Mudas de Manga

Embed Size (px)

Text of Mudas de Manga

A V IR RIE TE S U FR

M ER

EL

HA

S

Mudas de Manga

PLANTARcoleo

edio revisada

2

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuria Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento

PRODUO DE MUDAS DE MANGA2a edio revisada

Embrapa Informao Tecnolgica Braslia, DF 2006

1

Coleo Plantar, 54 Produo editorial: Embrapa Informao Tecnolgica Coordenao editorial: Fernando do Amaral Pereira Mayara Rosa Carneiro Lucilene M. de Andrade Reviso de texto e tratamento editorial: Francisco C. Martins Editorao eletrnica: Grazielle Tinassi Oliveira Ilustrao da capa: Alvaro Evandro X. Nunes Ficha catalogrfica: Celina Tomaz 1a edio 1a impresso (2006): 5.000 exemplares 2a edio 1a impresso (2006): 1.000 exemplares

Todos os direitos reservados A reproduo no autorizada desta publicao, no todo ou em parte, constitui violao dos direitos autorais (Lei n 9.610). Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP) Embrapa Informao Tecnolgica Produo de mudas de mangueira / Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical. 2. ed. rev. Braslia, DF : Embrapa Informao Tecnolgica, 2006. 47 p. : il. (Coleo Plantar, 54). Na pgina de autores, Nelson Fonseca e Getlio Augusto Pinto da Cunha. ISBN 85-7383-377-7 1. Beneficiamento. 2. Enxerto. 3. Plantio. 5. Propagao vegetativa. 6. Semente. I. Fonseca, Nelson. II. Cunha, Getlio Augusto Pinto da. III. Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical. IV. Coleo.

CDD 634.44 Embrapa 2006

2

AutoresNelson Fonseca Engenheiro agrnomo, D.SC. em Fitotecnia, pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Cruz das Almas, BA nelson@cnpmf.embrapa.br Getlio Augusto Pinto da Cunha Engenheiro agrnomo, D.SC. em Fitotecnia, pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Cruz das Almas, BA getulio@cnpmf.embrapa.br

3

4

ApresentaoO agronegcio brasileiro carente de informaes direcionadas ao pequeno produtor. O objetivo da Coleo Plantar preencher essa lacuna com informaes oportunas e precisas sobre como produzir hortalias, frutas e gros numa rea do stio ou da fazenda, ou at mesmo num quintal. Elaborado em linguagem conceitual simples e direta, o texto de cada ttulo dirigido ao produtor familiar, na certeza de que essas informaes vo contribuir para a gerao de mais alimentos, renda e emprego para os brasileiros, permitindo, assim, que a agricultura familiar incorpore-se ao agronegcio. No momento em que o agronegcio conquista o mercado internacional, a Embrapa Informao Tecnolgica reafirma a importncia desta coleo didtica como referncia para o produtor familiar produzir com segurana, qualidade e eficincia. Fernando do Amaral Pereira Gerente-Geral Embrapa Informao Tecnolgica

5

6

SumrioIntroduo........................................ Escolha do Porta-Enxerto.................. Seleo de Plantas-Matrizes............... Beneficiamento da Semente................ poca de Semeadura......................... 9 9 11 12 14

Formao da Muda............................ 25 Coeficientes de Produo.................. 46

7

8

IntroduoNo Brasil, nas ltimas dcadas, diante da importncia econmica que a manga alcanou, a tendncia atual estabelecer pomares tecnicamente bem conduzidos, com mudas enxertadas, provenientes de boas plantas-matrizes, para abastecer o mercado consumidor com frutos de boa qualidade.

Escolha do Porta-EnxertoNeste item, so descritas as etapas para produo de mudas de mangueira de alta qualidade, pelos diferentes mtodos de enxertia. Ainda no foram experimentalmente definidos quais os melhores porta-enxertos ou cavalos para mangueira. A escolha varia de uma regio para outra, e depende da disponibilidade de sementes. 9

No Nordeste, as cultivares Espada, Coquinho, Carlotinha, Itamarac e Santa Alexandrina so as mais utilizadas, ao passo que em Minas Gerais e no Estado de So Paulo, a preferncia recai sobre Ub, Sapatinho, Coquinho e Espada. As cultivares poliembrinicas, que geram duas ou mais plantas de uma nica semente, so as mais indicadas, por induzirem maior vigor muda. Geralmente, a Espada tem grande aceitao entre os viveiristas, em razo do seu vigor e de sua tolerncia secada-mangueira, doena que afeta os pomares, principalmente no Estado de So Paulo. Outros porta-enxertos resistentes seca-da-mangueira usados so: IAC 100 Bourbon, IAC 101 Coquinho, IAC 102 Touro, IAC 103 Espada Vermelha e IAC 104 Dura. 10

Seleo de Plantas-MatrizesAs plantas-matrizes, fornecedoras de garfos e borbulhas para enxertia, devem ser selecionadas. A seleo feita tendo-se em vista suas qualidades superiores, com base no seu comportamento durante vrios anos. As caractersticas essenciais para que uma cultivar de mangueira tenha uma boa aceitao comercial so as seguintes: Alta produtividade. Pouca ou nenhuma alternncia de produo, isto , um ano produz muito, outro produz pouco. Resistncia ou baixa suscetibilidade ao ataque de pragas e de doenas. Peso do fruto entre 400 a 500 g, colorao externa atraente (de preferncia vermelha). 11

Aroma e sabor agradveis. Polpa de boa consistncia e no fibrosa. Tolerncia ao manuseio e transporte para mercado distante. Semente pequena, em torno de 10% do peso total do fruto.

Beneficiamento da SementeEm condies naturais, a viabilidade da semente de manga est em torno de at 2 semanas aps a colheita do fruto. Assim, a semeadura deve ser feita o mais cedo possvel, para se obter maior percentagem de germinao e porta-enxertos mais vigorosos. Uma vez colhidos os frutos de vez ou maduros livres do ataque de doenas e 12

de pragas , efetuam-se o descascamento, a retirada da polpa, a lavagem das sementes e a secagem sombra, em local ventilado. Aps a secagem que dura cerca de 3 dias , com o auxlio de uma tesoura de poda, extrai-se a casca (endocarpo) que envolve a amndoa, tendo-se o cuidado de no machuc-la, para evitar o ataque de fungos. Esse tratamento possibilita uma germinao mais rpida (a partir de 2 semanas da semeadura), maior percentagem de sementes germinadas (90% a 95%), alm de se obter plantas bem formadas, vigorosas e em condies de serem enxertadas em menor espao de tempo. Deve-se semear uma quantidade de sementes maior do que o nmero desejado de mudas, aproximadamente 40%, tendo-se em vista as perdas com a germinao e com 13

o pegamento da enxertia. Na Fig. 1, so apresentadas as partes de uma semente de manga.Condutor de nutrio da amndoa Embrio Pelcula da amndoa Amndoa Casca com plos Pelcula externa protetora da amndoa

Fig. 1. Semente de manga com amndoa.

poca de SemeaduraNo Brasil, geralmente a semeadura feita entre outubro e maro, perodo em que se concentra a colheita, podendo-se optar pelos mtodos de semeadura direta e indireta. 14

Semeadura direta A semeadura direta feita utilizando-se embalagem individual, isto , sacos de polietileno. No viveiro (geralmente coberto com tela de sombrite), o local onde so colocados os sacos de plstico com as mudas, em fileiras de 2 a 4 sacos, a espaos de 80 cm, aguardando-se a enxertia, que feita na muda ou cavalo, dentro do saco de plstico. Os cavalos enxertados ficam no viveiro, at ficarem prontos para o plantio, no local definitivo. Atualmente, a prtica da semeadura direta bem utilizada entre os viveiristas, sendo apropriada para solos arenosos, que dificultam a retirada da muda com torro. Sua maior vantagem a economia de mo15

de-obra e a formao da muda em menor espao de tempo. O tamanho da embalagem deve permitir planta desenvolver um bom sistema radicular, uma boa altura e dimetro do caule para enxertia. Tm-se obtido bons resultados (melhor desenvolvimento radicular da muda) utilizando-se sacos de polietileno nas dimenses de 35 cm x 22 cm x 0,20 mm, perfurados na base e lateralmente, para escoar o excesso de gua usada na irrigao das mudas. Alguns dias antes da semeadura, enchemse os sacos de polietileno, utilizando-se uma mistura contendo trs partes de terra de boa qualidade, uma parte de esterco curtido, 3 kg de superfosfato simples e 500 g de cloreto de potssio por metro cbico. Obtmse, tambm, bons resultados e a custos 16

menores, por se evitar, principalmente, o esterco curtido utilizando-se como substrato terra vegetal (camada superficial do solo, at 10 cm de profundidade), 15 g de superfosfato simples por saco, colocadas a 2/3 de profundidade no saco, e adubao foliar com uria a 0,3%, ou seja, a cada 100 L de gua adicionam-se 300 g de uria. A primeira adubao foliar feita quando as folhas j estiverem duras e coriceas, devendo ser repetida quinzenalmente. Na parte superior do saco, so deixados cerca de 5 cm sem completar com a mistura, local onde colocada a semente, isenta de sintomas de doenas, pragas ou leses mecnicas, deitada ou com a face ventral voltada para baixo (Fig. 2). A semente coberta com uma leve camada de terra peneirada ou areia lavada. 17

Areia ou solo

Face ventral

Fig. 2. Posicionamento correto de uma amndoa de manga no momento da semeadura.

Em seguida, faz-se a irrigao dos sacos, devendo-se continuar por todo o ciclo de formao da muda, 2 ou 3 vezes por semana. Ocorrendo a germinao de duas ou mais mudas no mesmo saco, eliminam-se as excedentes, deixando-se apenas a muda mais vigorosa. No que concerne nutrio das mudas, alm da adubao foliar, recomenda-se 18

efetuar trs adubaes em cobertura, com 5 g/planta (equivalente a uma colher das de ch bem cheia) da mistura contendo 100 g de uria, 100 g de superfosfato simples e 60 g de cloreto de potssio aos 60, 120 e 180 dias aps a semeadura. Deficincias de Zn (zinco) e de Mn (mangans) podem ser corrigidas, pulverizandose as mudas com uma soluo composta de 55 g de sulfato de zinco, 28 g de sulfato de mangans e 24 g de cal hidratada em 20 L de gua. Os sacos devem ser mantidos livres de plantas daninhas, e as mudas pulverizadas, sempre que ocorram