de rodapé e, então, clique no botão

Status Explorer na tela Alarm Summary. OU clique no ícone

Status Explorer a partir da barra de ferramentas Alarm Summary.

2. A tela AlarmStatusExplorer abre.

3. Passe o mouse sobre a barra de ferramentas no Status Explorer para ver o que os botões configurados fazem.

4. Selecione uma linha na lista e selecione o botão show details for selected alarm na barra de ferramentas. Revise a janela de detalhes quando fechar.

5. Selecione algumas linhas e clique no botão suprimir . Na janela pop-up Suppress Alarm, pressione o botão Suppress para confirmar.

6. Clique em um cabeçalho de coluna para visualizar a lista classificada por essa coluna. Pode ser necessário redimensionar as colunas para visualizar todo o texto.

7. Clique na coluna suprimida até que os alarmes suprimidos apareçam no topo da lista.

8. Selecione todos os alarmes suprimidos e clique no botão remover supressão. Na janela pop-up Unsuppress Alarm pressione o botão Unsuppress para confirmar.

9. Digite ‘*Valve2*’ no campo name para o Alarm source filter e clique no botão Apply Filter .

10. Observe que a lista é filtrada para exibir apenas os alarmes que contêm Valve2 no nome.

Page 140: Apostila FactoryTalk View 1

139 de 304

11. Clique no botão Cancel Filter

12. Observe que a lista exibe todos os alarmes.

Tempo de projeto: Alarm Status Explorer

1. A partir do Explorer, clique duas vezes na tela AlarmStatusExplorer para abrí-la.

2. Clique duas vezes no objeto Alarm Status Explorer na tela. Nada acontece. É necessário clicar com o botão direito no objeto e então selecionar o item Properties… . Agora, Alarm Status Explorer Properties abrirá.

Page 141: Apostila FactoryTalk View 1

140 de 304

3. Como nas etapas anteriores, sinta-se à vontade para fazer mudanças na configuração e realizar um

Test Display ou Salvar suas alterações e Visualizar suas modificações no Client.

4. Feche a tela AlarmStatusExplorer no FactoryTalk View Studio quando terminar.

Page 142: Apostila FactoryTalk View 1

141 de 304

Sobre alarme baseado em dispositivo

Os controladores Logix fornecerão informações de alarme ao FactoryTalk Alarms and Events Services com FactoryTalk View SE 5.0. Duas novas instruções de alarme foram criadas nos Controladores Logix. Estas novas instruções estão disponíveis na linguagem de lógica ladder, de bloco de funções e de texto estruturado de programação.

Alarme digital (ALMD)

Uma alarme digital é configurado para monitorar sua entrada para uma das condições de alarme a seguir:

o O valor de entrada é igual a um

o O valor de entrada é igual a zero

Quando a condição de alarme é verdadeira, o alarme vai para o estado In Alarm . Quando a condição de alarme é falsa, o alarme vai para o estado Normal ou Out of Alarm.

Alarme analógico (ALMA)

Um alarme analógico pode ser configurado para monitorar dois tipos de condições de alarme: Nível e de Taxa de alteração.

Um alarme de Nível monitora uma entrada quanto às condições de alarme In Alarm quando o valor de entrada está acima ou abaixo dos limites pré-definidos. Ao definir um alarme de nível, é possível configurar até quatro condições de nível de alarme, cada uma com seus limites (algumas vezes chamados de limiares), uma severidade e uma mensagem de alarme. As condições de alarme compatíveis são:

o Alto Alto (HIHI)

o Alto (HI)

o Baixo (LO)

o Baixo Baixo (LOLO)

Um alarme de Taxa de alteração monitora uma entrada quanto às condições de alarme In Alarm quando o valor de entrada altera mais rápido ou mais lentamente do que os limites pré-definidos. Ao definir um alarme de nível, é possível configurar até duas taxas de condição de mudança, cada uma com seus limites, uma severidade e uma mensagem de alarme. As condições de alarme compatíveis são:

o Taxa de alteração positiva (ROC_POS)

o Taxa de alteração negativa (ROC_NEG)

Opções de configuração

Vamos observar algumas das opções de configuração e como elas estão relacionadas ao IHM. É possível fazer qualquer alteração em uma instrução de alarme enquanto o controlador está em

Page 143: Apostila FactoryTalk View 1

142 de 304

execução. As alterações são executadas imediatamente e são exibidas nos objetos FactoryTalk Alarms and Events da próxima vez que o alarme mudar de estado.

Page 144: Apostila FactoryTalk View 1

143 de 304

Severidade

O valor de severidade pode variar de 1 a 1000, para indicar diferentes níveis de importância. As severidades dos alarmes são valores inteiros, onde 1 é o menos severo e 1000 é o mais severo. Por exemplo, um alarme de nível pode ser configurado com o condicionamento de nível HI usando uma severidade de 750 para alertar que um tanque tem 80% da sua capacidade preenchida com líquidos, sendo que a condição de nível HIHI pode usar uma severidade de 900 para indicar que o líquido está prestes a derramar do tanque.

Uma vez que trabalhar com 1000 severidades de alarme diferentes pode ser lento e complicado, faixas de severidades de alarme são mapeadas para uma das quatro (Baixa, Média, Alta, Urgente) prioridades de alarme pelo sistema FactoryTalk Alarms and Events.

Duração mínima

A Duração mínima especifica a quantidade mínima de tempo que a condição de alarme deve ser verdadeira (a Entrada =1 neste caso) antes da condição de alarme ir para In Alarm. Esta configuração é usada para minimizar alarmes falsos.

Tags associados

Em muitos casos é útil ter informações de processo adicionais associadas ao alarme. Quando um alarme é definido, é possível associar até quatro tags ao alarme. Em runtime, os valores de tag são registrados no Registro de histórico de alarme e evento e também podem ser exibidos no Resumo de alarme e evento ou no Log Viewer de alarme e evento, além de serem embutidos nas mensagens de alarme. O conteúdo do Log Viewer de alarme e evento pode ser filtrado com base no valor de um tag associado.

Classe de alarme

Para ajudar a agrupar os alarmes, você pode classificar alarmes que se relacionam entre si de modo que não incluam severidade ou prioridade. Por exemplo, você pode agrupar alarmes por função, como aqueles que monitoram válvulas que falham ao abrir ou fechar, pressão, temperatura, execução de dispositivo ou níveis de tanque. A classe de alarme é um grupo de texto de até 40 caracteres que inseridos na configuração de um alarme.

Em runtime, o valor da classe de alarme é registrado no Registro de histórico de alarme e evento e também podem ser exibido no Resumo de alarme e evento ou no Log Viewer de alarme e evento. O conteúdo do Resumo de alarme e evento ou do Log Viewer de alarme e evento também pode ser filtrado com base no valor da classe de alarme.

Comando FactoryTalk View

Page 145: Apostila FactoryTalk View 1

144 de 304

É possível associar um comando FactoryTalk View de até 1000 caracteres a qualquer alarme. O comando é executado a partir do Resumo de alarme e evento ou da Notificação de alarme e evento quando o operador seleciona um alarme e clica em um botão. O Resumo e a Notificação também podem ser configurados para executar o comando quando o operador clica duas vezes no alarme na lista. Um uso comum do comando FactoryTalk View é exibir uma tela que mostra as características gerais do dispositivo relacionado ao alarme.

Page 146: Apostila FactoryTalk View 1

145 de 304

Vamos observar os alarmes configurados no Logix 5000

Para observar os alarmes configurados para este laboratório, faça o seguinte.

Abrir o RSLogix 5000

1. Selecione o atalho InstantFizz_Controller.ACD no menu Start

Ou clique duas vezes em InstantFizz_Controller.ACD a partir de C:\InstantFizz - Lab Files\RSLogix 5000

2. Entre em comunicação com o controlador selecionando o item de menu Communications > Go

Online.

3. Se a caixa de diálogo Connected To Go Online aparecer, selecione o botão Upload .

4. Navegue até a rotina MainTask se ainda não estiver lá (clique duas vezes para abrir) e selecione a subrotina Alarms..

Page 147: Apostila FactoryTalk View 1

146 de 304

Visualizar alarmes digitais

5. Observe as instruções ALMD. Clique no botão próximo a ALMDs para abrir as páginas de propriedade.

6. Observe as propriedades Configuration da instrução ALMD selecionada.

7. Feche a caixa de diálogo quando terminar.

Page 148: Apostila FactoryTalk View 1

147 de 304

Visualizar os alarmes analógicos

8. Vá para a linha 4 da lógica ladder e observe a instrução ALMA. Clique no botão próximo ao nome do alarme para abrir as páginas de propriedade.

9. Observe as propriedades Configuration para a instrução ALMA selecionada

Observe que o nível de entrada Low Limit não está habilitado.

Page 149: Apostila FactoryTalk View 1

148 de 304

10. Volte para seu SE Client temporariamente e tente simular o alarme LO Limit para a Temperatura do motor a partir da tela Alarm Summary.

Você verá que nada acontece.

11. Retorne à ALMA Properties no RSLogix5000. Habilitar o Low Limit para o MotorOverheatAlarm

12. Clique na guia Messages e configure uma mensagem para o Limite inferior.

Page 150: Apostila FactoryTalk View 1

149 de 304

Dica: Você pode clicar no botão para ajudá-lo a compor a mensagem usando variável em runtime.

13. Quando acabar de criar sua mensagem, clique em OK e Apply para carregar suas alterações de configuração para o servidor Alarm and Events.

14. Feche a caixa de diálogo ALMA Properties quando acabar.

15. Novamente, volte para seu SE Client temporariamente e tente simular o alarme LO Limit para a Temperatura do motor a partir da tela Alarm Summary.

Adivinha o que acontece? Agora você visualiza o alarme com a mensagem que configurou!

16. Retorne ao RSLogix 5000.

Criar seu próprio alarme baseado em dispositivo no RSLogix5000

1. Enquanto estiver on-line com seu controlador no RSLogix 5000 e observando as Subrotinas de alarmes da sessão anterior, clique duas vezes em (End) ladder rung para criar uma nova linha.

2. Clique na nova linha para destacá-la, depois, selecione uma instrução Examine On na guia Favorites na barra de ferramentas Instruction.

Sua linha se parecerá com esta:

Page 151: Apostila FactoryTalk View 1

150 de 304

Selecione a instrução ALMD da guia Alarms na barra de ferramentas Instruction.

Sua linha deverá se parecer com esta:

3. Clique duas vezes em ? da instrução Examine On e digite CIPAlarmTrigger[31] ou use o navegador de tag para encontrá-la.

4. Clique duas vezes em ? da instrução ALMD

e digite MyALMD. Clique com o botão direito e selecione New “MyALMD”

Page 152: Apostila FactoryTalk View 1

151 de 304

Clique em OK para aceitar a declaração de tag padrão.

5. Preencha os parâmetros ProgAck, ProgReset, ProgDisable, ProgEnable das instruções digitando o seguinte:

6. Clique em … próximo ao nome do alarme para abrir as páginas de propriedade e digite uma mensagem para a instrução.

Clique em OK para fechar as páginas de propriedade. Sua linha deverá se parecer com esta:

Page 153: Apostila FactoryTalk View 1

152 de 304

7. Clique no botão para finalizar todas as edições que fez no programa e para descarregá-las no seu controlador. Clique em Yes na janela pop-up de confirmação.

8. Clique com o botão direito no bit CIPAlarmTrigger[31] e selecione Toggle Bit para disparar seu novo alarme.

Page 154: Apostila FactoryTalk View 1

153 de 304

9. Volte para seu SE Client temporariamente e verá seu novo alarme exibido em Resumo de alarme!

Criar alarmes baseados em tag

Os alarmes baseados em tag FactoryTalk são configurados pela especificação de condições de alarme para tags em dispositivos que não possuem detecção de alarme incorporada. Use os alarmes baseados em tag para incluir estes dispositivos em um sistema FactoryTalk Alarms and Events integrado.

É possível configurar alarmes baseados em tag para tags em controladores programáveis mais antigos (CLP-5 ou SLC 500), para tags em dispositivos de terceiros que se comunicam através dos servidores de dados OPC ou para tags IHM em um banco de dados de tags do servidor IHM).

É possível também configurar alarmes baseados em tag para controladores Logix5000 que são compatíveis com alarmes baseados em dispositivos, se preferir não configurar uma detecção de alarme incorporada. O FactoryTalk View SE Clients recebe os dados de alarmes baseados em dispositivos por meio do Tag Alarm and Event Servers criado para uma aplicação FactoryTalk View SE.

Configurar o servidor de alarmes e eventos por tag

1. A partir do Explorer, clique com o botão direito em Area1 e selecione o item de menu de contexto Add New Server > Tag Alarm and Event Server… .

2. Na guia General da página Tag Alarm and Event Server Properties digite ‘FTAETagServer’ no nome.

Page 155: Apostila FactoryTalk View 1

154 de 304

3. Clique na guia Priorities and History, mantenha as configurações padrões:

Observe que o histórico está sendo armazenado em inglês e os alarmes de tag serão armazenados no mesmo banco de dados dos alarmes baseados em dispositivo.

4. Clique no botão OK

5. Os alarmes baseados em tag podem ser criados e configurados com o Editor Alarm and Event Setup. Clique duas vezes no ícone Alarm and Event Setup, expandindo primeiro o FTAETagServer no Explorer.

6. O Alarm and Event Setup Editor abrirá. Observe que não há alarmes. Você usará a importação para criar alarmes.

7. Feche o Alarms and Events Setup Editor.

Page 156: Apostila FactoryTalk View 1

155 de 304

Importar alarmes e eventos baseados em tag

8. Clique com o botão direito em FTAETagServer e selecione Import and Export

9. O Assistente Alarm Import Export Wizard aparecerá. Selecione Import alarm configuration from Excel file.

Clique em Next.

10. Especifique o arquivo a ser importado.

C:\InstantFizz - Lab Files\Alarm and Events \InstantFizz_Area1_TagFTAEServer_AlarmExport.xls Clique em Next.

11. Selecione o método de importação apropriado.

Clique em Finish.

Page 157: Apostila FactoryTalk View 1

156 de 304

12. A importação começará e quando terminar, você verá o seguinte:

Clique em OK.

13. Clique duas vezes no ícone Alarm and Event Setup em Alarm and Event Tag Server no Explorer.

Você deverá visualizar os alarmes na configuração.

14. Em Alarm and Event Setup, clique nas guias e observe o conteúdo para familiarizar-se com a configuração de controle. Quando os tags de entrada listados acima são disparados, você verá estes alarmes no mesmo Resumo de alarme que exibe as instruções de alarme baseado em dispositivo discutidas na sessão anterior.

15. Se desejar, é possível simular um destes alarmes encontrando o Tag de entrada no RSLogix5000 e definindo-o como 1. Por exemplo, configurando o tag AlarmLabelJam no controlador em 1:

Page 158: Apostila FactoryTalk View 1

157 de 304

Exibição na Notificação de alarme do cliente em execução:

Page 159: Apostila FactoryTalk View 1

158 de 304

Criar seu próprio alarme baseado em tag

1. Os alarmes baseados em tag podem ser criados e configurados com o Editor Alarm and Event Setup. Clique duas vezes no ícone Alarm and Event Setup em Alarm and Event Tag Server no Explorer.

2. O Alarm and Event Setup Editor abrirá. Clique na guia Digital e selecione o ícone New Alarm.

3. Quando o painel Digital Alarm Properties aparecer, preencha-o como abaixo:

Page 160: Apostila FactoryTalk View 1

159 de 304

Clique em OK.

4. Salve o Alarm and Event setup e seu novo alarme será automaticamente descarregado para o Alarm and Events Server.

Terminamos!

5. Feche a janela Alarm and Event Setup .

6. Se desejar, é possível simular este novo alarme configurando o tag do controlador AlarmFillerConvJam como 1 no RSLogix5000. Você deverá visualizar o novo alarme no Resumo de alarme do seu SE client.

Page 161: Apostila FactoryTalk View 1

160 de 304

Sessão 6: Objetos globais (necessário)

Sobre esta sessão Nesta sessão, você aprenderá sobre:

� Objetos globais

� Criar objetos de referência em uma tela e visualizar a tela

� Usar os Parâmetros de objeto global

� Fazer referência às propriedades do objeto

� Modificar um objeto global e visualizar as alterações em uma tela

� Projetar recomendações para trabalho com objetos globais

Sobre objetos globais

Os objetos globais FactoryTalk View permitem vincular a aparência e o comportamento de um objeto gráfico a várias referências daquele objeto na mesma aplicação.

Os objetos globais são criados em telas de objeto global. No FactoryTalk View Studio, você cria telas de objeto global na pasta Global Objects, do mesmo modo que você telas gráficas padrões na pasta Displays.

As alterações feitas no objeto base são refletidas em todos os objetos de referência vinculados a ele da próxima vez que uma tela contendo os objetos de referência for aberta ou atualizada fechando e reabrindo os objetos.

Parâmetros de objeto global

Os parâmetros de objeto global permitem personalizar cada ocorrência de objeto global com um tag específico para essa ocorrência sem ter que remover o link dos tags e expressões do objeto base. Isto significa que cada objeto de referência pode ter uma única fonte de dados e ainda poder ser atualizado com as mudanças nos outros aspectos do objeto global de base.

A transferência de parâmetro é dinâmica, o que significa que ela acontece em runtime no cliente. Os parâmetros de objeto global são uma alternativa para usar a transferência de parâmetro durante o período de projeto.

Criar objetos de referência

Nesta sessão do laboratório, você usará um objeto global pré-criado e adicionará um objeto de referência em uma tela. Você usará os valores de parâmetro para especificar quais tags deseja visualizar e animar. Depois, então, executará o cliente para testar seu trabalho.

Page 162: Apostila FactoryTalk View 1

161 de 304

Adicionar telas de objeto global pré-criado.

1. A partir da janela do Explorer, adicione uma tela de objeto global pré-criado – Clique com o botão direito em Global Objects, selecione o item de menu de contexto Add Component Into Application…. .

2. Navegue até C:\InstantFizz - Lab Files\Global Objects, selecione o arquivo CIPComponents.ggfx e clique em Open.

3. Abra o objeto global CIPComponents - Expanda a pasta Global Objects no Explorer, clique

duas vezes em CIPComponents

4. Clique com o botão direito no objeto global Tanque e selecione “Global Object Parameter Definitions”

Tela de objeto global CIPComponents

Page 163: Apostila FactoryTalk View 1

162 de 304

5. Revise as definições de parâmetro do objeto global para o objeto global Tanque.

Os parâmetros do objeto global são definidos em objetos de base nas telas de objeto global. Eles permitem personalizar cada ocorrência de objeto global com um tag específico para essa ocorrência sem ter que remover o link dos tags e expressões do objeto base.

Ao copiar um objeto global da tela objeto global em uma tela padrão da pasta Graphics, é possível atribuir valores aos parâmetros globais no objeto de referência resultante.

Clique com o botão direito no objeto global Tanque e selecione “Global Object Parameter Definitions”

Page 164: Apostila FactoryTalk View 1

163 de 304

Os parâmetros marcadores podem ser usados em qualquer objeto contido na tela de objeto global, mas as Definições de parâmetro de objeto global são atribuídas ao grupo de nível superior.

6. Abra a tela CIP – Overview. Expanda a pasta Displays no Explorer e clique duas vezes em CIP Overview

7. Crie um objeto de referência na tela CIP – Overview. Clique uma vez no objeto global Tanque

(em CIPComponents) para selecionar, arraste-o e solte-o no local do tanque da tela CIP – Overview . Pode ser necessário trazer a tela CIPComponents para frente (clicando duas vezes em CIPComponents em Global Objects novamente) de forma que ela não seja encoberta pela tela CIP – Overview.

Definimos os parâmetros #1 - #5 e fornecemos uma descrição de cada um.

Clique em OK para fechar.

Page 165: Apostila FactoryTalk View 1

164 de 304

8. Mova o texto Sanitizer para cima do tanque para indicar o que este tanque representa. Siga as etapas a-b.

Arraste e solte o tanque da tela global objects na tela CIP –Overview . Posicione o objeto no local exibido.

a. Clique com o botão direito no texto Sanitizer, selecione Arrange > Bring to Front.

b. Mova o texto sobre o tanque.

Page 166: Apostila FactoryTalk View 1

165 de 304

9. O objeto de referência que acaba de ser adicionado deverá ter a aparência a seguir:

10. Feche o objeto global CIPComponents .

11. Abra a caixa de diálogo Global Object Parameters no objeto de referência. Clique com o botão direito no objeto de referência e selecione o menu Global Object Parameter Values.

Clique com o botão direito no objeto de referência e selecione o item de menu de contexto Global Object Parameter Values.

Page 167: Apostila FactoryTalk View 1

166 de 304

A caixa de diálogo Global Object Parameter Values abre. Observe que há uma descrição para os parâmetros #1 a #5. Você navegará por vários tags.

12. Atribua tags para #1. Clique no botão … sob a coluna Tag para #1. Quando o Navegador de Tag abrir, navegue até {/Area1/DataServer1::[Shortcut]CIPFilling[3]}

Page 168: Apostila FactoryTalk View 1

167 de 304

Clique no botão OK

13. Repita a etapa acima para #2 - #5 usando os tags abaixo.

Name Tag Description

#2 {/Area1/DataServer1::[Shortcut]CIPTimer[3].ACC} O valor do líquido no tanque enquanto ele é preenchido.

#3 {/Area1/DataServer1::[Shortcut]Program:Main.TempCalc[3]} O valor do líquido no tanque enquanto ele é esvaziado.

#4 {/Area1/DataServer1::[Shortcut]CIPTankColour[3]} Cor do tanque

#5 {/Area1/DataServer1::[Shortcut]CIPActive} CIP ativo

14. Clique no botão OK na caixa de diálogo Global Object Parameter Values.

É possível usar o modo de tela de teste para testar os objetos globais. No entanto, este objeto global usa marcadores de parâmetros e independente de configurarmos os valores, eles são ignorados. Lembre-se que nem todos os comandos FactoryTalk View funcionam no modo de leitura de teste e os marcadores de parâmetro são ignorados.

15. Feche a tela CIP – Overview e salve.

Tela de teste

Agora teremos que testar a tela no cliente.

1. Vá para o arquivo Cliente em execução. Se o cliente não estiver executando, inicie-o pelo Studio.

A caixa de diálogo Global Object Parameter Values preenchida deverá ter a aparência a seguir.

Clique no ícone Launch SE Client .

Page 169: Apostila FactoryTalk View 1

168 de 304

Navegue até C:\InstantFizz – Lab Files\ClientFile_DockedDisplays.cli e clique em OK.

2. Clique no botão CIP na barra de navegação.

3. O que acontece? A tela CIP - Overview deve ser aberta e você deverá visualizar os valores e as animações para todos os tanques. Cada um dos tanques é um objeto de referência para o objeto global Tanque. Atribuímos valores de parâmetro de objeto global exclusivos para cada tanque, resultando em diferentes cores, valores de preenchimento e dados para cada tanque.

4. Para visualizar a animação em ação, pressione o botão CIP – Repeat Cycle.

Fazer referência às propriedades do objeto

O objeto de referência possui uma propriedade LinkBaseObject que especifica o nome e a localização do objeto base ao qual o objeto de referência está vinculado. Não é possível modificar a propriedade LinkBaseObject. Se a tela de objeto global ou o objeto de base especificado não existir, o objeto de referência aparecerá com o contorno vermelho, com uma cruz vermelha em um fundo branco.

Uma vez que exista o objeto de referência, não é possível alterar o nome do objeto facilmente no objeto de base. Aparecerá uma mensagem de advertência ao tentar renomear um objeto de base. Se acidentalmente você realizar uma mudança de nome ou se excluir um objeto de base, ele pode ser

Page 170: Apostila FactoryTalk View 1

169 de 304

restaurado. Para restaurar o objeto de referência, é necessário recriar o objeto global de base com o mesmo nome, na mesma tela de objeto global a fim de permitir que os objetos de referência funcionem novamente.

Um objeto de referência possui propriedades que o vinculam ao objeto de base. Quando um objeto de referência é criado, os padrões do objeto global são usados para configurar como o objeto de referência será vinculado ao objeto de base. Estas propriedades podem ser modificadas após o objeto ser criado. É possível escolher entre remover o link com o objeto de base após o objeto de referência ser criado. Se remover o link, o objeto se tornará um objeto gráfico e não fará mais referência com o objeto de base.

Os valores das propriedades do link determinam se os aspectos de aparência e comportamento do objeto de referência são definidos pelo objeto de base ou pelo próprio objeto de referência.

LinkAnimation

A propriedade LinkAnimation determina se o objeto de referência usa a configuração de animação para seu objeto de base.

Configure a propriedade LinkAnimation do objeto de referência selecionando:

� link com expressões para usar a animação, incluindo expressões, configuração para o objeto de base.

� link sem expressões para usar a animação, excluindo expressões, configuração para o objeto de base. Isto significa que é possível configurar as expressões para o objeto de referência separadamente.

� Não faça o link da configuração da animação e expressões para o objeto de referência separadamente.

Para um objeto de botão pulsador, a propriedade LinkAnimation determina se o objeto de referência usa as ações de configuração pressionar, liberar ou repetir para o objeto de base. Isto é verdade se você selecionar Link with expressions ou Link without expressions.

LinkConnections

A propriedade LinkConnections determina se o objeto de referência usa a configuração de conexões para seu objeto de base.

Configure a propriedade LinkConnections do objeto de referência selecionando:

� True, para usar as conexões atribuídas ao objeto de base.

� False, para configurar as conexões para o objeto de referência separadamente.

No FactoryTalk View Site Edition, um objeto de referência que é um rótulo de tag, tendência ou um botão pulsador com uma ação que não seja Comando, usa sempre as conexões atribuídas a seu objeto de base. Não é possível configurar conexões para estes objetos de referência separadamente.

LinkSize

A propriedade LinkSize determina se o objeto de referência usa a configuração de altura e largura para seu objeto de base.

Page 171: Apostila FactoryTalk View 1

170 de 304

Configure a propriedade LinkSize do objeto de referência selecionando:

� True, para usar a configuração de altura e largura para o objeto de base.

� False, para configurar a altura e largura do objeto de referência separadamente.

Se você tentar redimensionar o objeto de referência com sua propriedade LinkSize configurada como True, o objeto retornará ao seu tamanho original.

Vamos ver os Padrões de objeto global

1. Abra qualquer tela e, então, a partir do Explorer, selecione o item de menu Edit > Global Object Defaults .

Estas são as configurações padrões.

Configurações padrões de objeto global

Os padrões de objeto global estão nesse momento configurados para fazer o Link com expressões para as propriedades LinkAnimation e em true para LinkConnections. Eles mudaram porque os Parâmetros objeto global permitem usar marcadores nas conexões e expressões. Isto significa que cada objeto de referência pode ter uma única fonte de dados e, mesmo assim, ainda pode ser atualizado com as mudanças nos outros aspectos do objeto global de base.

Todos os objetos de referência nesta aplicação foram criados com estes padrões. Isto significa que qualquer mudança feita na animação, conexão ou tamanho do objeto de base refletirá no objeto de referência.

Page 172: Apostila FactoryTalk View 1

171 de 304

2. Clique no botão Cancel para fechar a caixa de diálogo Global Object Defaults.

Veja as Propriedades de referência

1. A partir do Explorer, abra a tela CIP – Overview que acabamos de modificar.

2. Abra o Property Panel

3. Observe as propriedades do objeto de referência.

Clique com o botão direito no nosso tanque Sanitizer e selecione Property Panel.

Page 173: Apostila FactoryTalk View 1

172 de 304

4. Feche a caixa de diálogo quando terminar.

Modificar um objeto global

O que acontece quando você acha que sua aplicação está pronta e então uma modificação é solicitada? A modificação pode adicionar um novo item à tela ou alterar as cores em uma animação. Os objetos globais permitem fazer a mudança no objeto de base e os objetos de referência herdarão a mudança. Isto torna a manutenção da aplicação muito mais fácil.

Você modificará o objeto global CIPComponents.

Modificar o texto

Mudaremos a cor do texto que é usada várias vezes na tela CIP Overview. Ao invés de alterar a propriedade da cor várias vezes para cada referência, mudaremos apenas uma vez no objeto de base e todo objeto de referência refletirá a mudança.

1. A partir do Explorer, abra o CIPComponents Global Object

Reference object Properties – é possível visualizar o Global Object display name e base object name, ao qual este objeto de referência está vinculado.

Page 174: Apostila FactoryTalk View 1

173 de 304

2. Abra o Object Explorer, selecionando o item de menu View > Object Explorer .

3. Encontre o objeto Text1 no Object Explorer.

4. Clique duas vezes em Text1 para abrir a caixa de diálogo Text Properties.

Page 175: Apostila FactoryTalk View 1

174 de 304

5. Clique no botão OK.

6. Salve o objeto global.

7. Vá para o Cliente em execução.

8. Clique no botão Close CIP no canto superior direito

9. Clique no botão CIP na barra de navegação

Após abrir as propriedades de Text1, mude Fore Color do texto para VERMELHO.

Page 176: Apostila FactoryTalk View 1

175 de 304

10. Observe que quatro objetos de referência foram modificados

Portanto, fizemos a mudança em 1 local, o objeto de base e 4 objetos de referência refletem agora a mudança. A mudança na etiqueta de texto é atualizada em todos os objetos de referência independente de como as propriedades do link foram configuradas.

Page 177: Apostila FactoryTalk View 1

176 de 304

Sessão 7: Segurança (opcional)

Sobre esta sessão Nesta sessão, você aprenderá:

� Segurança

� Criar um usuário e um grupo de usuários

� Configurar segurança de ação

� Configurar segurança em runtime - atribuindo códigos de segurança (A - P)

o Usuários e Grupos de usuários

o Comandos

o Configurações de tela

� Verificar as configurações de segurança

Sobre Segurança

Para os produtos FactoryTalk como o FactoryTalk View SE, o FactoryTalk Directory armazena informações sobre quais usuários estão autorizados a ter acesso às partes de um sistema de controle.

O FactoryTalk Security usa estas informações para fornecer dois serviços básicos:

� A autenticação do usuário verifica a identidade do usuário e se uma solicitação para serviço partiu realmente desse usuário.

� A autorização do usuário verifica a solicitação do usuário para acessar um recurso de software, com base nos direitos de acesso e privilégios definidos para esse usuário.

Por exemplo, quando um usuário de uma aplicação em rede FactoryTalk View SE se conecta ao FactoryTalk View Studio, os serviços do FactoryTalk Security verificam primeiro a identidade do usuário.

Se a autenticação for bem-sucedida, os serviços de segurança verificam as permissões atribuídas ao usuário para autorizar as ações realizadas nas partes protegidas da aplicação.

Em uma aplicação em rede, os serviços de segurança verificam também se o usuário tem permissão para realizar estas ações autorizadas deste computador (máquina) em que o usuário está autenticado.

Além disso, os serviços FactoryTalk Security gerenciam as políticas gerais de todo o sistema, como qual a frequência que os usuários devem alterar suas senhas ou se os usuários podem fazer back up e restaurar aplicações.

O sistema de segurança é extremamente potente. Algumas considerações em particular:

� É possível forçar a segurança por “campo de visão”, restringindo os operadores a computadores específicos que estão dentro do campo visual da máquina ou processo.

� A herança permite definir os níveis básicos de acesso para um amplo conjunto de usuários em um sistema habilitado pelo FactoryTalk. É possível então refinar as configurações de segurança

Page 178: Apostila FactoryTalk View 1

177 de 304

para usuários selecionados, de acordo com a necessidade, sobrepondo permissões herdadas de recursos de nível mais baixo.

� Em uma aplicação FactoryTalk View Site Edition, um servidor IHM herda sempre as permissões atribuídas à área na qual ele reside. Não é possível configurar acesso a um servidor IHM separadamente.

� É possível negar explicitamente os direitos de determinados usuários de todos os computadores ou de computadores específicos. Ao selecionar a caixa “Deny” para uma ação, a negação de permissão é feita explicitamente. A negação sempre terá prioridade sobre a permissão.

� Se um usuário pertence a dois grupos diferentes e um grupo está autorizado a excluir(“deletar”) aplicações porém esta permissão é negada explicitamente ao outro grupo, então o usuário não estará autorizado a excluir(“deletar”) aplicações.

Segurança

Após a instalação do software FactoryTalk View SE, a conta All Users é automaticamente adicionada à lista de Segurança em runtime e habilitada a permissão para todos os códigos de segurança em runtime . Isto dá ao usuário do FactoryTalk View SE Client permissão para executar uma aplicação cliente, abrir telas, gravar tags e executar comandos e macros.

Em um sistema FactoryTalk protegido, você deve remover a conta All Users, adicionar usuários à lista de Segurança em runtime e, então, conceder as permissões de segurança necessárias para executar uma aplicação aos usuários.

Após o software FactoryTalk View SE ser instalado, todos os usuários têm acesso inicial total à rede e a aplicações locais no computador. Não é necessário fazer log on, para executar o FactoryTalk View Studio, o FactoryTalk View SE Administration Console ou o FactoryTalk View SE Client. O usuário Windows atual está automaticamente conectado ao FactoryTalk View SE. No entanto, é necessário fazer o log on e log off para alterar usuários ou para ter acesso às partes protegidas do sistema FactoryTalk.

FactoryTalk View Runtime Security

O FactoryTalk View Runtime Security gerencia a segurança em tempo de execução dos componentes de um projeto IHM, incluindo os comandos e macros FactoryTalk View, as telas gráficas, os objetos OLE e os tags IHM. No FactoryTalk View Studio, é possível proteger o acesso aos componentes de um projeto IHM atribuindo códigos de segurança (A - P) aos usuários e grupos de usuários (no editor Runtime Security); para comandos e macros (no editor Runtime Secured Commands), para telas gráficas e animação de objeto OLE (no Editor Gráfico), e para os tags IHM (no Editor de Tags).

Antes de você começar a atribuir códigos de segurança FactoryTalk View aos usuários e grupos de usuários, é necessário criá-las no FactoryTalk Security e, então, adicioná-las ao editor Runtime Security.

Criar um usuário e um grupo de usuário

Ao configurar a segurança para uma aplicação FactoryTalk View, primeiramente recomenda-se criar contas de grupo e configurar as permissões de acesso para elas. O uso de contas de grupo facilita atribuir e gerenciar permissões para vários usuários com necessidades de segurança semelhantes. Ao invés de atribuir permissões a cada usuário no sistema, é possível criar contas para novos usuários e, então, adicionar os usuários aos grupos apropriados.

Page 179: Apostila FactoryTalk View 1

178 de 304

Você irá criar um novo usuário e grupo de usuário e atribuirá o usuário a um grupo de usuário. Comece no FactoryTalk View Studio.

1. A partir do Explorer, expanda a pasta Users and Groups.

2. Clique com o botão direito na pasta User Group, selecione o item New > User Group… .

3. A caixa de diálogo New User Group abrirá.

4. Digite ‘Operators’ no campo Name

5. Clique no botão

6. A caixa de diálogo Select User or Group abrirá. Selecione Show users only e clique no item de menu Create New > User… .

Page 180: Apostila FactoryTalk View 1

179 de 304

7. A caixa de diálogo New User abrirá. Digite ‘CIPOperator’ para user name, marque user cannot change password, marque password never expires e digite ‘password’ para password. Siga as etapas a-f para configurar.

8. Confirme os campos. Clique no botão Create.

9. Você retornará à caixa de diálogo Select User or Group.

Selecione CIPOperator e clique no botão .

10. Você retornará à caixa de diálogo New User Group. CIPOperator deve estar na lista Members:

a. Digite ‘CIPOperator’ para user name.

b. Selecione User cannot change password

c. Selecione Password never expires

d. Digite ‘password’.

e. Digite ‘password’.

f. Clique no botão Create

Page 181: Apostila FactoryTalk View 1

180 de 304

11. Clique no botão Create.

12. Operators aparecerá em User Groups e CIPOperator aparecerá em Users no Explorer.

Configurar segurança de ação

Ao configurar a segurança, é possível especificar quais ações um usuário ou grupo pode desempenhar nos recursos de seu sistema enquanto trabalham em um computador específico ou grupo de computadores. Em um FactoryTalk Local Directory, as ações somente podem ser realizadas a partir do computador local — o FactoryTalk Local Directory não contém nenhuma conta de computador.

Ação Uma atividade organizada realizada em um recurso a fim de atingir um objetivo. Ações são agrupadas em categorias. Além de um conjunto de ações comuns que se aplicam à maioria dos produtos FactoryTalk, cada produto também pode incluir seu próprio conjunto de ações. Para informações sobre estas ações, consulte a Ajuda do produto FactoryTalk.

Recursos Os objetos no sistema FactoryTalk para os quais ações podem ser protegidas. Cada produto FactoryTalk define seu próprio conjunto de recursos. Por exemplo, alguns produtos podem permitir que você configure a segurança para recursos como servidores em uma área. Outros produtos podem permitir que se configure a segurança para os controladores lógicos e outros dispositivos. O FactoryTalk Administration Console permite a você configurar a segurança para a pasta System e seu conteúdo, aplicações, áreas e muitos outros itens. Não confunda recursos com grupo de recursos: grupo de recursos permite agrupar hardware de controle representado nas árvores de Redes e de Equipamentos e, então, configurar a segurança para o grupo em uma etapa.

Vamos especificar que nossos operadores não podem executar determinadas ações de alarme.

1. A partir do Explorer, Clique com o botão direito em InstantFizz e selecione o item Security…

Page 182: Apostila FactoryTalk View 1

181 de 304

2. A caixa de diálogo Security Settings for InstantFizz aparece. Clique no botão Add.

3. A caixa de diálogo Select User or Computer aparece. Selecione Operators e clique no botão OK.

Em Security settings for InstantFizz, clique no botão Add .

Page 183: Apostila FactoryTalk View 1

182 de 304

4. Com o grupo Operators selecionado, expanda a ação Alarming, marque a caixa Deny próxima a Alarming e depois marque a caixa Allow próxima a Acknowledge. Você está autorizando os operadores apenas a reconhecer os alarmes do FactoryTalk Alarm and Events. Eles não podem realizar outras ações.

Page 184: Apostila FactoryTalk View 1

183 de 304

Sua caixa de diálogo se parecerá com esta:

5. Clique no botão OK. Quando esta mensagem surgir,

selecione o botão Yes .

6. A caixa de diálogo Security Settings para InstantFizz fecha.

Page 185: Apostila FactoryTalk View 1

184 de 304

Configurar segurança em runtime

Após criar usuários e grupos de usuários no FactoryTalk Security, adicione-os à lista de contas de segurança no editor Runtime Security no FactoryTalk View SE. Ao adicionar uma conta, você também atribui os códigos de segurança que permitirão o acesso aos componentes IHM protegidos. (Os componentes IHM protegidos são os que receberam códigos de segurança.)

Estes códigos (A a P), juntamente com os atribuídos aos componentes de projeto IHM, determinam a quais componentes um usuário possui acesso em runtime.

Para restringir acesso a um comando, macro, tela gráfica, palavra de objeto OLE ou tag IHM, você atribui um código de segurança de A a P e, então, atribui esse código apenas aos usuários que deverão ter acesso a este componente.

Atribuir códigos de segurança a usuários e grupos de usuários

1. Clique duas vezes no ícone Runtime Security no Explorer

Ou Selecione o item de menu Settings > Runtime Security…. .

Page 186: Apostila FactoryTalk View 1

185 de 304

2. A caixa de diálogo Runtime Security abre.

3. Clique no botão Security Accounts… .

4. A caixa de diálogo Security Settings for InstantFizz abre.

5. Selecione o botão Add.

6. A caixa de diálogo Select User and Computer abre.

7. Selecione Operators e clique no botão OK.

8. A caixa de diálogo Select User and Group fecha e o grupo Operators é adicionado à lista de Usuários. Com Operators destacado, expanda as ações FactoryTalk View Security Codes. Selecione a caixa Deny para A. Suas configurações se parecerão com esta:

Page 187: Apostila FactoryTalk View 1

186 de 304

9. Clique no botão OK.

10. Quando solicitado

Selecione o botão Yes .

11. Selecione o botão Close na caixa de diálogo Runtime Security.

12. Quando surgir a mensagem “Save changes to document?” selecione o botão Yes.

13. A caixa de diálogo Runtime Security fecha.

Page 188: Apostila FactoryTalk View 1

187 de 304

Atribuir códigos de segurança aos comandos

A segurança pode ser atribuída a comandos para limitar quem pode executá-los.

1. Selecione o item de menu Settings > Runtime Secured Commands… .

2. A caixa de diálogo Runtime Secured Commands abre. Expanda a janela para visualizar todos os campos.

3. Clique em uma célula na linha 2 para selecioná-la.

4. Clique no botão … próximo ao campo Command .

5. O assistente Command Wizard abre.

6. Observe todos os comandos que podem receber códigos de segurança. Selecione o comando DisplayClientClose da pasta Logic and Control > Display Client e clique em Finish.

Page 189: Apostila FactoryTalk View 1

188 de 304

7. Observe a lista drop-down Security Code que pode ser usada para atribuir um código de segurança a um comando.

Selecione Security Code A e clique em Accept.

8. Clique no botão Close na caixa de diálogo Runtime Secured Commands.

9. Quando surgir a mensagem “Save changes to document?” selecione o botão Yes.

10. A caixa de diálogo Runtime Secured Commands fechará.

Nós protegemos o comando “DisplayClientClose”. Somente usuários com Código de segurança A poderão parar o cliente em execução.

Selecione o comando DisplayClientClose e clique em Finish.

Page 190: Apostila FactoryTalk View 1

189 de 304

Atribuir códigos de segurança às telas

A segurança pode ser atribuída às telas, para limitar quem tem acesso a determinadas telas.

Você atribuirá um código de segurança “A” à tela CIP-Valves.

1. Abra a tela CIP-Valves do Explorer.

2. Selecione o item de menu Edit > Display Settings…

.

3. A caixa de diálogo Display Settings abrirá.

4. Selecione A da lista drop-down Security Code.

5. Clique no botão OK.

6. Salve a tela.

7. Feche a tela.

Configure o Código de segurança da tela para A.

Page 191: Apostila FactoryTalk View 1

190 de 304

Protegemos a tela CIP - Valves. Somente usuários com Código de segurança “A” poderão acessar a tela.

Atribuir códigos de segurança aos tags

A segurança pode ser atribuída aos tags para limitar quem pode escrever em determinados tags ou em todos os tags.

1. Abra o banco de dados de tag na janela do Explorer. Clique duas vezes em Tags para abrir.

2. A caixa de diálogo Tags abre.

3. Clique no botão Close na caixa de diálogo Tags.

4. Quando surgir a mensagem “Do you wish to continue?” selecione o botão Yes.

Você pode estabelecer códigos de segurança a Tags para evitar que os usuários possam escrever em determinados tags.

Page 192: Apostila FactoryTalk View 1

191 de 304

5. Usando o banco de dados de tags, podemos proteger tags individuais e atribuir permissões a eles. Usuários poderão escrever em alguns tags, mas em outros não. Se for necessário proteger TODOS os tags de um determinado grupo de usuário ou usuário, então podemos negar a ação “Write” para este usuário.

6. A partir do Explorer, clique com o botão direito em InstantFizz e selecione o item Security…

7. A caixa de diálogo Security Settings for InstantFizz aparece.

Page 193: Apostila FactoryTalk View 1

192 de 304

8. Clique em Cancel para sair.

Verificar as configurações de segurança

Nesta sessão, suas configurações de segurança com o cliente serão verificadas. Você fará o login como o CIPOperator e então tentará suprimir um alarme. Primeiro, você tentará suprimir o alarme da tela Alarm, depois da tela CIP – Valves. Suas tentativas falharão devido às configurações de segurança. Vamos ver o que acontece.

1. Vá para a janela da aplicação Cliente em execução. Abra a aplicação Cliente, caso ainda não esteja.

2. Clique no botão Overview na tela de navegação para ir para as características gerais da fábrica.

É possível selecionar o grupo de usuários ou o usuário (por exemplo Operadores) e em Common Permissions negar a ação Write.

Page 194: Apostila FactoryTalk View 1

193 de 304

3. Clique no botão Security para abrir a tela de pop-up de segurança. Depois clique em Log In.

5. Conecte-se como o novo usuário ‘CIPOperator’ usando a senha ‘password’. Depois clique em OK. Observe que o “user name” não faz distinção entre letras maiúsculas e minúsculas.

6. A mensagem de informação “CIPOperator has been logged in.” aparecerá na lista de diagnósticos.

7. Feche a janela Security pop-up.

a. Clique no botão Security b. Depois clique

em Log In.

Page 195: Apostila FactoryTalk View 1

194 de 304

8. Clique no botão da tela de navegação.

9. Na tela CIP, clique na válvula do tanque. As válvulas possuem animação de toque (Touch) associadas a elas, que ao clicar abre a tela CIP – Valves.

10. O que aconteceu? Nada! A mensagem “Currently logged-in user does not have security access to CIPValves.” aparecerá na lista de diagnósticos. A segurança de configuração de tela funcionou!

Feche

9. Clique na válvula para abrir a tela CIP – Valves.

Page 196: Apostila FactoryTalk View 1

195 de 304

11. Clique no botão na tela de rodapé.

12. Alarms é exibido. Não protegemos esta tela, apenas a tela CIP - Valves.

13. Selecione uma linha (alarme) na lista de resumo e clique no botão Suppress .

14. Quando a caixa de diálogo Suppress Alarm surgir, clique no botão suppress para confirmar que você deseja suprimir o alarme.

15. O que acontenceu? Surgiu uma mensagem, certo? A mensagem deve ser a seguinte “Failed to Suppress Alarm alarm [alarm name] TCIPOperator does not have Suppress/Unsuppress permission. A mensagem aparecerá na lista de diagnósticos. Se a opção para “exibir erros da ação do operador em um caixa de diálogo” estava selecionada ao se configurar o sumário de alarmes (o que originalmente estava), uma caixa de diálogo com a mensagem aparecerá. Se a caixa de diálogo mensagem aparecer, clique no botão OK.

A aplicação de segurança para as ações funcionou!

Page 197: Apostila FactoryTalk View 1

196 de 304

16. Clique no botão “Alarm Status Explorer” e Selecione um alarme na lista que aparece e clique em cada um dos primeiros 4 botões (enable alarm, disable alarm, suppress alarm, unsuppress alarm) para tentar realizar estas ações. Observe o que acontece. As ações são protegidas e o operador não pode realizá-las.

17. Clique com o botão direito no alarme no sumário e selecione o item Ack.

18. O alarme será reconhecido uma vez que o CIPOperator tem permissão para realizar essa ação.

19. Feche a tela Alarms .

20. Nós aplicamos segurança ao comando DisplayClientClose. Somente usuários com Código de segurança “A” podem executar este comando. Nosso CIPOperator não possui a permissão de código de segurança “A”.

Vamos verificar a segurança do comando.

21. Clique no botão Exit na janela de navegação para fechar o cliente em execução.

22. O que acontenceu? O cliente não fechou. Uma mensagem aparecerá na lista de diagnósticos, indicando que o usuário atual não tem permissões para fechar o cliente.

23. Clique no botão Security para abrir a tela de pop-up de segurança. Depois clique em Log In.

Page 198: Apostila FactoryTalk View 1

197 de 304

24. Conecte-se como o novo usuário ‘administrator’ usando a senha ‘rockwell’. Depois clique em OK. Observe que “user name” não faz distinção entre letras maiúsculas e minúsculas.

25. A mensagem de informação “administrator has been logged in.” aparecerá na lista de diagnósticos.

26. Feche a janela Security pop-up.

27. Realize algumas das etapas anteriores. Não feche o cliente neste momento. Abra a tela CIP – Valves e realize todas as ações nos alarmes.

a. Clique no botão Security b. Depois clique

em Log In.

Feche

Page 199: Apostila FactoryTalk View 1

198 de 304

Sessão 8: Registro de dados e tendência (opcional)

Sobre esta sessão Nesta sessão, você aprenderá sobre:

� Em execução (runtime)

� Armazenamento de dados (Data Logging)

� Tendência (Trend)

� Em configuração

� Tendência Histórica

� Tendência em tempo real

� Modelos de armazenamento de dados (Data Log Models)

� Configuração de métodos usando o comando “Invoke”

Você usará a tela CIP – Sensor Trend e o modelo de armazenamento de dados CIP que adicionaremos.

Exploração em runtime

Registro de dados (Data Logging)

O Data Logging é um componente FactoryTalk View que coleta e armazena os valores de tags. Você especifica quais valores de tags serão coletados, quando coletá-los e onde armazená-los definindo o modelo de registro de dados (data log model).

O banco de dados de tags IHM não armazena valores de tag reais; ele apenas define quais valores devem ser coletados. Os valores propriamente ditos são armazenados em um determinado servidor IHM. Quando o servidor IHM é desligado, a tabela de valor é limpa (exclusão de tags retentivos). Para ter um registro permanente de valores de tag, armazene-os no arquivo de registro de dados no disco. Lembre-se: tags do controlador manterão seus valores quando um servidor IHM é desligado porque eles estão localizados no controlador; eles não são tags IHM (ou de memória) armazenados no próprio servidor.

Para armazenar os valores de tags no disco, crie um modelo de registro de dados (data log model) e especifique os tags que devem ser registrados. Isto é feito no editor Data Log Model. Os valores também podem ser armazenados em um banco de dados compatível com ODBC. Uma aplicação pode ter até 20 modelos de registro de dados executando ao mesmo tempo. O número máximo de tags que podem ser armazenados por um modelo de registro de dados é 10.000.

Tendência

Uma tendência é uma representação visual ou gráfica dos valores de tags históricas ou atuais. Uma tendência permite ao operador rastrear a atividade da fábrica enquanto ela está acontecendo. Um objeto de tendência exibe dados em tempo real e dados de histórico dos registros de dados FactoryTalk View Site Edition. Penas (“pens”) no gráfico de runtime representam dados de tags e expressões que você adiciona ao objeto de tendência. O objeto de tendência permite controle bastante amplo e flexível em

Page 200: Apostila FactoryTalk View 1

199 de 304

runtime. É possível adicionar penas, alternar entre gráficos isolados e não isolados, especificar configurações exclusivas, plotar uma variável comparada à outra em gráficos XY e imprimir os dados do gráfico.

Há dois tipos diferentes de Tendência

- Tendência Histórica

o Tendência Histórica é quando uma tendência coleta os dados de um registro de dados previamente configurado. Isto permitirá que o usuário navegue pela linha de tempo para ver os dados em um determinado período de tempo.

- Tendência em tempo real

o Uma tendência em tempo real exibe tendências de dados diretamente do controlador. A tendência começará a ser gerada com os dados em tempo real a partir do momento em que a tela for exibida pela primeira vez.

Exploração em Configuração

Modelos de registro de dados (Data Log Models)

1. Adicione o modelo de registro de dados pré-configurados à sua aplicação. A partir do Explorer, navegue até Data Log > Data Log Models > Add Component Into Application…

2. Navegue até C:\InstantFizz – Lab Files\DataLog e clique em Open para adicionar o arquivo CIP.mdf

Clique com o botão direito em Data Log Models e selecione Add Components Into Application…

Page 201: Apostila FactoryTalk View 1

200 de 304

3. Clique duas vezes no registro de dados CIP para abri-lo.

4. A caixa de diálogo CIP Data Log Model abre na guia Setup .

É possível configurar o registro para armazenar em um conjunto de arquivos ou para armazenar em qualquer banco de dados com conexão ODBC.

O modelo de registro de dados pode ser configurado para ser armazenado como um conjunto de arquivos ou um banco de dados ODBC. Observe que este modelo de dados está sendo armazenado em um banco de dados ODBC. Há um “System data Source name” (DSN) chamado ODBC_InstantFizz que aponta para um banco de dados Microsoft Access chamado ODBC_InstantFizz.

Um Sistema ODBC DSN armazena informações sobre como conectar a um apontador de dados indicado. Se desejar ver como o DSN System foi configurado, selecione o item de menu Start > Settings > Control Panel. A partir do Painel de controle, selecione Administrative Tools e Data Sources (ODBC). Veja a guia System DSN e o DSN chamado ODBC_InstantFizz.

5. Clique no botão Create Tables se ainda não o fez. Você deverá ver uma mensagem do FactoryTalk View Datalog Editor informando que as tabelas ODBC foram criadas com sucesso. Clique no botão OK.

Este é um DSN de sistema pré-configurado que aponta para um banco de dados ODBC_InstantFizz. Para este exemplo, a fonte de dados ODBC indica o Microsoft Access. Uma alternativa seria o SQL Server.

Clique no botão Create Tables.

Page 202: Apostila FactoryTalk View 1

201 de 304

6. Clique na guia Paths.

Esta guia de configuração é usada para configurar a localização dos registros de dados. Isto é útil se tiver uma configuração em rede distribuída; você vai querer armazenar os registros em um local comum ao invés de armazenar em cada servidor IHM na rede.

Observe que Enable ODBC backup path foi selecionado e um caminho de registro foi especificado. Se a conexão com o banco de dados ODBC falhar (Microsoft Access), você conseguirá visualizar os dados de histórico em uma tela de tendência por causa do caminho de backup secundário especificado.

7. Clique na guia File Management

Esta guia de configuração é usada para configurar por quanto tempo você deseja armazenar os arquivos individuais até criar um novo arquivo ou excluir arquivos antigos.

Observe que Enable ODBC Backup Path está habilitado.

Page 203: Apostila FactoryTalk View 1

202 de 304

8. Clique na guia Log Triggers

Esta guia de configuração é usada para definir a frequência e baseado em qual evento o registro deve ser atualizado.

Observe que o “trigger” para registro é periódico.

O trigger é Periodico

Armazenar periodicamente a cada 3 segundos.

Page 204: Apostila FactoryTalk View 1

203 de 304

O registro de dados pode ser configurado como Periodico, On Change (com alteração do valor) ou On Demand (por solicitação).

- Periodic

Para registrar valores de tags periodicamente, selecione Periodic, depois digite um tempo no campo Interval e selecione uma unidade de tempo para especificar com que frequência os valores de tags serão registrados. Todos os tags serão armazenados sempre que este intervalo de tempo expirar.

- On change

O registro “On Change” somente registra os tags cujos valores mudaram. Use o “trigger” On Change para armazenar os valores de tags uma vez que um determinado percentual de mudança no valor ocorreu. O percentual é baseado nos valores de tag mínimo e máximo (ou High EU e Low EU). Por exemplo, especificar 10 significa que um valor de tag precisa variar em 10 % para ser armazenado. Isto se aplica apenas aos tags IHM analógicos. Para os tags de servidor de dados e tags IHM digitais e de string, que não possuem propriedade mínimo/máximo, toda mudança é registrada.

- On Demand (por solicitação)

Selecione On Demand como “trigger” para registrar dados apenas quando o comando FactoryTalk View “DataLogSnapshot” é executado. Este comando pode ser executado em qualquer lugar em que outros comandos e macros FactoryTalk View podem ser usados. Por exemplo, ele pode ser digitado na linha de comando ou especificado como a ação de um evento. Se você especificar Periodic ou On Change, ainda é possível usar o registro On Demand quando apropriado.

9. Clique na guia Tags in Model

Esta guia de configuração é usada para selecionar qual informação é registrada. É possível adicionar ou remover diferentes tags deste menu usando o navegador de tags.

10. Observe que 6 tags foram adicionados ao modelo.

11. Clique no botão OK para fechar a caixa de diálogo CIP Data Log Model.

Configurando tendências

Não adicione uma nova tendência ou altere esta. É possível fazer isto ao final desta sessão.

1. A partir do Explorer, clique duas vezes na tela CIP – Sensor Trend para abrí-la. O objeto de tendência poderia ser criado selecionando o item de menu Objects > Advanced > Trend

Page 205: Apostila FactoryTalk View 1

204 de 304

ou selecionando o botão Trend na barra de menu

2. Clique duas vezes no objeto Trend, já existente na tela CIP – Sensor Trend

3. A caixa de diálogo Trend Properties abrirá. Vamos nos familiarizar com as propriedades e as capacidades do objeto “trend” (tendência).

4. Clique na guia General.

A guia “general” contém várias propriedades configuráveis. “Chart Style” determina o estilo de plotagem do gráfico. Um gráfico de tendência pode plotar valores no tempo ou com relação a uma outra variável selecionada.

5. Clique na guia Pens.

Um gráfico de tendência pode traçar valores no tempo ou com relação a uma outra variável selecionada.

Page 206: Apostila FactoryTalk View 1

205 de 304

6. Observe que a coluna Model possui CIP que é o modelo de dados criado.

Estas “penas” foram adicionados selecionando Add Pen(s) no botão Model . A caixa de diálogo Configure Tags abre. O botão Add All foi selecionado para adicionar todos os tags. Depois foi clicado em OK para aceitar as mudanças.

7. Clique na guia X-Axis .

Use esta guia para configurar a faixa de tempo e as opções de exibição para o eixo horizontal do gráfico. “Time Span” controla a quantidade de dados exibidos no gráfico em runtime. Para um gráfico de linha padrão, o limite de tempo controla a escala horizontal do gráfico. Para uma gráfico “XY”, as propriedades Min e Max (configuradas na guia Pens) da variável selecionada controla a escala horizontal e o “time span” controla o número de pontos de dados traçados.

Page 207: Apostila FactoryTalk View 1

206 de 304

8. Clique em Y-Axis.

Use esta guia para configurar as opções de valor mínimo/máximo, exibir opções, e as opções de escala para o eixo vertical em runtime. Por exemplo, Isolated graphing coloca cada “variável” em uma faixa separada do gráfico. Para permitir a sobreposição das variáveis, é necessário desmarcar a caixa.

Time Span controla a quantidade de dados exibidos no gráfico em runtime.

Page 208: Apostila FactoryTalk View 1

207 de 304

9. Clique na guia Overlays.

Com o objeto de tendência, é possível capturar e salvar uma imagem instantânea dos dados do gráfico em runtime e então sobrepor os dados salvos sobre os dados atuais na tendência. Esta função permite sobrepor e comparar dados históricos com dados atuais ou qualquer conjunto de dados.

É possível configurar os valores mínimo/máximo da tendência.

Cada variável pode ser exibida em uma faixa separada do gráfico (isolado) ou todas as variáveis podem se sobrepor.

É possível capturar uma imagem instantânea dos dados em runtime e sobrepô-los aos dados em uma tendência existente.

Page 209: Apostila FactoryTalk View 1

208 de 304

10. Clique na guia Template.

Use esta guia para salvar as configurações da tendência atual como um modelo, para carregar outro modelo para a tendência atual usar, ou excluir um modelo existente. As configurações que são salvas para o modelo são as das guias General, Display, Pens, X-Axis e Y-Axis.

Um modelo (template) pode ser aplicado a todas as tendências em uma aplicação para criar uma aparência consistente. É possível carregar os modelos durante as fases de projeto e em runtime.

Importaremos diversos modelos pré-criados na nossa aplicação, mas primeiro, concluiremos a revisão das propriedades e capacidades do objeto “trend” (tendência).

11. Clique na guia Runtime.

Use esta pasta para determinar quais opções da tendência estarão disponíveis aos operadores em modo runtime. Para evitar que os operadores alterem estas opções, a guia “Runtime” não está disponível durante a operação.

É possível salvar as configurações de tendência atuais em um modelo e depois, carregar o modelo quando necessário, em modo de configuração ou em runtime.

Page 210: Apostila FactoryTalk View 1

209 de 304

12. Clique no botão Cancel na caixa de diálogo Trend Properties para fechar a caixa de diálogo.

13. Vamos importar alguns modelos pré-criados para nossa aplicação.

14. Na Janela do Explorer , clique com o botão direito em Trend Templates e selecione Add Component Into Application

15. Navegue até C:\InstantFizz - Lab Files\Trend Templates, selecione todos os arquivos e clique em Open.

Page 211: Apostila FactoryTalk View 1

210 de 304

16. Na tela CIP – Sensor Trend clique duas vezes no botão Start para abrir as propriedades do botão.

17. Clique na guia Action e observe Press action. Este comando “DataLogOn CIP” inicia o registro de dados para o modelo.

O comando datalogon pode ser colocado em uma macro de partida também. Quando cliente é iniciado, o registro de dados é iniciado automaticamente a partir da macro de partida.

18. Clique no botão Cancel para fechar as propriedades do botão.

19. Clique duas vezes no botão Stop para abrir as propriedades do botão.

20. Clique na guia Action e observe Press action. Este comando “DataLogOff CIP” interrompe o registro de dados para o modelo.

21. Clique no botão Cancel para fechar as propriedades do botão.

22. Feche a tela CIP – Sensor Trend. Se perguntado se deseja salvar as alterações, selecione o botão No.

Visualizar a tendência em runtime

1. Vá para o ambiente Cliente em execução. Se tiver qualquer tela pop-up aberta, feche.

2. Clique no botão CIP na tela de navegação. Depois clique no botão CIP Trend no

canto superior direito

3. CIP – Sensor Trend será exibida.

Page 212: Apostila FactoryTalk View 1

211 de 304

4. Clique no botão Start. O botão start iniciará o registro de histórico.

5. Enquanto a tela CIP – Sensor Trend estiver aberta, clique no botão CIP – Repeat Cycle na tela “CIP Overview” para iniciar o processo de limpeza CIP.

6. Os dados CIP estão sendo registrados. Observe a tendência na tela CIP – Sensor Trend. Para visualizar os dados de outro ciclo de limpeza CIP, clique no botão CIP – Repeat Cycle novamente.

Tendência de dados das variáveis CIP.

Legenda configurável de tendência.

Page 213: Apostila FactoryTalk View 1

212 de 304

7. Anteriormente, executamos o comando “DataLogOn” com o botão START. Os dados históricos de tendência são armazenados no banco de dados Microsoft Access. Se fecharmos a tendência e abrirmos novamente, ainda assim poderemos visualizar nosso ciclo CIP de alguns minutos atrás.

Experimente. Clique no botão close na tela CIP – Sensor Trend . Depois abra

novamente a tela de tendência a partir da tela CIP – Overview .

Pode ser necessário rolar para trás na tendência para ver os dados de ciclo CIP.

8. A tela CIP – Sensor Trend contém vários botões para demonstrar as funcionalidades e capacidades da tendência.

9. Como visto anteriormente, a tendência pode ser configurada para exibir os dados em intervalos de tempos diferentes, por exemplo, 2 minutos, 1 hora, 1 dia, etc. Para visualizar os diferentes intervalos de tempo em runtime, as configurações de tendência podem ser salvas em modelos, como os modelos que importamos anteriormente.. Os modelos podem ser carregados em runtime usando o comando Invoke.

10. Retorne ao FactoryTalk View Studio e abra a tela CIP – Sensor Trend (caso ainda não esteja

aberta). Clique duas vezes no botão 2 Minutes.

11. A janela Button Properties abrirá. Selecione a guia Action .

Page 214: Apostila FactoryTalk View 1

213 de 304

12. Clique no botão Cancel para sair das propriedades do botão.

13. Retorne ao Cliente em execução. Clique nos diferentes botões de time spans para ver o X-Axis do objeto de tendência mudar.

14. É possível também usar os modelos para alternar entre as diferentes visualizações de “penas”: variáveis isoladas ou todas as variáveis em uma mesma escala.

Clique nos botões Pen Display para visualizar as mudanças das “penas”.

Use o comando Invoke para carregar o modelo chamado “2Minute” em runtime.

Variáveis isoladas. Cada variável possui uma faixa separada. Observe o Y-axis.

Page 215: Apostila FactoryTalk View 1

214 de 304

15. Muitos objetos no FactoryTalk View SE possuem Métodos de objeto para funcionalidade adicional. Deve-se usar o comando Invoke para chamar/alterar um Método.

Vamos explorar alguns Métodos de objeto para o objeto tendência.

16. Retorne ao FactoryTalk View Studio e à tela CIP – Sensor Trend .

17. Clique com o botão direito do mouse na tendência e selecione Methods.

A caixa de diálogo Object Methods aparece. Ela exibe os métodos e as propriedades implementados no objeto de tendência selecionado. Um método é uma função que é parte de um objeto.

Todas as variáveis em uma escala. Observe o Y-axis.

Page 216: Apostila FactoryTalk View 1

215 de 304

18. Clique em Close

19. Vamos ver um exemplo onde os Métodos de objeto podem ser usados. Já usamos o método LoadTemplate para carregar nossos modelos “Time Span”. Clique duas vezes no botão Print

Trend na tela CIP – Sensor Trend .

20. Em Button Properties, selecione a guia Action.

O comando Invoke foi usado para iniciar o PrintTrend Method.

Sempre use o comando Invoke para chamar um método. Quando usar o comando Invoke para chamar um método, é necessário especificar o nome do objeto no qual o método está implementado. Em nosso caso, o nome do objeto é Trend1. Para ajuda sobre como usar o comando Invoke, vá para o FactoryTalk View Help e pesquise Invoke.

21. Clique em Cancel para sair de Button Properties.

22. Vamos ver o método PrintChart em ação.

Retorne ao Cliente em execução. Na tela CIP – Sensor Trend clique no botão Print

Trend.

Explore os diferentes métodos disponíveis.

Page 217: Apostila FactoryTalk View 1

216 de 304

23. As propriedades Print abrirão. Neste exemplo, estamos imprimindo para um arquivo Pdf.

24. Clique em OK.

25. A caixa de diálogo print abrirá.

26. Digite um nome de arquivo e clique em Save. É possível abrir o arquivo PDF salvo para visualizar a tendência impressa.

Page 218: Apostila FactoryTalk View 1

217 de 304

27. Como discutido na sessão Configurando Tendências, muitas das propriedades de tendência podem ser configuradas para poderem ser acessíveis durante o ambiente de operação. Clique com o botão direito no gráfico de tendência na aplicação cliente em execução e explore as opções, selecionando Chart Properties.

Page 219: Apostila FactoryTalk View 1

218 de 304

Sessão 9: Utilizando o FactoryTalk Diagnostics (opcional)

Sobre esta sessão Nesta sessão, você aprenderá sobre estes tópicos:

� FactoryTalk Diagnostics

� Diagnostics List

� Diagnostics Viewer

� Diagnostics Setup

o Configurando o FactoryTalk View Diagnostics List

o Configurando o “Local Log”

o Banco de dados ODBC como uma fonte de mensagens

Sobre o FactoryTalk Diagnostics

A idéia por trás do FactoryTalk Diagnostics é responder à questão, "Por que isso aconteceu?" FactoryTalk Diagnostics coleta e fornece acesso a um armazenamento global de mensagens com registro de data e hora que podem ajudar a responder essa questão.

O serviço FactoryTalk Diagnostics inclui um editor Diagnostics Setup, um visualizador Diagnostics Viewer e um registro de dados local (Local Log) em cada computador onde os serviços FactoryTalk Services Platform são instalados. Outros destinos customizados para registro também estão disponíveis. Por exemplo, o produto de software FactoryTalk AssetCentre fornece Registros de Auditoria FactoryTalk customizados.

Use o editor de Configuração de diagnóstico (Diagnostics Setup) para configurar opções para os destinos de registro e para filtrar os tipos de mensagens que você deseja registrar no computador local.

Use o Diagnostics Viewer para visualizar as mensagens de diagnóstico. É possível visualizar as mensagens locais e as mensagens recuperadas e combinadas dos registros em vários computadores.

FactoryTalk View SE, FactoryTalk Alarms and Events e outros produtos de software FactoryTalk estão todos enviando mensagens para um Local Log e para o FactoryTalk Audit Log em um computador. Quando você configura opções para um destino de registro em particular, as opções que você faz afetam o registro nesse computador que qualquer produto FactoryTalk pode estar usando. Por exemplo, ao configurar as opções de roteamento de mensagem, as opções de filtro que escolher afetam os tipos de mensagens roteadas de todos os produtos FactoryTalk que enviam mensagens.

Cada produto e serviço FactoryTalk categoriza as mensagens que gera usando uma matriz de opções de Severidade (Erro, Advertência, Informações e Auditoria) juntamente com as opções de Público (Operador, Engenheiro, Desenvolvedor e Segurança). Por exemplo, um produto pode gerar uma série de mensagens de segurança classificadas como Operador-Auditoria e Operador-Informações e também mensagens de comunicação classificadas como Operador-Advertência, Engenheiro-Advertência e Desenvolvedor-Erro.

Page 220: Apostila FactoryTalk View 1

219 de 304

As informações de diagnóstico podem ser exibidas na “Lista de Diagnósticos” ou no FactoryTalk Diagnostics Viewer. A “Lista de Diagnósticos” tem por objetivo exibir as mensagens quando elas ocorrem. As mensagens exibidas na Lista de Diagnóstico não têm registro de data e hora. O Diagnostics Viewer permite recuperar as mensagens após sua ocorrência. Novas mensagens não aparecem no Diagnostics Viewer. Uma atualização(“refresh”) pode ser feita para recarregar as mensagens. As mensagens que aparecem no Diagnostic Viewer têm registro de data e hora de forma que você sabe quando elas ocorreram.

Lista de Diagnóstico (Diagnostics List)

A Lista de Diagnóstico pode ser exibida em uma janela FactoryTalk View Studio, FactoryTalk View SE Client e FactoryTalk View Administration Console. Usamos a Lista de Diagnóstico FactoryTalk View nas seções anteriores deste laboratório. É possível limpar as mensagens da Lista de diagnósticos selecionando uma linha ou várias linhas e clicando no botão “Clear” ou clicando no botão “Clear All”. Remover uma mensagem da Lista de Diagnóstico não exclui a mensagem do Registro de diagnóstico. Remover uma mensagem de uma determinada Lista de Diagnóstico não a remove de outra Lista de Diagnóstico. Ex., remover uma mensagem da janela View Studio não a remove da janela View Client. Quando uma aplicação (View Studio, View Client ou View Administration Console) inicia, novas mensagens começam a ser armazenadas na lista. Mensagens antigas serão removidas da lista à medida que mensagens novas chegam e o limite de mensagem é atingido. Quando a aplicação fecha, a lista é apagada.

Diagnostics Viewer

O FactoryTalk Diagnostics Viewer permite visualizar as mensagens locais e as mensagens recuperadas e combinadas de vários produtos FactoryTalk executando em vários computadores e registrando mensagens em vários destinos.

Abrir o Diagnostics Viewer

1. No FactoryTalk View Studio, a partir do menu, selecione o item de menu Tools > Diagnostics Viewer… Ou selecione o item de menu Start > Diagnostics Viewer.

2. O FactoryTalk Diagnostics Viewer abrirá. Quando a janela Diagnostics Viewer abre, novas mensagens não aparecem automaticamente. Para atualizar a visualização e recarregar as novas mensagens, pressione a tecla F5 ou clique no botão “Refresh”.

Page 221: Apostila FactoryTalk View 1

220 de 304

3. Passe o mouse sobre a barra de ferramentas e observe os menus para ver as operações que você pode realizar com o Diagnostics Viewer.

Filtrar a Lista de Diagnóstico

1. Selecione o item de menu View > Options… .

2. Na guia General da caixa de diálogo Properties , certifique-se de que a fonte de mensagem está configurada como Local Log.

Page 222: Apostila FactoryTalk View 1

221 de 304

3. Clique na guia na caixa de diálogo Properties. Mova a caixa de diálogo Properties de forma que possa ver os itens em Diagnostic Viewer. Siga as etapas a – e.

4. Clique em Apply a partir da caixa de diálogo Properties.

5. Observe que a lista foi atualizada, mas nenhuma mensagem aparece na lista. Siga as etapas a-e para mudar Audience de Developer para Operator.

b. Clique no botão Add Where Condition…)

c. Selecione Equals

d. Selecione Developer

e. Selecione o botão OK

a. Selecione Audience

b. Clique no botão Modify….

c. Selecione Equals d. Selecione Operator

e. Selecione o botão OK

a. Selecione Audience = ‘Developer’

Page 223: Apostila FactoryTalk View 1

222 de 304

6. Clique em Apply a partir da caixa de diálogo Properties.

7. Observe que a lista foi atualizada para exibir apenas mensagens que foram criadas com o público configurado como operador.

8. Selecione Audience = ‘Operator’, na guia de seleção “Select records where:”. Clique no botão Remove.

9. Crie um filtro de mensagem seguindo as etapas a-e.

10. Clique em OK a partir da caixa de diálogo Properties.

11. Observe que a lista foi atualizada para exibir apenas as mensagens que contêm o texto CIP.

12. Feche o Diagnostics Viewer sem salvar.

Vamos observar a configuração de diagnósticos para entender porque você não viu nenhuma mensagem de “Desenvolvedor”.

b. Clique no botão Add Where Condition…)

c. Selecione Contains

d. Digite ‘CIP’

e. Selecione o botão OK

a. Selecione Message

Page 224: Apostila FactoryTalk View 1

223 de 304

Configuração de Diagnosticos (Diagnostics Setup)

Abrir o Diagnostics Setup

1. Execute o Diagnostics Setup a partir do FactoryTalk View Studio. A partir do menu Tools , selecione o item de menu Diagnostics Setup…

2. A caixa de diálogo FactoryTalk Diagnostics Configuration abrirá

3. Expanda Destination Setup

4. Clique em cada item e observe as configurações.

Configurar o FactoryTalk View Diagnostics List

Anteriormente neste laboratório, você usou o Diagnostics List no FactoryTalk View Studio e Client para ver as mensagens de diagnóstico. Observe Destination Setup e a configuração Message Routing para ver as mensagens roteadas para o FactoryTalk View Diagnostics List.

1. Expanda Destination Setup, selecione o item de menu FT View Diagnostics List. Observe que não há ajustes de configuração. O destino é o Diagnostics List que é gerenciado pelo FactoryTalk View.

2. Selecione a configuração Message Routing e selecione FT View Diagnostics List

Com base na configuração, as mensagens que eram para o público Operator e Engineer do tipo Error, Warning e Info apareceram no FactoryTalk View Diagnostics List.

Page 225: Apostila FactoryTalk View 1

224 de 304

Configurar o Local Log

Você acaba de usar o Diagnostics Viewer para ver o registro local. Observe a configuração

1. Selecione o item Destination Setup > Local Log

O registro local (Local Log) é um arquivo existente neste computador. Há opções para substituir eventos, tamanho de armazenamento e uma opção para limpar o registro.

2. Selecione a configuração Message Routing e selecione Local Log

As mensagens destinadas ao público Developer não foram configuradas para serem registradas no Registro Local (Local Log), por isto não foram observadas.

Page 226: Apostila FactoryTalk View 1

225 de 304

3. Altere o Local Log para incluir todos os tipos de mensagem para o público developer. Marque todas as opções na linha Developer.

4. Clique no botão Apply. Minimize a janela Diagnostics Configuration .

5. Vá para o Cliente em execução. Clique no botão clear all em Diagnostics List na parte inferior.

6. Clique no botão CIP na tela de navegação. Depois clique na tela CIP – Process

Steps .

7. Digite ’7000’ no campo de entrada Step 1: Adding Water e pressione a tecla enter .

8. Observe que 3 mensagens na lista de diagnóstico foram atualizadas. Será necessário rolar para cima/para baixo no Diagnostics List para visualizar as mensagens

9. A partir do FactoryTalk View Studio, Selecione o item de menu Tools > Diagnostics Viewer .

Page 227: Apostila FactoryTalk View 1

226 de 304

10. Selecione as últimas 2 mensagens na lista para ver os detalhes. Observe que elas são mensagens para o desenvolvedor, uma é do tipo auditoria e a outra é do tipo informação.

Banco de dados ODBC como uma fonte de mensagem

Dependendo dos produtos instalados e das opções de configuração ajustadas, o FactoryTalk Diagnostics também pode rotear estas mensagens para outros destinos de registro centralizados, como um banco de dados ODBC ou um FactoryTalk Audit Log.

Use a janela “ODBC Database Destination Setup” para enviar mensagens a uma fonte de dados ODBC. Para enviar mensagens de vários computadores, configure o destino em cada computador onde o FactoryTalk Diagnostics service estiver instalado.

A configuração de destino para banco de dados ODBC é compatível com os seguintes bancos de dados com suporte ODBC:

� Microsoft SQL Server

� Microsoft Access

� Oracle

� Sybase SQL Server

Alguns tipos de informações não podem ser registrados em um destino de banco de dados ODBC. Eles incluem:

� qualquer campo adicional do banco de dados não incluso no formato de tabela ODBC, que um produto FactoryTalk possa usar. Mesmo que você crie campos adicionais manualmente, nada será registrado neles. As informações adicionais armazenadas por um produto FactoryTalk, no entanto, aparecerão no “Local Log” no computador onde o produto está instalado.

� qualquer mensagem onde o tipo de público esteja configurado como “Secure”, ou se a severidade estiver configurada como “Audit”. As mensagens protegidas (Secure) somente podem ser registradas pelo software FactoryTalk AssetCentre no FactoryTalk Audit Log.

Configurar os parâmetros para o banco de dados ODBC

1. Vá para a configuração de diagnósticos

Page 228: Apostila FactoryTalk View 1

227 de 304

Você irá configurar o destino. Usaremos um System DSN chamado ODBC_InstantFizz que foi configurado para direcionar a um banco de dados MS Access chamado ODBC_InstantFizz.

2. Selecione o item Destination Setup > ODBC Database .

3. Clique no botão … próximo a data source name. Quando a caixa de diálogo Select Data Source abrir, clique na guia System Data Source. Clique no nome de fonte de dados ODBC_InstantFizz .

Navegue

Selecione a guia System Data Source

Selecione o nome de fonte de dados ODBC_InstantFizz .

Page 229: Apostila FactoryTalk View 1

228 de 304

4. Clique no botão OK.

5. Digite ‘FTDiagnostics’ para a tabela alvo e clique no botão Create Table .

6. Clique no botão OK quando surgir a mensagem “The table FTDiagnostics was successfully created.”

7. Altere Log message to database every: para 30 seconds.

8. Selecione a configuração Message Routing e selecione ODBC Database. Marque todas as opções na linha Developer.

Digite ‘FTDiagnostics’

Clique no botão Create table

Page 230: Apostila FactoryTalk View 1

229 de 304

Observe que as mensagens de Auditoria não podem ser roteadas para o destino ODBC.

9. Clique no botão OK.

Visualizar o registro ODBC

10. Vá para Diagnostics Viewer

11. Selecione o item de menu View > Options. Mova a janela Properties de forma que possa ver a lista de mensagens.

12. Clique em ODBC Database como “message source”.

13. Clique no botão OK.

14. Observe que a lista está vazia porque nada aconteceu desde que criamos este destino.

15. Vá para o Cliente em execução. Clique no botão clear all em Diagnostics List.

16. Se ainda não estiver aberto, clique no botão CIP na tela de navegação. Depois clique

na tela CIP – Process Steps .

17. Digite ’7500’ no campo de entrada Step 1: Adding Water e pressiione a tecla enter.

18. Observe que uma mensagem de download é armazenada em Diagnostics List.

19. Vá para Diagnostics Viewer

20. Aguarde 30 segundos, clique no botão refresh .

Page 231: Apostila FactoryTalk View 1

230 de 304

21. Observe que 2 mensagens foram registradas.

22. Feche a janela Diagnostics Viewer sem salvar.

Page 232: Apostila FactoryTalk View 1

231 de 304

Sessão 10: Alternar idioma (opcional)

Sobre esta sessão Nesta sessão, você aprenderá sobre:

� Alternar idioma

� Alternar idioma no FactoryTalk View SE

� Configuração dos idiomas suportados

� Exportar textos para tradução

� Traduzir textos

� Importar textos que foram traduzidos

� Comando para alteração de idioma

� Visualização da alteração de idioma

� Alteração de idioma em mensagens de alarme (FactoryTalk Alarms and Events)

� Alteração de idioma de alarmes baseado em dispositivos (Device-based alarms)

� Exportar mensagens de alarme

� Traduzir mensagens de alarme

� Importar mensagens de alarme

� Alteração de idioma de alarme baseado em tags (Tag-based alarm)

� Configurar o servidor de alarmes e eventos baseado em tags

� Traduzir mensagens de alarme

� Importar mensagens de alarme

� Verificar a importação do alarme

� Exportar mensagens de alarme

� Visualizar a alteração do idioma das mensagens de alarme

Informação sobre a alteração do idioma

A alteração do idioma permite aos operadores visualizar strings de texto definidos pelo usuário nas aplicações FactoryTalk View SE Client em vários idiomas em runtime. Isto inclui mensagens de alarme com base em dispositivo FactoryTalk criadas no RSLogix 5000 e mensagens de alarme baseadas em tag FactoryTalk criadas no Alarm Setup Editor. As informações históricas do serviço FactoryTalk Alarms and Events são armazenadas em apenas um idioma especificado nas propriedades do servidor de alarme.

Em runtime e em uma aplicação em rede, vários FactoryTalk View SE clients podem alternar entre qualquer um dos idiomas suportados pela aplicação. Vários clientes também podem executar em

Page 233: Apostila FactoryTalk View 1

232 de 304

diferentes idiomas ao mesmo tempo.

Com a alternância de idioma é possível:

� Desenvolver uma aplicação em um idioma, exportar os strings de texto definidos pelo usuário para a aplicação e então importar as strings traduzidas para até 40 idiomas na mesma aplicação.

� Implementar uma aplicação distribuída em vários países, permitindo aos operadores em cada local visualizar a aplicação em seu próprio idioma.

� Permitir aos operadores em países com mais de um idioma, usar o idioma de sua preferência.

Aprimoramento da alternância de idiomas

� É possível especificar um idioma padrão para o idioma da aplicação

� Suporta até 40 idiomas. Antes desta versão, eram suportados apenas 20 idiomas.

� Telas de mensagem local são compatíveis com a alternância de idioma

Edição de strings em planilha eletrônica

A edição de strings em planilha eletrônica permite facilmente exportar strings de texto para todos os idiomas suportados por uma aplicação para uma planilha Excel em uma única operação. É possível também importar strings de texto em um ou vários idiomas a partir de uma planilha Excel para uma aplicação.

A função de otimização de stings duplicadas (Optimize Duplicate Strings) permite traduzir apenas 1 ocorrência de cada string para reduzir erros e custos de tradução.

FactoryTalk Alarms and Events

Alternância de idioma é suportada pelo FactoryTalk Alarms and Events

Alternar idiomas no FactoryTalk View SE Em geral, os strings definidos pelo usuário que suportam alternância de idioma são os que o operador vê em uma aplicação em runtime. Especificamente, são eles:

� texto que você especifica para objetos gráficos e objetos globais incluindo

o legendas

o tool tips

o variáveis com atributos de data e hora

o mensagens locais

o variáveis numéricas

� objetos de texto FactoryTalk View (observação: Um objeto de texto com sua propriedade “SizeToFit” configurada como “True” pode ter o tamanho diferente quando exibido em idiomas diferentes.)

� string de texto definidos para as telas do FactoryTalk Alarm and Event como, resumos (summaries), “banners” e “log viewers”

Page 234: Apostila FactoryTalk View 1

233 de 304

� títulos de telas de objetos gráficos e globais especificados na caixa de diálogo “Display Settings”

Entre os grupos de texto que não são compatíveis com a alternância de idioma estão:

� strings de texto que são parte da interface gráfica de usuário do software FactoryTalk View Studio ou View SE Client , como menus, que são exibidos no mesmo idioma do sistema operacional.

� texto que pode ser exibido em runtime mas é usado para operar a aplicação, como os nomes de telas gráficas na aplicação e strings de comandos

� descrições de tags e constantes do tipo string em expressões

� texto na barra de título da janela FactoryTalk View SE Client, que é parte da configuração do cliente e não da aplicação

� texto associado aos alarmes de tags do tipo IHM

� Mensagens de falha (Alarm Fault List) exibidas nos objetos Summary e Banner do FactoryTalk Alarms and Events.

Configurar idiomas compatíveis

Será necessário adicionar os idiomas desejados à aplicação.

1. A partir do FactoryTalk View Studio, selecione o item de menu Tools > Languages… .

2. Clique no botão Add… na caixa de diálogo Language Configuration.

Os idiomas na lista são compatíveis com a alternância de idioma para a aplicação em runtime. Certifique-se de que os idiomas do Windows estejam instalados nos computadores de desenvolvimento e clientes antes de alterná-los.

Para descobrir quais idiomas estão instalados no computador, verifique as Opções regionais (Windows 2000) ou Opções regionais e idioma (Windows XP e Windows Server 2003), no Painel de controle.

Os idiomas que você estará selecionando já estão instalados.

Page 235: Apostila FactoryTalk View 1

234 de 304

3. Selecione o idioma alemão (German(Germany)) e clique no botão OK.

4. Clique no botão Add… na caixa de diálogo Language Configuration.

5. Selecione o idioma Spanish (Mexico) e clique no botão OK.

Page 236: Apostila FactoryTalk View 1

235 de 304

6. Clique no botão Add… na caixa de diálogo Language Configuration.

7. Selecione o idioma Chinese (PRC) e clique no botão OK.

8. Clique no botão Add… na caixa de diálogo Language Configuration.

9. Selecione o idioma Japanese e clique no botão OK.

Page 237: Apostila FactoryTalk View 1

236 de 304

10. Clique no botão Add… na caixa de diálogo Language Configuration.

11. Selecione o idioma French (France) e clique no botão OK.

12. Observe que estes idiomas foram adicionados à lista e English está configurado como o Idioma padrão como indicado pela marca próxima a English.

Page 238: Apostila FactoryTalk View 1

237 de 304

13. Marque a opção Display undefined strings using the default language.

14. Clique no botão Apply.

Sua aplicação foi configurada para suportar 6 idiomas. Agora será necessário exportar para obter os strings necessários para a tradução.

Exportar textos para tradução

Há várias maneiras de alterar os strings de texto em uma tela gráfica além de editá-los individualmente por objeto. A melhor abordagem é exportar os grupos para o Excel e usar o recurso “Optimize duplicate strings”. O recurso “Optimize duplicate strings” permite que os strings que ocorrem mais de uma vez na aplicação sejam incluídos na planilha apenas uma vez. Após a primeira ocorrência, um marcador é inserido na planilha para outras ocorrências.

1. Destaque o idioma English e clique no botão Export

Page 239: Apostila FactoryTalk View 1

238 de 304

2. Selecione a opção Export strings for all languages to an Excel spreadsheet . Marque as opções Optimizing duplicate strings e Open exported file

3. Clique no botão Next

4. Para uma aplicação em rede, com múltiplos servidores IHM, neste ponto é requerido selecionar um Servidor IHM especifico.

Selecione /Area1:InstantFizz_HMIServer e clique em Next.

Page 240: Apostila FactoryTalk View 1

239 de 304

5. Não altere o local padrão e clique no botão Finish.

6. String Export in Progress começará e terminará. Isso pode levar alguns minutos.

7. O documento Excel será criado e aberto.

Observe o arquivo Excel aberto. Sempre onde estiver o texto **REF: nas colunas de idioma, (ex., en-US, de-DE, es-MX e zh-CN) significa uma referência a um string duplicado na coluna “REF” antes da coluna “language”. Nesse caso, não é necessário traduzir o texto para esse objeto. Somente é necessário traduzir a primeira ocorrência desse texto indicada por **UNDEFINED**. Você usará um arquivo já traduzido para fazer a importação. 8. Feche a janela do arquivo Excel sem salvar

Strings traduzidos

Vamos observar o arquivo traduzido para você.

1. Vá para C:\InstantFizz – Lab Files\. Abra a pasta Language Switching .

2. Clique duas vezes no arquivo InstantFizz_Translated.xls

3. Observe o arquivo.

Page 241: Apostila FactoryTalk View 1

240 de 304

4. Feche o arquivo.

Importar textos traduzidos

Agora que você tem um arquivo com strings traduzidos, vamos importá-los.

1. Selecione o botão Import da caixa de diálogo Language Configuration .

2. Selecione a opção Import strings from an Excel spreadsheet…. da caixa de diálogo String Import Export Wizard e clique no botão Next

3. Selecione o botão Browse … e navegue até este arquivo C:\InstantFizz - LabFiles\ Language Switching\InstantFizz_translated.xls e clique no botão Finish.

4. String import in Progress iniciará. Uma vez concluído, você verá a mensagem String import completed successfully em Diagnostics List. Observação: Pode ser que você veja erros se não fez algumas seções deste laboratório.

5. Clique no botão OK… na caixa de diálogo Language Configuration.

Comando para troca de idioma

Há um comando para troca de idioma no FactoryTalk View. Botões que usam este comando foram configurados na tela “Languages”. Vamos observá-los.

1. No Explorer, abra a tela Languages.

Page 242: Apostila FactoryTalk View 1

241 de 304

2. Clique duas vezes no botão com a bandeira dos EUA para abrir a caixa de diálogo Button Properties.

3. Na caixa de diálogo Button Properties, clique na guia Action . Observe Press action - Language en-US

O comando “Language” foi adicionado à ação “Press action” clicando na opção “...” e então usando o

Command Wizard. O comando Language está localizado na pasta System – Languages.

Somente os idiomas que foram adicionados à sua aplicação serão exibidos na lista de “Language ID”.

Page 243: Apostila FactoryTalk View 1

242 de 304

4. Clique no botão Cancel.

5. Repita as etapas 2 – 4 para as outras badeiras para observar a ação “Press action”.

6. Feche a tela Languages.

Visualizar a alternância de idioma

Os comandos de alternância de idioma são ignorados no modo Test Display. Como o cliente estava executando antes de adicionarmos os novos idiomas, precisamos fechá-lo e abrí-lo novamente para que os idiomas adicionais apareçam.

1. Vá para o Cliente em execução.

2. Feche o cliente que está executando pressionando o botão Exit na tela de navegação.

3. Volte ao View Studio e inicie o client novamente.

4. Clique no botão para troca de idiomas na tela de navegação. A tela Languages abrirá. Selecione diferentes idiomas e navegue entre as telas.

Page 244: Apostila FactoryTalk View 1

243 de 304

5. Observe na tela Overview que a data e hora ainda estão exibidos em inglês.

É possível usar os tags de sistema FactoryTalk View SE em uma aplicação para exibir o texto em telas gráficas. Por exemplo, o tag, “system\dateandtimestring”, exibe a data e hora atuais. O texto nos tags de sistema a seguir é sempre exibido no formato definido pelo idioma do sistema operacional Windows:

� System\Time

� System\Date

� System\DateAndTimeString

� System\MonthString

� System\AlarmMostRecentDate

� System\AlarmMostRecentTime

� System\AlarmStatus

Page 245: Apostila FactoryTalk View 1

244 de 304

Se você usar o objeto “Time and Date” ao invés dos tags de sistema acima, então data e hora

também serão alterados pelo comando de troca de idiomas.

6. Observe que as mensagens de alarme não foram traduzidas. Elas serão traduzidas na próxima sessão.

Alternância de idioma de alarmes baseado em dispositivo (Device-

based)

No RSLogix 5000, use a caixa de diálogo “Alarm Properties” para traduzir mensagens de alarme baseado em dispositivos individualmente. O RSLogix 5000 configura as mensagens de alarme no idioma do software RSLogix 5000 . Por exemplo, a versão em alemão do RSLogix 5000 configura as mensagens de alarme no idioma alemão. Se você adicionar um idioma, então quando o RSLinx Enterprise conectar-se ao controlador, os dois idiomas são carregados e estão disponíveis para os clientes FactoryTalk Alarms and Events.

É possível exportar alarmes do RSLogix 5000 para um arquivo *.csv ou arquivo de texto (*.txt). Para conjuntos de caracteres de byte duplo (por exemplo, chinês), exporte os alarmes no formato .txt, porque no RSLogix 5000, o formato .csv não suporta conjuntos de caracteres Unicode.

Uma vez exportadas as mensagens de alarme, é possível adicionar manualmente todas as mensagens nos idiomas desejados (limitado aos idiomas suportados pelo FactoryTalk View) e então importar o arquivo quando a tradução estiver concluída. Isto simplifica o envio do trabalho para os tradutores.

Exportar mensagens de alarme no RSLogix 5000

1. Se ainda não estiver aberto, selecione o atalho InstantFizz_Controller a partir do menu Start

2. Selecione o item de menu Tools > Export.

3. Quando a caixa de diálogo Export abrir, navegue até C:\InstantFizz - LabFiles\ Language Switching e mantenha o nome de arquivo padrão.

4. Observe as opções Save as type para o arquivo de exportação.

Este laboratório demonstrará como usar os dois formatos.

5. Mantenha o padrão de RSLogix 5000 Import/Export File (*.CSV) selecionado.

Page 246: Apostila FactoryTalk View 1

245 de 304

6. Clique no botão Export .

Se seu projeto RSLogix 5000 inclui um grande número de programas e você deseja traduzir as mensagens de alarme de apenas um deles, é possível fazer seleções na caixa de diálogo Export para limitar os dados que são exportados.

Traduzir mensagens de alarme

1. Vá para a pasta C:\InstantFizz - LabFiles\ Language Switching.

2. Clique duas vezes no arquivo InstantFizz_Controller-Tags.CSV para abrí-lo no Microsoft Excel.

3. Expanda a largura das colunas A, B, C e D. Role para baixo na página do Excel até encontrar o texto ALM na coluna A, por exemplo, ALMMSG:en-US.

4. O texto da mensagem de alarme aparece na quarta coluna (D) da direita (“Water Valve Jammed. Open Valve.”).

5. Copie a linha inteira ALMMSG que inclui o texto ‘Water Valve Jammed…’ e cole-a no final do arquivo.

6. Altere o texto en-us para ‘de-DE’ (para alemão da Alemanha), e então altere o texto da mensagem

de alarme para “Wasser-Ventil ist gestaut. Öffnen Sie Ventil”.

7. Salve suas mudanças. Você passará por várias mensagens de confirmação: Pressione Yes várias vezes.

Page 247: Apostila FactoryTalk View 1

246 de 304

Um arquivo de exportação C:\InstantFizz - LabFiles\Language Switching\InstantFizz_Controller-

Tags_translated.TXT foi traduzido para você. O arquivo de exportação foi criado usando o formato RSLogix 5000 Unicode Import/Export (*.TXT) porque ele inclui strings de mensagens traduzidos para chinês. Você usará o arquivo para fazer uma importação.

Importar mensagens de alarme

1. A partir do RSLogix 5000, se estiver on-line com o controlador, fique off-line selecionando o item de menu Communications > Go Offline .

2. Selecione o item de menu Tools > Import.

3. Quando a caixa de diálogo Import abrir, navegue até C:\InstantFizz - LabFiles\LanguageSwitching\

4. Selecione o tipo de arquivo RSLogix 5000 Unicode Import/Export Files (*.TXT).

5. Selecione o nome de arquivo InstantFizz_Controller-Tags_translated.TXT, não altere as configurações padrões para os Tags e Comentários lógicos.

6. Clique no botão Import

7. Selecione o item de menu Communications > Download

Page 248: Apostila FactoryTalk View 1

247 de 304

8. Quando a caixa de diálogo Download for exibida, selecione o botão Download .

9. Quando a mensagem “Done downloading. Change the controller mode back to Remote Run?” for exibida, selecione o botão Yes.

10. Certifique-se de que o controlador esteja no modo de operação.

Se ele não estiver, selecione o item de menu Communications > Run Mode

11. Os alarmes deverão estar agora traduzidos no View Client. Você verificará isto ao final desta sessão.

Alternância de idioma de alarme baseado em tag

Quando o editor Alarm and Event Setup é iniciado do FactoryTalk Administration Console, as mensagens de alarme são exibidas no idioma padrão definido para a aplicação. Se um string de mensagens não existir no idioma padrão um sinal de interrogação (?) é exibido.

Quando o Tag Alarm and Event Editor é aberto no FactoryTalk View Studio, as mensagens de alarme são exibidas no idioma selecionado durante a inicialização da aplicação FactoryTalk View SE . Se as mensagens de alarme não estiverem definidas no idioma especificado, as mensagens de alarme são exibidas no idioma padrão definido para a aplicação. Se um string de mensagem não existir no idioma padrão, um sinal de interrogação (?) é exibido.

Ao editar as mensagens de alarme em vários idiomas, o método Microsoft Excel oferece a vantagem de não precisar fechar e reabrir a aplicação no idioma apropriado sempre — é possível editar o texto em qualquer idioma em uma etapa e então importar o texto traduzido para todos os idiomas na aplicação de uma única vez.

Configurar o servidor de Alarmes e Eventos por tag

Se você concluiu a sessão Alarmes e Eventos (Sessão 5), então não precisa fazer as etapas 1-6.

A partir do Explorer, clique com o botão direito em Area1 e selecione o item de menu de contexto Add New Server > Tag Alarm and Event Server… .

Page 249: Apostila FactoryTalk View 1

248 de 304

1. Na guia General da página Tag Alarm and Event Server Properties digite ‘FTAETagServer’ no nome.

2. Clique na guia Priorities and History, não altere as configurações padrão. Observação: se você não fez a sessão Alarmes e Eventos, um banco de dados de histórico de alarmes e eventos não foi adicionado. Desmarque Enable History se não criou o banco de dados na sessão 5.

Observe que o histórico está sendo armazenado em inglês e os alarmes de tag serão armazenados no mesmo banco de dados dos alarmes baseados em dispositivo.

3. Clique no botão OK

4. Os alarmes baseados em tag podem ser criados e configurados com o Editor Alarm and Event Setup. Clique duas vezes no ícone Alarm and Event Setup em Alarm and Event Tag Server no Explorer.

Page 250: Apostila FactoryTalk View 1

249 de 304

5. O Alarm and Event Setup Editor abrirá. Se você não fez a sessão Alarmes e Eventos, não verá nenhum alarme.

6. Feche o Alarm and Event Setup Editor.

Normalmente, você usaria o Alarm and Event Setup Editor para criar seus alarmes, fazer uma exportação, traduzir as mensagens de alarme e então importá-las de volta ao Tag Alarm and Event Server. Para este laboratório você criará seus alarmes com um arquivo que contém os alarmes e os strings de mensagens traduzidos. Você passará pela etapa de exportação ao final desta sessão para verificar como funciona.

Traduzir mensagens de alarme

Se a pasta C:\InstantFizz - LabFiles\\Language Switching\ não estiver aberta, abra.

1. Clique duas vezes no arquivo InstantFizz_FTAETagServer_Alarm Export_translated.xls para

abri-lo.

2. Observe que há uma guia para cada tipo de alarme, uma para as mensagens e uma para as classificações de atualização de tag.

3. Clique em cada guia e observe. Há um alarme digital e um alarme de nível. Observe que uma mensagem pode ser usada em vários alarmes.

4. Clique na guia Messages. Há uma coluna para cada idioma traduzido.

5. Feche o arquivo.

Importar mensagens de alarme

1. A partir do Explorer, clique com o botão direito em FTAETagServer e selecione o item de menu de contexto Import and Export….

O Alarm Import Export Wizard abrirá.

2. Selecione as opções Import alarm configuration from Excel File e clique no botão Next.

Page 251: Apostila FactoryTalk View 1

250 de 304

3. Clique no botão ... de navegação

4. A caixa de diálogo Select Alarm Import File abrirá. Navegue até C:\InstantFizz - LabFiles\\Language Switching\. Selecione o arquivo InstantFizz_FTAETagServer_Alarm Export_translated.xls e clique no botão Open.

5. Clique no botão Next no Alarm Import Export Wizard

6. Selecione a opção Update existing alarm definitions and create new alarm definitions from the import file e clique no botão Finish.

7. Um indicador de progresso abrirá. Quando concluído, você verá o seguinte

8. Clique no botão OK.

Verificar a importação do alarme

1. Clique duas vezes no ícone Alarm and Event Setup em Alarm and Event Tag Server no Explorer.

2. O Alarm and Event Setup Editor abrirá. Observe que há alguns alarmes.

Clique duas vezes em um alarme do tipo Digital e a caixa de diálogo Digital Alarm Properties abrirá. Veja a guia Digital e observe que estas propriedades são quase as mesmas da folha de propriedades de instrução de alarme digital baseada em dispositivos que você viu no RSLogix 5000. Na verdade, este alarme de tag será disparado a partir da mesma condição como um alarme baseado em dispositivo que foi criado. Isto serve apenas como comparação.

3. Clique no botão Seta avançar para navegar para o próximo alarme

Page 252: Apostila FactoryTalk View 1

251 de 304

4. Clique nas setas para frente/para trás até que um alarme de tipo de nível seja exibido na caixa de diálogo Level Alarm Properties. Veja as guias Level e Messages e observe que estas propriedades são quase as mesmas da folha de propriedades de instrução de alarme analógico baseado em dispositivo que você viu no RSLogix 5000. Na verdade, este alarme de tag será disparado a partir da mesma condição como um alarme baseado em dispositivo que foi criado. Isto serve apenas para sua comparação. Observe na guia Messages que o mesmo string de mensagem é usado para a condição “High High” e “High”.

5. Clique no botão Cancel para fechar Level Alarm Properties

6. Clique na guia Messages.

As mensagens podem ser criadas quando um novo alarme está sendo criado ou a partir da guia Message e, então, associadas ao alarme.

É possível criar qualquer número de mensagens que você queira para os alarmes, mas cada alarme pode ser associado com apenas uma mensagem. Para alarmes de nível, é possível configurar uma mensagem por condição de nível.

As mensagens de alarme podem ser compartilhadas entre alarmes para eliminar duplicidade. A coluna “Usage” na guia “Message” indica quantos alarmes estão fazendo referência a uma mensagem de alarme.

7. Para visualizar a lista de alarmes que estão fazendo referência a uma mensagem de alarme em particular, clique com o botão direito na linha que contém a mensagem e então clique no item Usage Details. Clique no botão OK para fechar a caixa de diálogo Message Usage Details.

8. Feche o Alarm and Event Setup Editor.

Exportar mensagens de alarme

Você fará uma exportação para aprender como funciona.

1. A partir do Explorer, clique com o botão direito em FTAETagServer e selecione o item de menu de contexto Import and Export….

O Alarm Import Export Wizard abrirá.

2. Selecione as opções Export alarm configuration to Excel File e clique no botão Next.

Page 253: Apostila FactoryTalk View 1

252 de 304

3. Não altere os padrões com todos os alarmes selecionados e clique no botão Next

4. Selecione “Export messages for all alarms”, marque todos os idiomas e clique no botão Next.

Page 254: Apostila FactoryTalk View 1

253 de 304

5. Altere o nome do arquivo para MY_ InstantFizz_FTAETagServer_AlarmExport.xls e clique no botão Finish.

6. Um indicador de progresso abrirá. Ao terminar, Clique no botão OK .

Visualizar mensagens de alarme traduzidas

Quando o RSLinx Enterprise faz a conexão com um controlador, todas as mensagens de alarme e seus idiomas são carregados do controlador. Quando um FactoryTalk View SE Client é executado, os objetos FactoryTalk Alarm and Event (Alarm and Event Summary, por exemplo) conectam-se ao sistema Alarm and Event e solicitam mensagens de alarme no idioma atual. É possível então alternar entre os idiomas clicando em um botão no computador cliente e o sistema de monitoração de alarme e todas as telas do cliente alternarão para o idioma selecionado naquele cliente específico.

A alternância de idiomas em runtime não altera os formatos de data e hora. Os objetos Alarm and Event no FactoryTalk View exibem sempre o formato data/hora do sistema operacional.

As mensagens de Falha de alarme (Alarm Fault List) que podem ser exibidas no Banner e Sumário de alarmes e evento no momento não trocam de idioma.

As informações de alarme e evento de histórico FactoryTalk são armazenadas em um único idioma especificado nas propriedades do servidor de alarmes. O conteúdo da lista de eventos do Alarm and Event Log Viewer, composta por alarmes históricos e informações de evento não é traduzido. Estes

Page 255: Apostila FactoryTalk View 1

254 de 304

dados continuam a aparecer no mesmo idioma usado quando as informações de alarme e evento foram gravadas no banco de dados de histórico de alarme. Por exemplo, uma mensagem armazenada em inglês será exibida apenas em inglês, mesmo se o idioma for alterado para alemão.

1. Vá para o Cliente em execução.

2. Clique nos diferentes botões com bandeiras em Languages a partir da tela navegação e navegue pelas diferentes telas.

3. Observe que a alternância de idioma funciona e as mensagens de alarme também estão sendo atualizadas para o idioma apropriado.

4. Observe que ambos os alarmes baseados em dispositivo e em tag aparecem e os strings de mensagem tem o idioma alterado. Os alarmes baseados em tag iniciarão com “CIP”. Os alarmes baseados em dispositivo terão o nome do atalho no início do nome de alarme, p. ex.: [Shorcut].

Sessão 11: Teste da aplicação (necessário)

Sobre esta sessão

Nesta sessão do laboratório, você irá:

� Testar as telas a partir do FactoryTalk View Studio

� Configurar um arquivo FactoryTalk View Client File chamado InstantFizz

� Observar a macro Startup

� Observar teclas de função do Cliente (client keys)

� Executar o arquivo FactoryTalk View Client chamado InstantFizz

o Explorar telas ancoradas (docked displays) em runtime

o Verificar o funcionamento das teclas de função do Cliente em runtime

o Testar a navegação em runtime

Testar a tela

A capacidade de testar uma tela no View Studio sem ter que rodar a aplicação cliente é uma função muito poderosa do FactoryTalk View.

O comportamento ao executar o teste de uma tela nem sempre é idêntico ao comportamento em runtime se as mudanças feitas durante o desenvolvimento não estiverem salvas. Para que o comportamento seja o mais real possível, salve uma tela antes de testá-la. O Microsoft VBA IDE (Visual Basic for Applications Integrated Design Environment) permite gravar, editar, executar teste e depurar o código.

Page 256: Apostila FactoryTalk View 1

255 de 304

Nem tudo pode ser feito pela execução de teste de sua tela. Alguns comandos FactoryTalk View são ignorados ao serem executados no modo de teste de tela. Por exemplo, os comandos de navegação de tela, usando marcadores de parâmetro em uma tela e usando parâmetros de referência em um objeto global não funcionarão no modo de teste de tela. Para testar estes recursos, execute a tela no FactoryTalk View SE Client.

Realizar o teste da tela gráfica no FactoryTalk View Studio não significa executar a tela no FactoryTalk View SE Client. Antes de implantar sua aplicação, recomenda-se testá-la no FactoryTalk View SE Client, para verificar se tudo funciona como desejado.

Objetos do FactoryTalk Alarms and Events

O objeto “HMI Tag Alarm Summary” existente do sistemas de alrmes anterior, não será animado ao executar uma tela no modo de teste. Os objetos do novo FactoryTalk Alarms and Events funcionarão no modo de teste de tela.

É possível testar os objetos em uma tela gráfica rapidamente, alternando para o modo de teste de tela no editor gráfico. Vamos fazer isto para animar a tela Labeling.

1. Abra a tela Labeling no FactoryTalk View Studio.

2. A partir da barra de ferramenta FactoryTalk View Studio clique no botão Test Display.

3. Observe que o gráfico Labeling começa a ser animado. Clique no botão Close

.

4. O que acontenceu? Nada! Olhe em Diagnostics List. O comando “Abort Me” na parte inferior foi chamado, mas este comando é ignorado no FactoryTalk View Studio. Alguns comandos não podem ser executados no modo de teste de tela. Será necessário configurar e executar um cliente para rodar estes comandos.

Page 257: Apostila FactoryTalk View 1

256 de 304

5. Clique no botão Start. Pode ser necessário selecionar primeiro STOP e então START.

6. O que acontenceu? Observe que a animação da etiqueta funciona. É possível também escolher o rótulo de fruta selecionando o botão apropriado

7. Clique no botão Edit Display para voltar ao modo de edição.

Agora precisaremos configurar um arquivo cliente e executá-lo para concluir o teste da tela.

Configurar um arquivo Cliente

Antes de configurar o arquivo cliente, observe alguns componentes pré-configurados para seu uso neste laboratório.

Configurar uma macro Uma macro é uma lista de comandos ou símbolos de comandos armazenados em um arquivo texto. Para executar uma macro, use o nome correspondente, assim como faria com um comando. Os comandos na macro serão executados na ordem na qual foram listados.

Uma macro pode ser especificada na inicialização (startup) ou encerramento (shutdown) de um cliente ou tela. Ela pode ser chamada a partir de uma linha de comando no FactoryTalk View Studio ou do Factory Talk View Administration Console.

Page 258: Apostila FactoryTalk View 1

257 de 304

O FactoryTalk View possui recursos multitarefa que podem ser aproveitados ao criar macros. Geralmente, os comandos em uma macro são executados na ordem na qual estão listados com um comando terminando antes do início do próximo comando na macro.

Alguns comandos (como Print) terminam rapidamente e o próximo comando pode ser iniciado. Outros, como Set, demoram mais. No caso do Set, ele não termina até que a mensagem seja enviada ao controlador. Nesses casos, é possível configurar a macro de forma que o próximo comando possa ser executado antes que que o comando anterior termine. Use o caractere ampersand (&) para isto.

Para chamar o assitente (wizard) do arquivo de macro, clique duas vezes na macro ou selecione Edit – Commands… (Ctrl- M).

Observar a macro configurada

Estes comandos servem para fixar as telas na parte superior e inferior da janela cliente e configurar valores de tags no controlador.

1. A partir do Explorer, expanda a pasta Macros .

2. Clique duas vezes na macro StartUp . A macro abrirá.

Esta macro abrirá uma tela de cabeçalho em uma área fixa na parte superior do cliente e abrirá uma tela de rodapé em uma área fixa na parte inferior do cliente.

3. Feche a macro de inicialização sem salvar. Se perguntado se deseja salvar as alterações, selecione o botão No .

Configurar uma Tecla de Função Cliente (client keys)

Algumas vezes é útil pressionar uma única tecla para executar uma função ou várias funções em sua aplicação. Por exemplo, quando você pressiona “F5” no Internet Explorer, a página é atualizada. O FactoryTalk View SE possui uma funcionalidade semelhante.

Teclas de Função Clientes permitem ao operador interagir com o sistema em runtime para alterar telas ou configurar valores de tags, por exemplo. As teclas de função Cliente são definidas para uma aplicação. Elas são habilitadas sempre que a aplicação estiver executando em um FactoryTalk View SE Client.

Há também teclas de objeto e de tela. As teclas de objeto e de tela são definidas no editor gráfico. Elas ficam ativas somente quando seu objeto ou tela estão ativos também. No entanto, as teclas de objeto e

Page 259: Apostila FactoryTalk View 1

258 de 304

de tela prevalecem sobre as teclas de função cliente.

A ordem de prioridade para tecla de função é: teclas de objeto, teclas de tela e teclas de cliente. Isto significa, por exemplo, que se uma tecla de função possui definições para um objeto e aplicação cliente, quando esse objeto em runtime tem o “foco” e a tecla é pressionada, a ação relacionada a esta tecla no objeto será executada e a ação relacionada a aplicação cliente, por sua vez, não será executada.

Observar as teclas Cliente pré-configuradas

Estes comandos realizarão uma atualização de seu cliente. Isto é útil para teste, uma vez que para fazer as alterações nas telas, não será necessário fechar e abrir o cliente toda vez que realizar adições ou alterações.

Vamos importar um arquivo de definição de teclas de função Cliente pré-configurado.

1. A partir do Explorer, Clique com o botão direito na pasta the Client Keys e selecione Add Component Into Application…

2. Navegue até C:\InstantFizz - Lab Files e adicione o arquivo ClientKeys.key.

3. Clique duas vezes em ClientKeys. A caixa de diálogo ClientKeys abrirá.

Ao pressionar a tecla de função F5, todas as telas, incluindo as docked displays, serão fechadas. A

Page 260: Apostila FactoryTalk View 1

259 de 304

tela de cabeçalho será então reaberta e fixada na parte superior e a tela de rodapé será reaberta e fixada na parte inferior do cliente.

4. Feche ClientKeys. Se perguntado se deseja salvar as alterações, selecione o botão No.

Configurar um arquivo Cliente

O FactoryTalk View Client pode ser inicializado do FactoryTalk View Studio. Se um cliente já estiver executando, feche-o usando o botão Exit da tela de navegação.

1. Configure e inicialize um novo cliente. Selecione o botão SE Client no menu ferramenta.

2. Quando a caixa de diálogo Launch FactoryTalk View SE Client abrir, selecione o botão New… . O assistente FactoryTalk View SE Client Wizard abrirá.

3. Clique no botão New… novamente.

Clique em New.

Page 261: Apostila FactoryTalk View 1

260 de 304

4. Digite ‘InstantFizz’ como o nome do arquivo de configuração e clique no botão Next . Siga as etapas a-b.

5. Selecione a opção Network e clique no botão Next.

e então

6. Selecione a aplicação InstantFizz e o idioma inicial English, não altere as demais seleções padrão e clique no botão Next . Siga as etapas a-c

a. Digite ‘InstantFizz’

b. Clique em Next.

Page 262: Apostila FactoryTalk View 1

261 de 304

7. Selecione a tela Plant Overview como a tela inicial, selecione o arquivo de tecla ClientKeys como o arquivo de tecla cliente inicial, selecione a macro StartUp como Startup e clique no botão Next. Observação: Se você usou parâmetros na tela inicial, eles seriam especificados no campo de parâmetros de tela (Display parameters). Se você estiver em uma aplicação de rede, a área precisa ser especificada para a tela inicial. Siga as etapas a – e.

b. Selecione Plant Overview

c. Selecione ClientKeys

d. Selecione Startup

a. Selecione InstantFizz

b. Selecione English

a. Selecione Area1 em área.

c. Clique em Next.

e. Clique em Next.

Page 263: Apostila FactoryTalk View 1

262 de 304

8. Digite ‘InstantFizz’ para o texto da barra de título , marque a opção maximize window e clique no botão Next . Siga as etapas a-c

9. Não altere o padrão para “Auto Logout” e clique no botão Next .

e

10. Não altere a seleção padrão “Save configuration and open FactoryTalk View SE Client now” e clique no botão Finish..

e

O FactoryTalk View Client iniciará com a configuração especificada.

b. Marque a opção Maximize Window

a. Digite ‘InstantFizz’

c. Clique em Next.

Page 264: Apostila FactoryTalk View 1

263 de 304

Executar o cliente

A aplicação InstantFizz está agora executando em uma janela FactoryTalk View SE Client. A macro de inicialização (Startup) fixou telas em 2 áreas. A tela cabeçalho contém uma notificação (banner) de alarmes e está localizada na parte superior da janela cliente; a tela de rodapé contém os botões de navegação e está localizada na parte inferior da janela cliente.

Docked Displays

Em runtime, as telas gráficas podem ser fixadas em uma borda da janela FactoryTalk View SE Client, permitindo que o operador tenha acesso a determinadas telas durante todo o tempo. As telas fixadas não podem ser fechadas acidentalmente pelo operador e não permitem que outros gráficos as sobreponham. Portanto, elas continuarão sempre visíveis para o operador.

Por exemplo, você pode considerar ancorar:

� Os menus de navegação, que permitem ao operador mover-se pelas telas em uma aplicação.

� Cabeçalhos e notificações que fornecem informações específicas para o operador, como o nome e a área do usuário atual ou informações sobre alarmes.

� Painéis de controle que contêm botões padrões para fins especiais, como alteração de usuário, fechamento de janelas abertas ou envio de informações para a equipe de manutenção.

Exploração das Docked Displays

1. Minimize a tela Plant Overview .

2. Arraste a barra de título minimizada até chegar nas bordas da tela cliente:

Borda superior: Borda inferior:

3. Clique no botão para restaurar a tela Plant Overview .

4. Observe que ela não se sobreporá às áreas ancoradas.

5. Arraste a tela Plant Overview até a borda inferior ou o canto inferior direito do cliente.

Page 265: Apostila FactoryTalk View 1

264 de 304

6. Observe que ela não se sobreporá às áreas ancoradas e as barras de rolagem aparecerão de forma que a tela ainda estará visível.

Testar as teclas Cliente

1. Selecione a tecla F5 (usando as teclas de função cliente definidas para fechar todas as telas e reexibir o cabeçalho e rodapé).

2. Observe que todas as telas são fechadas. As telas de cabeçalho e de rodapé são fixadas novamente

Verificar edições online

As alterações feitas no ambiente de desenvolvimento que podem ser transferidas para a aplicação enquanto ela estiver executando são geralmente chamadas de edições em runtime. Elas se enquadram em quatro grupos:

• Alterações que são efetivadas imediatamente.

• Alterações que requerem uma ação sem interrupção da aplicação, como a reabertura de uma tela gráfica, antes que elas sejam efetivadas.

• Alterações que requerem uma ação com interrupção, como reinicialização do servidor ou um cliente em runtime, antes que sejam efetivadas.

• Alterações que causam efeitos adversos imediatamente.

Advertências foram adicionadas ao FactoryTalk para informar aos usuários que uma determinada alteração no ambiente de desenvolvimento afetará adversamente o runtime do sistema. Se a alteração for feita através de um caixa de diálogo, um ícone de advertência aparece próximo ao componente da alteração editada. Quando o cursor do mouse passa sobre o ícone, a advertência a seguir é exibida:

Por exemplo, é possível adicionar um alarme FactoryTalk, adicionar um tag ou alterar um gráfico sem a necessidade de reiniciar o cliente.

Modificaremos uma das telas no FactoryTalk View Studio e observaremos a atualização no cliente.

1. No cliente, clique no botão Filling da tela de navegação.

Olhe a tela. Nós modificaremos a tela no FactoryTalk View Studio.

2. Retorne ao FactoryTalk View Studio

3. Abra a tela Filling .

4. Selecione o objeto agrupado de informações na parte inferior e pressione a tecla delete.

Page 266: Apostila FactoryTalk View 1

265 de 304

5. Salve a tela Filling

3. Feche a tela Filling

4. Retorne ao cliente.

5. Pressione a tecla F5 (usando as teclas clientes definidas para fechar todas as telas, exiba o cabeçalho e o rodapé novamente).

6. Observe que todas as telas são fechadas. As telas de cabeçalho e de rodapé são fixadas novamente. Abra novamente a tela Filling. Observe que o objeto agrupado não está mais presente.

Acabamos de fazer uma alteração on-line. Após modificar uma tela no FactoryTalk View Studio, precisamos apenas abrir novamente aquela tela específica no cliente para ver as alterações. Não precisamos reiniciar o cliente.

Testar comandos em runtime

1. Na tela Filling, selecione o botão close

2. A tela Filling fechará.

Lembre-se que o comando Abort não funciona ao testar a execução da tela no FactoryTalk View Studio.

Isto também acontece para os comandos de navegação (ex. “Display Overview”). O comando funcionará quando executado em um cliente, mas não funcionará quando executado em um teste de tela.

Page 267: Apostila FactoryTalk View 1

266 de 304

Sessão 12: Avançado (opcional)

Sobre esta sessão

Nesta sessão do laboratório, você irá:

� Aprender como importar telas do RSView32

� Aprender a configurar e usar a ferramenta de conversão de alarmes IHM (método anterior) para o novo FactoryTalk Alarms and Events

Importar telas do RSView32

Sobre esta sessão

Nesta sessão do laboratório, você irá:

� Aprender como importar um projeto RSView32

� Aprender quais objetos e componentes podem ser convertidos ou não

Semelhantes às telas do FactoryTalkView ME, as telas do RSView32 podem ser adicionadas aos projetos FactoryTalk View SE.

Veja abaixo uma tela de um projeto RSView32.

Page 268: Apostila FactoryTalk View 1

267 de 304

Observe que a tela possui os objetos a seguir:

• dados exibidos do controlador • uma tendência (trend) nativa do RSView32 • uma tendência TrendX • Exibição de data e hora • Nome do usuário atual

Como o RSView32 usa tags IHM para comunicar-se com o controlador, o modo mais fácil de adicionar telas View32 à sua aplicação ViewSE é, primeiro, converter todo o projeto View32 em uma aplicação ViewSE temporária. Desta forma os tags IHM serão convertidos no formato ViewSE também e a conversão inteira será menos manual. De outro modo, é possível adicionar telas View32 individualmente ao seu projeto ViewSE e mapear novamente a origem dos dados manualmente.

1. Inicie outra instância do FactoryTalk View Studio.

Você vai criar uma NOVA aplicação Site Edition (Local). Digite um nome para sua aplicação e selecione Import, não Create. Sugerimos: MyView32Conversion.

2. Clique em OK quando solicitado.

Page 269: Apostila FactoryTalk View 1

268 de 304

3. Selecione o tipo de importação como RSView32 Project (*.rsv)

Clique em Next. 4. Selecione o arquivo de projeto localizado em:

C:\InstantFizz - Lab Files\RSView32\view32hmi\view32hmi.rsv

Clique em Finish. A conversão começará em…

…e terminará com sua aplicação aberta no FactoryTalk View Studio.

Page 270: Apostila FactoryTalk View 1

269 de 304

5. Abra a tela TankDetail clicando duas vezes e observe o conteúdo:

Observe que, exceto pelo Trend nativo do RSView32, todos os itens da tela foram convertidos e a aparência no FactoryTalk View SE é a mesma do RSView32. Posteriormente, falaremos mais sobre o que é convertido e o que não é.

Page 271: Apostila FactoryTalk View 1

270 de 304

6. Antes de fecharmos o FactoryTalk View Studio para esta aplicação, vamos exportar os tags e alarmes. Selecione o menu Tools do FactoryTalk View Studio e selecione Tag Import Export Wizard.

7. Selecione a operação: Export a FactoryTalk View tag database to CSV files

Clique em Next.

8. Escolha Site Edition como “Project type” e selecione a aplicação que acabamos de criar: MyView32Conversion

Clique em Next mais uma vez e, então, em Finish.

9. Você pode fechar o FactoryTalk View Studio para esta aplicação.

Agora vamos importar a tela “Tank Detail” e os tags IHM para nossa aplicação InstantFizz. 10. A partir da instância do FactoryTalk View Studio com a aplicação InstantFizz , clique com o botão

direito no cabeçalho Displays e selecione Add Component Into Application…

Page 272: Apostila FactoryTalk View 1

271 de 304

11. Selecione o arquivo chamado TankDetail.gfx localizado em C:\Documents and Settings\All Users\Documents\RSView Enterprise\SE\HMI Projects\MyView32Conversion\Gfx\TankDetail.gfx.

Clique em Open

12. Após alguns segundos, a tela será parte de seu projeto e você verá esta mensagem:

13. Abra a tela TankDetail clicando duas vezes e observe o conteúdo:

Experimente testar a tela :

Page 273: Apostila FactoryTalk View 1

272 de 304

Você observará que os objetos de exibição de dados(data displays) estão destacados:

e você verá um erro no na barra de Diagnóstico:

Este erro de tag ocorre porque o RSView32 usa os tags IHM para comunicar-se com o controlador e estes tags IHM não existem em sua aplicação SE. Porque nós adicionamos apenas uma única tela, precisaremos também agora adicionar os tags IHM correspondentes que exportamos alguns minutos atrás.

14. Volte a tela para o modo de edição selecionando o botão stop .

15. Selecione o menu Tools do FactoryTalk View Studio e selecione Tag Import Export Wizard.

16. A partir do menu, selecione Import FactoryTalk View tag CSV files

Clique em Next.

17. Selecione o projeto para onde deseja importar, que é Site Edition e InstantFizz_HMIServer.sed

Page 274: Apostila FactoryTalk View 1

273 de 304

Clique em Next.

18. Neste ponto, desejamos importar apenas os tags IHM. Portanto, selecione o arquivo tag do projeto que acabamos de criar e exportar. O arquivo está localizado em : C:\Documents and Settings\All Users\Documents\RSView Enterprise\SE\HMI Projects\MyView32Conversion\MyView32Conversion-Tags.CSV

Clique em Next

19. Clique em Next, e depois em Finish.

20. Após os tags serem importados, novamente Abra a tela Tank Detail clicando duas vezes na janela

do Explorer. Novamente experimente testar a tela: Agora será possível ver os dados nas telas.

Page 275: Apostila FactoryTalk View 1

274 de 304

21. Observe que a tela User Name continua destacada e sem dados.

No RSView32, o campo “User Name” é um tag IHM: “system\User” Este tag IHM não existe no IHM FactoryTalk View SE. Ao invés disso, o campo “user name” é uma função do sistema, “CurrentUserName()”. É possível substituir system\User por CurrentUserName() na tela de grupo na tela TankDetail .

Se você testar a tela novamente, o nome do usuário atual aparecerá.

Concluímos a importação de tela. Porém, como observamos anteriormente, o trend nativo do RSView32 não foi convertido e não há como fazer isto. Se você tiver um projeto RSView32 com várias tendências nativas do RSView32, certifique-se de documentar os tags referenciados nas tendências de forma que possa recriá-las no FactoryTalk View SE. Se tiver um projeto RSView32 com várias tendências TrendX, não há com o que se preocupar, pois elas serão convertidas. A seguir, uma pequena lista de outras considerações para a conversão de um projeto RSView32 para FactoryTalk View SE. • View SE implementa VBA do lado cliente, mas não VBA do lado servidor

– O projeto VBA do View32 não migrará para o View SE. – O código VBA pode ser copiado e reutilizado no View SE. Verifique seu código, ele poderá ter

que ser reprojetado para uso com o View SE. – Os usos típicos de VBA incluem:

• modificação de tags IHM, alarmes IHM e modelos de registro de dados • chamada de comandos • gravação de mensagens para diagnósticos

– Visualizar o Modelo de objeto do SE Client (View SE Client Object Model) disponível em arquivos de ajuda OU • KB Doc ID: 30478 View SE Client Object Model

• Os usuários IHM do View32 não são convertidos para os usuários FactoryTalk . – Os usuários e as configurações de segurança devem ser configurados manualmente na nova

aplicação SE, porém os usuários e os grupos do FactoryTalk permitem maior flexibilidade. – Tag de IHM “system/user “ é substituído pela função “CurrentUserName()” do View SE.

• Eventos do lado Cliente são executados no servidor em View SE.

Page 276: Apostila FactoryTalk View 1

275 de 304

– O View SE executa todos os comandos gerados por um evento no servidor. • Tag Monitor e Command Line Object não são suportados nas telas View SE . • Algumas extensões RSView32 não são suportadas diretamente, porém há algumas equivalências:

– RSView32 Messenger (solução equivalente: Win911) – RSView32 RecipePro (equivalente futuro: RecipePlus disponível para SE) – RSView32 SPC (equivalente futuro: FT Historian SE com MS Reporting) – RSView32 WebServer (equivalente futuro: FT ViewPoint) – Project Documenter (solução equivalente: KB Doc ID: 46928 FT View Project Documenter)

• View 32 Language String Substitution: strings traduzidos não são convertidos.

Ferramenta de migração de alarme

Sobre esta sessão

Nesta sessão do laboratório, você irá:

• Aprender a usar uma ferramenta que o ajudará a converter os alarmes IHM tradicionais em alarmes e eventos baseados em tag do FactoryTalk.

Se você tiver um projeto com o alarme IHM tradicional configurado, será necessário exportar os tags e as informações de alarme para arquivos CSV antes de converter. A ferramenta de conversão de alarme lerá as informações dos arquivos CSV e gerará um arquivo Excel que pode ser importado para um Servidor de Alarme de Tags (Tag Alarm Server).

Na Sessão 5 do laboratório, você criou um “Tag Alarm Server” e importou os tags. A operação aqui é semelhante.

Como usar a ferramenta

1. Inicie a Ferramenta de migração de alarme selecionando-a do menu Start . Start���� All Programs ���� Rockwell Automation ���� Alarm Migration Tool

Para maiores detalhes sobre dúvidas de conversão:

Base de conhecimento da Rockwell Automation (knowledgebase) Doc ID 27708: RSView32 to RSViewSE Upgrade Issues

Page 277: Apostila FactoryTalk View 1

276 de 304

2. A ferramenta iniciará e exibirá Etapa 1. Clique em Next.

3. Para este laboratório, os arquivos de exportação de tags e alarmes foram criados a partir do projeto de conversão RSView32. Navegue até os locais exibidos para selecionar os arquivos CSV apropriados exibidos abaixo:

Page 278: Apostila FactoryTalk View 1

277 de 304

Clique em Next.

4. Escolha um nome e uma localização de arquivo para o arquivo a ser importado.

Clique em Next.

Page 279: Apostila FactoryTalk View 1

278 de 304

5. Agora é que você começa a fazer várias escolhas…

O que todas elas significam? E quais são importantes para o laboratório?

Opção Significado

Convert Alarm Identify Commands to FactoryTalk View Commands.

Esta opção converterá os comandos Alarm Identify em comandos FactoryTalk View . Observação: Os comandos Alarm Identify são considerados como estão, portanto se eles fazem referência a tags IHM que não existirão mais na nova aplicação, os comandos precisarão ser atualizados manualmente.

Scale RSViewAlarm Severity to FactoryTalk Alarm Severity (Cria todos os alarmes com severidade XX)

Quando selecionada, a ferramenta fará a escala das severidades de nível RSView existentes para severidades de nível A&E. RSView level 1 = A&E level 100 RSView level 2 = A&E level 200 … RSView level 9 = A&E level 900 Quando não selecionada, a ferramenta definirá todas as severidades de nível A&E de acordo com o número no campo de entrada. Se sua entrada for inválida, a entrada padrão é 100.

Page 280: Apostila FactoryTalk View 1

279 de 304

Expose A&E Alarms as tags Quando selecionada, a ferramenta exibirá todos os alarmes A&E recém criados como tags. O padrão é Not selected.

Use Alarm Label as Alarm Class Quando selecionado, o “label” da tag de alarme IHM será usado como Classe de alarme A&E . Quando não selecionado, a classe de alarme A&E permanecerá em branco.

Alarm Messages start at ID number… As mensagens de alarme recebem um número índice e a esse número corresponde uma definição de alarme. Este recurso permite reutilizar o mesmo string de alarme para vários alarmes. Por padrão, a ferramenta Alarm Migration não otimiza o string de texto e toda mensagem de alarme recebe seu próprio número de índice. Você pode selecionar um novo índice de partida para não substituir mensagens já definidas em sua aplicação. A entrada padrão é 1.

Select Default Tag Update Rate Os alarmes A&E baseado em tags são adquiridas por “polling”. Selecione aqui sua taxa padrão de “polling” desejada. 1.0 segundo é o padrão selecionado.

Em nosso caso, como já temos alarmes baseados em tag definidos com mensagens, não desejamos que nossas novas mensagens comecem no índice 1, pois a importação vai sobrescrevê-las.

Altere o campo numérico das definições de Alarm message para 20.

6. Clique em Migrate Alarms.

7. Quando a conversão terminar, o Excel abrirá o arquivo de trabalho de conversão e a janela a seguir aparecerá:

Page 281: Apostila FactoryTalk View 1

280 de 304

8. Observe o trabalho de conversão e clique nas 5 guias:

9. Feche o arquivo Excel e abra FactoryTalk View Studio (se ainda não estiver aberto).

Importar alarmes migrados

Esta parte da sessão Ferramenta de Migração presume que você já criou um Servidor de dados de alarme de tag e evento (Tag Alarm and Event Data Server).

10. Clique com o botão direito no servidor de alarme e evento baseado em tag no projeto.

Page 282: Apostila FactoryTalk View 1

281 de 304

11. Selecione:: Import Alarm Configuration from an Excel File

Clique em Next.

12. Selecione o arquivo que acabamos de criar com a ferramenta de migração para ser importado. C:\InstantFizz – Lab Files\MyImportFile.xls

Clique em Next.

13. Escolha como deseja realizar a importação.

Clique em Next.

Page 283: Apostila FactoryTalk View 1

282 de 304

14. Clique em “Finish” para continuar a importação dos alarmes Se tudo estiver correto você verá:

Os alarmes importados podem ser encontrados em Alarm and Event Setup, FTAETagServer.

Notas sobre migração

Com a migração dos alarmes do sistema RSView IHM, nem todos os recursos configurados serão convertidos para o sistema A&E baseado em tag e algumas considerações precisam ser feitas.

Page 284: Apostila FactoryTalk View 1

283 de 304

Alarmes digitais Campos de alarme IHM RSView

Campos FactoryTalk A&E correspondentes

Tag File: Tag Name. Nome tag\path converted to tag_path Tag File: Address Input Tag

Alarm File: Severity Severity scaled Tag File: Tag Description Message ID via number assigned to message Alarm File: Alarm Label Alarm Class Alarm File: Alarm Identify FactoryTalk View Command Alarmes analógicos Campos de alarme IHM RSView

Campos FactoryTalk A&E correspondentes

Tag File: Tag Name. Nome tag\path converted to tag_path Tag File: Address Input Tag

Alarm File: Severity Severity scaled Tag File: Tag Description Message ID via number assigned to message Alarm File: Alarm Label Alarm Class Alarm File: Alarm Identify FactoryTalk View Command 13. Limites analógicos Os alarmes IHM RSView permitem 8 Limites: crescente, decrescente ou ambos. Os alarmes A&E baseados em tag possuem 4 limites: HH, H, L, LL A conversão é feita da seguinte maneira: Os dois limites extremos definidos CRESCENTES tornam-se HH e H. Se houver apenas um limite CRESCENTE, ele torna-se H. Os dois limites extremos definidos DECRESCENTES tornam-se LL e L. Se houver apenas um limite DECRESCENTE, ele torna-se L. “Label” de alarmes como classe de alarme Os alarmes IHM analógicos contêm “label” para cada limite. Se selecionado, a Ferramenta de migração de alarme atribuirá o “label” do limite HH, se houver, para a classe de alarme. Se HH não estiver definido, então será usado LL. Se LL não estiver definido, então será usado H. Se H não estiver definido, então será usado L. Zonas mortas analógicas (Deadbands) Os alarmes IHM analógicos permitem a configuração de um valor de zona morta (deadband), absoluto ou percentual. A&E baseado em tag suporta apenas valores absolutos, portanto todos os valores de zona morta serão considerados absolutos. Tags IHM como limites ou reconhecimento de tags

Page 285: Apostila FactoryTalk View 1

284 de 304

A ferramenta de migração de alarme substituirá o endereço do dispositivo para todos os tags IHM, se houver. Idioma padrão para as mensagens Por padrão, “en-US” será definido no arquivo importado na guia “Messages”. É possível alterar para o idioma definido em sua aplicação SE. É possível também adicionar os idiomas que desejar.

Não convertidos: Estes itens não migram porque eles não existem no formato A&E baseado em tag: Alarm Handshaking e Handshaking Auto Reset Reconhecimento do Auto Reset

Mensagens do histórico de alarmes: de arquivo, mensagens de impressora, definidas pelo usuário, etc.

Você concluiu esta sessão!

Page 286: Apostila FactoryTalk View 1

285 de 304

Sessão 13: FactoryTalk ViewPoint (opcional)

Nesta sessão você aprenderá a criar uma aplicação FactoryTalk ViewPoint Web a partir de uma aplicação FactoryTalk View SE existente.

Nesta sessão você usará uma única máquina VMWare chamada Lab13_ViewPoint. Esta é uma imagem separada do laboratório FactoryTalk View SE. Um sistema típico pode ter máquinas separadas para o FactoryTalk View SE Server, o FactoryTalk ViewPoint Server e o FactoryTalk ViewPoint client. Para este laboratório executaremos todos os três papéis no mesmo servidor, como exibido abaixo.

Para alternar entre as máquinas VMWare, selecione a guia Lab13_ViewPoint na parte superior da tela. Solicite ajuda ao instrutor se necessário

Ferramentas e pré-requisitos

É recomendável algum conhecimento do FactoryTalk View, porém, não é um requisito para a conclusão deste laboratório. Ter conhecimento ajudará a compreender as diferenças entre o FactoryTalk ViewPoint e o FactoryTalk View.

Nesta sessão, você seguirá instruções passo-a-passo para completar algumas tarefas básicas envolvidas no trabalho com o FactoryTalk ViewPoint e na criação de uma aplicação Web. Você aprenderá a:

• Publicar telas a partir de uma aplicação FactoryTalk View existente para o FactoryTalk ViewPoint server

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Font: Bold,Portuguese (Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 287: Apostila FactoryTalk View 1

286 de 304

• Interagir com uma aplicação FactoryTalk ViewPoint em um navegador Web e comparar a experiência de executar a mesma aplicação no FactoryTalk View SE.

Você aprenderá também algumas dicas e truques e receberá informações de suporte do FactoryTalk ViewPoint.

Abrindo o FactoryTalk ViewPoint

A configuração do FactoryTalk ViewPoint é habilitada em rede. Isto permite a configuração do FactoryTalk ViewPoint Server a partir de qualquer máquina com o acesso por rede com o ViewPoint Server. Não é necessário fazer a instalação de pacotes de software adicionais além do navegador da internet.

1 Na Máquina Virtual Lab13_ViewPoint, clique duas vezes no atalho FactoryTalk ViewPoint Administration na área de trabalho.

A janela FactoryTalk ViewPoint Administration será exibida.

O FactoryTalk ViewPoint usa a tecnologia Silverlight da Microsoft para visualizar o conteúdo do FactoryTalk View no navegador. Microsoft Silverlight é uma nova tecnologia de rede que foi criada para operar em várias plataformas. Isto permite a criação aplicações visualmente surpreendentes e interativas.

O Microsoft Silverlight é o único software necessário em um cliente de rede para visualizar o conteúdo do FactoryTalk ViewPoint. A instalação leva apenas alguns minutos e estará disponível para qualquer cliente que tente se conectar com o FactoryTalk ViewPoint Server pela primeira vez.

Para este laboratório, o Microsoft Silverlight já foi previamente instalado. 2 Maximize a janela FactoryTalk ViewPoint Administration.

Configurando Segurança no FactoryTalk ViewPoint

O FactoryTalk ViewPoint Security permite estabelecer a segurança de acesso ao site do FactoryTalk ViewPoint Administration e a aplicação web publicada.

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 288: Apostila FactoryTalk View 1

287 de 304

1 Na janela do FactoryTalk ViewPoint Administration, selecione Security Settings.

2 A partir da janela de segurança, você pode alterar o nível de acesso para os usuários FactoryTalk configurados. Vamos começar autorizando o usuário Maintenance acesso de visualização a aplicação web publicada. Selecione a opção Viewer ao lado do usuário Maintenance

3 Queremos que o usuário Supervisor tenha acesso ao site de administração FactoryTalk Administration para que ele possa publicar aplicações e realizar alterações de ajuste do servidor FactoryTalk ViewPoint. Selecione a opção Administrator para este usuário.

Quando é dado o privilégio de Administrador a um usuário, automaticamente é garantido a ele o acesso de Viewer. Este acesso pode ser removido, caso seja desejado.

4 Uma vez que a segurança é opcional no FactoryTalk ViewPoint, é possível habilitar a segurança selecionando as opções Published Web applications e FactoryTalk ViewPoint Administration. Feito isto, suas opções devem estar conforme abaixo :

Page 289: Apostila FactoryTalk View 1

288 de 304

5 Finalmente, é necessário salvar a nova configuração de segurança. Clique no botão Save.

Como informação adicional, a segurança também poderia ser configurada através do FactoryTalk Administration Console, ferramenta de administração de todos os produtos FactoryTalk e não apenas do FT ViewPoint.

6 Feche a página do FactoryTalk ViewPoint Administration

7 Abra o site novamente clicando no atalho

em sua área de trabalho.

8 Uma vez que a segurança foi habilitada, é necessário fazer o “login” para se ter acesso ao site de administração. Faça o “login” usando o username Maintenance e a password Maintenance. Você verá a mensagem de falha por não ser um usuário do grupo com privilégios de administrador.

9 Nós só configuramos o acesso ao site de administração ao usuário Supervisor. Faça o login utilizando este “user name” e “password” também Supervisor. NÃO marque a opção “Remember me on this computer”.

Page 290: Apostila FactoryTalk View 1

289 de 304

10 No canto superior direito da janela, pode ser identificado qual usuário está no momento “logado”. Existe também a opção de se fazer o “log off “

Publicando as telas de uma aplicação FactoryTalk View SE.

No FactoryTalk ViewPoint Administration é possível publicar uma aplicação View SE para visualização na web através do FactoryTalk ViewPoint Server.

1 Selecione Publish displays to Web

2 Selecione Site Edition (Network) e garanta que a aplicação ViewPoint também está selecionada. Clique no botão Select Graphic Displays no canto inferior direito do navegador.

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Font: Not Bold,

Portuguese (Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 291: Apostila FactoryTalk View 1

290 de 304

Esta versão do FactoryTalk ViewPoint suporta apenas aplicações FactoryTalk View SE Network e manterá apenas uma configuração da aplicação FactoryTalk ViewPoint por vez.

A seleção de uma aplicação FactoryTalk View diferente ou de um conjunto diferente de telas a serem publicadas substituirá a configuração da aplicação de rede atual.

3 Será exibida uma lista de telas da aplicação ViewPoint. Expanda a área AreaVP clicando em + próximo à AreaVP

4 Todas as telas são inicialmente selecionadas, porém, você pode escolher quais telas gostaria de publicar. A tela Logix_Help_Brower no momento não está publicada. Vamos adicioná-la a lista clicando na caixa de seleção ao lado de seu nome.

Por default, a primeira tela da lista é selecionada como Tela Inicial, como neste caso a tela “alarms”.

5 Você pode alterar esta tela inicial escolhendo outra através da coluna Initial Display ou, alternativamente, selecionando uma macro de partida (startup). Uma vez que a aplicação usa uma tela “ancorada” de navegação na parte inferior e tem como tela inicial a plant overview, vamos selecionar a macro Startup que irá fazer estas duas funções de uma vez.

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 292: Apostila FactoryTalk View 1

291 de 304

6 Selecione o botão Publish displays Observe o progresso à medida que a ferramenta analisa as telas selecionadas e as prepara para serem hospedadas no navegador antes da publicação. Dependendo do tamanho das telas, o processo de publicação pode levar alguns minutos quando realizado pela primeira vez. Ações subsequentes de publicação são otimizadas para analisar e preparar as telas alteradas ou adicionadas.

7 Quando o processo de publicação estiver concluído, será fornecido um link para o relatório publicado o qual descreverá qualquer erro ou advertência que possa ter ocorrido durante a publicação e um link para sua tela inicial do FactoryTalk ViewPoint.

8 Clique no link acima e verifique o relatório gerado. Depois de verificar o relatório, feche a janela contendo o relatório.

Rodando uma aplicação View SE com o browser.

1 Após a conclusão do processo de publicação, clique no botão Open Web Application.

O Internet Explorer e a tela inicial especificada na tarefa anterior serão abertos.

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Font color: Auto,

Portuguese (Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 293: Apostila FactoryTalk View 1

292 de 304

Como já estávamos “logados” como Supervisor, não foi solicitado nenhuma senha. Feche todas as janelas do Internet Explorer que estiverem abertas. A partir da área de trabalho, abra o Internet Explorer e selecione o endereço http://core/FTVP. Este é a página default do FactoryTalk ViewPoint para a aplicação publicada. Observe que core é o nome deste computador. Você será solicitado a efetuar o “login” conforme nossa configuração no exercício anterior. Faça o “login” com o usuário Maintenance e senha Maintenance. Marque a opção Remember me on this computer. Você não será mais solicitado a efetuar o “login” neste computador mesmo após a reinicialização do computador, a menos que : - manualmente seja feito o “log off” - sua senha expire - sua conta seja desabilitada no FactoryTalk

2 No Internet Explorer, você verá a tela InstantFizz Overview. As telas do FactoryTalk ViewPoint são dimensionadas automaticamente para caber no tamanho da janela do navegador. Maximize a janela do navegador se ela ainda não estiver no tamanho máximo.

Parabéns, você publicou com sucesso a aplicação FactoryTalk View SE escolhida. Observe que o FactoryTalk ViewPoint converteu e publicou automaticamente as telas para o FactoryTalk ViewPoint Server; não foi necessário fazer nenhuma modificação na aplicação FTView SE.

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 294: Apostila FactoryTalk View 1

293 de 304

3 Maximize a janela do navegador se ela ainda não estiver no tamanho máximo O FactoryTalk ViewPoint fornece uma solução “thin client” para o FactoryTalk View. Não é necessário instalar e manter nenhum software da Rockwell na máquina do cliente. Isto reduz o custo total de propriedade, minimiza o tempo parado e aumenta a segurança. O FactoryTalk ViewPoint também fornece um acesso fácil as aplicações FactoryTalk View a partir de qualquer local (escritório central, casa, Internet) ampliando o alcance da visualização para usuários remotos, móveis e externos, como gerentes de planta, engenheiro de manutenção central, OEMs e integradores de sistema. Pense em todos os usuários remotos em sua instalação ou nas instalações de seu cliente que podem ser beneficiados com o acesso rápido às informações de visualização do chão-de-fábrica ao executar a aplicação InstantFizz no FactoryTalk ViewPoint

4 FactoryTalk ViewPoint oferece uma experiência rica e interativa ao usuário do navegador. Toda a navegação integrada à aplicação FactoryTalk View SE InstantFizz funciona também no navegador. No Internet Explorer, navegue da tela Overview para a tela Filling e observe como a funcionalidade da navegação InstantFizz funciona no FactoryTalk ViewPoint.

5 A tela Filling deve agora ser exibida no FactoryTalk ViewPoint. Observe que a animação usada para simular o enchimento das garrafas e o movimento ao longo da linha de engarrafamento é totalmente funcional no FactoryTalk ViewPoint. O FactoryTalk ViewPoint é compatível com a toda a animação das telas FactoryTalkView SE sem a necessidade de atualizar seu navegador.

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Font color: Red,

Portuguese (Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 295: Apostila FactoryTalk View 1

294 de 304

6 Navegue da tela Filling para a tela Labeling

7 A tela Labeling deve agora ser exibida no FactoryTalk ViewPoint. Mais uma vez, observe que a linha da rotuladora e os objetos, como as telas numéricas e indicadores de multi-estado usados para exibir o status da linha estão atualizando dinamicamente. O FactoryTalk ViewPoint é totalmente interativo e não usa “capturas de tela” estática para exibir as informações no navegador.

8 Redimensione o navegador clicando no canto inferior direito da janela do Internet Explorer, enquanto mantém pressionado o botão esquerdo do mouse e arraste a janela para o novo tamanho. Se a janela do Explorer estiver maximizada, é possível clicar duas vezes na barra de título azul do Internet Explorer para redimensionar a janela. Observe que a tela é redimensionada em operação. Isto permite a você desenvolver uma única tela e executá-la em uma ampla variedade de equipamentos clientes com tamanhos de tela e resoluções diferentes (incluindo equipamentos sem fio e móveis).

9 Navegue da tela Labeling para a tela CIP.

10 A tela CIP deve agora ser exibida no FactoryTalk ViewPoint.

11 Clique no botão CIP – Repeat Cycle no alto da tela CIP e veja o que acontece.

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Page 296: Apostila FactoryTalk View 1

295 de 304

Depois de clicar em CIP_Repeat Cycle, a seguinte mensagem será exibida.

12 Selecione Close para fechar a janela de mensagem acima

13 Vá para o FactoryTalk View SE Client. Se o FactoryTalk View SE Client ainda não estiver

sendo executado, clique duas vezes no ícone da área de trabalho ViewPoint-Ready instantFizz.cli

14 A partir do cliente “full” do FTView, navegue até a tela CIP e inicie outro Ciclo de repetição CIP

15 Após o início do Ciclo de repetição CIP, retorne para o Internet Explorer que está executando o FactoryTalk ViewPoint. Observe que os dados na tela CIP estão sendo atualizados e todos os níveis estão mudando.

Esta versão inicial do FactoryTalk ViewPoint é apenas visualização e leitura (read only). Tarefas como partir, parar, alterar setpoints, etc não são suportadas. Está previsto a incorporação desta funcionalidade em versões futuras

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Font: Bold,

Portuguese (Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 297: Apostila FactoryTalk View 1

296 de 304

Algumas funções avançadas com o FactoryTalk ViewPoint

Tendência

Durante o processo de publicação, o objeto de tendência do FactoryTalk View SE é substituído por um objeto compatível com o Siverlight Web, desenvolvido pela Rockwell Automation. Deste modo, o objeto de tendência tem aparecia distinta no browser do que no FactoryTalk View SE cliente.

1 Navegue até a Tela Overview.

2 Clique no botão Line 1 Dashboard

3 A tela Dashboard exibe uma única tela com as características gerais do estado atual da linha. Você verá duas tendências na parte inferior do Line 1 Dashboard. Clique no trend da esquerda.

4 O objeto de tendência do FactoryTalk ViewPoint consiste de um gráfico, legenda dos tags em exibição, barra de valores atuais, eixos X e Y, botões de “play” e “stop” e um slider de pan e zoom. Veja os componentes.

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 298: Apostila FactoryTalk View 1

297 de 304

5 O “slider “ horizontal abaixo do eixo X pode ser usado para deslocamento (pan) e zoom. Clique e arraste o botão do lado esquerdo para zoom.

6 Clique e arraste a barra para deslocamento (pan) do gráfico.

Alarmes

O objeto de sumário de alarmes é outro objeto que foi substituído por um objeto compatível com o Siverlight Web, durante o processo de publicação. Deste modo, o sumário de alarmes tem aparecia distinta no browser do que no FactoryTalk View SE cliente.

O objeto de alarme em uma página Web provê uma visão simplificada dos alarmes FactoryTalk: é possível verificar alarmes, monitorar status de alarmes e prioridades, filtrar e ordenar

1. Navegue até All Alarms.

Page 299: Apostila FactoryTalk View 1

298 de 304

2. Você verá uma visualização em pop-up de todos os alarmes, para usuários casuais. As cores de alarmes são pré-definidas e existem métodos fáceis de filtro e para ordenar alarmes. Verifique a funcionalidade você mesmo.

3. Se estiver sendo exibidos muitos alarmes, pode ser desejado procurar por uma alarme específico. Usando o Quick Filter, procure por palavras exibidas na lista de sumário de alarmes para filtrar por esta palavra específica. Veja um exemplo abaixo.

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 300: Apostila FactoryTalk View 1

299 de 304

4. Quando estiver satisfeito, feche a janela de sumário de alarmes.

Usando as funções do Browser com o FactoryTalk ViewPoint

Todos nós usamos frequentemente a Internet como uma parte diária de nosso trabalho e de nossa rotina doméstica, portanto, a maioria das pessoas está familiarizada com a funcionalidade do navegador. Uma das principais vantagens de usar o FactoryTalk ViewPoint é que ele permite usar as funções do navegador com o qual você está familiarizado. Esta sessão enfoca a exploração de seu projeto FactoryTalk ViewPoint usando as funções no navegador.

1. Se o seu Internet Explorer não estiver aberto no ViewPoint, conecte o servidor FactoryTalk ViewPoint digitando o link abaixo no Internet Explorer: http://core/ftvp.

2. Navegue através de várias telas. Tente usar os botões Back e Forward em seu navegador. Você conseguirá navegar pelo histórico, assim como se estivesse visualizando qualquer website

3. Abra a barra do Explorer Internet Explorer History

4. Expanda Today - vplab. Você verá todas as telas do ViewPoint pelas quais navegou. Clique em FTVP CIP Overview areavp. Você verá a tela CIP

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Default Paragraph

Font, Portuguese (Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 301: Apostila FactoryTalk View 1

300 de 304

5. Clique em Favoritos para abrir a barra de favoritos no Explorer

6. Na pasta InstantFizz, você verá que foram criados atalhos para as telas principais do ViewPoint . Navegue até Labeling selecionando-a a partir de Favoritos – InstantFizz

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Font: Bold,Portuguese (Brazil)

Formatted: Font: Bold,Portuguese (Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Formatted: Portuguese

(Brazil)

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 302: Apostila FactoryTalk View 1

301 de 304

7. Você pode usar as funcionalidades conhecidas do Internet Explorer para criar novos links Favoritos, definir Página Inicial, etc.

8. Por fim, usaremos funções menos conhecidas do Internet Explorer para colocar o navegador no modo de tela cheia pressionando a tela de função F11. Observe que você deverá ter a janela do Internet Explorer selecionada (no primeiro plano) antes de pressionar F11 para mudar para o modo de tela cheia. Após ir para o modo de tela cheia (sua tela FactoryTalk ViewPoint deverá ocupar toda a tela). Após explorar esta função, pressione F11 novamente para alternar de volta ao modo de tela cheia do IE

PARABÉNS !!! Você conclui este laboratório. Esperamos que tenha gostado de usar algumas das funções do factoryTalk View SE e factorytalk ViewPoint.

Formatted: Portuguese(Brazil)

Page 303: Apostila FactoryTalk View 1

302 de 304

Observações