SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL ?· PRÉ-PROJETO SOBRE PRODUÇÃO DE PRODUÇÃO QUALIFICADA EM…

Embed Size (px)

Text of SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL ?· PRÉ-PROJETO SOBRE PRODUÇÃO DE PRODUÇÃO QUALIFICADA...

ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL

Rua Zadir ndio, N 213, Edifcio Luz Centro Macei CEP 57.020.480 Fone / Fax (82) 3315-2373 E-mail: projetos.seds@gmail.com

ANEXO II DO EDITAL DE CHAMADA PBLICA N 8 SENASP/MJ DE 25 DE JUNHO DE 2012

PR-PROJETO SOBRE PRODUO DE PRODUO QUALIFICADA EM SEGURANA PBLICA POLCIA CIVIL

PR-PROJETO

1. OBJETO: Implementar e fortalecer ncleo de estatstica e pesquisa que gere informao capaz de subsidiar processos gerenciais, programas, planos e projetos na rea de segurana pblica.

2. RESPONSVEIS PELO PROJETO, E-MAIL E TELEFONE Nome da Instituio Proponente: Secretaria de Estado da Defesa Social Responsvel pela Gesto administrativa de convnios: Francisco Medson Lima Maia Diretor do Departamento de Estatstica e Informtica da Polcia Civil do Estado de Alagoas N de telefone fixo: (82) 3315-2605 N de telefone celular: (82) 8833-8511 E-mail: medson.maia@pc.al.gov.br Responsvel tcnico pelo projeto: Evandro da Silva Aranda Agente de Polcia Civil N de telefone fixo: (82) 3315-2695 N de telefone celular: (82) 9919-3423 E-mail: evandro.aranda@pc.al.gov.br 3. CARACTERIZAO / DETALHAMENTO DO PROJETO 3.1.1. Objetivo Geral

Estruturar na Secretria de Estado de Defesa Social, especialmente no mbito da Polcia Civil, uma metodologia de gerao de informaes, pesquisa e anlise em segurana pblica, que em conjunto com instituies de ensino superior, grupos e centros de pesquisa, subsidie tomadas de deciso no que tange a alocao de recursos, projetos, programas e polticas de segurana pblica. 3.1.2 Objetivos Especficos.

a. Capacitar os servidores da Secretaria de Estado de Defesa Social do Estado de Alagoas que trabalham na rea de gerao de informaes para que possam utilizar ferramentas de informtica e conhecimentos de estatstica a fim de subsidiar a sistematizao de informaes que serviro de base para pesquisas e anlise em segurana pblica.

b. Disponibilizar para delegacias, gestores de rgos de segurana pblica, pesquisadores, estudantes, associaes de moradores e outros interessados em ambiente eletrnico: informaes, grficos e relatrios sobre segurana pblica gerados pelo Departamento de Estatstica e Informtica da Polcia Civil de Alagoas

c. Prover a Diretoria de Estatstica e Informtica da Polcia Civil de recursos materiais que auxiliem a aplicao de ferramentas de informtica e conhecimentos de estatstica a fim de subsidiar a sistematizao de informaes que serviro de base para pesquisas e anlise em segurana pblica

d. Elaborar um programa de parcerias com Instituies de Ensino Superior, grupos e centros de pesquisa que possam gerar informao e pesquisa que subsidiem tomadas de deciso no que tange a alocao de recursos,

ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL

Rua Zadir ndio, N 213, Edifcio Luz Centro Macei CEP 57.020.480 Fone / Fax (82) 3315-2373 E-mail: projetos.seds@gmail.com

processos gerenciais, projetos, programas e polticas de segurana pblica. e. Analisar a distribuio de servidores, armas e equipamentos e os processos de

trabalho da Polcia Civil no Estado de Alagoas, atravs de conhecimentos em Gerenciamento de Processos de Negcio (Business Process Management - BPM), visando subsidiar elaborao de Projeto de Gesto.

f. Elaborar Projeto de Gesto para a Polcia Civil de Alagoas a partir dos diagnsticos realizados utilizando um conjunto de prticas em gerenciamento de projetos conhecidas por Project Management Body of Knowledge, ou PMBOK.

3.2 JUSTIFICATIVA 3.2.1. Apresentao de diagnstico

A violncia e a criminalidade registram um aumento sem precedentes desde o fim

da Segunda Guerra Mundial em todas as sociedades ocidentais marcada pelo aparecimento das gangs urbanas, das rixas, da intolerncia, do aumento do consumo das drogas, etc.. Este fenmeno do aumento da criminalidade expandiu-se na virada do sculo XX para o XXI de forma globalizada. Ted Gurr, embora se atenha aos estudos sobre as formas da violncia coletiva, tem proposto como outros pesquisadores na rea da violncia e Criminalidade a rdua defesa de teorias que se prope ao estudo correlato entre o aumento da violncia e o fracasso da modernidade enquanto estrutura econmica e poltica. a defesa da tese da privao relativa e sua curva J. Esta relao entre estrutura e conjuntura socioeconmicas e a criminalidade uma das possibilidades e que tem produzido um maior efeito de logstica na anlise sobre a violncia e discusso do crime em todas as sociedades ocidentais. As falhas poltico-econmicas somadas as fraturas estruturais compe uma srie de fatores que podem explicar o aumento da criminalidade no mundo urbano ocidental e a isto se somam a decadncia educacional, a toxicomania e o consumo da violncia pela televiso. Entretanto, o estudo da violncia por si s j demanda uma problemtica na argumentao conceitual, qui metodolgica.

O estudo da violncia tem implicado em anlises cada vez mais direcionadas sua caracterizao fenomenolgica e ontolgica, enquanto o estudo do crime e da criminalidade tm se resguardado ao interesse cada vez mais tcnico e tecnolgico. Esta separao metodolgica e a dicotomia apresentada deve ser relativizada e em certos casos evitada.

Como levantado em dados recentes por Lima1 o problema da criminalidade e da segurana pblica no pas exige interpretaes e significados assumidos pelas anlises entre as teorias e os dados da estatstica criminal, o que ainda um conhecimento precrio no pas e que se tentou promover mediante as pesquisas de vitimizao. Estas no trazem resultados eficazes, pois a ausncia de interpretaes referenciada pela sua pobreza terica. Isto traz uma separao crnica entre os Planos de Segurana Pblica e as instituies de justia criminal j que o uso das estatsticas no devidamente analisado, equalizado e amparado pelas discusses profcuas de modelos interpretativos. Isto tem um resultado perverso na sociedade brasileira que so as resolues pouco eficazes, espetaculosas e pouco democrticas at hoje apresentadas. Entretanto, recentemente, percebe-se uma diferena do olhar das instituies de justia

1 - LIMA, Renato Srgio. A produo da Opacidade. In.: Novos Estudos

Cebrap Dossi Segurana Pblica. So Paulo. V.08. 2008. pp.: 65-69.

ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL

Rua Zadir ndio, N 213, Edifcio Luz Centro Macei CEP 57.020.480 Fone / Fax (82) 3315-2373 E-mail: projetos.seds@gmail.com

e segurana, bem como das agncias de estatsticas que veem o crime, no como categoria penal, e sim como ele socialmente percebido e sentido (LIMA, 2008, p. 67).

Neste vis, a Secretaria de Estado de Defesa Social, especialmente atravs da Polcia Civil de Alagoas se prope a qualificar a produo de seus dados para que em conjunto com instituies de ensino superior, grupos e centros de pesquisa os analise sob o olhar de mltiplas facetas do conhecimento na busca de solues para o problema da criminalidade, alm disso a Polcia Civil pretende ter como informao estratgica no s a distribuio de recursos humanos, armas e equipamentos mas tambm pretende modelar a gerncia de seus processos, na busca de uma melhor qualidade em sua atuao.

A produo de informaes estatsticas e de Anlise Criminal no Estado de Alagoas acontecem no Ncleo de Estatstica e Anlise Criminal da Secretaria de Estado de Defesa Social(NEAC/SEDS) e na Diretoria de Estatstica e Informtica da Polcia Civil (DEINFO/PC) atravs da Gerencia de Estatstica e Anlise Criminal (GEAC/PC), que processam dados de registro de ocorrncias criminais para produo de informaes qualificadas. A Diretoria de Informtica e Estatstica da Polcia Civil trabalha mais focada em produo de informao dentro das atribuies da Polcia Civil e o Ncleo de Estatstica e Anlise Criminal da Secretaria de Estado de Defesa Social produz informaes que incluem outros rgos operativos (IML, PM, Percia).Dentre as dificuldades encontradas para a produo de informao fidedigna, destacamos a qualidade da alimentao dos sistemas de bancos de dados dos rgos de segurana pblica. No raro encontram-se boletins de ocorrncia com informaes incorretas, falta de dados, duplicaes e outras incongruncias nos sistemas SISPOLWEB (Polcia Civil) e SISGOU (Polcia Militar, Instituto Mdico Legal e Percia), o que demanda um trabalho contnuo de minerao, tratamento e validao dos dados disponibilizados.

Portanto, como ponto inicial desta proposio indicamos como essencial o treinamento dos servidores que trabalham na rea de gerao de informao na ferramenta atualmente mais adequada para esse fim: o software Pentaho. O Pentaho uma plataforma para criao de solues de Business Intelligence (BI), que inclui recursos de gerao de relatrios, integrao e armazenamento de dados (datawarehousing), anlise de informaes (OLAP), painis (dashboards) para controle gerencial e minerao de dados (Data Mining), constituindo o mais popular e poderoso sistema de BI software livre mundial. A capacitao atingir servidores que trabalham e trabalharo no tratamento de informaes no Ncleo de Estatstica e Anlise Criminal da Secretaria de Estado de Defesa Social(NEAC/SEDS) e na Diretoria de Estatstica e Informtica da Polcia Civil(DEINFO), 15 dos quais esto lotados fisicamente nos rgos citados e 25 na atividade de analista de processos e de dados no mbito da Polcia Civil do Estado, os servidores que estaro designados para tal atividade tero como funo o tratamento de dados e de processos em cada uma das 25 AISPs (reas Integradas de Segurana Pblica) distribudas no Estado, monitorando e solicitando correo dos dados informados incorretamente no SISPOLWEB e SISGOU, alm de produzirem relatrios estatsticos e gerenciais relativos a cada AISP em que se encontrar. Tais designaes, entre outras, esto elencadas na portaria n 2986/2012 DGPC-GD, publicada no Dirio Oficial do Estado de Alagoas e