Lendas de Itaiçaba

  • View
    216

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Este livro foi produzido pelos alunos do (1A) da Escola de Ensino Medio JoÃo Barbosa Lima e tem como objetivo preservar a memória do povo itaoçabense.

Text of Lendas de Itaiçaba

  • Lendas

    de

    Itaiaba

    JBL

  • Prefcio

    O presente livro faz parte de um trabalho desenvolvido com os alunos

    do 1 Ano A do turno manh, com o objetivo de exercitar a escrita e

    construo do conhecimento. Foi realizado atravs de uma conversa

    com pessoas mais idosas, relatando suas experincias e as conversas

    das caladas , que tanto embalavam as noites de lua. Tambm

    uma oportunidade preservar nossos antepassados e publicar as

    produes de nossos alunos.

  • O passado no reconhece o seu lugar: est sempre presente.

    Mrio Quintana

  • Crditos

    REALIZAO Laboratrio Escolar de Informtica

    EEM Joo Barbosa Lima

    PRODUO Bernardina Damasceno Silva

    Lindemberg Segundo de Freitas

    APOIO NTE-Paulo Freire

    COLABORADORES Alunos do 1 Ano A

  • A velha do p de mangueira

    Diz a lenda que num antigo p de mangueira em

    Itaiaba, o fantasma de uma velha senhora assusta a

    populao que passa pela rua em que se encontra tal

    rvore chamando pelos seus nomes e tentando enfeiti-

    los com sua voz.

    Larissa Romo.

  • Um caixo que cai do p de azeitona

    Conta-se que na cidade de Itaiaba , na rua David Barros , num

    centenrio p de azeitona , a meia noite despenca um caixo dos galhos

    secos. A explicao dada por esta lenda de que um jovem menino

    aventurando-se em plena meia noite ao subir naquele p de azeitona

    sofreu um grave acidente ocasionando sua morte. Depois disso todas as

    noites exatamente as 00:00 este fato sobrenatural ocorre.

    Larissa Gomes da Silva

  • A mulher que

    pega carona

    Essa histria contada pelos mais velhos . Eles contam

    que no caminho do Camurim para o interior do Alto

    Ferro existe uma mulher que pega carona. O povo conta

    que quem vai a meia noite do Camurim para o Alto ferro

    sozinho de bicicleta uma mulher pega carona garupa.

    Ento a pessoa sente um peso como se estivese levando

    algum . Dizem que a mulher , pois quem vai de

    bicicleta olha para trs e no ver ningum.

    vila , Claudinha , Silmara e Ivanilda.

  • A mo cabeluda

    Uma mulher que morava perto do cemitrio de Itaiaba ,

    numa casa antiga e grande , certo dia afirmou que havia

    avistado uma mo sem o resto do corpo e coberta de

    pelos , no momento ela se aproximou para melhor

    observar tal fato , chegando a concluso que se tratava

    de um acontecimento sobrenatural e ao se aproximar o

    ser desapareceu.

    Depois desse fato estranho ela entrou em desespero e

    saiu correndo em pnico em busca d e socorro ,

    encontrando sua irm pelo caminho onde descreveu o

    fato ocorrido. Em seguida toda sua famlia tomou a

    deciso de mudar de residncia com medo de que esse

    fato ocorresse novamente voltando a normalidade de sua

    vida...

    Juliana Ferreira Barbosa

  • H muito tempo atrs, em uma noite de lua dizem que uma bela mulher

    transitava na localidade de alto cemitrio, em destino a sua casa. Quando

    ela menos esperava, um homem vendou seus olhos e matou-a. Para

    estancar o sangue da moa, o homem foi e colocou algodo onde havia

    sangue. Desde ento, o chafariz passou a ser assombrado por uma mulher

    coberta de algodo. Dizem que para invoc-la, voc tem que trancar-se

    dentro do chafariz e gritar seu nome vezes. Segundo boatos, ela tampa

    todos os nossos orifcios at sufocar-nos.

    Gabriela, Juliana Damasceno, Brena Tabosa, Jayane Mara, Tiago

    Galdino, Joilton Freitas, Agildo Godim, Felipe.

  • A lenda da lua, conta que Manduca namorava sua irm.

    Todas as noites ia deitar-se com ela, mas no mostrava o

    rosto e nem falava, para no ser identificado. A irm,

    muito curiosa, tentando descobrir quem deitava com ela,

    ao levantar-se pela manh lavou o rosto ,porm as

    marcas da tinta no saiu. Foi assim que ela descobriu com

    quem ela se se deitava. Ficou muito brava, com muita

    vergonha e chorou muito. Manduca tambm ficou com

    vergonha, pois todos ficaram sabendo o que ele tinha

    feito. Ento manduca subiu numa arvore que ia at o cu.

    Depois desceu para dizer a sua tribo que ia voltar para

    arvore e no desceria nunca mais. Levou com ele uma

    cotia para no se sentir-se s. Foi assim que Manduca

    virou a lua , e por isso que a lua tem manchas escuras

    ,umas so por causa da tinta do jenipapo que a irm

    passou em seu rosto e as outras manchas na lua e a cotia

    que levou ,comendo um coco.

    Igor Gomes, Igor Barros.

  • Diz os mais idosos que uma vez meia noite um homem

    estava passando na ponte do rio Palhano e de repente

    ele sentiu um peso na garupa de sua bicicleta e quando

    olhava para trs e no via nada em sua garupa s dava

    para sentir o peso e quando ele chegou na entrada da

    cidade ele sentiu como se uma pessoa estivesse descido

    de sua bicicleta.

    Matheus Monteiro, Josyane.

  • O GIGANTE DA TORRE DA IGREJA

    Em uma noite de lua cheia algo muito estranho

    aconteceu em Itaiaba. Um jovem vinha de uma desta a

    meia noite ele viu um homem sentado em cima da torre

    da igreja com os ps no cho diz a lenda quem em noite

    de lua cheia ele aparece sentado na torre da igreja matriz

    varias pessoas j viram esse homem sentado na torre e se

    voc vir esse homem no corra pelo beco da casa

    paroquial, pois diz ainda a lenda que aquele beco se

    fecha e voc no sai mais de l.

    Natanael e Paloma.

  • O CAVALO DA MEIA NOITE

    Minha av contava que se sentava a noite na calada para fazer

    seres ,se juntavam as famlias que juntos iam fazer tranas e chapus em

    uma destas noites elas estavam a luz da lua trabalhando, ficaram

    desatentas cantando e trabalhando e de repente algum se lembrou de

    que era sexta feira e falou:

    -mame hoje noite de lua cheia, sexta feira dia do cavalo da meia noite,

    n?

    Ento ela respondeu.

    -No ainda cedo!

    Eles no usavam relgio, mas se baseavam pela altura lua e se entreterem

    e o fato que de repente escutaram um trote de um animal correndo, se

    desesperaram ,resolveram de esquecer duas meninas menores que

    ficaram dormindo em cima da esteira na calada e bateram a tramela

    como minha av chamava e falou:

    -Cad Fransquinha e Maria?

  • E no abriu a porta com medo e de repente o trote do cavalo passou e ela

    abriu a porta e as meninas estavam com os olhos arregalados e av dizia:

    -o que foi que tu viste?

    Ela respondeu:

    Mame eu no vi nada eu s sentir o resfolegado do cavalo ,ela disse que

    sentiu a respirao do cavalo mas eu no vi absolutamente nada.

    Vov nos contava muito essa histria e ns crescemos acreditando at

    hoje nesta lenda o cavalo da meia noite.

    Madson Caminha, Elisandra, Priscila, Josivnia, Guilherme e

    Nathielly, Thayane, Manuel, douglas e Djalma.