of 22 /22

Metodos contracetivos quimicos

Embed Size (px)

Citation preview

Page 1: Metodos contracetivos quimicos
Page 2: Metodos contracetivos quimicos

Métodos Contracetivos

Naturais Artificiais

Mecânicos Químicos

Pílula

Combinada Microprogestativa

Métodos hormonais injetáveis

Espermicida Anel Vaginal

Adesivo Cutâneo

Implante transdérmico

Os vários métodos contraceptivos

Page 3: Metodos contracetivos quimicos

Como actuam os métodos contracetivos artificiais?

Figura 1 – Controlo do ciclo sexual

Page 4: Metodos contracetivos quimicos

Combinada • Monofásica;

• Bifásica;

• Trifásica.

Progestativa (microprogestativa ou minipílula)

Fig.1 - Pílula combinada monofásica para 1 mês de tratamento (http://www.unioeste.br)

Fig.2 - Pílula combinada monofásica para 21dias de

tratamento (http://www.unioeste.br)

Fig.3 - Pílula combinada

trifásica (http://mulher.sap

o.pt/bem-estar/saude/contr

aceptivos-orais-981847.html)

Fig.4 - Pílula combinada bifásica (http://www.google.pt)

Fig.5 - Minipílulas das três marcas existentes

(http://www.misodor.com/PLANNING.html)

Page 5: Metodos contracetivos quimicos

Vantagens Desvantagens Não interfere na relação sexual;

Pode regularizar os ciclos menstruais;

Reduz as dores associadas à

menstruação;

Não afeta a fertilidade;

Diminui o risco de Doença

Inflamatória Pélvica;

Reduz em 50% o risco de cancro do

ovário e do endométrio;

Diminui a incidência de quistos

funcionais do ovário e da doença

poliquística.

Dificuldade em tomar a pílula

diariamente, por esquecimento;

Não protege contra as ISTs (Infeções

Sexualmente Transmissíveis)

Contra-indicações (tais como: risco de

AVC; mulheres com mais de 35 anos e

fumadoras; gravidez; entre outras)

Efeitos secundários: náuseas, vómitos,

alteração do fluxo menstrual, depressão,

etc.

Page 6: Metodos contracetivos quimicos

Mensais;

Trimestrais.

Fig.6 - Injeções Hormonais mensais

http://www.misodor.com/PLANNING.html

Page 7: Metodos contracetivos quimicos

Vantagens Desvantagens Pode melhorar a qualidade do

aleitamento;

Redução dos riscos de

desenvolvimento da Doença

Inflamatória Pélvica, de gravidez

ectópica e do carcinoma do

endométrio;

Redução das perdas de sangue.

Pode provocar irregularidades no

ciclo menstrual (raramente

provoca hemorragias contínuas);

O retorno aos níveis de fertilidade

é mais demorado;

Não protege contra as doenças

sexualmente transmissíveis;

Contra-indicações (tais como:

gravidez; hipertensão grave;

entre outras);

Efeitos secundários: dores de

cabeça, perda de cabelo,

aumento de peso.

Page 8: Metodos contracetivos quimicos

O que é o anel vaginal? O anel vaginal é um contracetivo hormonal que

tem a forma de um anel, de textura suave,

transparente, flexível, e que possui cerca de 5 cm

de diâmetro;

Este anel está impregnado de hormonas que

vão sendo libertadas , de forma regular, para a

corrente sanguínea.

Este método contraceptivo é aplicado uma vez

em cada ciclo menstrual, ficando assim a mulher

livre da toma diária da pílula. Fig 7 – Anel Vaginal

(http://www.ancorador.com.br)

Page 9: Metodos contracetivos quimicos

Como se utiliza o anel vaginal?

Passado esse tempo, a mulher deve retirá-lo.

Segue-se um intervalo de uma semana até ser colocado um novo anel. Durante este

período de tempo surge uma hemorragia de privação (“menstruação”);

O anel vaginal deve ser introduzido na vagina pela própria mulher, no primeiro

dia da menstruação, permanecendo no local durante 3 semanas (21 dias);

Fig 8 - Representação esquemática da colocação do anel vaginal (http://www.pindura.com.br)

Page 10: Metodos contracetivos quimicos

Métodos contracetivos Nã

o natural

Químico

s Método Vantagens Desvantagens

Anel Vaginal

A mulher não tem de pensar todos

os dias na contraceção. Para além

disso, esta pode aderir a um

sistema de alerta sms, gratuito,

para ser avisada do dia de

colocação e remoção do anel;

Grande eficácia;

É um método reversível: a mulher

retoma á fertilidade inicial após

retirar o anel;

Não interfere no acto sexual;

Regulariza os ciclos menstruais e

diminui as dores menstruais;

Não protege contra as

doenças sexualmente

transmissíveis (IST);

Tal como em outros

métodos hormonais, algumas

mulheres podem apresentar

efeitos secundários, tais como

náuseas, vómitos ou

hemorragia vaginal;

Page 11: Metodos contracetivos quimicos

O que são os Espermicidas ? O espermicida, é um método contraceptivo químico de

utilização vaginal que tem como principal objetivo

imobilizar e eliminar os espermatozóides, de modo a

impedir a ocorrência de uma gravidez.

Esponja espermicida;

Espuma espermicida;

Creme espermicida;

Gel espermicida;

Comprimidos vaginais.

Existem diferentes tipos de espermicidas que podem ser utilizados:

Fig 9 – Os vários tipos de espermicidas (http://www.embarazoybebes.com.ar ;

http://act-csp2010.blogspot.com)

Page 12: Metodos contracetivos quimicos

Como Aplicar o espermicida ? Os espermicidas são introduzidos na vagina com os dedos ou com um aplicador

próprio para o efeito, sendo que o intervalo entre a aplicação e a relação sexual não

deve ultrapassar os 20 a 30 minutos.

No entanto, este não é um método contraceptivo eficaz só por si; quando utilizado

isoladamente, o espermicida tem uma eficácia baixa o que leva a que este método deva

ser associado a outros métodos.

Fig - Representação esquemática da aplicação de espermicidas (http://www.todomonografias.com)

Page 13: Metodos contracetivos quimicos

Métodos contracetivos Nã

o natural

Químico

s

Método Vantagens Desvantagens

Espermicidas

Destrói os

espermatozóides;

Não tem contra-

indicações – excepto

no caso de haver

alguma alergia;

Confere protecção por

pouco tempo;

Pode causar alergias;

Não protege das doenças

sexualmente transmissíveis

(IST)

Pode aumentar o risco de

infecção pelo HIV;

Page 14: Metodos contracetivos quimicos

Como funciona? Transfere uma dose diária de hormonas – estrogénio e progesterona, através da pele para a corrente sanguínea.

E quanto à sua eficácia? Se utilizado corretamente, apresenta um eficácia contracetiva superior a 99% ;

Como utilizar o adesivo? Aplica-se sobre a pele limpa e seca; Não deve ser colocado sobre o peito, em zonas irritadas da pele ou com escoriações.

Figura 11 – O adesivo pode ser aplicado na parte de fora do braço, nas costas, no abdómen ou na nádega.

Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4 Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4

Adesivo 1 Adesivo 2 Adesivo 3 Pausa Adesivo 1 Adesivo 2 Adesivo 3 Pausa

Figura 10 – Adesivo transdérmico

Page 15: Metodos contracetivos quimicos

Vantagens Desvantagens Não interfere com a relação

sexual;

_____

Não necessita de motivação diária;

Não pode ser utilizado por

mulheres com contra‐indicação

para fazer métodos hormonais

com estrogénios;

Após a suspensão do método, o

retorno à fertilidade é imediato; _____

O prazo de segurança é alargado

para dois dias, isto é, continua

eficaz se a mudança de adesivo for

esquecida por 48 horas.

Não oferece protecção contra as

infecções sexualmente

transmissíveis!

Page 16: Metodos contracetivos quimicos

Contém progesterona, que é libertada lentamente para a corrente sanguínea de uma forma contínua durante 3 anos; A sua eficácia é superior a 99%.

O implante é colocado até 5 dias após o início da menstruação.

Em que consiste?

Quando e como é colocado o implante?

Fig 13 – Representação esquemática da colocação do implante (http://ita-web02.udac.se)

Page 17: Metodos contracetivos quimicos

Vantagens Desvantagens

É um método prático e de longa

duração (3 anos);

Na maioria dos casos, há

sangramento irregular, podendo

haver aumento do fluxo menstrual

ou ausência de menstruação. Estas

alterações são mais comuns no

primeiro ano e não têm

consequências negativas na saúde da

mulher;

Evita a toma da pílula diariamente e

não interfere com a relação sexual;

Podem ocorrer algumas alterações

da pele, dores de cabeça, náuseas,

variações do humor;

Melhora a dismenorreia, isto é,

diminui as dores menstruais;

Pode verificar-se o aparecimento de

quistos foliculares nos ovários

(geralmente não exigem

tratamento);

Não tem os efeitos secundários dos

estrogénios;

Necessita de um profissional treinado

para a inserção e remoção;

Não interfere com o aleitamento; É relativamente dispendioso. Fig 14 – Remoção do

implante (http://ita-web02.udac.se)

Não oferece protecção contra as doenças sexualmente transmissíveis!

Page 18: Metodos contracetivos quimicos

A pílula do dia seguinte é um método de contracepção de emergência, que pode ser usado depois de uma relação sexual não protegida ou quando houve falha do método contraceptivo.

Situações em que pode ser tomado:

Relações sexuais em que nenhum dos parceiros

utilizou um método contraceptivo;

Caso se tenha esquecido de tomar a sua pílula

contraceptiva;

Se o preservativo se rompeu ou deslizou;

Em caso de violação. Fig 15 – Contraceção de emergência

Page 19: Metodos contracetivos quimicos

Como funciona? A grande dose de hormonas vai alterar características do muco vaginal, mudanças no crescimento do endométrio e irá acelerar os movimentos nas tropas de Falópio.

E quanto a sua eficácia? Se a toma for correta, a pílula do dia seguinte pode atingir um grau de eficácia muito elevado (99%).

Quando utilizar? A pílula deve ser tomada até 72 horas depois da relação sexual, preferencialmente nas primeiras 12 horas.

Page 20: Metodos contracetivos quimicos

Com que frequência pode tomar? A pílula do dia seguinte só deve ser utilizada como medida de emergência e não como um método regular de contracepção.

Não protege contra as Infecções Sexualmente Transmissíveis!

Não é um método contraceptivo de uso regular

Não é abortiva

Não afecta a fertilidade

Pode ser adquirida gratuitamente nos centros de saúde e hospitais

Existem marcas de venda livre nas farmácias

Fig 16 – Contraceção de emergência

Page 21: Metodos contracetivos quimicos

Vantagens • Não interfere com a utilização

regular de pílulas anticoncepcionais;

• Não afecta a fertilidade a longo

prazo;

• É muito eficaz se for tomada imediatamente após a relação

sexual;

• O único método contraceptivo que pode ser utilizado pela mulher

após a relação sexual;

• No caso de falha do método, não causa efeitos colaterais no feto.

• A sua eficácia diminui com o passar das horas;

• Em mulheres que amamentam, pode diminuir a quantidade do leite

materno; • Os comprimidos podem causar

efeitos colaterais leves como: náuseas, vómitos, tonturas,

desconforto no peito e dor de cabeça;

• A menstruação pode adiantar ou atrasar alguns dias;

• O uso repetido facilita a gravidez;

• Certos medicamentos podem reduzir

a eficácia deste método.

Desvantagens

Page 22: Metodos contracetivos quimicos

Ovulação (regulação da função ovárica pelo complexo hipotálamo-hipófise): http://www.youtube.com/watch?v=nLmg4wSHdxQ&feature=related Nova contraceção de emergência (reportagem):

http://ww1.rtp.pt/noticias/?t=Nova-pilula-do-dia-seguinte-chega-ao-mercado-em-Marco-de-2010.rtp&headline=20&visual=9&article=306557&tm=2