LOGÍSTICA: diferencial competitivo em uma empresa ?· de Logística Florestal na cidade de Três Lagoas.…

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • AEMS Rev. Conexo Eletrnica Trs Lagoas, MS Volume 13 Nmero 1 Ano 2016

    REVISTA

    E LE T R N IC A

    LOGSTICA: diferencial competitivo em uma empresa florestal

    Alan Cassio Gnoato Kunrath Graduando em Administrao

    Faculdades Integradas de Trs Lagoas FITL/AEMS

    Rubens Bruno Leal Ramalho Graduando em Administrao

    Faculdades Integradas de Trs Lagoas FITL/AEMS

    ngela de Souza Brasil Docente-Especialista; Faculdades Integradas de Trs Lagoas FITL/AEMS

    RESUMO Este artigo tem o objetivo de contribuir com a discusso sobre o aumento da competitividade no contexto empresarial demandando uma ateno especial a gesto logstica. A metodologia do mesmo est pautada em levantamento bibliogrfico seguido de um estudo de caso em uma empresa de Logstica Florestal na cidade de Trs Lagoas. Ao longo do trabalho tratar-se da evoluo dos sistemas logsticos ao longo do tempo, bem como os tipos de logstica, em especial logstica florestal seu papel e importncia no contexto do sistema logstico. PALAVRAS-CHAVE: Histria da logstica; Evoluo da logstica; Logstica florestal. INTRODUO

    A logstica um conceito conhecido e utilizado a mais tempo do que se

    discute na atualidade, principalmente pelos militares. Durante as grandes invases

    como a Primeira e Segunda Guerra Mundial, Guerra do Golfo, entre outras, a

    capacidade de suprir adequadamente as tropas, que avanavam pelos campos

    inimigos, sempre foi um fator determinante para o sucesso das campanhas militares.

    Nas organizaes, a utilizao, o reconhecimento bem como a extrao do

    potencial da logstica em criar vantagens competitivas sobre os concorrentes bem

    mais recente.

    Independente da rea de atuao, militar ou empresarial, pode-se afirmar

    que o objetivo da logstica disponibilizar o produto ou o servio certo, no lugar

    certo, no tempo certo e nas condies desejadas, ao mesmo tempo em que fornece

    a maior contribuio empresa.

    Para tratar de maneira mais acentuada o tema proposto o artigo est

    organizado em: introduo, abordagem histrica da logstica e sua evoluo,

  • AEMS Rev. Conexo Eletrnica Trs Lagoas, MS Volume 13 Nmero 1 Ano 2016

    REVISTA

    E LE T R N IC A

    tipologia da logstica e logstica florestal que fundamenta o estudo de caso. Nas

    consideraes finais apresentar as principais abordagens discutidas ao longo do

    trabalho em consonncia com a logstica florestal utilizada na empresa fruto da

    pesquisa.

    1 BREVE HISTRICO DA LOGSTICA

    A palavra logstica deriva do grego logos, ou seja, razo que significa a arte

    de calcular ou at mesmo a manipulao dos detalhes de uma operao. Na rea

    militar, a palavra logstica representa a aquisio, manuteno, transporte de

    materiais e de pessoal.

    Em se tratando de logstica Novaes (2001, p. 36) pontua que:

    Logstica o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os servios e informaes associados, cobrindo desde o ponto de origem at o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do consumidor.

    De acordo com o artigo escrito por Marcomini (2012) na histria antiga o

    primeiro relato que existe da construo dos primeiros armazns data de 1800 a.c.,

    onde Jos, ao interpretar um sonho que o rei teve, no qual haveria sete anos de

    abundncia seguidos por sete anos de fome em todo pas; Jos comeou a construir

    e estocar um quinto da colheita de cada ano em armazns e celeiros, em cada

    cidade do Egito; e o pas sobreviveu, nos anos de fome, por meio de bons

    planejamentos e distribuio.

    Observa-se que a logstica est presente nos primrdios. No entanto a

    moderna logstica teve nfase na Primeira e Segunda Guerra mundial (NOVAES

    2001).

    Quando se faz uma anlise da histria das guerras, alguns historiadores

    consideram, por exemplo, que Napoleo Bonaparte foi um vencedor e um perdedor

    em funo de estratgias logsticas corretas e incorretas (CUNHA et al., 2015).

    Ainda segundo Cunha et al. (2015) a derrota da Inglaterra na guerra de

    independncia dos Estados Unidos pode ser, em grande parte, atribuda a uma falha

    logstica. O exrcito britnico na Amrica dependia quase que totalmente da

    Inglaterra para os suprimentos. Durante os primeiros seis anos, a administrao

  • AEMS Rev. Conexo Eletrnica Trs Lagoas, MS Volume 13 Nmero 1 Ano 2016

    REVISTA

    E LE T R N IC A

    destes suprimentos vitais foi totalmente inadequada, afetando o curso das

    operaes e das tropas.

    Em se tratando da histria da logstica, Ballou (2001) pontua que na

    revoluo industrial iniciou uma nova concepo de logstica, a empresarial, com o

    advento da mquina e a consequente produo em massa. Historicamente falando,

    a revoluo industrial foi considerada um marco fundamental no mundo

    contemporneo, no qual aconteceram grandes transformaes no mbito social,

    econmico e tecnolgico.

    Permeando o caminho da histria da logstica observa-se que a mesma tem

    papel fundamental nas vitrias ou derrotas das guerras. Isto porque quando houve

    necessidade de processo de racionalizao, seja de forma amadora ou profissional,

    a logstica mesmo que de forma emprica, esteve presente.

    1.1 EVOLUO DA LOGSTICA

    De acordo com Novaes (2001), o processo de evoluo da logstica pode ser

    dividido em quatro fases conforme demonstrado no quadro 1:

    Quadro 1: Fases do processo de evoluo da logstica

    1 fase: Atuao segmentada A estocagem era o elemento chave na cadeia de

    suprimento, funcionava como o pulmo balanceando os

    fluxos.

    2 fase: Integrao rgida

    Busca de racionalizao integrada na cadeia de

    suprimentos, j existia certa integrao, porm pouco

    flexvel.

    3 fase: Integrao flexvel

    Preocupao com a satisfao plena do cliente (final e

    fornecedor que os atendem na cadeia de suprimentos).

    Busca permanente na reduo dos estoques e melhoria

    no processo.

    4 fase: Integrao estratgica (SCM)

    O SCM - SupplyChain Management possibilita a

    integrao entre os processos de forma estratgica

    buscando melhores resultados possveis em forma de

    reduo de custos, desperdcios e agregao de valor ao

    consumidor.

    Fonte: do autor, adaptado de Novaes (2001).

    Fica clara a nfase na integrao entre empresas que participam da cadeia

    de suprimentos e do foco para criar valor para o cliente destacando os

  • AEMS Rev. Conexo Eletrnica Trs Lagoas, MS Volume 13 Nmero 1 Ano 2016

    REVISTA

    E LE T R N IC A

    relacionamentos e alianas entre os diferentes elos da cadeia, podendo ocorrer at

    mesmo entre empresas concorrentes, na busca efetiva de agregar valor.

    Assim a Logstica cada vez mais estruturada e destacada como um

    diferencial competitivo e uma funo estratgica para consolidar o aumento e a

    competitividade das organizaes.

    1.2 ATUAO DA LOGSTICA

    1.2.1 Logstica Militar

    O termo, logstica, tem razes na movimentao e na garantia de

    abastecimento das tropas nas guerras. O pensamento logstico era voltado para

    identificao dos principais aspectos da eficincia no fluxo de materiais, em especial

    as questes de armazenamento e transporte, tratadas separadamente no contexto

    da distribuio de bens.

    Entre 1914 e 1918 os militares exerceram atividades logsticas nas

    infantarias e nos campos de batalha. Em decorrncia desta guerra os suprimentos, o

    transporte e a estocagem de materiais so feitos de forma mais racional. O mesmo

    acontece de forma mais aprimorada na segunda guerra mundial. A atividade

    logstica militar desta segunda guerra mundial foi o ponto de partida para muitos dos

    conceitos logsticos utilizados atualmente (CUNHA et al., 2015).

    a fase que possvel chamar de logstica caracteristicamente primria

    onde os processos de racionalizao existiram, deram certo em muitas situaes e

    comearam a ser sistematizados, embora no totalmente aprofundados. Graas

    aforma logstica de lidar com a segunda guerra algumas empresas incorporaram o

    modo operacional.

    Pode-se afirmar que comea ento a evoluo da logstica, nesta fase

    agrega-se o raciocnio de Ballou (2001) onde leva-se em considerao: alteraes

    nos padres e atitudes da demanda dos consumidores; presso por custos

    industriais; avano na tecnologia de computadores e finalmente, influncia do trato

    da logstica militar.

  • AEMS Rev. Conexo Eletrnica Trs Lagoas, MS Volume 13 Nmero 1 Ano 2016

    REVISTA

    E LE T R N IC A

    1.2.2 Logstica Empresarial

    Em se tratando de logstica empresarial Ballou (1998) pontua que a mesma

    estuda como a administrao pode prover melhor nvel de rentabilidade nos servios

    de distribuio aos clientes e consumidores, atravs de planejamento, organizao e

    controle efetivo para as atividades de movimentao e armazenagem que visam

    facilitar o fluxo de produtos.

    Enquanto que para Novaes (2003) ela procura coligar todos os elementos do

    processo, prazos, integrao de setores da empresa e formao de parcerias com

    fornecedores e clientes, para satisfazer as necessidades e preferncias dos

    consumidores finais.

    Tanto na concepo de Ballou (1998) quanto na de Novaes (2003) a

    logstica empresarial surgiu da importncia da reduo de custos nas empresas e na

    maior importncia que se d hoje em atendimento das necessidades dos clientes.

    Quando todos os produtos se tornam iguais, a empresa mais competitiva

    ser aquela que