UNDB – ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E SANITÁRIAS Esgoto e ventilação sanitária INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Dimensionamento

  • View
    179

  • Download
    6

Embed Size (px)

Text of UNDB – ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E SANITÁRIAS Esgoto e ventilação sanitária...

  • Slide 1
  • UNDB ENGENHARIA CIVIL INSTALAES HIDRULICAS E SANITRIAS Esgoto e ventilao sanitria INSTALAES PREDIAIS DE ESGOTAMENTO SANITRIO Dimensionamento Prof. Jean Mark
  • Slide 2
  • DIMENSIONAMENTO - Desconectores Todo desconector deve satisfazer s seguintes condies: ter fecho hdrico com altura mnima de 0,05 m; apresentar orifcio de sada com dimetro igual ou superior ao do ramal de descarga a ele conectado.
  • Slide 3
  • DIMENSIONAMENTO - caixas sifonadas As caixas sifonadas devem ter as seguintes caractersticas mnimas: ser de DN 100, quando receberem efluentes de aparelhos sanitrios at o limite de 6 UHC; ser de DN 125, quando receberem efluentes de aparelhos sanitrios at o limite de 10 UHC; ser de DN 150, quando receberem efluentes de aparelhos sanitrios at o limite de 15 UHC.
  • Slide 4
  • DIMENSIONAMENTO - Ramais de descarga e de esgoto UHC dos aparelhos sanitrios e dimetro nominal mnimo dos ramais de descarga.
  • Slide 5
  • Tabela 1: UHC dos aparelhos sanitrios e dimetro nominal mnimo dos ramais de descarga.
  • Slide 6
  • DIMENSIONAMENTO - Ramais de descarga e de esgoto Tabela 2: Unidades de Hunter de Contribuio para aparelhos no relacionados na tabela 1.
  • Slide 7
  • DIMENSIONAMENTO - Ramais de descarga e de esgoto Tabela 3: Dimensionamento de ramais de esgoto.
  • Slide 8
  • DIMENSIONAMENTO - Instalao Sanitria
  • Slide 9
  • DIMENSIONAMENTO - Tubos de queda Os tubos de queda podem ser dimensionados pela somatria das UHC, conforme valores indicados na tabela 4.
  • Slide 10
  • DIMENSIONAMENTO - Tubos de queda Quando apresentarem desvios da vertical, os tubos de queda devem ser dimensionados da seguinte forma: Quando o desvio formar ngulo igual ou inferior a 45 com a vertical; Quando o desvio formar ngulo superior a 45 com a vertical.
  • Slide 11
  • DIMENSIONAMENTO - Tubos de queda Quando o desvio formar ngulo igual ou inferior a 45 com a vertical: O tubo de queda dimensionado com os valores indicados na tabela 6.
  • Slide 12
  • Tubos de queda Tabela 6: Dimensionamento de colunas e barriletes de ventilao.
  • Slide 13
  • DIMENSIONAMENTO - Tubos de queda Quando o desvio formar ngulo superior a 45 com a vertical, deve-se dimensionar: A parte do tubo de queda acima do desvio USAR A TABELA 4; A parte horizontal do desvio USAR A TABELA 5; A parte do tubo de queda abaixo do desvio USAR A TABELA 4. (no podendo o DN adotado, neste caso, ser menor do que o da parte horizontal).
  • Slide 14
  • DIMENSIONAMENTO - Tubos de queda Tabela 5: Dimensionamento de subcoletores e coletor predial.
  • Slide 15
  • DIMENSIONAMENTO - Coletor predial e subcoletores O coletor predial e os subcoletores podem ser dimensionados pela somatria das UHC conforme os valores da tabela 5. O coletor predial deve ter dimetro nominal mnimo DN 100.
  • Slide 16
  • DIMENSIONAMENTO - Coletor predial e subcoletores No dimensionamento do coletor predial e dos subcoletores em prdios residenciais, deve ser considerado apenas o aparelho de maior descarga de cada banheiro para a somatria do nmero de UHC.
  • Slide 17
  • DIMENSIONAMENTO - Tubo de Ventilao Para o dimensionamento do tubo de ventilao USAR A TABELA 6. Para o dimensionamento dos ramais de ventilao USAR A TABELA 7.
  • Slide 18
  • Tubo de Ventilao Tabela 6: Dimensionamento de colunas e barriletes de ventilao.
  • Slide 19
  • DIMENSIONAMENTO - Tubo de Ventilao Tabela 7: Dimensionamento de ramais de ventilao.
  • Slide 20
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES Caixas de gordura; Caixas de passagem; Dispositivos de inspeo.
  • Slide 21
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES - caixas de gordura As caixas de gordura devem ser dimensionadas levando-se em conta o que segue: para a coleta de apenas uma cozinha, pode ser usada a caixa de gordura pequena ou a caixa de gordura simples; para a coleta de duas cozinhas, pode ser usada a caixa de gordura simples ou a caixa de gordura dupla;
  • Slide 22
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES - caixas de gordura As caixas de gordura devem ser dimensionadas levando-se em conta o que segue: Para a coleta de trs at 12 cozinhas, deve ser usada a caixa de gordura dupla; Para a coleta de mais de 12 cozinhas, ou ainda, para cozinhas de restaurantes, escolas, hospitais, quartis, etc., devem ser previstas caixas de gordura especiais.
  • Slide 23
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES - caixas de gordura As caixas de gordura devem ser divididas em duas cmaras, uma receptora e outra vertedoura, separadas por um septo no removvel.
  • Slide 24
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES tipos de caixas de gordura Pequena (CGP), cilndrica, com as seguintes dimenses mnimas: dimetro interno: 0,30 m; parte submersa do septo: 0,20 m; capacidade de reteno: 18 L; dimetro nominal da tubulao de sada: DN 75;
  • Slide 25
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES tipos de caixas de gordura Simples (CGS), cilndrica, com as seguintes dimenses mnimas: dimetro interno: 0,40 m; parte submersa do septo: 0,20 m; capacidade de reteno: 31 L; dimetro nominal da tubulao de sada: DN 75;
  • Slide 26
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES tipos de caixas de gordura Dupla (CGD), cilndrica, com as seguintes dimenses mnimas: dimetro interno: 0,60 m; parte submersa do septo: 0,35 m capacidade de reteno: 120 L; dimetro nominal da tubulao de sada: DN 100;
  • Slide 27
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES tipos de caixas de gordura Especial (CGE), prismtica de base retangular, com as seguintes caractersticas: distncia mnima entre o septo e a sada: 0,20 m; volume da cmara de reteno de gordura obtido pela frmula: V = 2N + 20 Em que: N o nmero de pessoas servidas pelas cozinhas. (no turno em que existe maior afluxo); V o volume, em litros;
  • Slide 28
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES Caixas de passagem As caixas de passagem devem ter as seguintes caractersticas: Quando cilndricas, ter dimetro mnimo igual a 0,15 m; Ser providas de tampa cega, quando previstas em instalaes de esgoto primrio; Ter altura mnima igual a 0,10 m; Ter tubulao de sada dimensionada pela tabela de dimensionamento de ramais de esgoto, sendo o dimetro mnimo igual a DN 50.
  • Slide 29
  • DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES Dispositivos de inspeo As caixas de inspeo devem ter: profundidade mxima de 1,00 m; forma prismtica, de base quadrada ou retangular, de lado interno mnimo de 0,60 m, ou cilndrica com dimetro mnimo igual a 0,60 m; tampa facilmente removvel, permitindo perfeita vedao; fundo construdo de modo a assegurar rpido escoamento e evitar formao de depsitos.
  • Slide 30
  • SIMBOLOGIA
  • Slide 31
  • SIMBOLOGIA (cont.)
  • Slide 32
  • EXEMPLOS DE DIMENSIONAMENTO: Planta baixa de um banheiro simples
  • Slide 33
  • Referncias Bibliogrficas Tebcharani, Ganem Jean. APOSTILAS DO CURSO DE INSTALAES PREDIAIS HIDRULICAS E SANITRIAS. Campo Grande, 2010.