of 11/11
Novo projeto de iluminação para a Paulista. Pág. 3 CLICK PAULISTA Visões da Paulista daqui a 40 anos, na opinião de arquitetos e urbanistas, em entrevistas exclusivas. O melhor da Avenida Paulista em 1 Click Boletim semanal da Associação Paulista Viva - Ano 1 / Dezembro / nº 1 Paulista O melhor da arte, da cultura e muitos outros passeios na região. Pág. 8-10 ROTEIRO Moradores contam como é viver na Paulista. Pág. 11

Click Paulista 1

  • View
    231

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Boletim quinzenal da Associação Paulista Viva, produzido pela Blue Public Relations

Text of Click Paulista 1

  • Novo projeto de iluminao para a Paulista. Pg. 3

    CLICK PAULISTA

    Vises da Paulista daqui a 40 anos, na opinio de arquitetos e urbanistas, em entrevistas exclusivas.

    O melhor da Avenida Paulista em 1 ClickBoletim semanal da Associao Paulista Viva - Ano 1 / Dezembro / n 1

    Paulista

    O melhor da arte, da cultura e muitos outros passeios na regio. Pg. 8-10

    ROTEIRO

    Moradores contam como viver na Paulista. Pg. 11

  • Seccional da Polcia Civil - Centro. A solenidade foi rea-lizada durante almoo do Rotary Club Avenida Paulista.

    Alm das homenagens, a Associao Paulista Viva entregou ao Cel. Cerqueira 20 mil folhetos com dicas de segurana, para serem distribudos para a popula-o. O Colgio Dante Alighieri e o Condomnio Con-junto Nacional patrocinaram a confeco dos folhetos.

    EDITORIAL A partir de hoje, 14 de dezembro, passamos publicar semanalmente o Boletim Click Paulista. Proposta antiga da Associao Paulista Viva, Click Paulista nasceu para apresentar as novidades do maior smbolo de So Paulo.

    Nesta primeira edio, Click Paulista viaja para o passado e o futuro da Avenida. Como ser a Paulista em 2050? Ar-quitetos fazem exerccios criativos para projet-la em 2050.

    Como viver na Paulista? Click Paulista entrevistou pessoas que moram h muitos anos na Avenida e no a trocam por nada.

    Voc ter ainda o roteiro de teatro, cinema e exposi-es da regio.

    Aproveite! Mande sua contribuio!

    NOTCIAS

    2

    Na ltima sexta-feira, dia 10, a Associao Paulista Viva completou 14 anos de dedicao Avenida Pau-lista. Como parte das comemoraes, a instituio homenageou com o Diploma de Amigo da Paulista o Cel. Renato Cerqueira Campos, comandante do Poli-ciamento do CPA-M1, o Cel. Nevoral Alves Bucheroni, subprefeito da S, e o Dr. Aldo Galiano Jr., delegado

    Paulista Viva comemora 14 anos e presta homenagem

    BOLETIM CLICK PAULISTABoletim Informativo Eletrnico Semanal da Associao Paulista VivaPublisher: Carlos Alberto SilvaJornalista Responsvel e Editora: Maria Consolao da Silva

    Expediente Subeditor e Direo de Arte: Ricardo ChachReportagem: Ana JimenezEditorao grfica: Marcos Koizumi / Bruno BocchinoDepartamento Comercial: Megahub Marketing Digital Tel: (11)3405 0135R. Prof. Carlos de Carvalho, 164 1 andar - CEP:04531-080 So Paulo - SP

    Associao Paulista Viva apoia V Encontro de Networking da Paulista Na tera-feira, 29/11, o V Encontro de Networking da Pau-lista provou, mais uma vez, ser uma ferramenta importante para profissionais de diversas reas. O projeto, que j est em sua quinta edio, reuniu mais de 100 executivos, em-presrios, profissionais liberais e estudantes universitrios.

    Para Marly Lemos, diretora da Associao Paulista Viva, a oportunidade de interagir e trocar experincias extre-

    mamente importante no mercado de trabalho. Encontros como este proporcionam surgimento de novos negcios, con-tatos, parcerias e oportunidades de trabalho, afirma Marly.

    O V Encontro de Networking da Paulista reuniu pro-fissionais da rea de seguros, psicologia, educao, marketing, negcios e outros. As prximas reunies acontecero no incio de 2011.

    Cel. Nevoral Bucheroni , sub-prefeito da S recebe diploma de amigo da Paulista.Dr. Aldo Galiano Jr., delegado seccional da Polcia Civil Centro recebe diploma de amigo da Paulista.

    FUTURO, PASSADO e PRESENTE

  • Fachada do MASP recebeprimeira interveno artstica

    de sua histria

    O Museu de Arte de So Paulo Assis Chate-aubriand (Masp) inovou e tirou a obra de arte de dentro das salas. Quem passa pela Avenida Pau-lista, na altura do Parque Trianon, depara-se com um cu de nuvens bordadas em ponto cruz e com a imagem de uma agulha gigante. Desde a segunda semana de novembro (15/11), Regina Silveira ocu-pa a fachada do Masp com a instalao intitulada Tramazul. Na obra, adesivos de vinil azul foram colados sobre os vidros das quatro faces do pr-dio, ocupando uma rea de 2.300m2.

    Se, para a consagrada artista plstica gacha, in-tervir em grandes marcos da arquitetura mundial algo recorrente (ela j levou sua obra a locais como o Palcio de Cristal do Reina Sofa, em Madri), a interveno no Masp um feito indito.

    Desde sua inaugurao, em 1968, a fachada do museu nunca foi usada como uma tela em branco por nenhum artista. Regina de-monstrou sua alegria em ser a escolhida para a estreia: no meu percurso, eu fiz diversos trabalhos em arquiteturas especiais, em outros pases, mas claro que fazer esse trabalho no Brasil tem um significado especial. um prdio pelo qual tenho muito carinho, admiro as caractersticas do edifcio e o trabalho que Lina Bo Bardi desenvolveu. Tudo foi inspirador para esta interveno.

    Foto

    : Dan

    iel M

    aren

    co/ F

    lolha

    pres

    s

    Tramazul, obra da artista plstica Regina Silveira, feita com adesivos de vinil, cobre a fachada do MASP.

    Paulista ter iluminao mais forteMudana reivindicao antiga da Paulista Viva. Projeto prev postes mais baixos

    e uso de lmpadas mais eficientes

    3

    Caladas reformadas e novas lixeiras do, desde 2009, um aspecto renovado Avenida Paulista. A reforma da via mais famosa da cidade, porm, no contemplou um dos piores pontos de seu urbanis-mo: a iluminao. Tidas como fracas e inadequadas

    por urbanistas, as lmpadas instaladas na via so o novo alvo da prefeitura. H cerca de um ms, a SP Urbanismo aprovou na Comisso de Proteo Paisagem Urbana (CPPU) o estudo apresentado pelo Ilume (Departamento da iluminao pbli-ca da Prefeitura). A expectativa que a instalao comece no incio de 2011. Na Paulista, o objetivo proporcionar uma ilu-minao mais contnua e eficiente ao longo de toda a avenida, diz Regina Monteiro, diretora da SP Urbanismo.

    As alteraes so reivindicaes antigas da Associao Paulista Viva. H quase nove anos a entidade pede mais ilumina-o, especialmente nas caladas. Hoje a luz s chega avenida. As caladas so escuras, o que favorece a sensao de insegu-rana, declara Antnio Carlos Franchini Ribeiro, presidente da entidade. De acordo com a Paulista Viva, a falta de segurana na avenida o principal ponto das reclamaes recebidas. Para melhorar a luminosidade das caladas, o projeto prev a dimi-nuio da altura dos postes em cinco metros e a substituio das atuais lmpadas de sdio, alaranjadas, por outras de vapor me-tlico, de colorao branca, com ndice de iluminncia mais alto.

    A mudana na Avenida Paulista deve ser o piloto de um projeto mais ambicioso da prefeitura, que pretende definir um plano dire-tor para a iluminao e para a paisagem de toda a cidade. Segun-do Regina Monteiro, o primeiro passo ser fazer um diagnstico da situao atual, mapeando as luzes de ruas e avenidas. A partir desse levantamento, sero estabelecidas as diretrizes para o ta-manho dos postes e a intensidade da luz. A ideia organizar a iluminao e hierarquizar as referncias da cidade, afirma Regina.

  • Cludia Borges Shimabukuro e Letcia Mariotto, especia-listas em Lighting Design, adoram o movimento da Avenida Paulista e montaram seu escritrio em uma de suas traves-sas. Para elas e incontveis outros paulistanos apaixonados pela avenida, ela o carto postal de So Paulo e deve con-tinuar a s-lo. Assim, preciso torn-la viva durante todo o dia e noite, razo pela qual um bom projeto de iluminao imprescindvel, aumentando o movimento e a segurana no local, incentivando tambm empreendimentos voltados para usos de lazer e comerciais.

    Embora j existam pares de combinaes que funcionam, como cinema e restaurantes, a via dever ser, por si prpria, uma atrao: tanto a calada, como o conjunto arquitetnico e o leito carrovel.

    Cludia e Letcia idealizam uma Avenida Paulista sem obs-tculos visuais como os postes altos no canteiro central para o ano de 2050. Ao invs de mobilirio urbano disposto de modo esparso nas caladas, pensam em conjuntos de equi- pamentos urbanos com a mesma aparncia, integrados a uma faixa de vegetao entre o passeio e a rua.

    Arquitetos mostram seu olhar noturno e diurno sobre a Avenida Paulista daqui a 40 anos e propem mudanas. Quer como centro financeiro, quer como corredor e/ ou zona de passagem, o carto postal da cidade merece continuar a s-lo.2050

    PAULISTA

    fundamental trazer a ar-quitetura para a escala humana, conferir identidade ao mobilirio urbano e unific-lo para eliminar rudo na paisagem urbana.

    Letcia Mariotto e Cludia Borges Shimabukuro, scias da Lit Arquitetura de Iluminao

    Foto

    : Mar

    celo

    Kahn

    4

    Para a humanizao da iluminao, elas pro-pem um redesenho das luminrias com OLEDs organic light emitting diodes, que possuem molculas de carbono em sua composio , finssimas placas de iluminao que, segundo pesquisas na rea, em breve podero assumir qualquer formato e tamanho, alm de alcanarem total transparncia. Com o emprego da mesma tecnologia, as arquitetas querem dar um baliza-mento ao piso do calamento, criando regies ou pontos com iluminao especial para hierarquizar a arquitetura da avenida, indicando os edifcios de valor histrico, cultural e/ ou arquitetnico.

    A tecnologia OLED, que Cludia e Letcia co-nheceram mais a fundo na Light+Building 2010 Feira Internacional Bienal de Iluminao, Tec-nologia e Arquitetura, realizada em Frankfurt , tambm d vazo a outras ideias. Entre elas, transformar alguns edifcios da Paulista em insta-laes de arte noturnas, com suas fachadas de vidro cobertas por OLEDs, formando desenhos que sero vistos somente noite.

    A iluminao deve servir arquitetura e ser coerente com a sua linguagem, desde o conjunto urbano dos edifcios ao mobili- rio e outros equipamentos, sejam eles ban-cas de jornal, orelhes, cestos de lixo, entra- das do metr, pontos de nibus, etc.

    Prottipo de OLED flexvel

    O OLHAR NOTURNO

  • Ibes pos sentima, uteripte hem in hebatudet non visse, co-tilne quidit, nossus menter unimus atiam diis eortem aurei con-fenatqua virio moltua erituastra recre tus? Nossenarit? Ur aus ves hucis, urivis ausses nimuler issentratu sere comanultur. Lus con terfin hocula quameniti, cononsuam cris factus, crem ta vis perrarici scri publinpris, dent. Itam ocupio consulem audees-esim actuser uopemn;

    Fautus bonsus fuemusq uodinatemus visi, coenit, consimpo-pos vis dientertus, consus terortemum menatua des remen-telut atquem caectuis aut vid sent arei patum se ingulis sed condac re tam in niris atimus vo, con ac inatus idi sus, nost? Imus, sum vivitatiam hocuteres in telibem iptea vicaturmuler issentratu sere comanterfin hocula quamenito.

    A avenida tem vocao para o uso mis-to. No se pode pens-la apenas para o comrcio. Precisa de mais lazer durante todo o dia para continuar viva. Estamos fazendo um projeto com estudantes de arquitetura para valorizar a regio.

    5

    Na simulao apresentada, uma finssima pelcula de OLEDs transparentes foi aplicada sobre o concreto e funciona como uma fotoclula, absorvendo luz so-lar durante o dia e emitindo luz durante a noite, cri-ando mosaicos diversos ou qualquer tipo de imagem ou texto. A programao da iluminao noturna pode seguir um calendrio de eventos da avenida, exibindo imagens, texturas, frases ou cores de acordo com o evento em destaque. Um outro controle mais sofisti-

    Simulao de iluminao com pelculas de OLED sobre a fachada do edifcio da TV Gazeta e no piso da calada. Acompanhando essa proposta, a vegetao tambm recebe iluminao de destaque.

    cado permitiria que a iluminao interagisse com o movimento dos pedestres.

    At 2050, a consolidao dessa tecnologia tornar sua aplicao mais barata e acessvel, e toda a avenida ser uma atrao noturna permanente, com painis de luz mutantes, luminrias centrais vanguardistas e edif-cios referenciais sempre destacados noite, de forma diferente do que acontece de dia.

    O QUE UM OLED?

    O OLED, diodo orgnico emissor de luz (Organic Light-Emitting Diode, em ingls) uma tecnologia criada pelaKodak em 1980. O diodo composto por molculas de car-bono que emitem luz ao receberem uma carga eltrica. A vantagem que, ao contrrio dos diodos tradicionais, essas molculas podem ser diretamente aplicadas sobre a super-fcie de uma tela, usando um mtodo de impresso, com emisso de luz difusa e homognea por toda a superfcie. uma tecnologia extremamente eficiente. Pode ser muito fino, flexvel e at transparente.

    Na feira de iluminao Light+Building, que ocorreu em abril deste ano em Frankfurt, Cludia e Letcia j puderam ver o OLED em alguns produtos. Suas possibilidades e limites ainda no so conhecidos.

    CLUDIA BORGES SHIMABUKUROArquiteta e Urbanista formada pela FAUUSP, trabalha com ilumina-o desde 1997. De 1999 a 2005, foi coordenadora de projetos em um dos maiores de escritrios de iluminao do Brasil. De 2005 a 2007, trabalhou na EMURB Empresa Municipal de Urbanizao na Direto-ria de Meio Ambiente e Paisagem Urbana em projetos urbansticos envolvendo iluminao pblica. Paralelamente, continuou desenvol-vendo outros projetos de iluminao.

    LETCIA MARIOTTOArquiteta formada pela FAU Mackenzie em 1997, mesmo ano do curso especializao no CISA Centro Internazionale di Studi di Architettura sobre Andrea Palladio, na Itlia. De 2001 a 2004, foi coordenadora em um dos maiores escritrios de iluminao do Brasil. Desde 2004 cria projetos de iluminao independentes.

    LIT ARQUITETURA DE ILUMINAONasceu de um sonho de Cludia e Letcia, concretizado em 2007. Atualmente j tem um parceiro internacional em Dubai, a Studio Lite.

  • 2050O OLHAR DIURNO

    Alessandro Sbampato, scio da Oficina AR Arquitetura e professor na FIAM/FAAM

    Foto

    : Rob

    erto

    God

    oy

    PAULISTA Arquitetos mostram seu olhar noturno e diurno sobre a Avenida Paulista daqui a 40 anos e propem mudanas. Quer como centro financeiro, quer como corredor e/ ou zona de passagem, o carto postal da cidade merece continuar a s-lo.

    impossvel dissociar prognsticos sobre a Avenida Pau-lista de uma viso sobre toda a cidade. Eis a opinio do ar-quiteto e urbanista Alessandro Sbampato. Daqui a 40 anos, ele cr que a cidade continuar em seu regime de crescimen-to atual com tendncia de equilbrio , mais voltado para o adensamento das zonas centrais. No toa, esto muito em voga discusses sobre recuperao de edifcios antigos para os mesmos usos que os originaram, ao repaginada pelas grandes incorporadas com o nome de retrofit.

    De qualquer forma, o que muda a infraestrutura, e no o entorno imediato dos edifcios. Para que se respeite e se preserve a vocao de cada local, preciso melhorar e adequar sua infraestrutura urbana ao adensamento que ocorre na regio. O deslocamento artificial do eixo finan-ceiro da Avenida Paulista para a Berrini foi um exemplo de ao artificial, ruim para a cidade. O adensamento no se torna um cncer, um inchao urbano, porque foi planejado em conjunto com o funcionamento harmnico dos sistemas urbanos: transporte, iluminao, destinao de resduos slidos e lquidos, mobilirio urbano, espaos livres como praas e parques, etc. Adensamento no essencialmente ruim, mas intensifica conflitos.

    Para que se respeite e se preserve a vocao de cada local, preciso melhorar e adequar sua infraestrutura urbana ao adensamento que ocorre na regio.

    Sob essa tica, Alessandro pontua que a Pau-lista de 2050 deve ter restaurado o seu perfil de centro financeiro aglutinador de negcios. Os deslocamentos, quando ocorrem, devem estar acompanhados de solues para a reocupao das reas abandonadas, cuja densidade diminui. Hoje, a avenida ganhou um novo e significativo pblico que comea a se apropriar do seu espa-o, at ento desconhecido: os trabalhadores de call-centers. Com a migrao de muitos bancos para a Berrini, foi essa a populao que evitou a obsolescncia da Paulista. So eles que vivenciam novos comportamentos coletivos nesse espao altamente qualificado, exercendo novas formas de cidadania e formao pessoal: afinal, um ambiente bem conservado estimula a continuidade de sua con-servao. O uso conserva.

    A esse pblico vido por participar de espaos qualificados deve se juntar o usurio antigo que migrou para outras ave-nidas, alm dos atuais moradores. Para isso, so essenciais os usos residencial, comercial e de lazer no mesmo espao: cada um atrai e complementa os demais.

    Alessandro estima que o adensamento da regio da Paulis-ta no acontecer no topo do espigo, mas sim nas encostas, ou seja, nas travessas e ruas paralelas. Na avenida, provavel-mente, ocorrero demolies, pois o retrofit em edifcios com potencial limitado para ampliao vertical pode exigir produ-tos novos, no arquitetura adaptada para novas tecnologias.

    A grande mudana arquitetnica, portanto, englobar de-terminados trechos dos Jardins e de Cerqueira Csar, onde quadras inteiras podem dar lugar a prdios que eventual-mente tendero a atingir a mesma altura daqueles presen-tes na avenida, formando um plat de coberturas de edif-cios, conectadas por praas suspensas com vegetao.

    6

  • A Paulista de 2050 deve ter res-taurado o seu perfil de centro finan-ceiro aglutinador de negcios.

    7

    Nesse processo, a construo sustentvel e conceitos como green buildings deixaro de ser discurso para se insti-tucionalizarem, tornando as edificaes mais do que autos-suficientes em energia: sero geradoras, cujo excedente a exemplo da Alemanha, onde a energia obtida por meio de placas fotovoltaicas de uma residncia ultrapassa o seu con-sumo e comercializada poder ser vendido para o Estado.

    Em 2050, os carros ainda circularo na Paulista. Os ni-bus, porm, cedero lugar ao VLT (Veculo Leve sobre Tril-hos), compatvel com a escala do pedestre e destinado ao trfego local e a um percurso quase turstico, reservando-se ao metr (uma vez ampliada a sua malha) o transporte de massa. Os rebaixamentos da avenida ocorreriam em peque-nos trechos de interesse histrico e/ ou de grande circu-lao de pedestres, como a rea da Praa Oswaldo Cruz, contgua ao Shopping Paulista, a conexo entre o MASP e o Parque do Trianon e a juno da avenida com a Rua da Consolao, onde a linha 4 do metr j ter otimizado a uti-lizao de espaos pblicos e privados atualmente ociosos.

    O toque final, na viso de Alessandro, ficar por conta do transporte areo. Ele lembra que, j em 1910, em Par-is, Santos Dumont estacionava seu balo manobrvel no alto, jogando os lastros na varanda de seu apartamento, para, em seguida, desembarcar diretamente na residncia. Transportada para 2050, essa ideia ganharia nova roupa-

    gem, mas seu acesso estaria restrito ao mercado do luxo. Atualmente, a concepo mais prxima disso so edifcios residenciais com elevadores para automveis que desem-bocam diretamente em cada apartamento, um exagero que demonstra ainda o valor equivocado do carro na vida da cidade. O isolamento que essa comodidade traria seria minimizado pelas praas suspensas conectando os edifcios comerciais e residenciais, novos espaos de convvio social.

    Tudo isso mostra que estruturas urbanas complexas como a cidade de So Paulo requerem solues no me-nos complexas contudo, possveis e planejveis para referenciais como a Avenida Paulista.

    ALESSANDRO SBAMPATOArquiteto e Urbanista formado pela FAUUSP em 1996, especialista em Gesto Ambiental, e integrante do Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentvel e Cultura de Paz da Sub-prefeitura Santana/Tucuruvi. Em 2003, com seu colega de profisso Roberto Godoy, fundou a Oficina AR, voltada para arquitetura, habita-o de interesse social, design grfico e mobilirio. professor no cur-so de Arquitetura e Urbanismo da FIAM/FAAM, e tambm pesquisa sobre a territorialidade dos espaos urbanos de uso coletivo.

    Croqui mostrando as conexes entre os altos edifcios que, na viso de Alessandro, provavelmente sero construdos nas encostas da Paulista. As conexes so praas que estimulam o convvio entre os moradores e usurios dos prdios.

  • Arte e Vida em Eros OggiEspao Cultural Citi - Av. Paulista, 1.111 - trreoO artista italiano naturalizado brasileiro expe 26 leos, feitos entre 1996 e 2010. Seg. a sexta, das 9h s 19h / Sb., dom. e feriados, das 10h s 17h - At 14/01 - Gratuito.

    As Construes de BrasliaGaleria de Arte do SESI - Centro Cultural FIESPFotografias do acervo do Instituto Moreira Salles e uma seleo de obras de artistas que retratam a cidade. Seg., 11h s 20h / Ter. a sb., 10h s 20h / Dom., 10h s 19h - At 30/01 - Gratuito.

    Carlos Oswald, O Resgate de Um MestreCaixa Cultural - Galeria Vitrine da Paulista Av. Paulista, 2073 - trreoRetrospectiva com 70 obras, entre paisagens, retratos e imagens religiosas. Tera a sbado, das 9h s 21h / Domingos e feria-dos, das 10h s 21h - At 20/02 - Gratuito.

    Exposio CinemagnticoCineSESC - Rua Augusta, 2075Figuras imantadas espalhadas pelas paredes permitem que o pblico interaja com cenas clssicas do cinema mundial. Seg. a sexta, das 14h s 21h - At 31/12 - Gratuito.

    Galxia HaroldoCasa das Rosas - Avenida Paulista, 37Documentrio que acompanha a exposio permanente dos mveis e objetos que compunham o escritrio do poeta Haroldo de Campos. Ter. a sex., 10h s 21h / Sb., dom. e feriados, 10h s 18h - Gratuito.

    Histrias de Mapas, Piratas e TesourosIta Cultural - Avenida Paulista, 149 - ParasoTesouros da fotografia lationamericana atual, reunindo 22 artistas que usam novas e velhas tecnologias. Seg. a sex., 9h s 20h / Sb., dom. e feriados, 11h s 20h - At 19/12 - Gratuito.

    Lugares, Estranhos e Quietos - Win WendersMASP - Av. Paulista, 1.578A sensibilidade do cineasta alemo est evidenciada nes-sa mostra de 23 fotografias tiradas durante suas viagens, nos ltimos dez anos. Ter., qua., sex. a dom. e feriados das 11h s 18h; quinta das 11h s 20h. R$ 15,00. Grtis s teras - At 16/01.

    O Egito sob o Olhar de NapoleoIta Cultural - Avenida Paulista, 149 - Paraso Reunio dos 21 volumes da obra Description de LEgypte, estudo decorrente da campanha de Napoleo no pas. Seg. a sex., 9h s 20h / Sb., dom. e feriados, 11h s 20h - At 19/12 - Gratuito.

    Poetas Malditos: a Musa Praguejadora de Gregrio de MatosCasa das Rosas - Avenida Paulista, 37Seleo de publicaes de e sobre Gregrio de Matos, pertencentes ao Acervo Haroldo de Campos, revela o in-teresse permanente de Haroldo na obra do poeta baiano.Ter. a sex., 10h s 21h / Sb., dom. e feriados, 10h s 18h - At 19/12 - Gratuito.

    Se No Neste Tempo - Pintura AlemContempornea: 1989-2010 MASP - Av. Paulista, 1.578Coletiva com 83 obras de 26 artistas, organizada exclusiva-mente para o MASP, com nomes como Thomas Scheibitz e Werner Tbke. Ter., qua., sex. a dom. e feriados das 11h s 18h; quinta das 11h s 20h. R$ 15,00. Grtis s teras - At 09/01.

    Imagem de colunas egpcias (colorida no sculo XIX) mostra a entrada de palcio na Ilha de Philae, conquistada por Napoleo

    O carto postal da cidade e suas imediaes formam um cor-redor cultural de fcil acesso, tanto de metr como de nibus. Casa das Rosas, Ita Cultural, os teatros do Sesi, do Hotel Renais-sance e da Gazeta, cinemas de uma extremidade outra da ave-nida, lojas, bares, restaurantes, cafs e livrarias. Impossvel resistir a essa profuso de atraes.

    Esta semana a ltima oportunidade para uma visita a im-portantes exposies: fotografia e o Egito, no Ita Cultural, e o poeta Gregrio de Matos, na Casa das Rosas. O tempo agradvel um convite para conhec-las. Reservar alguns minutos para uma caminhada na avenida, apreciando a bela decorao de Natal, um passeio mgico. Aproveite!

    ARTE

    Fonte: www.istoe.com.br/reportagens/109163_O+EGITO+DE+NAPOLEAO+BONAPARTE

    ROTEIRO Imagens de esfinges e pirmides visitam a Paulista, que tambm recebe fotografias do cineasta Wim Wenders. No palco, textos de Clarice Lispector e, nas telas, o retorno de Coppola com o aguardado Tetro

    LITERATURACASA DAS ROSAS - Avenida Paulista, 37Sarau Poetas da Casa das RosasSarau mensal, tendo como curadora Maria Alice Vasconcelos, com a participao de alunos e ex-alunos dos cursos da Casa das Rosas Espao Haroldo de Campos de Poesia e Literatura. Domingo, 19/12, s 15h. Gratuito.

    Sarau Chama Potica - 6 anosO sarau comemora 6 anos e homenageia o poeta responsvel pela criao do pro-jeto, Antnio Lzaro de Almeida Prado. Domingo, 19/12, s 18h. Gratuito.

    Projeto Revista Cultural - com os BabilaquesSarau com msica que homenageia Clarice Lispector. Sexta, 17/12, s 20h. Gratuito.

    BIBLIOTECASCasa das Rosas - Biblioteca Circulante - Av. Paulista, 37Especializada em literatura e poesia, tem um acervo de 2,5 mil ttulos. Informe-se sobre como se associar. Tel: (11) 3285.6986 / 3288.9447 ou [email protected]

    FIESP - Biblioteca Jurdica - Av. Paulista, 1313 - 5 andarMais de 4 mil livros, para consulta nas dependncias da biblioteca. Atendimento das 8h30 s 17h. Mais informaes: (11) 3549-4396.

    8

  • PororocaMezanino do Centro Cultural Fiesp Ruth Cardoso Av. Paulista, 1313. A pea aborda o impacto que a pororoca, onda destruidora no dialeto ind-gena, causa entre os ribeirinhos do Mearim, mesclando o real e o imaginrio em cenas leves e outras que discutem desde o incesto e a explorao sexual at a falta de assistncia mdico-hospitalar. Qui. a sb., 20h30 / Dom. s 19h30 - 16 a 19/12. Gratuito (no recomendado para menores de 18 anos). 50 lugares. Informaes: (11) 3146-7405 .

    HellTeatro do SESI - Av. Paulista, 1313. Hell, uma garota rica, ftil e arrogante, despreza a natureza, e seu credo se re-sume beleza e ao consumo, at que surge o amor, num trgico envolvimento com um jovem to rico e to imerso no desespero quanto ela. Sex. a dom., s 17h e s 20h - 17 a 19/12. R$ 10,00 e R$ 5,00 a meia. 456 lugares. Gratuito s quintas e sextas. Informaes: (11) 3146-7405 /7406.

    Simplesmente Eu, Clarice LispectorTeatro Renaissance - Alameda Santos, 2233O monlogo dirigido, adaptado e interpretado por Beth Goulart, mostra o caminho percorrido por Clarice Lispector rumo ao amor, ao seu universo e s suas dvidas e contradies. Baseia-se em trechos de depoimentos, entrevis-tas, correspondncias e dos livros Perto do Corao Selvagem, O Livro dos Prazeres, alm de alguns contos. Sex. s 21h30, sb. s 21h e dom. s 19h. At 19/12. R$ 50,00 a R$ 60,00 (no recomendado para menores de 12 anos). 466 lugares. Informaes: (11) 2122-4241.

    TEATRO e CINEMAROTEIRO

    Ajude a preservar a Avenida Paulista, o carto postal de So Paulo!

    Projete uma boa imagem da sua empre-sa para mais de 20.000 contatos!

    LIGUE: 3405-0135.

    FILMES BELAS ARTESTel: 3258-4092

    BRISTOLTel: 3289-0509

    CINESESCTel: 3087-0500

    LIVRARIA CULTURATel: 3085-3696

    PAULISTA CINEMARK

    Tel: 3142-9242

    PAULISTAPLAYARTETel: 5053-6934

    RESERVACULTURALTel: 3087-3529

    UNIBANCOTel: 3288-6780

    AbutresSala 3

    14h30 / 16h30 18h30 / 20h30

    Sala 213h45 / 17h35

    21h35

    Sala 314h40 / 17h00 19h20 / 21h40

    Accio Sala 614h / 19h40

    Amor Por AcasoSala 6

    14h / 16h / 18h / 20h / 23h59

    Sala 710h50 / 15h30

    20h10

    Antes que o Mundo Acabe Sala 114h

    A Desconhecida Sala 312h

    A Falta que me Faz Sala 615h40 / 21h30

    A Origem Sala 521h

    A Rede SocialSala 1

    14h / 16h2019h / 21h20

    Sala 413h30 13h45 16h15 / 16h

    18h30 / 18h45 21h15 / 23h45

    Sala 417h05 / 19h25

    21h40

    Sala 114h / 16h30 19h / 21h30

    Sala 513h00 / 15h40 18h30 / 21h15

    23h55

    Sala 215h30 / 17h30

    Sala 414h50 / 17h05 19h25 / 21h40

    A Stima AlmaSala 7

    13h05 / 17h40 22h25

    A Suprema Felicidade Sala 516h40

    As Crnicas de Nrnia : A Viagem do Peregrino da Alvorada

    Sala 114h / 14h40

    16h20 / 17h00 18h40 / 19h20

    21h40

    Sala 1 e 310h15 / 13h

    14h45 / 15h35 18h15 / 19h25 21h / 23h35

    00h05

    Dois Irmos Sala 216h30

    Enterrado Vivo

    Sala 7 13h / 15h 17h / 19h

    23h

    Harry Potter e as Relquias da Morte: Parte 1

    Sala Villa-Lobos19h30 / 21h50

    Sala 2 20h10

    Sala 216h50 / 19h10

    21h30

    Sala 2 e 411h10 / 12h

    14h10 / 15h10 17h20 / 18h20 20h30 / 21h30

    23h40

    Jos & Pilar Sala 617h20Sala 219h30

    Sala 514h00 / 16h30 19h00 / 21h30

    9

  • 10

    FILMES BELAS ARTESTel: 3258-4092

    BRISTOLTel: 3289-0509

    CINESESCTel: 3087-0500

    LIVRARIA CULTURATel: 3085-3696

    PAULISTA CINEMARK

    Tel: 3142-9242

    PAULISTAPLAYARTETel: 5053-6934

    RESERVACULTURALTel: 3087-3529

    UNIBANCOTel: 3288-6780

    MacheteSala 4

    14h10 / 16h10 / 19h10

    Medos Privados em Lugares Pblicos

    Sala 514h20

    MegamenteSala 3

    12:40 / 14:40 16:40 /18:40

    Sala 1 e 610h30 / 12h40 12h50 / 15h

    17h15 / 17h30 19h50 / 21h55

    Meu Mundo em PerigoSala 4

    14h30 / 16h30 20h40

    Minha Terra, frica Sala 315h10

    Muita Calma Nessa Hora Sala 622h10 / 00h20

    O Cime Mora ao Lado Sala 423hSala 423h55

    O Garoto de LiverpoolSala 2

    14h10 / 16:10 18h10 / 23h00

    Senna Sala 218h40

    Sesso Noito Sala 623h50

    Skyline - A Invaso

    Sala 513h30 / 15h30 17h30 / 19h30

    23h30

    Socialisme Sala 3

    13h10 / 17h10 19h10 / 21h10

    TetroSala 1

    14h10 / 16h35 19h / 21h30

    Sala 116h30 / 19h

    Tropa de Elite 2 Sala 214h

    Sala 116h50 / 19h10

    21h30

    Sala 317h10 / 19h30

    21h50

    Voc vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos

    Sala 220h40 / 22h40

    Sala 320h40 / 22h40

    Sala 213h00 / 15h50

    19h40

    Sala 215h20 / 17h30

    21h50

    Sala 213h / 15h50

    19h40

    Sala 214h / 16h

    18h / 20h / 22h

    CINEMAROTEIRO

    Os horrios e os dias das sesses esto sujeitos a alteraes. Entre em contato com os cinemas antes de escolher o filme e a sesso.

    Ajude a preservar a Avenida Paulista, o carto postal de So Paulo!

    Projete uma boa imagem da sua empre-sa para mais de 20.000 contatos!

    LIGUE: 3405-0135.

  • PERFIL QUEM SO OS MORADORES DA PAULISTA?Conhea as histrias de ilustres personagens que permanecem na Avenida depois do horrio comercial

    Ugo Rossini, imigrante italiano que escolheu a Paulista como moradia desde a dcada de 60.

    Foto

    : Ana

    Luiz

    a Jim

    enez

    William Restom, 89, tem sade invejvel e mora na avenida h 47 anos.

    Foto

    : Ana

    Luiz

    a Jim

    enez

    anos no Brasil, Rosini j teve trs endereos diferentes na cidade, todos na avenida mais importante da capital. O clima da regio da Paulista o melhor em So Paulo, explica. Do alto de seu apartamento no 22 andar, Ugo se orgulha de ter uma vista privilegiada. Sempre optei por prdios com uma bela vista da cidade.

    Outro morador clebre do Saint-Honor o advogado aposentado William Reston. Com 89 anos e morador do edif-cio h 47 anos, William conta que sempre gostou de morar em um dos endereos mais importantes da cidade. Aqui na Avenida Paulista tem tudo muito perto e h facilidade de acesso para todos os lugares.

    A cada ano que passa o nmero de prdios residenciais na Avenida Paulista diminui. Segun-do dados da Associao Paulista Viva, cinco mil pessoas residem em um dos endereos comer-ciais mais valorizados de So Paulo. A Paulista um lugar em que as diferenas convivem todos os dias, e seus moradores refletem esta diver-sidade. No importa se acabaram de chegar ou se construram uma vida em um s endereo, esses vizinhos annimos dividem o mesmo sen-timento de amor por uma das avenidas mais famosas do Brasil.

    Histria do Saint-Honor Projetado pelo empresrio Joo Artacho Jura-do (1907 1983) no incio dos anos 1960, o Edifcio Saint Honor faz parte da ocupao de prdios altos que se instalaram na Paulista neste perodo. De arquitetura modernista, o Saint Honor tem al-guns dos moradores mais antigos da Paulista.

    Ugo Rosini se orgulha de ter sido um dos pri-meiros a se mudar para o prdio. Italiano da cida- de de Merate, Ugo veio para o Brasil em 1960, quando foi transferido pela empresa Pirelli. Escolhi desde os meus primeiros dias em So Paulo morar na Paulista, conta. H mais de 50

    Olhar Estrangeiro No so s os paulistanos que se encantam com a nossa querida avenida. Natural de Manaus, no Amazonas, a designere professora universitria Lilian Schreiner no escolheria outro endereo na capital, e desde que se mudou para So Paulo, em julho de 2009, tinha o desejo de ser vizinha do MASP e do Parque Trianon. Adoro morar na Avenida Pau-lista, a realizao de um sonho residir no corao financeiro e cultural de So Paulo, conta entusiasmada.

    Segundo Lilian, a Avenida Paulista fica ainda mais bonita e agitada no final do ano. A decorao de Natal aumenta o mo-vimento por aqui, acho super divertido e animado ver tantos carros indo e vindo e tantas pessoas na rua tirando fotos da decorao de Natal. Alm disso, Lilian conta que a facilidade do endereo comercial, como vrias estaes de metr, co-mrcio bastante desenvolvido e intensas atividades culturais, compensam os rudos de carros e buzinas durante a noite.

    Aqui na Avenida Paulista tem tudo muito perto e h facilidade de acesso para todos os lugares.

    Escolhi, desde os meus pri-meiros dias em So Paulo, morar na Paulista.

    11