Atualização científica sobre agrotóxicos ?· emprega a utilização de agrotóxicos para o controle…

Embed Size (px)

Text of Atualização científica sobre agrotóxicos ?· emprega a utilização de agrotóxicos para o...

Atualizao cientfica sobre agrotxicos

O modelo de agricultura mais utilizado atualmente o convencional, que

emprega a utilizao de agrotxicos para o controle de diferentes pragas,

mantendo a produo em larga escala, minimizando prejuzos que podem

ocorrer pelo ataque de micro-organismos, ervas daninhas e insetos

indesejveis lavoura. O Brasil, como um dos maiores produtores de alimentos

mundial, lidera o ranking dos pases com maior utilizao de agrotxicos, de

acordo com dados da Organizao das Naes Unidas para a Agricultura e a

Alimentao (FAO)1.

Tais produtos qumicos so denominados (conforme o micro-organismo,

inseto ou erva daninha alvo) em fungicidas, herbicidas, inseticidas, acaricidas,

bactericidas, entre outros2, e classificados de acordo com o potencial de

periculosidade ambiental (PPA) nas classes I, II, III e IV (Quadro 1). Sua ao

nos organismos pode ser via contato (absoro atravs da pele/tecido de

revestimento do animal/vegetal) ou ingesto (via oral), bem como por

profundidade ou sistmico (penetra tecidos e translocado atravs da seiva ao

interior de frutos matando larvas, por exemplo) ou ser fumigante (aspirao

para as vias respiratrias).

Porm, a toxicidade de tais agrotxicos no se limita aos seus alvos na

lavoura. Diversas pesquisas cientficas evidenciam efeitos deletrios em

diferentes nveis de gravidade na sade humana agricultores, populao

residente prximo a lavoura3,4 e consumidores, principalmente alm de danos

irreparveis ao meio ambiente pela contaminao do solo, dos lenis

freticos, da gua de consumo e de irrigao, do ar e da fauna e flora5-7.

Quadro 1. Classificao de agrotxicos segundo a PPA

Classe Classificao

Classe I Produto ALTAMENTE PERIGOSO ao meio ambiente

Classe II Produto MUITO PERIGOSO ao meio ambiente

Classe III Produto PERIGOSO ao meio ambiente

Classe IV Produto POUCO PERIGOSO ao meio ambiente

Fonte: IBAMA8

Os nveis de resduos de agrotxicos nos alimentos refletem a massiva e

crescente aplicao de agrotxicos nas lavouras da agricultura convencional, o

que tem se tornado um dado cada vez mais alarmante nas investigaes que

envolvem gneros alimentcios provenientes de culturas convencionais, que

caracterizam a principal forma de exposio humana (oral) aos agrotxicos. No

Brasil a presena de resduos de agrotxicos em amostras de alimentos

cultivados e comercializados em territrio nacional, e que fazem parte dos

hbitos alimentares brasileiros, avaliada pelo Programa de Anlise de

Resduos em Agrotxicos em Alimentos (PARA), da ANVISA, iniciado em 2001.

Dentre os alimentos analisados pode-se citar arroz, feijo, alface, tomate,

cenoura, pepino, pimento, abacaxi, banana, uva, morango e mamo. Os

relatrios do PARA mostram a presena desses resduos em diversas

amostras de alimentos analisadas, em alguns casos em quantidade superior

aos nveis permitidos em legislao; em outros casos, foram encontrados

resduos de pesticidas proibidos para a cultura avaliada9-12. Vale ressaltar que

alguns agrotxicos de uso permitido no Brasil so proibidos em diversos pases

da Unio Europeia (EU), como o acefato, devido aos seus elevados riscos

sade humana e do planeta13,14.

No organismo humano, os ingredientes ativos presentes nos agrotxicos

podem causar uma srie de distrbios na sade humana por diferentes

mecanismos, sendo os principais a citotoxicidade, o estresse oxidativo,

disfuno mitocondrial e ao como disruptor endcrino podendo interferir

diretamente sobre o sistema endcrino levando a alteraes na produo,

liberao, transporte, metabolismo, ligao ao receptor, ao ou eliminao de

todos os hormnios. Assim, altos nveis de exposio a estas substncias

esto associados a alteraes no sistema reprodutivo, como cnceres de

mama e de testculo, endometriose, puberdade precoce, aborto e infertilidade15.

Tambm, associam-se com obesidade, distrbios comportamentais, doenas

autoimunes, mutagenicidade, reaes alrgicas, neurotoxicidade e distrbios

respiratrios, cardacos e pulmonares16,17 (Apndice 1). Dessa forma, o uso de

agrotxicos est deixando de ser uma questo relacionada especificamente

produo agrcola e se transformando em um problema de sade pblica e

ambiental.

Dentro dessa perspectiva, algumas pesquisas tm buscado alternativas

para minimizar a exposio humana aos resduos de agrotxicos, avaliando a

eficcia de diferentes mtodos na tentativa de remoo desses resduos dos

alimentos, envolvendo substncias ou compostos tais como gua de torneira,

bicarbonato de sdio, gua sanitria, iodo e cido actico, bem como alguns

tipos de preparo de alimentos, como secagem, cozimento, remoo da casca e

extrao do suco (Tabela 1).

Tabela 1. Estudos avaliando tcnicas para remoo de agrotxicos

Referncia (ano) Amostra

avaliada / pas

Agrotxicos avaliados Metodologia aplicada Principais resultados

Harinathareddy

et al. (2014)18

Tomate / ndia Dimetoato, clorpirifs,

quinolfos, profenofos,

fosalone, Lambda

cyhalothrin, malationa,

triazofos

Amostras controle: 1kg de tomates orgnicos

sem aplicao de agrotxicos por pulverizao;

Amostras interveno: 1 kg de tomates

orgnicos com aplicao de agrotxicos por

pulverizao e submetidos aos mtodos de:

- Imerso em recipiente com 4L de soluo

sendo:

Tomates mergulhados somente em

gua de torneira por 10min;

Tomates mergulhados em soluo

salina (2%) por 10min;

Tomates mergulhados em soluo de

tamarindo (2%) por 10min;

Tomates mergulhados em gua com

suco de 4 limes por 10min;

Tomates mergulhados em soluo de

bicarbonato de sdio (0,1%) por 10min;

Tomates mergulhados em soluo de

cido actico (4%; diluio em gua por

1 min) por 10min;

- Cozimento em panela de presso por 10min;

Faixa de reduo de resduos de

agrotxicos de acordo com a metodologia

aplicada:

- gua da torneira: entre 37,0-73,2%

- gua com suco de limo: entre 42,5-

72,3%

- Soluo de tamarindo (2%): entre 26,1-

69,1%

- Soluo salina (2%): entre 44,3-78,7%

- Soluo com bicarbonato de sdio: entre

24,0-65,1%

- Soluo com cido actico (4%): entre

17,1-58,5%

- Cozimento em panela de presso: entre

42,9-83,2%.

- Frmula comercial Bio-wash: entre 44,5-

75,2%

- Frmula comercial Bio-wash (8ml em 4L de

gua) para imerso por 10min

Anlise realizada por cromatografia gasosa com

detector de captura de eltrons

Singh et al.

(2014)19

gua de consumo

/ ndia

-endosulfan, -

endosulfan, clorpirifs,

lindane

- Amostras de gua controle

- Amostras de 100 ml de gua foram

contaminadas com os agrotxicos (soluo

padro em 2 nveis: 0,01mg/ml e 0,1mg/ml) e

submetidas a:

Fervura em frasco de vidro tampado

por 1 minuto e resfriado a temperatura

ambiente;

Permanganato de potssio - KMnO4

(1,5mg/L): misturado amostra de

gua e mantido por 2h;

Tintura de iodo (0,4ml/L): misturada

amostra de gua e mantida por 2h

- Anlise realizada por cromatografia gasosa

com detector de captura de eltrons

- Todos os tratamentos foram replicados trs

vezes junto com os controles

Em amostras contaminadas com nveis de

0,01mcg/ml:

- Fervura: removeu at 97,2 e 67,7%, do

endosulfan e , respectivamente; at

66,2% do lindane e 40,5% do clorpirifs;

- Tintura de iodo: removeu at 100% e

84,8% do endosulfan e ,

respectivamente; 17,9% de clorpirifs;

48,4% de lindane;

- KMnO4: removeu at 52,6% e 48,3% de

endosulfan e ; 64,8% de clorpirifs;

20,5% de lindane

Em amostras contaminadas com nveis de

0,1mcg/ml:

- Fervura: removeu at 52,2% do lindane;

at 85,67% e 50,7% do endosulfan e ,

respectivamente; at 28,49% de clorpirifs;

- Tintura de iodo: removeu at 90,5% e

80,75% do endosulfan e ,

respectivamente; 36,78% de lindane;

12,89% de clorpirifs;

- KMnO4: removeu at 50,59% e 35,6% de

endosulfan e ; at 52,98% de clorpirifos

e 14,5% de lindane;

Em concentraes mais elevadas de

pesticidas, a remoo foi relativamente

menos eficiente, sugerindo a necessidade

de maior tempo de contato ou maior

concentrao do reagente.

Liang et al.

(2014)20

Morango, melo,

ma, cereja,

pera, ameixa,

damasco, uva,

caqui, tomate,

laranja, nectarina

/ China

Abamectina, acefato,

acetamiprid,

azoxistrobina, benalaxil,

bitertanol, carbendazim,

chlorothalonil,

chlorpyrifos,

cypermetrina,

cyromazine,

deltametrina, diazinon,

dimetoato, endosulfan,

fenarimol, fenhexamid,

fenitrothion,

fenpropatrina,

imidacloprid, iprodione,

kresoxim-metilo,

Meta-anlise de artigos que avaliaram

diferentes mtodos para remoo de