Click here to load reader

Teologia 36

  • View
    65

  • Download
    8

Embed Size (px)

Text of Teologia 36

DOUTRINA CRIST DA ORAO Jos Joaquim Gonalves de Faria

Convenio FENIPE e FATEFINA Promoo dos 300.000 Cursos Grtis Pelo Sistema de Ensino a Distancia SED

CNPJ 21.221.528/0001-60

Registro Civil das Pessoas Jurdicas n 333 do Livro A-l das Fls. 173/173 v, Fundada em 01 de Janeiro de 1980, Registrada em 27 de Outubro de 1984

Presidente Nacional Reverendo Pr. Gilson Aristeu de Oliveira

Coordenador Geral Pr. Antony Steff Gilson de Oliveira

APOSTILA N. 17/300.000 MIL CURSOS GRATIS EM 76 PAGINAS.

Apostila 36

DOUTRINA CRIST DA ORAO 2.

DOUTRINA CRIST DA ORAO.PGINA

INTRODUO. 04

I, O QUE ORAO CRIST? 04

II, COMO CONVERSARMOS COM DEUS? 06

III, NFASES, OU TIPOS DE ORAO. 06

III, 1, ORAO INVOCATRIA. 07

III, 2, ORAO DE ADORAO. 07

III, 3, ORAO DE LOUVOR. 07

III, 4, ORAO GRATULATRIA, (AO DE GRAAS). 07

III, 5, ORAO DE CONFISSO DE PECADOS. 08

III, 6, ORAO DE ARREPENDIMENTO. 08

III, 7, ORAO PETICIONRIA. 08

III, 7, A, ORAO DE PEDIDO DE PERDO. 08

III, 7, A, a, ORAO DE PEDIDO DE PERDO DE PECADOS PESSOAIS. 08

III, 7, A, b, ORAO DE PEDIDO DE PERDO DE PECADOS

DO GRUPO A QUE PERTENCEMOS, (INTERCESSRIA). 08

III, 7, A, c, ORAO DE PEDIDO DE PERDO DE PECADOS

DE OUTRA (S) PESSOA (S), OU SEJA, DE TERCEIROS (INTERCESSRIA). 09

III, 7, B, ORAO DE PEDIDO DE BNOS. 09

III, 7, B, a, ORAO DE PEDIDO DE BNOS PESSOAIS. 09

III, 7, B, b, ORAO DE PEDIDO DE BNOS PARA O GRUPO

A QUE PERTENCEMOS (INTERCESSRIA). 09

III, 7, B, c, ORAO DE PEDIDO DE BNOS PARA TERCEIROS, (INTERCESSRIA). 09

III, 8, ORAO INTERCESSRIA. 09

III, 9, ORAO DE SUBMISSO VONTADE DE DEUS. 09

III, 10, ORAO DE ENTREGA AOS CUIDADOS DE DEUS. 10

III, 11, ORAO IMPRECATRIA. 10

III, 11, A, ORAO IMPRECATRIA PEDINDO BENS. 10

III, 11, B ORAO IMPRECATRIA PEDINDO MALES. 10

III, 11, C, ORAES IMPRECATRIAS NO ANTIGO TESTAMENTO. 10

III, 11, D, ORAES IMPRECATRIAS NO NOVO TESTAMENTO. 11

III, 11, D, a, CUIDADO COM ORAES IMPRECATRIAS COM BASE

NOS ENSINAMENTOS DE JESUS CRISTO. 11

III, 11, D, b, CUIDADO COM ORAES IMPRECATRIAS COM BASE NOS ENSINAMENTOS DE PAULO. 11

III, 11, D, c, CUIDADO COM ORAES IMPRECATRIAS COM BASE NOS ENSINAMENTOS DE PEDRO. 11

IV, MODELO DE ORAO. 12

IV, 1, ADORAO, RECONHECIMENTO DA SUPERIORIDADE DE DEUS. 12

IV, 2, INVOCAO. 12

IV, 3, SUBMISSO VONTADE DE DEUS. 12

IV, 4, PETIO. 12

IV, 5, CONFISSO DE PECADOS. 12

IV, 6, AMOR FRATERNAL. 12

IV, 8, NOVAMENTE, ADORAO. 13

V, LOCAIS ONDE A ORAO PODE SER REALIZADA. 13

VI, OCASIES EM QUE A ORAO PODE SER REALIZADA. 13

VII, POSIES EM QUE A ORAO PODE SER REALIZADA. 13

VIII, RESPOSTAS DE DEUS S ORAES DOS CRENTES. 14

IX, ORAES NA BBLIA, FORA DA REGRA. 14

DOUTRINA CRIST DA ORAO 3.

X, OBSTCULOS RESPOSTA POSITIVA DE DEUS ORAO. 14

XI, ORAES DE INCRDULOS. 15

XII, FORMAS, OU MODOS, DE ORAO. 15

XII, 1, ORAO A SS. 16

XII, 1, A, ORAO A SS, SILENCIOSA. 16

XII, 1, B, ORAO A SS, AUDVEL. 16

XII, 2, ORAO CONJUNTA. 16

XII, 2, A, ORAO CONJUNTA, SILENCIOSA. 16

XII, 2, B, ORAO CONJUNTA, AUDVEL. 16

XII, 2, B, a, ORAO CONJUNTA, AUDVEL E PBLICA. 16

XII, 2, B, a, 1, ORAO CONJUNTA, AUDVEL, PBLICA E UNITRIA. 16

XII, 2, B, a, 2, ORAO CONJUNTA, AUDVEL, PBLICA E GERAL. 17

XII, 2, B, b, ORAO CONJUNTA, AUDVEL E PARTICULAR. 17

XII, 2, B, b, 1, ORAO CONJUNTA, AUDVEL, PARTICULAR E UNITRIA. 17

XII, 2, B, b, 2, ORAO CONJUNTA, AUDVEL, PARTICULAR E GERAL. 17

XIII, CUIDADOS INDISPENSVEIS NAS ORAES PBLICAS. 17

XIII, 1, NO FAZER ORAES MUITO LONGAS. 17

XIII, 2, ORAR APENAS PELOS ASSUNTOS SOLICITADOS PELO DIRIGENTE DO CULTO. 18

XIII, 3, JAMAIS FAZER ACUSAES, OU CRTICAS, A QUALQUER PESSOA, GRUPO DE

PESSOAS, CATEGORIA PROFISSIONAl, INSTITUIO, ETC., ALVO DAS ORAES, PORQUE: 18

XIII, 4, CUIDADOS ESPECIAIS, PARA QUEM ESCUTA UMA ORAO PBLICA. 18

CONCLUSO. 19

BIBLIOGRAFIA. 20

DOUTRINA CRIST DA ORAO

4.

DOUTRINA CRIST DA ORAO.

INTRODUO.

O estudo sobre a orao CRIST, muito importante, porque, a orao

CRIST uma conversa com DEUS, desta forma, de suma importncia

sabermos como, quando e onde conversarmos, de tal forma que, ao

fazermos uma orao a DEUS, a faamos de acordo com a sua vontade.

Este estudo, no extenso ou exaustivo, apesar disso, cremos que o

contedo suficiente para nos ensinar acerca deste assunto to

fascinante, qual seja, a orao.

Estudemos, portanto, este assunto, o qual de suma importncia para a

vida do CRISTO, bem como para a IGREJA DE JESUS CRISTO.

I, O QUE ORAO CRIST?

Segundo o minidicionrio Aurlio, orao :

01, Splica religiosa; reza.

Para splica, temos:.

01, Ato ou efeito de suplicar.

Para suplicar:

01, Pedir com instncia e humildade; rogar.

O conciso dicionrio de teologia CRIST, nos diz:

01, ORAO, Dirigida a DEUS na forma de louvor, petio e confisso.

Cremos que nesta definio, est faltando algo no incio, talvez uma

palavra ou frase.

A seguir transliteramos todo o contedo do verbete orao, do

dicionrio da BBLIA.

Omitimos apenas as palavras santo e so, que antecedem o nome de

alguns filhos de DEUS, alm disso, as iniciais dos livros Bblicos

seguem o padro dos nossos estudos.

A orao consiste em manter uma comunho com DEUS. Quer isto dizer que

DEUS existe pessoalmente, que pode e quer ouvir-nos, que criou o

universo, que preserva e governa todas as suas criaturas e dirige as

aes delas. DEUS no se escraviza s leis que decreta; pode produzir

resultados suspendendo as leis da natureza ou operando por meio delas,

to facilmente como o homem, porque ele DEUS; pode dirigir os coraes

e as mentes dos homens mais eficientemente do que ns somos capazes de

fazer. DEUS preordenou, tanto a orao como a sua resposta. DEUS tem um

plano traado desde o princpio, que ele executa, tanto no modo em que

estabeleceu o universo e nas leis que o governam, como tambm pela sua

constante presena no universo mantendo-o e dirigindo-o.

DOUTRINA CRIST DA ORAO 5.

A orao instintiva no homem, que em suas crises chama por DEUS. ELE

exige que o homem ore; porm, para ter direito a este privilgio,

preciso que esteja em legtimas relaes com ele. A orao que ele

aceita, a que lhe dirigem os retos. A orao dos mpios lhe

abominvel, Prov15:29, 28:9. Somente aqueles cujos pecados so

perdoados, tm o privilgio de se aproximar de DEUS em orao. Todos

quantos se revelam contra a autoridade DIVINA no lhe so aceitos sem

antes renunciarem a seus pecados e receberem o seu perdo. A orao

a comunho dos filhos de DEUS com o seu PAI que est nos cus, e

consiste em adorao, ao de graas, confisso de pecados e peties,

Neem1:4-11; Dan9:3-19; Filip4:6. Desde o princpio o povo de DEUS

se empenhou neste santo exerccio.

A orao a expresso natural dos sentimentos religiosos a que

respondem as bnos DIVINAS, 1Reis9:3; Ez36:37; Mat7:7. DEUS

atende a toda a orao que lhe oferecida de conformidade com as

regras por ele estabelecidas; atende ao grito dos filhos do corvo,

quando a ele se dirigem pedindo alimento, e promete tambm responder s

oraes de seu povo, Sal65:2. O apstolo Tiago, citando fatos, declara

que a orao do justo, sendo fervorosa, pode muito, Tiago5:16. CRISTO,

falando a seus discpulos, disse-lhes: Tudo o que pedirdes ao PAI em

meu nome, isso vos farei, Joo14:13. O povo de DEUS dirige-lhe as

suas oraes, deixando sua vontade, o responder sim ou no; sabe que

DEUS responder de acordo com o bem de suas criaturas, e com o

adiantamento do seu REINO, ou para honra de sua GLRIA. O apstolo

Joo, escrevendo aos crentes, ensina a doutrina da orao, dizendo:

Esta a confiana que temos nele, que em tudo quanto lhe pedirmos,

ele nos ouve, sendo conforme sua vontade, Joo5:14. A resposta

vir, como ns desejamos, se estivermos bem iluminados. DEUS muitas

vezes abenoa melhor a seus filhos, negando-se a atender ao que pedem.

Assim tambm, os filhos de DEUS deixam vontade de seu PAI o resultado

de suas peties e se conformam com ele.

Devemos orar em nome de CRISTO, porque o pecador no pode aproximar-se

de DEUS em seu prprio nome; devemos reconhecer que no temos

merecimentos inerentes nossa natureza para irmos a sua presena, e

que somente em nome daquele que nos lavou dos nossos pecados em seu

sangue que nos fez sacerdotes para com DEUS.

A orao dirigida ao DEUS TRINO na sua plenitude. A bno apostlica

nos ensina tambm que a poderemos dirigir a cada uma das pessoas da

TRINDADE: A graa de NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, e a caridade de DEUS, e

a comunicao do ESPRITO SANTO seja com todos vs, 2Cor13:14.

Dirigiam-se oraes a CRISTO ressuscitado. Os CRISTOS invocavam o seu

nome, 1Cor1:1-2. Estvo a ele se dirigiu por ocasio do seu martrio;

Paulo invocou o seu nome e lhe rendeu graas, atribuindo-lhe glria e

domnio, At7:59-60; 2Cor12:8-9; 1Tess3:11; 1Tim1:12; Apoc1:5-6.

Os esclarecimentos dados pelos trs dicionrios, nos autorizam a

concluir, que a orao CRIST :

UMA CONVERSA DO CRENTE COM DEUS.

DOUTRINA CRIST DA ORAO 6.

II, COMO CONVERSARMOS COM DEUS?

A