of 41/41
1 Fundações Estatais como estratégia para Novos Modelos Públicos de Gestão Hospitalar Pedro R. Barbosa – ENSP/FIOCRUZ

Fundações Estatais como estratégia para Novos Modelos ... · Características das FUNDAÇÕES ESTATAIS V - CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Normas de Controle e Fiscalização previstos

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Fundações Estatais como estratégia para Novos Modelos ... · Características das FUNDAÇÕES...

  • 1

    Fundaes Estatais como estratgia para Novos Modelos

    Pblicos de Gesto Hospitalar

    Pedro R. Barbosa ENSP/FIOCRUZ

  • 2

    O Problema I Reconhecimento da inadequao e da rigidez do

    modelo da administrao pblica direta e autrquica para a gesto hospitalar eficiente e com qualidade

    Dificuldades decorrentes da limitada autonomia de gesto, com particular estrangulamento na rea de gesto das pessoas

    Alternativas jurdico-administrativas sendo legalmente questionadas (p.ex.:fundaes de apoio, organizaes sociais nvel federal)

    Insuficiente integrao dos hospitais aos sistemas regionais/SUS ausncia de contratos com funes definidas e avaliao de desempenho

  • 3

    O Problema II A Crise dos hospitais no Rio de Janeiro eleva

    responsabilidades do Governo Federal quanto a capacidade pblica de gesto hospitalar

    Presses crescentes dos rgos de controle MPF, TCU alternativas existentes questionadas e com dias contados

    Aes no atual modelo de gesto so insuficientes e paliativas, quando no agravam os problemas (concursos pblicos, sistemas de gratificaes, melhorias administrativas, etc);

    Risco e perdas de conquistas nos atuais Institutos e Hospitais federais, considerando a produo e a qualidade da assistncia;

  • 4

    Preliminares da Proposta Plano Federal Diagnstico dos Principais Problemas dos Institutos

    e Hospitais do MS Anlise de Alternativas (de Modelos) por

    Especialistas em Administrao Pblica e Gesto Hospitalar - MPOG e MS

    Identificao de Bases Legais Posicionamento Preliminar de Dirigentes do

    Ministrio da Sade e do Planejamento Projeto de Lei Complementar

  • 5

    Dimenses do Projeto Jurdica e Institucional: Lei de constituio,

    estatutos, outros atos legais

    Sistema de Gesto e Contrato de Gesto

    Gesto das Pessoas

  • 6

    Princpios do Modelo

    Pblico e Estatal

    Autnomo e Flexvel

    SUS Exclusivo

  • 7

    Nova personalidade jurdico-administrativa

    Financiamento mediante contrato de gesto

    Gesto de RH pela CLT *

    Novos mecanismos de acompanhamento e prestao de contas no mbito do MS/SUS

    A Proposta do Governo Federal

    EficinciaQualidade

    Foco no ClienteIntegrao no

    SUSSustentabilidade

    Inovao

    FUNDAO ESTATAL

    *considerando transio dos atuais RJU

  • 8

    Nova personalidade jurdico-administrativa:

    FUNDAO ESTATAL

    Modelo Proposto

    Autonomia de Gesto

    Novo dispositivo na relaoGoverno/hospital:

    Contrato de gesto

    Novos mecanismos de Accountability

  • 9

    Fundao Estatal

    Autonomia de Gesto

    Contrato de gesto

    Novos Mecanismos de Accountability

    Profissionalizao da Gesto

    Nova Estrutura de Incentivos

    Melhoria do Desempenho Organizacional

    Gesto de RH

    Inovadora

    file:///D:/Luiz/Desktop/a/Biblioteca_068_Seminario_Andifes_Reestruturacao_e_Modernizacao_das_IFES_em_busca_da_expansao_1_de_2/Reuni?o CP 08_Agosto_2007 Tarde/Marcia Bassit (Minist?rio da Sa?de)/C:\projeto funda??o estatal\projeto rio\expo MNNPSUS 14maio.pptfile:///D:/Luiz/Desktop/a/Biblioteca_068_Seminario_Andifes_Reestruturacao_e_Modernizacao_das_IFES_em_busca_da_expansao_1_de_2/Reuni?o CP 08_Agosto_2007 Tarde/Marcia Bassit (Minist?rio da Sa?de)/C:\projeto funda??o estatal\projeto rio\expo MNNPSUS 14maio.ppt

  • 10

    Caractersticas das FUNDAES ESTATAISV - CONTROLE E FISCALIZAO

    Normas de Controle e Fiscalizao previstos nos Estatutos Conselho Externo de Administrao;

    Superviso do Ministrio da Sade e demais instncias de contratao regional e/ou municipal;

    Tribunal de Contas;

    Ministrio Pblico

    Subordinao ao Controle Social em Sade exercido pelos Conselhos de Sade Local e Regional/Estadual em decorrncia da Insero do Hospital no Sistema Loco-regional.

  • 11

    Caractersticas das FUNDAES ESTATAISVI Contrato de Gesto

    Objetivos, Metas, Prazos, critrios de controle e avaliao, obrigaes e responsabilidades de seus dirigentes;

    Investimento anual com base em percentual de receitas em aes de inovao, capacitao de pessoal, adequao mobiliria e imobiliria;

    Fixao de teto percentual para gastos com pessoal;

    Dirigentes com penalidade de perda de mandatos no caso de descumprimento do contrato de gesto injustificadamente;

  • 12

    Caractersticas das FUNDAES ESTATAISVII Estrutura Organizacional

    Conselho Curador (de Administrao) rgo de Direo Superior, Controle, Fiscalizao e Avaliao;

    Comisso ou Conselho Fiscal rgo de Assessoramento ao Conselho Curador na rea de gesto contbil, patrimonial e financeira;

    Conselho de Direo Direo Executiva, responsvel pela gesto tcnica, patrimonial, administrativa e financeira

  • 13

    Caractersticas das FUNDAES ESTATAISVII Regime de Pessoal

    Regime Jurdico da CLT

    Aprovao do Plano de Carreira e Salrios pelo Conselho Curador, incluindo benefcios, reajustes, etc, em consonncia com Contrato de Gesto

    Previso na Lei das Demisses pela CLT.

    Previso na Lei para o enquadramento/alinhamento do pessoal estatutrio processo de transformao.

  • 14

    FUNDAO ESTATAL: caractersticas em sntese Autonomia de Gesto Regime CLT Acordo Coletivo do Trabalho No integra o oramento pblico: financiamento via

    contrato de gesto Contabilidade tpica de empresa estatal Sistema de compras e contratos por regulamento

    prprio (base 8666) Governana com Conselho Curador/Administrao

    (majoritrio governamental) Gesto profissionalizada Contrato de Gesto com Dirigentes do SUS

  • 15

    Ganhos Esperados Profissionalizao da Gesto Uso mais Eficiente dos Recursos Ganhos em Produtividade e Qualidade Sustentabilidade Poltica, Jurdica e Econmica Alavancagem Institucional: formulao de polticas,

    ensino, P&D Maior integrao ao SUS Maior Controle Social Diretriz para Gesto (hospitalar) no SUS e

    aprimoramento do aparelho de Estado brasileiro

  • 16

    Custos Econmicos Associados Recontratao da fora de trabalho com base em

    pesquisa salarial Estrutura gerencial profissionalizada Introduo de novos sistemas e ferramentas de

    gesto Ajustes no custeio associados aos novos padres de

    desempenho Investimentos associados ao desenvolvimento

    institucional Custos de transao relacionados

    operacionalizao dos contratos

  • 17

    Algumas Consideraes Proposta responde a um problema real dos hospitais

    federais e tambm de hospitais estaduais e municipais

    Soluo ajustada com a literatura e com experincias internacionais no mbito da reforma hospitalar

    Plena implementao envolve mudanas para alm do modelo jurdico - processo exige um tempo de aprendizado e de maturao

    Proposta possui efeito demonstrativo e de liderana do Governo Federal com efeito multiplicador no pas (muitos estados e mesmo municpios j encontram-se com propostas anlogas, aguardando a Lei Complementar)

  • 18

    Projeto Fundaes Estatais

    Fim

  • 19

    Razo de ser da Autonomia de Gesto No modelo tradicional de gesto, as decises concentram-se no

    nvel central, distantes dos hospitais e daqueles que detm informaes relevantes associadas a tais decises, sendo uma das principais causas do desempenho insatisfatrio desses estabelecimentos.

    Alm disso, esse modelo centralizado torna os processos de tomada de deciso mais burocrticos e morosos.

    Um modelo fundado em uma maior autonomia de gesto significa no s dotar os dirigentes hospitalares de maior poder de deciso, como responsabiliz-los diretamente pelo desempenho dessas organizaes.

    A autonomia de gesto tambm confere maior agilidade e flexibilidade conduo dos hospitais pblicos, estabelecendo condies mais efetivas para que essas organizaes respondam s polticas, diretrizes e incentivos governamentais.

  • 20

    Um modelo fundado em uma maior autonomia de gesto deve ainda resultar na conquista de uma maior estabilidade poltica para os hospitais pblicos

    Tal modelo de gesto envolve, em contrapartida, a adoo de novos dispositivos de acompanhamento, prestao de contas e responsabilizao, como Conselhos de Administrao e contratos de gesto.

    A autonomia de gesto tem sido tomada como o elemento central das reformas dos modelos de gesto hospitalar pblica em diversos pases - Reino Unido, Austrlia, Nova Zelndia, India, Indonsia, Qunia.

    Razo de ser da Autonomia de Gesto

  • 21

    Esferas da Autonomia de Gesto

    1. Autonomia de escopo

    2. Autonomia oramentria-financeira

    3. Autonomia na gesto das pessoas

    4. Autonomia na rea de compras e contratos

    5. Autonomia para associaes

  • 22

    Esferas da Autonomia de Gesto

    Autonomia de escopo

    Autonomia oramentrio-financeira

    Autonomia na gesto das pessoas

    Autonomia na rea de compras e contratos

    Autonomia para associaes

    A misso, o elenco e o volume dos servios oferecidos pela Instituio so objeto de pactuao junto s autoridades do SUS e so fixadas no contrato de gesto

    O Hospital dispe de liberdade para introduzir inovaes no mbito dos procedimentos e das tecnologias empregadas

  • 23

    Profissionalizao da Gesto Ampliao e Capacitao do Quadro de

    Gerentes Hospitalares Poltica de remunerao dos gerentes

    hospitalares compatvel com as suas novas responsabilidades

    Aprimoramento do Sistema de GestoSistema de Gesto dos Institutos/Hospitais

    Combinao de conhecimentos, dispositivos, mtodos, tcnicas e instrumentos de gesto adotados nas diferentes reas de funcionamento da organizao com vistas ao alcance de seus objetivos.

  • 24

    Aprimoramento do Sistema de Gesto

    o AssistnciaAssistnciao Ensino o Pesquisa e Desenvolvimento Tecnolgico o Gesto das Pessoas o Oramentrio-Financeirao Administrao logstica

    Envolve o aperfeioamento e ou a implantao de dispositivos organizacionais, ferramentas de gesto e, em particular, sistemas de informao gerencial, de gesto de custos, de planejamento, acompanhamento e avaliao e instrumentos de melhoria contnua das distintas reas de funcionamento institucional.

    reas destacadas:

  • 25

    Accountability ou responsabilidade

    dever dos indivduos ou organizaes (agentes) de prestar informaes a respeito e ou justificativa para suas aes perante outros (principal). Ser accountable significa ter a obrigao de responder sobre suas aes e ou decises .

    diz respeito tambm aos procedimentos e processos por meio dos quais uma determinada parte (agente) apresenta justificativa e se responsabiliza por suas aes perante uma outra parte (principal)

  • 26

    Tipos de AccountabilityTipos de Accountability financeira: remete-se s decises relativas ao emprego dos recursos financeiros disponveis, compreendendo a anlise da eficincia de alocao dos mesmos performance: refere-se prestao de contas relativa aos resultados organizacionais alcanados frente queles previamente estabelecidos poltica/democrtica: tem por objeto verificar em que medida o governo ou uma dada organizao governamental atende s necessidades e expectativas de seus cidados/usurios, diz respeito legitimidade dos rgos do governo

  • 27

    Novos Dispositivos de Accountability

    Institutos e hospitais federais uma vez convertidos em fundaes estatais, no se encontram mais sob o mando direto e hierrquico do MS, passando a gozar de maior autonomia gerencial. Esta situao exige a instaurao de dispositivos novos, indiretos, de accountability como os contratos de gesto e os Conselhos de Administrao.

    Os Conselhos de Administrao tm uma funo estratgica no Modelo de Gesto proposto, constituindo o locus central de prestao de contas, de acompanhamento e avaliao do desempenho institucional.

  • 28

    Instrumento utilizado para pactuar ou contratar objetivos institucionais entre o ente executor das aes de sade e o mantenedor institucional

    Dispositivo de "acompanhamento e avaliao do desempenho institucional da entidade contratada e de aperfeioamento das suas relaes de cooperao, superviso e fiscalizao com o poder pblico". (doc. Governo Federal / Casa Civil e MPOG)

    O contrato de gesto implica na explicitao de compromissos e metas almejadas, favorecendo a instaurao de uma cultura de resultados na organizao

    O processo de contratualizao e de acompanhamento dos contratos resulta em custos adicionais de transao

    Contrato de Gesto

  • 29

    Contrato no diz respeito apenas a uma compra de servios (SESSP/OSS)

    Contrato tampouco constitui um mero dispositivo para a incorporo de incentivos no financiamento dos Institutos

    Contrato como instrumento nuclear de pactuaoContrato como instrumento nuclear de pactuaoe acompanhamento do funcionamento e do e acompanhamento do funcionamento e do processo de alavancagem institucionalprocesso de alavancagem institucional

    A Natureza do Contrato de Gesto proposto para os Institutos e o GHC

  • 30

    Dimenses: Assistencial Ensino Pesquisa e Desenvolvimento Sistema de Gesto Gesto das Pessoas Gesto Econmica e Financeira

    Contrato de Gesto: Dimenses do Objeto

    O objeto do contrato deve ser especificado de acordo com dimenses e eixos norteadores da ao institucional, que compreendem o conjunto das atividades ali realizadas e requerem financiamento e acompanhamento distintos

  • 31

    Eixos Norteadores:

    Qualidade

    Eficincia

    Inovao

    Insero no SUS

    Contrato de Gesto: Eixos Norteadores do Objeto

  • 32

    DIMENSES/ EIXOS NORTEADORES

    Ensino

    Gesto Econmico-finanaceira

    Pesquisa e Desenvolvimentotecnolgico

    Assistncia

    Sistema de Gesto

    Gesto dasPessoas

    Qualidade Eficincia Inovao Insero no SUS

    Matriz Programtica do Contrato

  • 33

    Elementos da nova Estrutura de Incentivos

    Financiamento da instituio condicionado ao desempenho

    Poltica de investimentos conforme resultados alcanados

    Manuteno e renovao do mandato do dirigente hospitalar sujeitas avaliao dos cumprimento de compromissos e metas fixadas no contrato

    Introduo de uma parte varivel no sistema de remunerao dos funcionrios

  • 34

    Principais componentes : Qualidade

    Foco no Cliente

    Eficincia

    Inovao

    Insero no SUS

    Desempenho Organizacional

  • 35

    Atributos do Modelo AUTONOMIA GOVERNANA PROFISSIONALIZAO DA GESTO FINANCIAMENTO GESTO DAS PESSOAS TECNOLOGIA DA INFORMAO ADEQUAO TECNOLGICA ORGANIZAO DO CUIDADO

  • 36

    Atributos voltados s Finalidades (Misso e Desempenho)

    QUALIDADE EFICINCIA P & D e ENSINO ASSISTNCIA FOCADA NO CLIENTE INSERO NO SUS

  • 37

    Questes gerais e encaminhamentos ordenadores dos processos de gesto e das relaes de trabalho.

    Estabelecer processo de negociao com os trabalhadores, via mesa de negociao especfica ou permanente.

    Os trabalhadores podem instituir um Frum inter-sindical e destacar deste os representantes para a mesa de negociao

    Considerar a possibilidade de na fase de finalizao do Acordo, envolver o Ministrio Pblico.

    Definir data base unificada para o acordo coletivo de trabalho.

    Entre maio e junho seria o perodo ideal para estabelecer a data base, considerando o cronograma de elaborao do oramento federal, que dever prever os recursos para o Contrato de Gesto

  • 38

    Questes gerais e encaminhamentos ordenadores dos processos de gesto e das relaes de trabalho.

    Questes bsicas a serem estabelecidas em Protocolo de Relaes de Trabalho/ Acordo Coletivo de Trabalho.

    Formas de remunerao/ salrios de ingresso.

    Jornada de trabalho/ perodo de descanso.

    Escala de trabalho e compensao horria.

    Horas extras/ Banco de horas.

    Sobreaviso (planto a distncia)

  • 39

    Trabalho e adicional noturno.

    Frias anuais /parcelamento /cancelamento ou adiamento.

    Faltas/ atrasos/ ausncias justificadas e licenas.

    Estabilidade/ insuficincia de desempenho/ desdia no desempenho das respectivas funes.

    A questo das gratificaes/ complementao por exerccio de funo de gesto (cargo de confiana) parcela atribuvel.

    Questes gerais e encaminhamentos ordenadores dos processos de gesto e das relaes de trabalho.

    Questes bsicas a serem estabelecidas em Protocolo de Relaes de Trabalho/ Acordo Coletivo de Trabalho.

  • 40

    Questes gerais e encaminhamentos ordenadores dos processos de gesto e das relaes de trabalho.

    Questes bsicas a serem estabelecidas em Protocolo de Relaes de Trabalho/ Acordo Coletivo de Trabalho.

    Auxlio alimentao / vale transporte.

    Exames de admisso e demisso.

    Atividades insalubres ou perigosas / insalubridade e periculosidade.

    Segurana e medicina do trabalho/ sade ocupacional/ fornecimento e uso de EPI.

    Garantias aos membros da CIPA.

    Contribuies: Assistencial e Confederativa profissional.

    Outros tpicos...

  • 41

    Condio para os atuais servidores Direitos garantidos- Manuteno nos atuais planos de carreira- Evoluo nos atuais planos com todos os

    benefcios, at a aposentadoria- Cesso com nus para as fundaes- Alinhamento com novo Plano

    (complementaes possveis)- Nova pactuao no trabalho

    Slide 1Slide 2Slide 3Slide 4Slide 5Slide 6Slide 7Slide 8Slide 9Slide 10Slide 11Slide 12Slide 13Slide 14Slide 15Slide 16Slide 17Slide 18Slide 19Slide 20Slide 21Slide 22Slide 23Slide 24Slide 25Slide 26Slide 27Slide 28Slide 29Slide 30Slide 31Slide 32Slide 33Slide 34Slide 35Slide 36Slide 37Slide 38Slide 39Slide 40Slide 41