Barigüi S.A. -Crédito, Financiamento e .b) Na demonstração dos fluxos de caixa, os valores apresentados

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Barigüi S.A. -Crédito, Financiamento e .b) Na demonstração dos fluxos de caixa, os valores...

  • Barigi S.A. - Crdito,Financiamento e Investimentos

    Demonstraes Contbeis Consolidadas doConglomerado Prudencial, Referentes aoExerccio Findo em 31 de dezembro de 2014 eRelatrio dos Auditores Independentes

    Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

  • Deloitte refere-se sociedade limitada estabelecida no Reino Unido Deloitte Touche Tohmatsu Limited e sua rede de firmas -membro, cadaqual constituindo uma pessoa jurdica independente. Acesse www.deloitte.com/about para uma descrio detalhada da estrutura jurdica daDeloitte Touche Tohmatsu Limited e de suas firmas-membro.

    Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados.

    Deloitte Touche TohmatsuRua Pasteur, 463 - 5 andarCuritiba PR 80250-080Brasil

    Tel: + 55 (41) 3312-1400Fax:+ 55 (41) 3312-1470www.deloitte.com.br

    RELATRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAESCONTBEIS CONSOLIDADAS DO CONGLOMERADO PRUDENCIAL

    Aos Administradores e Acionistas daBarigi S.A. - Crdito, Financiamento e InvestimentosCuritiba PR

    Examinamos as demonstraes contbeis consolidadas do Conglomerado Prudencial da BarigiS.A. - Crdito, Financiamento e Investimentos (Financeira), que compreendem o balanopatrimonial do Conglomerado Prudencial em 31 de dezembro de 2014, e as respectivasdemonstraes consolidadas do resultado, das mutaes do patrimnio lquido e dos fluxos decaixa para o exerccio findo naquela data, assim como o resumo das principais prticas contbeise demais notas explicativas. Essas demonstraes contbeis de propsito especial foramelaboradas de acordo com os procedimentos especficos estabelecidos pela Resoluo n 4.280,de 31 de outubro de 2013, do Conselho Monetrio Nacional e regulamentaes complementaresdo Banco Central do Brasil, descritos na nota explicativa n 2.

    Responsabilidade da Administrao sobre as demonstraes contbeis

    A Administrao da Financeira responsvel pela elaborao e adequada apresentao dasreferidas demonstraes contbeis consolidadas do Conglomerado Prudencial de acordo com aResoluo n 4.280, do Conselho Monetrio Nacional, e regulamentaes complementares doBanco Central do Brasil BACEN, cujos principais critrios e prticas contbeis esto descritasna nota explicativa n3 e 4, assim como pelos controles internos que ela determinou comonecessrios para permitir a elaborao de demonstraes contbeis consolidadas doConglomerado Prudencial livres de distoro relevante, independentemente se causada porfraude ou erro.

    Responsabilidade dos auditores independentes

    Nossa responsabilidade a de expressar uma opinio sobre essas demonstraes contbeisconsolidadas do Conglomerado Prudencial, preparadas pela Administrao da Financeira, deacordo com os requisitos da Resoluo n 4.280 do Conselho Monetrio Nacional eregulamentaes complementares do Banco Central do Brasil BACEN, com base em nossaauditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, levandoem considerao a NBC TA 800 (Consideraes Especiais Auditorias de DemonstraesContbeis Elaboradas de Acordo com Estruturas Conceituais de Contabilidade para PropsitosEspeciais). Essas normas requerem o cumprimento de exigncias ticas pelos auditores e que aauditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurana razovel de que asdemonstraes contbeis consolidadas do conglomerado prudencial esto livres de distoresrelevantes.

  • Deloitte Touche Tohmatsu

    2015 Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados.

    Uma auditoria envolve a execuo de procedimentos selecionados para obteno de evidncia arespeito dos valores e das divulgaes apresentados nas demonstraes contbeis. Osprocedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliao dosriscos de distoro relevante nas demonstraes contbeis, independentemente se causada porfraude ou erro. Nessa avaliao de riscos, o auditor considera os controles internos relevantespara a elaborao e a adequada apresentao das demonstraes contbeis consolidadas daFinanceira para planejar os procedimentos de auditoria que so apropriados nas circunstncias,mas no para fins de expressar uma opinio sobre a eficcia dos controles da Financeira. Umaauditoria inclui tambm a avaliao da adequao das prticas contbeis utilizadas e arazoabilidade das estimativas contbeis feitas pela Administrao, bem como a avaliao daapresentao das demonstraes contbeis consolidadas do conglomerado prudencial, tomadasem conjunto.

    Acreditamos que a evidncia de auditoria obtida suficiente e apropriada para fundamentarnossa opinio com ressalvas.

    Base para opinio com ressalvas

    a) Os saldos do ativo de ttulos e valores mobilirios e operaes de crdito nos montantesde R$ 6.442 mil e R$ 8.007 mil, respectivamente, o saldo do passivo de obrigaesvinculadas a cotas FIDC no montante de R$ 54.404 mil e o saldo do resultado comoperaes de captao no mercado no montante de R$ 5.579 mil so provenientes do Fundode Investimento em Direitos Creditrios Barigui Crdito Consignado (FIDC), o qual fazparte das demonstraes contbeis consolidadas do conglomerado prudencial da Financeira.No efetuamos nenhum exame ou reviso nas demonstraes financeiras individuas do FIDCque fazem parte das demonstraes contbeis consolidadas do Conglomerado Prudencial daFinanceira. Como consequncia, em 31 de dezembro de 2014, no nos foi possvel atravs deoutros procedimentos alternativos, concluir sobre a adequao dos saldos do FIDC acimamencionados.

    b) Na demonstrao dos fluxos de caixa, os valores apresentados nas variaes das atividadesoperacionais de ttulos e valores mobilirios, operao de crdito e outras obrigaesno montante de R$ 12 mil, R$ 79.046 mil e R$ 11.037 mil respectivamente, no consideramos efeitos provenientes do FIDC quando da sua consolidao. No foi possvel obterevidncia de auditoria apropriada e suficiente sobre os valores acima mencionados e,consequentemente, determinar quanto necessidade ou no de ajuste na demonstrao dosfluxos de caixa.

    Opinio

    Em nossa opinio, exceto pelos possveis efeitos decorrentes dos assuntos descritos nos itens ae b do pargrafo base para opinio com ressalvas, as demonstraes contbeis consolidadasdo Conglomerado Prudencial, acima referidas, apresentam adequadamente, em todos os aspectosrelevantes, a posio patrimonial e financeira da Barigi S.A. - Crdito, Financiamento eInvestimentos em 31 de dezembro de 2014, o desempenho de suas operaes e os seus fluxos decaixa para o exerccio findo naquela data, de acordo com as disposies para elaborao dedemonstraes contbeis do conglomerado prudencial prevista na Resoluo n 4.280, doConselho Monetrio Nacional e regulamentaes complementares do Banco Central do Brasil,

  • Deloitte Touche Tohmatsu

    2015 Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados.

    para elaborao dessas demonstraes contbeis consolidadas de propsito especial, conformedescrito na nota explicativa n 2 s referidas demonstraes.

    nfase

    Sem modificar nossa opinio, chamamos a ateno para a nota explicativa n 2 s referidasdemonstraes contbeis que divulgam:

    a) As demonstraes contbeis consolidadas do Conglomerado Prudencial foram elaboradaspela Administrao da Financeira para cumprir os requisitos da Resoluo n 4.280, doConselho Monetrio Nacional e regulamentaes complementares do Banco Central doBrasil. Consequentemente, o nosso relatrio sobre essas demonstraes contbeisconsolidadas foi elaborado exclusivamente para cumprimento desses requisitosespecficos e, dessa forma, pode no ser adequado para outros fins.

    b) Por ser a primeira apresentao das demonstraes contbeis anuais consolidadas doconglomerado prudencial, a Administrao da Financeira optou pela faculdade previstano pargrafo 2 do artigo 10, da Circular n 3.701, de 13 de maro de 2014, do BancoCentral do Brasil, e no esto sendo apresentadas de forma comparativa, asdemonstraes referentes s datas bases anteriores a 31 de dezembro de 2014.

    Outros assuntos

    A Financeira elaborou um conjunto de demonstraes contbeis individuais e consolidadas parafins gerais referentes ao semestre findo em 31 de dezembro de 2014, de acordo com as prticascontbeis adotadas no Brasil aplicveis s instituies autorizadas a funcionar pelo BancoCentral do Brasil, sobre o qual emitimos relatrio de auditoria sem modificaes, em 23 demaro de 2015.

    Curitiba, 20 de novembro de 2015

    DELOITTE TOUCHE TOHMATSU Cosme dos SantosAuditores Independentes ScioCRC n. 2 SP 011.609/O-8 F PR CRC n. 1 RJ 078.160/O-8

  • Barigi S.A. Crdito, Financiamento e Investimentos

    5

    BARIGI S.A. - CRDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS

    BALANO PATRIMONIAL - CONSOLIDADO PRUDENCIAL LEVANTADO EM 31 DE DEZEMBRO 2014(Valores expressos em milhares de reais)

    Nota 31/12/2014 Nota 31/12/2014

    ATIVO PASSIVO

    CIRCULANTE 178.588 CIRCULANTE 187.976

    Disponibilidades 5 1.921 Depsitos 14.a 65.387

    Depsitos interfinanceiros 15.628Aplicaes financeira de liquidez 32.539 Depsitos a prazo 49.759

    Aplicaes em depsitos interfinanceiros 5 32.539Recursos de aceite de emisso de ttulos 14.b 72.996

    Ttulos e valores mobilirios 6.968 Letras de crdito imobilirio 47.830

    Cotas de fundos de investimentos 7 6.442

    Instrumentos financeiros derivativos 8 526 Recursos de aceites cambiais 25.166

    Operaes de crdito 9 127.244

    Setor privado 132.784 Outras obrigaes 49.593

    (-)Proviso para crditos de liquidao duvidosa (5.540) Cobrana e arrecadao de ttulos assemelhados 126

    Sociais e estatutrias 1.185 Fiscais e previdencirias 15 2.104

    Outros crditos 10 2.922 Diversas 16 46.178

    Crdito tributrios 23 955

    Diversos 1.967

    Outros valores e bens 11 6.994

    Bens no de uso 3.127

    Outros valores e bens 3.867

    ATIVO NO CIRCULANTE 217.282 PASSIVO NO CIRCULANTE 207.894

    REALIZVEL A LONGO PRAZO 216.590 EXIGVEL A LONGO PRAZO 167.783

    Operaes de crdito 9 207.626