Ermelino 204

  • Published on
    25-Jul-2015

  • View
    157

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>anuncio.indd 1 8/27/14 9:51 AM</p><p>raleste@gmail.com - Tel. 2031-2364 1a quinzena de MaRO de 2015anO Xi - n.o 204</p><p>SP quer vacinar 762 mil meninas contra vrus do cncer de tero</p><p>O governador Geraldo Alckmin participou nesta segunda-feira, 9 de maro, da abertura da primeira etapa da campanha de vacinao para proteger meninas entre 9 e 11 anos de idade contra o papilo-mavrus humano (HPV).</p><p>A vacina tambm ser oferecida para a popu-lao indgena feminina com idades entre 9 e 13 anos, alm de garotas e mulheres portadoras do vrus HIV, com faixa etria entre 9 e 26 anos.</p><p>A vacina extrema-mente eficaz. Evitando o papilomavrus huma-no, evita-se o cncer de colo de tero, explicou o governador Geraldo Alckmin.</p><p>A meta estadual imu-nizar, at o dia 31 deste ms, 762,1 mil crianas com idades entre 9 e 13 anos (incluindo pblico indgena), que respondem por 80% das meninas nes-ta faixa etria no Estado e 6,6 mil garotas e mulheres portadoras do vrus HIV com idade entre 9 e 26 anos (veja dados regionais abaixo).</p><p>Postos de sade em todo o Estado, com ho-rrio de funcionamento das....</p><p>pag. 3</p><p>A lei que a prefeitura ignora</p><p>Ainda que timidamente, muito por conta de proble-mas de gesto no mbito das subprefeituras, a Lei Comida de Rua, de minha autoria, vai mostrando que, se implementada de manei-ra correta, tem tudo para se transformar em importante instrumento de gerao de emprego e renda. </p><p>Ao todo....</p><p>Comentrio sobre a violncia extrema no Brasil</p><p>Os nossos leitores de-vem estar acompanhando pela mdia diversas not-cias preocupantes sobre o futuro da nossa nao e no podemos esquecer que a questo da segu-rana pblica intrnseca a esse problema. Desde os anos 50 e 60, com as ideias .....</p><p>andrea Matarazzo</p><p>emanuel de aquino Lopes</p><p>O povo no quer Ditadura Militar, o povo quer a limpeza da nao </p><p>Caros amigos e leitores, quem me conhece sabe que sou um jornalista srio e respon-svel e que no tenho filiao a qualquer partido poltico. O meu partido a Verdade e a defesa da Zona Leste de So Paulo e o meu papel social contribuir para democratizar as informaes na maior regio da cidade. Antes de ser jorna-lista, militei em movimentos sociais e fui um atuante lder estudantil ainda no perodo da Ditadura Militar, portanto participei dos Movimentos das DIRETAS J , ANISTIA Ampla, Geral e Irrestrita , Reconstruo da UNE e muitos outros.</p><p>Posso assegurar a todos, principalmente a voc que tem menos de 40 anos, que quem viveu os horrores e as perse-guies do perodo mais negro da nossa histria recente, no deseja que o pas mergulhe em uma nova Interveno Militar. Felizmente a imensa maioria do povo brasileiro amante da paz, da democracia e da liberdade, valores que deixam de ser importantes em um Regime de Ditadura Militar. Apoiar uma nova Ditadura seria a ltima opo e s justifica se algum aventureiro tentasse implantar no Brasil um regime totalitrio de esquerda, como est acontecendo na Venezue-la, mas isto ainda est longe de acontecer. </p><p>Um dos setores que mais sofreu perseguio durante a Ditadura Militar foi a imprensa falada e escrita e televisiva. Se-guramente se houver outro Go-verno Militar, todos os meios de comunicao sero atingidos, TV, Radio e Jornais, incluindo um total controle da internet, whatsapp, facebook e outras redes sociais. </p><p>Vamos ficar atentos a toda mensagem estranhas que esto infestando as redes sociais nos ltimos dias. Neste momen-to eu vejo QUATRO grupos diferentes se articulando: O primeiro grupo formado pe-los Movimento VEMPRARUA , Revoltados On Line e blo-gueiros independentes. Essas iniciativas populares na internet sero unificados no dia 15 DE MARO. O segundo movimen-to tem origem entre setores militares mais conservadores e da reserva que defendem um golpe militar mais duro do que o de 1964, que recentemente </p><p>publicou um manifesto assina-do por mais de 70 Generais do Exrcito; o terceiro movimento est sendo articulando por militares, que se auto-intitulam de esquerda e teria o apoio da Fora Nacional de Segurana e de foras militares de pases vizinhos. Atravs de gravaes vazadas nas redes sociais, esse grupo deixa claro que o pais poder mergulhar numa chamada guerra fraterna sem precedentes que vai man-char a nossa histria. O ltimo movimento, representado pelo General Paulo Chagas apia a Mobilizao do dia 15/03 e formado por um grande gru-po de militares da ativa, que defendem a Via Constitucional para a derrubada do Governo Dilma, Apurao da roubalhei-ra, cadeia para os culpados e Novas Eleies para Presidente . </p><p>Quando existem vrios co-mandos a falta de lideranas poder favorecer o Governo e seus aliados como MST, CUT PT e partidos da base do gover-no. Se o Movimento falhar o Governo poderia tirar proveito da situao e endurecer ainda mais o jogo, com bloqueio da internet, para dificultar a comunicao via whatsapp e Face, tal como fazem em Cuba e na Venezuela, alm de um maior controle sobre o Congresso Nacional. </p><p>Vamos ficar atentos e pres-sionar o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal. Se formos em massa para as ruas, o legislativo no ter como no aceitar discutir um pedido de IMPEACHMENT da presidente DILMA e o STF como sempre vai lavar as suas mos. No dia 15 precisamos de uma pau-ta nica de reivindicao, pois todos queremos: IMPEACHI-MENT DA DILMA, julgamento e cadeia para os Corruptos e Corruptores, Repatriao do dinheiro pblico roubado e leis mais severas contra iniciativas que ferem os fundamentos da Republica e da Democracia, Leis que preservem a moral e os bons costumes da Famlia Bra-sileira, melhorias dos servios pblicos de sade, educao, mobilidade Urbana e Novas eleies democrticas sem Urnas Eletrnicas viciadas. </p><p>O prximo domingo ser o dia de a famlia brasileira dar um BASTA em tudo que est errado no Governo Dilma. VEM PRARUA, PROTESTEM E NO ACEITEM PROVOCAES. A POLCIA MILITAR ESTAR GARANTINDO A NOSSA SE-GURANA. O povo no quer Ditadura Militar, o povo quer a Limpeza da Nao e Que Deus nos abenoe.</p><p>Divaldo Rosa - Diretor Executivo e Editor Chefe </p><p>do Grupo Acontece de jornais e Revista</p><p>editorial</p><p>Divaldo Rosa</p><p>Visita redao do Jornal</p><p>Recebemos no ltimo dia 12 a visita do empre-srio Fbio Santana da SJS Consultoria e Servios, uma empresa slida que atua no ramo....</p><p>pag. 2pag. 2</p><p>pag. 4 pag. 5</p><p>Novo Sindicato Constitudo juridica-</p><p>mente para melhor aten-der a situao dos tra-balhadores comissiona-dos, no ano passado foi fundado o Sindfuncesp Sindicato dos Traba-lhadores Comissionados de Funo Gratificada e de Funo de Confiana dos Poderes Executivos e Legislativo no Estado de So Paulo. A semente dessa grande unio foi plantada em 05 de julho de 2014.....</p></li><li><p>1a qUINZENA DE MARO DE 2015Pg 2</p><p>TiRAGEm: 25.000 ExEmplAREs</p><p>CiRCuLaO: eRMeLinO MaTaRazzO, POnTe Rasa, ViLa CisPeR, ViLa uniO, a.e CaRVaLhO, JaRdiM PedRO nunes, </p><p>guaRuLhOs, Penha e Cangaiba</p><p>Diretor Geral: Divaldo Rosa</p><p>Jornalista: Silmara Galvo</p><p>As matrias assinadas so de exclusiva responsabilidade dos colaboradores e no representam, necessariamente, a opinio do Jornal. Os nomes dos diretores, colaboradores e representantes comerciais no mantm vnculo empregatcio com a empresa.</p><p>RedaO/PubLiCidade: 2031-2364 / 2513-0928 </p><p>Revisora: Suseli Corumba dos Santos</p><p>Diagramador: Bruno Barreto Rosa</p><p>Avenida dos Guachos, 166 - Cep: 08030-360 - So Paulo SP - raleste@gmail.com</p><p>O jornal de Ermelino &amp; Ponte Rasa Filiado AJORLESTE Associao dos Jornais da Zona Leste</p><p>Acontece Agora Empresa Jornalstica Ltda. CNPJ: 03.115.443/0001-16</p><p>Depto. Jurdico: Agilson M. Oliveira</p><p>secretria:Ariane Andrade</p><p>subPReFeiTuRa de eRMeLinOAv. So Miguel, 5550</p><p>Ermelino Matarazzo-SP</p><p>banCa RdsAv. Aguia de Haia, 4085</p><p>Jardim Cotinha-SP</p><p>a lei que a prefeitura ignoraAinda que timidamente, </p><p>muito por conta de proble-mas de gesto no mbito das subprefeituras, a Lei Comida de Rua, de minha autoria, vai mostrando que, se implementada de manei-ra correta, tem tudo para se transformar em importante instrumento de gerao de emprego e renda. </p><p>Ao todo, 888 pontos fo-ram liberados para a venda de comida de rua um nmero pequeno diante do potencial desse setor. O pro-cesso de anlise dos pedidos protocolados nas 32 subpre-feituras gerou a emisso de 170 alvars. Isso significa que quase duas centenas de pessoas formalizaram suas atividades enquadrando-se como empreendedores in-dividuais ou micro empresas. Dessa forma se beneficiam dos efeitos da legalidade, entre eles, a entrada no sis-tema previdencirio (direito a penso e aposentadoria). </p><p>Elaborei a proposta da lei 15.947/2011com o obje-tivo de dar autonomia ao vendedor de comida de rua deixando que ele pudesse indicar o ponto que melhor lhe conviesse. A viabilidade dos pedidos seria analisada por cada subprefeitura em comisses compostas por representante da Secreta-ria de Sade; servidor da subprefeitura; servidor da Companhia de Engenharia de Trfego (CET); um repre-sentante do Conselho de Se-</p><p>gurana do bairro (Conseg); representante de associao de moradores da regio. </p><p>A livre escolha do ponto estimularia pedidos tambm dos pequenos vendedores e no apenas dos trucks, lembrando que a lei aplica--se tambm aos pequenos vendedores, que sustentam suas famlias com seu tra-balho digno em carrinhos e barracas.</p><p>Quem mora e atua no bairro tem melhores condi-es de saber se os pontos so viveis, da a importn-cia das Comisses com parti-cipao de empreendedores e associaes, que seriam os melhores fiscais dessa lei. </p><p>No entanto, o decreto do prefeito que regulamentou a Lei Comida de Rua, em maio de 2014, vetou essas comisses de comida de rua e estabeleceu que cabe a cada subprefeitura indicar os pontos aptos para a atu-</p><p>ao de quem trabalha com comida de rua. </p><p>Inverteu-se o esprito original da lei, centralizan-do a deciso no gabinete do subprefeito. O resultado disso que existem pontos que no despertaram o in-teresse de ningum. Quem sabe onde o produto vende o empreendedor. </p><p>A Lei de Comida de Rua veio para ficar. Os resultados prticos de sua aplicao, no entanto, dependem da po-ltica de faz-la valer como fonte de gerao de empre-go e renda e de capacidade de gesto. Mas. com todos podem ver, onde o prefeito Fernando Haddad pe a mo, tudo piora ou acaba dando errado.</p><p>andrea Matarazzo vereador e lder do Psdb na Cmara Municipal de so Paulo</p><p>alto do Tiet tem 54 vagas de trabalho que aceitam pessoas com </p><p>deficinciaMais de 13,5 mil pessoas j foram </p><p>inseridas no mercado de trabalho por meio </p><p>do programa de Apoio Pessoa com </p><p>Deficincia</p><p>O programa Emprega So Paulo/Mais Emprego oferece nesta semana 54 oportunidades de trabalho que aceitam pessoas com deficincia na regio do Alto Tiet. Entre os destaques esto vagas para auxiliar de linha de produo e auxiliar administrativo.</p><p>Para ter acesso s va-gas, basta acessar o site do programa, criar login, senha e informar os dados solicitados. Outra opo comparecer a um Posto de Atendimento ao Trabalha-dor (PAT) com RG, CPF, PIS, Carteira de Trabalho, laudo mdico com o Cdigo Inter-nacional de Doenas (CID) e Audiometria (no caso de deficincia auditiva).</p><p>Quem no tiver o laudo ser orientado no prprio PAT sobre como proceder </p><p>para conseguir a documen-tao exigida. O candidato tambm pode comparecer na sede do PADEF (progra-ma de Apoio Pessoa com Deficincia), localizado, na Rua Boa Vista, 170, 1 andar, So Paulo.</p><p>sobre o padefMais de 13,5 mil pessoas </p><p>com deficincia j foram inseridas no mercado de trabalho desde 1995 por </p><p>meio do Padef, programa do Governo do Estado que oferece avaliao de per-fil profissional, orientao quanto ao laudo mdico e as exigncias do mercado de trabalho, encaminhamento para cursos e/ou vagas dis-ponveis, emisso de carteira de trabalho e habilitao do seguro-desemprego e divul-gao de oportunidades de emprego.</p><p>Jovens paulistas podem se inscrever para festival internacional de msica</p><p>At 23 de maro, residentes do Estado </p><p>de So Paulo com idade entre 13 e </p><p>21 anos podem se cadastrar</p><p>O Festival Internacional de Msica Imagine Brazil est recebendo inscries de jovens msicos paulistas. At 23 de maro, residentes do Estado de So Paulo, com idade entre 13 e 21 anos, podem se cadastrar na com-petio. So aceitos solistas ou grupos de at 8 pessoas, que devem preencher um formulrio via site e enviar uma mdia MP3 ou vdeo </p><p>para a organizao.Sero selecionados at </p><p>50 grupos ou artistas, que disputaro as semifinais em cinco cidades do inte-rior de So Paulo. Sero escolhidos 10 finalistas para a competio, que ocorrer em 4 de julho, na capital paulista. </p><p>Os que chegarem final vo concorrer a um instru-mento da marca Yamaha, uma gravao de um EP (extended play), alm de participar da Final Inter-nacional do Imagine - com todas as despesas pagas pelo concurso -, em 2016, na Crocia. O vencedor internacional recebe tam-bm um plano de neg-</p><p>cios, que inclui sesso de fotos, gravao de msicas e consultoria para o desen-volvimento da carreira.</p><p>Pela primeira vez no Brasil, a competio Ima-gine Brazil realizada pela Organizao Social de Cultura Amigos do Guri - gestora do Projeto Guri, programa de educao musical da Secretaria da Cultura.</p><p>Imagine BrazilInscries: at 23 de </p><p>maroSite: www.imagine-</p><p>festival.com.br</p><p>SERVIOS:</p><p>Visita redao do JornalRecebemos no ltimo dia </p><p>12 a visita do empresrio Fbio Santana da SJS Consul-toria e Servios, uma empresa slida que atua no ramo de terceirizao de servios e conservao patrimonial a mais de 10 anos. A SJS tem sede em Guarulhos e est expandindo as suas atividades para atender a demanda de empresas e setor pblico da Zona Leste de So Paulo.</p><p>Segundo Fbio Santana, a mercado de terceirizao de mo de obra est em constante crescimento e a sua empresa se especializou em qualificar profissionais que so colocados disposio das empresas para as mais diversas funes, tais como: limpeza, monitoramento, copa, jardinagem, limpeza ps-obra, portaria, recepo, secretaria, recepo, diaristas e servios gerais. A nossa em-presa se destaca no segmento </p><p>de terceirizao de servios de conservao patrimonial e o nosso alvo expandir nossas atividades tambm para a Zona Leste aonde vem crescendo a demanda para servios terceirizados, principalmente em redes de supermercados, indstrias e setor pblico, disse Fbio </p><p>Santana.Fabio e sua equipe elogia-</p><p>ram a organizao do Grupo Acontece bem como a credi-bilidade dos nossos jornais e revistas, sinalizando que po-deremos ter outras parcerias no futuro, alm desta coluna que passa a ser publicada em todos os nossos jornais.</p></li><li><p>1a qUINZENA DE MARO DE 2015Pg 3</p><p>Publicidade</p></li><li><p>1a qUINZENA DE MARO DE 2015Pg 4</p><p>ViVeR eM seguRana: breve Comentrio sobre a Violncia </p><p>extrema no brasilEmanuel de Aquino Lopes</p><p>Os nossos leitores de-vem estar acompanhando pela mdia diversas not-cias preocupantes sobre o futuro da nossa nao e no podemos esquecer que a questo da segu-rana pblica intrnseca a esse problema. Desde os anos 50 e 60, com as ideias de Herbert Marcuse e a Escola de Frankfurt tem s ido pregado por a lguns movimentos de esquerda a teoria de que a criminalidade um forte elemento revolucionrio e que essa conduta deve ser incentivada. A poltica de-liberada de criar uma situ-ao revolucionria passa pela distoro da afirma-o feita por Karl Marx sobre a funo do pro-letariado...</p></li></ul>