Click here to load reader

GABARITO - QOS/2009 BUCO-MAXILO-FACIAL · quadro de oficiais de saÚde (qos) da pmmg – 2009 (buco-maxilo-facial) 1 gabarito - qos/2009 buco-maxilo-facial ... centro de recrutamento

  • View
    214

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of GABARITO - QOS/2009 BUCO-MAXILO-FACIAL · quadro de oficiais de saÚde (qos) da pmmg – 2009...

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    1

    GABARI T O - QOS/2009 BUCO-MAXI LO-FACI AL

    1 QUESTO A B C D 21 QUESTO A B C D

    2 QUESTO A B C D 22 QUESTO A B C D

    3 QUESTO A B C D 23 QUESTO A B C D

    4 QUESTO A B C D 24 QUESTO A B C D

    5 QUESTO A B C D 25 QUESTO A B C D

    6 QUESTO A B C D 26 QUESTO A B C D

    7 QUESTO A B C D 27 QUESTO A B C D

    8 QUESTO A B C D 28 QUESTO A B C D

    9 QUESTO A B C D 29 QUESTO A B C D

    10 QUESTO A B C D 30 QUESTO A B C D

    11 QUESTO A B C D 31 QUESTO A B C D

    12 QUESTO A B C D 32 QUESTO A B C D

    13 QUESTO A B C D 33 QUESTO A B C D

    14 QUESTO A B C D 34 QUESTO A B C D

    15 QUESTO A B C D 35 QUESTO A B C D

    16 QUESTO A B C D 36 QUESTO A B C D

    17 QUESTO A B C D 37 QUESTO A B C D

    18 QUESTO A B C D 38 QUESTO A B C D

    19 QUESTO A B C D 39 QUESTO A B C D

    20 QUESTO A B C D 40 QUESTO A B C D

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    2

    PROVA DO CONCURSO PBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO

    DE 2 TENENTE DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA POLCIA MILITAR DE MINAS GERAIS.

    QOS / 2009 (Edital DRH/CRS, n 09/2008, de 29 de maio de 2008)

    LNGUA PORTUGUESA, DIREITOS HUMANOS E CONHECIMENTOS ESPECFICOS.

    NOME: ____________________________________________________

    LOCAL DE PROVA: ____________________________ SALA: ______

    INSTRUES AOS CANDIDATOS:

    1. Abra este caderno de prova somente quando autorizado. 2. Esta prova contm 40 (quarenta) questes valendo 2,5 (dois vrgula

    cinco) pontos cada e valor total de 100 (cem) pontos. 3. O tempo mximo permitido para a realizao da prova objetiva ser de 3

    (trs) horas incluindo o preenchimento da folha de respostas. 4. Responda as questes e marque a opo desejada na folha de respostas,

    usando caneta (tinta azul ou preta). 5. Para cada questo existe somente uma resposta. 6. Prova sem consulta. 7. No ser admitido nenhum tipo de rasura na folha de respostas. As

    questes rasuradas ou em branco ou com dupla marcao sero consideradas nulas para o candidato.

    8. proibido o uso de mquinas calculadoras, telefones celulares ou outros similares.

    9. Iniciadas as provas, os candidatos somente podero deixar a sala, e a esta retornar, exclusivamente para uso de sanitrios ou bebedouros, e ainda assim somente no intervalo de tempo abrangido dentro da segunda hora de realizao das provas, ou seja, das 09:30 s 10:30 hs, e devidamente acompanhados por fiscal do concurso.

    10. Ao final da prova, entregue ao aplicador a folha de respostas, devidamente preenchida, assinada e conferida.

    DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS

    CENTRO DE RECRUTAMENTO E SELEO

    BUCO-MAXILO-FACIAL

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    3

    LNGUA PORTUGUESA

    Ao sem insgnia Rosane Pavam (10/04/2008)

    O teste para uma inteligncia de primeira categoria, disse o escritor americano F. Scott Fitzgerald, a capacidade de ter em mente duas idias opostas ao mesmo tempo, e ainda continuar em condies de funcionar. Este parece ser um dito para todos os americanos, eles e ns. A capacidade de absorver esta simultaneidade serve a qualquer um, mesmo necessria, especialmente se desejamos compreender uma ironia, um sarcasmo, uma complexidade. Um grego j sabia disto antes de todos.

    E, no entanto, quase certo que, ainda hoje, ns nos vejamos em dificuldades, como opinio pblica, para agir nas entrelinhas e exercer a sutileza no largo caminho entre um no e um sim. Que enorme diferena haveria entre republicanos e democratas, lulistas e serristas, milionrios e perdedores, obamas e clintons? As compreenses deveriam ser dinmicas como o monjolo cuja gua que entra se renova naquela que sai no fundo, uma gua s.

    Especialmente quando nos pomos a escrever para a imprensa, experimentamos muitas e cotidianas incompreenses. O risco de ser sutil vem junto com aquele de exercer a profisso. um risco semelhante metaforicamente quele de que foi vtima Ayrton Senna na Tamburello: claro est que o piloto no desconhecia a possibilidade muito grande de se espatifar numa curva, mas, alm de todos, ele conhecia seu valor de mercado e considerava tal chance como inevitvel em cada corrida. Jamais fugiu de correr do jeito que lhe pareceu melhor. Mas, bem, opa, no se pode mexer em um cone como Senna, nem por alegoria, nem por livre-pensar, nem, muito menos, por humor! Ento me desculpem?

    Mas que eu temo que a cada dia nos aproximemos de um jeito Bope de ser, jocoso, emburrecido, prepotente, com arma em punho, quando o homem tem pensamentos a sacar diante de vrias situaes tidas por extremas. Ns temos preferido nos tornar contundentes como a polcia, sem, contudo, exibir a consistncia exigida para a ao de um policial. A cada dia, ns parecemos incapazes de expressar os sentimentos em forma de prisma, absorvendo e refletindo uma luz a partir de muitos lados.

    Podemos divagar solitariamente sobre quem teria matado a pobre menina Isabela, por exemplo, o pai, a madrasta ou o pedreiro, neste enredo de intimidade macabra que se anuncia a qualquer espectador de tev ou leitor de jornal. Mas de que nos serve jogar a primeira pedra em algum suspeito no julgado, diante da delegacia pela qual ele passa, munidos de nossos pequenos filhos ao colo, encapotados e desentendidos numa noite fria? Vi esta cena em um jornal sensacionalista de televiso e senti o frio da rua invadir meu sof. Quem conhece ao certo o autor da atrocidade contra a menina, to certo desta autoria que pode prejulg-la?

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    4

    Somos muitos, somos vrios, e tal atitude de linchamento deve dizer respeito intensa agitao psicolgica de cada um, a seu medo de identificar-se com a monstruosidade, a sua necessidade de gritar, para afast-la. Ningum pode impedir uma pessoa justamente consternada (quanto mais duas ou trs, juntas, contaminadas pelo repdio), que se manifeste publicamente. Mas este um assunto sobre o qual podemos refletir antes de chegar ao, ou pelo menos depois de t-la alcanado.

    Falei sobre Isabela, mas no h s ela neste vasto, triste mundo. Somos policiais de muitos modos, todos os dias, diante das pequenas atitudes alheias que nos incomodam ou que se sobressaem a ns. No h nada ruim em ser policial, por favor, especialmente um policial real, que aja para coibir um crime! Mas existe algo de exasperante em nossa eterna beligerncia no papel de juzes dos dias comuns, como se nos vssemos no direito de agir contra os outros sem portar a devida insgnia.

    Ns nos julgamos em posio de avaliar, por exemplo, um artigo de David Mamet reproduzido no caderno Mais! da Folha de S. Paulo do dia 6 de abril. O diretor e dramaturgo Mamet, dizem os jornalistas, guinou direita. Mas o artigo no expressa isto, parece-me. Diante deste artista, sempre foi possvel ler as posies clssicas de um conservador. Um americano v comumente dois mundos opostos, de republicanos ou democratas. Contudo, quem estaria mais direita ou esquerda entre os dois? Mamet reconhece essa diferena mnima, e agora nos diz o bvio: que John Kennedy cometeu um pecado eleitoral tanto quanto George W. Bush. H quanto tempo ele conhece esta verdade, no ? Faltou anotar, em Kennedy, a poro belicista que se reconhece facilmente em Bush.

    Em seu artigo, Mamet, que faz filmes em torno de estabelecer erros (O Assalto) e culpas (Cadete Winslow), um pensador liberal em busca do acerto e do aprimoramento de um estilo de vida. Ele no pode aceitar que sejam todos menos americanos do que so. Ento, quando a Amrica parece prxima do perigo do enxovalho e da destituio de sua primazia no cenrio econmico, poltico e de idias, ele promove uma grita, que deve ser tida por natural.

    Que mal h em expor com sinceridade uma posio j conhecida? o mesmo que fez Jason Reitman, cineasta de menor envergadura intelectual, em Juno e Obrigado por Fumar. Algum tem de devolver a Amrica a seu lugar: que sejam, estas pessoas, os intelectuais. Reitman e Mamet, artistas inteligentes, talvez se horrorizem diante da possibilidade de se verem administrados por um sistema chins. Ningum poder conden-los no terreno da palavra. Mas, como observadores, sejamos sutis ao analisar suas posies.

    Disponvel em:

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    5

    INTERPRETAO DE TEXTO

    1 QUESTO Com relao ao 7 pargrafo do texto, pode-se afirmar que:

    A. ( ) A autora menoscaba o trabalho do policial real. B. ( ) Ainda que as pessoas se julguem, o papel da polcia eminente. C. ( ) As pessoas comuns tm o direito de agir contra os outros, mesmo

    no sendo policiais. D. ( ) O fato de as pessoas serem comparadas a juzes dos dias

    comuns torna improfcuo o trabalho policial investigativo.

    2 QUESTO Leia a passagem abaixo:

    Que enorme diferena haveria entre republicanos e democratas, lulistas e serristas, milionrios e perdedores, obamas e clintons?

    Pode-se dizer que a passagem acima foi construda atravs de um (a):

    A. ( ) antagonismo. B. ( ) parceria. C. ( ) coalizo. D. ( ) conivncia.

    3 QUESTO De acordo com o 3 pargrafo do texto, CORRETO afirmar sobre Ayrton Senna que:

    A. ( ) O piloto pode ser considerado nscio, quanto possibilidade de sofrer um acidente.

    B. ( ) O piloto passou inclume pela Tamburello. C. ( ) O piloto discernia sobre os percalos da profisso. D. ( ) O piloto considerava a chance de se acidentar como altiva.

    4 QUESTO Com relao s idias contidas no 5 pargrafo do texto, marque a alternativa CORRETA:

    A. ( ) de conhecimento de todos os brasileiros o homicida da menina Isabela.

    B. ( ) No h por que julgar um suspeito que no foi sentenciado. C. ( ) O caso apresentado um desconchavo da opinio pblica. D. ( ) A ignorncia da populao promover a absolvio do culpado.

    GRAMTICA 5 QUESTO Eles ____ providenciaram as insgnias, que enviaram ____ s procuraes, como instrumentos ____ para os fins colimados.

    A. ( ) mesmo anexos bastante. B. ( ) mesmos anexo bastantes. C. ( ) mesmos anexas bastante. D. ( ) mesmos anexas bastantes.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    6

    6 QUESTO Examine as frases:

    1. Quero saber ______ voc no entendeu a ironia. 2. Conte-me______ essa sutileza. 3. As incompreenses ______ eu passei foram muitas. 4. Voc est com um jeito Bope de ser. Diga-me ______. 5. Deixem-me ir agora, ______ estou agitado. 6. Tudo na vida tem um ______.

    A srie que completa corretamente pela ordem as lacunas acima :

    A. ( ) porque/ por que/ por que/ por que/ por que/ por qu. B. ( ) por que/ porque/ por que/ por que/ por que/ porqu. C. ( ) porque/ porque/ por que/ porqu/ porque/ por qu. D. ( ) por que/ por que/ por que/ por qu/ porque/ porqu.

    7 QUESTO A pontuao CORRETA do perodo abaixo encontra-se na alternativa:

    No que tange ironia ____ podemos encar-la sob dois aspectos interessantes ____ vcio, acostumados que estamos a viver com ela____ libi, capaz de tornar justificveis muitos de nossos erros. A. ( ) vrgula / dois pontos / ponto-e-vrgula. B. ( ) vrgula / vrgula / vrgula. C. ( ) vrgula / ponto-e-vrgula / vrgula. D. ( ) vrgula / dois pontos / vrgula. 8 QUESTO Na frase: Temos necessidade de leis, o termo destacado exerce, sintaticamente, a funo de:

    A. ( ) objeto indireto. B. ( ) objeto direto. C. ( ) complemento nominal. D. ( ) adjunto adnominal do sujeito.

    9 QUESTO Observe o seguinte grupo de oraes:

    1. necessrio que sejam sutis. 2. A verdade que ele conhecia o seu valor. 3. S dizia uma coisa: que venceria os obstculos.

    Temos oraes subordinadas, RESPECTIVAMENTE:

    A. ( ) substantiva subjetiva, substantiva predicativa, substantiva apositiva. B. ( ) substantiva objetiva direta, substantiva subjetiva, substantiva

    conformativa. C. ( ) adverbial condicional, adverbial conformativa, adverbial final. D. ( ) adverbial consecutiva, adverbial concessiva, adverbial proporcional.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    7

    DIREITOS HUMANOS

    10 QUESTO De acordo com o Decreto n 43.683, de 10 de dezembro de 2003, que regulamenta a Lei n 14.170/02, so espcies de sanes impostas s pessoas jurdicas de Direito privado autoras de manifestaes de discriminaes, coaes e atentados contra os direitos das pessoas em razo da sua orientao sexual.

    A. ( ) Prestao de servio em entidades estaduais, obrigao de participar de atividades educativas relacionadas ao tema, proibio de participao em concurso pblico.

    B. ( ) Multa, suspenso de funcionamento de estabelecimento, resciso de contratos firmado com rgo ou entidade da administrao Estadual.

    C. ( ) Obrigao de participao em atividades culturais, proibio de participao em concurso pblico, obrigao de proferir palestras educativas relacionadas com a lei.

    D. ( ) Prestao de servios em hospitais da rede estadual, prestao de servios comunitrios.

    11 QUESTO De acordo com a Declarao Universal dos Direitos Humanos, de 10 de dezembro de 1948, CORRETO afirmar que:

    A. ( ) Toda pessoa tem direito vida, liberdade e segurana pessoal.

    B. ( ) Ningum ser submetido tortura, salvo nos casos de autoria de crime contra a segurana nacional.

    C. ( ) Quando o pas estiver em estado de stio poder ocorrer a deteno e a priso arbitrria.

    D. ( ) Toda pessoa tem direito a repouso e a lazer, inclusive a limitao razovel das horas de trabalho e frias anuais no remuneradas.

    12 QUESTO De acordo com o artigo 14 da Constituio da Repblica Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988, a soberania popular ser exercida pelo sufrgio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:

    A. ( ) Eleio do Presidente da Repblica, dos Governadores dos Estados e Prefeitos Municipais.

    B. ( ) Aprovaes de normas e regulamentos diversos pelo Congresso Nacional (Cmara dos Deputado e Senado Federal), Assemblias Legislativas dos Estados e Cmaras de Vereadores dos Municpios.

    C. ( ) Plebiscito, referendo e iniciativa popular. D. ( ) Eleies de Senadores, Deputados federais e Estaduais, como

    tambm dos Vereadores Municipais.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    8

    13 QUESTO O artigo 5 da Constituio da Repblica Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988, elenca os direitos e os deveres individuais e coletivos afirmando que todos so iguais perante a lei, sem distino de qualquer natureza, garantindo aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no pas a inviolabilidade do direito vida, liberdade, igualdade, segurana e propriedade.

    Com base na afirmao acima marque a nica opo CORRETA.

    A. ( ) O artigo 5 no reconhece a gratuidade do hbeas corpus e do hbeas data, e, na forma da lei, os atos necessrios ao exerccio da cidadania.

    B. ( ) O artigo 5 reconhece a inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem, assegurando o direito a indenizao pelo dano moral ou material decorrente de sua violao.

    C. ( ) O artigo 5 reconhece a gratuidade do Mandado de Segurana. D. ( ) O artigo 5 reconhece a individualizao da pena e a adoo,

    como pena possvel de ser aplicada, o banimento e a perda de bens.

    CONHECIMENTOS ESPECFICOS

    BUCO-MAXILO-FACIAL 14 QUESTO Assinalar V quando a afirmativa abaixo for verdadeira e F quando for falsa, em seguida marque a alternativa CORRETA:

    1. ( ) A motricidade dos msculos intrnsecos da lngua dada exclusivamente pelo nervo Hipoglosso (XII par craniano).

    2. ( ) A sensibilidade geral de toda a lngua conduzida pelo nervo lingual (V par craniano).

    3. ( ) A motricidade dos msculos extrnsecos da lngua feita atravs do nervo Hipoglosso (XII par craniano), com exceo do msculo Palatoglosso que conferida pelo nervo Acessrio ( XI par craniano).

    4. ( ) A sensibilidade gustativa dos 2/3 anteriores da lngua conduzida pelo nervo Corda do Tmpano que ramo do nervo Facial (VII par craniano), e a do seu 1/3 posterior pelo nervo Glossofarngeo (IX par craniano).

    5. ( ) O msculo Corrugador do Superclio um msculo horizontal que situa profundamente ao Msculo Orbicular do Olho. Origina-se no processo frontal da Maxila e parte do osso frontal, e insere-se na pele do superclio.

    A. ( ) V,V,F,F,V. B. ( ) V,F,V,V,V. C. ( ) F,V,F,V,F. D. ( ) F,F,V,F,V.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    9

    15 QUESTO - Qual das alternativas abaixo contm apenas espaos faciais primrios: A. ( ) Canino, Submandibular, Infratemporal. B. ( ) Bucal, Temporal superficial, Massetrico. C. ( ) Sublingual, Submandibular, Pterigomandibular. D. ( ) Temporal profundo, Espao Mastigador, Temporal superficial. 16 QUESTO Em relao ao msculo masseter, assinale a alternativa INCORRETA: A. ( ) irrigado pela artria massetrica, ramo da artria maxilar. O feixe

    vsculo-nervoso massetrico originado da fossa infratemporal alcana o msculo atravs da incisura da mandbula.

    B. ( ) inervado pelo nervo massetrico, um ramo do nervo maxilar (V par craniano).

    C. ( ) O msculo masseter tem origem dupla, a partir de feixes superficiais e profundos.

    D. ( ) um potente msculo elevador da mandbula, sua parte superficial colabora nos movimentos de protuso e parte profunda nos movimentos de retruso.

    17 QUESTO A respeito da vascularizao da face assinale V quando a afirmativa abaixo for verdadeira e F quando for falsa, em seguida marque a alternativa CORRETA: 1. ( ) A face recebe suprimento sanguneo de ramos das artrias cartidas

    externa e interna. 2. ( ) A artria oftlmica responsvel pela irrigao do contedo da

    rbita, apresentando tambm alguns ramos terminais que contribuem para a vascularizao da face.

    3. ( ) A artria facial o principal tronco arterial da face. Apresenta anastomose com ramos da artria oftlmica, que um ramo da artria cartida interna.

    4. ( ) A artria maxilar um importante ramo terminal da artria cartida externa. Seus numerosos ramos destinam-se exclusivamente para a vascularizao das maxilas e cavidade nasal.

    5. ( ) A veia facial constitui a principal rede de drenagem da face. Inicia-se ao nvel do ngulo medial do olho, pela unio da veia supra-orbital com a veia supratroclear, como veia angular.

    A. ( ) V,F,V,F,V. B. ( ) F,F,F,V,F. C. ( ) V,V,F,V,F. D. ( ) V,V,V,F,V.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    10

    18 QUESTO A distrao osteognica uma estratgia utilizada para reconstruo do esqueleto e aumento sseo, sem a necessidade de enxerto, tendo seus princpios fundamentados na capacidade intrnseca de alguns tecidos vivos de crescerem quando submetidos a tenso provocada por trao lenta e contnua. Marque a alternativa INCORRETA relacionada biologia e ao processo de ossificao durante as etapas da distrao osteognica: A. ( ) Sob condies ideais de fixao, o osso formado no foco de

    distrao atravs de ossificao intra membranosa sem a gerao de tecido cartilaginoso.

    B. ( ) O perodo de latncia aquele compreendido entre a cirurgia para a realizao da transeco e instalao do distrator, e o perodo de consolidao da corticotomia realizada.

    C. ( ) A presena de tecido cartilaginoso no processo de ossificao pode ser atribuda a distrbios da vascularizao local, com diminuio da tenso de oxignio e alterao do processo de formao ssea de mesenquimal para endocondral.

    D. ( ) A matriz orgnica formada no stio da distrao osteognica formada quase exclusivamente de colgeno tipo I, o que difere do processo de reparo de uma fratura ssea, em que h habitualmente uma fase de fibrocartilagem com a sntese de colgeno tipo II.

    19 QUESTO Em relao anatomia do seio maxilar, e sua intima relao com a cavidade oral, assinale a alternativa INCORRETA: A. ( ) Devido proximidade do seio maxilar com os pices radiculares dos

    dentes maxilares posteriores podem ocorrer odontalgias de origem sinusal, causadas por sinusites.

    B. ( ) O seio maxilar comparado a uma pirmide quadrangular, tendo como base a parede lateral da cavidade nasal, e como pice o osso zigomtico.

    C. ( ) Os seios maxilares so revestidos por epitlio respiratrio do tipo pseudo-estratificado cilndrico ciliado mucosecretor e pelo peristeo.

    D. ( ) Para que ocorra a drenagem da secreo produzida pelo seio maxilar, o epitlio do seio maxilar, por meio dos batimentos unilaterais de seus clios, desloca o muco produzido em direo ao stio do meato nasal inferior.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    11

    20 QUESTO A realizao de bipsia est indicada quando se deseja chegar a um diagnstico definitivo de qualquer leso patolgica, independente de seu fator etiolgico ser de origem inflamatria, microbiana, auto-imune ou neoplsica. Em relao a esse importante exame complementar, assinale V quando a afirmativa abaixo for verdadeira e F quando for falsa, em seguida marque a alternativa CORRETA: 1. ( ) Na modalidade incisional prefervel realizar uma bipsia estreita e

    profunda do que larga e superficial, pois as alteraes superficiais podem ser bem diferentes daquelas da profundidade da leso.

    2. ( ) A bipsia excisional consta de remoo completa da leso no momento em que se realiza o procedimento cirrgico diagnstico. A regio adjacente leso tambm dever ser removida, para assegurar a sua supresso, com margem cirrgica aparentemente normal de cerca de 2 a 3 mm.

    3. ( ) A bipsia aspirativa com agulha fina deve ser utilizada para leses de localizao profunda nos tecidos, como nas glndulas salivares maiores ou linfonodos. Esta tcnica diminui os riscos e a morbidade de uma bipsia cirrgica, porm de difcil execuo e alto custo operacional.

    4. ( ) A bipsia aspirativa emprega agulha e seringa para penetrar a leso e aspirar seu contedo. Qualquer leso radiolcida dos maxilares dever ser submetida a uma bipsia aspirativa prvia antes da explorao cirrgica, pois essa manobra permite informaes sobre a natureza da leso, principalmente descartando a possibilidade de leses vasculares intra-sseas.

    5. ( ) Em leses negras, sugestivas de melanoma, deve-se, sempre que possvel, realizar bipsia excisional com margem de segurana. Nos casos de leses de grandes dimenses, faz-se bipsia incisional pelo mtodo de congelao em centro cirrgico para que a interveno cirrgica adequada com margem de segurana seja realizada no mesmo ato operatrio.

    A. ( ) V,F,V,F,F. B. ( ) V,V,F,V,V. C. ( ) F,V,F,V,F. D. ( ) V,V,V,V,F. 21 QUESTO - Dentre os mtodos de localizao radiogrficos existentes, qual das alternativas abaixo se aplica ao diagnstico de uma leso periapical localizada na raiz palatina do primeiro molar superior, no qual a tcnica da bissetriz projeta o processo zigomtico da maxila na regio de interesse:

    A. ( ) Mtodo de Miller-Winter. B. ( ) Mtodo de Le Mster. C. ( ) Mtodo de Parma. D. ( ) Modificao de Donovan ao mtodo de Miller-Winter.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    12

    22 QUESTO Em relao classificao qualitativa do tecido sseo habitualmente utilizada em implantodontia proposta Lekholm e Zarb em 1985, marque a resposta CORRETA: A. ( ) O tecido sseo tipo 3 apresenta osso cortical fino envolvendo um

    ncleo de osso medular trabeculado. B. ( ) O tecido sseo tipo 4 apresenta um ncleo de osso medular com

    osso bem trabeculado. C. ( ) O tecido sseo tipo 2 apresenta uma cortical ssea bem espessa

    envolvendo um osso medular de baixa densidade. D. ( ) O tecido sseo tipo 1 o que apresenta menor densidade, porm do

    ponto de vista biolgico o que apresenta melhor resposta osteognica.

    23 QUESTO Correlacione a coluna da direita com a da esquerda e assinale a alternativa CORRETA: 1. Desinfeco alto nvel 2. Desinfeco de baixo nvel 3. Desinfeco de nvel intermedirio 4. Esterilizao 5. Degermao 6. Assepsia 7. Anti-sepsia A. ( ) 6, 7, 1 4, 2, 3, 5. B. ( ) 7, 4, 6, 1, 3, 5, 2. C. ( ) 7, 6, 4, 1, 3, 5, 2. D. ( ) 6, 4, 7, 3, 2, 5, 1.

    ( ) utilizao de substncias qumicas bactericidas ou bacteriostticas em tecidos vivos.

    ( ) conjunto de medidas utilizadas para promover a destruio completa de microrganismos presentes nos instrumentos ou materiais.

    ( ) processo fsico ou qumico que promove a eliminao total de microrganismos, incluindo formas resistentes como esporos em instrumentos.

    ( ) remoo de todos os vrus, bactrias na forma vegetativa e a maioria dos esporos fngicos e bacterianos.

    ( ) eliminao de todas as bactrias patognicas, incluindo o agente da Tuberculose, mas no atua em todos os vrus.

    ( ) remoo ou reduo de microrganismos na pele por meio de limpeza mecnica com sabes detergentes e escovao ou por meio de agentes qumicos antisspticos.

    ( ) eliminao da maioria das bactrias patognicas.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    13

    24 QUESTO O mtodo de esterilizao pelo calor mido realizado por meio de equipamento (autoclave) que pode ser comercializado em diversos modelos, formas e tipos de cmaras. Os ciclos de esterilizao podem ter tempo e temperatura variada conforme o equipamento utilizado. A autoclave tambm trabalha com uma terceira varivel que a presso interna, sendo um mtodo eficaz e recomendado para materiais e instrumental termo resistentes. Assinale o mecanismo de ao do equipamento: A. ( ) desidratao progressiva do contedo celular. B. ( ) coagulao de protenas microbianas. C. ( ) oxidao da clula microbiana. D. ( ) inibio de reao enzimtica bsica da clula e inativao de

    cidos nuclicos. 25 QUESTO Em relao ao cisto odontognico glandular assinale V quando a afirmativa abaixo for verdadeira e F quando for falsa, em seguida marque a alternativa CORRETA: 1. ( ) Mais de oitenta por cento dos casos esto localizados em mandbula. 2. ( ) O aspecto radiogrfico mais comum radiotransparente multilocular. 3. ( ) A recidiva pode ser observada em menos de 15% dos casos. 4. ( ) Ocorre mais em adultos de meia-idade e raramente ocorre antes dos

    20 anos. 5. ( ) Como a leso considerada localmente agressiva, o tratamento varia

    de resseco marginal curetagem e enucleao. A. ( ) V,F,V,F,V. B. ( ) F,V,F,V,F. C. ( ) F,V,V,F,F. D. ( ) V,V,F,V,V. 26 QUESTO - Sobre o ameloblastoma assinale a alternativa INCORRETA: A. ( ) um tumor que tem sua origem do epitlio odontognico. B. ( ) O ameloblastoma perifrico tem um comportamento clnico

    semelhante ao multicstico, podendo infiltrar-se no osso alveolar subjacente.

    C. ( ) classificado em multicstico, unicstico e perifrico, devido as suas caractersticas clnico-radiogrficas.

    D. ( ) O ameloblastoma unicstico recidiva menos que o multicstico.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    14

    27 QUESTO - A fratura cujo segmento fraturado apresenta duas linhas de fratura verticais, na regio de molares e outra na regio de pr-molares, unidas por uma fratura horizontal no soalho da rbita denominada: A. ( ) Fratura Le Fort II. B. ( ) Fratura de Lannelongue. C. ( ) Fratura Walther. D. ( ) Fratura Huet. 28 QUESTO - A classificao das fraturas do complexo zigomtico descrita por Knight e North em 1961 como pertencente ao grupo II, caracteriza-se em: A. ( ) fratura no arco zigomtico. B. ( ) deslocamento do corpo do zigoma para dentro do antro sem

    rotao. C. ( ) deslocamento do corpo do zigoma para trs, para dentro e para

    baixo com rotao medial. D. ( ) fratura do corpo do zigoma com rotao lateral. 29 QUESTO - Quando a finalidade do exame radiogrfico uma adequada visualizao do arco zigomtico e da projeo antero-posterior do corpo do zigoma, a tcnica indicada : A. ( ) Waters. B. ( ) Submento-vrtex. C. ( ) Perfil. D. ( ) Fronto-naso. 30 QUESTO - Qual a quantidade de adrenalina/tubete presente em uma soluo anestsica contendo adrenalina na concentrao de 1:100.000. A. ( ) 0,0180mg B. ( ) 0,36mg C. ( ) 1,8mg D. ( ) 0,0018mg 31 QUESTO - Qual a sndrome representada pelos seguintes achados: mltiplos carcinomas basocelulares na pele, ceratocistos odontognicos, anomalias das costelas e vrtebras, bem como calcificaes intracranianas. A. ( ) Papillon-lefrve. B. ( ) Stevens-johnson. C. ( ) Gorlin. D. ( ) Gardner.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    15

    32 QUESTO - Tumor multilocular, radiotransparente, com finas trabculas de osso arranjadas em ngulo reto (aspecto de raquete de tnis). Microscopicamente o tumor constitudo de clulas arredondadas, fusiformes e estreladas, dispostas em um abundante estroma mixide frouxo com poucas fibrilas colgenas. A leso observada provavelmente um: A. ( ) Mixoma. B. ( ) Ameloblastoma. C. ( ) Fibroma Ameloblstico. D. ( ) Tumor Odontognico Adenomatide. 33 QUESTO - Constitui protocolo indispensvel em pacientes politraumatizados, com fratura exposta por ferimento de arma de fogo. A. ( ) Dose de reforo de toxide tetnico. B. ( ) 30000 a 40000 unidades de soro antitetnico ou 500 a 1000

    unidades de imunoglobulina antitetnica e iniciar a vacinao com toxide tetnico.

    C. ( ) 10000 a 20000 unidades de soro antitetnico ou 1000 a 3000 unidades de imunoglobulina antitetnica e iniciar a vacinao com toxide tetnico.

    D. ( ) 5000 unidades de soro antitetnico ou 500 unidades de imunoglobulina antitetnica e iniciar a vacinao com toxide tetnico.

    34 QUESTO - Qual o estiramento mximo aceitvel dos msculos supra-hiideos (aferido da borda anterior do hiideo borda nfero-posterior da snfise mandibular em uma radiografia cefalomtrica) no avano mandibular sem a realizao de miotomia. A. ( ) 10% B. ( ) 15% C. ( ) 20% D. ( ) 25% 35 QUESTO - Paciente com deficincia dos fatores II, VI e VII apresentar alterao precisamente na(o). A. ( ) contagem de plaquetas. B. ( ) tempo de sangramento. C. ( ) tempo de tromboplastina parcial. D. ( ) tempo de protrombina.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    16

    36 QUESTO - Osso que entra na formao do assoalho da rbita: A. ( ) Osso Esfenide. B. ( ) Osso Palatino. C. ( ) Osso Etmide. D. ( ) Osso Lacrimal. 37 QUESTO - Em qual anestesia local intrabucal poder resultar em xerostomia temporria: A. ( ) Nervo Alveolar Superior Posterior. B. ( ) Nervo Infra-Orbitrio. C. ( ) Nervo Lingual. D. ( ) Nervo Alveolar Inferior. 38 QUESTO Nos procedimentos de extraes mltiplas a seqncia cirrgica dos elementos dentrios a serem removidos de suma importncia no planejamento cirrgico. Marque a alternativa INCORRETA a respeito dessa afirmativa. A. ( ) A seqncia para exodontias mltiplas para a mandbula diferente

    daquela para a maxila por questes inerentes anatomia do osso maxilar e mandibular.

    B. ( ) Devemos comear pelos dentes posteriores da maxila, no extraindo os primeiros molares.

    C. ( ) Os caninos maxilares e os primeiros molares maxilares so considerados os dentes mais difceis de serem extrados no arco maxilar.

    D. ( ) prefervel iniciar pela exodontia dos elementos dentrios considerados mais fceis, em seguida os mais difceis.

  • PROVA DO CONCURSO PBLICO P/ PROVIMENTO DE CARGO DE 2 TEN DO QUADRO DE OFICIAIS DE SADE (QOS) DA PMMG 2009 (BUCO-MAXILO-FACIAL)

    17

    39 QUESTO - Considerando a via de administrao dos medicamentos, marque a alternativa INCORRETA: A. ( ) A via oral uma administrao enteral. B. ( ) A via submucosa uma administrao parenteral direta. C. ( ) A via dental uma administrao enteral. D. ( ) A via sublingual uma administrao parenteral. 40 QUESTO - Leia as afirmativas relacionadas ao uso de antibiticos para profilaxia da endocardite bacteriana e marque a afirmativa INCORRETA: A. ( ) Em portadores de febre reumtica e doena valvular de origem

    reumtica submetidos a prolongada profilaxia com benzilpenicilina benzatina, contra infeco estreptoccicas de faringe, no h necessidade de profilaxia perante o risco de contrair endocardite bacteriana aps procedimento odontolgico.

    B. ( ) Os estreptococos e os estafilococos so os microorganismos mais comumente envolvidos nos quadros de endocardite bacteriana, pois se aderem em nmero maior superfcie valvular do que as bactrias entricas Gram-negativas.

    C. ( ) No h evidncias inequvocas sobre a associao entre procedimentos odontolgicos e preveno de endocardite.

    D. ( ) O risco real de ocorrer endocardite bacteriana aps procedimento odontolgico pequeno, mesmo em pacientes susceptveis e sem nenhuma profilaxia feita.

    corte aqui

    ---------------------------------------------------""--------- RASCUNHO GABARITO

    1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

    21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40