Contrastes

  • Published on
    14-Nov-2014

  • View
    857

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Transcript

<ul><li> 1. Cada lugar reconhece-se por caractersticas que lhe so prprias e nicas. Nos lugares urbanos essas caractersticas dependem de condicionantes e configuraes geogrficas e topogrficas, das cul- turas que produziram os seus espaos edificados e cada um dos edifcios que os determinam, da sua idade, do seu valor como objectos culturais, da histria que neles podemos ler, dos hbitos e costumes dos seus habitantes. que s h cidades quando h habitantes: de resto trata-se de lugares abando- nados, h muito ou pouco tempo, que, prestigiosos embora, so runas ou fantasmas das cidadesPorque a vida feita de contrastes... ...e nada teria o seu valor se no conhecssemos o seu contrrio.2 Avenida de Roma </li></ul> <p> 2. Contrastes Avenida de Roma... ...Mais uma entre tantas existentes em Lisboa. Mais uma com anos de histria, mais uma com passeios de calada branca, mais uma com largas faixas de rodagem, mais uma cheia de movimento, agitao e stress humano, mais uma com comrcio, restaurantes, cafs e pastelarias, mais uma que corre entre edifcios e possui o nome de uma capital europeia. Apenas mais uma. Se mais uma avenida igual a tantas outras qual o seu encanto? o facto de ser nica. E o que a torna nica? As pessoas que l trabalham. As pessoas que l vivem. As pessoas que por l passam. As lojas que ap- enas existem nesta avenida. Os restaurantes, cafs e pastelarias que so nicos. As transformaes do tempo que acrescentam histria, vida vivida e emoo. A sua luxria. O cheiro e as texturas que a distinguem de todas as outras avenidas. Os edifcios tipicos que ao longo dos anos vo estando em constante desenvolvimento e mudana, tanto ao nivel esttico como funcional. O facto de ser a nica avenida que se chama Roma. O facto de ser a Avenida de Roma. 3 Avenida de Roma 3. Contrastes O esprito do lugar um conceito algo difuso e indefinvel que nos toca pelasensibilidade e nos permite fazer as necessrias distines entre lugares diversos. 4Avenida de Roma 4. Contrastes pela aparncia de um qualquer lugar, qualquer que seja a dimenso em causa, que o entendemos e lhe podemos atribuir um interesse e significado maior ou menor.5 Avenida de Roma 5. Contrastes 6Avenida de Roma 6. ContrastesO esprito de um lugar varia ao longo do tempo e apresen-ta-se-nos como efmero, em mutao, perene ou eterno. 7Avenida de Roma 7. Contrastes e assim surgem os volumes simples, 8Avenida de Roma 8. Contrastes as composies complexas,9 Avenida de Roma 9. Contrastes 10Avenida de Roma 10. Contrastes os ritmos, 11Avenida de Roma 11. Contrastes os valores dos materiais usados, 12Avenida de Roma 12. Contrastes as suas texturas,13 Avenida de Roma 13. Contrastes a cor, 14Avenida de Roma 14. Contrastes 15Avenida de Roma 15. Contrastes 16Avenida de Roma 16. Contrastes as propores dos vrios elementos componentes,17 Avenida de Roma 17. Contrastes o claro-escuro.18 Avenida de Roma 18. Contrastes 19Avenida de Roma 19. ContrastesO aqui e o alm como comparsas do patrimnio edificado. Apropriao visvel decerta ambiguidade; variveis do ponto de vista do espao a que se referem.20 Avenida de Roma 20. ContrastesPraa: lugar claramente delimitado e facilmente imaginvel; representa uma meta, um marco para o movimento. Espao de vivncias e referncias,ponto de chegada, ponto de partida.21 Avenida de Roma 21. Contrastes 22Avenida de Roma 22. ContrastesCidadesPor debaixo esgotos sobre o solo Nada e por cima o fumo Ali vivemos ns sem gozo nem consolo. Depressa passmos nelas. E, devagar, tambm elas seguem o nosso rumo.23 Avenida de Roma 23. ContrastesPorque tudo poesia... 24Avenida de Roma 24. ContrastesCo de gravata pendente,Co estouvado de alegria,Co de orelhas engomadas,Co formal da poesia. 25Avenida de Roma 25. ContrastesTenho quarenta janelasnas paredes do meu quarto.Sem vidros nem bambinelasposso ver atravs delaso mundo em que me reparto.Pela maior entra o espanto,pela menor a certeza,pela da frente a belezaque inunda de canto a canto. janelas do meu quarto, quem vos pudesse rasgar com tanta janela aberta falta-me a luz e o ar. 26Avenida de Roma 26. Contrastes 27Avenida de Roma 27. Contrastes 28Avenida de Roma 28. ContrastesEsttuaCansei-me de tentar o teu segredo: No teu olhar sem cor, frio escalpelo, O meu olhar quebrei, a debat-lo, Como a onda na crista dum rochedo. Segredo dessa alma e meu degredo E minha obsesso! Para beb-lo Fui teu lbio oscular, num pesadelo, Por noites de pavor, cheio de medo. E o meu sculo ardente, alucinado, Esfriou sobre o mrmore correcto Desse entreaberto lbio gelado... Desse lbio de mrmore, discreto, Severo como um tmulo fechado, Sereno como um plago quieto. 29Avenida de Roma 29. Contrastes 30Avenida de Roma 30. Contrastes 31Avenida de Roma 31. ContrastesUma montra muito mais que uma vitrineonde encontramos pordutos. uma antevisodo que vamos encontrar dentro de uma loja; uma oportunidade para captar a ateno daspessoas e de promover aquilo que de melhorum estabelecimento tem. 32Avenida de Roma 32. Contrastes 33Avenida de Roma 33. Contrastes 34Avenida de Roma 34. Contrastes 35Avenida de Roma 35. ContrastesEsperei durante algum tempo. Passado uns minutos que me pareceram eternidades apareceu uma luz. Uma luz intensa, com um brilho que me ofuscava os olhos, com uma cor to clara to clara que parecia o Sol num dia de Vero. Uma luz branca transparente como eu nunca vi. Foi a luz mais bonita que vi na minha vida. 36Avenida de Roma 36. Contrastes 37Avenida de Roma 37. Contrastes L vem o carteiro com seu ar prazenteiro, distribuir o correio. De mala ao ombro, mil segredos esconde. Na mo transporta cartas de amor, de penhor, de desamor, de alegria, de tristeza, igualmente a boa nova de um nasci- mento, ou de uma triste notcia. A paixo de um grande amor ou a decadncia de uma relao, j sem soluo. Tambm se juntam na mesma mala os amigos e os inimigos. Ai se a mala falasse! De certo contaria e talvez fizesse do carteiro o seu confidente.38 Avenida de Roma 38. ContrastesEntre o Passado e o Futuro... 39Avenida de Roma 39. ContrastesEra um velho solitrio, esquisito,arredio. Meio misantropo e meio ana-coreta. Era na verdade, esse velho,um tipo terrivelmente esfngico, enig-mtico. Misterioso como um habitanteno-humano da era espacial.Que mistrio guardava aquela criaturamacrbia pouca gente sabia. Ningumsabia ao certo de onde viera, qual seuofcio, a que famlia pertencia, doque vivia. Para muitos, era um mis-trio irritante, mas ao mesmo tempoassustador. O velho parecia ter vindodo passado longnquo, de um temporemoto, tamanha era sua longevi-dade. Os seus olhos estranhos, apesarde quase sem brilho, denotavam umasabedoria oculta h muito esquecidapela atual civilizao humana.40 Avenida de Roma 40. ContrastesA pacincia e a fidelidade do bom amigo que um banco de jardim... 41Avenida de Roma 41. ContrastesSo ponto de passagem e de encontros...Guardam as compras dos que no querem subir arua carregados de sacos, transmitem recados devizinhos, partilham coscuvilhices, sabem quemficou doente e quem deixou o bairro. Conhecembem os que por ali andam. De dia ou de noite.42 Avenida de Roma 42. Contrastes 43Avenida de Roma 43. ContrastesE l estavam eles mais uma vez. Pelamilsima vez naquele dia apanhei-osmais uma vez todos em fila a olhar parao que se passava na rua. Se passavaum autocarro era porque passava umautocarro, se passava uma mota eraporque passava uma mota, se estava ocarteiro era porque estava o carteiro,se estava gente a conversar na rua eraporque estavam a conversar, mas so-bretudo se passava uma rapariga novana rua era porque a mesma passava eeles eram homens demasiado tpicospara no comentarem ou sequer parano olharem.Anda uma pessoa a pagar para fazeremobras em casa, para eles passarem odia todo a ver o que se passa na rua? 44Avenida de Roma 44. Contrastes 45Avenida de Roma 45. ContrastesPode dizer-se que a Avenida de Roma uma rua principal a nvelhierrquico, de forma rectilnea e muito larga, com uma funopredominantemente residencial (tercirio a nvel trreo) e deespao comunicante. Eis-nos, pois, regressados ao campo do cultural, no seu sentidomais rico porque mais vasto... 46Avenida de Roma 46. ContrastesBibliografiaAlexandre ONeillBertolt BrechtAntnio GedeoCamilo PessanhaRogrio SilvrioKtia KatuloCarlos BarrosArquitecto Duarte Nuno Simes47 Avenida de Roma </p>