apostila sabonete liquido

  • View
    25

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of apostila sabonete liquido

Sabonetes l quidosSintticos e naturais

Revis o 2010

Massa base para sabonetes / Ricardo Mercadante e Lucilaine de Assump o.

Sabonetes l quidosSintticos e naturais

Nesta apostila ser visto o processo artesanal de produ o de sabonetes l quidos naturais e sintticos.

A todos um BOM ESTUDO!

Revis o2010

SumrioOs sabonetes l quidos ...............................................................1 Os principais componentes do sabonete l quido sinttico .........2Tensoativos ............................................................................................. 2Tensoativos ani nicos ............................................................................................................ 2 Tensoativos n o i nicos......................................................................................................... 3 Tensoativos cati nicos ........................................................................................................... 3 Tensoativos anfteros ............................................................................................................ 4

Espessantes ............................................................................................ 4 Sequestrantes ......................................................................................... 4 Conservantes........................................................................................... 4 Hidrtopos............................................................................................... 5 Controlador de pH ................................................................................... 5

Problemas comuns ....................................................................5pH alcalino .............................................................................................. 5 Ponto de turva o elevado ...................................................................... 5 Precipita o ............................................................................................ 6 Viscosidade baixa .................................................................................... 6 Mudana na cor ....................................................................................... 6 Pouca espuma ......................................................................................... 6

Produ o do sabonete sinttico ................................................7Equipamentos ............................................................................................................................ 7 Materiais ...................................................................................................................................... 7 Procedimentos na produ o do sabonete sinttico ..................................................... 8

Os principais componentes do sabonete l quido natural ............9 leos ....................................................................................................... 9 Purifica o do leo .................................................................................. 9 Soda ...................................................................................................... 10 cido brico .......................................................................................... 10 Acar ................................................................................................... 10 Glicerina ................................................................................................ 10

Produ o do sabonete natural .................................................11Equipamentos .......................................................................................................................... 11 Materiais .................................................................................................................................... 11 Procedimentos para fazer sabonete l quido natural ................................................. 12

Neutralizando o sabonete l quido .......................................................... 14 Percentagem de dilui o ....................................................................... 14

Sabonetes l quidos: sintticos e naturais

OS SABONETES L QUIDOSAs principais formas com que os sabonetes s o apresentados s o: slidos, l quidos ou pastosos. Cada um deles tem uma finalidade espec fica, sendo os sabonetes slidos mais utilizados no banho e para lavar m os e rosto; os sabonetes pastosos s o utilizados principalmente para fazer a barba e depilaes; os sabonetes l quidos podem ser utilizados para todos os fins e a cada ano vem sendo mais utilizados, principalmente em banheiros pblicos devido a questes de higiene. Nesta apostila vamos ver como produzir dois tipos de sabonetes l quidos: Sintticos: s o os sabonetes produzidos a partir de compostos previamente processados a partir do petrleo ou de plantas. Naturais: s o os sabonetes produzidos por rea o direta entre leos e um lcali. Entre as vantagens de se produzir sabonetes l quidos sintticos podem-se citar: Controle do pH: permitem fcil controle do seu pH para que fique prximo ao da pele humana, neutro ou mesmo bsico. Viscosidade: podem-se obter sabonetes bastante l quidos, densos ou na forma de gel. Aditivos: os aditivos, como extratos gliclicos, essncias e corantes, entre outros, s o facilmente incorporados. Custo: o custo da matria prima para a fabrica o de sabonetes l quidos sintticos relativamente barato. Preparo: o processo de produ o dos sabonetes l quidos sintticos fcil e rpido. Entre as vantagens de se produzir sabonetes l quidos naturais podem-se citar: Textura: os sabonetes l quidos naturais apresentam textura inigualvel. Ressecamento: naturalmente mantm a umidade da pele sem causar ressecamentos. Viscosidade: apresentam uma viscosidade intensa e adequada ao uso sem a necessidade de se acrescentar sais. Custo: o custo de produ o mais baixo que o do sabonete l quido sinttico.1

Sabonetes l quidos: sintticos e naturais

Valor: o processo de produ o dos sabonetes l quidos naturais n o fcil nem rpido, contudo agrega mais valor ao produto final.

Por que produzir sabonetes l quidos? O principal motivador para a produ o de sabonetes l quidos sintticos ou naturais consiste em atingir um mercado crescente destes produtos, alm da facilidade e diversidade de seu uso, melhor condies de preserva o aps iniciado seu uso e maiores condies de higiene quando o produto for utilizado coletivamente. Existem basicamente trs formas de preparar sabonetes l quidos: os que s o produzidos a partir dos compostos fundamentais, os verdadeiros sabonetes l quidos. Os que s o produzidos a partir de compostos sintticos e os que s o produzidos a partir da reciclagem de sabonetes slidos. Aqui ser o vistos os dois primeiros tipos.

OS PRINCIPAIS COMPONENTES DO SABONETE L QUIDO SINTTICOFaremos aqui uma breve descri o dos principais componentes dos sabonetes l quidos sintticos, procurando destacar suas funes na produ o do sabonete.

TensoativosOs sabonetes l quidos sintticos s o compostos por produtos chamados tensoativos, os tensoativos s o responsveis pela propriedade de tirar sujeiras e dar espumosidade. Existem trs tipos de tensoativos: Ani nicos. N o i nicos. Cati nicos. Anfteros.

Tensoativos ani nicosOs tensoativos ani nicos s o os mais utilizados na produ o de sabonetes l quidos. O linear dodecil benzeno sulfonato (LAS) o tensoativo mais utilizado, comumente chamado de cido sulf nico. Praticamente, todos, os detergentes s o formulados a partir dele. Sua popularidade se deve tanto ao baixo custo de produ2

Sabonetes l quidos: sintticos e naturais

o como a sua excelncia como detergente, agente emulsionante, promotor de espuma e agente molhante, que permite um melhor espalhamento da gua. O LAS apresenta uma elevada capacidade de remo o de gorduras corporais. Podem ser utilizados em guas salobras. Alm de tudo s o compostos biodegradveis. O lauril ter sulfato de sdio (LESS), apresenta uma baixa capacidade de remo o das gorduras de constitui o da pele, sendo por isso menos agressivo no uso humano. A associa o entre o LESS e o LAS, acarreta numa melhoria do poder de espessamento, diminui o da irritabilidade da pele e melhoria na capacidade de limpeza. Tambm s o compostos biodegradveis. O lauril sarcosinato de sdio um tensoativo com boa capacidade de limpeza, suave e excelente formador e estabilizador de espuma.

Tensoativos n o i nicosAs alquil poliglicos deos s o bons formadores de espuma, possuem alta solubilidade em meio alcalino ou cido, alta tolerncia a eletrlitos, tm boa capacidade umectante e aumentam a viscosidade de outros tensoativos. Os tensoativos derivados dos lcoois graxos polietoxilados possuem excelente poder detergente e s o solveis em gua, podendo ser utilizados como solubilizantes de fragrncias. S o compostos facilmente biodegradveis. A dietanolamida de cido graxo de coco em particular, excelente doadora de viscosidade, estabilizadores de espuma, sobreengordurantes e solubilizantes de leos e essncias.

Tensoativos cati nicosEm meio cido, adquirem caracter sticas cati nicas mais acentuadas, podendo apresentar incompatibilidades com alguns tensoativos ani nicos. Em pH neutro ou alcalino s o totalmente compat veis com os ani nicos. Um exemplo deste tipo de tensoativo s o as aminas oxidas. Estes tensoativos proporcionam efeitos como aumento de viscosidade, condicionamento e efeito antiesttico. Os efeitos variam em fun o do tamanho da cadeia carb nica das aminas. S o utilizados na formula o de condicionadores.

3

Sabonetes l quidos: sintticos e naturais

Tensoativos anfterosEstes tensoativos tm uma notvel compatibilidade com a pele. Proporciona aumento de viscosidade e estabiliza o da espuma. Um tensoativo importante nessa categ