Vit³ria - .Alguns faziam planos de reformar a casa, abrir seu pr³prio neg³cio, sair do aluguel,

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Vit³ria - .Alguns faziam planos de reformar a casa, abrir seu pr³prio neg³cio, sair...

  • Revista do Sindicato dos Trabalhadores em Centrais de Abastecimento de Alimentos do Estado de So Paulo

    Revista do Sindicato dos Trabalhadores em Centrais SETEMBRO 2010

    Edio histrica Edio histrica Edio histrica Edio

    Vitria inditados trabalhadoresAps 20 anos de luta, Sindbast conquista na Justia boa parte dos direitos ex-trabalhadores da Cooperativa Agrcola de Cotia

  • 3

    O fim da morosidade da Justia?editorial

    Em nosso Estado de Direito, vige o princpio de que a tutela jurdica a proteo conferida aos homens, quer em relao aos seus bens ou s relaes pessoais deve ser prestada exclusivamente pelo Estado.

    E o processo o instrumento utilizado pela pessoa para obter a tutela jurdica estatal, que se d mediante a preservao, conservao ou obteno de direitos, essenciais para o bem estar humano.

    Com efeito, o processo judicial exige mecanismos para que se faa justia,

    em termos gerais, dando-se a cada um o que seu.

    No entanto, a vida tem demonstrado que a mquina judiciria encontra-se emperrada. A demora processual tamanha, como bem sabem todos aqueles que aguardam a satisfao de um direito pela via judicial, que alguns litigantes sequer sobrevivem espera do fim do processo, deixando, involuntariamente, os direitos para os seus herdeiros.

    Um exemplo a saga dos ex-trabalhadores da Cooperativa Agrcola de Cotia, apresentada nesta edio especial de A Balana. Um processo que se arrasta por 20 anos e que s agora comea a recompensar aqueles que dedicaram anos de suas vidas a essa cooperativa. Primeiro, os empregados foram vtimas da m gesto da CAC. Depois, foram vtimas da morosidade da Justia brasileira.

    Rui Barbosa j dizia que A justia atrasada no justia; seno injustia qualificada e manifesta.

    E, para tentar pr fim morosidade e garantir mais efetividade ao Judicirio, foi apresentado junto ao Congresso Nacional o anteprojeto de lei do novo Cdigo de Processo Civil. A nova norma, se aprovada, substituir o cdigo vigente que data de 1973. O ministro do Superior Tribunal de Justia Luiz Fux, presidente da comisso do anteprojeto, acredita que com as mudanas, o tempo para um processo chegar ao fim deve cair pela metade.

    O novo CPC, entre outras inovaes e alteraes, prev a reduo do nmero de recursos disponveis e a fixao ampliativa de honorrios advocatcios a cada recurso, o que, sem dvida, desestimular a prtica de interposio de recursos meramente protelatrios. O anteprojeto tambm prope a extino do agravo de instrumento, como conhecemos hoje que somente

    existir para questionar decises urgentes concedidas em liminares e no mais para discutir toda e qualquer deciso que no seja de mrito e dos embargos infringentes. A proposta concentra em um nico recurso de apelao toda a matria recorrvel do processo.

    A grande novidade a figura do incidente de resoluo de demandas, instrumento pelo qual se pretende evitar que milhares de aes sobre o mesmo tema como por exemplo a cobrana de assinatura bsica de telefonia abarrotem o Judicirio com decises diferentes em cada tribunal, ou seja, um nico processo servir de parmetro para todos os demais; uniformizando-se, assim, as decises.

    Outra novidade que o juiz fica autorizado, de imediato, a negar ou conceder o pedido da parte se sobre o tema j houver jurisprudncia consolidada dos tribunais superiores, as conhecidas smulas.

    Porm, vlido dizer, ainda, que por si a aprovao de nova lei no basta para estancar a sangria da morosidade. Vide que na Justia do Trabalho as regras do processo civil somente se aplicam subsidiariamente, e o processo regido pelas normas constantes da Consolidao das Leis do Trabalho (CLT). Com rito processual mais enxuto, as aes, em muitos casos tm levado anos para ser resolvidas.

    O avano tambm depender de investimento na estrutura humana do Poder Judicirio para qualificar mais seus servidores e adotar medidas de incentivo na prestao dos servios burocrticos.

    preciso reconhecer, ainda, a necessidade de outras medidas que visem celeridade processual, como o estmulo conciliao, que se deu pela implantao da Semana Nacional de Conciliao, a qual - segundo dados oficiais, apresentou resultados satisfatrios.

    Necessrio, sobretudo, continuar na busca por solues negociadas bem como rezar para que mude alguma coisa naquele antro de vagabundos (com raras excees) que o Senado e a Cmara Federal e assim as leis se alterarem em favor da cidadania.

    Talvez seja uma forma de que, no futuro, nunca mais tenhamos de esperar 20 anos para se comear a fazer justia.

    Enilson Simes de Moura (Alemo)

    Presidente do Sindbast

  • 4

  • 5

    Marco

    Conquista histrica Aps mais de 20 anos de luta, Sindbast e ex-trabalhadores da Cooperativa Agrcola de Cotia comemoram a liberao da quarta parcela da indenizao trabalhista que, para muitos, possibilitou a esperana de mudar de vida

    Hoje o dia mais feliz da minha vida!. Foi as-sim que Ccero Luiz T. Andrade, de 47 anos, ex--funcionrio da Cooperativa Agrcola de Cotia, resumiu o sentimento de vitria e justia. Ele e dezenas de

    colegas, que trabalharam na CAC e que foram representados

    pelo Sindbast numa ao trabalhista, se reuniram na sede do

    Sindicato, em 22 de julho, para receber o cheque da quarta

    parcela da indenizao.

    A data entrou para a histria do Sindicato e da vida des-

    ses trabalhadores. Afinal foram mais de 20 anos de espera,

    agonia, esperana e grande luta. uma vitria histrica

    em prol dos trabalhadores. Talvez, uma das maiores do Pas.

    Alguns se dedicaram CAC por dcadas e saram de l sem

    um centavo no bolso. A Justia tarda, mas no falha!, co-

    memora Enilson Simes de Moura, o Alemo, presidente do

    Sindbast.

    A indenizao referente ao pagamento de benefcios conce-

    didos categoria pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST),

    nos dissdios coletivos de 1987, 1988 e 1989, entre o Sind-

    bast e a CAC, comeou a ser paga em fevereiro de 2008. De

    l pra c, cerca de 540 trabalhadores haviam recebido trs

    parcelas. No entanto, somente agora a Justia liberou um

    montante significativo, fruto do leilo de imveis com valo-

    res elevados que pertenciam ao patrimnio da cooperativa

    falida.

    Assim que soube da liberao do dinheiro, o Sindicato come-

    ou a ligar para os seus representados, dando a boa notcia

    e solicitando a todos para comparecer na sede e retirar o

    cheque.

    O evento que deu incio entrega da quarta parcela da in-

    denizao trabalhista acabou virando uma grande confrater-

    nizao entre os ex-funcionrios da CAC (confira as fotos nas

    pginas 16 e 17). Todos comemoraram a vitria histrica do

    Sindbast que no se intimidou diante da morosidade da Jus-

    tia brasileira, do poder dos gigantes financeiros, da com-

    plexidade do processo e da descrena de muitos envolvidos.

    Mais que uma vitria nossa ou dos trabalhadores, uma vi-

    tria da cidadania, pois conseguimos demonstrar que, dife-

    rentemente daqueles que pensam que o movimento sindical

    vem perdendo seu papel, uma atuao como essa sinaliza

    a importncia do sindicato como integrante da sociedade

    civil, destaca Alemo.

    Alemo comenta sobre

    a vitria histrica do

    Sindbast em prol dos

    trabalhadores

  • 6

    Em 18 de agosto, os ex-trabalhadores da CAC voltaram

    ao Sindbast para a retirada de mais um cheque da

    indenizao trabalhista. Trata-se do saldo remanescente

    do pagamento das trs primeiras parcelas, resultantes

    da liquidao de imveis pertencentes cooperativa

    na regio do Jaguar, zona oeste de So Paulo. O

    valor residual havia ficado retido pela 4 Vara Cvel de

    Pinheiros, enquanto se discutia na Justia o direito de

    preferncia dos trabalhadores. O acordo com os bancos

    no processo de Mogi das Cruzes acabou refletindo

    no desfecho da ao do Sindbast contra a execuo

    bancria do Banco do Brasil, em Pinheiros, explica o

    advogado do Sindicato, Dr. Emerson Douglas Eduardo

    Xavier dos Santos, que atua no processo juntamente com

    o Dr. Amadeu Garrido. Com a liberao dessa parcela, o

    processo em Pinheiros foi encerrado.

    No incio do encontro, Alemo conversou com os trabalha-

    dores e comentou sobre a capacidade de negociao do Sin-

    dicato com os bancos, autorizada em assembleia, que foi

    fundamental para a liberao de mais uma parcela. O lder

    ainda sugeriu aos trabalhadores utilizar o dinheiro da inde-

    nizao com cautela.

    O advogado do Sindbast, Dr. Amadeu Garrido, que esteve

    frente do processo durante todo o perodo tambm des-

    taca que a vitria s foi possvel com a juno do trabalho

    jurdico e a capacidade negocial do Sindicato. A dedicao

    constante, diria e harmoniosa entre advogados e os dirigen-

    tes sindicais, Alemo, Paulo, Ivo e outros companheiros, foi

    imprescindvel para o resultado que alcanamos.

    Aps mais de 20 anos de um trabalho incessante e muitas

    batalhas, o sentimento do Dr. Amadeu hoje de dever cum-

    prido. Sentimento de um dever, no meramente profissio-

    nal, mas histrico, dado o nosso compromisso no s com o

    Direito, mas com a justia social, ressalta o advogado.

    Reconhecimento e planos de mudar de vida

    O incio da entrega dos cheques foi marcado por muita

    emoo e alegria. Com lgrimas nos olhos ou com as mos

    trmulas, muitos no acreditavam no valor que estavam

    recebendo e que o grande dia, finalmente, havia chegado.

    Alguns faziam planos de reformar a casa, abrir seu prprio

    negcio, sair do aluguel, investir nos estudos dos filhos,

    viajar ou simplesmente poupar para o futuro e ter uma re-

    serva na