of 16 /16
QUINTA-FEIRA, 13 DE DEZEMBRO DE 2012

Revista Valley

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista Valley de dezembro / 12

Citation preview

Page 1: Revista Valley

QUINta-feIra, 13 de deZembro de 2012

Page 2: Revista Valley

QUINTA-feIrA, 13 De DeZembro De 20122

SOCIAL por Carol Lau [email protected]

Uma elegante edição marcou a Confraria de novembro, que aconteceu na Livraria e Cafeteria Iluminura. O ambiente era muito aconchegante e arrancou elogios dos convida-

dos, que também puderam bater um papo com o escritor Leonardo Brasiliense.

O músico Killy Freitas apresentou seu repertório com muito bom gosto, tornando o ambiente ainda mais agradável.

A edição de Natal aconteceu na última terça-feira, na Dellano, mas essa a gente deixa para a próxima Valley. Agora confiram as fotos da edição da Iluminura.

Confraria Iluminada

fOtOS: CArOL LAu

DAnIeLLe HArtH, JOneIA rutSAtz, SAmIr SCHerer e HeLOISA PIerOzAn

ODete WermutH, AnI BrAun, IngA BOettCHer e mArILú VIAnnA

mArInA SteIn e VAneSSA BAVAreSCO

DAnIeLA PALOCHI e renAtO SgArIOnI

AnDreIA rAnzI e mOISeS BertOL LAérCIO PeLIAnO DIAS e fABríCIO LACerDA

Page 3: Revista Valley

QUINta-feIra, 13 de deZembro de 2012 3

EXPEDIENTE

Informe Comercial - Revista Valleyeste caderno circula encartado em Zero Hora na tiragem regional dos Vales do rio Pardo e taquari - Editor colaborador: Jansle appel Junior mtb 15.066Diagramador colaborador: douglas rafael da Silva - Nakao - Para anunciar ou sugestões, ligue: Comercial Santa Cruz do Sul. fone: 51 3715.7345

gIOVAnA PereIrA StAuB e JAIr StAuB

DórIS KOnrAD e LOuAnA tHeISen

Emoldurados pelos livros, clicamos alguns looks para o Glamour na edição da Confraria no Café e Livraria Iluminura.Linda noite com magnífico coquetel Hilda G, inspirado nos cafés. Clima descontraído, todos muito elegantes, noite de charme,

boa conversa e gente bonita.

o glamour das confrariastextO: ALexAnDrA rutSAtz e JOneIA rutSAtz - eDItOrAS e PrODutOrAS De mODA - [email protected]

fOtOS: CArOL LAu

1. Danielle Harth, sempre maravilhosa. Vestido nos tons preto e ocre, com comprimento perfeito, muito elegante. O zíper na parte de baixo deu um ar moderno à roupa. 2. Inga Boettcher arrasou no look usando blusa dourada com calça coral, cores fortes e vibrantes super em alta para o verão. A clutch tramada acompanhou bem. 3. As camisas com estampa xadrez vêm com os quadrinhos menores, dando mais sofisticação ao visual, como a usada por Milton Keller na confraria da Iluminura, muito bem combinada com o jeans claro e estonado.

1 2 3

Com muita honra tive a oportunidade

de fotografar dois recém-nascidos do mês

de outubro. A Carolina é uma graça! Filha

de Rafaela Stahl e André Luís Stahl, veio

para fazer companhia ao irmão João e

encher ainda mais a casa de alegria.

E o Henrique, filho de Júlio Henrique

Assmann da Luz e Aline Rohrs, primeiro

do casal, que é uma tranquilidade só. Os

papais só babam por ele. E tem como

não babar? Se quiser fazer fotos de

recém-nascidos, entre em contato pelo

e-mail [email protected] e peça

um orçamento.

Dia 25 de novembro, no Quiosque da

Praça, a pequena Manuela Valmorbida Ri-

bas comemorou seus 6 anos de idade. Os

pais Jackson Karpischin Ribas, Andressa

Valmorbida e a mana Isadora Valmorbida

Ribas estavam bem contentes, e ajudaram

a receber os convidados. A decoração das

Moster High ficou a carinha dela. Parabéns

a todos da família, e que venham mais

aniversários

nASCImentOS AnIVerSÁrIO

Parabéns, Manu!Bem-vindos!

mAnu entre OS PAIS JACKSOn e AnDreSSACArOLInA StAHL HenrIque röHrS DA Luz

Page 4: Revista Valley

QUINTA-feIrA, 13 De DeZembro De 20124

mODA

Primavera em alta e verão chegando com tudo!

O calor está se fazendo

presente neste final

de primavera, pedin-

do roupas leves e te-

cidos fluídos. A dica é aproveitar

ao máximo a moda deste verão

usando e abusando das pernas

de fora.

Os shortinhos não poderão

faltar em seu closet. Eles vêm

estampados, rasgados, desestru-

turados, com cintura alta e custo-

mizados. Com certeza você vai

achar algum que combine com o

seu estilo.

Para compor o look com

seu shortinho use camisas para as

ocasiões mais formais e camisetas

básicas para o dia a dia. Acessó-

rios são bem-vindos sempre!

As cores fortes e vibrantes,

como também os cítricos e neons,

continuam super em alta, como já

vimos em diversas coleções. Uma

aposta de muitas grifes que final-

mente emplacou. E, junto com elas,

tons suaves e doces no melhor

estilo vintage trazem o romantismo

pop para a estação.

Os metalizados, principalmente

o dourado, saem da noite e ganham

o dia. Eles podem ser combinados

com todas as cores, dando um ar

superfashion ao visual.

E ainda temos as tachinhas e

os spikes, que estão presentes

em muitos detalhes de roupas,

sapatos, bolsas e acessórios,

tendência que veio com força total

para o verão. Invista em alguma

peça neste estilo.

Opções não faltam para você

renovar seu visual. A mistura de

cores está mais ampla e sem

regras. Combine descombinando!

mISturA De COreS CLÁSSICAS COmO O VermeLHO e O AzuL SãO SemPre eLegAnteS e A eStAmPA De COrAçõeS nA BermuDInHA trAz um Ar

mODernO PArA O LOOK

PArA mOmentOS que PeDem um VISuAL mAIS CLÁSSICO e eLegAnte, COmBIne Seu SHOrtInHO COm umA umA BeLA CAmISA

DOurADO: metALIzADOS em ALtA, SHOrt COmBInADO COm CAmISetA BÁSICA. umA ótImA OPçãO PArA O DIA

muItAS COreS PArA O VerãO! O JeAnS COmPõe SuPerBem COm AS COreS fOrteS, equILIBrAnDO O VISuAL!

ALexAnDrA rutSAtz e JOneIA rutSAtz - eDItOrAS e PrODutOrAS De mODA - [email protected] - fOnte:WWW.WeBmAgAzIne.Art.Br - fOtOS: AnA frAntz - mODeLO: fernAnDA gOrSKI/ uBermODeLS POA - PrODuçãO, StyLIng e BeAuty: ALex & neIA - rOuPAS: DrOPS De mentA SCS

por Alexandra Rutsatz e Joneia Rutsatz

Page 5: Revista Valley

QUINta-feIra, 13 de deZembro de 2012 5

A MetalvalesA Associação Metalmecânica dos

Vales (Metalvales) é formada por 15

empresas estabelecidas nos Vales

do Rio Pardo e Taquari com negócios

firmados em todo o território nacio-

nal e trabalha para o crescimento

organizado do setor metalmecânico

e industrial da região.

Para divulgação de nossas empresas

e dos municípios da região, buscou a

participação ativa na Mercopar.

O principal objetivo da Metalvales

é fortalecer o setor metalmecânico

na região, através da união das em-

presas, que consomem anualmente

8 mil toneladas de metais, geram

2 mil empregos e contam com um

faturamento de R$ 100 milhões por

ano. As empresas associadas são

Altari, Citec, Fiberglass, FTcalhas,

Gelus, Klima, Lyte, LTVaires, Metta-

Galvano, Miper, Multserv, Rytec, Sur

e Tecnilange. O contato da Metalvales

é [email protected] e o site,

www.metalvales.com.br.

merCOPAr

VeíCuLOS

A Associação Metal-

mecânica dos Vales

(Metalvales) partici-

pou da edição 2011

da Feira de Subcontratação e

Inovação Industrial (Mercopar)

com um espaço de 27 metros

quadrados. O evento ocorreu

em Caxias do Sul. A Mercopar

promove, desde 1992, negócios

e parcerias entre empresas

nacionais e internacionais, in-

dependentemente do porte,

com o objetivo de estimular a

integração e a competitividade

desses mercados. Os resultados

registrados na 20ª edição da

maior feira da América Latina

foram extremamente positivos.

Superando a expectativa

inicial que previa um cresci-

mento de 10% em relação ao

volume de negócios de 2010,

a feira teve um crescimento de

24% nas transações comerciais

deste ano, totalizando R$ 124,7

milhões. Os corredores ficaram

lotados durante os quatro dias

do evento, com centenas de lan-

çamentos apresentados pelos

565 expositores e o otimismo

dos empresários presentes se

refletiram positivamente.

Os R$ 124 milhões e 700 mil

do volume total de negócios se

dividiram em R$ 101 milhões e

900 mil em vendas diretas nos

estandes, e R$ 22 milhões e 800

mil no Projeto Comprador e nas

rodadas das áreas de Petróleo,

Gás e Energia e também de

Software e Serviços de TI. Em

2010, o total de negócios na

Mercopar chegou à casa dos R$

101 milhões.

As edições do Projeto Com-

prador e das Rodadas de Negó-

cios nas áreas de Petróleo, Gás

e Energia e também de Software

e Serviços tiveram grande par-

ticipação de micro e pequenas

empresas. O Projeto Comprador,

por exemplo, contou, em dois

dias, com 1.050 reuniões, que

proporcionaram um volume de

negócios de R$ 13,1 milhões,

tendo a participação de 140

micros e pequenas empresas

vendedoras e 47 grandes em-

presas compradoras (Só podem

participar como vendedores as

empresas expositoras).

O objetivo foi abrir novos ca-

nais de negociação, proporcio-

nando encontros de 20 minutos,

em que os pequenos negócios

pudessem conversar com os

compradores de grandes empre-

sas e apresentar seus serviços e

produtos. Já a rodada de negó-

cios do Petróleo, Gás e Energia,

totalizou transações comerciais

na ordem de R$ 8 milhões e 800

mil, demonstrando a força que

estes setores estão ganhando

com os pesados investimentos

que estão sendo feitos no País

na prospecção de novas fontes

energética. A rodada de Softwa-

re e Serviços de TI fechou em

R$ 900 mil.

A média de contatos realiza-

dos por cada expositor, em negó-

cios fechados ou encaminhados,

chegou a 83. Ainda 97% dos

expositores pretendem participar

da Mercopar no próximo ano,

e 83% deles também tiveram

suas expectativas superadas em

relação aos negócios firmados

na feira. A visitação deste ano

fechou em 35 mil pessoas.

Metalvales participa, com estande coletivo, da maior feira da América Latina

Em Dezembro de 2010, inau-

gurou na cidade de Santa Cruz do

Sul e logo em seguida na cidade

de Estrela uma nova empresa

no mercado automobilístico com

uma proposta bem clara: oferecer

ao consumidor novidades que já

são líderes no mercado mundial.

Falando assim parece fácil, mas

cumprir essa missão depende

de muito empenho e exige muito

mais que boas intenções e um

belo discurso.

A tarefa passa pela divulgação

de um produto totalmente desco-

nhecido para um público que já

tem o seu perfil de compra prees-

tabelecido, com uma concorrência

bastante acirrada e uma grande

oferta de veículos comerciais e de

passeio. Hoje a Eadaí Concessio-

nária é destaque na comercializa-

ção de utilitários leves na região

dos Vales do Rio Pardo e Taquari.

Utilitários leves ganham espaço nos ValesNesta nova fase, o diretor

Rogério Luiz Balbinot, o gerente

Luciano Fraga Lima e as coorde-

nadoras Rejane Gobbi e Micheli

de Almeida prepararam condições

imperdíveis para suprir a neces-

sidade de custo-benefício para

quem precisa de veículos para o

trabalho, ampliando ainda a linha

de veículos atendendo também o

transporte de passageiros.

Além de ampliar a linha de

veículos, o foco primordial é o pós-

-venda, com qualificação da ofi-

cina e atendimento multimarcas.

Após o forte investimento na loja

de Santa Cruz do Sul, agora será

a loja de Estrela que entrará em

fase de construção de sua sede,

buscando, assim, fácil acesso e

localização das lojas para maior

conforto de seus clientes.

NOVA ADMINISTRAÇÃO

Page 6: Revista Valley

QUINTA-feIrA, 13 De DeZembro De 20126

PrÊmIO mPe BrASIL

Após uma criteriosa

avaliação, as empre-

sas mais competitivas

do Rio Grande do Sul

foram conhecidas na solenidade

que se realizou no dia 27 de

novembro de 2012, no Theatro

São Pedro, em Porto Alegre.

Na cerimônia foram entregues

os certificados de finalistas do

Prêmio de Competitividade para

as empresas, o MPE Brasil, que

fecha em 2012 o seu 20° ciclo.

Das 5.589 empresas inscritas

no Rio Grande do Sul em 2012,

a empresa santa-cruzense Tecni-

lange ficou entre as 19 melhores

selecionadas.

O prêmio é uma realização

do Sebrae, Movimento Brasil

Competitivo (MBC), Gerdau,

Fundação Nacional da Quali-

dade (FNQ) e Grupo RBS, que

busca reconhecer empresas que

investem em conceitos e práti-

cas de excelência em gestão,

valorizando ideias e difundindo

valores, como o aumento da

qualidade, da produtividade e da

competitividade das empresas

em todo o País.

Para chegarem à final, as

empresas passaram por quatro

etapas de avaliação: o processa-

mento e análise dos questioná-

rios de autoavaliação; checagem

e análise das documentações

legais; visita técnica de consul-

tores às empresas com melhor

desempenho na primeira etapa;

e validação das finalistas por

uma banca, que apontou as 19

empresas finalistas.

As candidatas são avaliadas

pela qualidade da gestão e a

capacidade empreendedora do

empresário por meio da utiliza-

ção do questionário de autoava-

liação, com base no Modelo de

Excelência da Gestão (MEG). Foi

desenvolvida uma metodologia

de avaliação das empresas pa-

dronizadas nacionalmente para o

prêmio, usando critérios interna-

cionalmente reconhecidos.

A EMPRESA

A Tecnilange, que já atua há

27 anos, busca consolidar-se

como uma excelente fornecedora

em usinagem de alta precisão

para peças de manutenção no

Brasil. A empresa também fabri-

ca e reforma máquinas, atua na

área de caldeiraria e na fabrica-

ção de peças de reposição.

Para isto, investe em equipa-

mentos de alta tecnologia, quali-

ficação constante de sua equipe

e busca da melhoria contínua no

seu sistema de gestão. A partir da

primeira participação do prêmio,

em 2005, foram analisados os

pontos fracos, e estabeleceram-

-se metas, a fim da empresa ser

novamente finalista do prêmio.

Isso representou um novo rumo,

pois exigiu o comprometimento

de todas as pessoas.

“E, na Tecnilange, todos es-

tão motivados a cada vez mais

melhorar os resultados de de-

sempenho. Por ser a empresa

finalista, não vão agora parar

por aqui. Vão fazer de tudo para

continuar sempre melhorando e

crescendo”, diz o consultor admi-

nistrativo da Tecnilange, Lucas

Lange. “Mas não adiantaria ter os

melhores equipamentos se não

fosse a vontade de sua equipe

em sempre fazer o melhor, em

sempre querer crescer junto com

a empresa. É por isso, que este

prêmio é dedicado a todos que

colaboram com a Tecnilange”,

finaliza.

Tecnilange é a única empresa dos Vales na final

equIPe teCnILAnge COmemOrA O reCOnHeCImentO

ASSeSSOrIA teCnILAnge

Page 7: Revista Valley

QUINta-feIra, 13 de deZembro de 2012 7

munidades e o desenvolvimento

de uma sociedade mais justa e

solidária. “Trata-se de mais um

reconhecimento das atividades

de Responsabilidade Social ins-

tituídas pela Apesc. Da mesma

forma, essa premiação serve de

incentivo para continuarmos reali-

zando e ampliando nossas ações

em prol da comunidade”, disse o

presidente da Apesc e reitor da

Unisc, Vilmar Thomé.

“Receber esta medalha, espe-

cialmente na Edição 2012, tornou-

-se ainda mais gratificante, por ser

o ano em que a Apesc completa

meio século de existência e pelo

comprometimento da Assembleia

em reconhecer especificamente o

trabalho de Entidades que foram

auditadas quanto ao cumprimento

legal da regularidade fiscal e

da forma como investem para a

melhoria das condições de vida

da sociedade em que estão inse-

ridas. Essa menção honrosa nos

estimula, ainda mais, a nos dedi-

carmos arduamente à continua-

ção de nosso trabalho, primando

pela excelência no alcance de

nossas metas”, salientou o Con-

tador da Apesc, Adalberto Miguel

Melchiors, que representou a En-

tidade no evento, juntamente com

Luciane Rohde e Juliane Pedroso,

todos do Setor de Contabilidade.

meDALHA fOI entregue nO teAtrO DAnte BArOne

reSPOnSABILIDADe SOCIAL

A Associação Pró-Ensi-

no em Santa Cruz do

Sul (Apesc), mantene-

dora da Universidade

de Santa Cruz do Sul (Unisc),

do Hospital Santa Cruz (HSC),

da Escola de Educação Bási-

ca Educar-se, e do Centro de

Educação Profissional da Unisc

(Cepru), foi uma das entidades

agraciadas com a medalha de

Reponsabilidade Social/2012 da

Assembleia Legislativa do Esta-

do. A solenidade para a entrega

do Prêmio foi realizada no dia 28

de novembro, no Teatro Dante

Barone, em Porto Alegre.

Na oportunidade, empresas

privadas, sociedades cooperati-

vas, organizações governamen-

tais, administrações municipais,

instituições de ensino e entidades

sem fins lucrativos foram agracia-

das com certificados e medalhas

de Responsabilidade Social e

com os troféus Destaque-RS, em

10 categorias.

Instituída por lei estadual, a

distinção é uma promoção do

Parlamento Gaúcho com o obje-

tivo é incentivar projetos voltados

ao bem-estar da sociedade e

à preservação ambiental, além

de estimular a apresentação do

Balanço Social por empresas,

instituições de ensino, entidades

governamentais, municípios e

demais entidades.

A Apesc foi a única Institui-

ção que recebeu a medalha na

categoria Instituições de Ensino

Superior. Nesta edição os crité-

rios de análise para pontuação

das instituições foram alterados,

ficando mais delimitados, fato

destacado pelo Presidente da

Comissão Mista, Valdir Bianchesi

Junior.

Ao auferir esse mérito, o Le-

gislativo Gaúcho ratificou o com-

promisso assumido pela Apesc,

desde a sua fundação, em 1962,

de ser uma instituição compro-

metida com a qualidade dos

serviços que oferece, por meio de

uma gestão ética e democrática,

que busca o bem-estar das co-

Apesc recebe medalhada Assembleia Legislativa ASSeSSOrIA De ImPrenSA unISC

Page 8: Revista Valley

QUINTA-feIrA, 13 De DeZembro De 20128

tABACO

Representantes do

setor e autoridades

do Rio Grande do Sul

e de Santa Catarina

acompanharam a 5ª Conferência

das Partes (COP5), da Conven-

ção-Quadro para o Controle de

Tabaco (CQCT), realizada entre

os dias 12 e 17 de novembro, em

Seul, na Coreia do Sul. De lá,

trouxeram boas notícias: o pedido

para a construção de medidas

equilibradas foi atendido.

Apesar de não terem tido aces-

so às discussões, – o que gerou

polêmica inclusive entre órgãos

de imprensa que foram barrados

e que questionaram a legitimida-

de de uma importante discussão

ser feita de forma sigilosa – os

representantes da Região Sul

estiveram em constante diálogo

com o Ministério das Relações

Exteriores (MRE), disponibilizan-

do informações nos bastidores

em busca de um equilíbrio nas

decisões.

“A ida desta comitiva, mesmo

sem ter acesso ao debate, for-

taleceu a posição brasileira nas

discussões. Tenho certeza de que

o Brasil fez a diferença neste caso

e me surpreendi de forma positiva

com a delegação oficial brasileira.

Partimos bastante apreensivos,

mas retornamos aliviados e satis-

feitos com as decisões, que foram

equilibradas”, avalia o presidente

do SindiTabaco (Sindicato Inte-

restadual da Indústria do Tabaco),

Iro Schünke. Ele integrou a única

comitiva (delegação não oficial)

presente no evento.

O relatório preliminar que se-

ria aprovado na COP5 e que foi

divulgado em setembro, previa

uma série de restrições em rela-

ção à produção de tabaco, tais

como: redução da área, limitação

de crédito e assistência técnica,

desmantelamento das entidades,

entre outras. O Brasil, entretanto,

posicionou-se claramente contra

essas medidas logo na plenária

geral de abertura. Esta posição foi

decisiva para que o relatório pre-

liminar não fosse avaliado, tendo

sido gerado um novo documento

que reafirma a necessidade de

salvaguardar os sustentos dos

produtores e trabalhadores do

tabaco. Neste documento está

prevista a continuidade do grupo

de trabalho, que irá desenvolver

estudos a serem avaliadas na

COP6, em Moscou, em 2014.

O único consenso do evento

esteve relacionado ao mercado

ilegal. Neste sentido, foi aprovado

protocolo por todos os países que

fixa as regras para o combate ao

comércio ilegal por meio do con-

trole da cadeia de suprimentos e

cooperação internacional. A partir

de janeiro os países começam a

assinar o protocolo. Com 40 assi-

naturas, ele entrará em vigor após

90 dias. O processo de ratificação

seguirá a legislação de cada país.

SOBRE A CONVENÇÃOO objetivo da CQCT é a dimi-

nuição do número de fumantes no

mundo e a exposição à fumaça do

cigarro. Para aprovar novas re-

comendações, uma Conferência

das Partes, com a participação

dos 176 países que ratificaram

o tratado é realizada a cada dois

anos. A COP6 está marcada para

dezembro de 2014, em Moscou,

na Rússia.

Produção não deverá sofrer interferênciasAnDreOLI mSL

DelegaçãoRepresentantes da região que esti-

veram em Seul:

• Adolfo Brito, deputado estadual RS

• Adriano Cunha, presidente do STR

de Imbuia (SC)

• Airton Artus, prefeito de Venâncio

Aires

• Benício Werner, presidente da Afubra

• Heitor Schuch, deputado estadual RS

• Irineu Berezanski, assessor de pla-

nejamento da Fetaesc

• Iro Schünke, presidente do Sindi-

Tabaco

• Luiz Sartor, vice-presidente da

Fetaesc

• Marcelo Moraes, deputado estadual

RS

• Mauro Flores, presidente da Farsul

• Pedro Pereira, deputado estadual RS

• Romeu Schneider, presidente da

Câmara Setorial

Page 9: Revista Valley

QUINta-feIra, 13 de deZembro de 2012 9

Final de ano pode ter

vários significados.

Para a maioria das

pessoas é um mo-

mento de comemorações, ami-

gos-secretos e muitas festas.

Para outros pode ser uma épo-

ca de melancolia, de saudades

dos que já se foram ou que

estão longe. Mas acredito que

é uma época que não passa

despercebida a ninguém. Esta

coluna é de arquitetura, deco-

ração e design, mas queremos

hoje, aproveitando que o Natal

se aproxima, deixar um pouco

de lado os assuntos técnicos

e aproveitar esse espaço para

falar de outros temas.

Nesta época de final de

ano é natural querermos orga-

nizar nossas vidas, aproveitar

esses últimos dias para tentar

botar ordem em nossa rotina.

Aquela expectativa que se

repete de ter nossa vida mais

organizada. A esperança que

sempre se renova de um novo

ano sempre melhor que os

anteriores. Isso faz com que

tenhamos aquele desejo de or-

ganização, arrumações, jogar

fora o que não nos serve mais,

adquirir novas coisas. Também

é época de decorar a casa para

esperar o “Papai Noel”. Esse

momento, que é mágico para

as crianças, também pode ser

um momento de reflexão para

nós adultos.

Nessa época, nos esforça-

mos para adornar a casa com

luzes coloridas, montar a ár-

vore de natal, o presépio, re-

ceber os amigos e familiares.

Mas creio que também pode

ser a época de fazer desta

tradição um hábito: abrir mais

nossa vida e nossa casa para

amigos, companheiros, cole-

gas. Que tal investir menos

em parafernálias eletrônicas,

objetos que logo se tornarão

obsoletos? Trocar isso por

livros, filmes, passeios, cultu-

ra e lazer. Uma sala de estar

mais bacana e aconchegante

e convidar amigos para jantar,

um jogo de cartas ou simples-

mente assistir um filme. Deixar

a novela de lado de vez em

quando para sentar com pes-

soas queridas e bater longos

papos? Uma taça de vinho na

frente da lareira em uma noite

de inverno com os familiares.

Ou seja, exercitar uma vida

mais simples, cultivar os afe-

tos e ter tempo de conversar

calmamente olhando o outro

nos olhos.

O certo é que a vida anda

muito corrida e depende de

nós tomar a decisão de reduzir

esse ritmo louco, usufruindo

do tempo, não sendo escravos

dele. Desejamos um Feliz Natal

e um 2013 muito mais simples!

porEntão, quando nos damos conta, é Natal

Page 10: Revista Valley

QUINTA-feIrA, 13 De DeZembro De 201210

LIVrO

SeSC

Clóvis Darci Haeser

é lembrado como

empreendedor de

sucesso pelos 25

anos de atuação no ramo de

seguros no Vale do Rio Par-

do. Mas os mais próximos, e

mesmo aqueles que já tiveram

contato com seu blog pessoal

pela internet, conhecem sua

vertente literária. Sem ficar

sobre o muro, Haeser expõe

opiniões, compartilha ideias

e, o melhor, conta histórias

com a naturalidade de uma

conversa de bar entre amigos,

regada a copos gelados de

cerveja e deliciosos petiscos.

No blog Happy Hour (blog-

doclovish.wordpress.com), o

prazer de histórias e estórias

já era levado ao dia a dia

dos lei tores, sempre com

atual izações fresquinhas.

Agora, a produção literária

de Haeser ganha o merecido

espaço em um livro. Happy

Hour - As fantásticas estórias

de buteco será lançado hoje,

às 19 horas, em um coquetel

para convidados na fábrica da

cervejaria Heilige, em Santa

Cruz do Sul (Rua Venâncio

Aires, 1449).

O espaço, o horário, tudo é

sugestivo, combinando com o

título que, a julgar pelas histó-

rias e pelo estilo descontraído

dos textos, não poderia ser

mais adequado. A obra é uma

publicação da Editora Gazeta,

de Santa Cruz, e em breve

estará disponível para venda.

O autor adianta o conteúdo:

“são diversas crônicas. Tenho

personagens de bar, estórias

da minha infância”, conta, dei-

xando a vontade de degustar

cada página.

O AUTORClovis Darci Haeser, fun-

dador da Haeser Seguros, é

aposentado e presidente da

Aliança Santa Cruz na gestão

2011/2013, cargo que já exer-

ceu durante cinco mandatos,

entre 1993 e 1998.

Casado com Lizete Haeser,

nasceu em Trombudo (atual

Vale do Sol), em 2 de dezem-

bro de 1950. Formou-se em

Letras pela Universidade de

Um happy hour com as palavras de Clóvis HaeserJAnSLe APPeL JunIOr

Santa Cruz do Sul (Unisc),

profissão que exerceu lecio-

nando em Vale do Sol e Santa

Cruz do Sul. Trabalhou no

Sindicato do Comércio, onde

era responsável por várias

atividades, como secretário

executivo. Também secreta-

riava a diretoria do Cemité-

rio Católico. E, para garantir

renda extra, ainda fazia IRRF.

Prestativo e empenhado

em trabalhar pela comunida-

de, sempre ajudou as pessoas

que lhe pediam conselhos.

Sua principal característica é

ser um homem determinado

e decidido em suas posições.

Além de um exímio contador

de histórias, como todos terão

a oportunidade de comprovar

agora, em seu livro.

LIVrO trAz HIStórIAS e eStórIAS DeSCOntrAíDAS De CLóVIS HAeSer

O Programa Mesa Brasil

Sesc já completou três anos de

atuação nas regiões dos Vales

do Taquari e Rio Pardo. Englo-

bando os municípios de Santa

Cruz do Sul, Lajeado, Venâncio

Aires e Estrela, assim como

cidades vizinhas, o Mesa Brasil

está consolidando uma grande

rede de solidariedade, que

envolve doadores, instituições

sociais e voluntários. Em Santa

Cruz do Sul, o programa é de-

senvolvido em parceria com a

Prefeitura Municipal, através da

Secretaria do Desenvolvimento

Social. De janeiro a novembro

de 2012, foram distribuídas mais

de 31 toneladas de alimentos

não-perecíveis, que beneficia-

ram mais de 2 mil pessoas de

20 instituições sociais (confira,

abaixo quais são as institui-

ções).

Sobre o Programa Mesa

Brasil - O Mesa Brasil consiste

em um programa de comple-

mentação alimentar que coleta

alimentos excedentes e distribui

imediatamente para instituições

previamente cadastradas no

projeto. O diferencial do Mesa

Brasil são as ações educativas

na área social e de nutrição,

através de treinamentos, pales-

tras e cursos, visando a inclu-

são e desenvolvimento social

das instituições sociais cadas-

tradas no programa. Atualmen-

te, além das regiões dos Vales

do Taquari e Rio Pardo, o Mesa

Brasil Sesc já atua nas cidades

de Caxias do Sul, Rio Grande,

Santa Maria, Cachoeira do Sul,

Erechim, além da capital e da

Região Metropolitana.

Em Santa Cruz do Sul, a em-

presa parceira que mais doou

até o momento é a Excelsior Ali-

mentos S/A. Outras empresas

que desejarem efetuar doações

ao programa Mesa Brasil Sesc,

podem entrar em contato com

o Sesc Santa Cruz do Sul (Rua

Ernesto Alves, 1042), pelos

telefones (51) 3713.3222 ou

3713.3092. Informações sobre o

programa no site www.sesc-rs.

com.br/mesabrasil.

SOBRE O SESCA entidade tem como missão

promover a qualidade de vida

dos trabalhadores do comércio

de bens, serviços e turismo.

No Rio Grande do Sul, o Sesc

está presente em mais de 450

municípios com atividades

sistemáticas em áreas como a

saúde, esporte, lazer, cultura,

cidadania, turismo e educa-

ção. Desta forma, o Sesc/RS

desempenha o papel social

assim como o Senac/RS o da

qualificação profissional do

Sistema Fecomércio-RS que

atua em âmbito econômico,

político e social pela constante

qualificação e crescimento do

setor terciário gaúcho.

Mesa Brasil já distribuiu mais de 31 toneladas de alimentos

Page 11: Revista Valley

QUINta-feIra, 13 de deZembro de 2012 11

Programe Agora

AS FÉRIAS DE JULHO 2013

51 3056.4595

/////////////

//////////////

//////////////

//////////////

//////////////

//////////////

// NÃO FIQUE DE FORA DESSA! G

ARANTA JÁ O SEU LUGAR.

SANTA CRUZ DO SUL | R

S

( )( )

( )

BARILO

CHE

( )

( )CeaCu

LNnMMeexx

iiccoo

GANDAPR

OPA

GANDA

“O Mar do Caribe (Can-

cún) é escolha perfeita para

pessoas que gostam de

praia, mar de água azul e

quente. Ficamos muito feli-

zes em poder conhecer um

lugar lindo e, além do mais,

por um preço compatível

com uma viagem para o

Nordeste brasileiro.”

# Cancun é um dos locais

mais seguros do mundo.

Todos os hotéis têm cofres à

disposição dos clientes.

# A língua falada é o espa-

nhol e a moeda, o novo peso

mexicano (12,00 equivalem

a U$ 1,00). Cuidado na hora

do câmbio.

# Dicas de passeios: Isla

Mujeres, Cozumel, Chichen

Itza, Tulum Xel Há, Xcaret,

Festa Mexicana, Jungle Tour,

Barco de Fundo de Cristal e

Isla Conty. Atrações notur-

nas: Galeon Capitão Hook,

Caribean, Pericos, Coco

Bongo e The City.

AS MAIS PEDIDAS

DICA DE VIAGEM

WILLIAm reIS e nAIrO OrLAnDI/AtLântIDA SAntA Cruz

A tecnologia e o fácil acesso à internet

proporcionaram várias facilidades. In-

clusive aquela tão famosa “trovada” já

faz parte do online. É claro que muitas

vezes fica mais fácil trovar aquela guria ou guri

pelas redes sociais, não é mesmo? Mas e aí?

Será que isso realmente funciona?

Dessa vez, fomos bater um papo com a galera

do colégio Mauá de Santa Cruz do Sul, confere

aí o que eles pensam:

A tecnologia ajuda na trovada?

“Pra mim deu muito certo isso, porque eu conheci meu namorado no

colégio, mas só tive coragem de falar com ele pela internet. Foi assim

que marcamos o primeiro encontro e depois rolou o namoro”.

Mariana Almeida, 3º ano

“Ajuda, mas não define. É um caminho pra chegar até à pessoa, mas

com certeza precisa ter aquela trova pessoal, corpo a corpo”.

# Peter Knak, 2º ano

“Não funciona. Quando tu tá trovando uma pessoa

pela internet não tem aquele contato pessoal. Por

exemplo, eu conheci meu namorado e não foi

através da internet.(...) Eu acho mais impor-

tante ter um relacionamento fora da internet

do que dentro dela”.

# Ana Julia Metz 3º ano

“Até pode funcionar porque tu

consegue ser uma outra pessoa,

mas como “toda mentira tem

perna curta”, no final, não vai

dar certo”.

# Fabrício Beckemkamp 3º ano

“Funciona, dependendo

da trova e do jeito do cara.

Mas, a iniciativa tem que vir

do homem”.

# Ingrid Arrieira Mahl 3º ano

“É muito mais fácil você começar a

conversar com alguém pela internet

do que “ao vivo”, tem pessoas que

tem muita vergonha de falar pesso-

almente”. # Andressa Lupatini, 3º ano

1. Soja part. Falcão – Everything changes

2. Rihanna – Diamonds

3. FloRida – I cry

4. Pollo part. Ivo Mozart – Vagalumes

5. Natiruts – Supernova

6. Ellie Goulding – Lights

7. Avicci – Silhouettes

8. Gabriel O pensador e Jorge Ben Jor – Solitário surfista

9. The Offspring – Oc guns

10. Bob Sinclar – Around the world

11. Maroon 5 – One more night

12. Calvin Harris – Feel so close

Atlântida na rede: Facebook.com/atl933

Twitter: @atl933 | Blog: atlantida.com.br/santacruz

DIegO DAnIeL DreISSIg e DAnIeLe gruneWALDt

Ops!

Hey! Conhece alguma dessas gurias aí na foto? Se conhece, dá

uma força aí e manda o nome delas pra [email protected]

Page 12: Revista Valley

QUINTA-feIrA, 13 De DeZembro De 201212

SInImBu

A Câmara de Comér-

cio, Indústria e Ser-

viços (Casis) de Si-

nimbu realizou uma

assembleia com seus associa-

dos para eleger a nova diretoria

e aproveitou para apresentar

o balanço geral da Exposin

2012. O lucro da festa somou

R$ 33.265,57, com um total de

22 mil pessoas participando

do evento. Ainda durante a

assembleia foram tratados

outros assuntos, como a pro-

gramação de Natal deste ano.

Durante a reunião, a pre-

sidente da Cacis, Sandra Ba-

ckes, falou sobre os resultados

da Exposin. “Atingimos um

público de 22 mil pessoas na

Exposin desse ano. O nosso

lucro também foi bom, apesar

de ter sido menor que o do ano

passado. Essa queda pode ser

justificada através dos gastos a

mais que tivemos em bandas e

eventos paralelos. Da mesma

forma, por ser ano eleitoral,

tivemos uma diminuição nos

patrocinadores”, avaliou.

Em relação ao consumo de

bebidas, Sandra disse que na

10ª edição da Exposin houve

uma queda no consumo. “Ti-

vemos uma queda no consumo

de bebida se comparado com

o ano passado. Um dos fato-

res acredito que tenha sido a

conscientização do pessoal

em relação a bebida e direção.

Foi anunciado em rádios que

haveria blitz em Rio Pardinho

e isso fez com que muitos,

inclusive, deixassem de vir

para Sinimbu”, explica. “O fato

de termos tido dois aumentos

significativos nos valores das

bebidas ao longo desse ano

também diminui nossa margem

de lucro, o que interferiu igual-

mente nos resultados finais”.

ALMOÇO DO CABRITODurante a reunião, também

foi falado sobre o Almoço do

Cabrito. Conforme Sandra, os

números gerais ainda não es-

tão inclusos no balanço da Ex-

posin, pois parte do valor dos

almoços será paga via boleto

pelos associados da Cacis, até

janeiro do próximo ano.

Conforme o Diretor de Even-

tos, Carlos Backes Filho, o

almoço teve um gastro extra,

o que pode justificar o possível

prejuízo na atração. “Tínhamos

um acordo em relação à com-

pra da carne por um determina-

do valor. Porém, uma semana

antes, a vigilância sanitária nos

avisou que haveria fiscalização

sobre o abate dos animais.

Não tivemos outra alternativa

a não ser comprar o cabrito

vivo e levar para o abate no

Matadouro Schulz”, explica.

“Isso nos rendeu um gasto

extra que não prevíamos. Além

disso, teve o fator da carne

que não rendeu tanto quanto

esperávamos. Isso justifica o

fato do almoço ter ficado no

vermelho”, completa.

Em meio à assembleia da

Cacis foi realizada a eleição

da nova diretoria da entidade.

Após formação de chapa,

Paulo Dhiel, então vice-presi-

dente, foi eleito, por aclama-

ção, presidente da Cacis para

o biênio 2013/2014. Paulo já

vinha participando ativamen-

te da entidade desde sua

criação, em 2000. Este ano,

em face da licença da atual

presidente, Sandra Backes,

para concorrer nas eleições

de 7 de outubro, Dhiel ficou à

frente da Cacis por pouco mais

de seis meses e coordenou a

organização da Exposin 2012

neste período.

Dentre os planos da nova

diretoria, que assume no final

de fevereiro, conforme os esta-

tutos da entidade, estão a defi-

nição sobre uma sede própria,

uma maior proximidade com o

associado, a profissionaliza-

ção da atuação da entidade

buscando agregar novas pos-

sibilidades de benefícios aos

associados e a intensificação

de cursos. “Temos um período

até assumirmos efetivamente

a entidade e vamos traçar me-

tas em conjunto com os mem-

bros da diretoria e aproveitar

as sugestões dos associados.

Daremos sequência a um tra-

balho que já vem sendo feito

e, além disso, pretendemos

intensificar as parcerias com a

Administração Municipal, mas

temos que esperar também a

posse do novo governo para

discutirmos ideias e projetos

em comuns, como a própria

Exposin”, resumiu Paulo Dhiel.

Cacis apresenta números da Exposin 2012

Nova diretoria para o biênio 2013/2014

Nova diretoriaPresidente: Paulo Dhiel

Vice indústria: Carlos Backes

Vice comércio: Astor Parnow

Tesoureira: Lisane Koch

2ª tesoureira: Cristina Backes

Secretária: Mônica Molz

2° secretário: Daniel Swarowsky

Diretora de cultura: Dirse Backes

Diretor de eventos: Laudério Staub

Conselho Fiscal: Ruben Ruhoff, Valdir

Mueller e Márcio Dagort.

Suplentes do Conselho Fiscal:

Paulo Backes, Diomar Swarowsky e

Daniel Backes.

SHOWS fIzerAm PArte DA PrOgrAmAçãO DO eVentO

PuBLICO PreStIgIOu AS DIVerSAS OPçõeS DA exPOSIn 2012

PAuLO DHIeL ASSume A PreSIDÊnCIA DA entIDADe

Page 13: Revista Valley

QUINta-feIra, 13 de deZembro de 2012 13

ODOntOLOgIA

A Funorte (Faculdades

Unidas do Norte de

Minas), com sua filial

no Instituto Parizotto

de Odontologia (IPO) em Santa

Cruz do Sul, lança novos cursos

de especialização: Endodontia,

Saúde Coletiva e da Família e

Dentística. No IPO, são ministra-

dos cursos de pós-graduação em

Odontologia.

Também estão sendo ofereci-

das as especializações em Orto-

dontia, Implantodontia, Prótese e

Odontopediatria, além dos cursos

de curta duração: Atualização em

Implantodontia, Atualização em

Periodontia, Aperfeiçoamento em

Estética Dental, Curso Master

de Cirurgia Reconstrutiva para

Implantodontia, Curso Master em

Cirurgia Bucal, Curso De Imersão

em Terapêutica Medicamento-

sa e Emergências Médicas em

Odontologia, Workshop Disjunção

Rápida de Maxila Cirurgicamente

Assistida e Curso de Imersão em

Gestão Odontológica.

ESPECIALIZAÇÃO EM ENDODONTIA

O curso tem duração de 24

meses e módulos mensais às

terças, quartas e quintas-feiras,

com início nos primeiros meses

de 2013. São 12 vagas, com

investimento de 24 parcelas de

R$ 1.400,00, mais R$ 150,00 de

inscrição. As inscrições até 30 de

novembro têm 10% de desconto

na primeira mensalidade.

CORPO DOCENTE

Luis Eduardo Souza Flamini

(coordenador, especialista em En-

dodontia pela FORP-US, mestre

em Endodontia pela FORP-USP

e doutorando em Endodontia

FORP-USP) e Graziela Bianchi

Leoni (especialista em Endo-

dontia pela FORP-USP, mestre

em Endodontia pela FORP-USP

e doutoranda em Endodontia

FORP-USP).

ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA E DA FAMÍLIA

O público-alvo deste curso são

todos os profissionais graduados

e que atuam na área da saúde,

especialmente na atenção básica

(odontólogos, enfermeiros, assis-

tentes sociais, fonoaudiólogos,

nutricionistas, etc.). Tem duração

de 12 meses e módulos mensais

às quintas, sextas e sábados,

com início nos primeiros meses

de 2013. São 20 vagas, com

investimento de 20 parcelas de

R$ 500,00, mais R$ 150,00 de

inscrição. As inscrições até 30 de

novembro têm 10% de desconto

na primeira mensalidade.

CORPO DOCENTE

Delsa Deise Macchetti Kana-

an (coordenação, doutora USP

e titular UNAERP), Sylvio Rocha

Correa da Silva (coordenação,

mestre e doutor UNESP), Luis

Jose Floriam (mestre e doutor

UNESP), Vlamir Oliveira da Silva

(mestre e doutor UNESP), Maria

Célia Tambasco Oliveira (mestre

USP), Angela Doretto (mestre

USP), Jorge Luis Jacob Liporaci

Junior (mestre e doutor USP)

ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA

O curso tem duração de 24

meses e módulos mensais às

quartas, quintas e sextas e sá-

bados, com início nos primeiros

meses de 2013. São 12 vagas,

com investimento de 24 parcelas

de R$ 1.000,00, mais R$ 150,00 de

inscrição. As inscrições até 30 de

novembro têm 10% de desconto

na primeira mensalidade.

CORPO DOCENTE

Aline Souza Gabriel (coordena-

dora, mestre e doutora em Dentís-

tica pela FORP/USP, professora

de Dentística da Universidade

de Ribeirão Preto, professora de

Pós-graduação da Universidade

de Ribeirão Preto - Mestrado e

Doutorado, coordenadora dos

Cursos de Especialização e Aper-

feiçoamento da Universidade de

Ribeirão Preto), Danielle Messias

(mestre e doutora em Dentística

pela FORP/USP (professora de

Dentística da Universidade de

Ribeirão Preto, professora de Pós

graduação da Universidade de Ri-

beirão Preto - Mestrado e Doutora-

do), José Carlos Dal Secco Lean-

drini (mestre em Reabilitação Oral

pela Universidade de São Paulo/

USP, professor da Universidade

de Ribeirão Preto, especialista e

Dentística Restauradora).

Funorte lança novos cursos com sede no IPOASSeSSOrIA CLínICA PArIzOttO/IPO

Page 14: Revista Valley

PArCerIA

A Confraria Crtl+A anun-

ciou a chegada de

mais um parceiro. A

Sorriso & Saúde Clí-

nica Dentária passa a ser a nova

patrocinadora, juntando-se a JTI,

Ana Nery e Dália Alimentos. A

equipe da Confraria, organiza-

da pela Atlântida e Zero Hora,

comemorou a parceria, que se

estenderá pelos próximos 12

meses.

A Clínica Sorriso & Saúde,

localizada na Rua Cristóvão Co-

lombo, 234, em Santa Cruz do

Sul, tem como principal objetivo

proporcionar todos os tratamen-

tos odontológicos em um só

lugar, com interação entre seus

especialistas para avaliações,

diagnósticos e planejamentos

das necessidades de cada pa-

ciente. Além disso, o cliente pos-

sui a vantagem de poder discutir

e planejar os custos e a duração

do seu tratamento, facilitando

ainda mais a conquista de um

sorriso perfeito.

A Sorriso & Saúde conta pro-

fissionais altamente qualificados,

entre odontólogos e auxiliares.

São quatro consultórios moder-

nos e com equipamentos de

última geração para todos os

tipos de atendimentos, desde os

mais simples, como restaurações

e limpeza, até os mais comple-

xos como cirurgias, aparelhos

ortodônticos, tratamentos de

canal, colocação de próteses

e implantes dentários. Dentre

os tratamentos estéticos que a

clínica contempla, estão o cla-

reamento com a utilização de

laser ou moldeiras, bem como

restaurações e próteses livres

de metal otimizando ainda mais o

resultado das reabilitações.

Um outro grande diferencial

da clínica está em poder contar

com um padrão de controle da

biosegurança, pois além do pro-

cesso normal de esterilizações,

também são realizados testes de

controle biológico para verificar

se o material realmente foi esteri-

lizado e encontra-se em perfeitas

condições de uso.

CONSULTÓRIO MÓVELA Sorriso & Saúde também

oferece a facilidade do dentista

ir até o paciente. Um consultório

móvel atende às pessoas que

estejam, por qualquer razão,

incapacitadas de se dirigirem à

Clínica. Um odontólogo se deslo-

ca à residência , hospital ou casa

geriátrica, portando um equipa-

mento portátil, mas com capaci-

dade de consultório odontológico

para realização de restaurações,

limpezas, extrações e próteses.

Confraria dá boas-vindas à Sorriso & Saúde

CLínICA SOrrISO & SAúDe PrOPOrCIOnA tODOS OS trAtAmentOS ODOntOLógICOS em um Só LugAr

Page 15: Revista Valley

QUINta-feIra, 13 de deZembro de 2012 15

SAúDe

A cada dia, novos pa-

cientes procuram

ajuda médica com

queixa sobre a mu-

dança na voz, a maioria destes

com histórico de tabagismo e

consumo de bebida alcoólica.

Esta situação faz parte da rotina

de um cirurgião de cabeça e

pescoço. Pouco conhecida, esta

especialidade ganhou destaque

em 2011 com a notícia de que o

ex-presidente Luiz Inácio Lula da

Silva havia sido diagnosticado

com câncer de laringe. Este é

um dentre diversos tumores que

fazem parte da área de assistên-

cia prestada pelos médicos Luiz

Alberto Hauth e Fábio Muradás

Girardi, que atuam no Centro de

Oncologia Integrado do Hospital

Ana Nery.

Normatizada nos Estados

Unidos em 1957, somente na dé-

cada de 80 a cirurgia de cabeça

e pescoço foi reconhecida pelo

Conselho Federal de Medicina

no Brasil. Atualmente, o país

conta com cerca de 400 profis-

sionais da área, encontrados em

sua maioria nos grandes cen-

tros. Os pacientes atendidos por

essa especialidade geralmente

são portadores de tumores

benignos e malignos da região

da face, fossas nasais, seios

paranasais, boca, faringe, larin-

ge, tireóide, glândulas salivares,

tecidos moles do pescoço, pa-

ratireóides e pele. A cirurgia de

cabeça e pescoço faz interface

com diversas outras especiali-

dades médicas e odontológicas

e, muitas vezes, a linha que as

divide é tênue e os pacientes

são tratados em conjunto entre

diversas especialidades.

Os cânceres de caneca e

pescoço, como a maioria dos de-

mais, possui boas taxas de cura

e resposta ao tratamento quan-

do diagnosticados em estágios

precoces. Os profissionais do

COI alertam o cuidado quando

houver o surgimento de nódulos,

manchas ou feridas no pescoço

e na face, a mudança do caráter

da voz e a dificuldade para en-

golir, especialmente quando tais

sinais ou sintomas ultrapassarem

duas semanas e o paciente per-

tencer a grupos de risco.

Indivíduos com neoplastias

malignas de cabeça e pesco-

ço podem ser agrupados em

três perfis típicos: mulheres de

meia-idade, portadoras de ne-

oplasias de tireoide e glândulas

salivares; homens trabalhadores

rurais ou com exposição solar

crônica, na faixa dos 50 aos 70

anos e os pacientes tabagistas

e/ou etilistas crônicos, na sua

maioria homens acima da meia-

-idade, com neoplasias da boca,

faringe e laringe.

Atualmente, o câncer de pele

é o subtipo mais incidente den-

tre todos os tumores malignos,

detectado na maioria das vezes

na face e pescoço. O câncer

de boca é o segundo câncer

mais frequente dessa região,

ocupando a 5ª posição entre

homens no Brasil. O médico

Fábio Girardi explica que na

região do Vale do Rio Pardo

essa realidade não é diferente.

“O perfil da nossa população é

de risco para ambas neoplasias.

Temos um grande número de

pacientes trabalhadores rurais

e a presença do tabaco na vida

destas pessoas é marcante. Os

hábitos de vida costumam ser

os maiores influenciadores do

surgimento de tumores dessa

região”, comenta.

Um dos focos trabalhados

pela equipe multidisciplinar do

Centro de Oncologia Integrado

é a prevenção, indicada por Luiz

Alberto Hauth como uma grande

aliada. “Medidas de proteção,

como o uso de chapéu, camisas

de manga longa e protetores

solares são fundamentais. Da

mesma forma, evitar o consumo

de bebidas alcoólicas e cigarro

auxiliam na redução de risco de

desenvolvimento de alguns des-

ses tumores”, lembra o médico.

Referência no tratamento do

câncer há 12 anos nas regiões

do Vale do Rio Pardo e Centro

Serra, o COI realiza procedi-

mento que, até pouco tempo

atrás, apenas grandes centros

ofereciam, beneficiando uma

população de aproximadamente

650 mil pessoas. Na especiali-

dade de cirurgia de cabeça e

pescoço, são atendidos men-

salmente na instituição cerca

de 200 pacientes pelo Sistema

Único de Saúde e, ao longo do

ano, são realizadas em torno de

600 cirurgias.

Centro do Oncologia Integrado oferece especialidade em cirurgia de cabeça e pescoçoASSeSSOrIA De ImPrenSA HAn

O paciente é o sentido do nosso trabalho. O diferencial do Centro de Oncologia Integrado do Hospital Ana Nery consiste em unir técnica à sensibilidade de reconhecer que cada ser humano é único.

Rua Pereira da Cunha, 209Bairro Ana Nery - 51 2106.4421Santa Cruz do Sulwww.hospitalananery.com.br

Tratar bem é cuidarde cada detalhe.

BrAu

LIO

StA

uB

LuIz ALBertO HAutH e fÁBIO murADÁS gIrArDI AtuAm nO COI e PreStAm ASSIStÊnCIA AOS PACIenteS COm PAtOLOgIAS CIrúrgICAS De CABeçA e PeSCOçO

Page 16: Revista Valley

QUINTA-feIrA, 13 De DeZembro De 201216

reCOnHeCImentO

Três prêmios colocam em destaque a atuação da Unimed VTRP

ASSeSSOrIA De ImPrenSA unImeD VtrP

Em pouco mais de

um mês, o trabalho

desenvolvido pela

Unimed Vales do

Taquari e Rio Pardo (Unimed

VTRP) foi reconhecido em três

premiações, duas nacionais e

uma estadual. A organização

se destacou no Cooperativa do

Ano, promovido pela Organi-

zação das Cooperativas Brasi-

leiras (OCB); Prêmio Nacional

Unimed de Relacionamento com

o Cliente, realizado pela Central

Nacional Unimed (CNU); e Prê-

mio de Responsabilidade Social

da Assembleia Legislativa (AL).

Segundo o presidente da

Unimed VTRP, Carlos Antonio

da Luz Rech, estas distinções

devem ser muito valorizadas,

considerando o fato de a Co-

operativa atuar em um setor

extremamente regulado, seguin-

do resoluções e exigências da

Agência Nacional de Saúde Su-

plementar (ANS). “Quando rece-

bemos estes reconhecimentos,

percebemos que a dedicação de

nossas pessoas é o que temos

de mais significativo em nossa

organização, pois todos fazem

mais do que simplesmente seu

trabalho”, constata Rech.

Cooperativa do AnoNo dia 30/11, em Porto Alegre,

a Unimed VTRP foi agraciada

com o 1º lugar na etapa estadual

do Prêmio Cooperativa do Ano -

Categoria Cooperativa Cidadã,

pelo programa Cuidar e Viver.

Em nível nacional, ficou em 2º

lugar na mesma categoria. Ao

todo, o prêmio mobilizou 138

cooperativas, que inscreveram

212 projetos em sete categorias.

Desenvolvido desde 1989, o

Cuidar e Viver foi o primeiro pro-

grama social da Unimed VTRP.

Concede gratuitamente consul-

tas médicas a entidades que

atendem crianças, adolescentes

e pessoas com deficiência, como

forma de proporcionar uma me-

lhora da qualidade de vida destas

pessoas, pelo acesso facilitado a

médicos especialistas. Este ano,

foram 79 entidades e mais de 2,6

mil guias disponibilizadas.

Responsabilidade SocialPelo nono ano consecutivo,

a Unimed VTRP se destacou

no Prêmio de Responsabilidade

Social da AL. Foi uma das 40

organizações agraciadas com a

medalha, entregue no dia 28/11,

em Porto Alegre. A Cooperativa

estimula o voluntariado entre

seus colaboradores; disponibiliza

coletores ecológicos para que

a comunidade faça o descarte

correto de pilhas, celulares,

medicamentos vencidos, entre

outros materiais; e trabalha a

sexualidade e o planejamento

familiar com adolescentes.

Relacionamento com clientes

No Prêmio Nacional Unimed

de Relacionamento com o Clien-

te, entregue em 26/10, em São

Paulo, a Cooperativa conquistou

o 3º lugar na categoria grande

porte. Participaram 61 singulares

Unimed de todo o país.

PreSIDente DA unImeD VtrP, méDICO CArLOS AntOnIO DA Luz reCH (AO CentrO), nA entregA DA PremIAçãO DA ASSemBLeIA LegISLAtIVA

DIV

uLg

AçãO